Brasil monárquico

7.965 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.965
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
308
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Brasil monárquico

  1. 1. BRASIL MONÁRQUICO:- PRIMEIRO REINADO- PERÍODO REGENCIAL- SEGUNDO REINADO Profª Marcela Marangon
  2. 2. PRIMEIRO REINADO1822-1831 foi marcado pelo governo de D. Pedro I e seu autoritarismo político.
  3. 3. FATOS IMPORTANTES DO PRIMEIRO REINADO Assembleia Constituinte (1823), Constituição de 1824, Confederação do Equador (1824), Guerra da Cisplatina, em 1825, abdicação de D. Pedro I (1831).
  4. 4.  Confederação do Equador As províncias de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará formaram, em 1824 a Confederação do Equador. Era a tentativa de criar um estado independente e autônomo do governo central.
  5. 5.  A Guerra da Cisplatina ocorreu de 1825 a 1828, entre Brasil e Argentina, pela posse da Província de Cisplatina, atual Uruguai. Localizada numa área estratégica, a região sempre foi disputada pela Coroa Portuguesa e Espanhola.
  6. 6. Desgaste e crise do governo de D.Pedro IA derrota na Guerra da Cisplatina só gerou prejuízos financeiros e sofrimentopara as famílias dos soldados mortos. Além disso, as revoltas e movimentossociais de oposição foram desgastando, aos poucos, o governo imperial.-- o assassinato do jornalista Libero Badaró. Forte crítico do governoimperial, Badaró foi assassinado no final de 1830. A polícia não encontrou oassassino, porém a desconfiança popular caiu sobre homens ligados aogoverno imperial.Em março de 1831, após retornar de Minas Gerais, D.Pedro I foi recebido noRio de Janeiro com atos de protestos de opositores. Alguns mais exaltadoschegaram a jogar garrafas no imperador, conflito que ficou conhecido como “ANoite das Garrafadas”. Os comerciantes portugueses, que apoiavam D.Pedro Ientraram em conflitos de rua com os opositores.
  7. 7. AbdicaçãoSentindo a forte oposição ao seu governo e o crescente descontentamentopopular, D.Pedro percebeu que não tinha mais autoridade e forças políticaspara se manter no poder.Em 7 de abril de 1831, D.Pedro I abdicou em favor de seu filho Pedro deAlcântara, então com apenas 5 anos de idade. Logo ao deixar o poder viajoupara a Europa.
  8. 8. PERÍODO REGENCIAL
  9. 9.  A Constituição brasileira do período determinava, neste caso, que o país deveria ser governado por regentes, até o herdeiro atingir a maioridade (18 anos).
  10. 10. REGENTES QUE GOVERNARAM O BRASIL NOPERÍODO:- Regência Trina Provisória (1831): regentes Lima e Silva, Senador Vergueiro e Marquês de Caravelas.- Regência Trina Permanente (1831 a 1835): teve como regentes José da Costa Carvalho, João Bráulio Moniz e Francisco de Lima e Silva.- Regência Una de Feijó (1835 a 1837): teve como regente Diogo Antônio Feijó.- Regência Interina de Araújo Lima (1371): teve como regente Pedro de Araújo Lima.- Regência Una de Araújo Lima (1838 a 1840): teve como regente Pedro de Araújo Lima.
  11. 11. CRISE POLITICA A crise política deveu-se, principalmente, a disputa pelo controle do governo entre diversos grupos políticos: Restauradores (defendiam a volta de D. Pedro I ao poder); Moderados (voto só para os ricos e continuação da Monarquia) e Exaltados (queriam reformas para melhorar a vida dos mais necessitados e voto para todas as pessoas).
  12. 12. PRINCIPAIS REVOLTAS DO PERÍODO:- Cabanagem (1835 a 1840) – motivada pelas péssimas condições de vida em que vivia a grande maioria dos moradores da província do Grão-Pará.- Balaiada (1838 – 1841) – ocorreu na província do Maranhão. A causa principal foi a exploração da população mais pobre por parte dos grandes produtores rurais.- Sabinada (1837-1838) – ocorreu na província da Bahia. Motivada pela insatisfação de militares e camadas médias e ricas da população com o governo regencial.- Guerra dos Farrapos (1835 – 1845) – ocorreu no Rio Grande do Sul. Os revoltosos (farroupilhas) queriam mais liberdade para as províncias e reformas econômicas.
  13. 13. GOLPE DA MAIORIDADE E FIM DO PERÍODOREGENCIAL  Os políticos brasileiros e grande parte da população acreditavam que a grave crise que o país enfrentava era fruto, principalmente, da falta de um imperador forte e com poderes para enfrentar a situação.  Em 23 de julho de 1840, com apoio do Partido Liberal, foi antecipada pelo Senado Federal a maioridade de D. Pedro II (antes de completar 14 anos) e declarado o fim das regências.
  14. 14. SEGUNDO REINADO
  15. 15. SEGUNDO REINADO começa em 23 de julho de 1840, quando dom Pedro II é declarado maior de idade, e estende-se até 15 de novembro de 1889, com a instauração da República.
  16. 16. POLÍTICA NO SEGUNDO REINADO As eleições eram comuns as fraudes, compras de votos e até atos violentos para garantir a eleição. Revolução Praieira Pernambuco, entre os anos de 1848 e 1850. Reivindicavam: - Independência dos poderes e fim do poder Moderador (exclusivo do monarca); - Voto livre e Universal; - Nacionalização do comércio de varejo; - Liberdade de imprensa; - Reforma do Poder Judiciário; - Federalismo; - Fim da lei do juro convencional; - Fim do sistema de recrutamento militar como existia naquela época. Última revolta no Brasil Império Ganhou o nome de praieira, pois a sede do jornal dirigido pelos liberais revoltosos (chamados de praieiros) situava-se na rua da Praia.
  17. 17. Guerra do Paraguai Conflito armado em que o Paraguai enfrentou a Tríplice Aliança (Brasil, Argentina e Uruguai) com apoio da Inglaterra. Durou entre os anos de 1864 e 1879 e levou o Paraguai a derrota e a ruína.
  18. 18. CICLO DO CAFÉ Na segunda metade do século XIX, o café tornou-se o principal produto de exportação brasileiro, sendo também muito consumido no mercado interno. Os fazendeiros (barões do café), principalmente paulistas, fizeram fortuna com o comércio do produto. As mansões da Avenida Paulista refletiam bem este sucesso. Boa parte dos lucros do café foi investida na indústria, principalmente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, favorecendo o processo de industrialização do Brasil.
  19. 19.  Imigração Muitos imigrantes europeus, principalmente italianos, chegaram para aumentar a mão-de-obra nos cafezais de São Paulo, a partir de 1850. Vieram para, aos poucos, substituírem a mão-de-obra escrava que, devido as pressões da Inglaterra, começava a entrar em crise.
  20. 20. QUESTÃO ABOLICIONISTA - Lei Eusébio de Queiróz (1850): extinguiu oficialmente o tráfico de escravos no Brasil - Lei do Ventre Livre (1871): tornou livre os filhos de escravos nascidos após a promulgação da lei. - Lei dos Sexagenários (1885): dava liberdade aos escravos ao completarem 65 anos de idade. - Lei Áurea (1888): assinada pela Princesa Isabel, aboliu a escravidão no Brasil.
  21. 21. CRISE NO IMPÉRIO
  22. 22. QUESTÕES - Interferência de D.Pedro II em questões religiosas, gerando um descontentamento nas lideranças da Igreja Católica no país; Críticas e oposição feitas por integrantes do Exército Brasileiro - A classe média brasileira (funcionário públicos, profissionais liberais, jornalistas, estudantes, artistas, comercia ntes) desejava mais liberdade e maior participação nos assuntos políticos do país - Falta de apoio dos proprietários rurais, principalmente dos cafeicultores do Oeste Paulista, que desejavam obter maior poder político, já que tinham grande poder econômico.
  23. 23. FIM DA MONARQUIA E A PROCLAMAÇÃO DAREPÚBLICA Em 15 de novembro de 1889, o Marechal Deodoro da Fonseca, com o apoio dos republicanos, destituiu o Conselho de Ministros e seu presidente. No final do dia, Deodoro da Fonseca assinou o manifesto proclamando a República no Brasil e instalando um governo provisório.

×