SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
CONHECIMENTO
RELIGIOSO
Arlindo Rocha – Doutorando em Ciência da Religião
arlindonascimentorocha@gmail.com
Introdução ao Pensamento Teológico
TEMA:
Objetivos:
 Identificar várias formas de conhecimento;
 Identificar as particularidades do
conhecimento religioso;
 Refletir sobre o alcance epistemológico do
pensamento religioso;
 Relacionar o conhecimento religioso com
outras formas de conhecimento;
Metas:
No final da aula o aluno deve:
 Identificar, distinguir, definir e relacionar o
conceito de conhecimento religioso com
outras formas de conhecimento, estabelecendo
assim, o alcance epistemológico de cada um...
O que é o conhecimento?
 O conhecimento é um processo
dinâmico e inacabado, que se
constrói a partir das relações sociais
do homem ao longo do tempo.
 Ela ocorre entre todos os povos,
independentemente da raça, da
crença, do status social, religião, etc.
Tipos de conhecimento
Todos os conhecimentos são produzidos pelo homem, ao longo
do tempo histórico.
CONHECIMENTO RELIGIOSO
Aquilo que assimilamos por tradição. Ideias que nos ajudam a
interpretar a vida e a julgar as situações do dia-a-dia.
Fundamentado em experiências vividas ou transmitidas.
A filosofia é um modo de pensar que acompanha o ser humano na
tarefa de compreender o mundo e agir sobre ele. Mais que
postura teórica, é uma atitude diante da vida (ARANHA;
MARTINS, 2003, p. 81)
Diferença entre dos diferentes tipos de conhecimento
Começa e termina no conhecimento religioso, pois, a fé é
institucionalizada como tradição em uma comunidade. A razão
orienta-se pela fé e ela retorna, buscando justificar a fé como
um modo de ver a realidade e de viver (PASSOS, 2010, p. 88).
Saber racional e objetivo que depende da investigação
metódica, pois, requer exatidão e clareza na busca e
aplicação de leis e discussões relevantes e verificáveis.
É um conhecimento valorativo cujo fundamento
se encontra no emocional, ou seja, em atos
constitutivos da pessoa humana como amor
(ZILLES, 1989, p. 69).
Faz parte da vida humana e mostra-se como um
dado desde que nossa consciência emergiu como
distintivo da espécie homo na longa escala de
hominização (PASSOS, 2010, p. 70).
É um conhecimento produzido pela humanidade
é um patrimônio desta. “ deve estar disponível
a todos os que a ele queiram ter acesso
(FONAPER, 1997, p. 21).
Conhecimento religioso
 O homem em sua caminhada revela um desejo de conhecimento geral
das religiões, ou seja, as diferentes religiões, sua história e seu papel
nas sociedades atuais […] (LAMBERT, 2011).
Por que a religião?
Porque as pessoas tem necessidade de crer?
Como podemos viver sem a religião?
Existe algo em comum entre as religiões?
Então…
 Afirmar a existência do conhecimento religioso significa não só partir
de sua legitimidade antropolígica, postura contrária às visões
negativas que o define como: COISA DO PASSADO; NEUROSE;
IDEOLOGIA […]
Segundo Comte a ciência deverá substituir todas as
religiões e o fenômeno só pode ser estudado
cientificamente se for publicamente comprovado,
passível de repetição, mensurável, e, além disso, o
experimento tem de ser publicado para contestação
(SOARES, 2008).
Auguste Comte
1798-1857
Auguste Comte foi um filósofo francês, considerado o fundador do
positivismo.
Karl Marx
1818-1883
Marx foi um filósofo e economista revolucionário alemão e um dos fundadores
do socialismo científico.
Para Marx, “a religião é o ópio do povo”. A abolição da religião
enquanto felicidade ilusória do povo é necessária para sua
felicidade real. A exigência de abandonar suas ilusões é
a exigência de que se abandone uma situação que necessita
de ilusões (LIBANEO, 1992, p. 139).
Para Freud, a religião constitui uma espécie de
neurose da infância da humanidade, ou seja, uma “neurose
obsessiva universal da humanidade”, e, tal como a neurose
obsessiva das crianças, surgiu do complexo de Édipo e do
relacionamento com o pai. Assim sendo, os ensinamentos
religiosos constituem verdadeiras “relíquias neuróticas”
Sigmund Freud
1856-1939
Sigmund Freud, foi um médico neurologista criador da psicanálise.
Conclui-se que:
 O POSITIVISMO (Auguste Comte) não vê sentido no discurso religioso,
pois, é passível de ser ultrapassado.
Estágio teológico [os fenômenos sociais e da natureza seriam explicados
enquanto resultados das ações divinas];
Estágio metafísico [a busca por explicações recorreria a uma reflexão sobre a
essência e o significado abstrato das coisas];
Estágio positivo [as explicações sobre o mundo natural e social seriam
fabricadas através da observação dos fenômenos, da elaboração de hipóteses e
da formulação de leis universais].
 O MARXISMO (Karl Marx), vê a religião como o ópio do povo, ou seja,
uma felicidade ilusória;
 A PSICANÁLISE (Freud), vê a religião como uma neurose obsessiva
coletiva que diviniza uma figura paterna forte em relação ao ‘complexo de
Édipo’.
Origens do conhecimento religioso
 A capacidade de conhecer a realidade sobrenatural e de reproduzi-la ao
grupo como verdade a ser vivenciada acompanha o desenvolvimento da
cultura humana ao longo da história.
 A narratica ‘sagrada’ se faz primeiramente como repetição oral, depois
como transmissão escrita. Em ambos os casos, o ato de transmitir as
explicações religiosas significa exercício de conhecimento em processo
de ensino-aprendizagem.
 Contudo, o conhecimento religioso pode ser entendido em dois
senido:
Sentido lato [ sentido mais abrangente e amplo…]
Sentido estrito [ sentido limitado, pessoal e individual…]
O primeiro (lato)coincide
com os sistemas míticos
que incluem o sujeito como
repetidor e cumplice das
tradições portadoras de
verdades primordiais
referentes ao mundo e ao
ser humano […] (PASSOS,
2010, p. 70)
Os mitos cosmogônicos
falam da origem do
universo...
Os mitos Teogônicos
que narram a origem dos
deuses...
Mito da criação do homem
A obra máxima da criação foi o homem. Deus
moldou o primeiro homem de barro e depois, com
um sopro, infundiu-lhe a vida. Deus retirou
dele uma costela e um tanto de carne e com esse
material fez a primeira mulher, dando-lhe
igualmente vida.
Destinou esses humanos ao paraíso
terrestre. Deus abençoou toda a Sua criação,
plantas, animais e homens dizendo-lhes que
crescessem e multiplicassem (PRADO,2011, p.
39)
A Criação de Adão pintado por Michelangelo por volta de 1511, que fica no teto da Capela Sistina, situada no Palácio
Apostólico, residência oficial do Papa na Cidade-Estado do Vaticano
O segundo sentido (estrito)
envolve diretamente a decisão e a
ação do sujeito como artífice de
suas opções religiosas,
mostrando, então, capaz de
adquirir livremente os
conhecimentos, ou seja, a
possibilidade de conquistar o
conhecimento e a salvação
mediante um aprendizado
individual […] PASSOS, 2010, p.
70)
Fontes do conhecimento religioso
 As Escrituras [Bíblia (Cristianismo), Torá (Judaísmo), Alcorão
(Muçulmanos), a Razão, a Tradição e a Experiência.
 Decisões de cortes e concílios eclesiásticos conforme expresso nos
credos e artigos de fé;
 Evidências presentes na natureza do homem;
 Estudo das religiões comparadas do passado e do presente;
 Estudo sistemático das várias crenças e confissões religiosas;
 Diálogo inter-religioso [...]
Existem várias formas/fontes de conhecimento religioso, mas, a maioria
delas é insuficiente para as necessidades religiosas do homem, [a menos
que concordem com a revelação cristã.]
Origens do conhecimento religioso
 A capacidade de conhecer a realidade sobrenatural e de reproduzi-la ao
grupo como verdade a ser vivenciada acompanha o desenvolvimento da
cultura humana ao longo da história.
 A narratica ‘sagrada’ se faz primeiramente como repetição oral, depois
como transmissão escrita. Em ambos os casos, o ato de transmitir as
explicações religiosas significa exercício de conhecimento em processo
de ensino-aprendizagem.
Conhecimento religioso como dado social
Karl Marx
1818-1883
Émile Durkheim leva adiante
o processo da redução
da religião ao social, ao
identificá-la com o fator de
unidade e coesão do
grupo social. "Para Durkheim,
a sociedade é a fonte dessa
'ação dinâmica que caracteriza
a religião‘.
Em um primeiro momento,
Marx desvenda a falsidade
da religião e a verdade do
ser humano. A reconciliação
do ser humano consigo
mesmo e com o mundo fará
que ele já não produza a
religião. O mundo
reconciliado é ATEU…
É. Durkheim
1858-1917
Na sociedade moderna, a religião perdeu sua função cognitiva, mas isso não implica crer que a
ciência vai suplantá-la ou eliminá-la [...] Há na religião algo de eterno e como tal, ela conserva uma
função social que constitui um impulso em direção à ação que a ciência, longe de prolongar, não
sabe dar continuidade (STEINER, 2016).
Insitucionalização do conhecimento religioso
 O conhecimento religioso sofreu muitas mutações históricas que seguem a
capacidade de explicar com eficácia a natureza e desvendar suas leis […];
 A madida que a cultura foi ampliando, o conhecimento religioso também foi
ampliado em suas possibilidades de explicar a dominar a realidade […];
 O conhecimento religioso surge como capacidade humano de relacionar-se
com a realidade de várias maneiras [ técnica, sociabilidade e linguagem];
 O desenvolvimento das sociedade humanas ganham formas e estruturas
dentro de um conjunto maior de criações das instituições humanas […]
 A insitucionalização do conhecimento religioso, segundo Passos
(2010), passou por três importantes etapas, a saber:
A vida tribal;
A vida urbana;
O tempo axial.
 A tribo foi a primeira forma de institucionalização dos sistemas dos distintos
grupos humanos;
 Os mitos constituem as expressões mais antigas do conhecimento religioso;
 Os homens atuais podem acessar esse tempo primordial através de rituais
que, consistem em representar os atos divinos que criaram as coisas;
 O mito é um sistema de crenças que permite a ligação de todas as coisas
no espaço e no tempo;
 Cada sistema mítico tem sua linguagem, deuses, narrativas, linguagens…;
 O conhecimeto mítico-religioso é diferente do conhecimento elaborado em
outras civilizações mais avançadas […]
Vida tribal
 A vida urbana foi um salto do homo sapiens em termos de domínio e
significação da realidade;
 A vida urbana passa a significar o contato com as diferenças
socioculturais, o choque cultural, a necessidade da busca de
consenso e o início da experiência da individualidade autônoma;
 O universal se impõe sobre o local (democracia), educacional (ideal
de ser humano), religioso, (Deus único), ético (o bem comum) […]
 O conhecimento reside na superação do mito para o logos (razão),
como busca de significado universal pela via dos códigos religiosos ou
filosóficos.
Vida urbana
 A era axial coincide com mudanças no processo de formação das
civilizações e o surgimento de novas religiões. Houve uma
passagem das religiões politeístas locais para as religiões
monoteístas universalistas e de salvação.
Ex. O Cristianismo; o Islamismo, o Induísmo e o Budismo.
 Os protagonistas foram os profetas bíblicos, líderes como Confúcio
e Buda e os filósofos do período Clássico grego;
 o conhecimento religioso adquire um dinamismo novo como busca
interior da verdade […]
O tempo axial
A racionalização religiosa
 A ideia de racionalização recebeu sua formulação e aplicação mais
complexa com o Sociólogo Max Weber.
Weber concebe a história da cultura ocidental como um percurso
de progressiva racionalização […]
Ele entende que o conhecimento religioso não está distante ou é
oposto ao conhecimento racional […]
Mas, na sociedade moderna, o conhecimento religioso e a
razão científica, entram muitas vezes em conflito, pois, o
objetivo desta última é dominar e explicar a natureza sem
necessidade da religião […]
Max Weber
1864-1920
Max Weber integra o trio dos grandes pensadores clássicos responsáveis
pela fundação da Sociologia.
 As religiões reconhecem o mistério do Mundo e atribuem a ele um
sentido [...] Para um ser humano religioso, seja qual for
sua religião , a natureza do mundo torna-se sagrada e nós
mesmos passamos a ser criação das divindades [...]
 O mundo já foi muito religioso e parece estar agora "voltando" a
funcionar dessa forma, tendo, evidentemente, sofrido alterações
importantes no decorrer desses quase dois séculos de ímpeto
racionalizante, fundado na ideia de especialização, organização.
A religião como forma de organização de mundo
Então, podemos dizer que a religião organiza o mundo:
a) Como uma visão de realidade;
A religião fornece uma visão global da realidade que permite superar a
desordem e o acaso […];
As ações divinas convidam os seres humanos a pensar nas razões e
nos fins de suas ações no mundo […]
 b) Normatiza da vida social
O conhecimento religioso pode ser visto como a capacidade de
distinguir o bem e o mal de “escolher o bem”e “evitar o mal” como
ensinam todas as tradições religiosas
 c) Produz finalidades
O conhecimento das origens permite prever o significado último da
realidade […] o mundo tem um percusro a cumprir, determinado seja
pela vontade divina ou pela ação humana capaz de colocá-la na rota
querida por Deus.
 O conhecimento religioso não sognifica um modo de pensar primitivo,
superado pela cultura científica, pois, ela não pode negar a
autenticidade do conhecimento religioso por insuficiencia do seu próprio
método (PASSOS, 2010, p. 83).
A fé inerente ao ser hmano
 a) A fé antropológica
Todo o ser humano crê em algo não demosntrável que adota valor
orientador de suas decisões e açoes e permite a orientação do ser
humano, sendo que, nenhuma certeza pode orientá-lo […]
 b) A fé na sociedade moderna
As sociedades modernas edificaram-se sobre a regra da razão
científica, ou seja, sobre convições de práticas políticas baseadas nas
responsabilidades concretas de dominio da razão humana sobre a
natureza e a história […]
 c) A fé como princípio de conhecimento
O conhecimento lida com a verdade, ou seja, com processos e
resultados que correspondem à realidade[…] as verdades da fé são
alcançadas pela intuição e vontade, mas, o conhecimento científico
busca a verdade de fato, buscando a regularidade dos acontecimentos
na natureza […];
O conhecimento religioso ocupa-se da dinâmica que antecede o
conhecimento científico, oferecendo conteudos explícitos e caminhos
para a vivência dos valores religiosos […]
Referências Bibliográficas
 JORGE, Marco Antonio Coutinho. Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan: A
prática analítica. Zahar, 2017.
 LAMBERT, Yves. O nascimento das religiões: da pré-história às religiões universalistas.
Edições Loyola, São Paulo, Brasil, 2011.
 LIBÂNIO, J. B. A Religião no início do milênio. Edicoes Loyola, 2002
 LIBÂNIO, J. B.. Teologia da revelação a partir da modernidade. Edicoes Loyola, 1992.
 MULLINSE, dgar Young. A religião cristã - na sua expressão doutrinária. Editora
Hagnos, 2005.
 PASSOS, João Décio. Teologia e outros saberes: uma introdução ao pensamento
teológico. 1ª ed. – São Paulo, Paulinas, 2010.
 PRADO, Zuleika De Almeida. Mitos da Criação. Callis Editora. 2011,
 SOARES, Esequias. Cristologia - a doutrina de Jesus Cristo. Editora Hagnos, 2008;
 STEINER, Philippe. A Sociologia de Durkheim. Editora Vozes Limitada, 2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Atividade de ética profissional
Atividade de ética profissionalAtividade de ética profissional
Atividade de ética profissional
 
7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide7 positivismo comte slide
7 positivismo comte slide
 
O que é Filosofia?
O que é Filosofia?O que é Filosofia?
O que é Filosofia?
 
Filosofia moderna
Filosofia moderna Filosofia moderna
Filosofia moderna
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Religião e reigosidade 6º ano
Religião e reigosidade 6º anoReligião e reigosidade 6º ano
Religião e reigosidade 6º ano
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Conhecimento filosófico
Conhecimento filosóficoConhecimento filosófico
Conhecimento filosófico
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
 
RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.RELIGIÕES DO MUNDO.
RELIGIÕES DO MUNDO.
 
Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!Diversidade religiosa!
Diversidade religiosa!
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Os pré-socráticos
Os pré-socráticosOs pré-socráticos
Os pré-socráticos
 

Semelhante a Conhecimento Religioso

Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoWerkson Azeredo
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoluciano
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicasLoredana Ruffo
 
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.Virna Salgado Barra
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religiãoAntonio Filho
 
Redescoberta do Sagrado
Redescoberta do SagradoRedescoberta do Sagrado
Redescoberta do Sagradogilbraz
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homemparaiba1974
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentojeconiaseandreia
 
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino ReligiosoOs cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino Religiosoacs8cre
 

Semelhante a Conhecimento Religioso (20)

Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3
 
Antropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religiãoAntropologia, histótia e sociologia da religião
Antropologia, histótia e sociologia da religião
 
ENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSOENSINO RELIGIOSO
ENSINO RELIGIOSO
 
pcner-int.pdf
pcner-int.pdfpcner-int.pdf
pcner-int.pdf
 
Vida cristã 2
Vida cristã 2Vida cristã 2
Vida cristã 2
 
Diálogo inter religioso
Diálogo inter religiosoDiálogo inter religioso
Diálogo inter religioso
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Estudo das Religiões
Estudo das ReligiõesEstudo das Religiões
Estudo das Religiões
 
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
O Estudo das Religiões: das primitivas às contemporâneas.
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
a influencia da pos.pptx
a influencia da pos.pptxa influencia da pos.pptx
a influencia da pos.pptx
 
Para que serve a religião
Para que serve a religiãoPara que serve a religião
Para que serve a religião
 
História das-religiões
História das-religiõesHistória das-religiões
História das-religiões
 
Redescoberta do Sagrado
Redescoberta do SagradoRedescoberta do Sagrado
Redescoberta do Sagrado
 
antropologia filosofica a origem do homem
 antropologia filosofica  a origem do homem antropologia filosofica  a origem do homem
antropologia filosofica a origem do homem
 
Fides et ratio 1
Fides et ratio 1Fides et ratio 1
Fides et ratio 1
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamentoIntroducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
Introducao a exegese_e_hermeneutica_-_filosofias_e_heresias_do_novo_testamento
 
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino ReligiosoOs cinco grandes eixos do Ensino Religioso
Os cinco grandes eixos do Ensino Religioso
 

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica"

Mais de Arlindo Nascimento Rocha - "Oficina Acadêmica" (20)

PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
PPT: A RELIGIÃO DO HOMEM DECAÍDO EM BUSCA DO DEUSABSCONDITUS EM BLAISE PASCAL...
 
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
MODELOS E PRÁTICAS DO ENSINO RELIGIOSO E DIVERSIDADE RELIGIOSA EM SALA DE AUL...
 
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluçõesMobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
Mobilidade humana nacional e internacional: problemas e soluções
 
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
FILOSOFIA DA RELIGIÃO - [PAINE, Scott Randall]
 
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticasAprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
Aprendizagem na atualidade: dos saberes às práticas
 
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
Entretextos: coletânea de textos acadêmicos
 
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLASRELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
RELIGIÕES AFRO-BRASILEIRAS DENTRO E FORA DAS ESCOLAS
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
Uma leitura atual sobre a construção política e social na filosofia de Blaise...
 
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
BLAISE PASCAL: DESEJO E DIVERTIMENTO COMO FUGA DE SI MESMO NA ANTROPOLOGIA PA...
 
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORAPEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
PEDRO SIQUEIRA: O ESCOLHIDO PARA FALAR COM SANTOS, ANJOS E NOSSA SENHORA
 
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
SER JUDEU: UMA HERANÇA GENÉTICA TRANSMITIDA UNICAMENTE PELO SANGUE?
 
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCALA FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
A FRAQUEZA DA RAZÃO E A INCERTEZA DO CONHECIMENTO DA VERDADE EM BLAISE PASCAL
 
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
O PROBLEMA DO MAL E A OCULTAÇÃO DE DEUS: UMA ANÁLISE SOBREO PECADO ORIGINAL C...
 
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-LégerIdas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
Idas e Vindas do Sagrado - Danièle Hervieu-Léger
 
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
Desafios da gestão democrática na escola pública: Emergência de um novo parad...
 
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
Dimensôes da condição humana no judaísmo: lutando contra Deus num mundo imper...
 
Os Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do IslãOs Cinco Pilares do Islã
Os Cinco Pilares do Islã
 
O Rig Veda
O Rig VedaO Rig Veda
O Rig Veda
 
Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família. Judeus e não Judeus na família.
Judeus e não Judeus na família.
 

Último

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 

Último (20)

Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 

Conhecimento Religioso

  • 1. CONHECIMENTO RELIGIOSO Arlindo Rocha – Doutorando em Ciência da Religião arlindonascimentorocha@gmail.com Introdução ao Pensamento Teológico TEMA:
  • 2. Objetivos:  Identificar várias formas de conhecimento;  Identificar as particularidades do conhecimento religioso;  Refletir sobre o alcance epistemológico do pensamento religioso;  Relacionar o conhecimento religioso com outras formas de conhecimento; Metas: No final da aula o aluno deve:  Identificar, distinguir, definir e relacionar o conceito de conhecimento religioso com outras formas de conhecimento, estabelecendo assim, o alcance epistemológico de cada um...
  • 3. O que é o conhecimento?  O conhecimento é um processo dinâmico e inacabado, que se constrói a partir das relações sociais do homem ao longo do tempo.  Ela ocorre entre todos os povos, independentemente da raça, da crença, do status social, religião, etc.
  • 4. Tipos de conhecimento Todos os conhecimentos são produzidos pelo homem, ao longo do tempo histórico.
  • 6. Aquilo que assimilamos por tradição. Ideias que nos ajudam a interpretar a vida e a julgar as situações do dia-a-dia. Fundamentado em experiências vividas ou transmitidas. A filosofia é um modo de pensar que acompanha o ser humano na tarefa de compreender o mundo e agir sobre ele. Mais que postura teórica, é uma atitude diante da vida (ARANHA; MARTINS, 2003, p. 81) Diferença entre dos diferentes tipos de conhecimento
  • 7. Começa e termina no conhecimento religioso, pois, a fé é institucionalizada como tradição em uma comunidade. A razão orienta-se pela fé e ela retorna, buscando justificar a fé como um modo de ver a realidade e de viver (PASSOS, 2010, p. 88). Saber racional e objetivo que depende da investigação metódica, pois, requer exatidão e clareza na busca e aplicação de leis e discussões relevantes e verificáveis.
  • 8. É um conhecimento valorativo cujo fundamento se encontra no emocional, ou seja, em atos constitutivos da pessoa humana como amor (ZILLES, 1989, p. 69). Faz parte da vida humana e mostra-se como um dado desde que nossa consciência emergiu como distintivo da espécie homo na longa escala de hominização (PASSOS, 2010, p. 70). É um conhecimento produzido pela humanidade é um patrimônio desta. “ deve estar disponível a todos os que a ele queiram ter acesso (FONAPER, 1997, p. 21). Conhecimento religioso
  • 9.  O homem em sua caminhada revela um desejo de conhecimento geral das religiões, ou seja, as diferentes religiões, sua história e seu papel nas sociedades atuais […] (LAMBERT, 2011). Por que a religião? Porque as pessoas tem necessidade de crer? Como podemos viver sem a religião? Existe algo em comum entre as religiões?
  • 10. Então…  Afirmar a existência do conhecimento religioso significa não só partir de sua legitimidade antropolígica, postura contrária às visões negativas que o define como: COISA DO PASSADO; NEUROSE; IDEOLOGIA […] Segundo Comte a ciência deverá substituir todas as religiões e o fenômeno só pode ser estudado cientificamente se for publicamente comprovado, passível de repetição, mensurável, e, além disso, o experimento tem de ser publicado para contestação (SOARES, 2008). Auguste Comte 1798-1857 Auguste Comte foi um filósofo francês, considerado o fundador do positivismo.
  • 11. Karl Marx 1818-1883 Marx foi um filósofo e economista revolucionário alemão e um dos fundadores do socialismo científico. Para Marx, “a religião é o ópio do povo”. A abolição da religião enquanto felicidade ilusória do povo é necessária para sua felicidade real. A exigência de abandonar suas ilusões é a exigência de que se abandone uma situação que necessita de ilusões (LIBANEO, 1992, p. 139). Para Freud, a religião constitui uma espécie de neurose da infância da humanidade, ou seja, uma “neurose obsessiva universal da humanidade”, e, tal como a neurose obsessiva das crianças, surgiu do complexo de Édipo e do relacionamento com o pai. Assim sendo, os ensinamentos religiosos constituem verdadeiras “relíquias neuróticas” Sigmund Freud 1856-1939 Sigmund Freud, foi um médico neurologista criador da psicanálise.
  • 12. Conclui-se que:  O POSITIVISMO (Auguste Comte) não vê sentido no discurso religioso, pois, é passível de ser ultrapassado. Estágio teológico [os fenômenos sociais e da natureza seriam explicados enquanto resultados das ações divinas]; Estágio metafísico [a busca por explicações recorreria a uma reflexão sobre a essência e o significado abstrato das coisas]; Estágio positivo [as explicações sobre o mundo natural e social seriam fabricadas através da observação dos fenômenos, da elaboração de hipóteses e da formulação de leis universais].  O MARXISMO (Karl Marx), vê a religião como o ópio do povo, ou seja, uma felicidade ilusória;  A PSICANÁLISE (Freud), vê a religião como uma neurose obsessiva coletiva que diviniza uma figura paterna forte em relação ao ‘complexo de Édipo’.
  • 13. Origens do conhecimento religioso  A capacidade de conhecer a realidade sobrenatural e de reproduzi-la ao grupo como verdade a ser vivenciada acompanha o desenvolvimento da cultura humana ao longo da história.  A narratica ‘sagrada’ se faz primeiramente como repetição oral, depois como transmissão escrita. Em ambos os casos, o ato de transmitir as explicações religiosas significa exercício de conhecimento em processo de ensino-aprendizagem.
  • 14.  Contudo, o conhecimento religioso pode ser entendido em dois senido: Sentido lato [ sentido mais abrangente e amplo…] Sentido estrito [ sentido limitado, pessoal e individual…] O primeiro (lato)coincide com os sistemas míticos que incluem o sujeito como repetidor e cumplice das tradições portadoras de verdades primordiais referentes ao mundo e ao ser humano […] (PASSOS, 2010, p. 70) Os mitos cosmogônicos falam da origem do universo... Os mitos Teogônicos que narram a origem dos deuses...
  • 15. Mito da criação do homem A obra máxima da criação foi o homem. Deus moldou o primeiro homem de barro e depois, com um sopro, infundiu-lhe a vida. Deus retirou dele uma costela e um tanto de carne e com esse material fez a primeira mulher, dando-lhe igualmente vida. Destinou esses humanos ao paraíso terrestre. Deus abençoou toda a Sua criação, plantas, animais e homens dizendo-lhes que crescessem e multiplicassem (PRADO,2011, p. 39) A Criação de Adão pintado por Michelangelo por volta de 1511, que fica no teto da Capela Sistina, situada no Palácio Apostólico, residência oficial do Papa na Cidade-Estado do Vaticano
  • 16. O segundo sentido (estrito) envolve diretamente a decisão e a ação do sujeito como artífice de suas opções religiosas, mostrando, então, capaz de adquirir livremente os conhecimentos, ou seja, a possibilidade de conquistar o conhecimento e a salvação mediante um aprendizado individual […] PASSOS, 2010, p. 70)
  • 17. Fontes do conhecimento religioso  As Escrituras [Bíblia (Cristianismo), Torá (Judaísmo), Alcorão (Muçulmanos), a Razão, a Tradição e a Experiência.  Decisões de cortes e concílios eclesiásticos conforme expresso nos credos e artigos de fé;  Evidências presentes na natureza do homem;  Estudo das religiões comparadas do passado e do presente;  Estudo sistemático das várias crenças e confissões religiosas;  Diálogo inter-religioso [...] Existem várias formas/fontes de conhecimento religioso, mas, a maioria delas é insuficiente para as necessidades religiosas do homem, [a menos que concordem com a revelação cristã.]
  • 18. Origens do conhecimento religioso  A capacidade de conhecer a realidade sobrenatural e de reproduzi-la ao grupo como verdade a ser vivenciada acompanha o desenvolvimento da cultura humana ao longo da história.  A narratica ‘sagrada’ se faz primeiramente como repetição oral, depois como transmissão escrita. Em ambos os casos, o ato de transmitir as explicações religiosas significa exercício de conhecimento em processo de ensino-aprendizagem.
  • 19. Conhecimento religioso como dado social Karl Marx 1818-1883 Émile Durkheim leva adiante o processo da redução da religião ao social, ao identificá-la com o fator de unidade e coesão do grupo social. "Para Durkheim, a sociedade é a fonte dessa 'ação dinâmica que caracteriza a religião‘. Em um primeiro momento, Marx desvenda a falsidade da religião e a verdade do ser humano. A reconciliação do ser humano consigo mesmo e com o mundo fará que ele já não produza a religião. O mundo reconciliado é ATEU… É. Durkheim 1858-1917 Na sociedade moderna, a religião perdeu sua função cognitiva, mas isso não implica crer que a ciência vai suplantá-la ou eliminá-la [...] Há na religião algo de eterno e como tal, ela conserva uma função social que constitui um impulso em direção à ação que a ciência, longe de prolongar, não sabe dar continuidade (STEINER, 2016).
  • 20. Insitucionalização do conhecimento religioso  O conhecimento religioso sofreu muitas mutações históricas que seguem a capacidade de explicar com eficácia a natureza e desvendar suas leis […];  A madida que a cultura foi ampliando, o conhecimento religioso também foi ampliado em suas possibilidades de explicar a dominar a realidade […];  O conhecimento religioso surge como capacidade humano de relacionar-se com a realidade de várias maneiras [ técnica, sociabilidade e linguagem];  O desenvolvimento das sociedade humanas ganham formas e estruturas dentro de um conjunto maior de criações das instituições humanas […]
  • 21.  A insitucionalização do conhecimento religioso, segundo Passos (2010), passou por três importantes etapas, a saber: A vida tribal; A vida urbana; O tempo axial.
  • 22.  A tribo foi a primeira forma de institucionalização dos sistemas dos distintos grupos humanos;  Os mitos constituem as expressões mais antigas do conhecimento religioso;  Os homens atuais podem acessar esse tempo primordial através de rituais que, consistem em representar os atos divinos que criaram as coisas;  O mito é um sistema de crenças que permite a ligação de todas as coisas no espaço e no tempo;  Cada sistema mítico tem sua linguagem, deuses, narrativas, linguagens…;  O conhecimeto mítico-religioso é diferente do conhecimento elaborado em outras civilizações mais avançadas […] Vida tribal
  • 23.  A vida urbana foi um salto do homo sapiens em termos de domínio e significação da realidade;  A vida urbana passa a significar o contato com as diferenças socioculturais, o choque cultural, a necessidade da busca de consenso e o início da experiência da individualidade autônoma;  O universal se impõe sobre o local (democracia), educacional (ideal de ser humano), religioso, (Deus único), ético (o bem comum) […]  O conhecimento reside na superação do mito para o logos (razão), como busca de significado universal pela via dos códigos religiosos ou filosóficos. Vida urbana
  • 24.  A era axial coincide com mudanças no processo de formação das civilizações e o surgimento de novas religiões. Houve uma passagem das religiões politeístas locais para as religiões monoteístas universalistas e de salvação. Ex. O Cristianismo; o Islamismo, o Induísmo e o Budismo.  Os protagonistas foram os profetas bíblicos, líderes como Confúcio e Buda e os filósofos do período Clássico grego;  o conhecimento religioso adquire um dinamismo novo como busca interior da verdade […] O tempo axial
  • 25. A racionalização religiosa  A ideia de racionalização recebeu sua formulação e aplicação mais complexa com o Sociólogo Max Weber. Weber concebe a história da cultura ocidental como um percurso de progressiva racionalização […] Ele entende que o conhecimento religioso não está distante ou é oposto ao conhecimento racional […] Mas, na sociedade moderna, o conhecimento religioso e a razão científica, entram muitas vezes em conflito, pois, o objetivo desta última é dominar e explicar a natureza sem necessidade da religião […] Max Weber 1864-1920 Max Weber integra o trio dos grandes pensadores clássicos responsáveis pela fundação da Sociologia.
  • 26.  As religiões reconhecem o mistério do Mundo e atribuem a ele um sentido [...] Para um ser humano religioso, seja qual for sua religião , a natureza do mundo torna-se sagrada e nós mesmos passamos a ser criação das divindades [...]  O mundo já foi muito religioso e parece estar agora "voltando" a funcionar dessa forma, tendo, evidentemente, sofrido alterações importantes no decorrer desses quase dois séculos de ímpeto racionalizante, fundado na ideia de especialização, organização. A religião como forma de organização de mundo
  • 27. Então, podemos dizer que a religião organiza o mundo: a) Como uma visão de realidade; A religião fornece uma visão global da realidade que permite superar a desordem e o acaso […]; As ações divinas convidam os seres humanos a pensar nas razões e nos fins de suas ações no mundo […]
  • 28.  b) Normatiza da vida social O conhecimento religioso pode ser visto como a capacidade de distinguir o bem e o mal de “escolher o bem”e “evitar o mal” como ensinam todas as tradições religiosas  c) Produz finalidades O conhecimento das origens permite prever o significado último da realidade […] o mundo tem um percusro a cumprir, determinado seja pela vontade divina ou pela ação humana capaz de colocá-la na rota querida por Deus.
  • 29.  O conhecimento religioso não sognifica um modo de pensar primitivo, superado pela cultura científica, pois, ela não pode negar a autenticidade do conhecimento religioso por insuficiencia do seu próprio método (PASSOS, 2010, p. 83). A fé inerente ao ser hmano  a) A fé antropológica Todo o ser humano crê em algo não demosntrável que adota valor orientador de suas decisões e açoes e permite a orientação do ser humano, sendo que, nenhuma certeza pode orientá-lo […]
  • 30.  b) A fé na sociedade moderna As sociedades modernas edificaram-se sobre a regra da razão científica, ou seja, sobre convições de práticas políticas baseadas nas responsabilidades concretas de dominio da razão humana sobre a natureza e a história […]  c) A fé como princípio de conhecimento O conhecimento lida com a verdade, ou seja, com processos e resultados que correspondem à realidade[…] as verdades da fé são alcançadas pela intuição e vontade, mas, o conhecimento científico busca a verdade de fato, buscando a regularidade dos acontecimentos na natureza […]; O conhecimento religioso ocupa-se da dinâmica que antecede o conhecimento científico, oferecendo conteudos explícitos e caminhos para a vivência dos valores religiosos […]
  • 31. Referências Bibliográficas  JORGE, Marco Antonio Coutinho. Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan: A prática analítica. Zahar, 2017.  LAMBERT, Yves. O nascimento das religiões: da pré-história às religiões universalistas. Edições Loyola, São Paulo, Brasil, 2011.  LIBÂNIO, J. B. A Religião no início do milênio. Edicoes Loyola, 2002  LIBÂNIO, J. B.. Teologia da revelação a partir da modernidade. Edicoes Loyola, 1992.  MULLINSE, dgar Young. A religião cristã - na sua expressão doutrinária. Editora Hagnos, 2005.  PASSOS, João Décio. Teologia e outros saberes: uma introdução ao pensamento teológico. 1ª ed. – São Paulo, Paulinas, 2010.  PRADO, Zuleika De Almeida. Mitos da Criação. Callis Editora. 2011,  SOARES, Esequias. Cristologia - a doutrina de Jesus Cristo. Editora Hagnos, 2008;  STEINER, Philippe. A Sociologia de Durkheim. Editora Vozes Limitada, 2016