SlideShare uma empresa Scribd logo
Estudo das Religiões
1. Finalidade e Relevância do Estudo
2. Conceito e Origem das Religiões
3. Classificação das Religiões
4. Avaliando o Fenômeno Religioso
1. Finalidade e Relevância do Estudo
 A matéria Estudo das Religiões se propõe a uma
análise do fenômeno religioso em seu caráter geral e
em suas manifestações particulares, na tentativa de
compreendê-las.
 A religião esteve sempre presente na vida
humana, afetando-a em seus mais diversos
relacionamentos, por isso pode ser estudada sob
diferentes aspectos ou enfoques
(histórico, teológico, comparativo, etc.).
 A importância deste estudo está em permitir um
conhecimento mais apropriado das características de
cada religião (evitando generalizações) e de como
influenciaram os povos na formação de diferentes
visões do mundo material e espiritual.
2. Conceito e Origem das Religiões
 Etimologicamente, religião (lat. religio) pode significar
“fidelidade ao dever”, “o ato de retomar um
compromisso”, “religar-se a uma obrigação”.
 Em termos gerais, pode-se definir como uma relação
estabelecida entre o homem e uma realidade
superior, transcendente, suprema (Deus?) através de
uma obrigação.
“Conjunto de relações teóricas e práticas
estabelecidas entre os homens e uma potência
superior, à qual se rende culto, individual ou
coletivo, por seu caráter divino e sagrado.”
(Enciclopédia Britânica)
 Universalidade da Religião
 O sentimento religioso é um fenômeno
universal, sendo encontrado em todas as sociedades
humanas de que há registro na história.
 Trata-se de um elemento inerente à consciência
humana, que “desperta” e se desenvolve ora pelo
convívio com a comunidade, ora por uma experiência
pessoal com o sagrado.
 Os Fatos Religiosos
 Embora seja um fenômeno universal, a experiência
religiosa manifesta-se de formas variadas e
específicas, devendo ser estudada em seus próprios
termos.
 Contudo, podemos identificar certos elementos
essenciais comuns a toda religião, chamados de fatos
religiosos, os quais resumem a experiência religiosa:
Ser Supremo
A noção de uma realidade
superior, absoluta, transcendente, sagrada,
divina
Conhecimento O corpo intelectual ou filosófico, constituído
de mitos e símbolos
Rito Cerimônias, devoções e código de ética,
que proporcionam ao fiel, na vida em
comunidade ou individual, a experiência ou
o contato com o sagrado
 Origem das Religiões
 Desde o século XIX, teorias evolucionistas afirmavam
que, por meio de um processo longo e gradativo, o
homem teria adquirido sua consciência religiosa, a
princípio com idéias simples que evoluíram para
sistemas religiosos mais complexos.
Animismo Mitologia astral Culto ancestral
Politeísmo
Monoteísmo
Animismo: atribui uma realidade espiritual à natureza (animais, plantas, etc.)
Mitologia astral: atribui divindade aos astros (sol, lua, estrelas)
Culto ancestral: presta homenagem e culto aos antepassados
Politeísmo: crê na existência individual de vários deuses
Monoteísmo: crê na existência de um único Deus
 Em oposição às teorias evolucionistas sobre a origem
das religiões, formulou-se a teoria do monoteísmo
primitivo.
Entre povos de cultura “primitiva”, existem traços da
crença num ser supremo com atributos exclusivos de
Criador, Pai, Juiz, Legislador e Soberano, que ouve
orações e não pode ser representado visivelmente.
Essa crença convive lado a lado com formas religiosas
supostamente mais antigas (animismo, etc.).
Os dados fornecidos pela antropologia, arqueologia e
outras ciências que estudam as culturas primitivas se
explicam melhor sob esta visão.
Monoteísmo
Monoteísmo
Animismo Politeísmo
 Essa teoria se conforma com o testemunho bíblico, de
que o homem recebeu um conhecimento original
sobre o Deus único e verdadeiro, que após a queda se
degenerou no animismo, politeísmo, etc.
“... vos anunciamos que vos convertais dessas
vaidades ao Deus vivo ... O qual nos tempos
passados deixou andar todas as gentes em seus
próprios caminhos. E contudo, não se deixou a si
mesmo sem testemunho ...” (Atos 14.15-17)
“... tendo conhecido a Deus, não o glorificaram
como Deus ... antes em seus discursos se
desvaneceram ... e mudaram a glória do Deus
incorruptível em semelhança de homem corruptível
... Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e
honraram e serviram mais a criatura do que o
Criador” (Rm 1.21-25)
3. Classificação das Religiões
 As religiões podem ser classificadas de acordo com a
possibilidade de se comparar suas diferenças de
interpretação em torno de um tema comum.
 Para o nosso estudo, seguiremos uma classificação
histórica (cronológica) e cultural, de acordo com a sua
permanência e influência sobre a história humana (a
civilização):
Primitivas
Antigas
Vivas/Mundiais
 Religiões Primitivas:
tradicionais de povos nativos da África, América,
Ásia, ilhas da Oceania (algumas já extintas)
restritas a tribos, famílias ou clãs
pré-letradas (dependem da tradição oral)
animistas (totemismo, xamanismo, magia, etc.)
 Religiões Antigas:
cresceram e se extinguiram com os povos em que
surgiram: babilônios, egípcios, gregos, romanos,
fenícios, cananeus, persas, árabes, etc.
assimilavam elementos de outras religiões e culturas
(sincretismo), mas não faziam adeptos (proselitismo)
exaltavam a nação e a prosperidade de seu povo
conhecimento ritual e mitológico
cultuavam vários deuses (politeísmo)
Estudo das Religiões
Estudo das Religiões
 Religiões Vivas ou Mundiais:
no contexto da história mundial, contribuíram para o
desenvolvimento moral e intelectual da civilização
agrupam-se de acordo com uma continuidade histórica
e identidade existente entre si:
Indianas
Orientais
Abraâmicas
Judaísmo Cristianismo Islamismo
Iraniana
Surgidas no Oriente Próximo, monoteístas
Hinduísmo Budismo Jainismo
Têm em comum os conceitos de darma e karma
Sikhismo
Confucionismo Taoísmo Xintoísmo
Nativas do Leste Asiático, fazem uso do conceito de Tao
Zoroastrismo
Incluem elementos das religiões abraâmicas e indianas
Bahaísmo
Estudo das Religiões
4. Avaliando o Fenômeno Religioso
 Ante a necessidade de atender ao propósito para o qual
foi criado (Gn 1.26; At 17.26), a busca religiosa do
homem é legítima.
 A diversidade (e até mesmo a incompatibilidade) das
religiões se explica pelas circunstâncias
históricas, geográficas e culturais específicas, além das
limitações humanas naturais em que ocorre a
experiência religiosa.
 Pode-se dizer, então, que todas as religiões apresentam
elementos de verdade, remanescentes de uma revelação
original que, devido à condição decaída do homem, foi
aos poucos distorcida (Rm 1.21-25).
 Portanto, faz-se necessária uma revelação, por ato
soberano de Deus, pelo qual Ele se revele e instrua o
homem quanto ao modo correto de relacionar-se
conSigo (Gn 4.4-7; Hb 11.4).
 O Evangelho constitui a revelação de Deus suficiente e
definitiva para atender às demandas religiosas de todo
ser humano (Rm 1.16).
 Contudo, o conhecimento imparcial das religiões
possibilita a abordagem adequada e o levantamento dos
problemas que permitirá uma apresentação convincente
e compreensível da revelação de Deus em Cristo Jesus
(At 17.22-23):
“Varões atenienses, em tudo
vos vejo um tanto
supersticiosos; porque,
passando eu e vendo os
vossos santuários, achei
também um altar em que
estava escrito: AO DEUS
DESCONHECIDO. Esse pois
que vós honrais, não o
conhecendo, é o que eu vos
anuncio.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História das-religiões
História das-religiõesHistória das-religiões
História das-religiões
Messyas Rhennyk Rhennyk
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
Andreia Oliveira
 
Diversidade Religiosa Brasileira
Diversidade Religiosa BrasileiraDiversidade Religiosa Brasileira
Diversidade Religiosa Brasileira
Lara Luisa
 
éTica cristã slides
éTica cristã   slideséTica cristã   slides
éTica cristã slides
Jose Ventura
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Magayver Silva Galvão
 
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerCapítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Athirson Downloadz
 
Entendendo ecumenismo
Entendendo ecumenismoEntendendo ecumenismo
Entendendo ecumenismo
Jose Moraes
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismo
fespiritacrista
 
O Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religiãoO Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religião
Silas Bruno Mps
 
Liberdade religiosa - Filosofia
Liberdade religiosa  - FilosofiaLiberdade religiosa  - Filosofia
Liberdade religiosa - Filosofia
Amanda Silveira
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
Zaara Miranda
 
RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.
Virna Salgado Barra
 
Capelania crista
Capelania cristaCapelania crista
Capelania crista
VENDAS DIRETAS
 
Intolerância religiosa
Intolerância religiosaIntolerância religiosa
Intolerância religiosa
João Mendonça
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Keiler Vasconcelos
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Leandro Nazareth Souto
 
ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICA
ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICAANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICA
ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICA
José Monteiro Filho
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Prof. Noe Assunção
 
Espiritualidade e mistagogia
Espiritualidade e mistagogiaEspiritualidade e mistagogia
Espiritualidade e mistagogia
Afonso Murad (FAJE)
 
Relação entre fé e razão
Relação entre fé e razãoRelação entre fé e razão
Relação entre fé e razão
umvelhodaesquina
 

Mais procurados (20)

História das-religiões
História das-religiõesHistória das-religiões
História das-religiões
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
 
Diversidade Religiosa Brasileira
Diversidade Religiosa BrasileiraDiversidade Religiosa Brasileira
Diversidade Religiosa Brasileira
 
éTica cristã slides
éTica cristã   slideséTica cristã   slides
éTica cristã slides
 
Estudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeováEstudo sobre as testemunhas de jeová
Estudo sobre as testemunhas de jeová
 
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrerCapítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
Capítulo 8 Filosofando - Aprender a morrer
 
Entendendo ecumenismo
Entendendo ecumenismoEntendendo ecumenismo
Entendendo ecumenismo
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismo
 
O Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religiãoO Problema Religioso e a Origem da religião
O Problema Religioso e a Origem da religião
 
Liberdade religiosa - Filosofia
Liberdade religiosa  - FilosofiaLiberdade religiosa  - Filosofia
Liberdade religiosa - Filosofia
 
Religiões
ReligiõesReligiões
Religiões
 
RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.
 
Capelania crista
Capelania cristaCapelania crista
Capelania crista
 
Intolerância religiosa
Intolerância religiosaIntolerância religiosa
Intolerância religiosa
 
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2Filosofia das religiões aulas 1 e 2
Filosofia das religiões aulas 1 e 2
 
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religiãoFé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
Fé e razão, uma conversa entre a ciência e a religião
 
ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICA
ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICAANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICA
ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA E FILOSÓFICA
 
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...Aula 1   iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
Aula 1 iniciação a antropologia filosofica - o que é o ser humano - Prof. N...
 
Espiritualidade e mistagogia
Espiritualidade e mistagogiaEspiritualidade e mistagogia
Espiritualidade e mistagogia
 
Relação entre fé e razão
Relação entre fé e razãoRelação entre fé e razão
Relação entre fé e razão
 

Semelhante a Estudo das Religiões

O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
Virna Salgado Barra
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
PIBJA
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Werkson Azeredo
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
Over Lane
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidade
Over Lane
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidade  Religioes da humanidade
Religioes da humanidade
Paulo Henrique
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
ENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSOENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSO
Éder Oliveira
 
Apostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiososApostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiosos
Ederaldo Rodrigues
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
Antonio Filho
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
andrealvessobral
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
Jarley Fernandes
 
Religião e a ciência universal
Religião e a ciência universalReligião e a ciência universal
Religião e a ciência universal
Jesh Wah-DE
 
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptxensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
FrancimaraCerqueira
 
Lição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferente
Lição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferenteLição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferente
Lição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferente
boasnovassena
 
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Claudio Macedo
 
Vida cristã 2
Vida cristã 2Vida cristã 2
Vida cristã 2
Sebastião Luiz Chagas
 
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntMicrosoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Herick Braga
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
roberto mosca junior
 

Semelhante a Estudo das Religiões (20)

O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
 
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
Religiões, Seitas e Heresias - Aula 1
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
 
Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.Religiões da humanidade.
Religiões da humanidade.
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidadeReligioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
Religioes da humanidade
Religioes da humanidade  Religioes da humanidade
Religioes da humanidade
 
Conhecimento Religioso
Conhecimento ReligiosoConhecimento Religioso
Conhecimento Religioso
 
ENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSOENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSO
 
Apostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiososApostila de movimento religiosos
Apostila de movimento religiosos
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da ReligiãoSlides da Disciplina de Filosofia da Religião
Slides da Disciplina de Filosofia da Religião
 
Introdução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religiosoIntrodução ao pensamento religioso
Introdução ao pensamento religioso
 
Religião e a ciência universal
Religião e a ciência universalReligião e a ciência universal
Religião e a ciência universal
 
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptxensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
ensinoreligioso-141117180802-conversion-gate01.pptx
 
Lição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferente
Lição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferenteLição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferente
Lição 08- O relacionamento com pessoas de uma fé diferente
 
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser Lei de  Adoração evolução espiritual do  ser
Lei de Adoração evolução espiritual do ser
 
Vida cristã 2
Vida cristã 2Vida cristã 2
Vida cristã 2
 
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abntMicrosoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
Microsoft word -_artigo_preconceito_religioso...._priscila_feldens_-_abnt
 
Instituição religiosa
Instituição religiosaInstituição religiosa
Instituição religiosa
 

Último

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

Estudo das Religiões

  • 1. Estudo das Religiões 1. Finalidade e Relevância do Estudo 2. Conceito e Origem das Religiões 3. Classificação das Religiões 4. Avaliando o Fenômeno Religioso
  • 2. 1. Finalidade e Relevância do Estudo  A matéria Estudo das Religiões se propõe a uma análise do fenômeno religioso em seu caráter geral e em suas manifestações particulares, na tentativa de compreendê-las.  A religião esteve sempre presente na vida humana, afetando-a em seus mais diversos relacionamentos, por isso pode ser estudada sob diferentes aspectos ou enfoques (histórico, teológico, comparativo, etc.).  A importância deste estudo está em permitir um conhecimento mais apropriado das características de cada religião (evitando generalizações) e de como influenciaram os povos na formação de diferentes visões do mundo material e espiritual.
  • 3. 2. Conceito e Origem das Religiões  Etimologicamente, religião (lat. religio) pode significar “fidelidade ao dever”, “o ato de retomar um compromisso”, “religar-se a uma obrigação”.  Em termos gerais, pode-se definir como uma relação estabelecida entre o homem e uma realidade superior, transcendente, suprema (Deus?) através de uma obrigação. “Conjunto de relações teóricas e práticas estabelecidas entre os homens e uma potência superior, à qual se rende culto, individual ou coletivo, por seu caráter divino e sagrado.” (Enciclopédia Britânica)
  • 4.  Universalidade da Religião  O sentimento religioso é um fenômeno universal, sendo encontrado em todas as sociedades humanas de que há registro na história.  Trata-se de um elemento inerente à consciência humana, que “desperta” e se desenvolve ora pelo convívio com a comunidade, ora por uma experiência pessoal com o sagrado.
  • 5.  Os Fatos Religiosos  Embora seja um fenômeno universal, a experiência religiosa manifesta-se de formas variadas e específicas, devendo ser estudada em seus próprios termos.  Contudo, podemos identificar certos elementos essenciais comuns a toda religião, chamados de fatos religiosos, os quais resumem a experiência religiosa: Ser Supremo A noção de uma realidade superior, absoluta, transcendente, sagrada, divina Conhecimento O corpo intelectual ou filosófico, constituído de mitos e símbolos Rito Cerimônias, devoções e código de ética, que proporcionam ao fiel, na vida em comunidade ou individual, a experiência ou o contato com o sagrado
  • 6.  Origem das Religiões  Desde o século XIX, teorias evolucionistas afirmavam que, por meio de um processo longo e gradativo, o homem teria adquirido sua consciência religiosa, a princípio com idéias simples que evoluíram para sistemas religiosos mais complexos. Animismo Mitologia astral Culto ancestral Politeísmo Monoteísmo Animismo: atribui uma realidade espiritual à natureza (animais, plantas, etc.) Mitologia astral: atribui divindade aos astros (sol, lua, estrelas) Culto ancestral: presta homenagem e culto aos antepassados Politeísmo: crê na existência individual de vários deuses Monoteísmo: crê na existência de um único Deus
  • 7.  Em oposição às teorias evolucionistas sobre a origem das religiões, formulou-se a teoria do monoteísmo primitivo. Entre povos de cultura “primitiva”, existem traços da crença num ser supremo com atributos exclusivos de Criador, Pai, Juiz, Legislador e Soberano, que ouve orações e não pode ser representado visivelmente. Essa crença convive lado a lado com formas religiosas supostamente mais antigas (animismo, etc.). Os dados fornecidos pela antropologia, arqueologia e outras ciências que estudam as culturas primitivas se explicam melhor sob esta visão. Monoteísmo Monoteísmo Animismo Politeísmo
  • 8.  Essa teoria se conforma com o testemunho bíblico, de que o homem recebeu um conhecimento original sobre o Deus único e verdadeiro, que após a queda se degenerou no animismo, politeísmo, etc. “... vos anunciamos que vos convertais dessas vaidades ao Deus vivo ... O qual nos tempos passados deixou andar todas as gentes em seus próprios caminhos. E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho ...” (Atos 14.15-17) “... tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus ... antes em seus discursos se desvaneceram ... e mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança de homem corruptível ... Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador” (Rm 1.21-25)
  • 9. 3. Classificação das Religiões  As religiões podem ser classificadas de acordo com a possibilidade de se comparar suas diferenças de interpretação em torno de um tema comum.  Para o nosso estudo, seguiremos uma classificação histórica (cronológica) e cultural, de acordo com a sua permanência e influência sobre a história humana (a civilização): Primitivas Antigas Vivas/Mundiais
  • 10.  Religiões Primitivas: tradicionais de povos nativos da África, América, Ásia, ilhas da Oceania (algumas já extintas) restritas a tribos, famílias ou clãs pré-letradas (dependem da tradição oral) animistas (totemismo, xamanismo, magia, etc.)
  • 11.  Religiões Antigas: cresceram e se extinguiram com os povos em que surgiram: babilônios, egípcios, gregos, romanos, fenícios, cananeus, persas, árabes, etc. assimilavam elementos de outras religiões e culturas (sincretismo), mas não faziam adeptos (proselitismo) exaltavam a nação e a prosperidade de seu povo conhecimento ritual e mitológico cultuavam vários deuses (politeísmo)
  • 14.  Religiões Vivas ou Mundiais: no contexto da história mundial, contribuíram para o desenvolvimento moral e intelectual da civilização agrupam-se de acordo com uma continuidade histórica e identidade existente entre si: Indianas Orientais Abraâmicas Judaísmo Cristianismo Islamismo Iraniana Surgidas no Oriente Próximo, monoteístas Hinduísmo Budismo Jainismo Têm em comum os conceitos de darma e karma Sikhismo Confucionismo Taoísmo Xintoísmo Nativas do Leste Asiático, fazem uso do conceito de Tao Zoroastrismo Incluem elementos das religiões abraâmicas e indianas Bahaísmo
  • 16. 4. Avaliando o Fenômeno Religioso  Ante a necessidade de atender ao propósito para o qual foi criado (Gn 1.26; At 17.26), a busca religiosa do homem é legítima.  A diversidade (e até mesmo a incompatibilidade) das religiões se explica pelas circunstâncias históricas, geográficas e culturais específicas, além das limitações humanas naturais em que ocorre a experiência religiosa.  Pode-se dizer, então, que todas as religiões apresentam elementos de verdade, remanescentes de uma revelação original que, devido à condição decaída do homem, foi aos poucos distorcida (Rm 1.21-25).  Portanto, faz-se necessária uma revelação, por ato soberano de Deus, pelo qual Ele se revele e instrua o homem quanto ao modo correto de relacionar-se conSigo (Gn 4.4-7; Hb 11.4).
  • 17.  O Evangelho constitui a revelação de Deus suficiente e definitiva para atender às demandas religiosas de todo ser humano (Rm 1.16).  Contudo, o conhecimento imparcial das religiões possibilita a abordagem adequada e o levantamento dos problemas que permitirá uma apresentação convincente e compreensível da revelação de Deus em Cristo Jesus (At 17.22-23): “Varões atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos; porque, passando eu e vendo os vossos santuários, achei também um altar em que estava escrito: AO DEUS DESCONHECIDO. Esse pois que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.”