SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCRETO
MATERIAIS E TÉCNICAS
DE CONSTRUÇÃO IV


PROF. SUNAO KISHI
PROF. EDUARDO DE CARVALHO
PEREIRA
NOMENCLATURA

                 • PASTA=cimento+água

           • ARGAMASSA=PASTA+agregado miúdo

        • CONCRETO=ARGAMASSA+agregado graúdo

     • CONCRETO ARMADO=CONCRETO+armadura passiva

• CONCRETO PROTENDIDO=CONCRETO+armaduras passiva e ativa
CONCRETO - DEFINIÇÃO
AGREGADO MIÚDO
AGREGADO GRAÚDO
RESISTÊNCIA DO CONCRETO
A resistência do concreto à compressão, depende de vários fatores, entre os
   mais importantes, podemos citar:

•   tipo do cimento: existem cimentos de várias categorias, que interferem não
    somente na resistência do concreto, como também na velocidade de pega
     ou de endurecimento, na proteção contra agentes agressivos, etc.

•   relação água x cimento: fator decisivo na resistência, quanto maior a relação
    maior será a porosidade da pasta, portanto menor será a resistência.

•   resistência dos agregados.

•   Fórma e granulometria dos agregados: os mais arredondados,dão mais
    trabalhabilidade.

•   Aditivos: produtos que adicionados em pequena proporção,modificam as
    propriedades do concreto. no que diz respeito à resistência, agem na massa
    de concreto, também no sentido de controlar a porosidade.
TRABALHABILIDADE DO CONCRETO

• Está relacionada com o processo executivo.
  O concreto deverá ter uma consistência
  adequada para que quando lançado nas
  formas, preencha-as completamente.

• + água = > trabalhabilidade = < resistência
CONSISTÊNCIA DO CONCRETO
• Depende principalmente da quantidade de
  água. Aumentando a quantidade de água a
  mistura fresca torna-se mais mole,mais
  plástica,mais trabalhável.
• A consistência é medida pelo método do
  abatimento do tronco de cone (slump test)
CONCRETAGEM
    ENVOLVE: TRANSPORTE; LANÇAMENTO; ADENSAMENTO e CURA

TRANSPORTE
•   Diz respeito à sua locomoção até a obra e posterior deslocamento até
    seu local de lançamento,quando o concreto é comprado em central.
•   Utilizam-se caminhões betoneira de até 8 metros cúbicos.
•   Tempo máximo de transporte é de 90 minutos (150 minutos até o fim
    do adensamento)




                          Henrique Dinis / Eduardo Deghiara                9
LANÇAMENTO
                 Lançar o concreto nas formas
PODE SER EFETUADO ATRAVÉS DE BOMBEAMENTO ATRAVÉS DE MANGOTES




   PODE SER EFETUADO POR CARRINHOS E JERICAS




                                                               10
LANÇAMENTO
CONCRETO BOMBEADO – DETALHES
ADENSAMENTO
Adensamento é o procedimento para se eliminar os vazios (resistência do
   concreto). Após o espalhamento do concreto nas formas que é feito por
   meio de pás e enxadas procede-se ao ADENSAMENTO :
MANUAL: consiste em socar o concreto com soquetes ou vergalhões.
VIBRAÇÃO: feito com um equipamento chamado vibrador de imersão ou
   agulha
ADENSAMENTO
Faz parte do serviço de adensamento, o acabamento da superfície efetuado
                            simultaneamente.
CURA
•   É a operação final da obtenção do concreto,que consiste em evitar a retração
    hidráulica,quando o concreto ainda não desenvolveu resistência suficiente para
    evitar a formação de fissuras.
MÉTODOS DE CURA

• Molhagem contínua das superfícies expostas .
• Proteção com tecidos ou papel mantidos
  úmidos.
• Cobertura com lonas plásticas,podendo se
  utilizar vapor.
• Aplicação de emulsão que formam películas
  impermeáveis.
• Período de 7 a 14 dias.
• A boa proporcionalidade dos materiais deve
  garantir, na obra, a resistência característica
  fck e as demais qualidades que se deseja para
  o concreto, como durabilidade, baixa
  deformabilidade,impermeabilidade,
  consistência etc.
Traço do Concreto
• A resistência do concreto é estudada previamente,
  antes da mistura de seus materiais constituintes, quais
  sejam, as britas, as areias, o cimento, a água e os
  aditivos, cujas proporções são estimadas, através de
  procedimentos (dosagem)para a determinação do
  traço do concreto.

• Após a mistura ter sido efetuada, retira-se da massa,
  material para a moldagem de corpos de prova, os
  quais serão então submetidos a ensaios de ruptura,
  averiguando-se as resistências previstas foram obtidas.
ENSAIO DE RESISTÊNCIA
RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO


    Resistência característica à compressão – fck


• A resistência característica é aquela que ocorre aos 28 dias
  após a moldagem do corpo de prova.
                       fck = fc28d

• Usa como unidade o MPa (megaPascal)


• 1 MPa = 10 kgf/cm2
CLASSES DE RESISTÊNCIA
                  CLASSIFICAÇÃO DO CONCRETO PELO Fck

                             C20 significa: fck= 20 Mpa
                      Concretos usuais variam de C20 a C50:
•   C20 – pequenas estruturas ou residências, em que as estruturas sejam
    revestidas.
•   C25 a C30 - construção predial em geral, em que se requer baixas
    deformações e permeabilidade (se reflete em durabilidade); em concreto
    aparente, etc.
•   C30 A C40 - concreto protendido e edifícios com sistemas estruturais não
    convencionais.
•   C40 a C50 – casos especiais em que se deseja esbeltez dos elementos
    estruturais, como: edifícios altos e cascas. É utilizado especialmente em
    pilares de edifícios altos.
Influência da Relação Água/Cimento,
      na Resistência do Concreto
A relação água- cimento, é a proporção entre o total de água
   adicionada ao concreto, e o cimento, ambos medidos em peso. As
   quantias de água podem ser assim subdivididas:

AH: Água de hidratação. É a quantidade necessária de água para a
  hidratação do cimento.

AE: Água Excedente. É a quantidade de água lançada na mistura, além
   da água de hidratação, para garantir as condições de
   trabalhabilidade da massa, durante a moldagem das peças.

  A relação água/cimento, é expressa pela seguinte relação:
                               AT (peso)
               Relação A/C =
                             cimento (peso)
Relação Água/Cimento
Em geral, o valor da relação A/C, para atingir resistência máxima, está entre 0,35 a 0,40.
Em concretos sem o controle tecnológico, somente a título de curiosidade, a relação A/C
                             ,está em torno de 0,7 a 0,8.
Variação da Resistência do Concreto com a
                  Idade
Resistências Características do Concreto
A resistência característica do concreto, equivale à tensão de ruptura
   dos corpos de prova, aos 28 dias.

Nesta condição, temos que considerar separadamente, os dois tipos
  distintos de solicitações, a de compressão e a de tração.

As resistências características, podem ser designadas, como abaixo:

fck - resistência à compressão do concreto.
ftk - resistência à tração do concreto.

Na falta de ensaios, pode-se admitir que a resistência a tração do
  concreto, equivale a 10% da resistência a compressão.
                               f ck
                        f tk =
                               10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
David Grubba
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
Willian De Sá
 
Concreto: Execução
Concreto: ExecuçãoConcreto: Execução
Concreto: Execução
David Grubba
 
NBR 6118
NBR 6118NBR 6118
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
wendellnml
 
Aula fundações 2
Aula fundações 2Aula fundações 2
Aula fundações 2
Viviane Vieira
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
Eduardo Spech
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Bruno Vasconcelos
 
Aula 10 estado fresco do concreto
Aula 10   estado fresco do concretoAula 10   estado fresco do concreto
Aula 10 estado fresco do concreto
Fábio Souza
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
rodrigo428042
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
David Grubba
 
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosMateriais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
ThiagoSantos694
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
arthurohz
 
3.2 índices físicos
3.2 índices físicos3.2 índices físicos
3.2 índices físicos
Cibélly Grassmann
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
Marcus Gonçalves
 
6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares
6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares
6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares
Rafael Santos
 
estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
Majit Islav
 
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICAPilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
guidify
 
Pré moldados
Pré moldadosPré moldados
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturasResistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Eduardo Spech
 

Mais procurados (20)

Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
 
Concreto: Execução
Concreto: ExecuçãoConcreto: Execução
Concreto: Execução
 
NBR 6118
NBR 6118NBR 6118
NBR 6118
 
Aula revestimentos
Aula   revestimentos Aula   revestimentos
Aula revestimentos
 
Aula fundações 2
Aula fundações 2Aula fundações 2
Aula fundações 2
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
 
Aula 10 estado fresco do concreto
Aula 10   estado fresco do concretoAula 10   estado fresco do concreto
Aula 10 estado fresco do concreto
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
 
Agregados
AgregadosAgregados
Agregados
 
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicosMateriais de construção civil. materiais cerâmicos
Materiais de construção civil. materiais cerâmicos
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
 
3.2 índices físicos
3.2 índices físicos3.2 índices físicos
3.2 índices físicos
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
 
6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares
6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares
6 aula 04 tec cons - trabalhos de execucao - laje,vigas e pilares
 
estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
 
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICAPilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
Pilares - REPRESENTAÇÃO GRAFICA
 
Pré moldados
Pré moldadosPré moldados
Pré moldados
 
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturasResistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
Resistencia dos materiais e dimensionamento de estruturas
 

Destaque

Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
Concreto Aramdo parte 3
Concreto Aramdo parte 3Concreto Aramdo parte 3
Concreto Aramdo parte 3
Karim Coyla
 
Vigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendidoVigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendido
Luciana Paixão Arquitetura
 
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Carlos Elson Cunha
 
Marco teorico concreto 2
Marco teorico concreto 2Marco teorico concreto 2
Marco teorico concreto 2
ANA SHUPINGAHUA MARIN
 
Pré Dimensionamento segundo Eduardo Nardelli
Pré Dimensionamento segundo Eduardo NardelliPré Dimensionamento segundo Eduardo Nardelli
Pré Dimensionamento segundo Eduardo Nardelli
Carlos Elson Cunha
 
O centro velho de sp
O centro velho de spO centro velho de sp
O centro velho de sp
Luciana Paixão Arquitetura
 

Destaque (7)

Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Concreto Aramdo parte 3
Concreto Aramdo parte 3Concreto Aramdo parte 3
Concreto Aramdo parte 3
 
Vigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendidoVigas de concreto armado e protendido
Vigas de concreto armado e protendido
 
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
Wittgenstein, ludwig. tractatus logico philosophicus (1968)
 
Marco teorico concreto 2
Marco teorico concreto 2Marco teorico concreto 2
Marco teorico concreto 2
 
Pré Dimensionamento segundo Eduardo Nardelli
Pré Dimensionamento segundo Eduardo NardelliPré Dimensionamento segundo Eduardo Nardelli
Pré Dimensionamento segundo Eduardo Nardelli
 
O centro velho de sp
O centro velho de spO centro velho de sp
O centro velho de sp
 

Semelhante a Aula 1 concreto armado

Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01
Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01
Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01
Wagner Luiz Alves da Silva
 
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxCARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
RonaldoSL1
 
Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2
Bosco oliveira
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
Andre Amaral
 
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
AntonioJhennysonSouz1
 
Tipos de concreto
Tipos de concretoTipos de concreto
Tipos de concreto
profNICODEMOS
 
Concreto i aula 01 - rev. 01
Concreto i   aula 01 - rev. 01Concreto i   aula 01 - rev. 01
Concreto i aula 01 - rev. 01
Nelson Alves
 
concretos1.pdf
concretos1.pdfconcretos1.pdf
concretos1.pdf
KEZIABRASILINODESOUZ
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
Propriedades do concreto armado
Propriedades do concreto armadoPropriedades do concreto armado
Propriedades do concreto armado
Ana Luisa Tavares Torres
 
Tipos de concreto
Tipos de concretoTipos de concreto
Tipos de concreto
carlos cintra
 
Ct+cp rodolfo
Ct+cp rodolfoCt+cp rodolfo
Ct+cp rodolfo
thorengcivil
 
Materiais
MateriaisMateriais
AULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdf
AULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdfAULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdf
AULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdf
eduardomtoledo
 
Concreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CADConcreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CAD
Anderson Carvalho
 
Apres. construção
Apres. construçãoApres. construção
Apres. construção
Monique Guerini
 
CONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdf
CONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdfCONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdf
CONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdf
kaio489916
 
Processo contrutivo
Processo contrutivoProcesso contrutivo
Processo contrutivo
Universidade Eduardo Mondlane
 
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
cmdantasba
 
Pratica 03 - teste de carbonatação do concreto-
Pratica 03 -  teste de carbonatação do concreto-Pratica 03 -  teste de carbonatação do concreto-
Pratica 03 - teste de carbonatação do concreto-
cmdantasba
 

Semelhante a Aula 1 concreto armado (20)

Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01
Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01
Aula1concretomatec 120507165933-phpapp01
 
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxCARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
 
Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2Dosagem do concreto_g2
Dosagem do concreto_g2
 
Dosagem do concreto
Dosagem do concretoDosagem do concreto
Dosagem do concreto
 
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
 
Tipos de concreto
Tipos de concretoTipos de concreto
Tipos de concreto
 
Concreto i aula 01 - rev. 01
Concreto i   aula 01 - rev. 01Concreto i   aula 01 - rev. 01
Concreto i aula 01 - rev. 01
 
concretos1.pdf
concretos1.pdfconcretos1.pdf
concretos1.pdf
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Propriedades do concreto armado
Propriedades do concreto armadoPropriedades do concreto armado
Propriedades do concreto armado
 
Tipos de concreto
Tipos de concretoTipos de concreto
Tipos de concreto
 
Ct+cp rodolfo
Ct+cp rodolfoCt+cp rodolfo
Ct+cp rodolfo
 
Materiais
MateriaisMateriais
Materiais
 
AULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdf
AULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdfAULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdf
AULA 1 - FUNDAMENTOS DE ESTRUTURAS DE CONCRETO ARMADO.pdf
 
Concreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CADConcreto de alto desempenho, CAD
Concreto de alto desempenho, CAD
 
Apres. construção
Apres. construçãoApres. construção
Apres. construção
 
CONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdf
CONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdfCONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdf
CONCRETO NO ESTADO FRESCO PARA ESTUDOS..pdf
 
Processo contrutivo
Processo contrutivoProcesso contrutivo
Processo contrutivo
 
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-Pratica 04 -  teste de carbonatação do concreto-
Pratica 04 - teste de carbonatação do concreto-
 
Pratica 03 - teste de carbonatação do concreto-
Pratica 03 -  teste de carbonatação do concreto-Pratica 03 -  teste de carbonatação do concreto-
Pratica 03 - teste de carbonatação do concreto-
 

Mais de Carlos Elson Cunha

Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Carlos Elson Cunha
 
Alexandria sem muros monografia 2016
Alexandria sem muros   monografia 2016Alexandria sem muros   monografia 2016
Alexandria sem muros monografia 2016
Carlos Elson Cunha
 
Shopping das artes
Shopping das artesShopping das artes
Shopping das artes
Carlos Elson Cunha
 
Atitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em públicoAtitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em público
Carlos Elson Cunha
 
Introduções para falar em público
Introduções para falar em públicoIntroduções para falar em público
Introduções para falar em público
Carlos Elson Cunha
 
O temor de falar em público
O temor de falar em públicoO temor de falar em público
O temor de falar em público
Carlos Elson Cunha
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
Carlos Elson Cunha
 
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Carlos Elson Cunha
 
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Carlos Elson Cunha
 
B n
B nB n
Guindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléGuindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picolé
Carlos Elson Cunha
 
Atribuições arquiteto
Atribuições arquitetoAtribuições arquiteto
Atribuições arquiteto
Carlos Elson Cunha
 
Todas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaTodas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdia
Carlos Elson Cunha
 
R caetano pinto
R caetano pintoR caetano pinto
R caetano pinto
Carlos Elson Cunha
 
Levantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasLevantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr bras
Carlos Elson Cunha
 
Lançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqLançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparq
Carlos Elson Cunha
 
Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007
Carlos Elson Cunha
 
Domótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecasDomótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecas
Carlos Elson Cunha
 
Cdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologiasCdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologias
Carlos Elson Cunha
 
Largo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriadaLargo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriada
Carlos Elson Cunha
 

Mais de Carlos Elson Cunha (20)

Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology   mead and the reality of t...
Westlund, olle. s(t)imulating a social psychology mead and the reality of t...
 
Alexandria sem muros monografia 2016
Alexandria sem muros   monografia 2016Alexandria sem muros   monografia 2016
Alexandria sem muros monografia 2016
 
Shopping das artes
Shopping das artesShopping das artes
Shopping das artes
 
Atitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em públicoAtitude mental correta para falar em público
Atitude mental correta para falar em público
 
Introduções para falar em público
Introduções para falar em públicoIntroduções para falar em público
Introduções para falar em público
 
O temor de falar em público
O temor de falar em públicoO temor de falar em público
O temor de falar em público
 
Mec solo ms
Mec solo msMec solo ms
Mec solo ms
 
Xadrez é fácil com o aluno eterno
Xadrez é fácil   com o aluno eternoXadrez é fácil   com o aluno eterno
Xadrez é fácil com o aluno eterno
 
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
Canvas do Carlão - Exemplo do modelo Canvas
 
B n
B nB n
B n
 
Guindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picoléGuindaste de palitos de picolé
Guindaste de palitos de picolé
 
Atribuições arquiteto
Atribuições arquitetoAtribuições arquiteto
Atribuições arquiteto
 
Todas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdiaTodas as árvores do largo da concórdia
Todas as árvores do largo da concórdia
 
R caetano pinto
R caetano pintoR caetano pinto
R caetano pinto
 
Levantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr brasLevantamento fotográfico v oprr bras
Levantamento fotográfico v oprr bras
 
Lançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparqLançamento de livros enanparq
Lançamento de livros enanparq
 
Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007Drenagem urbana.2007
Drenagem urbana.2007
 
Domótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecasDomótica em bibliotecas
Domótica em bibliotecas
 
Cdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologiasCdhu principais programas e tipologias
Cdhu principais programas e tipologias
 
Largo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriadaLargo da Concórida - Visão seriada
Largo da Concórida - Visão seriada
 

Aula 1 concreto armado

  • 1. CONCRETO MATERIAIS E TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO IV PROF. SUNAO KISHI PROF. EDUARDO DE CARVALHO PEREIRA
  • 2. NOMENCLATURA • PASTA=cimento+água • ARGAMASSA=PASTA+agregado miúdo • CONCRETO=ARGAMASSA+agregado graúdo • CONCRETO ARMADO=CONCRETO+armadura passiva • CONCRETO PROTENDIDO=CONCRETO+armaduras passiva e ativa
  • 6. RESISTÊNCIA DO CONCRETO A resistência do concreto à compressão, depende de vários fatores, entre os mais importantes, podemos citar: • tipo do cimento: existem cimentos de várias categorias, que interferem não somente na resistência do concreto, como também na velocidade de pega ou de endurecimento, na proteção contra agentes agressivos, etc. • relação água x cimento: fator decisivo na resistência, quanto maior a relação maior será a porosidade da pasta, portanto menor será a resistência. • resistência dos agregados. • Fórma e granulometria dos agregados: os mais arredondados,dão mais trabalhabilidade. • Aditivos: produtos que adicionados em pequena proporção,modificam as propriedades do concreto. no que diz respeito à resistência, agem na massa de concreto, também no sentido de controlar a porosidade.
  • 7. TRABALHABILIDADE DO CONCRETO • Está relacionada com o processo executivo. O concreto deverá ter uma consistência adequada para que quando lançado nas formas, preencha-as completamente. • + água = > trabalhabilidade = < resistência
  • 8. CONSISTÊNCIA DO CONCRETO • Depende principalmente da quantidade de água. Aumentando a quantidade de água a mistura fresca torna-se mais mole,mais plástica,mais trabalhável. • A consistência é medida pelo método do abatimento do tronco de cone (slump test)
  • 9. CONCRETAGEM ENVOLVE: TRANSPORTE; LANÇAMENTO; ADENSAMENTO e CURA TRANSPORTE • Diz respeito à sua locomoção até a obra e posterior deslocamento até seu local de lançamento,quando o concreto é comprado em central. • Utilizam-se caminhões betoneira de até 8 metros cúbicos. • Tempo máximo de transporte é de 90 minutos (150 minutos até o fim do adensamento) Henrique Dinis / Eduardo Deghiara 9
  • 10. LANÇAMENTO Lançar o concreto nas formas PODE SER EFETUADO ATRAVÉS DE BOMBEAMENTO ATRAVÉS DE MANGOTES PODE SER EFETUADO POR CARRINHOS E JERICAS 10
  • 12. ADENSAMENTO Adensamento é o procedimento para se eliminar os vazios (resistência do concreto). Após o espalhamento do concreto nas formas que é feito por meio de pás e enxadas procede-se ao ADENSAMENTO : MANUAL: consiste em socar o concreto com soquetes ou vergalhões. VIBRAÇÃO: feito com um equipamento chamado vibrador de imersão ou agulha
  • 13. ADENSAMENTO Faz parte do serviço de adensamento, o acabamento da superfície efetuado simultaneamente.
  • 14. CURA • É a operação final da obtenção do concreto,que consiste em evitar a retração hidráulica,quando o concreto ainda não desenvolveu resistência suficiente para evitar a formação de fissuras.
  • 15. MÉTODOS DE CURA • Molhagem contínua das superfícies expostas . • Proteção com tecidos ou papel mantidos úmidos. • Cobertura com lonas plásticas,podendo se utilizar vapor. • Aplicação de emulsão que formam películas impermeáveis. • Período de 7 a 14 dias.
  • 16. • A boa proporcionalidade dos materiais deve garantir, na obra, a resistência característica fck e as demais qualidades que se deseja para o concreto, como durabilidade, baixa deformabilidade,impermeabilidade, consistência etc.
  • 17. Traço do Concreto • A resistência do concreto é estudada previamente, antes da mistura de seus materiais constituintes, quais sejam, as britas, as areias, o cimento, a água e os aditivos, cujas proporções são estimadas, através de procedimentos (dosagem)para a determinação do traço do concreto. • Após a mistura ter sido efetuada, retira-se da massa, material para a moldagem de corpos de prova, os quais serão então submetidos a ensaios de ruptura, averiguando-se as resistências previstas foram obtidas.
  • 19. RESISTÊNCIA CARACTERÍSTICA DO CONCRETO Resistência característica à compressão – fck • A resistência característica é aquela que ocorre aos 28 dias após a moldagem do corpo de prova. fck = fc28d • Usa como unidade o MPa (megaPascal) • 1 MPa = 10 kgf/cm2
  • 20. CLASSES DE RESISTÊNCIA CLASSIFICAÇÃO DO CONCRETO PELO Fck C20 significa: fck= 20 Mpa Concretos usuais variam de C20 a C50: • C20 – pequenas estruturas ou residências, em que as estruturas sejam revestidas. • C25 a C30 - construção predial em geral, em que se requer baixas deformações e permeabilidade (se reflete em durabilidade); em concreto aparente, etc. • C30 A C40 - concreto protendido e edifícios com sistemas estruturais não convencionais. • C40 a C50 – casos especiais em que se deseja esbeltez dos elementos estruturais, como: edifícios altos e cascas. É utilizado especialmente em pilares de edifícios altos.
  • 21. Influência da Relação Água/Cimento, na Resistência do Concreto A relação água- cimento, é a proporção entre o total de água adicionada ao concreto, e o cimento, ambos medidos em peso. As quantias de água podem ser assim subdivididas: AH: Água de hidratação. É a quantidade necessária de água para a hidratação do cimento. AE: Água Excedente. É a quantidade de água lançada na mistura, além da água de hidratação, para garantir as condições de trabalhabilidade da massa, durante a moldagem das peças. A relação água/cimento, é expressa pela seguinte relação: AT (peso) Relação A/C = cimento (peso)
  • 22. Relação Água/Cimento Em geral, o valor da relação A/C, para atingir resistência máxima, está entre 0,35 a 0,40. Em concretos sem o controle tecnológico, somente a título de curiosidade, a relação A/C ,está em torno de 0,7 a 0,8.
  • 23. Variação da Resistência do Concreto com a Idade
  • 24. Resistências Características do Concreto A resistência característica do concreto, equivale à tensão de ruptura dos corpos de prova, aos 28 dias. Nesta condição, temos que considerar separadamente, os dois tipos distintos de solicitações, a de compressão e a de tração. As resistências características, podem ser designadas, como abaixo: fck - resistência à compressão do concreto. ftk - resistência à tração do concreto. Na falta de ensaios, pode-se admitir que a resistência a tração do concreto, equivale a 10% da resistência a compressão. f ck f tk = 10