SlideShare uma empresa Scribd logo
AULA 9: CIMBRAMENTO E FÔRMAS.
MAIO DE 2013
CONSTRUÇÃO CIVIL I
CIMBRAMENTO
• Conjunto de elementos que constituem uma
estrutura de suporte provisória, utilizada
durante a construção de vigas e lajes.
Reescora ou Escoramento remanescente –
Procedimentos:
Reescora ou Escoramento remanescente –
Procedimentos:
Reescora ou Escoramento remanescente –
Procedimentos:
Escoras (ou sistema pontual)
Reescora ou Escoramento remanescente –
Procedimentos:
Nivelamento do cimbramento:
• Com o nível alemão. Por baixo das formas e
com a leitura apartir da galga do sarrafo c/
mangueira de nível
sarrafo
Escorametno/Reescoramento de madeira:
Pontaletes - O pontalete de pinho já é utilizado em escala na construção. Com seção
quadrada de 3 x 3 polegadas (7,5 x 7,5 cm), trata-se de um material mais homogêneo. As
peças são retilíneas e sua capacidade de carga ainda é limitada. É instável no manuseio e
não possui ajuste de altura. Dependendo da laje e viga a serem reescorados, há
necessidade de uma grande quantidade de elementos.
Troncos - É um sistema extremamente
rudimentar e desaconselhável. Geralmente de
eucalipto, esses troncos têm um diâmetro de
aproximadamente 10 cm. O material é
heterogêneo, as peças são disformes e
diferentes entre si e a capacidade de carga,
limitada. O ajuste de altura é extremamente
difícil e o reaproveitamento é baixo.
Escorametno/Reescoramento Metálico:
Escoras - São as mais utilizadas. São
encontradas no mercado para locação e venda,
sua capacidade de carga é elevada e duram
muitas obras. O sistema de ajuste conta com
tubo tipo “flauta”ou ‘’telescópica’’ furado para
o ajuste grosso e rosca para o ajuste fino.
Podem-se reescorar lajes e vigas com a mesma
facilidade. Se o projeto de fôrmas previr faixas
de reescoramento, essas escoras poderão ser
colocadas abaixo dessas faixas, estando
posicionadas já como reescoramento após a
desforma.
Torres - A utilização de torres metálicas como
reescoramento é menos comum. Isso acontece
em casos especiais em que a carga transferida
aos pavimentos inferiores é muito elevada ou
o pé direito é muito alto. Dentro do possível
deve ser utilizado outro sistema, uma vez que
as torres compõem-se de muitos elementos e
ocupam muito espaço sobre a laje.
ESCORAS METÁLICAS X ESCORAS DE MADEIRAS
• Capacidade de carga.
• Precisão de Nivelamento.
• Durabilidade
• Estabilidade dimensional = requisito de
qualidade (caso da “laje zero”)
Por que escoras metálicas levam larga vantagem
em relação às de madeira?
Comparativo dos sistemas de cimbramento
OBSERVAÇÃO PARA LAJES
CABACINHAS OU LAJES NERVURADAS
Componentes:
• Aro de sustentação (suporte da escora)
• Escora
• Forcado simples
• Forcado duplo
• Cruzeta
• Longarina ou trama ou vigota principal
• Barrote ou vigotas secundárias (paralela ao maior
comprimento e em contato com o forcado)
PROJETO DE CIMBRAMENTO
LOCAÇÃO DAS ESCORAS
LOCAÇÃO DAS REESCORAS
PROJETO DE CIMBRAMENTO
Exemplo de Cálculo de Escoramento
FÔRMAS
Para trabalhar com fôrmas de madeira, as construtoras
têm à sua disposição duas opções:
1-Adquirir chapas de madeira ou de compensado para
produzir as fôrmas no próprio canteiro, a partir de um
projeto específico.
2-Comprar o sistema pronto.
3-Há, ainda, uma terceira via, mais rara, que é a
elaboração de um projeto de fôrmas, cujas peças serão
fabricadas por uma empresa de fôrmas prontas.
Entre essas opções, não há um consenso sobre qual
método é melhor. "É preciso considerar a cultura da
construtora. Algumas se dão bem com o sistema pronto.
FIM DO IMPROVISO EM 2009 COM A CRIAÇÃO DA NBR 15696
FÔRMAS
NBR 15696
FÔRMAS
FÔRMAS METÁLICAS
• Questão ambiental: diminuição do passivo
ambiental
• Pouca flexibilidade em relação à madeira
• Ausência de improvisações, que fogem do
previsto em projeto
• Velocidade = Ótima Produtividade
• Acabamento Final
Industrialização
FÔRMAS METÁLICAS
• Existem diversos sistemas no mercado:
FÔRMAS METÁLICAS
• Existem diversos sistemas no mercado:
FÔRMAS METÁLICAS
FÔRMAS TREPANTES
Sistemas rápidos.
Os conjuntos trepantes são ideais para execução de estruturas altas de
concreto, nas quais o único suporte é a camada inferior já concretada. Saiba
como analisar os diversos sistemas disponíveis no mercado
FÔRMAS TREPANTES
FÔRMAS TREPANTES E DESLIZANTES
FÔRMAS PLÁSTICAS
*Redução do consumo de concreto e das armações.
*produzidos em polipropileno (PP), utilizados na Europa há mais de 40 anos.
No Brasil há 25 anos.
FÔRMAS PLÁSTICAS
• Chapas de OSB, alumínio e as já tradicionais
fôrmas de papelão têm histórico diferente de
mercado: umas ganham espaço e o gosto do
construtor; outras desaparecem, por falta de
demanda.
FÔRMAS ESPECIAIS: Moldes Alternativos
EXEMPLO DE CÁLCULO
EXEMPLO DE CÁLCULO
EXEMPLO DE CÁLCULO
Visita Técnica!
JARDIM GOIÁS
RUA 71
CONSTRUTORA HABIL
Horário: 8:30 am 11/05
Só entra na obra se estiver de
bota ou calçado fechado
(firme), capacete próprio. Não
entra de saia ou bermuda!
Aula 9   formas-escoras

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

tesouras de madeira
 tesouras de madeira tesouras de madeira
tesouras de madeira
ricardojaru
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
Luciana Paixão Arquitetura
 
ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS
ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS
ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS
Rodrigo Andrade Brígido
 
Tubulações industriais
Tubulações industriais Tubulações industriais
Tubulações industriais
Claudeci Evaristo
 
Escoramento em edificações
Escoramento em edificaçõesEscoramento em edificações
Escoramento em edificações
Carlos Elson Cunha
 
Aula sobre Gabarito
Aula sobre GabaritoAula sobre Gabarito
Aula sobre Gabarito
Paula Gomes
 
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de TubulaçãoTubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Alessandro Baqueiro Dórea
 
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
David Grubba
 
Estruturas Metálicas
Estruturas MetálicasEstruturas Metálicas
Estruturas Metálicas
Carlos Elson Cunha
 
Lajes, representação gráfica de elementos estruturais
Lajes, representação gráfica de elementos estruturaisLajes, representação gráfica de elementos estruturais
Lajes, representação gráfica de elementos estruturais
guidify
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Guilherme Camargos
 
Catalogo Gerdau
Catalogo GerdauCatalogo Gerdau
Exemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDF
Exemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDFExemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDF
Exemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDF
teixeiracosta
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
Carlos Elson Cunha
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Jupira Silva
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
Willian De Sá
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
UNIFIA
 
Locação de obras
Locação de obrasLocação de obras
Locação de obras
Otavio Patricio
 
Cálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimoCálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimo
Ferreira Maciel Construtora Ltda
 
Estruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aulaEstruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aula
antonio jose fraga geraldes
 

Mais procurados (20)

tesouras de madeira
 tesouras de madeira tesouras de madeira
tesouras de madeira
 
Aulas de concreto armado
Aulas de concreto armadoAulas de concreto armado
Aulas de concreto armado
 
ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS
ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS
ELEMENTOS DE CONCRETO ARMADO - FÔRMAS
 
Tubulações industriais
Tubulações industriais Tubulações industriais
Tubulações industriais
 
Escoramento em edificações
Escoramento em edificaçõesEscoramento em edificações
Escoramento em edificações
 
Aula sobre Gabarito
Aula sobre GabaritoAula sobre Gabarito
Aula sobre Gabarito
 
Tubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de TubulaçãoTubulações e Acessórios de Tubulação
Tubulações e Acessórios de Tubulação
 
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
Aglomerantes (argila, asfalto, cal e gesso)
 
Estruturas Metálicas
Estruturas MetálicasEstruturas Metálicas
Estruturas Metálicas
 
Lajes, representação gráfica de elementos estruturais
Lajes, representação gráfica de elementos estruturaisLajes, representação gráfica de elementos estruturais
Lajes, representação gráfica de elementos estruturais
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
 
Catalogo Gerdau
Catalogo GerdauCatalogo Gerdau
Catalogo Gerdau
 
Exemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDF
Exemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDFExemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDF
Exemplo de um projeto de estrutura de madeira para cobertura - Projeto PDF
 
Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado Aula 1 concreto armado
Aula 1 concreto armado
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
 
1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura1. noções básicas de estrutura
1. noções básicas de estrutura
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
 
Locação de obras
Locação de obrasLocação de obras
Locação de obras
 
Cálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimoCálculo de muro de arrimo
Cálculo de muro de arrimo
 
Estruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aulaEstruturas de madeira aula
Estruturas de madeira aula
 

Destaque

Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:
Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:
Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:
Robson Peixoto
 
Nbr 15696
Nbr 15696Nbr 15696
Nbr 15696
Dandara Santos
 
Desenhos estruturais ca_2007
Desenhos estruturais ca_2007Desenhos estruturais ca_2007
Desenhos estruturais ca_2007
Carlos Martins
 
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoesApostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Edson D. Vizentin
 
019.fôrmas e escoramentos para edifícios
019.fôrmas e escoramentos para edifícios019.fôrmas e escoramentos para edifícios
019.fôrmas e escoramentos para edifícios
Glayce Kelly
 
Catálogo da Atex, a forma da laje
Catálogo da Atex, a forma da lajeCatálogo da Atex, a forma da laje
Catálogo da Atex, a forma da laje
Atex Brasil
 
4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas
Ricardo Akerman
 
2. estrutura e elementos estruturais básicos.
2. estrutura e elementos estruturais básicos.2. estrutura e elementos estruturais básicos.
2. estrutura e elementos estruturais básicos.
PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
 
concreto armado
concreto armadoconcreto armado
Aula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estruturalAula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estrutural
Benevides de Oliveira da Paixão Filho
 
Catalogo de produtos cg
Catalogo de produtos cgCatalogo de produtos cg
Catalogo de produtos cg
Ferrazpol Ferraz
 
7 vigas mistas
7 vigas mistas7 vigas mistas
7 vigas mistas
Walter V. Valenzuela
 
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deEmprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Aldo Werle
 
O uso das Estruturas Metálicas na Construção Civil
O uso das Estruturas Metálicas na Construção CivilO uso das Estruturas Metálicas na Construção Civil
O uso das Estruturas Metálicas na Construção Civil
David Maciel
 
Estruturas de madeira e aço
Estruturas de madeira e açoEstruturas de madeira e aço
Estruturas de madeira e aço
Vanessa Dutra
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
Eduardo Spech
 

Destaque (16)

Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:
Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:
Segurança e saúde na indústria da construção no Brasil:
 
Nbr 15696
Nbr 15696Nbr 15696
Nbr 15696
 
Desenhos estruturais ca_2007
Desenhos estruturais ca_2007Desenhos estruturais ca_2007
Desenhos estruturais ca_2007
 
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoesApostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
Apostila engenharia civil concreto armado recomendacoes
 
019.fôrmas e escoramentos para edifícios
019.fôrmas e escoramentos para edifícios019.fôrmas e escoramentos para edifícios
019.fôrmas e escoramentos para edifícios
 
Catálogo da Atex, a forma da laje
Catálogo da Atex, a forma da lajeCatálogo da Atex, a forma da laje
Catálogo da Atex, a forma da laje
 
4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas4 apostila de carpinteiro de formas
4 apostila de carpinteiro de formas
 
2. estrutura e elementos estruturais básicos.
2. estrutura e elementos estruturais básicos.2. estrutura e elementos estruturais básicos.
2. estrutura e elementos estruturais básicos.
 
concreto armado
concreto armadoconcreto armado
concreto armado
 
Aula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estruturalAula5 calculo estrutural
Aula5 calculo estrutural
 
Catalogo de produtos cg
Catalogo de produtos cgCatalogo de produtos cg
Catalogo de produtos cg
 
7 vigas mistas
7 vigas mistas7 vigas mistas
7 vigas mistas
 
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deEmprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
 
O uso das Estruturas Metálicas na Construção Civil
O uso das Estruturas Metálicas na Construção CivilO uso das Estruturas Metálicas na Construção Civil
O uso das Estruturas Metálicas na Construção Civil
 
Estruturas de madeira e aço
Estruturas de madeira e açoEstruturas de madeira e aço
Estruturas de madeira e aço
 
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE TEORIA DAS ESTRUTURAS
 

Semelhante a Aula 9 formas-escoras

Estruturas Metálicas - Teoria_parte III.ppt
Estruturas Metálicas - Teoria_parte III.pptEstruturas Metálicas - Teoria_parte III.ppt
Estruturas Metálicas - Teoria_parte III.ppt
DanielBorges40054
 
Estrutura
EstruturaEstrutura
Estrutura
Willian De Sá
 
Apresentação ArcelorMittal - estruturas metálcias
Apresentação ArcelorMittal - estruturas metálciasApresentação ArcelorMittal - estruturas metálcias
Apresentação ArcelorMittal - estruturas metálcias
Jamaicapt
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
Daniela Fajer
 
3. associação concreto aço
3. associação concreto aço3. associação concreto aço
3. associação concreto aço
Willian De Sá
 
Mes 03
Mes 03Mes 03
Construtech2009
Construtech2009Construtech2009
Construtech2009
SH Brasil
 
Palestra Construtech 2009
Palestra Construtech 2009Palestra Construtech 2009
Palestra Construtech 2009
SH Brasil
 
Forros cris
Forros crisForros cris
Forros cris
kely23
 
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.pptLAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
alexsilva79763
 
lajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradaslajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradas
George Átila Moreira
 
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Willian Dias da Cruz
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
gabioa
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
Dandara Santos
 
Lumiform SH
Lumiform SHLumiform SH
Lumiform SH
SH Brasil
 
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto ArmadoMarcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
diogenesfm
 
Slides técnicas
Slides técnicasSlides técnicas
Slides técnicas
balestrini13
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
debvieir
 
Lajes nervuradas
Lajes nervuradasLajes nervuradas
Lajes nervuradas
Carlos Elson Cunha
 

Semelhante a Aula 9 formas-escoras (20)

Estruturas Metálicas - Teoria_parte III.ppt
Estruturas Metálicas - Teoria_parte III.pptEstruturas Metálicas - Teoria_parte III.ppt
Estruturas Metálicas - Teoria_parte III.ppt
 
Estrutura
EstruturaEstrutura
Estrutura
 
Apresentação ArcelorMittal - estruturas metálcias
Apresentação ArcelorMittal - estruturas metálciasApresentação ArcelorMittal - estruturas metálcias
Apresentação ArcelorMittal - estruturas metálcias
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
Concreto 01
Concreto 01Concreto 01
Concreto 01
 
3. associação concreto aço
3. associação concreto aço3. associação concreto aço
3. associação concreto aço
 
Mes 03
Mes 03Mes 03
Mes 03
 
Construtech2009
Construtech2009Construtech2009
Construtech2009
 
Palestra Construtech 2009
Palestra Construtech 2009Palestra Construtech 2009
Palestra Construtech 2009
 
Forros cris
Forros crisForros cris
Forros cris
 
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.pptLAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
LAJES PRÉ-MOLDADAS.ppt
 
lajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradaslajes-mistas-nervuradas
lajes-mistas-nervuradas
 
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...Artigo ibracon 2012   sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
Artigo ibracon 2012 sistema construtivo tridirecional para construcao de la...
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
 
Lumiform SH
Lumiform SHLumiform SH
Lumiform SH
 
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto ArmadoMarcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
Marcela, Rafael e Thais - Concreto Armado
 
Slides técnicas
Slides técnicasSlides técnicas
Slides técnicas
 
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
Projeto e anteprojeto, escoramentos, cortinas, paredes diafragma e muros de a...
 
Lajes nervuradas
Lajes nervuradasLajes nervuradas
Lajes nervuradas
 

Aula 9 formas-escoras

  • 1. AULA 9: CIMBRAMENTO E FÔRMAS. MAIO DE 2013 CONSTRUÇÃO CIVIL I
  • 2. CIMBRAMENTO • Conjunto de elementos que constituem uma estrutura de suporte provisória, utilizada durante a construção de vigas e lajes.
  • 3. Reescora ou Escoramento remanescente – Procedimentos:
  • 4. Reescora ou Escoramento remanescente – Procedimentos:
  • 5. Reescora ou Escoramento remanescente – Procedimentos: Escoras (ou sistema pontual)
  • 6. Reescora ou Escoramento remanescente – Procedimentos:
  • 7. Nivelamento do cimbramento: • Com o nível alemão. Por baixo das formas e com a leitura apartir da galga do sarrafo c/ mangueira de nível sarrafo
  • 8. Escorametno/Reescoramento de madeira: Pontaletes - O pontalete de pinho já é utilizado em escala na construção. Com seção quadrada de 3 x 3 polegadas (7,5 x 7,5 cm), trata-se de um material mais homogêneo. As peças são retilíneas e sua capacidade de carga ainda é limitada. É instável no manuseio e não possui ajuste de altura. Dependendo da laje e viga a serem reescorados, há necessidade de uma grande quantidade de elementos. Troncos - É um sistema extremamente rudimentar e desaconselhável. Geralmente de eucalipto, esses troncos têm um diâmetro de aproximadamente 10 cm. O material é heterogêneo, as peças são disformes e diferentes entre si e a capacidade de carga, limitada. O ajuste de altura é extremamente difícil e o reaproveitamento é baixo.
  • 9. Escorametno/Reescoramento Metálico: Escoras - São as mais utilizadas. São encontradas no mercado para locação e venda, sua capacidade de carga é elevada e duram muitas obras. O sistema de ajuste conta com tubo tipo “flauta”ou ‘’telescópica’’ furado para o ajuste grosso e rosca para o ajuste fino. Podem-se reescorar lajes e vigas com a mesma facilidade. Se o projeto de fôrmas previr faixas de reescoramento, essas escoras poderão ser colocadas abaixo dessas faixas, estando posicionadas já como reescoramento após a desforma. Torres - A utilização de torres metálicas como reescoramento é menos comum. Isso acontece em casos especiais em que a carga transferida aos pavimentos inferiores é muito elevada ou o pé direito é muito alto. Dentro do possível deve ser utilizado outro sistema, uma vez que as torres compõem-se de muitos elementos e ocupam muito espaço sobre a laje.
  • 10. ESCORAS METÁLICAS X ESCORAS DE MADEIRAS • Capacidade de carga. • Precisão de Nivelamento. • Durabilidade • Estabilidade dimensional = requisito de qualidade (caso da “laje zero”) Por que escoras metálicas levam larga vantagem em relação às de madeira?
  • 11. Comparativo dos sistemas de cimbramento
  • 12. OBSERVAÇÃO PARA LAJES CABACINHAS OU LAJES NERVURADAS
  • 13. Componentes: • Aro de sustentação (suporte da escora) • Escora • Forcado simples • Forcado duplo • Cruzeta • Longarina ou trama ou vigota principal • Barrote ou vigotas secundárias (paralela ao maior comprimento e em contato com o forcado)
  • 14. PROJETO DE CIMBRAMENTO LOCAÇÃO DAS ESCORAS LOCAÇÃO DAS REESCORAS
  • 16. Exemplo de Cálculo de Escoramento
  • 17. FÔRMAS Para trabalhar com fôrmas de madeira, as construtoras têm à sua disposição duas opções: 1-Adquirir chapas de madeira ou de compensado para produzir as fôrmas no próprio canteiro, a partir de um projeto específico. 2-Comprar o sistema pronto. 3-Há, ainda, uma terceira via, mais rara, que é a elaboração de um projeto de fôrmas, cujas peças serão fabricadas por uma empresa de fôrmas prontas. Entre essas opções, não há um consenso sobre qual método é melhor. "É preciso considerar a cultura da construtora. Algumas se dão bem com o sistema pronto. FIM DO IMPROVISO EM 2009 COM A CRIAÇÃO DA NBR 15696
  • 20. FÔRMAS METÁLICAS • Questão ambiental: diminuição do passivo ambiental • Pouca flexibilidade em relação à madeira • Ausência de improvisações, que fogem do previsto em projeto • Velocidade = Ótima Produtividade • Acabamento Final Industrialização
  • 22. • Existem diversos sistemas no mercado: FÔRMAS METÁLICAS
  • 23. • Existem diversos sistemas no mercado: FÔRMAS METÁLICAS
  • 24. FÔRMAS TREPANTES Sistemas rápidos. Os conjuntos trepantes são ideais para execução de estruturas altas de concreto, nas quais o único suporte é a camada inferior já concretada. Saiba como analisar os diversos sistemas disponíveis no mercado
  • 26. FÔRMAS TREPANTES E DESLIZANTES
  • 27. FÔRMAS PLÁSTICAS *Redução do consumo de concreto e das armações. *produzidos em polipropileno (PP), utilizados na Europa há mais de 40 anos. No Brasil há 25 anos.
  • 29. • Chapas de OSB, alumínio e as já tradicionais fôrmas de papelão têm histórico diferente de mercado: umas ganham espaço e o gosto do construtor; outras desaparecem, por falta de demanda. FÔRMAS ESPECIAIS: Moldes Alternativos
  • 33. Visita Técnica! JARDIM GOIÁS RUA 71 CONSTRUTORA HABIL Horário: 8:30 am 11/05 Só entra na obra se estiver de bota ou calçado fechado (firme), capacete próprio. Não entra de saia ou bermuda!