SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Secretaria da Saúde
Secretaria do Desenvolvimento Social
  Secretaria da Educação e Cultura
   Deliberada na Conferência Municipal de
    Saúde Mental em 2007, por trabalhadores.
   Comissão Vinculada ao Conselho
    Municipal de Saúde.
Tem a finalidade de acompanhar as ações da
Saúde Mental junto ao Conselho Municipal de
 Saúde e a gestão municipal, fortalecendo a
    Política Nacional de Saúde Mental.
PLANO MUNICIPAL DE AÇÕES INTEGRADAS
   DE ENFRENTAMENTO ÀS DROGAS
Considerando    o aumento significativo do
consumo de drogas no município de Santa Cruz
         do Sul, as Secretarias da Saúde,
  Desenvolvimento Social e Educação e Cultura
 por intermédio do Comitê Gestor Intersetorial,
 une forças no sentido de prevenir e trabalhar
questões ligadas ao consumo de drogas lícitas e
                      ilícitas.
Após   estudos realizados, emergiu a
necessidade de ampliar ações de enfrentamento
 ao uso indiscriminado de drogas no Município,
    com ênfase no crack. Ficou evidenciada a
necessidade de fomentar ações integradas entre
atores que dinamizem o processo de assistência
              integral ao indivíduo.
Conscientizar e mobilizar os cidadãos e as
  

  autoridades para que façam a sua parte no
combate ao consumo das drogas. Para alcançar
        o objetivo proposto, pelos três
    eixos, Saúde, Desenvolvimento Social e
              Educação e Cultura.
Analisar a evolução do consumo entre usuários


    de crack com histórico de tratamento.

    Garantir o acolhimento humanizado.
 Este projeto é o grande diferencial do
   tratamento, pois procura resgatar a saúde
psíquica e emocional, para motivar o usuário a
refazer o seu projeto de vida, adotando hábitos
  saudáveis e produtivos, com relações sociais
     estáveis apoiados no tripé já formado.
Motivar aqueles que já tem consciência de sua


dependência na procura pela ajuda necessária.
Conscientizar quanto as consequências que a

  dependência química causa na família, no
          trabalho e na vida social.
Estabelecer uma linha de cuidado dentro da


              rede já existente.
 Realizar ações preventivas quanto ao uso

             abusivo de drogas.
O  público alvo na primeira etapa, serão os
       profissionais que atuam na Saúde,
  Desenvolvimento Social, Educação e Cultura
   estabelecendo uma linha de cuidado única
visando a tomada de ações junto a comunidade
              de Santa Cruz do Sul.
Promoção   de formação continuada, através de
capacitações e oficinas que abordem conteúdos
referentes às drogas lícitas e ilícitas, com ênfase
        na problemática do uso do crack.
   CAPS AD – Atendimentos mês 850;
   03 pacientes novos por semana;
   Grupos Terapêuticos;
   Atendimentos individuais;
   Oficinas Terapêuticas;
   Grupo de Acolhimento;
   Atendimento
    Clínico, Psiquiátrico, Psicológico, Social e serviço
    de ambulatório;
   Grupo de Familiares;
   Atividades nas escolas;
   Redução de Danos;
O Centro Municipal de Atendimento à
 Sorologia (CEMAS) compreende os serviços
de SAE (Serviço de Assistência Especializada)
        e CTA (Centro de Testagem e
Aconselhamento) . O SAE assiste a todos os
 pacientes com diagnóstico de HIV/AIDS da
    13 CRS e o CTA realiza a testagem de
  exames anti-HIV, VDRL e hepatites B e C.
     Além disso, realiza 6 campanhas anuais de
     prevenção (Carnaval, Dia da mulher, Dia dos
     Namorados, Dia do Idoso, Oktoberfest e Dia
     mundial de combate à AIDS)e ações extra-
       muros, voltadas a populações vulneráveis
    como profissionais do sexo, travestis, michês
     e gays. Também são realizadas ações com o
      intuito de ampliar a testagem em feiras de
        saúde, CIPAS, presídios e em clínicas de
                     recuperação.
   CAPSIA – Centro de Atenção Psicossocial Criança
    e Adolescentes.
   Acolhimento
   Oficinas terapêuticas
   Grupos terapêuticos
   Grupos de familiares
   Atendimentos ind.
    Psiquiátricos, clínico, psicoterapêutico, fonoaudi
    ologico, terapêutico-ocupacional, enfermagem e
    atendimento social.
   Visitas domiciliares;
   Atividades externas;
CRAS - O Centro de Referência de Assistência
 Social (CRAS) é uma unidade pública estatal
 descentralizada da política de assistência
 social, responsável pela organização e oferta
 de serviços da proteção social básica do
 Sistema Único de Assistência Social (SUAS)
 nas áreas de vulnerabilidade e risco social
 dos municípios
   O CRAS é uma unidade de proteção social
    básica do SUAS, que tem por objetivo
    prevenir a ocorrência de situações de
    vulnerabilidades e riscos sociais nos
    territórios, por meio do desenvolvimento de
    potencialidades e aquisições, do
    fortalecimento de vínculos familiares e
    comunitários, e da ampliação do acesso aos
    direitos de cidadania.

   CRAS CONVIVER - Está localizado na Rua
    Ibirubá, nº82 no Bairro Esmeralda,
    abrangendo a região sudeste com os bairros:
    Aliança, Castelo Branco, São João, Progresso,
    Esmeralda, Santo Antônio e Rauber).
   CRAS BEATRIZ JUNGBLUT _ Está localizado na
    Av. Davi Severo Mânica, nº 369 no Bairro
    Santa Vitória, abrangendo a região zona Sul,
    com os bairros: Santa Vitória (Harmonia,
    Cristal, Glória e Imigrantes), Faxinal/Menino
    Deus, Dona Carlota.
   Atendimento individuais e familiares;
   visitas domiciliares e institucionais;
   Encaminhamento a rede socioassistencial;
   Reuniões e ações comunitárias;
   Palestras voltadas as famílias e a
    comunidade;
   Campanhas sócio educativas;
   Articulação e fortalecimento de grupos
    sociais locais;
   Organização da vigilância social.
   O Centro de Referência Especializada em
    Assistência Social (Creas) é a unidade pública
    estatal que oferta serviços da proteção
    especial para famílias e indivíduos em
    situação de ameaça ou violação de direitos.
   PAEFI (Proteção e Atendimento Especializado
    a Famílias e Indivíduos), Serviço
    Especializado em Abordagem Social, Serviço
    de Proteção Social a Adolescentes em
    Cumprimento de Medidas Socioeducativas de
    Liberdade Assistida e de Prestação de
    Serviços a Comunidade, Serviço de Proteção
    Especial para pessoas com deficiência, idosos
    e suas famílias e Serviço Especializado para
    pessoas em situação de rua.

SECRETARIA MUNICIPAL DE
       EDUCAÇÃO E CULTURA
          1.668 Servidores
         10.123 Estudantes

     6.932            2.842            349
   Estudantes       Estudantes      Estudantes



        775             553              21
    Profissionais   Profissionais   Profissionais




A informação é a melhor prevenção.
   O começo foi exato               Beleza é a donzela
   Quando o amor nasceu em mim      O pudor é capital
   Foi carente, foi compacto        Vou buscar minha tutela
   Eu fiquei perdido assim          Clareando o meu astral

   Dilacera a verdade               No começo da cidade
   Dói no peito sem parar           Revirei a tua procura
   Sob a voz a capacidade           Tive tal fidelidade
   Te amei neste lugar              Nova onda sem mistura.

   A vida trazia o sono             Paciente do CAPS AD
   Vira e mexe e esplendor
   No começo de carbono
   Bateu no coração o amor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasApresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasOrlei Almeida
 
12. apresentação cras hipica cadunico
12. apresentação cras hipica cadunico12. apresentação cras hipica cadunico
12. apresentação cras hipica cadunicoNandaTome
 
Orientações tecnicas creas
Orientações tecnicas creasOrientações tecnicas creas
Orientações tecnicas creasRosane Domingues
 
CasaSenior_a+v+j
CasaSenior_a+v+jCasaSenior_a+v+j
CasaSenior_a+v+jAna Santos
 
Jornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREAS
Jornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREASJornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREAS
Jornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREASFatima Lima
 
Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.
Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.
Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.Janaina Anjos
 
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Anna Paula Tenorio
 
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Cristina de Souza
 
Manual de orientacoes_para_acolhimento_-_conanda
Manual de orientacoes_para_acolhimento_-_conandaManual de orientacoes_para_acolhimento_-_conanda
Manual de orientacoes_para_acolhimento_-_conandaCatarina Poker
 
O serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origem
O serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origemO serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origem
O serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origemPaula Silva
 
Apresentacao Associação Aliança de Saúde e Cidadania
Apresentacao Associação Aliança de Saúde e CidadaniaApresentacao Associação Aliança de Saúde e Cidadania
Apresentacao Associação Aliança de Saúde e CidadaniaJosé Luiz Montañola
 
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidadeExperiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidadeCuidar de Idosos
 
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idosoTerapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idosoAbrato-SC
 
11 cras orientações técnicas (1)
11  cras orientações técnicas (1)11  cras orientações técnicas (1)
11 cras orientações técnicas (1)Alinebrauna Brauna
 
Paif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familiasPaif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familiasDalila Renata
 

Mais procurados (20)

Creas serviços
Creas  serviçosCreas  serviços
Creas serviços
 
Apresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creasApresentação serviços do creas
Apresentação serviços do creas
 
12. apresentação cras hipica cadunico
12. apresentação cras hipica cadunico12. apresentação cras hipica cadunico
12. apresentação cras hipica cadunico
 
Orientações tecnicas creas
Orientações tecnicas creasOrientações tecnicas creas
Orientações tecnicas creas
 
CasaSenior_a+v+j
CasaSenior_a+v+jCasaSenior_a+v+j
CasaSenior_a+v+j
 
Jornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREAS
Jornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREASJornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREAS
Jornada de estudos da SEMASC / Baraúna - CREAS
 
Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.
Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.
Informe esclarecimento sobre a atuação do creas.
 
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
Modelos assistenciais terapêuticos direcionados ao idoso vs2
 
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013Apresentação reordenamento SCFV  CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
Apresentação reordenamento SCFV CRAS Nioaque-MS 11 11-2013
 
Manual de orientacoes_para_acolhimento_-_conanda
Manual de orientacoes_para_acolhimento_-_conandaManual de orientacoes_para_acolhimento_-_conanda
Manual de orientacoes_para_acolhimento_-_conanda
 
O serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origem
O serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origemO serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origem
O serviço social e a reinerção de crianças e adolescentes à familia de origem
 
Apresentacao Associação Aliança de Saúde e Cidadania
Apresentacao Associação Aliança de Saúde e CidadaniaApresentacao Associação Aliança de Saúde e Cidadania
Apresentacao Associação Aliança de Saúde e Cidadania
 
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
Apresentação - Desafio do Atendimento à População em Situação de Rua em UBS I...
 
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidadeExperiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
Experiencias exitosas com cuidadores sociais de idosos na comunidade
 
Creas rh
Creas  rhCreas  rh
Creas rh
 
Diagnostico social
Diagnostico socialDiagnostico social
Diagnostico social
 
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idosoTerapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
Terapeuta ocupacional no centro de convivênica do idoso
 
Centro dia 658
Centro dia 658Centro dia 658
Centro dia 658
 
11 cras orientações técnicas (1)
11  cras orientações técnicas (1)11  cras orientações técnicas (1)
11 cras orientações técnicas (1)
 
Paif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familiasPaif trabalho social com familias
Paif trabalho social com familias
 

Destaque (20)

Controle social
Controle socialControle social
Controle social
 
Democracia, participação social e saúde
Democracia, participação social e saúdeDemocracia, participação social e saúde
Democracia, participação social e saúde
 
Aula inicial saude do adulto regras
Aula inicial saude do adulto regrasAula inicial saude do adulto regras
Aula inicial saude do adulto regras
 
Controle social (1)
Controle social (1)Controle social (1)
Controle social (1)
 
Acolhimento e vinculo
Acolhimento e vinculoAcolhimento e vinculo
Acolhimento e vinculo
 
Apresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletivaApresentação saude do idoso coletiva
Apresentação saude do idoso coletiva
 
HiperDia
HiperDia HiperDia
HiperDia
 
3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]3 programas atencao_saude[1]
3 programas atencao_saude[1]
 
Saúde mental no sus
Saúde mental no susSaúde mental no sus
Saúde mental no sus
 
Controle social
Controle socialControle social
Controle social
 
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
Aula Hiperdia   06.05.2009 IAula Hiperdia   06.05.2009 I
Aula Hiperdia 06.05.2009 I
 
O trabalho do assistente social no caps ad
O trabalho do assistente social no caps adO trabalho do assistente social no caps ad
O trabalho do assistente social no caps ad
 
Saúde Mental
Saúde Mental Saúde Mental
Saúde Mental
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e OrganizacionaisAula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
Aula - SUS Princípios Doutrinários e Organizacionais
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Caps
CapsCaps
Caps
 
3. acolhimento
3. acolhimento3. acolhimento
3. acolhimento
 
Politicas de saude
Politicas de saudePoliticas de saude
Politicas de saude
 

Semelhante a Minha Santa Cruz sem Drogas

Slide Saúde Coletiva - Cras
Slide Saúde Coletiva  - CrasSlide Saúde Coletiva  - Cras
Slide Saúde Coletiva - CrasHelena Damasceno
 
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBAINFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBAGeraldina Braga
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Rosemeire Rocha D. Fukue
 
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxO-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxAugustoSvio2
 
Apresentação jerônimo mendonça projeto cacheado
Apresentação jerônimo mendonça projeto cacheadoApresentação jerônimo mendonça projeto cacheado
Apresentação jerônimo mendonça projeto cacheadoIndio Brasil
 
slide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxslide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxAngelicalualua
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social  Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Rosemeire Rocha D. Fukue
 
Campanha bola na rede
Campanha bola na redeCampanha bola na rede
Campanha bola na redeLH Tools
 

Semelhante a Minha Santa Cruz sem Drogas (20)

Slide Saúde Coletiva - Cras
Slide Saúde Coletiva  - CrasSlide Saúde Coletiva  - Cras
Slide Saúde Coletiva - Cras
 
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBAINFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
INFORMATIVO DO CREAS DE IRAUÇUBA
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptxO-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
O-Papel-Assistencia-Social-Implementacao-Escuta-Especializada.-Tania-Regina.pptx
 
Apresentação jerônimo mendonça projeto cacheado
Apresentação jerônimo mendonça projeto cacheadoApresentação jerônimo mendonça projeto cacheado
Apresentação jerônimo mendonça projeto cacheado
 
slide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptxslide_assistencia_social.pptx
slide_assistencia_social.pptx
 
Amar e proteger2
Amar e proteger2Amar e proteger2
Amar e proteger2
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
Amar e Proteger2
Amar e Proteger2Amar e Proteger2
Amar e Proteger2
 
Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2Apresentação Amar e Proteger2
Apresentação Amar e Proteger2
 
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social  Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
Amar e Proteger2 Serviço de Proteção Social
 
Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2
 
Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2
 
Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2Apresentação amar e proteger2
Apresentação amar e proteger2
 
Amar e proteger2
Amar e proteger2Amar e proteger2
Amar e proteger2
 
Amar e Proteger2
Amar e Proteger2Amar e Proteger2
Amar e Proteger2
 
Amar e proteger2
Amar e proteger2Amar e proteger2
Amar e proteger2
 
Campanha bola na rede
Campanha bola na redeCampanha bola na rede
Campanha bola na rede
 
Raps mental tchê
Raps mental tchêRaps mental tchê
Raps mental tchê
 

Minha Santa Cruz sem Drogas

  • 1.
  • 2. Secretaria da Saúde Secretaria do Desenvolvimento Social Secretaria da Educação e Cultura
  • 3. Deliberada na Conferência Municipal de Saúde Mental em 2007, por trabalhadores.  Comissão Vinculada ao Conselho Municipal de Saúde.
  • 4. Tem a finalidade de acompanhar as ações da Saúde Mental junto ao Conselho Municipal de Saúde e a gestão municipal, fortalecendo a Política Nacional de Saúde Mental.
  • 5. PLANO MUNICIPAL DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO ÀS DROGAS
  • 6. Considerando o aumento significativo do consumo de drogas no município de Santa Cruz do Sul, as Secretarias da Saúde, Desenvolvimento Social e Educação e Cultura por intermédio do Comitê Gestor Intersetorial, une forças no sentido de prevenir e trabalhar questões ligadas ao consumo de drogas lícitas e ilícitas.
  • 7. Após estudos realizados, emergiu a necessidade de ampliar ações de enfrentamento ao uso indiscriminado de drogas no Município, com ênfase no crack. Ficou evidenciada a necessidade de fomentar ações integradas entre atores que dinamizem o processo de assistência integral ao indivíduo.
  • 8. Conscientizar e mobilizar os cidadãos e as  autoridades para que façam a sua parte no combate ao consumo das drogas. Para alcançar o objetivo proposto, pelos três eixos, Saúde, Desenvolvimento Social e Educação e Cultura.
  • 9. Analisar a evolução do consumo entre usuários  de crack com histórico de tratamento. Garantir o acolhimento humanizado.
  • 10.  Este projeto é o grande diferencial do tratamento, pois procura resgatar a saúde psíquica e emocional, para motivar o usuário a refazer o seu projeto de vida, adotando hábitos saudáveis e produtivos, com relações sociais estáveis apoiados no tripé já formado.
  • 11. Motivar aqueles que já tem consciência de sua  dependência na procura pela ajuda necessária. Conscientizar quanto as consequências que a dependência química causa na família, no trabalho e na vida social.
  • 12. Estabelecer uma linha de cuidado dentro da  rede já existente. Realizar ações preventivas quanto ao uso abusivo de drogas.
  • 13. O público alvo na primeira etapa, serão os profissionais que atuam na Saúde, Desenvolvimento Social, Educação e Cultura estabelecendo uma linha de cuidado única visando a tomada de ações junto a comunidade de Santa Cruz do Sul.
  • 14. Promoção de formação continuada, através de capacitações e oficinas que abordem conteúdos referentes às drogas lícitas e ilícitas, com ênfase na problemática do uso do crack.
  • 15. CAPS AD – Atendimentos mês 850;  03 pacientes novos por semana;  Grupos Terapêuticos;  Atendimentos individuais;  Oficinas Terapêuticas;  Grupo de Acolhimento;  Atendimento Clínico, Psiquiátrico, Psicológico, Social e serviço de ambulatório;  Grupo de Familiares;  Atividades nas escolas;  Redução de Danos;
  • 16. O Centro Municipal de Atendimento à Sorologia (CEMAS) compreende os serviços de SAE (Serviço de Assistência Especializada) e CTA (Centro de Testagem e Aconselhamento) . O SAE assiste a todos os pacientes com diagnóstico de HIV/AIDS da 13 CRS e o CTA realiza a testagem de exames anti-HIV, VDRL e hepatites B e C.
  • 17. Além disso, realiza 6 campanhas anuais de prevenção (Carnaval, Dia da mulher, Dia dos Namorados, Dia do Idoso, Oktoberfest e Dia mundial de combate à AIDS)e ações extra- muros, voltadas a populações vulneráveis como profissionais do sexo, travestis, michês e gays. Também são realizadas ações com o intuito de ampliar a testagem em feiras de saúde, CIPAS, presídios e em clínicas de recuperação.
  • 18. CAPSIA – Centro de Atenção Psicossocial Criança e Adolescentes.  Acolhimento  Oficinas terapêuticas  Grupos terapêuticos  Grupos de familiares  Atendimentos ind. Psiquiátricos, clínico, psicoterapêutico, fonoaudi ologico, terapêutico-ocupacional, enfermagem e atendimento social.  Visitas domiciliares;  Atividades externas;
  • 19. CRAS - O Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) é uma unidade pública estatal descentralizada da política de assistência social, responsável pela organização e oferta de serviços da proteção social básica do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) nas áreas de vulnerabilidade e risco social dos municípios
  • 20. O CRAS é uma unidade de proteção social básica do SUAS, que tem por objetivo prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidades e riscos sociais nos territórios, por meio do desenvolvimento de potencialidades e aquisições, do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários, e da ampliação do acesso aos direitos de cidadania. 
  • 21. CRAS CONVIVER - Está localizado na Rua Ibirubá, nº82 no Bairro Esmeralda, abrangendo a região sudeste com os bairros: Aliança, Castelo Branco, São João, Progresso, Esmeralda, Santo Antônio e Rauber).  CRAS BEATRIZ JUNGBLUT _ Está localizado na Av. Davi Severo Mânica, nº 369 no Bairro Santa Vitória, abrangendo a região zona Sul, com os bairros: Santa Vitória (Harmonia, Cristal, Glória e Imigrantes), Faxinal/Menino Deus, Dona Carlota.
  • 22. Atendimento individuais e familiares;  visitas domiciliares e institucionais;  Encaminhamento a rede socioassistencial;  Reuniões e ações comunitárias;  Palestras voltadas as famílias e a comunidade;  Campanhas sócio educativas;  Articulação e fortalecimento de grupos sociais locais;  Organização da vigilância social.
  • 23. O Centro de Referência Especializada em Assistência Social (Creas) é a unidade pública estatal que oferta serviços da proteção especial para famílias e indivíduos em situação de ameaça ou violação de direitos.
  • 24. PAEFI (Proteção e Atendimento Especializado a Famílias e Indivíduos), Serviço Especializado em Abordagem Social, Serviço de Proteção Social a Adolescentes em Cumprimento de Medidas Socioeducativas de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviços a Comunidade, Serviço de Proteção Especial para pessoas com deficiência, idosos e suas famílias e Serviço Especializado para pessoas em situação de rua. 
  • 25. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1.668 Servidores 10.123 Estudantes 6.932 2.842 349 Estudantes Estudantes Estudantes 775 553 21 Profissionais Profissionais Profissionais A informação é a melhor prevenção.
  • 26. O começo foi exato  Beleza é a donzela  Quando o amor nasceu em mim  O pudor é capital  Foi carente, foi compacto  Vou buscar minha tutela  Eu fiquei perdido assim  Clareando o meu astral  Dilacera a verdade  No começo da cidade  Dói no peito sem parar  Revirei a tua procura  Sob a voz a capacidade  Tive tal fidelidade  Te amei neste lugar  Nova onda sem mistura.  A vida trazia o sono  Paciente do CAPS AD  Vira e mexe e esplendor  No começo de carbono  Bateu no coração o amor