SlideShare uma empresa Scribd logo
USO RACIONAL
DA ÁGUA NA
AGRICULTURA
Cartilha_Agua_2017.indd 1 21/03/2017 14:03:58
Governador do Estado
Geraldo Alckmin
Secretário de Agricultura e Abastecimento
Arnaldo Jardim
Secretário-Adjunto
Rubens Naman Rizek Junior
Chefe de Gabinete
Omar Cassim Neto
Coordenador/Assistência Técnica Integral
João Brunelli Júnior
Diretor/Departamento de Comunicação e Treinamento
Ypujucan Caramuru Pinto
Diretor/Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes
Ricardo Lorenzini Bastos
Cartilha_Agua_2017.indd 2 21/03/2017 14:03:58
USO RACIONAL
DA ÁGUA NA
AGRICULTURA
Cartilha_Agua_2017.indd 3 21/03/2017 14:03:59
Esta publicação é dirigida aos técnicos da CATI, produtores e/ou interessados.
É permitida a reprodução parcial, desde que citada a fonte.
A reprodução total depende de autorização expressa da CATI.
EDIÇÃO E PUBLICAÇÃO
Departamento de Comunicação e Treinamento – DCT
Diretor: Ypujucan Caramuru Pinto
Centro de Comunicação Rural – Cecor
Diretora: Roberta Lage
Editora Responsável: Graça D’Auria
Revisor: Carlos Augusto de Matos Bernardo
Revisão Bibliográfica: Nadir Umbelina da Silva
Designer gráfico: Paulo Santiago
Foto capa: Rodrigo Di Carlo
	
DRUGOWICH, M. I.; M. G. D. P. M. D’AURIA, coordenadores e outros.
A ÁGUA NA AGRICULTURA. Campinas, CATI 2017.
44p. ilus. 21cm (Cartilha)
CDD 631.432
Cartilha_Agua_2017.indd 4 21/03/2017 14:03:59
i
SUMÁRIO
CUIDANDO DO SOLO E DA ÁGUA..................................................................................1
AS QUESTÕES DO CLIMA...............................................................................................3
A AGRICULTURA NÃO É A GRANDE VILÃ.......................................................................6
POLÍTICAS PÚBLICAS – LINHAS DE CRÉDITO DISPONÍVEIS......................................... 13
PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES E ÁREAS DE PROTEÇÃO
PERMANENTE (APPs).................................................................................................. 15
ALGUMAS SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS QUE REDUZEM O CONSUMO DE ÁGUA
E PROTEGEM O SOLO................................................................................................. 17
REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA - ALGUNS EXEMPLOS......................................... 20
PROJETO INTEGRA SP................................................................................................. 23
PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA.................................................................................. 25
PROGRAMA ESTADUAL DE MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS (2000 a 2008)............... 26
PLANO DIRETOR: FERRAMENTA PARA O CONTROLE DA EROSÃO RURAL.................. 30
PROJETO ÁGUA VIVA.................................................................................................. 32
ESTUDOS.................................................................................................................... 34
LITERATURA RECOMENDADA..................................................................................... 36
Cartilha_Agua_2017.indd 1 21/03/2017 14:03:59
ii
Cartilha_Agua_2017.indd 2 21/03/2017 14:03:59
iii
SÃO PAULO ENFRENTA A CRISE E CRIA REFERÊNCIAS
	 Apresentamos aqui diversas técnicas e tecnologias que já estão fazendo diferença e colaborando
para uso racional dos recursos hídricos no campo. Recentes pesquisas realizadas por diversos insti-
tutos ligados à Secretaria de Agricultura procuram mostrar com números e experimentos um novo
caminho para o uso racional da água, esse bem tão precioso quanto finito.
	 Estas alternativas e possibilidades para o futuro são motivadas pelo pensar o presente e com-
preender que cuidar da água é também cuidar da Terra. Os novos tempos de mudanças climáticas
que modificam a temperatura do solo impõem mais do que nunca um compromisso inexorável com
o cuidado com o meio ambiente e a crise nos torna irremediavelmente questionadores da maneira
pela qual utilizamos o nosso solo. Preservar e recuperar as nascentes dos nossos cursos d´água evita
e combate desmatamentos e as perdas e erosões do solo, cuida, também, das nossas matas ciliares
e de toda a vegetação que nos cerca para manter a riqueza da biodiversidade.
	 O Estado de São Paulo está acostumado com grandes obstáculos – a formação do nosso povo
foi constituída na arte de superar as muitas adversidades, coragem e trabalho. E esse histórico de
superação é o que nos motiva a seguir adiante, segundo diretrizes do governador Geraldo Alckmin de
que aqui a produção deve rimar com preservação, agricultura em harmonia com o meio ambiente.
Seguiremos buscando inovações e disseminando boas práticas agrícolas para manter a nossa produ-
ção, gerando emprego e renda para todos, deixando um legado para o Brasil e um planeta melhor
para as futuras gerações.
Arnaldo Jardim
Secretário de Agricultura e Abastecimento
do Estado de São Paulo
Cartilha_Agua_2017.indd 3 21/03/2017 14:03:59
iv
Cartilha_Agua_2017.indd 4 21/03/2017 14:03:59
1
CUIDANDO DO SOLO E DA ÁGUA
É impossível falar de forma dissociada desses recursos
naturais, pois estão vinculados e dependentes do bom
uso de um (solo) para a fartura de outro (água). Por este
motivo, para protegê-los e preservá-los, diversas recomen-
dações são divulgadas pela extensão rural do Estado de
São Paulo, executada pela Coordenadoria de Assistência
Técnica Integral (CATI/SAA), mostrando que é possível
produzir alimentos utilizando água sem desperdício - uso racional da água - tanto na
produção vegetal quanto na criação animal. Algumas são soluções de fácil implantação,
outras requerem técnicas mais avançadas, porém todas estão disponíveis e algumas,
inclusive, com verbas específicas para implantação e outras, ainda, subsidiadas integral
ou parcialmente pelo governo do Estado.
Algumas práticas já são adotadas, outras começam a despontar neste momento de
crise em que há uma busca e investimento em pesquisa para oferecer soluções tecnoló-
gicas como captação da água da chuva, reuso, redução da evaporação, aprimoramento
de sistemas de irrigação para aumentar a eficiência e otimizar o uso da água, como o uso
de tensiômetros, a adoção do balanço hídrico, a implantação de irrigação noturna etc.
Outras técnicas, como o terraceamento, a rotação e sucessão de culturas, o plantio
direto na palha (PDP) e os sistemas integrados lavoura-pecuária-floresta (ILPF) não
só são difundidos, mas incentivados junto aos produtores rurais aumentando ganho
e eficiência no uso dos recursos naturais. As Boas Práticas Agropecuárias (BPA) vêm
se juntar a essas práticas garantindo não só uso racional dos recursos naturais, mas a
produção de alimentos saudáveis com o mínimo de recursos e a máxima produtividade.
Cartilha_Agua_2017.indd 1 21/03/2017 14:03:59
2
Somando-se a estas ações, o governo do Estado de São Paulo está implementando
o novo Código Florestal, o que é o início de um processo massivo de recomposição
de Áreas de Preservação Permanente (APPs). O momento é de juntar esforços, fazer
parcerias, estar ao lado do produtor rural, criar facilidades para que todos os produ-
tores rurais do Estado de São Paulo preencham o Cadastro Ambiental Rural (CAR), um
cadastro on-line que mapeará o Estado e é declaratório e obrigatório, já que o não
preenchimento dificultará a obtenção de crédito e deixará o proprietário rural em de-
sacordo com a legislação. A partir do CAR, começa um novo processo para a realização
do Programa de Regularização Ambiental (PRA), com um prazo de até 20 anos para ser
realizado.
Todas estas ações têm um fim único, não só passar por essa crise hídrica, mas prepa-
rar o Estado para a sustentabilidade, deixando às futuras gerações água em abundância
e solo saudável para a produção de alimentos. A preocupação de hoje é a garantia de
que falte água ou não, o Estado de São Paulo ultrapassará com competência as ques-
tões climáticas, que são cíclicas, com oferta de soluções tecnológicas.
Cartilha_Agua_2017.indd 2 21/03/2017 14:03:59
3
AS QUESTÕES DO CLIMA
Monitoramento Meteorológico e a Sustentabilidade Hídrica
no Estado de São Paulo
Embora com características climáticas definidas, ou seja, verão chuvoso e inverno
seco em quase todo o seu território, o Estado de São Paulo é muito afetado por ano-
malias climáticas e adversidades meteorológicas, como seca, ou mesmo inundação e
até extremos térmicos de altas temperaturas ou geadas.
Esta alta variabilidade climática, que em muitos casos é cíclica, acentuou-se no pe-
ríodo de 2013 a 2014, com baixos níveis de precipitação, ocasionando sérios problemas
para o abastecimento humano e uso na agropecuária e na indústria. De acordo com as
observações feitas pela pesquisa, o período chuvoso de outubro de 2013 a março 2014
foi o mais baixo em todo o Estado. As oscilações de precipitação são muito elevadas e,
com esta grande variabilidade interanual de chuva, o monitoramento meteorológico
das variáveis, como temperatura do ar e precipitação, é extremamente necessário.
Cartilha_Agua_2017.indd 3 21/03/2017 14:04:00
4
	 Para atender a esta demanda, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado
de São Paulo (SAA) possui uma rede de estações meteorológicas (www.ciiagro.org.br/
ema) e programas de sustento à analise climática e aos impactos na agricultura, como
o Rede Data Clima e o Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas (Ciiagro).
Com base nestes programas, pode-se afirmar que a possibilidade de uma seca como
a vivenciada no Estado até dezembro de 2014 era de um ano em 100.
	 Ressalta-se, também, que esse trabalho tem estreita relação com a CATI, onde, por
meio do site www.cati.sp.gov.br/rededataclima, os produtores rurais podem ter acesso
direto às informações meteorológicas.
	 As atividades agrícolas a que o Ciiagro procura dar suporte são: calendário agrícola,
preparo do solo, aplicação de produtos químicos agrícolas, monitoramento de irriga-
ção, datas de maturação e colheita, controle e manejo de pragas e doenças vegetais,
transporte de produtos agrícolas, operações florestais tais como incêndios, geadas e
outros fenômenos adversos, manejo agrícola e outras atividades correlatas.
	 Desta maneira, enfatiza-se a necessidade de se manter um sistema de monitora-
mento meteorológico dinâmico e constante, para dar sustentação às ações e políticas
de Estado, de modo a reduzir os riscos relativos às adversidades meteorológicas e
propiciar maiores chances de alcance na produção agrícola.
Orivaldo Brunini é pesquisador científico do Instituto Agronômico (IAC),
órgão vinculado à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta/SAA)
E-mail: brunini@iac.sp.gov.br
Cartilha_Agua_2017.indd 4 21/03/2017 14:04:00
5
Cartilha_Agua_2017.indd 5 21/03/2017 14:04:00
6
A AGRICULTURA NÃO É A GRANDE VILÃ
A Importância da Irrigação para um
Consumo Racional da Água
A água é o bem mais precioso disponível em nosso planeta
e, portanto, insubstituível. Em tempos de escassez hídri-
ca, muito se tem falado a respeito do desperdício deste
recurso nos diversos setores (agropecuária, industrial e
doméstico), e o que se vê é uma busca por culpados como se isso pudesse resolver o
problema.
Há de se entender as diferenças na finalidade do uso nestes três setores, e aqui
enfocaremos no setor produtivo agropecuário. A agricultura no Brasil utiliza, em média,
70% do total de água consumida no País, principalmente na produção de arroz, feijão,
hortaliças e frutas, todos produtos majoritariamente de consumo interno, com exceção
das frutas que possuem mercado internacional significativo.
Sendo assim, culpar a carne bovina ou a soja pela crise hídrica não parece, tec-
nicamente, fazer sentido. Assim, vamos entender o uso agrícola da água e ver que a
agricultura certamente não é uma grande vilã.
Prática da Irrigação
A irrigação tem-se tornado uma prática cada vez mais importante no cultivo de
vegetais, visto a distribuição das chuvas estar se tornando cada vez mais irregular e
concentrada em poucos meses, bem como o acontecimento de anos com baixos índices
Cartilha_Agua_2017.indd 6 21/03/2017 14:04:00
7
de pluviosidade se tornado cada vez mais frequente, dificultando o planejamento agrí-
cola. Vale destacar que a agricultura realmente “utiliza-se” de 70% do total de água
consumida no Brasil, mas é importante conceituarmos essa utilização. Considerando
para fins de exemplo, a cultura da soja, na qual retira-se o grão com teor de umidade
em torno de 13%, e ainda, considerando uma produtividade média de 3.000kg/ha, te-
remos a exportação de 390 litros de água daquela propriedade (e nesse caso podemos
entender como exportação da água a retirada da mesma daquela bacia hidrográfica)
ante 4.500.000 litros que são utilizados pela cultura durante todo o seu ciclo. Isso sig-
nifica que apenas 0,01% de toda a água utilizada pelo vegetal durante seu ciclo será
exportada da bacia hidrográfica.
E o restante da água, onde foi parar?
	 A água no sistema agrícola apresenta-se num ciclo fechado, conforme a figura 1
que representa as entradas (verde) e saídas (vermelho).
	 Analisandoociclodaágua(figura1),pode-seafirmarqueaáguaéinseridanosistema
agrícola por meio de chuvas ou irrigações (entrada), enquanto as saídas são inúmeras.
As três mais importantes são: a evaporação direta da água do solo à atmosfera; a per-
colação, que é o movimento da água das camadas superficiais às camadas profundas,
reabastecendo o lençol freático; e a transpiração, que representa a parcela da água
absorvida pela planta e enviada à atmosfera na forma de vapor através de estruturas
em suas folhas denominadas estômatos. À soma da evaporação e transpiração, dá-se
o nome de evapotranspiração, que num ciclo fechado deverá atingir a atmosfera, con-
densar e retornar ao sistema na forma de chuvas, pois, segundo Antoine Laurent de
Lavoisier - considerado o pai da Química moderna - ainda no século XVIII, “na natureza
nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”. Portanto, tem-se que o sistema de
exploração agrícola é apenas uma das etapas do ciclo da água na Terra, permitindo,
inclusive, melhorar a qualidade da água, já que o solo e a planta funcionam como filtros
naturais.
Cartilha_Agua_2017.indd 7 21/03/2017 14:04:00
8
Figura 1 - Ciclo da água no sistema agrícola, com ênfase nas entradas
(setas verdes) e saídas (setas vermelhas) do sistema.
Cartilha_Agua_2017.indd 8 21/03/2017 14:04:00
9
	 Na irrigação, quatro fatores devem ser considerados para compreendermos como
poderá se dar a otimização do uso da água na agropecuária.
1. Tipo de sistema de irrigação adotado - sabe-se que os diferentes sistemas de irri-
gação possuem diferentes eficiências de aplicação de água no solo, conforme segue
na tabela 1:
Tabela 1 - Eficiência de irrigação de acordo com o sistema de irrigação adotado.
Tipo de sistema Eficiência de Aplicação
Irrigação superficial (sulcos e inundação) 50-60%
Irrigação por aspersão (convencional, pivô central,
autopropelido)
65-80%
Irrigação localizada (gotejamento e microaspersão) 90-95%
	 Na adoção do sistema de irrigação, a eficiência de aplicação é uma das variáveis que
deve ser analisada, porém outras questões como culturas a serem irrigadas, sistema de
cultivo, custo de implantação e operação do sistema também devem integrar a solução
do problema. Nota-se pela tabela acima que a economia de água pode ser de 5 a 50%
em função do sistema de irrigação adotado, contudo vale ressaltar que a troca de um
modelo de sistema de irrigação representa um custo bastante significativo ao produtor.
2. Tratos culturais praticados - algumas práticas culturais podem ser realizadas pelos
produtores, a fim de reduzir a necessidade de água a ser aplicada na cultura para manter
o patamar produtivo. A cobertura do solo, seja com cobertura morta vegetal (palhada
do plantio direto), ou com materiais sintéticos para tal finalidade, como o mulching no
cultivo de hortaliças, por cobrirem o solo e diminuírem a incidência de plantas invasoras,
que também demandam água e nutrientes, irá interferir diretamente na redução da
Cartilha_Agua_2017.indd 9 21/03/2017 14:04:00
10
evaporação da água do solo, mantendo a umidade do mesmo e, consequentemente,
reduzir a necessidade de reposição desta água via irrigação. O desenvolvimento de
novas variedades que demandem menor quantidade de água ou capazes de utilizá-la
com maior eficiência também deve ser buscado, visto os conflitos que têm se mostrado
cada vez mais frequentes entre os setores.
3. Projeto de irrigação e manutenção do sistema - contratação de profissionais capa-
citados para elaborar um projeto de irrigação é o primeiro passo para o sucesso desta
ferramenta; realizar as manutenções necessárias, consertando vazamentos, regulando
o sistema e fazendo as manutenções nos sistemas de motobomba irão resultar no
desempenho máximo do sistema de irrigação e, consequentemente, na otimização da
eficiência de aplicação de água na agricultura.
4. Manejo da irrigação - este é o principal mecanismo de otimização do uso da água
na agricultura. Responder as perguntas QUANDO e QUANTO irrigar com precisão é
fundamental para utilizar de forma consciente e eficiente esse insumo, essencial para
manter o Brasil como uma potência agrícola. Infelizmente, esse é o grande gargalo
da irrigação brasileira, pois a maioria expressiva dos irrigantes, mesmo possuidores
de sistemas de irrigação modernos, não detém um eficiente programa de manejo da
irrigação em suas lavouras. Um sistema que fique ligado por um tempo menor do que
o necessário ou que tenha sido ligado em momentos inoportunos acarretarão redução
no potencial produtivo das culturas. Caso o mesmo seja ligado por mais tempo que
o necessário, além dos gastos excessivos com energia elétrica e água, o mau manejo
da irrigação poderá carrear nutrientes (principalmente nitratos e fosfatos) e fórmulas
químicas de defensivos agrícolas ao lençol freático, além de ocasionar o escoamento
superficial e, consequentemente, o carreamento de solo aos cursos hídricos, repre-
sentando danos ambientais.
Cartilha_Agua_2017.indd 10 21/03/2017 14:04:00
11
	 Sendo assim, pode-se concluir que para que se tenha a otimização do recurso hí-
drico utilizado em favor da agricultura, uma soma de medidas deve ser adotada para
aumentar a eficiência no uso da água para que os conflitos pelo recurso hídrico, como
o que vem sendo visto atualmente, deixem de existir e cada setor possa utilizá-lo de
maneira consciente e sustentável.
Prática Recomendação Por quê?
Tipo de sistema
de irrigação
Irrigação Localizada Priorizar sistemas de irrigação que apre-
sentem elevada eficiência na aplicação de
água, reduzindo o volume total aplicado
na cultura.
Tratos culturais Manutenção da
cobertura do solo
Além de reduzir o risco de processos
erosivos, a manutenção da cobertura do
solo reduzirá a evaporação direta da água
do solo à atmosfera, reduzindo a necessi-
dade de reposição da água via irrigação.
Assistência
especializada
Buscar profissionais ca-
pacitados não só para
planejar o sistema, como
também auxiliar no ma-
nejo da irrigação
A chave para o sucesso técnico, econô-
mico e ambiental de uma propriedade
irrigada passa pelo conhecimento de pro-
fissionais habilitados e capacitados para
o assunto, que poderão indicar o melhor
sistema a ser utilizado pelo produtor, as
limitações, o momento correto e a quan-
tidade ideal de água a ser aplicada.
continua....
Cartilha_Agua_2017.indd 11 21/03/2017 14:04:00
12
Prática Recomendação Por quê?
Manejo da
irrigação
Utilizar ferramentas (ten-
siômetro, curva de re-
tenção de água do solo,
balanço hídrico etc.) para
o manejo da irrigação
A determinação correta do QUANDO e
QUANTO irrigar é o passo mais importan-
te na busca pela otimização da eficiência
do uso da água. Nesse sentido, utilizar
ferramentas como o tensiômetro aliado
à curva de retenção de água do solo para
definição do momento correto de aplica-
ção e da lâmina aplicada, ou a coleta de
informações meteorológicas e posterior
estimativa da demanda hídrica da cultura
são fatores primordiais para elevar a efi-
ciência do sistema de irrigação.
Júlio Cesar Thoaldo Romeiro é engenheiro agrônomo e diretor da CATI Regional Botucatu.
E-mail: julio.romeiro@cati.sp.gov.br
continuação.
Cartilha_Agua_2017.indd 12 21/03/2017 14:04:01
13
POLÍTICAS PÚBLICAS
LINHAS DE CRÉDITO DISPONÍVEIS
Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista
Banco do Agronegócio Familiar (Feap/Banagro)
Criado pelo governo paulista, o Feap/Banagro oferece
apoio financeiro aos produtores rurais paulistas, disponi-
bilizando linhas de crédito rural, entre elas a Linha Agricultura Irrigada, com juros de
3% ao ano, subvenção em programas e projetos instituídos pelo governo do Estado,
acesso ao seguro rural e demais ações pertinentes à Secretaria de Agricultura e Abas-
tecimento do Estado de São Paulo.
Beneficiários
• Produtores rurais, pessoa física, com renda agropecuária anual de até R$ 800.000,00,
que deverá representar, no mínimo, 50% do total de sua renda bruta anual.
• Produtores rurais, pessoas jurídicas, com renda bruta anual de até R$ 2.400.000,00.
• Associações de produtores rurais, com renda bruta anual de até R$ 4.800.000,00.
• Cooperativas de produtores rurais, com renda bruta anual de até R$ 4.800.000,00.
Itens financiáveis
• Construção de poços artesianos ou semiartesianos, incluindo os respectivos equi-
pamentos de sucção e/ou bombeamento, destinados à atividade agrossilvipastoril.
• Aquisição e/ou modernização de equipamentos de irrigação para fins agrossilvipas-
toris, contemplando todos os demais itens e acessórios necessários à viabilização
Cartilha_Agua_2017.indd 13 21/03/2017 14:04:01
14
do projeto técnico, que garantam maior eficiência no uso dos recursos hídricos. Os
equipamentos, itens e acessórios deverão ser novos e de fabricação nacional, salvo
quando não houver produto similar brasileiro.
Observação: as despesas com os procedimentos de outorga d’água, georreferencia-
mento e processo de licenciamento ambiental poderão ser incluídas no valor do finan-
ciamento, desde que relacionadas ao investimento proposto.
	 Teto de financiamento
•	 até R$ 200.000,00, para a construção isolada de poços artesianos ou semiartesianos.
•	 até R$ 500.000,00, para a aquisição e/ou modernização de equipamentos de irri-
gação.
	 Prazo de pagamento: até oito anos, inclusa a carência de até três anos.
	 Abrangência: todo o Estado de São Paulo.
	 Saiba mais sobre as linhas de financiamentos no site: www.agricultura.sp.gov.br
Alexandre Grassi é engenheiro agrônomo da Assessoria técnica do coordenador da CATI.
E-mail: amgrassi@cati.sp.gov.br
Cartilha_Agua_2017.indd 14 21/03/2017 14:04:01
15
PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DE
MATAS CILIARES E
ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE (APPS)
Uma das formas mais eficientes de recuperar a água é
proteger as nascentes, elas são fonte de vida. É preciso que
estejam protegidas do pisoteio dos animais e da ação do
homem para que possam brotar e encher de água pura os
córregos,riachoserios. Alémdisso,umsolocobertoporvegetaçãofavoreceainfiltração
da água alimentando os lençóis freáticos subterrâneos, grandes reservatórios de água
doce. As Secretarias de Agricultura e Abastecimento e do Meio Ambiente incentivam
a proteção e recuperação das matas ciliares, aquelas que ficam ao longo dos cursos
d’água e impedem que a erosão os assoreie e acabem por fazê-los desaparecer. Às
vezes, basta cercar; outras vezes, é preciso plantar novamente e saber o que plantar.
As árvores e arbustos nativos encontrados nas mais diversas regiões do Estado de
São Paulo não são sempre os mesmos, há uma diversidade de acordo com o clima e
a topografia. Por este motivo, a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI/
SAA) e o Instito de Botânica (IBot/SMA) se uniram para lançar no ano de 2014 o Proje-
to Fitogeografia. Os dados coletados em vários trabalhos de pesquisa e levantamento
florístico das mais diversas regiões do Estado foram compilados e colocados à dispo-
sição do público. Agora, é possível saber o que plantar e onde, quais eram as árvores
nativas encontradas naquele local e recuperar não apenas com áreas plantadas, mas
recuperar de forma que essa mata se pareça o mais possível com a original e, por este
mesmo motivo, possam restaurar a flora e a fauna e conquistar o equilíbrio ecológico
perdido.
Cartilha_Agua_2017.indd 15 21/03/2017 14:04:01
16
	 Recuperar as nascentes, conservar o solo à montante, plantar árvores, respeitar as
Áreas de Proteção Ambiental, ter uma área destinada à Reserva Legal são ações que
começam nas áreas rurais, mas que atingem a sociedade como um todo. O produtor
rural continua com a missão de preencher o Cadastro Ambiental e Rural (CAR) para que
o Estado de São Paulo faça novos Planos de Recuperação Ambiental e juntos, sociedade
organizada e poder público, darão as bases para uma agricultura sustentável.
	 Plante mais. Colha mais. Viva melhor.
FITOGEOGRAFIA
http://mapas.cati.sp.gov.br/fitogeo
PREENCHA O CAR
www.sigam.ambiente.sp.gov.br
Cartilha_Agua_2017.indd 16 21/03/2017 14:04:01
17
ALGUMAS SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS QUE
REDUZEM O CONSUMO DE ÁGUA E PROTEGEM O SOLO
Várias tecnologias são utilizadas nas mais diversas culturas para reduzir o consumo
de água e proteger o solo. O Estado de São Paulo é um grande produtor de grãos, ole-
rícolas, frutíferas, citros, cana-de-acúcar, café, borracha (seringueiras), madeira (euca-
lipto), além de ter áreas com pastagens destinadas às bovinoculturas de corte e leite,
sendo necessário desenvolver soluções tecnológicas para as mais variadas situações.
As unidades ideais para planejamento das ações e execução de projetos e programas
são as bacias hidrográficas, onde propriedades rurais, Áreas de Preservação Permanente
(APPs), Reservas Legais (RL) e as infraestruturas (estradas rurais) se inserem. Para que
haja eficiência, é necessário atuar de forma integrada. Aqui foram reunidas algumas
soluções tecnológicas e inseridos projetos e programas executados pela Secretaria de
Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, visando ao combate à erosão e
à proteção dos recursos naturais.
Cartilha_Agua_2017.indd 17 21/03/2017 14:04:01
18
PLASTICULTURA (Cultivo em ambiente protegido)
	 O cultivo em ambiente protegido pode ser feito com estufas, telados ou túneis.
Além de proteger o ambiente, a plasticultura reúne outras tecnologias: o mulching,
que protege o solo e as plantas, e a irrigação por gotejamento, que coloca a água “ao
pé da planta”, ou seja, onde é preciso. Além disso e sobretudo, o ambiente protegido
evita a evapotranspiração. Reunindo todas estas tecnologias em uma só, a plasticultura
chega a reduzir em até 80% a quantidade de água utilizada na produção.
	 Outras vantagens são oferecidas pelo sistema, como maior qualidade das plantas,
produção entre safras e redução do uso de defensivos e adubos. As principais culturas
em ambiente protegido são as olerícolas, as flores e, também, algumas frutas como
tomate e melão.
HIDROPONIA
	 Esse sistema permite ao agricultor o cultivo de folhas sem o uso do solo, técnica
esta que chega a utilizar 10% do volume de água necessária quando comparada com o
sistema de aspersão. Para tanto, é necessária uma estrutura para sustentação da folha,
um reservatório para os nutrientes e um meio de contato entre as raízes e a solução
nutritiva. A hidroponia deve ficar em um ambiente protegido, como uma estufa.
Compare os sistemas:
•	 Cultivo convencional (campo aberto) - Sistema por aspersão, com duas irrigações
diárias e lâmina média em torno de 10mm/dia gasta 100.000 litros de água/dia;
•	 Cultivo com microaspersor - Em sistema de microaspesão/gotejamento o consumo,
com duas irrigações diárias, diminui pela metade: 50.000 litros de água/dia;
•	 Cultivo em hidroponia - Consumo médio de 200mL/pé, o que vezes 112.000 pés é
igual a 22.400 litros de água/dia. A diferença é portanto uma economia de 77.600
litros de água/dia.
Cartilha_Agua_2017.indd 18 21/03/2017 14:04:01
19
PLANTIO DIRETO NA PALHA (PDP)
	 O plantio direto na palha é um sistema de produção em que se evita a perturba-
ção do solo, mantendo sua superfície sempre recoberta por resíduos (palha) e/ou
vegetação.
	 Considerandoassuaspremissasbásicas,pode-seafirmarqueoPDPé,hoje,amelhor
tecnologia agrícola disponível, aplicável a praticamente todas as culturas comerciais,
inclusive a cana-de-açúcar e culturas perenes. É, também, a que mais se aproxima das
condições em que a natureza opera. Traz em sua essência a busca pelo equilíbrio do
ecossistema, possibillitando para a agricultura a autossustentação em termos econô-
micos, sociais e ambientais. Propicia a melhoria da infiltração e a retenção de água, a
oxigenação, a redução da amplitude térmica, a manutenção da umidade, a reciclagem
de nutrientes e a riqueza biológica. Remete, ainda, à redução de custos de mecanização
e mão de obra, ao menor consumo de combustíveis fósseis e a maior eficiência no uso
da água e dos insumos.
COBERTURA MORTA (Mulching)
	 A cobertura do solo com restos de culturas é uma das mais eficientes práticas de
controle de erosão. A cobertura morta, seja ela feita com palha, resíduos vegetais ou
filmes plásticos opacos de cor negra, contribui para a conservação da água, devendo
ser preconizada nas zonas de precipitações pouco abundantes. Além de diminuir a
temperatura do solo, o mulching reduz as perdas por evapotranspiração. No caso
específico de uso de filmes plásticos, ainda protege os frutos do contato com o solo.
Estima-se que a prática controla a erosão na porcentagem de 53% nas perdas do solo
e 57% nas perdas de água.
Cartilha_Agua_2017.indd 19 21/03/2017 14:04:01
20
REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA - ALGUNS EXEMPLOS
Várias outras práticas e tecnologias são utilizadas com o intuito de aumentar a
cobertura vegetal e a infiltração de água no solo como: adubação verde, rotação de
culturas, cultura em faixas, roçadas (ceifa do mato em culturas perenes, cortando as
ervas daninhas a uma pequena altura, deixando intactos os sistemas radiculares do
mato e das plantas perenes e uma pequena vegetação protetora de cobertura). Além
destas, a amostragem de solo, calagem, gessagem e adubação também contribuem
com o aumento da infiltração de água. São Paulo difundiu todas essas ações e elas se
expandiram por todo o Estado. Seguem alguns exemplos.
Em Socorro, cafeicultores estão usando o processo da “palhada” com o objetivo
de melhorar a fertilidade do solo e a retenção de água pela matéria orgânica, minimi-
zando o efeito da estiagem. Eles também estão utilizando a “roçada”, o que mantém
o solo coberto, reduzindo a sua temperatura e conservando a umidade do local. Em
Jaboticabal, esse manejo aplicado nas entrelinhas das culturas permanentes (frutífe-
ras) aumenta a umidade do solo, diminuindo a temperatura e usando uma quantidade
menor de água.
Cartilha_Agua_2017.indd 20 21/03/2017 14:04:02
21
•	 Coleta da água da chuva
	 Produtores de várias cidades já possuem cisternas de coleta de água da chuva e
fazem o reuso da água da pia e do chuveiro para a utilização em hortas e pomares
caseiros, como já faz um produtor na cidade de Registro. Em Eldorado, o maior viveiro
de mudas da região possui coleta e armazenamento de água da chuva das estufas para
uso na irrigação.
	 Outro exemplo de coleta de água na chuva fica no município de Guatapará. Um
produtor rural local coleta água da chuva nas calhas do telhado e direciona para um
tanque de piscicultura. Em Itapetininga, a captação de água da chuva que cai no telhado
irriga as plantas do viveiro instalado na Casa da Agricultura de São Miguel Arcanjo.
	 Na região de Holambra, produtores que utilizam estufas para produção de flores
fazem reuso e captação da água da chuva em tanques escavados. Em Ibiúna, a água da
chuva é armazenada por estufas, canalizadas e direcionadas para um tanque escavado
para armazenamento e posterior utilização na irrigação.
•	 Irrigação noturna
	 A irrigação noturna diminui a evaporação que ocorre em horários de sol intenso e
retira a água em um período de menor demanda da cidade. Agricultores de frutas e
olerícolas da região de Bauru e Jaboticabal já estão obtendo bons resultados na eco-
nomia de água.
•	 Uso de tensiômetros
	 Na região de Bauru e também em Mogi das Cruzes, produtores estão usando o
“tensiômetro”, aparelho responsável por medir a tensão da água retida pelo solo. Esse
equipamento é indicado para o manejo de irrigação nas hortaliças e promove o uso
racional da água, ou seja, só é utilizada a quantidade necessária pelo período necessário
à fase de cada cultura.
Cartilha_Agua_2017.indd 21 21/03/2017 14:04:02
22
•	 Sombreamento
	 O sombreamento é um método que consiste no uso de telas que protegem a plan-
tação da ação do sol, diminuindo o calor, e melhorando a exploração da fertilidade do
solo – retém a umidade. Alguns olericultores do cinturão verde de São Paulo, como
Mogi das Cruzes e Ibiúna, adotaram sistema de telas de sombreamento vermelha.
	 Em Campinas, produtores de hortaliças tiveram redução da evapotranspiração das
culturas e, consequentemente, fizeram um maior intervalo entre as regas.
•	 Reutilização da água
	 Na região de Jaú, com a instalalação de biodigestores, um produtor reutiliza toda
a água usada na suinocultura para a fertirrigação de sua área de citricultura. Já em
Brotas, a água da chuva está sendo usada para a criação de rãs e tilápias com uso de
plantas aquáticas (aguapé e estrelinha) para a filtração e a oxigenação da água.
	 Em Marília, um produtor de peixes desenvolveu um sistema de recria de tilápias com
a reutilização de água por técnicas de filtro biológico – filtragem por pedras, plantas
(raízes) e cacos de telhas. Em São Simão, produtores locais implataram um sistema de
produção intensiva de peixes utilizando recirculação e filtragem da água e apresenta-
ram bons resultados frente ao sistema tradicional, com aumento da produtividade. O
sistema caracteriza-se pela sustentabilidade, pois não existe lançamento de efluente
das águas dos tanques nos corpos d´água.
•	 Uso de quebra-ventos e faixas vegetadas
	 Olericultores de Mogi Mirim, principalmente de plantações orgânicas, estão utili-
zando quebra-vento e faixas vegetadas com capim cameroun, em cada gleba de plantio,
e conseguindo uma significativa redução da evapotranspiração da água.
Cartilha_Agua_2017.indd 22 21/03/2017 14:04:02
23
PROJETO INTEGRA SP
Lançado em 2013, o Projeto Integra SP prevê o desen-
volvimento e a transferência de tecnologias com o objetivo
de recuperar áreas agrícolas degradadas e promover a
adoção de sistemas integrados de produção agropecuária.
Contempla: controle de erosões; recuperação ou reforma
de pastagens; manejo racional de pastagens; uso de práti-
cas de Plantio Direto na Palha (PDP), Integração Lavoura-
-Pecuária (ILP) e Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF).
São várias as integrações e os arranjos possíveis, de acordo com o perfil da proprie-
dade e do produtor, mas com a certeza de um uso intensivo da área, revertendo em
maior renda ao produtor e um ganho ambiental que se refletirá em valorização das
terras e do homem.
Com linhas próprias de subvenção e financiamento é possível recuperar áreas de-
gradadas, corrigir o solo e implantar sistemas integrados de produção. O Integra SP vai
ao encontro das metas estabelecidas pelo Programa Estadual de Mudanças Climáticas,
que tem o compromisso de recuperar 20% das áreas com pastagens degradadas até
2020.
PROJETOS
• Recuperação de Áreas Degradadas por Grandes Erosões - Radge, que oferece
subvenção econômica de até R$ 15 mil por beneficiário, para utilização em ações
de correção do solo e controle de voçorocas;
Cartilha_Agua_2017.indd 23 21/03/2017 14:04:02
24
• Lavoura-Pecuária-Floresta, que financia desde o processo de adubação e cobertura
do solo até a implantação de sistemas integrados de produção, nas seguintes con-
dições: teto de financiamento de R$ 200 mil por produtor, com juros de 3% ao ano
e prazo de até 8 anos para pagamento, podendo ser estendido para até 12 anos
quando o projeto incluir o componente florestal.
INFORMAÇÕES
FEAP
Endereço:
Praça Ramos de Azevedo, 254
- 5° andar - Centro - São Paulo
(SP) - CEP: 01037-912
E-mail: fbanagro@sp.gov.br
Tel.: (11) 5067-0246
Fax: (11) 5067-0249
Cartilha_Agua_2017.indd 24 21/03/2017 14:04:03
25
PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA
UM EXEMPLO DE CIDADANIA
O Estado de São Paulo há alguns anos também aderiu ao
Projeto Produtor de Água e em especial, produtores rurais
da região bragantina, importante na produção de água da
bacia hidrográfica que engloba os rios Piracicaba-Capivari-
-Jundiaí (Sistema PCJ) e atende o Sistema Cantareira. Os
produtores de água plantaram matas ciliares, protegeram
nascentes, fizeram fossas sépticas, construíram bacias de contenção no alto dos mor-
ros e a água voltou a brotar em algumas nascentes, antes secas. O volume também
aumentou e os produtores passaram a receber por este serviço ambiental.
O sucesso do Programa, gestado pela Agência Nacional de Águas, apoiado pela
Secretaria de Agricultura e Abastecimento, via Casas da Agricultura envolvidas e pelo
Escritório Regional de Bragança Paulista (CATI Regional), deu exemplo a outros muni-
cípios e Guaratinguetá também iniciou o seu Projeto Produtor de Água, com grande
incentivo da Prefeitura de Guaratinguetá, da CATI Regional Guaratinguetá e, também,
da Casa da Agricultura local. No caso, beneficia outro importante rio, o Paraíba do Sul,
responsável pelo abastecimento dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.
Agora está sendo a vez da CATI Regional Presidente Prudente se inspirar nos projetos
levantados e também oferecer aos produtores rurais a possibilidade de se tornarem
produtores de água, um exemplo aos demais, uma demonstração de consciência am-
biental, de quem sabe que a água é um bem de todos, a ser preservado por todos, para
o uso de muitos. Esse produtor rural que destina seu tempo, sua área, seu espaço de
produção para tornar-se um produtor de água, dá seu exemplo de cidadania.
Cartilha_Agua_2017.indd 25 21/03/2017 14:04:04
26
PROGRAMA ESTADUAL DE
MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS
(2000 A 2008)
ALGUNS RESULTADOS
O Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas
(PEMH) foi um marco ambiental no Estado de São Paulo.
Fruto de empréstimo parcial concedido pelo Banco Mundial ao governo de São Paulo,
o PEMH foi estruturado em torno de três princípios básicos: sustentabilidade socio-
econômica e ambiental na microbacia (unidade física de intervenção do Programa),
participação e envolvimento da sociedade civil, descentralização e transparência nas
ações governamentais, e ofereceu uma série de benefícios individuais e coletivos para
o produtor rural.
O objetivo principal foi promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de
São Paulo, por meio da ampliação das oportunidades de ocupação, melhoria dos níveis
de renda, maior produtividade geral das unidades de produção, redução dos custos e
reorientação técnico-agronômica, visando ao aumento do bem-estar das populações
rurais, seja pela implantação de sistemas de produção agropecuária que garantissem
a sustentabilidade, seja pela recuperação das áreas degradadas e de preservação per-
manente, bem como a melhoria na qualidade e na quantidade das águas, com plena
participação e envolvimento dos beneficiários (produtores amparados pelo Programa)
e da sociedade.
A execução ficou a cargo da Secretaria de Agricultura e da Cordenadoria de Assi-
tênia Técnica Integral, e o PEMH viabilizou a recuperação de nascentes, adequação de
Cartilha_Agua_2017.indd 26 21/03/2017 14:04:04
27
estradas rurais, terraceamento, construção de poços artesianos, bacias de captações,
entre várias outras ações que mudaram a vida de milhares de famílias de agricultores
familiares que viviam ao redor de uma microbacia (unidade física de intervenção). Ficou
a cargo dos extensionistas da CATI a elaboração de Planos Individuais de Propriedade
(PIPs) que proporcionou ações integradas e, ao mesmo tempo, individuais considerando
cada propriedade inserida na microbacia.
	 Paralelamente, as associações foram fortalecidas e deram início à segunda fase de
um plano que, após dar o exemplo de recuperação ambiental e aumentar as possibili-
dades de alçançar maior produtividade em seus negócios de maneira sustentável che-
gou, em 2012, ao Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável (PDRS) - Microbacias
II - Acesso ao Mercado. O PEMH também foi precursor do Programa de Recuperação
de Áreas Degradadas e Desenvolvimento de Sistemas Integrados de Produção Agro-
pecuária - Integra SP.
	 Destacaram-se como resultados do Programa:
•	 518 municípios estabeleceram parceria com o governo do Estado para a implanta-
ção do PEMH;
•	 R$ 870 mil distribuídos para 170 associações de produtores formais, beneficiando
10.476 produtores, para financiar equipamentos de escritório e informática;
•	 SensibilizaçãoambientalcomoProjetoAprendendocomaNatureza,de2002a2008,
com 486 mil alunos envolvidos, 1.774 escolas, 8.760 professores e coordenadores
capacitados e 489 municípios envolvidos;
•	 790 agentes ambientais identificados e capacitados para apoiar o trabalho do técnico
na área ambiental e pela formação do grupo de educação ambiental;
•	 80 grupos de educação ambiental formados no âmbito dos municípios, propiciando
a implementação de numerosas ações locais em diversas áreas (coleta seletiva de
lixo, plantio de árvores, reciclagem, campanhas diversas);
Cartilha_Agua_2017.indd 27 21/03/2017 14:04:04
28
•	 R$ 159,5 milhões investidos em ações visando ao desenvolvimento rural sustentável,
dos quais R$ 135,5 milhões foram apoiados pelo Programa e R$ 24 milhões foram
investidos pelos agricultores;
•	 970 microbacias trabalhadas, envolvendo 69.997 produtores em 514 municípios,
abrangendo uma extensão de 3.310.312 hectares;
•	 1.646 quilômetros de trechos críticos de estradas rurais adequados, beneficiando
diretamente mais de 25 mil produtores;
•	 2.138 voçorocas controladas, beneficiando diretamente 1.494 produtores rurais;
•	 2.474 fossas sépticas biodigestoras modelo Embrapa construídas, beneficiando
diretamente 2.050 produtores;
•	 1.260 abastecedouros construídos, na forma de incentivos coletivos, beneficiando
diretamente 7.615 produtores com o fornecimento de água de boa qualidade;
•	 4.250.000 mudas de espécies nativas fornecidas;
•	 76.131 hectares trabalhados com a prática de terraceamento, beneficiando 4.967
produtores;
•	 1.541 hectares de sistemas de divisão de pastagens implantados, beneficiando 612
produtores;
•	 212 associações beneficiadas com a cessão, por meio de permissão de uso, de
semeadoras de plantio direto, beneficiando aproximadamente 12 mil produtores;
•	 5 mil hectares de áreas de preservação permanente recuperados e isolados com
cerca.
Maurício Perissinoto é engenheiro agrônomo responsável da Casa de Agricultura de Americana
E-mail: perissinoto@cati.sp.gov.br
Cartilha_Agua_2017.indd 28 21/03/2017 14:04:04
29
Cartilha_Agua_2017.indd 29 21/03/2017 14:04:04
30
PLANO DIRETOR: FERRAMENTA PARA O
CONTROLE DA EROSÃO RURAL
Planejar a ocupação ordenada da territorialidade é
tarefa das mais importantes para a correta gestão dos re-
cursos de um município, destacando-se aí o solo, insumo
primário de toda produção agropecuária. O levantamento
e a ordenação dos dados relativos ao meio físico rural são
ferramentas fundamentais para a gestão do meio rural, com enfoque na conservação
do solo e da água. A ferramenta proposta pode ser utilizada como modelo pelas pre-
feituras na laboração de projetos que integrem um Plano Diretor.
Dentre os maiores impactos do uso intensivo do solo, sem a correta utilização de
técnicas agronômicas voltadas às especificidades de cada região, destaca-se a erosão.
Entender como esse processo ocorre, em função de parâmetros inerentes de cada
localidade, é função básica para uma correta definição das políticas públicas voltadas
ao meio rural.
Por conta dessas premissas, em meados do ano de 2008, em reunião da Secretaria
Executiva do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Secofehidro), com a participação
de várias entidades com interesses no assunto, como Secretaria do Meio Ambiente
(SMA), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Companhia Ambiental do Estado de
São Paulo (Cetesb), Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sa-
besp), Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), universidades, dentre outras,
os técnicos da CATI tiveram a oportunidade de propor como norma para direcionar os
recursos a serem aplicados para o controle de erosão rural, seguir as diretrizes de um
Plano Diretor de Controle de Erosão Rural (PDCER), já que até essa ocasião a maior
parte dos recursos era destinada quase que exclusivamente para projetos de recupe-
ração de estradas não pavimentadas.
ferramentas fundamentais para a gestão do meio rural, com enfoque na conservação
Cartilha_Agua_2017.indd 30 21/03/2017 14:04:05
31
	 O Centro de Informações Agropecuárias (Ciagro/CATI) elaborou uma metodologia
para o PDCER, em um projeto piloto no município de Tatuí. A ação rendeu um docu-
mento com 93 páginas e 21 mapas detalhados (hipsometria e classes de declividades,
solos, dinâmica ambiental, uso atual, estradas, feições erosivas, Áreas de Preservação
Permanente (APP), geológico, susceptibilidade à erosão, classes de capacidade de uso,
utilização racional da terra, priorização das microbacias, dentre outros). Também fo-
ram oferecidos subsídios técnicos, embasados em critérios qualitativos e quantitativos
sobre o meio físico, como objetivo de possibilitar serem traçadas diretrizes para o uso
sustentável das terras agrícolas do município, direcionando e ponderando a liberação
de recursos para atender às demandas do meio rural de forma ordenada e racional.
	 O levantamento e a análise do meio físico, pelo uso de imagens e mapas, mostra-
ram-se de grande relevância para um diagnóstico preliminar da qualidade ambiental.
A combinação do conhecimento técnico e empírico dos profissionais da CATI, aliado
às visitas in loco e ao uso das ferramentas de geoprocessamento, comprovou ser útil
e compatível com um levantamento das características gerais da área do município,
possibilitando um olhar amplo e sistêmico para as diversas características inerentes da
área, bem como da ação antrópica sobre os recursos naturais.
	 O uso desse trabalho técnico permite o conhecimento profundo da realidade rural
da localidade, tendo por base a gestão em unidades de bacias hidrográficas, priorizadas
conforme metodologia criada para tal, orientando as ações a serem tomadas nas dife-
rentes porções do seu território e levando em conta as ponderações para a aplicação
de recursos de forma otimizada, favorecendo ainda o entendimento de problemas que
extrapolam os limites de um município, possibilitando a soma de esforços em benefício
da sociedade.
	 A ferramenta está disponível no site da CATI, em http://www.cati.sp.gov.br/portal/
produtos-e-servicos/publicacoes/acervo-tecnico
Cartilha_Agua_2017.indd 31 21/03/2017 14:04:05
32
PROJETO ÁGUA VIVA
Iniciativa para potencializar a produção de
água e garantir a sua qualidade nas bacias de
captação do Sistema Cantareira.
A Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA),
por meio da Coordenadoria de Assistência Integral (CATI), lançou, no fim de 2016, a
publicação “Projeto Água Viva” com o diagnóstico dos principais fatores relacionados
à erosão rural nas bacias de captação do Sistema Cantareira. O objetivo do trabalho,
farto em referenciais teóricos e técnicos, é propor soluções que eliminem ou atenuem
riscos, promovendo o aumento na oferta e na qualidade da água.
A crise de abastecimento de água é uma realidade brasileira e os seus efeitos po-
dem ser observados em diferentes regiões, embora o Brasil possua 8% de toda a água
doce existente no planeta. No Sistema Cantareira, o maior dos sistemas administrados
pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), esta crise foi
intensificada nos anos 2013 e 2014, com a ocorrência de um dos períodos mais secos
dos seus 80 anos de existência.
O Projeto Água Viva comprova que a crise de água não é consequência apenas
de fatores climáticos, mas concorrem com o seu agravamento o uso irracional dos
recursos hídricos. Mostra também, que é possível amenizar as consequências e, em
muitos casos, reverter as situações de crise, criando políticas e sobretudo consciência
ambiental sobre o uso deste indispensável recurso.
Cartilha_Agua_2017.indd 32 21/03/2017 14:04:05
33
Principais objetivos do Projeto Água Viva
•	Levantar o trajeto das estradas rurais na área abrangida pelas bacias formadoras do
Sistema Cantareira no Estado, bem como os trechos prioritários.
•	Identificar por meio de imagens aéreas, confirmadas pelo levantamento de campo,
as principais feições erosivas.
•	Geoespacializar e priorizar as Unidades de Produção Agropecuária (UPAs) na área
abrangida pelas bacias formadoras do Sistema Cantareira, levando em conta os fatores
de uso de irrigação e probabilidade de ocorrência de erosão.
•	Atualizar em escala local a hidrografia e as nascentes da área abrangida pelas bacias
formadoras do Sistema Cantareira.
•	Sugerir estratégias de trabalho, no âmbito da CATI, visando dirimir ou atenuar a erosão
do solo, bem como otimizar o uso da água de irrigação nas UPAs.
•	Fornecer elementos para a elaboração de Projetos de Recuperação Ambiental, visando
atender à legislação e a conformidade agroambiental.
•	Gerar mapas de suporte ao planejamento.
•	Para conhecer o Projeto Água Viva, acesse o link: http://www.cati.sp.gov.br/portal/
themes/unify/arquivos/produtos-e-servicos/acervo-tecnico/recursos_naturais/Pro-
jetoAguaVivaCATI2016.pdf
Cartilha_Agua_2017.indd 33 21/03/2017 14:04:05
34
ESTUDOS
A Pesquisa do Estado de São Paulo Trabalha
na Oferta de Alternativas Tecnológicas
A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta)
congrega todos os institutos de pesquisa ligados à Secreta-
ria de Agricultura e Abastecimento. Cada um em sua área
de atuação específica tem realizado vários estudos para
propor soluções tecnológicas, desenvolver cultivares resistentes, enfim, preservar os
recursos naturais: água e solo. A crise hídrica, enquanto cíclica, é apenas um dos fatores
determinantes destes estudos, o maior objetivo é produzir alimentos com o menor uso
de água, um bem escasso e limitado.
INFORMAÇÕES
www.apta.sp.gov.br
Cartilha_Agua_2017.indd 34 21/03/2017 14:04:05
35
Cartilha_Agua_2017.indd 35 21/03/2017 14:04:05
36
LITERATURA RECOMENDADA
CATI/SAA. Revista Casa da Agricultura, ano 16, n.o
4, out. a dez. 2013.
DRUGOWICH, M. I., coordenador, Manual Técnico, n.o
81. Boas Práticas em Conser-
vação do Solo e da Água. Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI/SAA),
Campinas, abril 2014.
Site: www.embrapa.br/agua-na-agricultura , em 25 de fevereiro de 2015.
Cartilha_Agua_2017.indd 36 21/03/2017 14:04:05
Cartilha_Agua_2017.indd 37 21/03/2017 14:04:06
Cartilha_Agua_2017.indd 38 21/03/2017 14:04:06

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agricultura No Contexto Das Mudancas Climáticas
Agricultura No Contexto Das Mudancas ClimáticasAgricultura No Contexto Das Mudancas Climáticas
Agricultura No Contexto Das Mudancas Climáticas
Agricultura Sao Paulo
 
Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2
Bruno Curcio
 
5 serie aula 01 - gabarito(2)17112011105513
5 serie   aula 01 - gabarito(2)171120111055135 serie   aula 01 - gabarito(2)17112011105513
5 serie aula 01 - gabarito(2)17112011105513
Secretaría de Educación Pública
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1
Amanda Vaz
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
Atividades Diversas Cláudia
 
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdfEnsino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
AlejandrinaDominguez2
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
Bruno Anacleto
 
EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"
EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"
EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"
Helena Aragão De Sá Martins
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
Murphy Cooper
 
Cultura do açaí.pptx
Cultura do açaí.pptxCultura do açaí.pptx
Cultura do açaí.pptx
JuliaMartins259947
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
Agricultura Sao Paulo
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
Margarida Santos
 
Aula Unidades de Conservação
Aula Unidades de ConservaçãoAula Unidades de Conservação
Aula Unidades de Conservação
Diego Igawa
 
Exercícios sobre a Água
Exercícios sobre a ÁguaExercícios sobre a Água
Exercícios sobre a Água
Tânia Regina
 
O extrativismo
O extrativismoO extrativismo
O extrativismo
flaviocosac
 
Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...
Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...
Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...
bio_fecli
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
unesp
 
Pegada ecológica
Pegada ecológicaPegada ecológica
Pegada ecológica
Neli Oliveira
 
Impacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambienteImpacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambiente
acrlessa
 
Modelo cabeçalho de avaliação escola ananias
Modelo cabeçalho de avaliação escola ananiasModelo cabeçalho de avaliação escola ananias
Modelo cabeçalho de avaliação escola ananias
ananiasdoamaral
 

Mais procurados (20)

Agricultura No Contexto Das Mudancas Climáticas
Agricultura No Contexto Das Mudancas ClimáticasAgricultura No Contexto Das Mudancas Climáticas
Agricultura No Contexto Das Mudancas Climáticas
 
Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2Exercícios mapas e escalas 2
Exercícios mapas e escalas 2
 
5 serie aula 01 - gabarito(2)17112011105513
5 serie   aula 01 - gabarito(2)171120111055135 serie   aula 01 - gabarito(2)17112011105513
5 serie aula 01 - gabarito(2)17112011105513
 
Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1Avaliação de ciências biomas 1
Avaliação de ciências biomas 1
 
Atividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileirosAtividades biomas brasileiros
Atividades biomas brasileiros
 
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdfEnsino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
Ensino Médio - Meio ambiente e Sustentabilidade - Aula 1.pdf
 
Agroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas MedicinaisAgroecologia - Plantas Medicinais
Agroecologia - Plantas Medicinais
 
EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"
EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"
EXERCÍCIOS DA APOSTILA "MATÉRIA E ENERGIA"
 
Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )Sistemas agroflorestal ( safs )
Sistemas agroflorestal ( safs )
 
Cultura do açaí.pptx
Cultura do açaí.pptxCultura do açaí.pptx
Cultura do açaí.pptx
 
Adubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio diretoAdubação verde e plantio direto
Adubação verde e plantio direto
 
Meio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpointMeio ambiente powerpoint
Meio ambiente powerpoint
 
Aula Unidades de Conservação
Aula Unidades de ConservaçãoAula Unidades de Conservação
Aula Unidades de Conservação
 
Exercícios sobre a Água
Exercícios sobre a ÁguaExercícios sobre a Água
Exercícios sobre a Água
 
O extrativismo
O extrativismoO extrativismo
O extrativismo
 
Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...
Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...
Plantas medicinais o conhecimento dos alunos do 7° ano do centro educacional ...
 
Controle biológico
Controle biológicoControle biológico
Controle biológico
 
Pegada ecológica
Pegada ecológicaPegada ecológica
Pegada ecológica
 
Impacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambienteImpacto da ação humana no meio ambiente
Impacto da ação humana no meio ambiente
 
Modelo cabeçalho de avaliação escola ananias
Modelo cabeçalho de avaliação escola ananiasModelo cabeçalho de avaliação escola ananias
Modelo cabeçalho de avaliação escola ananias
 

Semelhante a Uso racional da água na agricultura

Sistema de Automação da Irrigação do Plantio - Artigo
Sistema de Automação da Irrigação do Plantio - ArtigoSistema de Automação da Irrigação do Plantio - Artigo
Sistema de Automação da Irrigação do Plantio - Artigo
Diego Cavalca
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco  Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Cepagro
 
01 banheiro seco
01 banheiro seco01 banheiro seco
01 banheiro seco
Ricardo Lascane
 
Dia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da AlimentaçãoDia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da Alimentação
bibliotecaCMP
 
Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural
 
Sistema de captação e reutilização da água das chuvas
Sistema de captação e reutilização da água das chuvasSistema de captação e reutilização da água das chuvas
Sistema de captação e reutilização da água das chuvas
Wagner Costa Botelho
 
Carta compromisso de Bragança
Carta compromisso de BragançaCarta compromisso de Bragança
Carta compromisso de Bragança
boraplantar
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
Carlos Henrique Sousa
 
Plantio diretona palha x convencional
Plantio diretona palha x convencionalPlantio diretona palha x convencional
Plantio diretona palha x convencional
Brunna Fernandez
 
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio VermelhoRevista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Camping PAERVE
 
Informe Rural - 19/06/2013
 Informe Rural - 19/06/2013 Informe Rural - 19/06/2013
Informe Rural - 19/06/2013
Informe Rural
 
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Súlivan Bernardon
 
Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.
Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.
Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.
Feab Brasil
 
Bacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampe
Bacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampeBacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampe
Bacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampe
avisaassociacao
 
Guia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da União
Guia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da UniãoGuia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da União
Guia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da União
Ministério da Pesca e Aquicultura
 
Revista guanduconhecimento2
Revista guanduconhecimento2Revista guanduconhecimento2
Revista guanduconhecimento2
albertino fachin
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Unicesumar
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Unicesumar
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Unicesumar
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Unicesumar
 

Semelhante a Uso racional da água na agricultura (20)

Sistema de Automação da Irrigação do Plantio - Artigo
Sistema de Automação da Irrigação do Plantio - ArtigoSistema de Automação da Irrigação do Plantio - Artigo
Sistema de Automação da Irrigação do Plantio - Artigo
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco  Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
 
01 banheiro seco
01 banheiro seco01 banheiro seco
01 banheiro seco
 
Dia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da AlimentaçãoDia Mundial da Alimentação
Dia Mundial da Alimentação
 
Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014Informe Rural - 16/04/2014
Informe Rural - 16/04/2014
 
Sistema de captação e reutilização da água das chuvas
Sistema de captação e reutilização da água das chuvasSistema de captação e reutilização da água das chuvas
Sistema de captação e reutilização da água das chuvas
 
Carta compromisso de Bragança
Carta compromisso de BragançaCarta compromisso de Bragança
Carta compromisso de Bragança
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
 
Plantio diretona palha x convencional
Plantio diretona palha x convencionalPlantio diretona palha x convencional
Plantio diretona palha x convencional
 
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio VermelhoRevista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
Revista Gestão Agroecológica do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho
 
Informe Rural - 19/06/2013
 Informe Rural - 19/06/2013 Informe Rural - 19/06/2013
Informe Rural - 19/06/2013
 
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
Anexo i   cartilha nascentesprotegidasAnexo i   cartilha nascentesprotegidas
Anexo i cartilha nascentesprotegidas
 
Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.
Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.
Revista Agriculturas - Ensino da Agroecologia V7. N4. 2010.
 
Bacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampe
Bacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampeBacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampe
Bacia hidrografica gravatai_irrigacao_stampe
 
Guia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da União
Guia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da UniãoGuia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da União
Guia de Orientação para a Regularização da Aquicultura em Águas da União
 
Revista guanduconhecimento2
Revista guanduconhecimento2Revista guanduconhecimento2
Revista guanduconhecimento2
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
 
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
Falemos um pouco sobre o que é seguramente o recurso natural mais importante ...
 

Mais de Revista Cafeicultura

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Revista Cafeicultura
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
Revista Cafeicultura
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Revista Cafeicultura
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Revista Cafeicultura
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
Revista Cafeicultura
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Revista Cafeicultura
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Revista Cafeicultura
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Revista Cafeicultura
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Revista Cafeicultura
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Revista Cafeicultura
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Revista Cafeicultura
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Revista Cafeicultura
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Revista Cafeicultura
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Revista Cafeicultura
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Revista Cafeicultura
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
Revista Cafeicultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Revista Cafeicultura
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Revista Cafeicultura
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Revista Cafeicultura
 
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
Revista Cafeicultura
 

Mais de Revista Cafeicultura (20)

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
 
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca  Adubação no cafeeiro: Teorias...
Marcelo Jordão da Silva Filho – Procafé Franca Adubação no cafeeiro: Teorias...
 

Último

filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 

Uso racional da água na agricultura

  • 1. USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Cartilha_Agua_2017.indd 1 21/03/2017 14:03:58
  • 2. Governador do Estado Geraldo Alckmin Secretário de Agricultura e Abastecimento Arnaldo Jardim Secretário-Adjunto Rubens Naman Rizek Junior Chefe de Gabinete Omar Cassim Neto Coordenador/Assistência Técnica Integral João Brunelli Júnior Diretor/Departamento de Comunicação e Treinamento Ypujucan Caramuru Pinto Diretor/Departamento de Sementes, Mudas e Matrizes Ricardo Lorenzini Bastos Cartilha_Agua_2017.indd 2 21/03/2017 14:03:58
  • 3. USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Cartilha_Agua_2017.indd 3 21/03/2017 14:03:59
  • 4. Esta publicação é dirigida aos técnicos da CATI, produtores e/ou interessados. É permitida a reprodução parcial, desde que citada a fonte. A reprodução total depende de autorização expressa da CATI. EDIÇÃO E PUBLICAÇÃO Departamento de Comunicação e Treinamento – DCT Diretor: Ypujucan Caramuru Pinto Centro de Comunicação Rural – Cecor Diretora: Roberta Lage Editora Responsável: Graça D’Auria Revisor: Carlos Augusto de Matos Bernardo Revisão Bibliográfica: Nadir Umbelina da Silva Designer gráfico: Paulo Santiago Foto capa: Rodrigo Di Carlo DRUGOWICH, M. I.; M. G. D. P. M. D’AURIA, coordenadores e outros. A ÁGUA NA AGRICULTURA. Campinas, CATI 2017. 44p. ilus. 21cm (Cartilha) CDD 631.432 Cartilha_Agua_2017.indd 4 21/03/2017 14:03:59
  • 5. i SUMÁRIO CUIDANDO DO SOLO E DA ÁGUA..................................................................................1 AS QUESTÕES DO CLIMA...............................................................................................3 A AGRICULTURA NÃO É A GRANDE VILÃ.......................................................................6 POLÍTICAS PÚBLICAS – LINHAS DE CRÉDITO DISPONÍVEIS......................................... 13 PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES E ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE (APPs).................................................................................................. 15 ALGUMAS SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS QUE REDUZEM O CONSUMO DE ÁGUA E PROTEGEM O SOLO................................................................................................. 17 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA - ALGUNS EXEMPLOS......................................... 20 PROJETO INTEGRA SP................................................................................................. 23 PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA.................................................................................. 25 PROGRAMA ESTADUAL DE MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS (2000 a 2008)............... 26 PLANO DIRETOR: FERRAMENTA PARA O CONTROLE DA EROSÃO RURAL.................. 30 PROJETO ÁGUA VIVA.................................................................................................. 32 ESTUDOS.................................................................................................................... 34 LITERATURA RECOMENDADA..................................................................................... 36 Cartilha_Agua_2017.indd 1 21/03/2017 14:03:59
  • 7. iii SÃO PAULO ENFRENTA A CRISE E CRIA REFERÊNCIAS Apresentamos aqui diversas técnicas e tecnologias que já estão fazendo diferença e colaborando para uso racional dos recursos hídricos no campo. Recentes pesquisas realizadas por diversos insti- tutos ligados à Secretaria de Agricultura procuram mostrar com números e experimentos um novo caminho para o uso racional da água, esse bem tão precioso quanto finito. Estas alternativas e possibilidades para o futuro são motivadas pelo pensar o presente e com- preender que cuidar da água é também cuidar da Terra. Os novos tempos de mudanças climáticas que modificam a temperatura do solo impõem mais do que nunca um compromisso inexorável com o cuidado com o meio ambiente e a crise nos torna irremediavelmente questionadores da maneira pela qual utilizamos o nosso solo. Preservar e recuperar as nascentes dos nossos cursos d´água evita e combate desmatamentos e as perdas e erosões do solo, cuida, também, das nossas matas ciliares e de toda a vegetação que nos cerca para manter a riqueza da biodiversidade. O Estado de São Paulo está acostumado com grandes obstáculos – a formação do nosso povo foi constituída na arte de superar as muitas adversidades, coragem e trabalho. E esse histórico de superação é o que nos motiva a seguir adiante, segundo diretrizes do governador Geraldo Alckmin de que aqui a produção deve rimar com preservação, agricultura em harmonia com o meio ambiente. Seguiremos buscando inovações e disseminando boas práticas agrícolas para manter a nossa produ- ção, gerando emprego e renda para todos, deixando um legado para o Brasil e um planeta melhor para as futuras gerações. Arnaldo Jardim Secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo Cartilha_Agua_2017.indd 3 21/03/2017 14:03:59
  • 9. 1 CUIDANDO DO SOLO E DA ÁGUA É impossível falar de forma dissociada desses recursos naturais, pois estão vinculados e dependentes do bom uso de um (solo) para a fartura de outro (água). Por este motivo, para protegê-los e preservá-los, diversas recomen- dações são divulgadas pela extensão rural do Estado de São Paulo, executada pela Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI/SAA), mostrando que é possível produzir alimentos utilizando água sem desperdício - uso racional da água - tanto na produção vegetal quanto na criação animal. Algumas são soluções de fácil implantação, outras requerem técnicas mais avançadas, porém todas estão disponíveis e algumas, inclusive, com verbas específicas para implantação e outras, ainda, subsidiadas integral ou parcialmente pelo governo do Estado. Algumas práticas já são adotadas, outras começam a despontar neste momento de crise em que há uma busca e investimento em pesquisa para oferecer soluções tecnoló- gicas como captação da água da chuva, reuso, redução da evaporação, aprimoramento de sistemas de irrigação para aumentar a eficiência e otimizar o uso da água, como o uso de tensiômetros, a adoção do balanço hídrico, a implantação de irrigação noturna etc. Outras técnicas, como o terraceamento, a rotação e sucessão de culturas, o plantio direto na palha (PDP) e os sistemas integrados lavoura-pecuária-floresta (ILPF) não só são difundidos, mas incentivados junto aos produtores rurais aumentando ganho e eficiência no uso dos recursos naturais. As Boas Práticas Agropecuárias (BPA) vêm se juntar a essas práticas garantindo não só uso racional dos recursos naturais, mas a produção de alimentos saudáveis com o mínimo de recursos e a máxima produtividade. Cartilha_Agua_2017.indd 1 21/03/2017 14:03:59
  • 10. 2 Somando-se a estas ações, o governo do Estado de São Paulo está implementando o novo Código Florestal, o que é o início de um processo massivo de recomposição de Áreas de Preservação Permanente (APPs). O momento é de juntar esforços, fazer parcerias, estar ao lado do produtor rural, criar facilidades para que todos os produ- tores rurais do Estado de São Paulo preencham o Cadastro Ambiental Rural (CAR), um cadastro on-line que mapeará o Estado e é declaratório e obrigatório, já que o não preenchimento dificultará a obtenção de crédito e deixará o proprietário rural em de- sacordo com a legislação. A partir do CAR, começa um novo processo para a realização do Programa de Regularização Ambiental (PRA), com um prazo de até 20 anos para ser realizado. Todas estas ações têm um fim único, não só passar por essa crise hídrica, mas prepa- rar o Estado para a sustentabilidade, deixando às futuras gerações água em abundância e solo saudável para a produção de alimentos. A preocupação de hoje é a garantia de que falte água ou não, o Estado de São Paulo ultrapassará com competência as ques- tões climáticas, que são cíclicas, com oferta de soluções tecnológicas. Cartilha_Agua_2017.indd 2 21/03/2017 14:03:59
  • 11. 3 AS QUESTÕES DO CLIMA Monitoramento Meteorológico e a Sustentabilidade Hídrica no Estado de São Paulo Embora com características climáticas definidas, ou seja, verão chuvoso e inverno seco em quase todo o seu território, o Estado de São Paulo é muito afetado por ano- malias climáticas e adversidades meteorológicas, como seca, ou mesmo inundação e até extremos térmicos de altas temperaturas ou geadas. Esta alta variabilidade climática, que em muitos casos é cíclica, acentuou-se no pe- ríodo de 2013 a 2014, com baixos níveis de precipitação, ocasionando sérios problemas para o abastecimento humano e uso na agropecuária e na indústria. De acordo com as observações feitas pela pesquisa, o período chuvoso de outubro de 2013 a março 2014 foi o mais baixo em todo o Estado. As oscilações de precipitação são muito elevadas e, com esta grande variabilidade interanual de chuva, o monitoramento meteorológico das variáveis, como temperatura do ar e precipitação, é extremamente necessário. Cartilha_Agua_2017.indd 3 21/03/2017 14:04:00
  • 12. 4 Para atender a esta demanda, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA) possui uma rede de estações meteorológicas (www.ciiagro.org.br/ ema) e programas de sustento à analise climática e aos impactos na agricultura, como o Rede Data Clima e o Centro Integrado de Informações Agrometeorológicas (Ciiagro). Com base nestes programas, pode-se afirmar que a possibilidade de uma seca como a vivenciada no Estado até dezembro de 2014 era de um ano em 100. Ressalta-se, também, que esse trabalho tem estreita relação com a CATI, onde, por meio do site www.cati.sp.gov.br/rededataclima, os produtores rurais podem ter acesso direto às informações meteorológicas. As atividades agrícolas a que o Ciiagro procura dar suporte são: calendário agrícola, preparo do solo, aplicação de produtos químicos agrícolas, monitoramento de irriga- ção, datas de maturação e colheita, controle e manejo de pragas e doenças vegetais, transporte de produtos agrícolas, operações florestais tais como incêndios, geadas e outros fenômenos adversos, manejo agrícola e outras atividades correlatas. Desta maneira, enfatiza-se a necessidade de se manter um sistema de monitora- mento meteorológico dinâmico e constante, para dar sustentação às ações e políticas de Estado, de modo a reduzir os riscos relativos às adversidades meteorológicas e propiciar maiores chances de alcance na produção agrícola. Orivaldo Brunini é pesquisador científico do Instituto Agronômico (IAC), órgão vinculado à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta/SAA) E-mail: brunini@iac.sp.gov.br Cartilha_Agua_2017.indd 4 21/03/2017 14:04:00
  • 14. 6 A AGRICULTURA NÃO É A GRANDE VILÃ A Importância da Irrigação para um Consumo Racional da Água A água é o bem mais precioso disponível em nosso planeta e, portanto, insubstituível. Em tempos de escassez hídri- ca, muito se tem falado a respeito do desperdício deste recurso nos diversos setores (agropecuária, industrial e doméstico), e o que se vê é uma busca por culpados como se isso pudesse resolver o problema. Há de se entender as diferenças na finalidade do uso nestes três setores, e aqui enfocaremos no setor produtivo agropecuário. A agricultura no Brasil utiliza, em média, 70% do total de água consumida no País, principalmente na produção de arroz, feijão, hortaliças e frutas, todos produtos majoritariamente de consumo interno, com exceção das frutas que possuem mercado internacional significativo. Sendo assim, culpar a carne bovina ou a soja pela crise hídrica não parece, tec- nicamente, fazer sentido. Assim, vamos entender o uso agrícola da água e ver que a agricultura certamente não é uma grande vilã. Prática da Irrigação A irrigação tem-se tornado uma prática cada vez mais importante no cultivo de vegetais, visto a distribuição das chuvas estar se tornando cada vez mais irregular e concentrada em poucos meses, bem como o acontecimento de anos com baixos índices Cartilha_Agua_2017.indd 6 21/03/2017 14:04:00
  • 15. 7 de pluviosidade se tornado cada vez mais frequente, dificultando o planejamento agrí- cola. Vale destacar que a agricultura realmente “utiliza-se” de 70% do total de água consumida no Brasil, mas é importante conceituarmos essa utilização. Considerando para fins de exemplo, a cultura da soja, na qual retira-se o grão com teor de umidade em torno de 13%, e ainda, considerando uma produtividade média de 3.000kg/ha, te- remos a exportação de 390 litros de água daquela propriedade (e nesse caso podemos entender como exportação da água a retirada da mesma daquela bacia hidrográfica) ante 4.500.000 litros que são utilizados pela cultura durante todo o seu ciclo. Isso sig- nifica que apenas 0,01% de toda a água utilizada pelo vegetal durante seu ciclo será exportada da bacia hidrográfica. E o restante da água, onde foi parar? A água no sistema agrícola apresenta-se num ciclo fechado, conforme a figura 1 que representa as entradas (verde) e saídas (vermelho). Analisandoociclodaágua(figura1),pode-seafirmarqueaáguaéinseridanosistema agrícola por meio de chuvas ou irrigações (entrada), enquanto as saídas são inúmeras. As três mais importantes são: a evaporação direta da água do solo à atmosfera; a per- colação, que é o movimento da água das camadas superficiais às camadas profundas, reabastecendo o lençol freático; e a transpiração, que representa a parcela da água absorvida pela planta e enviada à atmosfera na forma de vapor através de estruturas em suas folhas denominadas estômatos. À soma da evaporação e transpiração, dá-se o nome de evapotranspiração, que num ciclo fechado deverá atingir a atmosfera, con- densar e retornar ao sistema na forma de chuvas, pois, segundo Antoine Laurent de Lavoisier - considerado o pai da Química moderna - ainda no século XVIII, “na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”. Portanto, tem-se que o sistema de exploração agrícola é apenas uma das etapas do ciclo da água na Terra, permitindo, inclusive, melhorar a qualidade da água, já que o solo e a planta funcionam como filtros naturais. Cartilha_Agua_2017.indd 7 21/03/2017 14:04:00
  • 16. 8 Figura 1 - Ciclo da água no sistema agrícola, com ênfase nas entradas (setas verdes) e saídas (setas vermelhas) do sistema. Cartilha_Agua_2017.indd 8 21/03/2017 14:04:00
  • 17. 9 Na irrigação, quatro fatores devem ser considerados para compreendermos como poderá se dar a otimização do uso da água na agropecuária. 1. Tipo de sistema de irrigação adotado - sabe-se que os diferentes sistemas de irri- gação possuem diferentes eficiências de aplicação de água no solo, conforme segue na tabela 1: Tabela 1 - Eficiência de irrigação de acordo com o sistema de irrigação adotado. Tipo de sistema Eficiência de Aplicação Irrigação superficial (sulcos e inundação) 50-60% Irrigação por aspersão (convencional, pivô central, autopropelido) 65-80% Irrigação localizada (gotejamento e microaspersão) 90-95% Na adoção do sistema de irrigação, a eficiência de aplicação é uma das variáveis que deve ser analisada, porém outras questões como culturas a serem irrigadas, sistema de cultivo, custo de implantação e operação do sistema também devem integrar a solução do problema. Nota-se pela tabela acima que a economia de água pode ser de 5 a 50% em função do sistema de irrigação adotado, contudo vale ressaltar que a troca de um modelo de sistema de irrigação representa um custo bastante significativo ao produtor. 2. Tratos culturais praticados - algumas práticas culturais podem ser realizadas pelos produtores, a fim de reduzir a necessidade de água a ser aplicada na cultura para manter o patamar produtivo. A cobertura do solo, seja com cobertura morta vegetal (palhada do plantio direto), ou com materiais sintéticos para tal finalidade, como o mulching no cultivo de hortaliças, por cobrirem o solo e diminuírem a incidência de plantas invasoras, que também demandam água e nutrientes, irá interferir diretamente na redução da Cartilha_Agua_2017.indd 9 21/03/2017 14:04:00
  • 18. 10 evaporação da água do solo, mantendo a umidade do mesmo e, consequentemente, reduzir a necessidade de reposição desta água via irrigação. O desenvolvimento de novas variedades que demandem menor quantidade de água ou capazes de utilizá-la com maior eficiência também deve ser buscado, visto os conflitos que têm se mostrado cada vez mais frequentes entre os setores. 3. Projeto de irrigação e manutenção do sistema - contratação de profissionais capa- citados para elaborar um projeto de irrigação é o primeiro passo para o sucesso desta ferramenta; realizar as manutenções necessárias, consertando vazamentos, regulando o sistema e fazendo as manutenções nos sistemas de motobomba irão resultar no desempenho máximo do sistema de irrigação e, consequentemente, na otimização da eficiência de aplicação de água na agricultura. 4. Manejo da irrigação - este é o principal mecanismo de otimização do uso da água na agricultura. Responder as perguntas QUANDO e QUANTO irrigar com precisão é fundamental para utilizar de forma consciente e eficiente esse insumo, essencial para manter o Brasil como uma potência agrícola. Infelizmente, esse é o grande gargalo da irrigação brasileira, pois a maioria expressiva dos irrigantes, mesmo possuidores de sistemas de irrigação modernos, não detém um eficiente programa de manejo da irrigação em suas lavouras. Um sistema que fique ligado por um tempo menor do que o necessário ou que tenha sido ligado em momentos inoportunos acarretarão redução no potencial produtivo das culturas. Caso o mesmo seja ligado por mais tempo que o necessário, além dos gastos excessivos com energia elétrica e água, o mau manejo da irrigação poderá carrear nutrientes (principalmente nitratos e fosfatos) e fórmulas químicas de defensivos agrícolas ao lençol freático, além de ocasionar o escoamento superficial e, consequentemente, o carreamento de solo aos cursos hídricos, repre- sentando danos ambientais. Cartilha_Agua_2017.indd 10 21/03/2017 14:04:00
  • 19. 11 Sendo assim, pode-se concluir que para que se tenha a otimização do recurso hí- drico utilizado em favor da agricultura, uma soma de medidas deve ser adotada para aumentar a eficiência no uso da água para que os conflitos pelo recurso hídrico, como o que vem sendo visto atualmente, deixem de existir e cada setor possa utilizá-lo de maneira consciente e sustentável. Prática Recomendação Por quê? Tipo de sistema de irrigação Irrigação Localizada Priorizar sistemas de irrigação que apre- sentem elevada eficiência na aplicação de água, reduzindo o volume total aplicado na cultura. Tratos culturais Manutenção da cobertura do solo Além de reduzir o risco de processos erosivos, a manutenção da cobertura do solo reduzirá a evaporação direta da água do solo à atmosfera, reduzindo a necessi- dade de reposição da água via irrigação. Assistência especializada Buscar profissionais ca- pacitados não só para planejar o sistema, como também auxiliar no ma- nejo da irrigação A chave para o sucesso técnico, econô- mico e ambiental de uma propriedade irrigada passa pelo conhecimento de pro- fissionais habilitados e capacitados para o assunto, que poderão indicar o melhor sistema a ser utilizado pelo produtor, as limitações, o momento correto e a quan- tidade ideal de água a ser aplicada. continua.... Cartilha_Agua_2017.indd 11 21/03/2017 14:04:00
  • 20. 12 Prática Recomendação Por quê? Manejo da irrigação Utilizar ferramentas (ten- siômetro, curva de re- tenção de água do solo, balanço hídrico etc.) para o manejo da irrigação A determinação correta do QUANDO e QUANTO irrigar é o passo mais importan- te na busca pela otimização da eficiência do uso da água. Nesse sentido, utilizar ferramentas como o tensiômetro aliado à curva de retenção de água do solo para definição do momento correto de aplica- ção e da lâmina aplicada, ou a coleta de informações meteorológicas e posterior estimativa da demanda hídrica da cultura são fatores primordiais para elevar a efi- ciência do sistema de irrigação. Júlio Cesar Thoaldo Romeiro é engenheiro agrônomo e diretor da CATI Regional Botucatu. E-mail: julio.romeiro@cati.sp.gov.br continuação. Cartilha_Agua_2017.indd 12 21/03/2017 14:04:01
  • 21. 13 POLÍTICAS PÚBLICAS LINHAS DE CRÉDITO DISPONÍVEIS Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista Banco do Agronegócio Familiar (Feap/Banagro) Criado pelo governo paulista, o Feap/Banagro oferece apoio financeiro aos produtores rurais paulistas, disponi- bilizando linhas de crédito rural, entre elas a Linha Agricultura Irrigada, com juros de 3% ao ano, subvenção em programas e projetos instituídos pelo governo do Estado, acesso ao seguro rural e demais ações pertinentes à Secretaria de Agricultura e Abas- tecimento do Estado de São Paulo. Beneficiários • Produtores rurais, pessoa física, com renda agropecuária anual de até R$ 800.000,00, que deverá representar, no mínimo, 50% do total de sua renda bruta anual. • Produtores rurais, pessoas jurídicas, com renda bruta anual de até R$ 2.400.000,00. • Associações de produtores rurais, com renda bruta anual de até R$ 4.800.000,00. • Cooperativas de produtores rurais, com renda bruta anual de até R$ 4.800.000,00. Itens financiáveis • Construção de poços artesianos ou semiartesianos, incluindo os respectivos equi- pamentos de sucção e/ou bombeamento, destinados à atividade agrossilvipastoril. • Aquisição e/ou modernização de equipamentos de irrigação para fins agrossilvipas- toris, contemplando todos os demais itens e acessórios necessários à viabilização Cartilha_Agua_2017.indd 13 21/03/2017 14:04:01
  • 22. 14 do projeto técnico, que garantam maior eficiência no uso dos recursos hídricos. Os equipamentos, itens e acessórios deverão ser novos e de fabricação nacional, salvo quando não houver produto similar brasileiro. Observação: as despesas com os procedimentos de outorga d’água, georreferencia- mento e processo de licenciamento ambiental poderão ser incluídas no valor do finan- ciamento, desde que relacionadas ao investimento proposto. Teto de financiamento • até R$ 200.000,00, para a construção isolada de poços artesianos ou semiartesianos. • até R$ 500.000,00, para a aquisição e/ou modernização de equipamentos de irri- gação. Prazo de pagamento: até oito anos, inclusa a carência de até três anos. Abrangência: todo o Estado de São Paulo. Saiba mais sobre as linhas de financiamentos no site: www.agricultura.sp.gov.br Alexandre Grassi é engenheiro agrônomo da Assessoria técnica do coordenador da CATI. E-mail: amgrassi@cati.sp.gov.br Cartilha_Agua_2017.indd 14 21/03/2017 14:04:01
  • 23. 15 PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES E ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE (APPS) Uma das formas mais eficientes de recuperar a água é proteger as nascentes, elas são fonte de vida. É preciso que estejam protegidas do pisoteio dos animais e da ação do homem para que possam brotar e encher de água pura os córregos,riachoserios. Alémdisso,umsolocobertoporvegetaçãofavoreceainfiltração da água alimentando os lençóis freáticos subterrâneos, grandes reservatórios de água doce. As Secretarias de Agricultura e Abastecimento e do Meio Ambiente incentivam a proteção e recuperação das matas ciliares, aquelas que ficam ao longo dos cursos d’água e impedem que a erosão os assoreie e acabem por fazê-los desaparecer. Às vezes, basta cercar; outras vezes, é preciso plantar novamente e saber o que plantar. As árvores e arbustos nativos encontrados nas mais diversas regiões do Estado de São Paulo não são sempre os mesmos, há uma diversidade de acordo com o clima e a topografia. Por este motivo, a Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI/ SAA) e o Instito de Botânica (IBot/SMA) se uniram para lançar no ano de 2014 o Proje- to Fitogeografia. Os dados coletados em vários trabalhos de pesquisa e levantamento florístico das mais diversas regiões do Estado foram compilados e colocados à dispo- sição do público. Agora, é possível saber o que plantar e onde, quais eram as árvores nativas encontradas naquele local e recuperar não apenas com áreas plantadas, mas recuperar de forma que essa mata se pareça o mais possível com a original e, por este mesmo motivo, possam restaurar a flora e a fauna e conquistar o equilíbrio ecológico perdido. Cartilha_Agua_2017.indd 15 21/03/2017 14:04:01
  • 24. 16 Recuperar as nascentes, conservar o solo à montante, plantar árvores, respeitar as Áreas de Proteção Ambiental, ter uma área destinada à Reserva Legal são ações que começam nas áreas rurais, mas que atingem a sociedade como um todo. O produtor rural continua com a missão de preencher o Cadastro Ambiental e Rural (CAR) para que o Estado de São Paulo faça novos Planos de Recuperação Ambiental e juntos, sociedade organizada e poder público, darão as bases para uma agricultura sustentável. Plante mais. Colha mais. Viva melhor. FITOGEOGRAFIA http://mapas.cati.sp.gov.br/fitogeo PREENCHA O CAR www.sigam.ambiente.sp.gov.br Cartilha_Agua_2017.indd 16 21/03/2017 14:04:01
  • 25. 17 ALGUMAS SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS QUE REDUZEM O CONSUMO DE ÁGUA E PROTEGEM O SOLO Várias tecnologias são utilizadas nas mais diversas culturas para reduzir o consumo de água e proteger o solo. O Estado de São Paulo é um grande produtor de grãos, ole- rícolas, frutíferas, citros, cana-de-acúcar, café, borracha (seringueiras), madeira (euca- lipto), além de ter áreas com pastagens destinadas às bovinoculturas de corte e leite, sendo necessário desenvolver soluções tecnológicas para as mais variadas situações. As unidades ideais para planejamento das ações e execução de projetos e programas são as bacias hidrográficas, onde propriedades rurais, Áreas de Preservação Permanente (APPs), Reservas Legais (RL) e as infraestruturas (estradas rurais) se inserem. Para que haja eficiência, é necessário atuar de forma integrada. Aqui foram reunidas algumas soluções tecnológicas e inseridos projetos e programas executados pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, visando ao combate à erosão e à proteção dos recursos naturais. Cartilha_Agua_2017.indd 17 21/03/2017 14:04:01
  • 26. 18 PLASTICULTURA (Cultivo em ambiente protegido) O cultivo em ambiente protegido pode ser feito com estufas, telados ou túneis. Além de proteger o ambiente, a plasticultura reúne outras tecnologias: o mulching, que protege o solo e as plantas, e a irrigação por gotejamento, que coloca a água “ao pé da planta”, ou seja, onde é preciso. Além disso e sobretudo, o ambiente protegido evita a evapotranspiração. Reunindo todas estas tecnologias em uma só, a plasticultura chega a reduzir em até 80% a quantidade de água utilizada na produção. Outras vantagens são oferecidas pelo sistema, como maior qualidade das plantas, produção entre safras e redução do uso de defensivos e adubos. As principais culturas em ambiente protegido são as olerícolas, as flores e, também, algumas frutas como tomate e melão. HIDROPONIA Esse sistema permite ao agricultor o cultivo de folhas sem o uso do solo, técnica esta que chega a utilizar 10% do volume de água necessária quando comparada com o sistema de aspersão. Para tanto, é necessária uma estrutura para sustentação da folha, um reservatório para os nutrientes e um meio de contato entre as raízes e a solução nutritiva. A hidroponia deve ficar em um ambiente protegido, como uma estufa. Compare os sistemas: • Cultivo convencional (campo aberto) - Sistema por aspersão, com duas irrigações diárias e lâmina média em torno de 10mm/dia gasta 100.000 litros de água/dia; • Cultivo com microaspersor - Em sistema de microaspesão/gotejamento o consumo, com duas irrigações diárias, diminui pela metade: 50.000 litros de água/dia; • Cultivo em hidroponia - Consumo médio de 200mL/pé, o que vezes 112.000 pés é igual a 22.400 litros de água/dia. A diferença é portanto uma economia de 77.600 litros de água/dia. Cartilha_Agua_2017.indd 18 21/03/2017 14:04:01
  • 27. 19 PLANTIO DIRETO NA PALHA (PDP) O plantio direto na palha é um sistema de produção em que se evita a perturba- ção do solo, mantendo sua superfície sempre recoberta por resíduos (palha) e/ou vegetação. Considerandoassuaspremissasbásicas,pode-seafirmarqueoPDPé,hoje,amelhor tecnologia agrícola disponível, aplicável a praticamente todas as culturas comerciais, inclusive a cana-de-açúcar e culturas perenes. É, também, a que mais se aproxima das condições em que a natureza opera. Traz em sua essência a busca pelo equilíbrio do ecossistema, possibillitando para a agricultura a autossustentação em termos econô- micos, sociais e ambientais. Propicia a melhoria da infiltração e a retenção de água, a oxigenação, a redução da amplitude térmica, a manutenção da umidade, a reciclagem de nutrientes e a riqueza biológica. Remete, ainda, à redução de custos de mecanização e mão de obra, ao menor consumo de combustíveis fósseis e a maior eficiência no uso da água e dos insumos. COBERTURA MORTA (Mulching) A cobertura do solo com restos de culturas é uma das mais eficientes práticas de controle de erosão. A cobertura morta, seja ela feita com palha, resíduos vegetais ou filmes plásticos opacos de cor negra, contribui para a conservação da água, devendo ser preconizada nas zonas de precipitações pouco abundantes. Além de diminuir a temperatura do solo, o mulching reduz as perdas por evapotranspiração. No caso específico de uso de filmes plásticos, ainda protege os frutos do contato com o solo. Estima-se que a prática controla a erosão na porcentagem de 53% nas perdas do solo e 57% nas perdas de água. Cartilha_Agua_2017.indd 19 21/03/2017 14:04:01
  • 28. 20 REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA - ALGUNS EXEMPLOS Várias outras práticas e tecnologias são utilizadas com o intuito de aumentar a cobertura vegetal e a infiltração de água no solo como: adubação verde, rotação de culturas, cultura em faixas, roçadas (ceifa do mato em culturas perenes, cortando as ervas daninhas a uma pequena altura, deixando intactos os sistemas radiculares do mato e das plantas perenes e uma pequena vegetação protetora de cobertura). Além destas, a amostragem de solo, calagem, gessagem e adubação também contribuem com o aumento da infiltração de água. São Paulo difundiu todas essas ações e elas se expandiram por todo o Estado. Seguem alguns exemplos. Em Socorro, cafeicultores estão usando o processo da “palhada” com o objetivo de melhorar a fertilidade do solo e a retenção de água pela matéria orgânica, minimi- zando o efeito da estiagem. Eles também estão utilizando a “roçada”, o que mantém o solo coberto, reduzindo a sua temperatura e conservando a umidade do local. Em Jaboticabal, esse manejo aplicado nas entrelinhas das culturas permanentes (frutífe- ras) aumenta a umidade do solo, diminuindo a temperatura e usando uma quantidade menor de água. Cartilha_Agua_2017.indd 20 21/03/2017 14:04:02
  • 29. 21 • Coleta da água da chuva Produtores de várias cidades já possuem cisternas de coleta de água da chuva e fazem o reuso da água da pia e do chuveiro para a utilização em hortas e pomares caseiros, como já faz um produtor na cidade de Registro. Em Eldorado, o maior viveiro de mudas da região possui coleta e armazenamento de água da chuva das estufas para uso na irrigação. Outro exemplo de coleta de água na chuva fica no município de Guatapará. Um produtor rural local coleta água da chuva nas calhas do telhado e direciona para um tanque de piscicultura. Em Itapetininga, a captação de água da chuva que cai no telhado irriga as plantas do viveiro instalado na Casa da Agricultura de São Miguel Arcanjo. Na região de Holambra, produtores que utilizam estufas para produção de flores fazem reuso e captação da água da chuva em tanques escavados. Em Ibiúna, a água da chuva é armazenada por estufas, canalizadas e direcionadas para um tanque escavado para armazenamento e posterior utilização na irrigação. • Irrigação noturna A irrigação noturna diminui a evaporação que ocorre em horários de sol intenso e retira a água em um período de menor demanda da cidade. Agricultores de frutas e olerícolas da região de Bauru e Jaboticabal já estão obtendo bons resultados na eco- nomia de água. • Uso de tensiômetros Na região de Bauru e também em Mogi das Cruzes, produtores estão usando o “tensiômetro”, aparelho responsável por medir a tensão da água retida pelo solo. Esse equipamento é indicado para o manejo de irrigação nas hortaliças e promove o uso racional da água, ou seja, só é utilizada a quantidade necessária pelo período necessário à fase de cada cultura. Cartilha_Agua_2017.indd 21 21/03/2017 14:04:02
  • 30. 22 • Sombreamento O sombreamento é um método que consiste no uso de telas que protegem a plan- tação da ação do sol, diminuindo o calor, e melhorando a exploração da fertilidade do solo – retém a umidade. Alguns olericultores do cinturão verde de São Paulo, como Mogi das Cruzes e Ibiúna, adotaram sistema de telas de sombreamento vermelha. Em Campinas, produtores de hortaliças tiveram redução da evapotranspiração das culturas e, consequentemente, fizeram um maior intervalo entre as regas. • Reutilização da água Na região de Jaú, com a instalalação de biodigestores, um produtor reutiliza toda a água usada na suinocultura para a fertirrigação de sua área de citricultura. Já em Brotas, a água da chuva está sendo usada para a criação de rãs e tilápias com uso de plantas aquáticas (aguapé e estrelinha) para a filtração e a oxigenação da água. Em Marília, um produtor de peixes desenvolveu um sistema de recria de tilápias com a reutilização de água por técnicas de filtro biológico – filtragem por pedras, plantas (raízes) e cacos de telhas. Em São Simão, produtores locais implataram um sistema de produção intensiva de peixes utilizando recirculação e filtragem da água e apresenta- ram bons resultados frente ao sistema tradicional, com aumento da produtividade. O sistema caracteriza-se pela sustentabilidade, pois não existe lançamento de efluente das águas dos tanques nos corpos d´água. • Uso de quebra-ventos e faixas vegetadas Olericultores de Mogi Mirim, principalmente de plantações orgânicas, estão utili- zando quebra-vento e faixas vegetadas com capim cameroun, em cada gleba de plantio, e conseguindo uma significativa redução da evapotranspiração da água. Cartilha_Agua_2017.indd 22 21/03/2017 14:04:02
  • 31. 23 PROJETO INTEGRA SP Lançado em 2013, o Projeto Integra SP prevê o desen- volvimento e a transferência de tecnologias com o objetivo de recuperar áreas agrícolas degradadas e promover a adoção de sistemas integrados de produção agropecuária. Contempla: controle de erosões; recuperação ou reforma de pastagens; manejo racional de pastagens; uso de práti- cas de Plantio Direto na Palha (PDP), Integração Lavoura- -Pecuária (ILP) e Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). São várias as integrações e os arranjos possíveis, de acordo com o perfil da proprie- dade e do produtor, mas com a certeza de um uso intensivo da área, revertendo em maior renda ao produtor e um ganho ambiental que se refletirá em valorização das terras e do homem. Com linhas próprias de subvenção e financiamento é possível recuperar áreas de- gradadas, corrigir o solo e implantar sistemas integrados de produção. O Integra SP vai ao encontro das metas estabelecidas pelo Programa Estadual de Mudanças Climáticas, que tem o compromisso de recuperar 20% das áreas com pastagens degradadas até 2020. PROJETOS • Recuperação de Áreas Degradadas por Grandes Erosões - Radge, que oferece subvenção econômica de até R$ 15 mil por beneficiário, para utilização em ações de correção do solo e controle de voçorocas; Cartilha_Agua_2017.indd 23 21/03/2017 14:04:02
  • 32. 24 • Lavoura-Pecuária-Floresta, que financia desde o processo de adubação e cobertura do solo até a implantação de sistemas integrados de produção, nas seguintes con- dições: teto de financiamento de R$ 200 mil por produtor, com juros de 3% ao ano e prazo de até 8 anos para pagamento, podendo ser estendido para até 12 anos quando o projeto incluir o componente florestal. INFORMAÇÕES FEAP Endereço: Praça Ramos de Azevedo, 254 - 5° andar - Centro - São Paulo (SP) - CEP: 01037-912 E-mail: fbanagro@sp.gov.br Tel.: (11) 5067-0246 Fax: (11) 5067-0249 Cartilha_Agua_2017.indd 24 21/03/2017 14:04:03
  • 33. 25 PROJETO PRODUTOR DE ÁGUA UM EXEMPLO DE CIDADANIA O Estado de São Paulo há alguns anos também aderiu ao Projeto Produtor de Água e em especial, produtores rurais da região bragantina, importante na produção de água da bacia hidrográfica que engloba os rios Piracicaba-Capivari- -Jundiaí (Sistema PCJ) e atende o Sistema Cantareira. Os produtores de água plantaram matas ciliares, protegeram nascentes, fizeram fossas sépticas, construíram bacias de contenção no alto dos mor- ros e a água voltou a brotar em algumas nascentes, antes secas. O volume também aumentou e os produtores passaram a receber por este serviço ambiental. O sucesso do Programa, gestado pela Agência Nacional de Águas, apoiado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento, via Casas da Agricultura envolvidas e pelo Escritório Regional de Bragança Paulista (CATI Regional), deu exemplo a outros muni- cípios e Guaratinguetá também iniciou o seu Projeto Produtor de Água, com grande incentivo da Prefeitura de Guaratinguetá, da CATI Regional Guaratinguetá e, também, da Casa da Agricultura local. No caso, beneficia outro importante rio, o Paraíba do Sul, responsável pelo abastecimento dos Estados de São Paulo e do Rio de Janeiro. Agora está sendo a vez da CATI Regional Presidente Prudente se inspirar nos projetos levantados e também oferecer aos produtores rurais a possibilidade de se tornarem produtores de água, um exemplo aos demais, uma demonstração de consciência am- biental, de quem sabe que a água é um bem de todos, a ser preservado por todos, para o uso de muitos. Esse produtor rural que destina seu tempo, sua área, seu espaço de produção para tornar-se um produtor de água, dá seu exemplo de cidadania. Cartilha_Agua_2017.indd 25 21/03/2017 14:04:04
  • 34. 26 PROGRAMA ESTADUAL DE MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS (2000 A 2008) ALGUNS RESULTADOS O Programa Estadual de Microbacias Hidrográficas (PEMH) foi um marco ambiental no Estado de São Paulo. Fruto de empréstimo parcial concedido pelo Banco Mundial ao governo de São Paulo, o PEMH foi estruturado em torno de três princípios básicos: sustentabilidade socio- econômica e ambiental na microbacia (unidade física de intervenção do Programa), participação e envolvimento da sociedade civil, descentralização e transparência nas ações governamentais, e ofereceu uma série de benefícios individuais e coletivos para o produtor rural. O objetivo principal foi promover o desenvolvimento rural sustentável no Estado de São Paulo, por meio da ampliação das oportunidades de ocupação, melhoria dos níveis de renda, maior produtividade geral das unidades de produção, redução dos custos e reorientação técnico-agronômica, visando ao aumento do bem-estar das populações rurais, seja pela implantação de sistemas de produção agropecuária que garantissem a sustentabilidade, seja pela recuperação das áreas degradadas e de preservação per- manente, bem como a melhoria na qualidade e na quantidade das águas, com plena participação e envolvimento dos beneficiários (produtores amparados pelo Programa) e da sociedade. A execução ficou a cargo da Secretaria de Agricultura e da Cordenadoria de Assi- tênia Técnica Integral, e o PEMH viabilizou a recuperação de nascentes, adequação de Cartilha_Agua_2017.indd 26 21/03/2017 14:04:04
  • 35. 27 estradas rurais, terraceamento, construção de poços artesianos, bacias de captações, entre várias outras ações que mudaram a vida de milhares de famílias de agricultores familiares que viviam ao redor de uma microbacia (unidade física de intervenção). Ficou a cargo dos extensionistas da CATI a elaboração de Planos Individuais de Propriedade (PIPs) que proporcionou ações integradas e, ao mesmo tempo, individuais considerando cada propriedade inserida na microbacia. Paralelamente, as associações foram fortalecidas e deram início à segunda fase de um plano que, após dar o exemplo de recuperação ambiental e aumentar as possibili- dades de alçançar maior produtividade em seus negócios de maneira sustentável che- gou, em 2012, ao Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável (PDRS) - Microbacias II - Acesso ao Mercado. O PEMH também foi precursor do Programa de Recuperação de Áreas Degradadas e Desenvolvimento de Sistemas Integrados de Produção Agro- pecuária - Integra SP. Destacaram-se como resultados do Programa: • 518 municípios estabeleceram parceria com o governo do Estado para a implanta- ção do PEMH; • R$ 870 mil distribuídos para 170 associações de produtores formais, beneficiando 10.476 produtores, para financiar equipamentos de escritório e informática; • SensibilizaçãoambientalcomoProjetoAprendendocomaNatureza,de2002a2008, com 486 mil alunos envolvidos, 1.774 escolas, 8.760 professores e coordenadores capacitados e 489 municípios envolvidos; • 790 agentes ambientais identificados e capacitados para apoiar o trabalho do técnico na área ambiental e pela formação do grupo de educação ambiental; • 80 grupos de educação ambiental formados no âmbito dos municípios, propiciando a implementação de numerosas ações locais em diversas áreas (coleta seletiva de lixo, plantio de árvores, reciclagem, campanhas diversas); Cartilha_Agua_2017.indd 27 21/03/2017 14:04:04
  • 36. 28 • R$ 159,5 milhões investidos em ações visando ao desenvolvimento rural sustentável, dos quais R$ 135,5 milhões foram apoiados pelo Programa e R$ 24 milhões foram investidos pelos agricultores; • 970 microbacias trabalhadas, envolvendo 69.997 produtores em 514 municípios, abrangendo uma extensão de 3.310.312 hectares; • 1.646 quilômetros de trechos críticos de estradas rurais adequados, beneficiando diretamente mais de 25 mil produtores; • 2.138 voçorocas controladas, beneficiando diretamente 1.494 produtores rurais; • 2.474 fossas sépticas biodigestoras modelo Embrapa construídas, beneficiando diretamente 2.050 produtores; • 1.260 abastecedouros construídos, na forma de incentivos coletivos, beneficiando diretamente 7.615 produtores com o fornecimento de água de boa qualidade; • 4.250.000 mudas de espécies nativas fornecidas; • 76.131 hectares trabalhados com a prática de terraceamento, beneficiando 4.967 produtores; • 1.541 hectares de sistemas de divisão de pastagens implantados, beneficiando 612 produtores; • 212 associações beneficiadas com a cessão, por meio de permissão de uso, de semeadoras de plantio direto, beneficiando aproximadamente 12 mil produtores; • 5 mil hectares de áreas de preservação permanente recuperados e isolados com cerca. Maurício Perissinoto é engenheiro agrônomo responsável da Casa de Agricultura de Americana E-mail: perissinoto@cati.sp.gov.br Cartilha_Agua_2017.indd 28 21/03/2017 14:04:04
  • 38. 30 PLANO DIRETOR: FERRAMENTA PARA O CONTROLE DA EROSÃO RURAL Planejar a ocupação ordenada da territorialidade é tarefa das mais importantes para a correta gestão dos re- cursos de um município, destacando-se aí o solo, insumo primário de toda produção agropecuária. O levantamento e a ordenação dos dados relativos ao meio físico rural são ferramentas fundamentais para a gestão do meio rural, com enfoque na conservação do solo e da água. A ferramenta proposta pode ser utilizada como modelo pelas pre- feituras na laboração de projetos que integrem um Plano Diretor. Dentre os maiores impactos do uso intensivo do solo, sem a correta utilização de técnicas agronômicas voltadas às especificidades de cada região, destaca-se a erosão. Entender como esse processo ocorre, em função de parâmetros inerentes de cada localidade, é função básica para uma correta definição das políticas públicas voltadas ao meio rural. Por conta dessas premissas, em meados do ano de 2008, em reunião da Secretaria Executiva do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Secofehidro), com a participação de várias entidades com interesses no assunto, como Secretaria do Meio Ambiente (SMA), Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb), Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sa- besp), Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), universidades, dentre outras, os técnicos da CATI tiveram a oportunidade de propor como norma para direcionar os recursos a serem aplicados para o controle de erosão rural, seguir as diretrizes de um Plano Diretor de Controle de Erosão Rural (PDCER), já que até essa ocasião a maior parte dos recursos era destinada quase que exclusivamente para projetos de recupe- ração de estradas não pavimentadas. ferramentas fundamentais para a gestão do meio rural, com enfoque na conservação Cartilha_Agua_2017.indd 30 21/03/2017 14:04:05
  • 39. 31 O Centro de Informações Agropecuárias (Ciagro/CATI) elaborou uma metodologia para o PDCER, em um projeto piloto no município de Tatuí. A ação rendeu um docu- mento com 93 páginas e 21 mapas detalhados (hipsometria e classes de declividades, solos, dinâmica ambiental, uso atual, estradas, feições erosivas, Áreas de Preservação Permanente (APP), geológico, susceptibilidade à erosão, classes de capacidade de uso, utilização racional da terra, priorização das microbacias, dentre outros). Também fo- ram oferecidos subsídios técnicos, embasados em critérios qualitativos e quantitativos sobre o meio físico, como objetivo de possibilitar serem traçadas diretrizes para o uso sustentável das terras agrícolas do município, direcionando e ponderando a liberação de recursos para atender às demandas do meio rural de forma ordenada e racional. O levantamento e a análise do meio físico, pelo uso de imagens e mapas, mostra- ram-se de grande relevância para um diagnóstico preliminar da qualidade ambiental. A combinação do conhecimento técnico e empírico dos profissionais da CATI, aliado às visitas in loco e ao uso das ferramentas de geoprocessamento, comprovou ser útil e compatível com um levantamento das características gerais da área do município, possibilitando um olhar amplo e sistêmico para as diversas características inerentes da área, bem como da ação antrópica sobre os recursos naturais. O uso desse trabalho técnico permite o conhecimento profundo da realidade rural da localidade, tendo por base a gestão em unidades de bacias hidrográficas, priorizadas conforme metodologia criada para tal, orientando as ações a serem tomadas nas dife- rentes porções do seu território e levando em conta as ponderações para a aplicação de recursos de forma otimizada, favorecendo ainda o entendimento de problemas que extrapolam os limites de um município, possibilitando a soma de esforços em benefício da sociedade. A ferramenta está disponível no site da CATI, em http://www.cati.sp.gov.br/portal/ produtos-e-servicos/publicacoes/acervo-tecnico Cartilha_Agua_2017.indd 31 21/03/2017 14:04:05
  • 40. 32 PROJETO ÁGUA VIVA Iniciativa para potencializar a produção de água e garantir a sua qualidade nas bacias de captação do Sistema Cantareira. A Secretaria de Agricultura e Abastecimento (SAA), por meio da Coordenadoria de Assistência Integral (CATI), lançou, no fim de 2016, a publicação “Projeto Água Viva” com o diagnóstico dos principais fatores relacionados à erosão rural nas bacias de captação do Sistema Cantareira. O objetivo do trabalho, farto em referenciais teóricos e técnicos, é propor soluções que eliminem ou atenuem riscos, promovendo o aumento na oferta e na qualidade da água. A crise de abastecimento de água é uma realidade brasileira e os seus efeitos po- dem ser observados em diferentes regiões, embora o Brasil possua 8% de toda a água doce existente no planeta. No Sistema Cantareira, o maior dos sistemas administrados pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), esta crise foi intensificada nos anos 2013 e 2014, com a ocorrência de um dos períodos mais secos dos seus 80 anos de existência. O Projeto Água Viva comprova que a crise de água não é consequência apenas de fatores climáticos, mas concorrem com o seu agravamento o uso irracional dos recursos hídricos. Mostra também, que é possível amenizar as consequências e, em muitos casos, reverter as situações de crise, criando políticas e sobretudo consciência ambiental sobre o uso deste indispensável recurso. Cartilha_Agua_2017.indd 32 21/03/2017 14:04:05
  • 41. 33 Principais objetivos do Projeto Água Viva • Levantar o trajeto das estradas rurais na área abrangida pelas bacias formadoras do Sistema Cantareira no Estado, bem como os trechos prioritários. • Identificar por meio de imagens aéreas, confirmadas pelo levantamento de campo, as principais feições erosivas. • Geoespacializar e priorizar as Unidades de Produção Agropecuária (UPAs) na área abrangida pelas bacias formadoras do Sistema Cantareira, levando em conta os fatores de uso de irrigação e probabilidade de ocorrência de erosão. • Atualizar em escala local a hidrografia e as nascentes da área abrangida pelas bacias formadoras do Sistema Cantareira. • Sugerir estratégias de trabalho, no âmbito da CATI, visando dirimir ou atenuar a erosão do solo, bem como otimizar o uso da água de irrigação nas UPAs. • Fornecer elementos para a elaboração de Projetos de Recuperação Ambiental, visando atender à legislação e a conformidade agroambiental. • Gerar mapas de suporte ao planejamento. • Para conhecer o Projeto Água Viva, acesse o link: http://www.cati.sp.gov.br/portal/ themes/unify/arquivos/produtos-e-servicos/acervo-tecnico/recursos_naturais/Pro- jetoAguaVivaCATI2016.pdf Cartilha_Agua_2017.indd 33 21/03/2017 14:04:05
  • 42. 34 ESTUDOS A Pesquisa do Estado de São Paulo Trabalha na Oferta de Alternativas Tecnológicas A Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta) congrega todos os institutos de pesquisa ligados à Secreta- ria de Agricultura e Abastecimento. Cada um em sua área de atuação específica tem realizado vários estudos para propor soluções tecnológicas, desenvolver cultivares resistentes, enfim, preservar os recursos naturais: água e solo. A crise hídrica, enquanto cíclica, é apenas um dos fatores determinantes destes estudos, o maior objetivo é produzir alimentos com o menor uso de água, um bem escasso e limitado. INFORMAÇÕES www.apta.sp.gov.br Cartilha_Agua_2017.indd 34 21/03/2017 14:04:05
  • 44. 36 LITERATURA RECOMENDADA CATI/SAA. Revista Casa da Agricultura, ano 16, n.o 4, out. a dez. 2013. DRUGOWICH, M. I., coordenador, Manual Técnico, n.o 81. Boas Práticas em Conser- vação do Solo e da Água. Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (CATI/SAA), Campinas, abril 2014. Site: www.embrapa.br/agua-na-agricultura , em 25 de fevereiro de 2015. Cartilha_Agua_2017.indd 36 21/03/2017 14:04:05