SlideShare uma empresa Scribd logo
O SEGUNDO REINADO
Erika Carvalho
O REGRESSO
• Durante o período Regencial, diversas
revoltas regionais eclodiam de norte a sul
no Brasil. Liberais e conservadores não se
entendiam sob o comando do regente. Era
desejo dos liberais e conservadores que o
herdeiro Pedro de Alcântara, filho de Dom
Pedro I, fosse coroado imperador do Brasil,
de forma a unificar a nação. De acordo
com a Constituição de 1824, Pedro de
Alcântara poderia assumir o trono
somente aos 18 anos.
• Os primeiros a propor a antecipação da
maioridade constitucional do herdeiro do
trono brasileiro integravam o grupo dos
regressistas, composto de políticos
conservadores que faziam oposição ao
regente Diogo Antônio Feijó,
principalmente devido às mudanças
ocorridas durante os primeiros anos da
Regência.
• Nessa época, as províncias ganharam mais
autonomia e foram implantadas as
Assembleias Legislativas Provinciais. Por
outro lado, o Conselho de Estado foi
extinto.
• A proposta dos regressistas era trazer de
volta a centralização política, fortalecendo
a autoridade do governante – nesse caso,
o imperador. Por isso, esse movimento
ficou conhecido como Regresso.
O GOLPE DA MAIORIDADE
• No início, os projetos de lei que
previam antecipar, de 18 para 14
anos, a maioridade constitucional do
herdeiro do trono brasileiro foram
vetados pela Câmara dos Deputados
e pelo Senado.
• A solução encontrada pelos
deputados ligados ao Partido Liberal
– insatisfeitos com o movimento
regressista – foi articular uma
manobra política que contou com o
apoio popular. Essa manobra ficou
conhecida como Golpe
da Maioridade. O jovem Pedro de
Alcântara, então com 14
anos, tornou-se legalmente dom
Pedro II, imperador do Brasil, no
dia 23 de julho de 1840. Com essa
nomeação, iniciava-se o Segundo
Reinado no Brasil, que durou até
1889.
• A antecipação da maioridade
constitucional de Pedro de
Alcântara garantiu a manutenção e o
fortalecimento da ordem
escravocrata, da centralização
política e da unidade do império.
A POLÍTICA DO SEGUNDO REINADO
• Durante a maior parte do Segundo Reinado,
dois partidos se revezaram no poder: o
Partido Conservador e o Partido Liberal.
• O primeiro ministério criado por Dom Pedro
II foi ocupado pelos liberais. Essa medida
desagradou aos conservadores,
que constituíam a maioria na Câmara e no
Senado.
• A disputa mais acirrada se deu em 1840, em
razão das eleições para escolher os membros
da Câmara que comporiam
a legislatura com início previsto para 1842.
Para garantir a vitória de seus aliados e,
portanto, sua influência com o imperador, os
liberais usaram de muita violência. Por isso
essas eleições ficaram conhecidas como
“eleições do cacete”. Entretanto, a
Assembleia foi destituída pelo imperador
antes mesmo de se reunir: dom Pedro II havia
cedido às pressões dos conservadores.
oasegundoareinado.pdf
REVOLUÇÃO
PRAIEIRA
Contexto histórico e
principais causas da
revolta
• Em 1848, o Senado brasileiro era dominado
por senadores do Partido Conservador. Os
senadores conservadores vetaram a
indicação, para uma cadeira do Senado, do
liberal pernambucano Antônio Chinchorro da
Gama. Este veto provocou uma revolta em
determinado grupo de políticos liberais de
Pernambuco. Os pernambucanos também
estavam insatisfeitos com a falta de
autonomia política das províncias e
concentração de poder nas mãos da
monarquia.
Revolta e
principais
reivindicações
• Os políticos liberais revoltosos ganharam o apoio de
várias camadas da população, principalmente dos mais
pobres, que viviam oprimidos e sofriam com as péssimas
condições sociais. Os praieiros chegaram a tomar a
cidade de Olinda.
• Em 1 de janeiro de 1849, divulgam o Manifesto ao
Mundo. Neste documento, os praieiros reivindicavam:
- Independência dos poderes e fim do poder Moderador
(exclusivo do monarca);
- Voto livre e Universal;
- Nacionalização do comércio de varejo;
- Liberdade de imprensa;
- Reforma do Poder Judiciário;
- Federalismo;
Fim da Revolta
e principais
consequências
• A rebelião foi derrotada pelas forças
oficiais no começo de 1850. Muitos
revoltosos foram mortos durante os
combates com as forças oficiais. Os
líderes e demais participantes foram
presos e julgados, embora tenham sido
anistiados no ano seguinte.
GUERRA DO
PARAGUAI
(1864-1870)
• A Guerra do Paraguai foi um conflito
militar que ocorreu na América do
Sul, entre os anos de 1864 e 1870.
Nesta guerra o Paraguai lutou contra
a Tríplice Aliança formada por Brasil,
Argentina e Uruguai.
Causa principal
do conflito
• Pretensões do ditador paraguaio
Francisco Solano Lopes de conquistar
terras na região da Bacia do Prata. O
objetivo do Paraguai era obter uma
saída para o Oceano Atlântico.
Início e
desenvolvimento
do conflito
• A guerra teve início em novembro de 1864, quando um navio
brasileiro foi aprisionado pelos paraguaios no rio Paraguai.
• Em dezembro de 1864, o Paraguai invadiu o Mato Grosso.
• No começo de 1865, as tropas paraguaias invadiram Corrientes
(Argentina) e logo em seguida o Rio Grande do Sul.
• Em 1 de maio de 1865, Brasil, Argentina e Uruguai selam um
acordo para enfrentar o Paraguai. Contam com a ajuda da
Inglaterra.
• Em 11 de junho de 1865 ocorreu um dos principais
enfrentamentos da guerra, a Batalha de Riachuelo. A vitória
brasileira neste enfrentamento naval foi determinante para a
derrota do Paraguai.
• Em abril de 1866 ocorreu a invasão do Paraguai.
• Em 1869, sob a liderança de Duque de Caxias, os militares
brasileiros chegam a Assunção.
• A guerra terminou em 1870 com a morte de Francisco Solano
Lopes, em Cerro Cora.
Consequências da
Guerra • Nesta guerra morreram cerca de 300 mil pessoas (civis e
militares);
• Cerca de 20% da população paraguaia morreu na guerra;
• A indústria paraguaia foi destruída e a economia ficou
totalmente comprometida;
• O prejuízo financeiro para o Brasil, com os gastos de
guerra, foi extremamente elevado e acabou por prejudicar
a economia brasileira.
• A Inglaterra, que apoiou a Tríplice Aliança, aumentou sua
influência na região.
oasegundoareinado.pdf
Fique de olho
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
oasegundoareinado.pdf
Links:
https://youtu.be/6spcak16Ctg -
DOCUMENTÁRIO: O Segundo
Reinado: Dom Pedro II (1840-
1889)
https://youtu.be/Fef_bNUdieA -
Segundo Reinado (resumo)
https://youtu.be/lZmno3hxNkE -
Dom Pedro II no Brasil
(Documentário Completo
Dublado) Filmes Series
Desenhos Animes
https://youtu.be/27p6cBtdWAg
- A admirável história de Dom
Pedro II - História Contada
https://youtu.be/HtBwIIaOBWM
- Documentário Sobre D. Pedro
II
https://youtu.be/kSvqmyaqcvA -
Revolução Praieira
https://youtu.be/2lGEagENznE -
Guerra do Paraguai - A nossa
Grande Guerra

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a oasegundoareinado.pdf

2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
Daniel Alves Bronstrup
 
Seminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdfSeminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdf
Eduardo194822
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
Edilene Ruth Pereira
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
Matheus Alves
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Felipe Silva
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
Edilene Ruth Pereira
 
Aula 6 história do brasil
Aula 6   história do brasilAula 6   história do brasil
Aula 6 história do brasil
william alcantara
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
Nelia Salles Nantes
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
Nelia Salles Nantes
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
Zeze Silva
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
Washington Souza
 
Aula 15 monarquia brasileira - 1° reinado
Aula 15   monarquia brasileira - 1° reinadoAula 15   monarquia brasileira - 1° reinado
Aula 15 monarquia brasileira - 1° reinado
Jonatas Carlos
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Fabio Salvari
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
Guilherme Drumond
 
Dom pedro ii
Dom pedro iiDom pedro ii
Dom pedro ii
esculaxoviske
 
Documento.docx
Documento.docxDocumento.docx
Documento.docx
Gabriel1211
 
O pri meiro reinado
O pri meiro reinadoO pri meiro reinado
O pri meiro reinado
historiando
 
brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
marlete andrade
 
D. Pedro II e a Crise (1).ppt
D. Pedro II e a Crise (1).pptD. Pedro II e a Crise (1).ppt
D. Pedro II e a Crise (1).ppt
»♥« Jesus
 
D. Pedro II e a Crise do Império.ppt
D. Pedro II e a Crise do Império.pptD. Pedro II e a Crise do Império.ppt
D. Pedro II e a Crise do Império.ppt
Andrei Rita
 

Semelhante a oasegundoareinado.pdf (20)

2° ano Primeiro Reinado e Regências
2° ano   Primeiro Reinado e Regências2° ano   Primeiro Reinado e Regências
2° ano Primeiro Reinado e Regências
 
Seminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdfSeminário História - Regência.pdf
Seminário História - Regência.pdf
 
Segundo Reinado
Segundo ReinadoSegundo Reinado
Segundo Reinado
 
História geral - Período regêncial
História geral - Período regêncialHistória geral - Período regêncial
História geral - Período regêncial
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
O Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro IIO Segundo Reinado - D. Pedro II
O Segundo Reinado - D. Pedro II
 
Aula 6 história do brasil
Aula 6   história do brasilAula 6   história do brasil
Aula 6 história do brasil
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
 
O 1º reinado
O 1º reinadoO 1º reinado
O 1º reinado
 
Brasil Império2018
Brasil Império2018Brasil Império2018
Brasil Império2018
 
Os caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileiraOs caminhos da política imperial brasileira
Os caminhos da política imperial brasileira
 
Aula 15 monarquia brasileira - 1° reinado
Aula 15   monarquia brasileira - 1° reinadoAula 15   monarquia brasileira - 1° reinado
Aula 15 monarquia brasileira - 1° reinado
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
Período Regencial
Período RegencialPeríodo Regencial
Período Regencial
 
Dom pedro ii
Dom pedro iiDom pedro ii
Dom pedro ii
 
Documento.docx
Documento.docxDocumento.docx
Documento.docx
 
O pri meiro reinado
O pri meiro reinadoO pri meiro reinado
O pri meiro reinado
 
brasil imperio
brasil imperiobrasil imperio
brasil imperio
 
D. Pedro II e a Crise (1).ppt
D. Pedro II e a Crise (1).pptD. Pedro II e a Crise (1).ppt
D. Pedro II e a Crise (1).ppt
 
D. Pedro II e a Crise do Império.ppt
D. Pedro II e a Crise do Império.pptD. Pedro II e a Crise do Império.ppt
D. Pedro II e a Crise do Império.ppt
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

oasegundoareinado.pdf

  • 2. O REGRESSO • Durante o período Regencial, diversas revoltas regionais eclodiam de norte a sul no Brasil. Liberais e conservadores não se entendiam sob o comando do regente. Era desejo dos liberais e conservadores que o herdeiro Pedro de Alcântara, filho de Dom Pedro I, fosse coroado imperador do Brasil, de forma a unificar a nação. De acordo com a Constituição de 1824, Pedro de Alcântara poderia assumir o trono somente aos 18 anos. • Os primeiros a propor a antecipação da maioridade constitucional do herdeiro do trono brasileiro integravam o grupo dos regressistas, composto de políticos conservadores que faziam oposição ao regente Diogo Antônio Feijó, principalmente devido às mudanças ocorridas durante os primeiros anos da Regência. • Nessa época, as províncias ganharam mais autonomia e foram implantadas as Assembleias Legislativas Provinciais. Por outro lado, o Conselho de Estado foi extinto. • A proposta dos regressistas era trazer de volta a centralização política, fortalecendo a autoridade do governante – nesse caso, o imperador. Por isso, esse movimento ficou conhecido como Regresso.
  • 3. O GOLPE DA MAIORIDADE • No início, os projetos de lei que previam antecipar, de 18 para 14 anos, a maioridade constitucional do herdeiro do trono brasileiro foram vetados pela Câmara dos Deputados e pelo Senado. • A solução encontrada pelos deputados ligados ao Partido Liberal – insatisfeitos com o movimento regressista – foi articular uma manobra política que contou com o apoio popular. Essa manobra ficou conhecida como Golpe da Maioridade. O jovem Pedro de Alcântara, então com 14 anos, tornou-se legalmente dom Pedro II, imperador do Brasil, no dia 23 de julho de 1840. Com essa nomeação, iniciava-se o Segundo Reinado no Brasil, que durou até 1889. • A antecipação da maioridade constitucional de Pedro de Alcântara garantiu a manutenção e o fortalecimento da ordem escravocrata, da centralização política e da unidade do império.
  • 4. A POLÍTICA DO SEGUNDO REINADO • Durante a maior parte do Segundo Reinado, dois partidos se revezaram no poder: o Partido Conservador e o Partido Liberal. • O primeiro ministério criado por Dom Pedro II foi ocupado pelos liberais. Essa medida desagradou aos conservadores, que constituíam a maioria na Câmara e no Senado. • A disputa mais acirrada se deu em 1840, em razão das eleições para escolher os membros da Câmara que comporiam a legislatura com início previsto para 1842. Para garantir a vitória de seus aliados e, portanto, sua influência com o imperador, os liberais usaram de muita violência. Por isso essas eleições ficaram conhecidas como “eleições do cacete”. Entretanto, a Assembleia foi destituída pelo imperador antes mesmo de se reunir: dom Pedro II havia cedido às pressões dos conservadores.
  • 7. Contexto histórico e principais causas da revolta • Em 1848, o Senado brasileiro era dominado por senadores do Partido Conservador. Os senadores conservadores vetaram a indicação, para uma cadeira do Senado, do liberal pernambucano Antônio Chinchorro da Gama. Este veto provocou uma revolta em determinado grupo de políticos liberais de Pernambuco. Os pernambucanos também estavam insatisfeitos com a falta de autonomia política das províncias e concentração de poder nas mãos da monarquia.
  • 8. Revolta e principais reivindicações • Os políticos liberais revoltosos ganharam o apoio de várias camadas da população, principalmente dos mais pobres, que viviam oprimidos e sofriam com as péssimas condições sociais. Os praieiros chegaram a tomar a cidade de Olinda. • Em 1 de janeiro de 1849, divulgam o Manifesto ao Mundo. Neste documento, os praieiros reivindicavam: - Independência dos poderes e fim do poder Moderador (exclusivo do monarca); - Voto livre e Universal; - Nacionalização do comércio de varejo; - Liberdade de imprensa; - Reforma do Poder Judiciário; - Federalismo;
  • 9. Fim da Revolta e principais consequências • A rebelião foi derrotada pelas forças oficiais no começo de 1850. Muitos revoltosos foram mortos durante os combates com as forças oficiais. Os líderes e demais participantes foram presos e julgados, embora tenham sido anistiados no ano seguinte.
  • 11. • A Guerra do Paraguai foi um conflito militar que ocorreu na América do Sul, entre os anos de 1864 e 1870. Nesta guerra o Paraguai lutou contra a Tríplice Aliança formada por Brasil, Argentina e Uruguai.
  • 12. Causa principal do conflito • Pretensões do ditador paraguaio Francisco Solano Lopes de conquistar terras na região da Bacia do Prata. O objetivo do Paraguai era obter uma saída para o Oceano Atlântico.
  • 13. Início e desenvolvimento do conflito • A guerra teve início em novembro de 1864, quando um navio brasileiro foi aprisionado pelos paraguaios no rio Paraguai. • Em dezembro de 1864, o Paraguai invadiu o Mato Grosso. • No começo de 1865, as tropas paraguaias invadiram Corrientes (Argentina) e logo em seguida o Rio Grande do Sul. • Em 1 de maio de 1865, Brasil, Argentina e Uruguai selam um acordo para enfrentar o Paraguai. Contam com a ajuda da Inglaterra. • Em 11 de junho de 1865 ocorreu um dos principais enfrentamentos da guerra, a Batalha de Riachuelo. A vitória brasileira neste enfrentamento naval foi determinante para a derrota do Paraguai. • Em abril de 1866 ocorreu a invasão do Paraguai. • Em 1869, sob a liderança de Duque de Caxias, os militares brasileiros chegam a Assunção. • A guerra terminou em 1870 com a morte de Francisco Solano Lopes, em Cerro Cora.
  • 14. Consequências da Guerra • Nesta guerra morreram cerca de 300 mil pessoas (civis e militares); • Cerca de 20% da população paraguaia morreu na guerra; • A indústria paraguaia foi destruída e a economia ficou totalmente comprometida; • O prejuízo financeiro para o Brasil, com os gastos de guerra, foi extremamente elevado e acabou por prejudicar a economia brasileira. • A Inglaterra, que apoiou a Tríplice Aliança, aumentou sua influência na região.
  • 22. Links: https://youtu.be/6spcak16Ctg - DOCUMENTÁRIO: O Segundo Reinado: Dom Pedro II (1840- 1889) https://youtu.be/Fef_bNUdieA - Segundo Reinado (resumo) https://youtu.be/lZmno3hxNkE - Dom Pedro II no Brasil (Documentário Completo Dublado) Filmes Series Desenhos Animes https://youtu.be/27p6cBtdWAg - A admirável história de Dom Pedro II - História Contada https://youtu.be/HtBwIIaOBWM - Documentário Sobre D. Pedro II https://youtu.be/kSvqmyaqcvA - Revolução Praieira https://youtu.be/2lGEagENznE - Guerra do Paraguai - A nossa Grande Guerra