PeríOdo RegêNcial

31.556 visualizações

Publicada em

O slide fal a respeito da organização e destruturação da Regêncial no Brasil Imperial

Publicada em: Educação
3 comentários
30 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Parabéns! Perfeito!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • gostei muito destes trabalhos, tenho usado constantemente em minhas aulas e percebo bastante interesse dos alunos durante as explicações dos assuntos
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • estevideo e legal para quem e profesor para pasar o video para o aluno !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.556
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.561
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.805
Comentários
3
Gostaram
30
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PeríOdo RegêNcial

  1. 1. BRASIL REGÊNCIAL Transição de Governo
  2. 2. BRASIL IMPÉRIO 1822-1889 <ul><li>PRIMEIRO REINADO </li></ul><ul><li>1822-1831 </li></ul>PERIODO REGENCIAL 1831-1840 SEGUNDO REINADO 1840- 1889
  3. 3. ABDICAÇÃO DE D.PEDRO I <ul><li>José Bonifácio , nomeado tutor do príncipe D. Pedro de Alcântara </li></ul><ul><li>Passa fora pé de chumbo Vai-te do nosso Brasil Que o Brasil é brasileiro Depois do 7 de Abril </li></ul>
  4. 4. REGENCIA TRINA PROVISORIA REGENCIA UNA DE ARAUJO LIMA REGENCIA UNA DE PADRE FEIJÓ REGENCIA TRINA PERMANENTE PERIODO REGENCIAL REVOLTA DOS MALÊS GUERRA DOS FARRAPOS CABANAGEM SABINADA BALAIADA SABINADA
  5. 5. Características das Regências. <ul><li>Regência Provisória </li></ul><ul><li>Reflete os interesses dos grupos mais importantes </li></ul><ul><li>Francisco de Lima ( exército) , Carneiro Campos (Conservador) e Nicolau Pereira (Liberais). </li></ul><ul><li>Durou de abril a maio de 1831 </li></ul><ul><li>Busco estabelecer paz interna </li></ul><ul><li>Anistia aos revoltosos </li></ul>
  6. 6. Regência Trina Permanente. <ul><li>1-Composição Francisco de Lima, Bráulio Muniz ( Norte) e Costa Carvalho (Sul). </li></ul><ul><ul><li>Caráter mais liberal e menos conservador. </li></ul></ul><ul><ul><li>Objetivo manter o Estatus Quo- combater as revoltas. </li></ul></ul><ul><li>2-Grupos políticos são redesenhados. </li></ul><ul><ul><li>Os Exaltados( Liberais radicais)- defendiam o federalismo e a democratização da sociedade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os Moderados(PB)- queriam conservar a estrutura política do Império e o fim da vitaliciedade do senado. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os Restauradores( PP+PB)- manter o Império do Brasil ligado a Portugal. </li></ul></ul>
  7. 7. Regência Trina Permanente <ul><li>Ministro da Justiça- Padre Feijó( Moderado). </li></ul><ul><ul><li>Criação da Guarda Nacional- Composta membros da elite e cidadãos com direito ao voto. </li></ul></ul><ul><ul><li>Extinguiu as revoltas liberais. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fortalecimento de Feijó. </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Tenta derrubar José Bonifácio( restaurador) –Responsável por D. Pedro II. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Organizou o golpe+moderador – Assembléia não deu apoio. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Com o poder esvaziado Feijó abdicou o cargo de Ministro da Justiça. </li></ul></ul></ul>
  8. 8. Regência Trina Permanente <ul><li>O golpe fracassou mais as reformas foram implementadas- Avanço Liberal. </li></ul><ul><ul><li>Código de Processo Criminal (1832)–Habeas Corpus </li></ul></ul><ul><ul><li>Ato Adicional 1834- Reforma a Constituição 1824. </li></ul></ul><ul><ul><li>Institui o federalismo ( Assembléias Legislativa Provinciais). </li></ul></ul><ul><ul><li>Substitui a Regência Trina pela Regência Una </li></ul></ul><ul><li>Com a morte de D. Pedro I é redesenhado novamente os partidos políticos. </li></ul><ul><ul><li>Fim dos restauradores. </li></ul></ul><ul><ul><li>Progressista- concorda com o Ato Adicional e descentralização política. </li></ul></ul><ul><ul><li>Regressista- contra o Ato adicional e defendia o centralismo </li></ul></ul>
  9. 9. Regência de Feijó (1835-1837) <ul><li>As revoltas vai dificultar a Regência que se enfraquece. </li></ul><ul><li>Sofre grande oposição dos Regressista. </li></ul><ul><li>Feijó abdica em 1837. </li></ul><ul><li>Regência de Araújo Lima( Regressista). </li></ul><ul><ul><li>Combate as revoltas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Anula o Ato Adicional </li></ul></ul><ul><ul><li>Os regressistas aumenta sua influência no poder. </li></ul></ul><ul><ul><li>Aumento de disputas entre Regressistas X Progressistas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Os progressistas retorna ao poder com o Golpe da Maior Idade- D. Pedro II </li></ul></ul>
  10. 11. REVOLUÇÃO FARROUPILHA <ul><li>Batalha de Farrapos. José Wasth Rodrigues, PMSP. </li></ul><ul><li>A república de Piratini que ocupou o espaço geográfico dos atuais Estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul,contou com a participação dos escravos nesse movimento separatista proclamada por Bento Gonçalves. </li></ul>
  11. 12. GUERRA DOS FARRAPOS RIO GRANDE DO SUL 1835-1845 <ul><li>CAUSAS:impostos exigidos pela produção de charque;discordância dos participantes com o centralismo administrativo e político. </li></ul><ul><li>OBJETIVOS:Autonomia provincial,formação de uma República independente. </li></ul><ul><li>LÍDER FARRAPOS:Bento Gonçalves, Canabarro e Garibaldi </li></ul><ul><li>Legalista: Duque de Caxias </li></ul><ul><li>TERMINOU: após 10 anos de guerra,assinada a Paz de Ponche Verde;anistia os culpados incorporando os farrapos às tropas do governo. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>CABANAGEM </li></ul>
  13. 14. CABANAGEM PARÁ (1835-1840) <ul><li>CAUSAS: Isolamento da província,discordância dos participantes com o governo de D. Pedro I </li></ul><ul><li>OBJETIVOS: Independência da Província e Proclamação de uma república </li></ul><ul><li>LÍDERES: Antônio e Franscisco Vinagre </li></ul><ul><li>TERMINOU: Reação violenta do governo houve entre 30 ou 40 mil mortos </li></ul>
  14. 15. BALAIADA
  15. 16. BALAIADA MARANHÃO 1838-1841 <ul><li>CAUSAS:crise econômica do algodão e divergências entre grupos locais </li></ul><ul><li>OBJETIVO:Falta de propostas concretas e antilusitanas </li></ul><ul><li>LÍDER:Balaios: Raimundo Gomes,Manuel Francisco dos Anjos, e o preto Cosme </li></ul><ul><li>Legalistas Barão de Caxias </li></ul><ul><li>TERMINOU: prisão e condenação à morte. </li></ul>
  16. 17. SABINADA BAHIA (1837) <ul><li>CAUAS: Oposição ao centralismo,renuncia de Feijó e eleição de Araújo Silva </li></ul><ul><li>OBJETIVO:Falta de propostas concretas, não tinha caráter separatisa. </li></ul><ul><li>LÍDER:Francisco Sabino Álvares da Rocha </li></ul><ul><li>TERMINOU: prisão ou morte. </li></ul>
  17. 18. REVOLTA DOS MALÊS BAHIA 1835 <ul><li>CAUSAS: condição dos escravos urbanos e dos negros libertos </li></ul><ul><li>OBJETIVO: tomar o poder e matar brancos e mulatos, criar uma República Islâmica, através da Jihad </li></ul>
  18. 19. REVOLTA DOS MALÊS BAHIA 1835 <ul><li>LÍDER:Manuel Calate e escravos ( Islã) </li></ul><ul><li>TERMINOU:dizimação dos negros e degredação dos sobreviventes </li></ul>
  19. 20. O Golpe da Maioridade <ul><li>Desde 1835, a idéia de antecipar a maioridade já havia surgido no cenário político da Corte . Proprietários de escravos e de terras estavam assustados com a experiência de descentralização ocorrida durante o Período Regencial , que resultara em tantas revoltas sociais. O restabelecimento da autoridade monárquica era visto como a solução para a crise política. </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Queremos Pedro II, Ainda que não tenha idade. A nação dispensa a lei. Viva a Maioridade </li></ul><ul><li>Por subir Pedrinho ao trono, Não fique o povo contente; Não pode ser coisa boa Servindo com a mesma gente. </li></ul>
  21. 22. <ul><li>O movimento, liderado por Antônio Carlos de Andrada, transformou-se num golpe palaciano, que terminou com a queda dos conservadores e a volta dos liberais. </li></ul>

×