SlideShare uma empresa Scribd logo
PARASITOLOGIA BÁSICA
M.Sc. Paulo Roberto
__________________________Introdução
Conteúdo Programático desta aula
 Principais características das
diferentes relações biológicas entre
seres vivos;
 Relações entre as parasitoses e as
questões de saneamento básico;
 Conceitos de epidemiologia de uma
infecção parasitária.
__________________________Introdução
Importância do Estudo de Parasitologia
O estudo da parasitologia é fundamental, pois,
as doenças parasitárias são frequentes na
população mundial. A parasitologia
humana recebeu uma importância renovada
uma vez que, com a globalização o mundo se
tornou menor devido à rápida movimentação
de pessoas e imigrantes de áreas endêmicas.
__________________________Introdução
Por uma variedade de razões,
especialmente em pacientes com
AIDS, fez com que parasitos
anteriormente sem importância
clínica em humanos passassem a ser
observados.
Importância do Estudo de Parasitologia
__________________________Introdução
O grau de intensidade da doença parasitária depende de
vários fatores, entre eles, podemos destacar:
• o número de formas infectantes presentes;
• a virulência da cepa;
• a idade e o estado nutricional do hospedeiro;
• os órgãos atingidos;
• a associação de um parasita com outra espécie e o grau
da reposta imune ou inflamatória desencadeada.
Importância do Estudo de Parasitologia
__________________________Introdução
Apesar do grande avanço tecnológico, do
alto padrão educacional, da boa nutrição
e de boas condições sanitárias, até
mesmo os países desenvolvidos estão
sujeitos a doenças parasitárias. Desta
forma, o estudo da PARASITOLOGIA
HUMANA é de suma importância.
Importância do Estudo de Parasitologia
__________________________Introdução
Introdução à Parasitologia
A parasitologia é uma ciência que estuda os organismos que
vivem no interior ou exterior de outro hospedeiro, obtendo
alimento às expensas de seu hospedeiro, consumindo-lhe os
tecidos e humores ou o conteúdo intestinal.
__________________________Introdução
No entanto, o relacionamento do parasita com seu
hospedeiro tem base nutricional, não podendo lesar
drasticamente o hospedeiro, evitando alterações
comprometedoras, o que o faria perder seu hospedeiro.
Esta convivência nem sempre é nociva ao hospedeiro,
pois o parasitismo ideal é aquele que não causa dano ao
hospedeiro e, por conseguinte, não provoca doença.
O Introdução à Parasitologia
__________________________Introdução
A parasitologia na prática abrange o
estudo de protozoários, helmintos e
artrópodes, onde a maiorias dos
parasitos de importância médica e
veterinária estão situados.
O Introdução à Parasitologia
__________________________Introdução
Formas de transmissão dos parasitas
O parasita é capaz de se reproduzir disseminando seus ovos,
e estes, costumam infectar outros hospedeiros, dos quais
eles retirarão seus meios de sobrevivência através do
parasitismo. Eles podem ser transmitidos entre os seres
humanos através do contato pessoal ou do uso de objetos
pessoais.
__________________________Introdução
Podem também ser transmitidos
através da água, alimentos, mãos
sem a devida higienização, poeira,
através do solo contaminado por
larvas, por hospedeiros
intermediários (moluscos) e por
muitos outros meios.
Formas de transmissão dos parasitas
__________________________Introdução
Classificação dos parasitos segundo alguns critérios:
• Quanto ao número de hospedeiros:
• monoxenos/monogenéticos e heteroxenos/digenéticos
• Quanto à localização nos hospedeiros:
• ectoparasitas ou endoparasitas
• Quanto ao número de células:
• unicelulares ou pluricelulares
__________________________Introdução
Monoxenos ou monogenéticos:
são os parasitas que realizam o
seu ciclo evolutivo em um
único hospedeiro.
Exemplos: o Ascaris
lumbricoides (lombriga) e o
Enterobius vermicularis
(oxiúrio).
Quanto ao número de hospedeiros:
Ascaris lumbricoides
__________________________Introdução
Heteroxenos ou
digenéticos: são os
parasitas que só completam
o seu ciclo evolutivo
passando pelo menos em
dois hospedeiros.
Exemplos: Schistossoma sp
(esquistossomo) e o
Trypanosoma cruzi
(tripanossoma).
Quanto ao número de hospedeiros:
Schistossoma sp (esquistossomo)
__________________________Introdução
Quanto à localização nos hospedeiros:
Ectoparasitas: são os que se
localizam nas partes
externas dos hospedeiros.
Exemplos: a sanguessuga, o
piolho, a pulga, etc.
piolho
pulga
__________________________Introdução
Endoparasitas: são os que se
localizam nas partes internas
dos hospedeiros.
Exemplos: as tênias (solitárias),
a lombriga, o esquistossomo,
etc.
Quanto à localização nos hospedeiros:
esquistossomose
__________________________Introdução
Unicelulares: possuem uma única célula que apresenta o
núcleo organizado, ou seja, está separado do citoplasma
pela membrana nuclear. São, portanto, organismos
eucariontes.
Exemplos: protozoários
Quanto ao número de células:
__________________________Introdução
Pluricelulares: são organismos formados por
conjuntos de células semelhantes e interdependentes,
Que desempenham uma ou mais funções.
São, portanto, organismos eucariontes.
Exemplos: helmintos
__________________________Introdução
CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES
__________________________Introdução
PARASITISMO:
É a interação entre indivíduos de espécies diferentes, em
que se estabelecem relações intimas e duradouras com
certo grau de dependência metabólica. Geralmente o
hospedeiro proporciona ao parasito todos os nutrientes e
as condições fisiológicas requeridas por este.
__________________________Introdução
Especificidade do hospedeiro:
Dependendo das necessidades individuais de cada parasito,
ele utilizará apenas determinada espécie de hospedeiro ou
um grupo de diferentes espécies ou mais.
Quando o parasito exige apenas uma espécie de hospedeiro
para completar seu ciclo biológico, é dito monoxeno e, se a
espécie for sempre à mesma, será considerado estenoxeno.
__________________________Introdução
Especificidade do hospedeiro
Por outro lado, quando o parasito necessita de mais de uma
espécie de hospedeiro para completar seu ciclo biológico,
um deles será o hospedeiro definitivo e os demais são
considerados hospedeiros intermediários.
__________________________Introdução
HOSPEDEIRO DEFINITIVO - é
o que apresenta o parasito
em fase de maturidade ou
em fase de atividade sexual.
Exemplo: do Plasmodium é o
Anopheles; do S. mansoni é o
ser humano
S. mansoni: ciclo da vida
__________________________Introdução
HOSPEDEIRO INTERMEDIÁRIO
- é o que apresenta o parasito
em fase larvária ou em fase
assexuada.
Exemplo: do Trypanosoma
cruzi é o triatomíneo, do S.
mansoni é o caramujo.
S. mansoni: ciclo da vida
__________________________Introdução
Adaptações ao parasitismo
A adaptação é a marca do parasitismo. Mostra a evolução
do parasito para melhorar seu relacionamento com o
hospedeiro. E esta evolução tornou o parasito (invasor)
mais dependente de seu hospedeiro.
__________________________Introdução
As adaptações principais são:
Morfológicas
• Degenerativas – perdas ou atrofias de órgãos
locomotores, aparelhos digestivo, etc...
• Hipertrofia – encontradas prioritariamente nos órgãos
de fixação, resistência ou proteção e reprodução
__________________________Introdução
Biológicas
• Capacidade reprodutiva – produção de grandes
quantidades de ovos, cistos, ou outras formas
infectantes.
• Tipos de reprodução - reprodução mais fácil ou mais
segura: hermafroditismo, partenogênese, esquizogonia,
etc...
• Tropismos – para facilitar a propagação, reprodução ou
sobrevivência.
__________________________Introdução
Relação parasito-hospedeiro
Existem diversos tipos de interação entre os parasitos e seus
hospedeiros. Mas com frequência, provocam uma resposta
do sistema imunológico com diferentes resultados:
• destruição do próprio parasito e cura da infecção;
• limitação da população parasitária, levando ao equilíbrio
da relação;
• hipersensibilidade ou inflamação, podem levar a necrose
do tecido em torno.
__________________________Introdução
AÇÃO DOS PARASITOS SOBRE OS HOSPEDEIROS
Nem sempre a presença de um parasito em um hospedeiro
indica que está havendo ação patogênica do mesmo.
Geralmente ocorrem poucos distúrbios, pois há uma
tendência de equilíbrio entre a ação do parasito e a
capacidade de resistência do hospedeiro. Dessa forma, vê-se
que a ação patogênica dos parasitos é muito variável.
__________________________Introdução
A AÇÃO PATOGÊNICA DOS PARASITOS É MUITO VARIÁVEL,
PODENDO SER:
• Ação espoliativa
• Ação tóxica
• Ação mecânica
• Ação traumática
• Ação irriativa
• Anóxia
__________________________Introdução
AÇÃO ESPOLIATIVA
Quando o parasito absorve nutrientes ou mesmo sangue do
hospedeiro, podem deixar pontos hemorrágicos na mucosa
quando abandonam o local de sucção.
AÇÃO TÓXICA
Acontece quando algumas espécies produzem enzimas ou
metabólicos que podem lesar o hospedeiro.
__________________________Introdução
AÇÃO MECÂNICA
Algumas espécies podem impedir o fluxo de alimento, bile ou
absorção alimentar.
AÇÃO TRAUMÁTICA
É provocada, geralmente, pela migração de formas larvais de
helmintos, embora vermes adultos e protozoários também
possam fazê-lo.
__________________________Introdução
AÇÃO IRRITATIVA
Alguns parasitos têm a propriedade de sensibilizar o
organismo humano, causando fenômenos alérgicos.
ANÓXIA
Qualquer parasito que consuma o oxigênio da hemoglobina, ou
produza anemia, é capaz de provocar uma anóxia.
__________________________Introdução
RELAÇÕES ENTRE SERES VIVOS
Podemos classificar as relações entre seres vivos
inicialmente em dois grupos:
• intraespecíficas
• interespecíficas
 harmônicas ou positivas e
 desarmônicas ou negativas
__________________________Introdução
RELAÇÕES HARMÔNICAS
Ocorrem entre organismos de espécies diferentes.
 mutualismo,
 comensalismo e
 simbiose.
__________________________Introdução
RELAÇÕES DESARMÔNICAS
Entre espécies diferentes, em uma mesma comunidade,
apresentam nichos ecológicos iguais ou muito semelhantes.
 Competição,
 Canibalismo,
 Parasitismo e
 Predatismo.
__________________________Introdução
Nesta aula, você:
 Aprendeu que a Parasitologia é ciência que estuda os
parasitos, seus hospedeiros e as relações entre eles;
 Tomou conhecimento das relações entre os parasitos e
seus hospedeiros.
__________________________Introdução

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
JordniaMatias2
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
rnogueira
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Helmintíases
HelmintíasesHelmintíases
Helmintíases
letyap
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
Gildo Crispim
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Jaqueline Almeida
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
Laís Hildebrand
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
Simone Miranda
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
Ricardo Portela
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
Adrianne Mendonça
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
Jaqueline Almeida
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Gilberto de Jesus
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Conceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema ImuneConceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema Imune
Lys Duarte
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Brunno Lemes de Melo
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2

Mais procurados (20)

AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptxAULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
AULA 4 - PARASITOLOGIA (HELMINTOS E PROTOZOÁRIOS).pptx
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Helmintíases
HelmintíasesHelmintíases
Helmintíases
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação ViralAula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
Aula de Microbiologia Clínica sobre Estrutura, Replicação e Classificação Viral
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 
Doenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por BactériasDoenças Causadas Por Bactérias
Doenças Causadas Por Bactérias
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em ImunologiaICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
ICSA17 - Introdução e Conceitos Básicos em Imunologia
 
Doenças causadas por bacterias
Doenças  causadas por bacteriasDoenças  causadas por bacterias
Doenças causadas por bacterias
 
Aula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia BásicaAula de Parasitologia Básica
Aula de Parasitologia Básica
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Conceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema ImuneConceitos de Sistema Imune
Conceitos de Sistema Imune
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2
Aula 2
 

Destaque

Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
ITPAC PORTO
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
crishmuler
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
Juliana Lima
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Jaqueline Almeida
 
Entamoeba histolytica
Entamoeba histolyticaEntamoeba histolytica
Entamoeba histolytica
Saamsclub
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
ingridavilez
 

Destaque (7)

Aula 2 Amebiase
Aula 2   AmebiaseAula 2   Amebiase
Aula 2 Amebiase
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Amebiase
AmebiaseAmebiase
Amebiase
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Entamoeba histolytica
Entamoeba histolyticaEntamoeba histolytica
Entamoeba histolytica
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
 

Semelhante a Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016

Parasitologia I.pptx
Parasitologia I.pptxParasitologia I.pptx
Parasitologia I.pptx
lvaroCosta22
 
aula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptx
aula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptxaula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptx
aula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptx
Tatiane Fernandes
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
ArmstrongMelo
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
Patrícia Oliver
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Fic papo
Fic papoFic papo
Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011
Vanderson Mafra
 
Parasito
ParasitoParasito
Parasito
Jairina Chaves
 
Apostila paratologia
Apostila paratologiaApostila paratologia
Apostila paratologia
Karla Oliveira Ortiz
 
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
Paola554738
 
microbiologia II
microbiologia IImicrobiologia II
microbiologia II
Keyla Sousa
 
Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)
Thúlio Bezerra
 
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreeeaula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
filomenaireny
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
Faculdade Guaraí - FAG
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Marcelo Leal Souza
 
introdução patogenia da infecção.pptx
introdução patogenia da infecção.pptxintrodução patogenia da infecção.pptx
introdução patogenia da infecção.pptx
TalinaCarladaSilva1
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Luann Andrade
 
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfAula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
yannesantos5
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
Mariana Remiro
 

Semelhante a Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016 (20)

Parasitologia I.pptx
Parasitologia I.pptxParasitologia I.pptx
Parasitologia I.pptx
 
aula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptx
aula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptxaula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptx
aula18-1608272kklllllllllllllllljjjj30346.pptx
 
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptxIdentificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
Identificar a importância do perfil epidemiológico.pptx
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
Fic papo
Fic papoFic papo
Fic papo
 
Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011Apostila de parasitologia, 2011
Apostila de parasitologia, 2011
 
Parasito
ParasitoParasito
Parasito
 
Apostila paratologia
Apostila paratologiaApostila paratologia
Apostila paratologia
 
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
 
microbiologia II
microbiologia IImicrobiologia II
microbiologia II
 
Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)Epidemiol.. (1)
Epidemiol.. (1)
 
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreeeaula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
 
Controle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismosControle biológico pela ação de microrganismos
Controle biológico pela ação de microrganismos
 
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
Www.anvisa.gov.br servicosaude manuais_microbiologia_mod_7_2004
 
introdução patogenia da infecção.pptx
introdução patogenia da infecção.pptxintrodução patogenia da infecção.pptx
introdução patogenia da infecção.pptx
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
 
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfAula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
 

Mais de Jaqueline Almeida

Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de ÓrgãosAula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Jaqueline Almeida
 
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento BacterianoBacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Jaqueline Almeida
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Jaqueline Almeida
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Jaqueline Almeida
 
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma LattesAula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Jaqueline Almeida
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Jaqueline Almeida
 
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Jaqueline Almeida
 

Mais de Jaqueline Almeida (20)

Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos VírusAula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
Aula de Microbiologia Clínica sobre Características Gerais dos Vírus
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNAAula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
Aula de Microbiologia Clínica sobre Patogenia das Viroses e RNA
 
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia MicrobiologiaAula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
Aula de Microbiologia Clínica Sobre Micologia Microbiologia
 
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de ÓrgãosAula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
Aula de Bioética sobre Transplante de Órgãos
 
Aula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre EutanásiaAula de Bioética sobre Eutanásia
Aula de Bioética sobre Eutanásia
 
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento BacterianoBacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
Bacteriologia Clínica E morfologia, Constituintes e o Crescimento Bacteriano
 
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
Aula de Bromatologia sobre Rotulagem de Alimentos - Legislação Brasileira (1)
 
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos TotaisAula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
Aula de Bromatologia sobre Umidade e Sólidos Totais
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios Aula de Bromatologia sobre Lipídios
Aula de Bromatologia sobre Lipídios
 
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato EtéreoAula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
Aula de Bromatologia sobre Lipídios ou Extrato Etéreo
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre UmidadeRoteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
Roteiro de Aula Prática de Bromatologia sobre Umidade
 
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteicoAula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
Aula de Bromatologia sobre nitrogênio e conteúdo proteico
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos AlimentosAula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Ciência dos Alimentos
 
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
Aula de Bromatologia e Tecnologia de Alimentos sobre Bromatologia
 
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma LattesAula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
Aula de Bioética e Exercício Profissional Sobre Plataforma Lattes
 
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia ComputadorizadaAula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
Aula de Imagenologia sobre Tomografia Computadorizada
 
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
Aula de Imagenologia sobre Bobinas e campo Magnético.
 

Aula de Parasitologia do dia: 18.08.2016

  • 1. PARASITOLOGIA BÁSICA M.Sc. Paulo Roberto __________________________Introdução
  • 2. Conteúdo Programático desta aula  Principais características das diferentes relações biológicas entre seres vivos;  Relações entre as parasitoses e as questões de saneamento básico;  Conceitos de epidemiologia de uma infecção parasitária. __________________________Introdução
  • 3. Importância do Estudo de Parasitologia O estudo da parasitologia é fundamental, pois, as doenças parasitárias são frequentes na população mundial. A parasitologia humana recebeu uma importância renovada uma vez que, com a globalização o mundo se tornou menor devido à rápida movimentação de pessoas e imigrantes de áreas endêmicas. __________________________Introdução
  • 4. Por uma variedade de razões, especialmente em pacientes com AIDS, fez com que parasitos anteriormente sem importância clínica em humanos passassem a ser observados. Importância do Estudo de Parasitologia __________________________Introdução
  • 5. O grau de intensidade da doença parasitária depende de vários fatores, entre eles, podemos destacar: • o número de formas infectantes presentes; • a virulência da cepa; • a idade e o estado nutricional do hospedeiro; • os órgãos atingidos; • a associação de um parasita com outra espécie e o grau da reposta imune ou inflamatória desencadeada. Importância do Estudo de Parasitologia __________________________Introdução
  • 6. Apesar do grande avanço tecnológico, do alto padrão educacional, da boa nutrição e de boas condições sanitárias, até mesmo os países desenvolvidos estão sujeitos a doenças parasitárias. Desta forma, o estudo da PARASITOLOGIA HUMANA é de suma importância. Importância do Estudo de Parasitologia __________________________Introdução
  • 7. Introdução à Parasitologia A parasitologia é uma ciência que estuda os organismos que vivem no interior ou exterior de outro hospedeiro, obtendo alimento às expensas de seu hospedeiro, consumindo-lhe os tecidos e humores ou o conteúdo intestinal. __________________________Introdução
  • 8. No entanto, o relacionamento do parasita com seu hospedeiro tem base nutricional, não podendo lesar drasticamente o hospedeiro, evitando alterações comprometedoras, o que o faria perder seu hospedeiro. Esta convivência nem sempre é nociva ao hospedeiro, pois o parasitismo ideal é aquele que não causa dano ao hospedeiro e, por conseguinte, não provoca doença. O Introdução à Parasitologia __________________________Introdução
  • 9. A parasitologia na prática abrange o estudo de protozoários, helmintos e artrópodes, onde a maiorias dos parasitos de importância médica e veterinária estão situados. O Introdução à Parasitologia __________________________Introdução
  • 10. Formas de transmissão dos parasitas O parasita é capaz de se reproduzir disseminando seus ovos, e estes, costumam infectar outros hospedeiros, dos quais eles retirarão seus meios de sobrevivência através do parasitismo. Eles podem ser transmitidos entre os seres humanos através do contato pessoal ou do uso de objetos pessoais. __________________________Introdução
  • 11. Podem também ser transmitidos através da água, alimentos, mãos sem a devida higienização, poeira, através do solo contaminado por larvas, por hospedeiros intermediários (moluscos) e por muitos outros meios. Formas de transmissão dos parasitas __________________________Introdução
  • 12. Classificação dos parasitos segundo alguns critérios: • Quanto ao número de hospedeiros: • monoxenos/monogenéticos e heteroxenos/digenéticos • Quanto à localização nos hospedeiros: • ectoparasitas ou endoparasitas • Quanto ao número de células: • unicelulares ou pluricelulares __________________________Introdução
  • 13. Monoxenos ou monogenéticos: são os parasitas que realizam o seu ciclo evolutivo em um único hospedeiro. Exemplos: o Ascaris lumbricoides (lombriga) e o Enterobius vermicularis (oxiúrio). Quanto ao número de hospedeiros: Ascaris lumbricoides __________________________Introdução
  • 14. Heteroxenos ou digenéticos: são os parasitas que só completam o seu ciclo evolutivo passando pelo menos em dois hospedeiros. Exemplos: Schistossoma sp (esquistossomo) e o Trypanosoma cruzi (tripanossoma). Quanto ao número de hospedeiros: Schistossoma sp (esquistossomo) __________________________Introdução
  • 15. Quanto à localização nos hospedeiros: Ectoparasitas: são os que se localizam nas partes externas dos hospedeiros. Exemplos: a sanguessuga, o piolho, a pulga, etc. piolho pulga __________________________Introdução
  • 16. Endoparasitas: são os que se localizam nas partes internas dos hospedeiros. Exemplos: as tênias (solitárias), a lombriga, o esquistossomo, etc. Quanto à localização nos hospedeiros: esquistossomose __________________________Introdução
  • 17. Unicelulares: possuem uma única célula que apresenta o núcleo organizado, ou seja, está separado do citoplasma pela membrana nuclear. São, portanto, organismos eucariontes. Exemplos: protozoários Quanto ao número de células: __________________________Introdução
  • 18. Pluricelulares: são organismos formados por conjuntos de células semelhantes e interdependentes, Que desempenham uma ou mais funções. São, portanto, organismos eucariontes. Exemplos: helmintos __________________________Introdução
  • 20. PARASITISMO: É a interação entre indivíduos de espécies diferentes, em que se estabelecem relações intimas e duradouras com certo grau de dependência metabólica. Geralmente o hospedeiro proporciona ao parasito todos os nutrientes e as condições fisiológicas requeridas por este. __________________________Introdução
  • 21. Especificidade do hospedeiro: Dependendo das necessidades individuais de cada parasito, ele utilizará apenas determinada espécie de hospedeiro ou um grupo de diferentes espécies ou mais. Quando o parasito exige apenas uma espécie de hospedeiro para completar seu ciclo biológico, é dito monoxeno e, se a espécie for sempre à mesma, será considerado estenoxeno. __________________________Introdução
  • 22. Especificidade do hospedeiro Por outro lado, quando o parasito necessita de mais de uma espécie de hospedeiro para completar seu ciclo biológico, um deles será o hospedeiro definitivo e os demais são considerados hospedeiros intermediários. __________________________Introdução
  • 23. HOSPEDEIRO DEFINITIVO - é o que apresenta o parasito em fase de maturidade ou em fase de atividade sexual. Exemplo: do Plasmodium é o Anopheles; do S. mansoni é o ser humano S. mansoni: ciclo da vida __________________________Introdução
  • 24. HOSPEDEIRO INTERMEDIÁRIO - é o que apresenta o parasito em fase larvária ou em fase assexuada. Exemplo: do Trypanosoma cruzi é o triatomíneo, do S. mansoni é o caramujo. S. mansoni: ciclo da vida __________________________Introdução
  • 25. Adaptações ao parasitismo A adaptação é a marca do parasitismo. Mostra a evolução do parasito para melhorar seu relacionamento com o hospedeiro. E esta evolução tornou o parasito (invasor) mais dependente de seu hospedeiro. __________________________Introdução
  • 26. As adaptações principais são: Morfológicas • Degenerativas – perdas ou atrofias de órgãos locomotores, aparelhos digestivo, etc... • Hipertrofia – encontradas prioritariamente nos órgãos de fixação, resistência ou proteção e reprodução __________________________Introdução
  • 27. Biológicas • Capacidade reprodutiva – produção de grandes quantidades de ovos, cistos, ou outras formas infectantes. • Tipos de reprodução - reprodução mais fácil ou mais segura: hermafroditismo, partenogênese, esquizogonia, etc... • Tropismos – para facilitar a propagação, reprodução ou sobrevivência. __________________________Introdução
  • 28. Relação parasito-hospedeiro Existem diversos tipos de interação entre os parasitos e seus hospedeiros. Mas com frequência, provocam uma resposta do sistema imunológico com diferentes resultados: • destruição do próprio parasito e cura da infecção; • limitação da população parasitária, levando ao equilíbrio da relação; • hipersensibilidade ou inflamação, podem levar a necrose do tecido em torno. __________________________Introdução
  • 29. AÇÃO DOS PARASITOS SOBRE OS HOSPEDEIROS Nem sempre a presença de um parasito em um hospedeiro indica que está havendo ação patogênica do mesmo. Geralmente ocorrem poucos distúrbios, pois há uma tendência de equilíbrio entre a ação do parasito e a capacidade de resistência do hospedeiro. Dessa forma, vê-se que a ação patogênica dos parasitos é muito variável. __________________________Introdução
  • 30. A AÇÃO PATOGÊNICA DOS PARASITOS É MUITO VARIÁVEL, PODENDO SER: • Ação espoliativa • Ação tóxica • Ação mecânica • Ação traumática • Ação irriativa • Anóxia __________________________Introdução
  • 31. AÇÃO ESPOLIATIVA Quando o parasito absorve nutrientes ou mesmo sangue do hospedeiro, podem deixar pontos hemorrágicos na mucosa quando abandonam o local de sucção. AÇÃO TÓXICA Acontece quando algumas espécies produzem enzimas ou metabólicos que podem lesar o hospedeiro. __________________________Introdução
  • 32. AÇÃO MECÂNICA Algumas espécies podem impedir o fluxo de alimento, bile ou absorção alimentar. AÇÃO TRAUMÁTICA É provocada, geralmente, pela migração de formas larvais de helmintos, embora vermes adultos e protozoários também possam fazê-lo. __________________________Introdução
  • 33. AÇÃO IRRITATIVA Alguns parasitos têm a propriedade de sensibilizar o organismo humano, causando fenômenos alérgicos. ANÓXIA Qualquer parasito que consuma o oxigênio da hemoglobina, ou produza anemia, é capaz de provocar uma anóxia. __________________________Introdução
  • 34. RELAÇÕES ENTRE SERES VIVOS Podemos classificar as relações entre seres vivos inicialmente em dois grupos: • intraespecíficas • interespecíficas  harmônicas ou positivas e  desarmônicas ou negativas __________________________Introdução
  • 35. RELAÇÕES HARMÔNICAS Ocorrem entre organismos de espécies diferentes.  mutualismo,  comensalismo e  simbiose. __________________________Introdução
  • 36. RELAÇÕES DESARMÔNICAS Entre espécies diferentes, em uma mesma comunidade, apresentam nichos ecológicos iguais ou muito semelhantes.  Competição,  Canibalismo,  Parasitismo e  Predatismo. __________________________Introdução
  • 37. Nesta aula, você:  Aprendeu que a Parasitologia é ciência que estuda os parasitos, seus hospedeiros e as relações entre eles;  Tomou conhecimento das relações entre os parasitos e seus hospedeiros. __________________________Introdução