SlideShare uma empresa Scribd logo
Pedro H.S. Brancalion – UFSCar
Uso econômico de APP
e Reserva Legal
Projetos de cotas de crédito de carbono florestal
captura e/ou retenção de carbono atmosférico na biomassa florestal,
havendo propostas de incluir também o desmatamento evitado.
Venda de créditos de carbono da restaurção florestal
• 4 mil hectares de restauração + 20 mil hectares
proteção
• > 1.000 hectares via créditos de carbono
• 1.260.000 toneladas de CO2 e somente com restauração
(> 1/4 certificado CCBA)
• Investimento de ~R$ 80 milhões
• Reconectar 2 importantes Parques Nacionais
METAS
Implantação de corredores ecológicos
317 hectares negociados = ~100 mil t CO2e
Créditos de longo prazo (30 anos), certificados
pelo CCBA
CONTRATOS DE CARBONO
Pagamento por serviços ambientais ligados à água
Várias
iniciativas em
desenvolvimento
Extrema-MG
Resolução SMA-SP 061, de 24 de junho de 2010
Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D’água - Projeto de Pagamento
por Serviços Ambientais, na modalidade proteção de nascentes
• primeiro projeto estadual no Brasil para remuneração de produtores
rurais que protejam recursos naturais em suas propriedades;
• O PSA vai restituir pequenos agricultores que preservem as nascentes
dentro de seus terrenos por meio do projeto Mina D’Água;
• Cada proprietário receberá entre R$ 75 e R$ 300 por nascente a cada
ano, valor que varia de acordo com as condições ambientais;
• O FECOP (Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição)
reservou R$ 3,5 milhões para o programa só em 2010;
• Passarão em breve a incluir a conservação de remanescentes
florestais e recuperação de matas ciliares
Resolução SMA – 08 sobre a restauração ecológica em São Paulo
Artigo 10º § 2º - “Como prática de manutenção da recuperação
florestal será admitido, por até três anos, o plantio consorciado de
espécies nativas com espécies para adubação verde e/ou agrícolas.”
Uso de SAF’s em APP para reabilitação florestal
Medida provisória nº 2166-67 de 2001
Permissão de uso de Sistemas Agro-Florestais em Áreas de
Preservação Permanente de propriedades familiares
Uso de SAF’s em APP para reabilitação florestal
Uso da Reserva Legal
19601945 19901973
Extremo Sul da Bahia
17% total
< 8% Interior
2000 2007
Parque Indígena do Xingu (MT)
O mesmo
processo
ocorre hoje
na Amazônia…
Desafios atuais
• Conservar a vegetação nativa
remanescenta na forma de RL
• Recompor o déficit de RL
implantação de modelos produtivos
de espécies nativas
• Manter o suprimento de
produtos florestais
Conceito
Lei N.º 11.284 de 2006, que estabeleceu a Gestão de Florestas
Públicas para a Produção Sustentável
Manejo florestal sustentável:
“administração da floresta para a obtenção de benefícios econômicos,
sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação
do ecossistema objeto do manejo e considerando-se, cumulativa ou
alternativamente, a utilização de múltiplas espécies madeireiras, de
múltiplos produtos e subprodutos não-madeireiros, bem como a
utilização de outros bens e serviços de natureza florestal”.
Produtos florestais não madeireiros
“produtos de origem biológica, exceto madeira, derivados
de florestas, outros ambientes com árvores ou de árvores
não presentes em florestas” (FAO)
Produtos florestais madeireiros
Implantação de sistemas produtivos em florestas naturais
Manejo florestal madeireiro de impacto reduzido
Convencional
(25 m3/ha)
Impacto reduzido
(25 m3/ha)
Fonte: Fundação Floresta Tropical
Principais produtos florestais não madeireiros
obtidos em diferentes biomas do país
Palmito (Euterpe edulis)
Mata Atlântica
Pinhão (Araucaria angustifolia)
Pimenta-rosa (Schinus terebinthifolius)
Produção de sementes nativas
Cerrado
- a produção cresceu 530% nos últimos 30 anos!
Manejo sustentável do pequi
são conhecidas e utilizadas 57 outras espécies frutíferas nativas por
populações tradicionais do Cerrado: sorvetes, polpas, doces, in natura
Manejo sustentável da candeia
Toneladax1000
1
2
3
4
5
6
30 anos
1975 2005
Produção de pequi no Brasil (IBGE)
Implantação de florestas visando a recomposição da
Reserva Legal e a produção comercial de espécies nativas
A reposição da Reserva Legal resultaria em
perdas de áreas agrícolas produtivas?
www.pactomataatlantica.org.br
Áreas de baixa aptidão agrícola na Mata Atlântica:
-Declividade entre acima de 15 graus com uso do solo - Pastagem
(rendimento médio: R$ 200,00/ha/ano)
-Nessas áreas foram descontadas as APPs ciliares e topos de morros
Área Potencial para
Restauração (ha)
PR 2.455.537
RS 891.716
SC 1.402.183
MS 186.453
ES 1.043.374
MG 5.648.981
RJ 939.800
SP 2.077.885
AL 307.744
BA 2.104.512
PE 395.528
S 17.453.712
Como recompor a Reserva Legal visando a
exploração madeireira?
Exemplo do Estado de São Paulo: Decreto n.º 53.939 de 2009
Artigo 6º: Para a recomposição da Reserva Legal no próprio imóvel:
III - o plantio de mudas para fins de recomposição da Reserva Legal, tanto
aquele a ser realizado em área total como aquele a ser realizado para
enriquecimento, deverá utilizar espécies nativas de ocorrência regional,
admitindo-se o uso temporário de espécies exóticas como pioneiras
intercaladas com espécies arbóreas nativas ou Sistemas Agroflorestais (SAF);
Artigo 7º - O plantio de espécies arbóreas exóticas intercaladas com espécies
arbóreas nativas ou de Sistemas Agroflorestais (SAF) - princípios e diretrizes:
I - densidade de plantio de espécies arbóreas: entre 600 e 1.700 ind./ha;
II - percentual máximo de espécies arbóreas exóticas: metade das espécies;
III - número máximo de indivíduos de espécies arbóreas exóticas: metade dos
indivíduos ou a ocupação de metade da área por espécies arbóreas exóticas;
IV - 50 espécies arbóreas de ocorrência regional, no mínimo, sendo pelo
menos 10 zoocóricas, devendo estas últimas representar 50% dos indivíduos;
V - manutenção de cobertura permanente do solo;
VI - permissão de manejo com uso restrito de insumos agroquímicos;
VII - não-utilização de espécie-problema ou espécie-competidora;
VIII - controle de gramíneas que exerçam competição com as árvores e
dificultem a regeneração natural de espécies nativas.
§ 1º - O proprietário ou o titular responsável pela exploração do imóvel, que
optar por recompor a Reserva Legal por meio de plantio de espécies arbóreas
nativas de ocorrência regional intercaladas com espécies arbóreas exóticas,
terá direito à sua exploração.
§ 2º - Não poderá haver o replantio de espécies arbóreas exóticas na Reserva
Legal uma vez findo o ciclo de produção do plantio inicial, exceto no caso de
pequenas propriedades.”
• bifurcação excessiva
• crescimento prejudicado
• ataque de broca nas ponteiras
Problemas ecológicos em reflorestamentos puros
Cedro-rosa
• considerar a sucessão secundária e o grupo ecológico das espécies
• o uso de diferentes grupos ecológicos permite obter rendimentos
intermediários antes da exploração das madeiras nobres.
• considerar a densidade natural das espécies
• considerar as interações ecológicas
A
B C
Projeto Guariroba
Fazenda Guariroba, Campinas SP, Brasil
-Restauração da Área Agrícola e RL para
fins de produção de nativas -300ha
Coleta de dados na literatura
características silviculturais de
quase 50 espécies nativas
implantadas em talhões ou em
plantios em linha
Coleta de dados em
áreas restauradas
A reposição da Reserva Legal seria uma
atividade lucrativa?
14
22
20
18
13
6
7
Outros países
Sul
São Paulo
Sudeste (sem SP)
Nordeste
Centro Oeste (sem
MT)
Amazônia Legal
Consumo da madeira na Amazônia (Smeraldi and Veríssimo, 1999)
Tese de Doutorado
Maria do Carmo Ramos Fasiaben
Orientador
Ademar Ribeiro Romeiro
Instituto de Economia / UNICAMP
Tese - Maria do Carmo Ramos Fasiaben RESULTADOS
TABELA 17 – VARIAÇÃO NAS MARGENS BRUTAS DAS ATIVIDADES DO TIPO 4, MICROBACIA DO
RIO ORIÇANGA, ESTADO DE SÃO PAULO (EM R$/HA)
Período Laranja Milho Alta Tecnologia Reserva Legal Manejada
2002/03 3.465,39 1.595,66 188,59
2003/04 2.163,24 668,37 237,58
2004/05 -91,82 244,29 285,71
2005/06 1.021,37 125,04 423,78
2006/07 2.131,27 504,75 440,34
2007/08 1.806,64 871,52 435,23
2008/09 17,91 -64,52 470,16
Média 1.502,00 563,59 354,49
FONTE: Dados da pesquisa, utilizando-se de séries de preços listadas no Banco de Dados do IEA (2010)
para insumos e para os produtos laranja e milho, e do IPT para madeira (FLORESTAR ESTATÍSTICO, 2003,
2004, 2005, 2006, 2007, 2008)
Valor médio da madeira considerada para as 4 classes = R$ 40,00/m3 da madeira em pé na propriedade
Pedro H.S. Brancalion – UFSCar
Obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Origem do homem
Origem do homemOrigem do homem
Origem do homem
Bruno Machado
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
Alexandre Panerai
 
69767674 manipueira cartilha
69767674 manipueira cartilha69767674 manipueira cartilha
69767674 manipueira cartilha
Igor Bulhões
 
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar BrasileiraPerspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Larissa Brasileiro
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
Viegas Fernandes da Costa
 
Relatório de campo
Relatório de campoRelatório de campo
Relatório de campo
PoderFx
 
Energias Renováveis em Portugal
Energias Renováveis em PortugalEnergias Renováveis em Portugal
Energias Renováveis em Portugal
Pedro Peixoto
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Evolução da tecnologias
Evolução da tecnologiasEvolução da tecnologias
Evolução da tecnologias
marcio queiroz
 
Ordem isoptera
Ordem isopteraOrdem isoptera
Ordem isoptera
DarioSousa10
 
Perda da biodiversidade
Perda da biodiversidadePerda da biodiversidade
Perda da biodiversidade
franciscaf
 
História de Santa Catarina - parte 1 de 3
História de Santa Catarina - parte 1 de 3História de Santa Catarina - parte 1 de 3
História de Santa Catarina - parte 1 de 3
Elton Zanoni
 
Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...
Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...
Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...
Amlj101
 
Procedimentos para Valoração Ambiental
Procedimentos para Valoração AmbientalProcedimentos para Valoração Ambiental
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
cattonia
 
Apostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geralApostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geral
Fabricia Maisa
 
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto CurumimEducação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Senac
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
Pedro Kangombe
 
Instrumentos Meteorológicos
Instrumentos MeteorológicosInstrumentos Meteorológicos
Instrumentos Meteorológicos
Rita Rocha
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
JMCDINIS
 

Mais procurados (20)

Origem do homem
Origem do homemOrigem do homem
Origem do homem
 
Apostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazerApostila minhocario campeiro como fazer
Apostila minhocario campeiro como fazer
 
69767674 manipueira cartilha
69767674 manipueira cartilha69767674 manipueira cartilha
69767674 manipueira cartilha
 
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar BrasileiraPerspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
Perspectiva Para a Soberania Alimentar Brasileira
 
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnicaHistória de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
História de Santa Catarina: imigração e pluralidade étnica
 
Relatório de campo
Relatório de campoRelatório de campo
Relatório de campo
 
Energias Renováveis em Portugal
Energias Renováveis em PortugalEnergias Renováveis em Portugal
Energias Renováveis em Portugal
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Evolução da tecnologias
Evolução da tecnologiasEvolução da tecnologias
Evolução da tecnologias
 
Ordem isoptera
Ordem isopteraOrdem isoptera
Ordem isoptera
 
Perda da biodiversidade
Perda da biodiversidadePerda da biodiversidade
Perda da biodiversidade
 
História de Santa Catarina - parte 1 de 3
História de Santa Catarina - parte 1 de 3História de Santa Catarina - parte 1 de 3
História de Santa Catarina - parte 1 de 3
 
Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...
Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...
Química verde: contribuição tecnológica para desenvolvimento de uma química m...
 
Procedimentos para Valoração Ambiental
Procedimentos para Valoração AmbientalProcedimentos para Valoração Ambiental
Procedimentos para Valoração Ambiental
 
Revolução científica
Revolução científicaRevolução científica
Revolução científica
 
Apostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geralApostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geral
 
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto CurumimEducação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
Educação Ambiental - TCC Modulo I - Projeto Curumim
 
A revolução inglesa
A revolução inglesaA revolução inglesa
A revolução inglesa
 
Instrumentos Meteorológicos
Instrumentos MeteorológicosInstrumentos Meteorológicos
Instrumentos Meteorológicos
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 

Destaque

Curso online gratuito credito carbono
Curso online gratuito credito carbonoCurso online gratuito credito carbono
Curso online gratuito credito carbono
Unichristus Centro Universitário
 
Cartilha do Código Florestal
Cartilha do Código FlorestalCartilha do Código Florestal
Cartilha do Código Florestal
Portal Canal Rural
 
Impactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasilImpactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasil
metodologia2011
 
Paulo montenegro
Paulo montenegroPaulo montenegro
Avaliação de impactos ambientais atual
Avaliação de impactos ambientais atualAvaliação de impactos ambientais atual
Avaliação de impactos ambientais atual
João Alfredo Telles Melo
 
Caminhosrurais31montagem
Caminhosrurais31montagemCaminhosrurais31montagem
Caminhosrurais31montagem
Jerusa Lehnen
 
Curso produção hortaliças em projeto mandala
Curso produção hortaliças em projeto mandalaCurso produção hortaliças em projeto mandala
Curso produção hortaliças em projeto mandala
Francisco Gomes
 
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly moraisGeadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)
Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)
Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)
FAO
 
Segurança ambiental
Segurança ambientalSegurança ambiental
Segurança ambiental
Mayjö .
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
Andressa Sucharski
 
Plantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e IndicadoresPlantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e Indicadores
Marcelo Venturi
 
Mariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoria
Mariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoriaMariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoria
Mariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoria
LCA promo
 
Palestra_Ulisses
Palestra_UlissesPalestra_Ulisses
Palestra_Ulisses
Reprotec
 
Importancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambiente
Importancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambienteImportancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambiente
Importancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambiente
Gilberto Fugimoto
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
Josimar Oliveira
 
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Philippe Elias
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
Wilian Dias
 
POMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICOPOMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICO
Julião Medeiros
 
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Daniel Staciarini Corrêa
 

Destaque (20)

Curso online gratuito credito carbono
Curso online gratuito credito carbonoCurso online gratuito credito carbono
Curso online gratuito credito carbono
 
Cartilha do Código Florestal
Cartilha do Código FlorestalCartilha do Código Florestal
Cartilha do Código Florestal
 
Impactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasilImpactos ambientais no brasil
Impactos ambientais no brasil
 
Paulo montenegro
Paulo montenegroPaulo montenegro
Paulo montenegro
 
Avaliação de impactos ambientais atual
Avaliação de impactos ambientais atualAvaliação de impactos ambientais atual
Avaliação de impactos ambientais atual
 
Caminhosrurais31montagem
Caminhosrurais31montagemCaminhosrurais31montagem
Caminhosrurais31montagem
 
Curso produção hortaliças em projeto mandala
Curso produção hortaliças em projeto mandalaCurso produção hortaliças em projeto mandala
Curso produção hortaliças em projeto mandala
 
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly moraisGeadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
Geadas, prevenção e recuperação de lavouras geadas heverly morais
 
Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)
Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)
Sistemas integrados cultivos-ganadería-forestales (ILPF)
 
Segurança ambiental
Segurança ambientalSegurança ambiental
Segurança ambiental
 
Questões ambientais globais
Questões ambientais globaisQuestões ambientais globais
Questões ambientais globais
 
Plantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e IndicadoresPlantio Direto e Indicadores
Plantio Direto e Indicadores
 
Mariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoria
Mariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoriaMariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoria
Mariana 19.05.10 semin int_mercado_c_mudclim_vitoria
 
Palestra_Ulisses
Palestra_UlissesPalestra_Ulisses
Palestra_Ulisses
 
Importancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambiente
Importancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambienteImportancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambiente
Importancia das leguminosas na produção de alimentos e proteção do meio ambiente
 
Conservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio diretoConservação do solo e plantio direto
Conservação do solo e plantio direto
 
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
Classificação dos Sistemas de Produção - Parte 1
 
Sistemas de cultivo
Sistemas de cultivoSistemas de cultivo
Sistemas de cultivo
 
POMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICOPOMAR AGROECOLÓGICO
POMAR AGROECOLÓGICO
 
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuáriaLeguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
Leguminosas nativas: o uso da biodiversidade do Cerrado na produção pecuária
 

Semelhante a Opções para uso econômico da RL e APP - Pedro Henrique Santin Brancalion (ESALQ)

Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Pastizalesdelconosur
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Ibá – Indústria Brasileira de Árvores
 
ILPF_iba.pdf
ILPF_iba.pdfILPF_iba.pdf
ILPF_iba.pdf
JohnnyBatistela
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
Bruno Da Montanha
 
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferramDay 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
The Forests Dialogue
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Instituto Besc
 
Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...
Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...
Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...
cbsaf
 
Aula manifesto pré_código_florestal_2012
Aula manifesto pré_código_florestal_2012Aula manifesto pré_código_florestal_2012
Aula manifesto pré_código_florestal_2012
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Novo código florestal 2011
Novo código florestal 2011Novo código florestal 2011
Novo código florestal 2011
Deborah Freire
 
Resumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageadoResumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageado
engflorestal
 
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos AmbientaisIV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
Sistema Ambiental Paulista
 
Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...
Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...
Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...
CIDAADS
 
A silvicultura com Palmeira Real
A silvicultura com Palmeira Real A silvicultura com Palmeira Real
A silvicultura com Palmeira Real
Alexandre Panerai
 
Alav690 palmeirareal
Alav690 palmeirarealAlav690 palmeirareal
Alav690 palmeirareal
Alexandre Panerai
 
Resumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageadoResumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageado
engflorestal
 
Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,
Luana Copini
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Amazônia - Maria Cecília Wey de Brito
Amazônia - Maria Cecília Wey de BritoAmazônia - Maria Cecília Wey de Brito
Amazônia - Maria Cecília Wey de Brito
Humanidade2012
 
6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais
fenelon medellll
 
Cartilha reserva_legal
Cartilha reserva_legalCartilha reserva_legal

Semelhante a Opções para uso econômico da RL e APP - Pedro Henrique Santin Brancalion (ESALQ) (20)

Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
 
ILPF_iba.pdf
ILPF_iba.pdfILPF_iba.pdf
ILPF_iba.pdf
 
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiroapostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
apostila Sistemas agroflorestais no semiarido brasileiro
 
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferramDay 2 paulo kagyama   aula 8 biodiv ferram
Day 2 paulo kagyama aula 8 biodiv ferram
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
 
Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...
Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...
Dia 2 - Políticas públicas e sistemas agroflorestais: lições aprendidas a par...
 
Aula manifesto pré_código_florestal_2012
Aula manifesto pré_código_florestal_2012Aula manifesto pré_código_florestal_2012
Aula manifesto pré_código_florestal_2012
 
Novo código florestal 2011
Novo código florestal 2011Novo código florestal 2011
Novo código florestal 2011
 
Resumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageadoResumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageado
 
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos AmbientaisIV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
IV EPBio - Mercados de Ativos Ambientais
 
Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...
Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...
Painel VI – A EDS e a Comunicação em Ciência: Miguel Ferreira (SRRN-Açores) -...
 
A silvicultura com Palmeira Real
A silvicultura com Palmeira Real A silvicultura com Palmeira Real
A silvicultura com Palmeira Real
 
Alav690 palmeirareal
Alav690 palmeirarealAlav690 palmeirareal
Alav690 palmeirareal
 
Resumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageadoResumo do plano de manejo lafer lageado
Resumo do plano de manejo lafer lageado
 
Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,Conservação do Ecossistema Amazônico,
Conservação do Ecossistema Amazônico,
 
Sistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestaisSistemas agroflorestais
Sistemas agroflorestais
 
Amazônia - Maria Cecília Wey de Brito
Amazônia - Maria Cecília Wey de BritoAmazônia - Maria Cecília Wey de Brito
Amazônia - Maria Cecília Wey de Brito
 
6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais6 viveiros-florestais
6 viveiros-florestais
 
Cartilha reserva_legal
Cartilha reserva_legalCartilha reserva_legal
Cartilha reserva_legal
 

Mais de Revista Cafeicultura

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Revista Cafeicultura
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
Revista Cafeicultura
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Revista Cafeicultura
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Revista Cafeicultura
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
Revista Cafeicultura
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Revista Cafeicultura
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Revista Cafeicultura
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Revista Cafeicultura
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Revista Cafeicultura
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Revista Cafeicultura
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Revista Cafeicultura
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Revista Cafeicultura
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Revista Cafeicultura
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Revista Cafeicultura
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Revista Cafeicultura
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
Revista Cafeicultura
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
Revista Cafeicultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Revista Cafeicultura
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Revista Cafeicultura
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Revista Cafeicultura
 

Mais de Revista Cafeicultura (20)

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
 

Último

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 

Último (20)

Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 

Opções para uso econômico da RL e APP - Pedro Henrique Santin Brancalion (ESALQ)

  • 1. Pedro H.S. Brancalion – UFSCar Uso econômico de APP e Reserva Legal
  • 2. Projetos de cotas de crédito de carbono florestal captura e/ou retenção de carbono atmosférico na biomassa florestal, havendo propostas de incluir também o desmatamento evitado.
  • 3. Venda de créditos de carbono da restaurção florestal
  • 4. • 4 mil hectares de restauração + 20 mil hectares proteção • > 1.000 hectares via créditos de carbono • 1.260.000 toneladas de CO2 e somente com restauração (> 1/4 certificado CCBA) • Investimento de ~R$ 80 milhões • Reconectar 2 importantes Parques Nacionais METAS
  • 6. 317 hectares negociados = ~100 mil t CO2e Créditos de longo prazo (30 anos), certificados pelo CCBA CONTRATOS DE CARBONO
  • 7. Pagamento por serviços ambientais ligados à água
  • 10. Resolução SMA-SP 061, de 24 de junho de 2010 Define as diretrizes para a execução do Projeto Mina D’água - Projeto de Pagamento por Serviços Ambientais, na modalidade proteção de nascentes • primeiro projeto estadual no Brasil para remuneração de produtores rurais que protejam recursos naturais em suas propriedades; • O PSA vai restituir pequenos agricultores que preservem as nascentes dentro de seus terrenos por meio do projeto Mina D’Água; • Cada proprietário receberá entre R$ 75 e R$ 300 por nascente a cada ano, valor que varia de acordo com as condições ambientais; • O FECOP (Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição) reservou R$ 3,5 milhões para o programa só em 2010; • Passarão em breve a incluir a conservação de remanescentes florestais e recuperação de matas ciliares
  • 11. Resolução SMA – 08 sobre a restauração ecológica em São Paulo Artigo 10º § 2º - “Como prática de manutenção da recuperação florestal será admitido, por até três anos, o plantio consorciado de espécies nativas com espécies para adubação verde e/ou agrícolas.” Uso de SAF’s em APP para reabilitação florestal
  • 12. Medida provisória nº 2166-67 de 2001 Permissão de uso de Sistemas Agro-Florestais em Áreas de Preservação Permanente de propriedades familiares Uso de SAF’s em APP para reabilitação florestal
  • 13. Uso da Reserva Legal
  • 15.
  • 16. 17% total < 8% Interior
  • 17. 2000 2007 Parque Indígena do Xingu (MT)
  • 19. Desafios atuais • Conservar a vegetação nativa remanescenta na forma de RL • Recompor o déficit de RL implantação de modelos produtivos de espécies nativas • Manter o suprimento de produtos florestais
  • 20. Conceito Lei N.º 11.284 de 2006, que estabeleceu a Gestão de Florestas Públicas para a Produção Sustentável Manejo florestal sustentável: “administração da floresta para a obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema objeto do manejo e considerando-se, cumulativa ou alternativamente, a utilização de múltiplas espécies madeireiras, de múltiplos produtos e subprodutos não-madeireiros, bem como a utilização de outros bens e serviços de natureza florestal”.
  • 21. Produtos florestais não madeireiros “produtos de origem biológica, exceto madeira, derivados de florestas, outros ambientes com árvores ou de árvores não presentes em florestas” (FAO) Produtos florestais madeireiros Implantação de sistemas produtivos em florestas naturais
  • 22. Manejo florestal madeireiro de impacto reduzido Convencional (25 m3/ha) Impacto reduzido (25 m3/ha) Fonte: Fundação Floresta Tropical
  • 23. Principais produtos florestais não madeireiros obtidos em diferentes biomas do país Palmito (Euterpe edulis) Mata Atlântica Pinhão (Araucaria angustifolia) Pimenta-rosa (Schinus terebinthifolius)
  • 25.
  • 26. Cerrado - a produção cresceu 530% nos últimos 30 anos! Manejo sustentável do pequi são conhecidas e utilizadas 57 outras espécies frutíferas nativas por populações tradicionais do Cerrado: sorvetes, polpas, doces, in natura Manejo sustentável da candeia
  • 28. Implantação de florestas visando a recomposição da Reserva Legal e a produção comercial de espécies nativas
  • 29. A reposição da Reserva Legal resultaria em perdas de áreas agrícolas produtivas?
  • 31. Áreas de baixa aptidão agrícola na Mata Atlântica: -Declividade entre acima de 15 graus com uso do solo - Pastagem (rendimento médio: R$ 200,00/ha/ano) -Nessas áreas foram descontadas as APPs ciliares e topos de morros
  • 32. Área Potencial para Restauração (ha) PR 2.455.537 RS 891.716 SC 1.402.183 MS 186.453 ES 1.043.374 MG 5.648.981 RJ 939.800 SP 2.077.885 AL 307.744 BA 2.104.512 PE 395.528 S 17.453.712
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41. Como recompor a Reserva Legal visando a exploração madeireira?
  • 42. Exemplo do Estado de São Paulo: Decreto n.º 53.939 de 2009 Artigo 6º: Para a recomposição da Reserva Legal no próprio imóvel: III - o plantio de mudas para fins de recomposição da Reserva Legal, tanto aquele a ser realizado em área total como aquele a ser realizado para enriquecimento, deverá utilizar espécies nativas de ocorrência regional, admitindo-se o uso temporário de espécies exóticas como pioneiras intercaladas com espécies arbóreas nativas ou Sistemas Agroflorestais (SAF); Artigo 7º - O plantio de espécies arbóreas exóticas intercaladas com espécies arbóreas nativas ou de Sistemas Agroflorestais (SAF) - princípios e diretrizes: I - densidade de plantio de espécies arbóreas: entre 600 e 1.700 ind./ha; II - percentual máximo de espécies arbóreas exóticas: metade das espécies; III - número máximo de indivíduos de espécies arbóreas exóticas: metade dos indivíduos ou a ocupação de metade da área por espécies arbóreas exóticas; IV - 50 espécies arbóreas de ocorrência regional, no mínimo, sendo pelo menos 10 zoocóricas, devendo estas últimas representar 50% dos indivíduos;
  • 43. V - manutenção de cobertura permanente do solo; VI - permissão de manejo com uso restrito de insumos agroquímicos; VII - não-utilização de espécie-problema ou espécie-competidora; VIII - controle de gramíneas que exerçam competição com as árvores e dificultem a regeneração natural de espécies nativas. § 1º - O proprietário ou o titular responsável pela exploração do imóvel, que optar por recompor a Reserva Legal por meio de plantio de espécies arbóreas nativas de ocorrência regional intercaladas com espécies arbóreas exóticas, terá direito à sua exploração. § 2º - Não poderá haver o replantio de espécies arbóreas exóticas na Reserva Legal uma vez findo o ciclo de produção do plantio inicial, exceto no caso de pequenas propriedades.”
  • 44. • bifurcação excessiva • crescimento prejudicado • ataque de broca nas ponteiras Problemas ecológicos em reflorestamentos puros
  • 45. Cedro-rosa • considerar a sucessão secundária e o grupo ecológico das espécies • o uso de diferentes grupos ecológicos permite obter rendimentos intermediários antes da exploração das madeiras nobres. • considerar a densidade natural das espécies • considerar as interações ecológicas
  • 47. Fazenda Guariroba, Campinas SP, Brasil -Restauração da Área Agrícola e RL para fins de produção de nativas -300ha
  • 48. Coleta de dados na literatura características silviculturais de quase 50 espécies nativas implantadas em talhões ou em plantios em linha
  • 49. Coleta de dados em áreas restauradas
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59.
  • 60.
  • 61. A reposição da Reserva Legal seria uma atividade lucrativa?
  • 62.
  • 63. 14 22 20 18 13 6 7 Outros países Sul São Paulo Sudeste (sem SP) Nordeste Centro Oeste (sem MT) Amazônia Legal Consumo da madeira na Amazônia (Smeraldi and Veríssimo, 1999)
  • 64.
  • 65. Tese de Doutorado Maria do Carmo Ramos Fasiaben Orientador Ademar Ribeiro Romeiro Instituto de Economia / UNICAMP
  • 66. Tese - Maria do Carmo Ramos Fasiaben RESULTADOS TABELA 17 – VARIAÇÃO NAS MARGENS BRUTAS DAS ATIVIDADES DO TIPO 4, MICROBACIA DO RIO ORIÇANGA, ESTADO DE SÃO PAULO (EM R$/HA) Período Laranja Milho Alta Tecnologia Reserva Legal Manejada 2002/03 3.465,39 1.595,66 188,59 2003/04 2.163,24 668,37 237,58 2004/05 -91,82 244,29 285,71 2005/06 1.021,37 125,04 423,78 2006/07 2.131,27 504,75 440,34 2007/08 1.806,64 871,52 435,23 2008/09 17,91 -64,52 470,16 Média 1.502,00 563,59 354,49 FONTE: Dados da pesquisa, utilizando-se de séries de preços listadas no Banco de Dados do IEA (2010) para insumos e para os produtos laranja e milho, e do IPT para madeira (FLORESTAR ESTATÍSTICO, 2003, 2004, 2005, 2006, 2007, 2008) Valor médio da madeira considerada para as 4 classes = R$ 40,00/m3 da madeira em pé na propriedade
  • 67. Pedro H.S. Brancalion – UFSCar Obrigado