SlideShare uma empresa Scribd logo
Estruturas de ConcretoEstruturas de Concreto
Armado IArmado I
ETC 304ETC 304
Aula 15: Detalhamento de lajes
Cálculo da armadura de flexãoCálculo da armadura de flexão
As = cm2/m, com:
As = área de aço necessária em uma faixa de
largura unitária;
h
1,0 m
Mk(KN.m/m)
Seção das barras de açoSeção das barras de aço
Seção circular
A = π . D2 /4
• Bitolas comerciais• Bitolas comerciais
Bitola
(mm)
As (cm2) Peso
(Kgf/ml)
5 0,20 0,16
6,3 0,32 0,25
8 0,50 0,40
10 0,80 0,63
12,5 1,25 1,00
16 2,00 1,60
20 3,15 2,50
25 5,00 4,00
Espaçamento entre barrasEspaçamento entre barras
Sabendo-se a área total de aço necessária em uma faixa
de 1,0m e a área de cada barra, poderemos calcular o
espaçamento entre as mesmas:
Nb = As/A(1∅)Nb = As/A(1∅)
s = 100/Nb
S(cm) = 100 . A(1∅∅∅∅)/As
Ex.: As = 3,0 cm2/m Bitola s (cm)
5 6,7
6,3 10,5
8 13,3
10 26,7
12,5 41,7
Espaçamentos Limites (NBR 6118)Espaçamentos Limites (NBR 6118)
Espaçamentos máximos (ítem 6.3.2.1)
Para os momentos principais
laje em cruz : s ≤ 20 cm
laje em uma direção : s ≤ 20cm
2.h
Para barra de distribuiçãoPara barra de distribuição
s ≤ 33 cm
Espaçamentos mínimos
Não são fixados por norma;
Deve considerar a facilidade de execução (amarração e
concretagem)
Adotaremos: s ≥ 10 cm
Armadura mínimaArmadura mínima
Armadura suficiente para resistir aos esforços de tração
que ultrapassem a resistência do concreto à tração;
Asmin = 0,15%.b.h
para lajes (b = 100cm) :
lajes em 1 direção :Asmin = 0,15.h
lajes armadas em cruz :Asmin = 0,10.h
armadura de distribuição ≥ 1/5.As princ
0,9 cm2/m
3 barras/m
Outras limitaçõesOutras limitações
Diâmetro máximo das barras
Espessura das lajes: não deve ser menor que,
D ≤ hlaje / 10
Espessura das lajes: não deve ser menor que,
5 cm, em lajes de cobertura, não em balanço;
7 cm, em lajes de piso e balanços;
12 cm, em lajes destinadas à passagem de veículos;
Limites de deformaçãoLimites de deformação
Flechas máximas (carregamento total)
L/300 - lajes apoiadas
L/150 - lajes em balanço
com L - menor vão teórico
Flechas máximas (cargas acidentais)
L/500 - lajes apoiadas
L/250 - lajes em balanço
Armação positivaArmação positiva -- AncoragemAncoragem
Ancoragem mínima para armação positiva - Lajes
Bitola
(mm)
lbmin
(cm)
Bmin *
(cm)
5 7,4 9,4
6,3 9,3 11,3
(*) Bmin = largura mínima da viga, considerando-se um cobrimento de
2cm
OBS.:Quando a largura de apoio não possibilitar a ancoragem mínima,
devemos prever a execução de ganchos na extremidade do ferro.
6,3 9,3 11,3
8 11,8 13,8
10 14,7 16,7
12,5 18,4 20,4
Armação NegativaArmação Negativa -- ComprimentoComprimento
NBR 6118 - ítem 3.3.2.7
◦ “....As barras da armadura principal sobre os apoios deverão se
estender de acordo com o diagrama triangular de momentos
(considerado já deslocado), de base igual ao valor adiante
indicado:
a. em lajes atuando em duas direções ortogonais:a. em lajes atuando em duas direções ortogonais:
- em uma borda engastada, sendo cada uma das três outras bordas
livremente apoiada ou engastada, 0,25 do menor vão;
- nos dois lados de um apoio de laje contínua, 0,25 do maior dos vãos
menores das lajes contíguas;
b. em lajes atuando numa só direção
- em uma borda engastada, 0,25 do vão

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contraventamento
ContraventamentoContraventamento
Contraventamento
EDER OLIVEIRA
 
Vigas
VigasVigas
Aula 4 vigas
Aula 4   vigasAula 4   vigas
Aula 4 vigas
Carlos Elson Cunha
 
11 lajes macicas
11 lajes macicas11 lajes macicas
11 lajes macicas
Alexandre Guimarães
 
172023544 vigas
172023544 vigas172023544 vigas
172023544 vigas
Michel Rodriguez
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
EDER OLIVEIRA
 
Dominios
DominiosDominios
Dominios
Gerson Justino
 
Viga em t
Viga em tViga em t
Viga em t
Thiago soares
 
1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes
DanieFernando Leal Rosa
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
gabioa
 
Vaos e cargas
Vaos e cargasVaos e cargas
Vaos e cargas
cristina resende
 
3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes
Luciana Costa
 
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigasMemoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
Elderson Silva de Paula
 
Apostilinha de estruturas
Apostilinha de estruturasApostilinha de estruturas
Apostilinha de estruturas
rcarc
 
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Jonas Lima
 

Mais procurados (15)

Contraventamento
ContraventamentoContraventamento
Contraventamento
 
Vigas
VigasVigas
Vigas
 
Aula 4 vigas
Aula 4   vigasAula 4   vigas
Aula 4 vigas
 
11 lajes macicas
11 lajes macicas11 lajes macicas
11 lajes macicas
 
172023544 vigas
172023544 vigas172023544 vigas
172023544 vigas
 
Cargas em vigas
Cargas em vigasCargas em vigas
Cargas em vigas
 
Dominios
DominiosDominios
Dominios
 
Viga em t
Viga em tViga em t
Viga em t
 
1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes1111Estudo das lajes
1111Estudo das lajes
 
12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas12 proj lajes macicas
12 proj lajes macicas
 
Vaos e cargas
Vaos e cargasVaos e cargas
Vaos e cargas
 
3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes3calculodosesforcosnaslajes
3calculodosesforcosnaslajes
 
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigasMemoria de calculo dimensionamento de vigas
Memoria de calculo dimensionamento de vigas
 
Apostilinha de estruturas
Apostilinha de estruturasApostilinha de estruturas
Apostilinha de estruturas
 
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01Transpasse e ancoragem de armaduras 01
Transpasse e ancoragem de armaduras 01
 

Destaque

3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas
engenheiroalfredo
 
Ex calc laje
Ex calc lajeEx calc laje
Ex calc laje
EDER OLIVEIRA
 
A técnica de edificar walid yazigi
A técnica de edificar   walid yazigiA técnica de edificar   walid yazigi
A técnica de edificar walid yazigi
Kempes Bidoia Farias
 
Novos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasilNovos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasil
Egydio Hervé Neto
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
Dandara Santos
 
Estruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-paulo
Estruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-pauloEstruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-paulo
Estruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-paulo
Marcio Macario
 
Resistência Estrutural
Resistência EstruturalResistência Estrutural
Resistência Estrutural
Ana Cristina Vieira
 
A importância do fck de projeto
A importância do fck de projetoA importância do fck de projeto
A importância do fck de projeto
Egydio Hervé Neto
 
Calculo reservatorios
Calculo reservatoriosCalculo reservatorios
Calculo reservatorios
Carlos Elson Cunha
 
Apresentação aula 1
Apresentação   aula 1Apresentação   aula 1
Apresentação aula 1
Alef Rayan
 
Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]
Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]
Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]
turmacivil51
 
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
Nbr 8953   concreto para fins estruturaisNbr 8953   concreto para fins estruturais
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
Fábio Salvador
 
Concreto protendido
Concreto protendidoConcreto protendido
Concreto protendido
heristonrodrigues
 
Concreto armado eu te amo
Concreto armado eu te amoConcreto armado eu te amo
Concreto armado eu te amo
Carlos Elson Cunha
 
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificaçõesNbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
mjmcreatore
 
Manual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulicaManual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulica
Sérgio Alves Dos Reis
 
Vigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armadoVigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armado
thiagolf7
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Guilherme Camargos
 
Doutores da construcao hidraúlica
Doutores da construcao hidraúlicaDoutores da construcao hidraúlica
Doutores da construcao hidraúlica
Alexandre Moreno
 

Destaque (19)

3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas3.vigas de concreto novissimas
3.vigas de concreto novissimas
 
Ex calc laje
Ex calc lajeEx calc laje
Ex calc laje
 
A técnica de edificar walid yazigi
A técnica de edificar   walid yazigiA técnica de edificar   walid yazigi
A técnica de edificar walid yazigi
 
Novos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasilNovos procedimentos de concretagem no brasil
Novos procedimentos de concretagem no brasil
 
17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas17 lajes nervuradas
17 lajes nervuradas
 
Estruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-paulo
Estruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-pauloEstruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-paulo
Estruturas mistas-e-hibridas-pannoni-2012-sao-paulo
 
Resistência Estrutural
Resistência EstruturalResistência Estrutural
Resistência Estrutural
 
A importância do fck de projeto
A importância do fck de projetoA importância do fck de projeto
A importância do fck de projeto
 
Calculo reservatorios
Calculo reservatoriosCalculo reservatorios
Calculo reservatorios
 
Apresentação aula 1
Apresentação   aula 1Apresentação   aula 1
Apresentação aula 1
 
Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]
Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]
Aulas 4 e 5 29teoriaestr i[1]
 
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
Nbr 8953   concreto para fins estruturaisNbr 8953   concreto para fins estruturais
Nbr 8953 concreto para fins estruturais
 
Concreto protendido
Concreto protendidoConcreto protendido
Concreto protendido
 
Concreto armado eu te amo
Concreto armado eu te amoConcreto armado eu te amo
Concreto armado eu te amo
 
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificaçõesNbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
 
Manual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulicaManual instalacao hidraulica
Manual instalacao hidraulica
 
Vigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armadoVigas e lajes de concreto armado
Vigas e lajes de concreto armado
 
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações HidraulicasDimensionamento de Tubulações Hidraulicas
Dimensionamento de Tubulações Hidraulicas
 
Doutores da construcao hidraúlica
Doutores da construcao hidraúlicaDoutores da construcao hidraúlica
Doutores da construcao hidraúlica
 

Semelhante a Etc304 aula15

Viii disposições construtivas gerais das armaduras
Viii   disposições construtivas gerais das armadurasViii   disposições construtivas gerais das armaduras
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
francisco silva
 
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto iAula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
Gustavo Moles
 
Elementos de Concreto Armado - Armaduras
Elementos de Concreto Armado - ArmadurasElementos de Concreto Armado - Armaduras
Elementos de Concreto Armado - Armaduras
Rodrigo Andrade Brígido
 
trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4
Ditharso Costa
 
4.pilares de concreto armado
4.pilares de concreto armado4.pilares de concreto armado
4.pilares de concreto armado
Willyane Ferreira Do Nascimento
 
Fios cordoalhas
Fios cordoalhasFios cordoalhas
Fios cordoalhas
Flaviano José Girotto
 
Flexão simples e dupla
Flexão simples e duplaFlexão simples e dupla
Flexão simples e dupla
Ewerton Tavares
 
armadura
armaduraarmadura
Construções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdf
Construções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdfConstruções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdf
Construções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdf
Antonio Batista Bezerra Neto
 
25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais
25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais
25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais
Julyanne Rodrigues
 
Dimensionamento TRAÇÃO.pdf
Dimensionamento TRAÇÃO.pdfDimensionamento TRAÇÃO.pdf
Dimensionamento TRAÇÃO.pdf
JorgeOliveira927241
 
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
Estruturas de madeira para coberturas  norman barrosEstruturas de madeira para coberturas  norman barros
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
Ilânio Luis Luis
 
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
Estruturas de madeira para coberturas  norman barrosEstruturas de madeira para coberturas  norman barros
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
Governo do Estado do Paraná
 
Telhados e coberturas
Telhados e coberturas   Telhados e coberturas
Telhados e coberturas
Marcos Paulo Souza Batista
 
Estruturas de madeira para coberturas, norman barros
Estruturas de madeira para coberturas, norman barrosEstruturas de madeira para coberturas, norman barros
Estruturas de madeira para coberturas, norman barros
Carlos Elson Cunha
 
Telhados
TelhadosTelhados
Telhados
roupanova
 
Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto
Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concretoProjeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto
Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto
paulolubas159263
 
Resumo concreto usp
Resumo concreto uspResumo concreto usp
Resumo concreto usp
ruanni2805
 
Resumo concreto usp
Resumo concreto uspResumo concreto usp
Resumo concreto usp
Daniele029
 
Resumo concreto usp otimo
Resumo concreto usp otimoResumo concreto usp otimo
Resumo concreto usp otimo
Luciana Costa
 

Semelhante a Etc304 aula15 (20)

Viii disposições construtivas gerais das armaduras
Viii   disposições construtivas gerais das armadurasViii   disposições construtivas gerais das armaduras
Viii disposições construtivas gerais das armaduras
 
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto iAula 01 e 02 09-2014 concreto i
Aula 01 e 02 09-2014 concreto i
 
Elementos de Concreto Armado - Armaduras
Elementos de Concreto Armado - ArmadurasElementos de Concreto Armado - Armaduras
Elementos de Concreto Armado - Armaduras
 
trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4trocao Cap1 v4
trocao Cap1 v4
 
4.pilares de concreto armado
4.pilares de concreto armado4.pilares de concreto armado
4.pilares de concreto armado
 
Fios cordoalhas
Fios cordoalhasFios cordoalhas
Fios cordoalhas
 
Flexão simples e dupla
Flexão simples e duplaFlexão simples e dupla
Flexão simples e dupla
 
armadura
armaduraarmadura
armadura
 
Construções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdf
Construções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdfConstruções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdf
Construções Especiais - Aula 8 - Barras tracionadas.pdf
 
25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais
25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais
25509717 cap-1-propriedades-dos-materiais
 
Dimensionamento TRAÇÃO.pdf
Dimensionamento TRAÇÃO.pdfDimensionamento TRAÇÃO.pdf
Dimensionamento TRAÇÃO.pdf
 
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
Estruturas de madeira para coberturas  norman barrosEstruturas de madeira para coberturas  norman barros
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
 
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
Estruturas de madeira para coberturas  norman barrosEstruturas de madeira para coberturas  norman barros
Estruturas de madeira para coberturas norman barros
 
Telhados e coberturas
Telhados e coberturas   Telhados e coberturas
Telhados e coberturas
 
Estruturas de madeira para coberturas, norman barros
Estruturas de madeira para coberturas, norman barrosEstruturas de madeira para coberturas, norman barros
Estruturas de madeira para coberturas, norman barros
 
Telhados
TelhadosTelhados
Telhados
 
Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto
Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concretoProjeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto
Projeto de pontes e viadutos rodoviárias de aço e mistas aço e concreto
 
Resumo concreto usp
Resumo concreto uspResumo concreto usp
Resumo concreto usp
 
Resumo concreto usp
Resumo concreto uspResumo concreto usp
Resumo concreto usp
 
Resumo concreto usp otimo
Resumo concreto usp otimoResumo concreto usp otimo
Resumo concreto usp otimo
 

Etc304 aula15

  • 1. Estruturas de ConcretoEstruturas de Concreto Armado IArmado I ETC 304ETC 304 Aula 15: Detalhamento de lajes
  • 2. Cálculo da armadura de flexãoCálculo da armadura de flexão As = cm2/m, com: As = área de aço necessária em uma faixa de largura unitária; h 1,0 m Mk(KN.m/m)
  • 3. Seção das barras de açoSeção das barras de aço Seção circular A = π . D2 /4 • Bitolas comerciais• Bitolas comerciais Bitola (mm) As (cm2) Peso (Kgf/ml) 5 0,20 0,16 6,3 0,32 0,25 8 0,50 0,40 10 0,80 0,63 12,5 1,25 1,00 16 2,00 1,60 20 3,15 2,50 25 5,00 4,00
  • 4. Espaçamento entre barrasEspaçamento entre barras Sabendo-se a área total de aço necessária em uma faixa de 1,0m e a área de cada barra, poderemos calcular o espaçamento entre as mesmas: Nb = As/A(1∅)Nb = As/A(1∅) s = 100/Nb S(cm) = 100 . A(1∅∅∅∅)/As Ex.: As = 3,0 cm2/m Bitola s (cm) 5 6,7 6,3 10,5 8 13,3 10 26,7 12,5 41,7
  • 5. Espaçamentos Limites (NBR 6118)Espaçamentos Limites (NBR 6118) Espaçamentos máximos (ítem 6.3.2.1) Para os momentos principais laje em cruz : s ≤ 20 cm laje em uma direção : s ≤ 20cm 2.h Para barra de distribuiçãoPara barra de distribuição s ≤ 33 cm Espaçamentos mínimos Não são fixados por norma; Deve considerar a facilidade de execução (amarração e concretagem) Adotaremos: s ≥ 10 cm
  • 6. Armadura mínimaArmadura mínima Armadura suficiente para resistir aos esforços de tração que ultrapassem a resistência do concreto à tração; Asmin = 0,15%.b.h para lajes (b = 100cm) : lajes em 1 direção :Asmin = 0,15.h lajes armadas em cruz :Asmin = 0,10.h armadura de distribuição ≥ 1/5.As princ 0,9 cm2/m 3 barras/m
  • 7. Outras limitaçõesOutras limitações Diâmetro máximo das barras Espessura das lajes: não deve ser menor que, D ≤ hlaje / 10 Espessura das lajes: não deve ser menor que, 5 cm, em lajes de cobertura, não em balanço; 7 cm, em lajes de piso e balanços; 12 cm, em lajes destinadas à passagem de veículos;
  • 8. Limites de deformaçãoLimites de deformação Flechas máximas (carregamento total) L/300 - lajes apoiadas L/150 - lajes em balanço com L - menor vão teórico Flechas máximas (cargas acidentais) L/500 - lajes apoiadas L/250 - lajes em balanço
  • 9. Armação positivaArmação positiva -- AncoragemAncoragem Ancoragem mínima para armação positiva - Lajes Bitola (mm) lbmin (cm) Bmin * (cm) 5 7,4 9,4 6,3 9,3 11,3 (*) Bmin = largura mínima da viga, considerando-se um cobrimento de 2cm OBS.:Quando a largura de apoio não possibilitar a ancoragem mínima, devemos prever a execução de ganchos na extremidade do ferro. 6,3 9,3 11,3 8 11,8 13,8 10 14,7 16,7 12,5 18,4 20,4
  • 10. Armação NegativaArmação Negativa -- ComprimentoComprimento NBR 6118 - ítem 3.3.2.7 ◦ “....As barras da armadura principal sobre os apoios deverão se estender de acordo com o diagrama triangular de momentos (considerado já deslocado), de base igual ao valor adiante indicado: a. em lajes atuando em duas direções ortogonais:a. em lajes atuando em duas direções ortogonais: - em uma borda engastada, sendo cada uma das três outras bordas livremente apoiada ou engastada, 0,25 do menor vão; - nos dois lados de um apoio de laje contínua, 0,25 do maior dos vãos menores das lajes contíguas; b. em lajes atuando numa só direção - em uma borda engastada, 0,25 do vão