SlideShare uma empresa Scribd logo
1. Por quefoi usado o metodo dos comprimentos?
2. Do queé composto o comprimento das barras negativas?
Comprimento Total = 0,25Lx + comprimento de ancoragem + (espessura da laje – cobrimento superior e
inferior) + gancho
3. Por quefoi usado 25 Mpa?
Pela NBR 6118/2003, em estruturas de concreto armado pode-se usar o fck entre 20 e 50Mpa para
estruturas em geral ou de 15 a 20 para fundações ou obras provisórias. Por isso no nosso caso usamos fck =
25Mpa.
4. Quais os critérios para dimensionar as bitolas? (mais fino e mais junto positivo, mais grosso
negativo)
Primeiramente acha-se a área do ferro(As) e em seguida a área da bitola(as). Dividindo As/as encontramos o
número de barras referente a cada bitola. E a partir do espaçamento obtido escolhemos qual bitola utilizar,
sempre pensando na facilidade de montagem da ferragem e em atender a área mínima de ferro.
5. Como calcular o comprimento de ancoragem?
Lb = ɸ/4x fyd/fbd
Onde fyd = aço/50 e fbd é pela equação que depende do tipo do aço, da aderência, do diâmetro e do fck.
6. Por quefoi na faixa de domínio de ¾??
Pois a faixa de domínio 3 /4 corresponde ao estado limite ultimo convencional (ruptura do concreto por
encurtamento).
7. Limite das deformações (Lx/350 ; Lx/250)]
São as flechas máximas (limite) que as cargas totais e acidentais podem atingir.
Lx/250 – Cargas Totais
Ly/350 – Cargas acidentais
8. Qual a importânciado comprimento deancoragem?
Transferir para o concreto as tensões a que elas (barras) estão submetidas.
9. Quais os critérios de determinação do h adotado?
Critérios de esbeltez – Depende de coeficientes de vinculação e dimensões da laje, coeficiente do tipo de aço
e comprimento do menor vão.
Critério de utilização – Determina a altura da laje a partir da função que vai desempenhar. ( Lajes de piso, de
cobertura e lajes que suportam veículos etc).
10. Quais as profundidades eas dimensões a serem analisadas na plantade fôrma?
Comprimento, largura e espessura das lajes. Seção do pilar e seção da viga.
11. Quais as profundidades eas dimensões a serem analisadas na plantade armadura?
Comprimento de ferragemnegativa e positiva, bitola, espaçamento e quantidade de ferros.
12. Fórmula do dmín, o Md queusae ondeseencontra.
Md= momento máximo majorado (multiplica por 1,4).
Momento negativo nos apoios e momento positivo no meio do vão.
13. Classe de agressividadee recobrimento
Foi utilizada a classe de agressividade II (urbana) e o recobrimento de 2,5cm, por ser uma laje.
14. Domínios( Limites e Porqueusou)
-Dominio 1 e 2 – Deformação plástica do aço
- Domínio 3 e 4 – Ruptura do concreto
15. Qual o comprimento do gancho (daferragem negativa)?
Lbgancho = 0,7xlbreta (comprimento de ancoragem da barra reta)
16. Qual o limite de flecha determinado pela norma?
17. Quais cargas se usano calculo das flechas?
Usa-se as cargas totais (permanente + acidental) ou as cargas acidentais.
O α acha-se por tabela entrando com o caso e o lambda.
E = Módulo de deformação longitudinal do concreto
lx = comprimento do menor vão
h = altura do pré-dimensionamento
18. Qual o percentualde perdas quese acrescentano quadro final dos ferros e porque?
10% em virtudes de dobras, cortes, etc.
19. Queparâmetros são utilizados na escolhada altura(d adotado)dalaje?
fi2 encontra-se pelo caso e pelo lambda
fi3 encontra-se em uma tabela, com relação ao aço
20. Espaçamento Máximo dos ferros
S ≤ 20cm ou 2h
21. O querepresentame quem utiliza o quadro gerale de resumo dos ferros?
Quadro de ferro geral - Representam o quantitativo geral da ferragem que será utilizado na obra,
bem como comprimento das barras, bitolas, e quantidade para uma direção da laje.
Quadro de resumo dos ferros – Apresentam peso por metro, comprimento total e peso total para
cada bitola a ser utilizada + 10% .
100..
..
3
4
hE
lp
f x 

 2
4.34.3
.min
.272,0..68,0..  

cdw
d
fb
M
d
3.2
l
d 
22. Como faz a correção dos momentos?
Faz-se a média entre os momentos e 0,8 x Mmax e após compará-los usa-se o maior momento.
23. Qual a resitencia do concreto edo aco no domínio 3 e 4?
A resistência Do concreto é 3,5/1000.
A do aço depende do tipo de aço (CA 25 / CA 50 / CA 60). No nosso caso é de 0,207.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
Roberta Estevão
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
David Grubba
 
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
Brunela Dos Santos Neves
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
Adriana Inokuma
 
Lista para estudo prova i
Lista para estudo prova iLista para estudo prova i
Lista para estudo prova i
Janaina Carvalho
 
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-provaEnsaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Luiz Orro de Freitas
 
Aula ensaios e limites do solo
Aula  ensaios e limites do soloAula  ensaios e limites do solo
Aula ensaios e limites do solo
Marinaldo Junior
 
Aditivos para Concreto
Aditivos para ConcretoAditivos para Concreto
Aditivos para Concreto
Junior Morales
 
Tintas e vernizes
Tintas e vernizesTintas e vernizes
Tintas e vernizes
Eloá Neto
 
Dosagem do concreto matec
Dosagem do concreto   matecDosagem do concreto   matec
Dosagem do concreto matec
Carlos Elson Cunha
 
Flexão normal simples e composta
Flexão normal simples e compostaFlexão normal simples e composta
Flexão normal simples e composta
EDER OLIVEIRA
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
Ligidanor Ávila
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
rodrigo428042
 
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gabLista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Moisés Leandro Oliveira
 
Aula de Cálculo I - Limite
Aula de Cálculo I - LimiteAula de Cálculo I - Limite
Aula de Cálculo I - Limite
Léo Gomes
 
pontes
pontes pontes
Ex calc laje
Ex calc lajeEx calc laje
Ex calc laje
EDER OLIVEIRA
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
David Grubba
 
233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial
233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial
233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial
everton galvao de neiva
 
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concretoExemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Anderson Carvalho
 

Mais procurados (20)

Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
 
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
coleta e transporte de esgoto - Tsutiya
 
Mec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidosMec solos exercícios resolvidos
Mec solos exercícios resolvidos
 
Lista para estudo prova i
Lista para estudo prova iLista para estudo prova i
Lista para estudo prova i
 
Ensaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-provaEnsaio de compressão de corpos de-prova
Ensaio de compressão de corpos de-prova
 
Aula ensaios e limites do solo
Aula  ensaios e limites do soloAula  ensaios e limites do solo
Aula ensaios e limites do solo
 
Aditivos para Concreto
Aditivos para ConcretoAditivos para Concreto
Aditivos para Concreto
 
Tintas e vernizes
Tintas e vernizesTintas e vernizes
Tintas e vernizes
 
Dosagem do concreto matec
Dosagem do concreto   matecDosagem do concreto   matec
Dosagem do concreto matec
 
Flexão normal simples e composta
Flexão normal simples e compostaFlexão normal simples e composta
Flexão normal simples e composta
 
Alvenaria
AlvenariaAlvenaria
Alvenaria
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
 
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gabLista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
Lista01 hiperestatica-metodo carga-unitaria_gab
 
Aula de Cálculo I - Limite
Aula de Cálculo I - LimiteAula de Cálculo I - Limite
Aula de Cálculo I - Limite
 
pontes
pontes pontes
pontes
 
Ex calc laje
Ex calc lajeEx calc laje
Ex calc laje
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
 
233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial
233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial
233331004 resolucao-de-exercicios-carregamento-axial
 
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concretoExemplo de calculo de dosagem de concreto
Exemplo de calculo de dosagem de concreto
 

Semelhante a Perguntas concreto

Aço na Construção - Tela Soldada
Aço na Construção - Tela SoldadaAço na Construção - Tela Soldada
Aço na Construção - Tela Soldada
GCL PORTAL
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
gabioa
 
172023544 vigas
172023544 vigas172023544 vigas
172023544 vigas
Michel Rodriguez
 
Exercicios soldagem
Exercicios soldagemExercicios soldagem
Exercicios soldagem
Letícia Oliveira de Souza
 
Avaliacao medidatenacidade
Avaliacao medidatenacidadeAvaliacao medidatenacidade
Avaliacao medidatenacidade
ecmaida
 
Dominios
DominiosDominios
Dominios
Gerson Justino
 
2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos
2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos
2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos
INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ - IFPR
 
Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...
Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...
Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...
Adriana de Araujo
 
Etc304 aula15
Etc304 aula15Etc304 aula15
000040 ed
000040 ed000040 ed
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ordenaelbass
 
Desgaste abrasivo
Desgaste abrasivoDesgaste abrasivo
Concreto vigas à flexão - alunos
Concreto   vigas à flexão - alunosConcreto   vigas à flexão - alunos
Concreto vigas à flexão - alunos
Hygor Freitas
 
Questionário solda.
Questionário solda.Questionário solda.
Questionário solda.
qualidadesqi
 
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto iAula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
Gustavo Moles
 
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
Viii   disposições construtivas gerais das armadurasViii   disposições construtivas gerais das armaduras
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
francisco silva
 
Show do milhão da solda
Show do milhão da soldaShow do milhão da solda
Show do milhão da solda
Richard Corrêa
 
Ensaio dureza brinell
Ensaio dureza brinellEnsaio dureza brinell
Ensaio dureza brinell
KLELTON BENETÃO
 
Claiton sommariva de oliveira
Claiton sommariva de oliveiraClaiton sommariva de oliveira
Claiton sommariva de oliveira
Emiliano Lopes de Souza
 
Apostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagemApostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagem
Marcelo Borges
 

Semelhante a Perguntas concreto (20)

Aço na Construção - Tela Soldada
Aço na Construção - Tela SoldadaAço na Construção - Tela Soldada
Aço na Construção - Tela Soldada
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
 
172023544 vigas
172023544 vigas172023544 vigas
172023544 vigas
 
Exercicios soldagem
Exercicios soldagemExercicios soldagem
Exercicios soldagem
 
Avaliacao medidatenacidade
Avaliacao medidatenacidadeAvaliacao medidatenacidade
Avaliacao medidatenacidade
 
Dominios
DominiosDominios
Dominios
 
2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos
2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos
2ª Lista de Exercícios de Física - 9ºs Anos
 
Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...
Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...
Evaluation of galvanic anode for patch repair of concrete structures deterior...
 
Etc304 aula15
Etc304 aula15Etc304 aula15
Etc304 aula15
 
000040 ed
000040 ed000040 ed
000040 ed
 
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITESELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
ELEMENTOS DE MAQUINAS REBITES
 
Desgaste abrasivo
Desgaste abrasivoDesgaste abrasivo
Desgaste abrasivo
 
Concreto vigas à flexão - alunos
Concreto   vigas à flexão - alunosConcreto   vigas à flexão - alunos
Concreto vigas à flexão - alunos
 
Questionário solda.
Questionário solda.Questionário solda.
Questionário solda.
 
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto iAula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
 
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
Viii   disposições construtivas gerais das armadurasViii   disposições construtivas gerais das armaduras
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
 
Show do milhão da solda
Show do milhão da soldaShow do milhão da solda
Show do milhão da solda
 
Ensaio dureza brinell
Ensaio dureza brinellEnsaio dureza brinell
Ensaio dureza brinell
 
Claiton sommariva de oliveira
Claiton sommariva de oliveiraClaiton sommariva de oliveira
Claiton sommariva de oliveira
 
Apostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagemApostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagem
 

Mais de marcosrei85

Indicadores de estrutura
Indicadores de estruturaIndicadores de estrutura
Indicadores de estrutura
marcosrei85
 
Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007
Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007
Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007
marcosrei85
 
Formação continuada de doscente
Formação continuada de doscenteFormação continuada de doscente
Formação continuada de doscente
marcosrei85
 
nbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificações
nbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificaçõesnbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificações
nbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificações
marcosrei85
 
1ª aula
1ª aula1ª aula
1ª aula
marcosrei85
 
Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2
marcosrei85
 
Apostila revit2016-artur-feitosa
Apostila revit2016-artur-feitosaApostila revit2016-artur-feitosa
Apostila revit2016-artur-feitosa
marcosrei85
 

Mais de marcosrei85 (7)

Indicadores de estrutura
Indicadores de estruturaIndicadores de estrutura
Indicadores de estrutura
 
Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007
Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007
Projeto estruturaldeedificios j. s.gingo-eesc-turma2-2007
 
Formação continuada de doscente
Formação continuada de doscenteFormação continuada de doscente
Formação continuada de doscente
 
nbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificações
nbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificaçõesnbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificações
nbr-6123 - 2013-forças devidas ao vento em edificações
 
1ª aula
1ª aula1ª aula
1ª aula
 
Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2Calculo da vazao projeto 2015.2
Calculo da vazao projeto 2015.2
 
Apostila revit2016-artur-feitosa
Apostila revit2016-artur-feitosaApostila revit2016-artur-feitosa
Apostila revit2016-artur-feitosa
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
Vilson Stollmeier
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 

Último (8)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptxMAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
MAQUINAS-EQUIPAMENTOS-E-FERRAMENTAS.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 

Perguntas concreto

  • 1. 1. Por quefoi usado o metodo dos comprimentos? 2. Do queé composto o comprimento das barras negativas? Comprimento Total = 0,25Lx + comprimento de ancoragem + (espessura da laje – cobrimento superior e inferior) + gancho 3. Por quefoi usado 25 Mpa? Pela NBR 6118/2003, em estruturas de concreto armado pode-se usar o fck entre 20 e 50Mpa para estruturas em geral ou de 15 a 20 para fundações ou obras provisórias. Por isso no nosso caso usamos fck = 25Mpa. 4. Quais os critérios para dimensionar as bitolas? (mais fino e mais junto positivo, mais grosso negativo) Primeiramente acha-se a área do ferro(As) e em seguida a área da bitola(as). Dividindo As/as encontramos o número de barras referente a cada bitola. E a partir do espaçamento obtido escolhemos qual bitola utilizar, sempre pensando na facilidade de montagem da ferragem e em atender a área mínima de ferro. 5. Como calcular o comprimento de ancoragem? Lb = ɸ/4x fyd/fbd Onde fyd = aço/50 e fbd é pela equação que depende do tipo do aço, da aderência, do diâmetro e do fck. 6. Por quefoi na faixa de domínio de ¾?? Pois a faixa de domínio 3 /4 corresponde ao estado limite ultimo convencional (ruptura do concreto por encurtamento). 7. Limite das deformações (Lx/350 ; Lx/250)] São as flechas máximas (limite) que as cargas totais e acidentais podem atingir. Lx/250 – Cargas Totais Ly/350 – Cargas acidentais 8. Qual a importânciado comprimento deancoragem? Transferir para o concreto as tensões a que elas (barras) estão submetidas. 9. Quais os critérios de determinação do h adotado? Critérios de esbeltez – Depende de coeficientes de vinculação e dimensões da laje, coeficiente do tipo de aço e comprimento do menor vão. Critério de utilização – Determina a altura da laje a partir da função que vai desempenhar. ( Lajes de piso, de cobertura e lajes que suportam veículos etc). 10. Quais as profundidades eas dimensões a serem analisadas na plantade fôrma? Comprimento, largura e espessura das lajes. Seção do pilar e seção da viga. 11. Quais as profundidades eas dimensões a serem analisadas na plantade armadura? Comprimento de ferragemnegativa e positiva, bitola, espaçamento e quantidade de ferros.
  • 2. 12. Fórmula do dmín, o Md queusae ondeseencontra. Md= momento máximo majorado (multiplica por 1,4). Momento negativo nos apoios e momento positivo no meio do vão. 13. Classe de agressividadee recobrimento Foi utilizada a classe de agressividade II (urbana) e o recobrimento de 2,5cm, por ser uma laje. 14. Domínios( Limites e Porqueusou) -Dominio 1 e 2 – Deformação plástica do aço - Domínio 3 e 4 – Ruptura do concreto 15. Qual o comprimento do gancho (daferragem negativa)? Lbgancho = 0,7xlbreta (comprimento de ancoragem da barra reta) 16. Qual o limite de flecha determinado pela norma? 17. Quais cargas se usano calculo das flechas? Usa-se as cargas totais (permanente + acidental) ou as cargas acidentais. O α acha-se por tabela entrando com o caso e o lambda. E = Módulo de deformação longitudinal do concreto lx = comprimento do menor vão h = altura do pré-dimensionamento 18. Qual o percentualde perdas quese acrescentano quadro final dos ferros e porque? 10% em virtudes de dobras, cortes, etc. 19. Queparâmetros são utilizados na escolhada altura(d adotado)dalaje? fi2 encontra-se pelo caso e pelo lambda fi3 encontra-se em uma tabela, com relação ao aço 20. Espaçamento Máximo dos ferros S ≤ 20cm ou 2h 21. O querepresentame quem utiliza o quadro gerale de resumo dos ferros? Quadro de ferro geral - Representam o quantitativo geral da ferragem que será utilizado na obra, bem como comprimento das barras, bitolas, e quantidade para uma direção da laje. Quadro de resumo dos ferros – Apresentam peso por metro, comprimento total e peso total para cada bitola a ser utilizada + 10% . 100.. .. 3 4 hE lp f x    2 4.34.3 .min .272,0..68,0..    cdw d fb M d 3.2 l d 
  • 3. 22. Como faz a correção dos momentos? Faz-se a média entre os momentos e 0,8 x Mmax e após compará-los usa-se o maior momento. 23. Qual a resitencia do concreto edo aco no domínio 3 e 4? A resistência Do concreto é 3,5/1000. A do aço depende do tipo de aço (CA 25 / CA 50 / CA 60). No nosso caso é de 0,207.