SlideShare uma empresa Scribd logo
O EVANGELHO SEGUNDO
LUCAS
1º Trimestre de
2015
Lição 1
TEXTO ÁUREO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 2
"Para que conheças a certeza das coisas
de que já estás informado."
(Lc 1.4)
VERDADE PRÁTICA
Pr. Moisés Sampaio de Paula 3
O cristão possui uma fé divinamente
revelada e historicamente bem
fundamentada.
OBJETIVO GERAL
• Apresentar um panorama do
Evangelho de Lucas.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
OBJETIVOS
Pr. Moisés Sampaio de Paula 5
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Apresentar o terceiro Evangelho.
• Conhecer os fundamentos e historicidade da fé
cristã.
• Afirmar a universalidade da fé cristã.
• Expor a identidade de Jesus, o Messias esperado.
Interagindo com o Professor
• Prezado professor, neste segundo trimestre estudaremos a respeito do
terceiro Evangelho, cujo autor é Lucas, o médico amado. Seu relato é um
dos mais completos e ricos em detalhes a respeito do nascimento e infância
do Salvador. Lucas era um gentio, talvez por isso, em sua narrativa, procure
apresentar a Jesus como o Filho do Homem. Ele apresenta o Salvador como
o Homem Perfeito que veio salvar a todos, judeus e gentios.
• O comentarista deste trimestre é o pastor José Gonçalves - professor de
Teologia, escritor e vice-presidente da Comissão de Apologética da CGADB.
• Que mediante o estudo de cada lição você possa conhecer mais a respeito
do Filho de Deus, que se fez homem e habitou entre nós.
• Tenha um excelente trimestre.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 6
I - O TERCEIRO EVANGELHO
1. Autoria e data.
2. A obra.
3. Os destinatários originais.
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ
1. O cristianismo no seu contexto histórico.
2. Discipulado através dos fatos.
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
1. A história da salvação.
2. A salvação em seu aspecto universal.
IV – A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO
1. Jesus, o homem perfeito.
2. O Messias e o Espírito Santo.
Esboço da Lição
Pr. Moisés Sampaio de Paula 7
Ponto Central
• O plano da salvação do
cristianismo pode ser
localizado com precisão
dentro da história.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
INTRODUÇÃO
• O Evangelho de Lucas é um dos livros mais
belos e fascinantes do mundo.
• De fato, o terceiro Evangelho se distingue
pelo seu estilo literário, pelo seu vocabulário
e uso que faz do grego, considerado pelos
eruditos como o mais refinado do Novo
Testamento.
• Mas a sua maior beleza está em narrar a
história da salvação (Lc 19.10).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
INTRODUÇÃO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 10
• O autor procura mostrar, sempre de forma bem
documentada, que o plano de Deus em salvar a
humanidade, revelado através da história,
cumpriu-se cabalmente em Cristo quando Ele se
deu como sacrifício expiador pelos pecadores (Jo
10.11).
• Deus continua sendo Senhor da história e o
advento do Messias para estabelecer o seu Reino
é a prova disso. Lucas mostra que é através do
Espírito Santo, primeiramente operando no
ministério de Jesus e, posteriormente na Igreja,
que esse propósito se efetiva.
I - O TERCEIRO EVANGELHO
• 1. Autoria e data.
• 2. A obra.
• 3. Os destinatários originais.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 11
I - O TERCEIRO EVANGELHO
• Lucas, "o médico amado" (Cl
4.14), a quem é atribuída a
autoria do terceiro Evangelho, é
citado no Novo Testamento três
vezes.
• Todas as citações estão nas
epístolas paulinas e são usadas no
contexto do aprisionamento do
apóstolo Paulo (Cl 4.14; Fm 24; 2
Tm 4.11).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 12
1. Autoria e data.
I - O TERCEIRO EVANGELHO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 13
1. Autoria e data.
• Embora o autor do terceiro Evangelho
não se identifique pelo nome, isso não
depõe contra a autoria lucana.
• Desde os seus primórdios, a Igreja
Cristã atribui a Lucas a autoria do
terceiro Evangelho.
• A crítica contra a autoria de Lucas não
tem conseguido apresentar
argumentos sólidos para demover a
Igreja de sua posição.
I - O TERCEIRO EVANGELHO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
1. Autoria e data.
• A erudição conservadora assegura que Lucas escreveu
a sua obra (aproximadamente) no início dos anos
sessenta do primeiro século da era cristã.
60 D.C 70 D.C
Destruição de
Jerusalém
Período
Interbíblico
400 a 4 a.C.
Ministério de
Cristo
4 a.C. a 29 D.C.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
I - O TERCEIRO EVANGELHO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 16
2. A obra.
• Lucas era historiador e médico.
Ele escreveu sua obra em dois
volumes (Lc 1.1-4; At 1.1,2).
O terceiro Evangelho Atos dos Apóstolos
É a primeira parte desse trabalho Compõem a segunda parte
É uma narrativa da vida e obra de
Jesus
Narram o caminhar espiritual dos
primeiros cristãos da Igreja
Primitiva.
A salvação se Cumpre A salvação é proclamada
I - O TERCEIRO EVANGELHO
• O doutor Lucas endereçou seu
Evangelho a Teófilo,
certamente uma pessoa
importante que devia ocupar
uma alta posição social, sendo
citado como "excelentíssimo".
• Pode se dizer que além deste
ilustre destinatário, Lucas
também escreveu aos gentios.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 17
3. Os destinatários originais.
Peculiaridades
dos Evangelhos
EVANGELISTA DESTINATÁRIOS A PESSOA DE JESUS
MATEUS AOS JUDEUS O MESSIAS E REI
MARCOS AOS ROMANOS O HOMEM PERFEITO
O FILHO DO HOMEM
LUCAS AOS GENTIOS CONQUISTADOR
PODEROSO E SERVO
JOÃO A TODO O QUE CRÊ
A IGREJA
A VERDADE – O LOGOS
DIVINO E FILHO DE DEUS
I - O TERCEIRO EVANGELHO
• O terceiro Evangelho pode ser classificado
como sendo de natureza soteriológica e
carismática.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 19
3. Os destinatários originais.
Soteriológica Carismática
Porque narra o plano da
salvação
Porque dá amplo destaque ao
papel do Espírito Santo como
capacitador do ministério de
Jesus Cristo.
SINOPSE DO TÓPICO (1)
Pr. Moisés Sampaio de Paula 20
Lucas, o médico amado, é o
autor do terceiro Evangelho,
que foi endereçado a
Teófilo, um gentio.
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 21
• "Lucas inicia seu Evangelho com uma declaração especial:
ele mesmo havia se 'informado minuciosamente de tudo
[sobre a vida de Jesus] desde o princípio' (1.1-4). Dessa
forma, o Evangelho de Lucas é um relatório cuidadoso e
historicamente exato do nascimento, ministério, morte e
ressurreição de Jesus. Contudo, ao lermos Lucas
percebemos que a sua obra não é uma repetição monótona
das datas e ações. A escrita de Lucas é vívida, nos atraindo
para dentro dos eventos que ele descreve. A escrita de
Lucas também exibe uma fervorosa sensibilidade quanto
aos detalhes pessoais íntimos" (RICHARDS, Lawrence O.
Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed.
Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 133).
Entre aspas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
A fé cristã não se trata de uma
lenda ou fábula
engenhosamente inventada.
São fatos históricos.
CONHEÇA MAIS
Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
*Como o Evangelho de Lucas
Retrata a Cristo
"No Evangelho de Lucas, Cristo é
retratado como o Homem Perfeito e
de grande empatia. A genealogia é
rastreada desde Davi e Abraão até
Adão, nosso antepassado comum,
apresentando-o, deste modo, como
alguém da nossa raça". Para
conhecer mais leia Introdução ao
Novo Testamento, CPAD, p. 77
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• 1. O cristianismo no seu contexto histórico.
• 2. Discipulado através dos fatos.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• Lucas mostra com riqueza
de detalhes sob que
circunstâncias históricas
se deram os fatos por ele
narrados.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 25
1. O cristianismo no seu contexto histórico.
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• "E, no ano quinze do império de Tibério César, sendo
Pôncio Pilatos governador da Judeia, e Herodes, tetrarca
da Galileia, e seu irmão Filipe, tetrarca da Itureia e da
província de Traconites, e Lisânias, tetrarca de Abilene,
sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a
palavra de Deus a João, filho de Zacarias" (Lc 3.1,2).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 26
1. O cristianismo no seu contexto histórico.
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• Esses dados têm um propósito claro:
Pr. Moisés Sampaio de Paula 27
1. O cristianismo no seu contexto histórico.
A fé cristã, portanto, não se
trata de uma lenda ou
fábula engenhosamente
inventada. São fatos
históricos que poderiam ser
testados e provados e, dessa
forma, podem ser aceitos
por todos aqueles que
procuram a verdade.
Mostrar que o plano da salvação no
cristianismo pode ser localizado com
precisão dentro da história.
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• A palavra grega katecheo, traduzida
como "informado" ou "instruído"
no versículo 4, deu origem à
palavra portuguesa catequese.
• Esse vocábulo significa também:
doutrinar, ensinar e
convencer.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 28
2. Discipulado através dos fatos.
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• Nesse contexto possui o sentido de
"discipular". Lucas escreveu o seu Evangelho
para formar discípulos.
• O discipulado, para ser autêntico, deve
fundamentar-se na veracidade dos fatos da fé
cristã.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
2. Discipulado através dos fatos.
II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE
DA FÉ CRISTÃ
• Nos primeiros versículos do
seu Evangelho, Lucas revela,
portanto, quais seriam as
razões da sua obra (Lucas 1.1-
4).
• O terceiro Evangelho foi
escrito para mostrar os
fundamentos das verdades
nas quais os cristãos são
instruídos.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
2. Discipulado através dos fatos.
SINOPSE DO TÓPICO (2)
Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
A veracidade dos fatos
narrados por Lucas pode
ser comprovada pela
história.
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 32
• "Lucas presta bastante atenção aos eventos
que ocorreram antes do nascimento de Jesus,
uma atenção maior que aquela que os outros
evangelistas dedicaram ao assunto"
(RICHARDS, Lawrence O. Comentário
Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed.
Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 134).
Entre aspas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 33
O discipulado, para ser
autêntico, deve
fundamentar-se na
veracidade dos fatos da fé
cristã.
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
• 1. A história da salvação.
• 2. A salvação em seu aspecto universal.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
O tempo da
Igreja
O tempo de
Jesus
O tempo do
Antigo
Testamento
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
• A teologia cristã destaca que Lucas divide a história
da salvação em três estágios.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 35
1. A história da salvação.
Evangelho de Lucas Atos dos Apóstolos
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
1. A história da salvação.
O tempo da
Igreja
O tempo de
Jesus
O tempo do
Antigo
Testamento
(Lc 16.16). No contexto de
Lucas a expressão a "Lei e
os Profetas" é uma
referência ao Antigo
Testamento, onde é
narrado o plano de Deus
para o povo de Israel.
A frase "anunciado o
Reino de Deus" se refere
ao tempo de Jesus que,
através do Espírito Santo,
realiza e manifesta o
Reino de Deus.
O tempo da Igreja ocorre
quando o Espírito Santo, que
estava sobre Jesus, é
derramado sobre todos os
crentes.
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
• O aspecto universal da salvação, revelado
no terceiro Evangelho pode ser facilmente
observado pelo seu amplo destaque dado
aos gentios.
• O próprio Lucas endereça a sua obra a um
gentio, Teófilo (Lc 1.1,2).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
2. A salvação em seu aspecto universal.
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
• A descendência de Cristo,
o Messias prometido, vai
até Adão, o pai de todos, e
não apenas até Abraão, o
pai dos judeus (Lc 3.23-
38).
• Fica, portanto, revelado
que os gentios, e não
somente os judeus, estão
incluídos no plano salvífico
de Deus (Lc 2.32; 24.47).Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
2. A salvação em seu aspecto universal.
III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO
• Destaque especial é dado
para os samaritanos (Lc
9.51-56; 10.25-37; 17.11-19).
Há ainda outras
particularidades do
Evangelho de Lucas que
mostram o interesse de Deus
por toda a humanidade,
especialmente os pobres e
excluídos (Lc 19.1-10; 7.36-
50; 23.39-43; 18.9-14).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
2. A salvação em seu aspecto universal.
SINOPSE DO TÓPICO (3)
Pr. Moisés Sampaio de Paula 40
Todos estão incluídos no
plano salvífico de Deus:
gentios e judeus.
Entre aspas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
A descendência de Cristo, o
Messias prometido, vai até
Adão, o pai de todos, e não
apenas até Abraão, o pai
dos judeus.
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 42
• "A Verdadeira Identidade do Filho
• Os aspectos-chave na vida de Jesus ajudaram os primeiros cristãos a perceber, de uma forma
nova e única, que Ele era o 'Filho de Deus'.
• o A encarnação. Jesus foi concebido pelo poder do Espírito Santo de Deus, e não por um pai
humano. De forma consistente, também falou de como saiu 'do Pai' para vir 'ao mundo' (Jo
16.28). Enquanto, para outros seres humanos, o nascimento é o início da vida, o nascimento
de Jesus era uma encarnação - Ele existia como o Filho de Deus antes de seu nascimento
humano. Jesus, de forma distinta dos governantes pagãos, não era um filho adotado dos
deuses, mas sim o eterno Filho de Deus.
• o O reconhecimento por Satanás e pelos demônios. Enquanto a identidade verdadeira de
Jesus, durante seu ministério terreno, estava velada para seus discípulos, ela foi reconhecida
por Satanás (Mt 4.3,6) e pelos demônios (Lc 8.28).
• o A ressurreição e ascensão. Jesus foi morto por afirmar que falava e agia como o Filho de
Deus. A ressurreição representou a confirmação de Deus de que Jesus falava a verdade sobre
si mesmo. Paulo apontou a ressurreição como a revelação ou declaração da verdadeira
identidade de Jesus como Filho de Deus (Rm 1.4). Depois da ressurreição, Jesus retornou ao
Pai para ficar no lugar de honra, à direita de Deus" (Guia Cristão de Leitura da Bíblia. 1 ed. Rio
de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 34,35).
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
• 1. Jesus, o homem perfeito.
• 2. O Messias e o Espírito Santo.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 43
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
• No Evangelho de Lucas, Jesus
aparece como:
1. O "Filho de Deus" (Lc 1.35) e
2. Filho do Homem" (Lc 5.24).
• São expressões messiânicas
que revelam a deidade de
Jesus.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 44
1. Jesus, o homem perfeito.
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 45
1. Jesus, o homem perfeito.
Filho de Deus Filho do homem
A primeira expressão
mostra Jesus como
verdadeiro Deus
a segunda, que ocorre
25 vezes no terceiro
Evangelho, mostra-o
como verdadeiro
homem.
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
• Como filho do Homem:
1. Ele é o Homem Perfeito.
2. Jesus era obediente a seus
pais. Todavia, estava
consciente de sua
natureza divina (Lc 2.4-52).
3. Jesus enfrenta, e derrota,
Satanás na tentação do
deserto (Lc 4.1-13).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 46
1. Jesus, o homem perfeito.
Ao usar o título "Filho do
Homem" para si mesmo,
Jesus evita ser confundido
com o Messias político
esperado pelos judeus.
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 47
2. O Messias e o Espírito Santo.
• Lucas revela que Jesus, o
Messias, como Homem
Perfeito, dependia do
Espírito Santo no
desempenho do seu
ministério (Lc 4.18).
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
• Isaías, o profeta messiânico,
mostra a estreita relação que o
Messias manteria com o
Espírito do Senhor (Is 11.1,2;
42.1).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 48
2. O Messias e o Espírito Santo.
IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS
ESPERADO
• O Messias seria aquele sobre
quem repousaria o Espírito do
Senhor, tal como profetizara
Isaías e Jesus aplicara a si, na
sinagoga em Nazaré (Lc 4.16-
19; Is 61.1).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 49
2. O Messias e o Espírito Santo.
SINOPSE DO TÓPICO (4)
Pr. Moisés Sampaio de Paula 50
Lucas apresenta Jesus
como o Filho de Deus e o
Filho do Homem,
ressaltando tanto a sua
humanidade quanto a sua
divindade.
SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO
Pr. Moisés Sampaio de Paula 51
• "Lucas descreveu como o Filho de Deus entrou na História.
Jesus viveu de forma exemplar, foi o Homem Perfeito. Depois
de um ministério perfeito, Ele se entregou como sacrifício
perfeito pelos nossos pecados, para que pudéssemos ser
salvos.
• Jesus é o nosso Líder e Salvador perfeito. Ele oferece perdão a
todos aqueles que o aceitam como Senhor de suas vidas e
creem que aquilo que Ele diz é a verdade" (Bíblia de Estudo
Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 1337).
Conclusão
• O terceiro Evangelho é considerado a coroa dos
Evangelhos sinóticos.
• Enquanto o Evangelho de Mateus enfoca a realeza do
Messias e Marcos o poder, Lucas enfatiza o amor de
Deus.
• Lucas é o Evangelho do Homem Perfeito; da alegria (Lc
1.28; 2.11; 19.37; 24.53); da misericórdia (Lc 1.78,79); do
perdão (7.36-50; 19.1-10); da oração (Lc 6.12; 11.1;
22.39-45); dos pobres e necessitados (Lc 4.18) e do
poder e da força do Espírito Santo (Lc 1.15,35; 3.22; 4.1;
4.14; 4.17-20; 10.21; 11.13; 24.49).
• Lucas é, portanto, o Evangelho do crente que quer
conhecer melhor o seu Senhor e ser cheio do Espírito
Santo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 52
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 53
A quem é atribuída a autoria do terceiro
Evangelho?
A autoria é atribuída a Lucas, o médico amado.
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 54
Como devemos entender o termo
"informado" usado por Lucas no capítulo
1 do seu Evangelho?
O vocábulo significa também "doutrinar",
"ensinar" e "convencer".
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 55
Como Jesus é revelado no Evangelho de
Lucas?
Ele é revelado como "Filho de Deus" e "Filho
do Homem".
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 56
As expressões "Filho do Homem" devem
ser entendidas em que sentindo no
terceiro Evangelho?
Devem ser entendidas como expressões que
mostram o relacionamento de Jesus com a
humanidade.
Perguntas
Pr. Moisés Sampaio de Paula 57
De acordo com a lição, como é
considerado o terceiro Evangelho?
Ele é considerado a coroa dos Evangelhos
Sinóticos.
Pr. Moisés Sampaio
Pr. Moisés Sampaio de Paula 58
• Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de
Deus em Rio Branco, AC, Brasil.
• Palestrante de seminários e pregador
no Brasil e exterior.
• Contato

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
Respirando Deus
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
Rosana Eugenio Dos Santos
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
André Rocha
 
O pentateuco
O pentateucoO pentateuco
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
Viva a Igreja
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
Sergio Silva
 
Panorama do NT - 1Coríntios
Panorama do NT - 1CoríntiosPanorama do NT - 1Coríntios
Panorama do NT - 1Coríntios
Respirando Deus
 
Atos
AtosAtos
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Introduçã..
Introduçã..Introduçã..
Introduçã..
ricardosantista
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
Moisés Sampaio
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
faculdadeteologica
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
Jefferson Evangelista
 
Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
Paulo Ferreira
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
Respirando Deus
 

Mais procurados (20)

Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Panorama do NT - João
Panorama do NT - JoãoPanorama do NT - João
Panorama do NT - João
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
 
O pentateuco
O pentateucoO pentateuco
O pentateuco
 
Introdução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo TestamentoIntrodução ao Antigo Testamento
Introdução ao Antigo Testamento
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Panorama do NT - 1Coríntios
Panorama do NT - 1CoríntiosPanorama do NT - 1Coríntios
Panorama do NT - 1Coríntios
 
Atos
AtosAtos
Atos
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
Introduçã..
Introduçã..Introduçã..
Introduçã..
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco1º Aula do Pentateuco
1º Aula do Pentateuco
 
Panorama do pentateuco
Panorama do pentateucoPanorama do pentateuco
Panorama do pentateuco
 
Panorama do NT - Atos
Panorama do NT - AtosPanorama do NT - Atos
Panorama do NT - Atos
 

Destaque

Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
Moisés Sampaio
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
Moisés Sampaio
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
Moisés Sampaio
 
Historia da igreja i aula 3
Historia da igreja i  aula 3Historia da igreja i  aula 3
Historia da igreja i aula 3
Moisés Sampaio
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
Moisés Sampaio
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
Moisés Sampaio
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
Moisés Sampaio
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
Moisés Sampaio
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
Livros históricos aula 3
Livros  históricos aula 3Livros  históricos aula 3
Livros históricos aula 3
Moisés Sampaio
 
1. introducao
1. introducao1. introducao
1. introducao
Moisés Sampaio
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
Moisés Sampaio
 
Lança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águasLança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águas
Moisés Sampaio
 
O divórcio
O divórcioO divórcio
O divórcio
Moisés Sampaio
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Como baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshareComo baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshare
Moisés Sampaio
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Moisés Sampaio
 

Destaque (17)

Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
 
Historia da igreja i aula 3
Historia da igreja i  aula 3Historia da igreja i  aula 3
Historia da igreja i aula 3
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
Livros históricos aula 3
Livros  históricos aula 3Livros  históricos aula 3
Livros históricos aula 3
 
1. introducao
1. introducao1. introducao
1. introducao
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
 
Lança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águasLança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águas
 
O divórcio
O divórcioO divórcio
O divórcio
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Como baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshareComo baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshare
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
 

Semelhante a O evangelho segundo Lucas

Lição 1 lucas
Lição 1 lucasLição 1 lucas
Lição 1 lucas
Pr. Gerson Eller
 
Lição 1 o evangelho segundo lucas
Lição 1   o evangelho segundo lucasLição 1   o evangelho segundo lucas
Lição 1 o evangelho segundo lucas
Wander Sousa
 
O Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo LucasO Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo Lucas
pralucianaevangelista
 
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCASLIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
Lourinaldo Serafim
 
LIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCAS
LIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCASLIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCAS
LIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCAS
Natalino das Neves Neves
 
2º bimestre 2015
2º bimestre 20152º bimestre 2015
2º bimestre 2015
admni
 
2º bimestre
2º bimestre2º bimestre
2º bimestre
Josias Salermo
 
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoLição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Éder Tomé
 
O Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo LucasO Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo Lucas
ebddenice
 
Novo testamento
Novo testamentoNovo testamento
Novo testamento
António José Fonseca
 
O evangelho segundo Lucas - Lição 01
O evangelho segundo Lucas - Lição 01O evangelho segundo Lucas - Lição 01
O evangelho segundo Lucas - Lição 01
Pr. Andre Luiz
 
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdfATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
EduardadaRochaCunhaM
 
Lucas (2) - Semana Bíblica 2013
Lucas (2) - Semana Bíblica 2013Lucas (2) - Semana Bíblica 2013
Lucas (2) - Semana Bíblica 2013
kakaufig
 
Aula 6 - Lucas
Aula 6 - LucasAula 6 - Lucas
Aula 6 - Lucas
ibrdoamor
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
tomdeamor
 
O Novo Testamento I
O Novo Testamento IO Novo Testamento I
O Novo Testamento I
Luis Henrique Chagas Leite
 
LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
Natalino das Neves Neves
 
Estudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhosEstudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhos
marquione ban
 
O Evangelho segundo Lucas
O Evangelho segundo LucasO Evangelho segundo Lucas
O Evangelho segundo Lucas
Ailton da Silva
 
(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf
Tiago Silva
 

Semelhante a O evangelho segundo Lucas (20)

Lição 1 lucas
Lição 1 lucasLição 1 lucas
Lição 1 lucas
 
Lição 1 o evangelho segundo lucas
Lição 1   o evangelho segundo lucasLição 1   o evangelho segundo lucas
Lição 1 o evangelho segundo lucas
 
O Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo LucasO Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo Lucas
 
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCASLIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
LIÇÃO 01 - O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
 
LIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCAS
LIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCASLIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCAS
LIÇÃO 1 - O EVANGELHO DE LUCAS
 
2º bimestre 2015
2º bimestre 20152º bimestre 2015
2º bimestre 2015
 
2º bimestre
2º bimestre2º bimestre
2º bimestre
 
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu EvangelhoLição 1 - Lucas e seu Evangelho
Lição 1 - Lucas e seu Evangelho
 
O Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo LucasO Evangelho Segundo Lucas
O Evangelho Segundo Lucas
 
Novo testamento
Novo testamentoNovo testamento
Novo testamento
 
O evangelho segundo Lucas - Lição 01
O evangelho segundo Lucas - Lição 01O evangelho segundo Lucas - Lição 01
O evangelho segundo Lucas - Lição 01
 
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdfATOS DOS APSTOLOS  ATUALIZADO Reparado.pdf
ATOS DOS APSTOLOS ATUALIZADO Reparado.pdf
 
Lucas (2) - Semana Bíblica 2013
Lucas (2) - Semana Bíblica 2013Lucas (2) - Semana Bíblica 2013
Lucas (2) - Semana Bíblica 2013
 
Aula 6 - Lucas
Aula 6 - LucasAula 6 - Lucas
Aula 6 - Lucas
 
4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos4 Introdução Aos Evangelhos
4 Introdução Aos Evangelhos
 
O Novo Testamento I
O Novo Testamento IO Novo Testamento I
O Novo Testamento I
 
LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
LIÇÃO 1 - O evangelho de Mateus - Lições Bíblicas Jovens - 1 tri 2018
 
Estudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhosEstudo sobre os evangelhos
Estudo sobre os evangelhos
 
O Evangelho segundo Lucas
O Evangelho segundo LucasO Evangelho segundo Lucas
O Evangelho segundo Lucas
 
(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf(26) Os Evangelhos.pdf
(26) Os Evangelhos.pdf
 

Mais de Moisés Sampaio

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
Moisés Sampaio
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
Moisés Sampaio
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
Moisés Sampaio
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
Moisés Sampaio
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
Moisés Sampaio
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
Moisés Sampaio
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
Moisés Sampaio
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
Moisés Sampaio
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
Moisés Sampaio
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
Moisés Sampaio
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
Moisés Sampaio
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
Moisés Sampaio
 
Não furtarás
Não furtarásNão furtarás
Não furtarás
Moisés Sampaio
 

Mais de Moisés Sampaio (20)

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
2-Jaffa
 
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
 
Não furtarás
Não furtarásNão furtarás
Não furtarás
 

Último

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

O evangelho segundo Lucas

  • 1. O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS 1º Trimestre de 2015 Lição 1
  • 2. TEXTO ÁUREO Pr. Moisés Sampaio de Paula 2 "Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado." (Lc 1.4)
  • 3. VERDADE PRÁTICA Pr. Moisés Sampaio de Paula 3 O cristão possui uma fé divinamente revelada e historicamente bem fundamentada.
  • 4. OBJETIVO GERAL • Apresentar um panorama do Evangelho de Lucas. Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
  • 5. OBJETIVOS Pr. Moisés Sampaio de Paula 5 Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Apresentar o terceiro Evangelho. • Conhecer os fundamentos e historicidade da fé cristã. • Afirmar a universalidade da fé cristã. • Expor a identidade de Jesus, o Messias esperado.
  • 6. Interagindo com o Professor • Prezado professor, neste segundo trimestre estudaremos a respeito do terceiro Evangelho, cujo autor é Lucas, o médico amado. Seu relato é um dos mais completos e ricos em detalhes a respeito do nascimento e infância do Salvador. Lucas era um gentio, talvez por isso, em sua narrativa, procure apresentar a Jesus como o Filho do Homem. Ele apresenta o Salvador como o Homem Perfeito que veio salvar a todos, judeus e gentios. • O comentarista deste trimestre é o pastor José Gonçalves - professor de Teologia, escritor e vice-presidente da Comissão de Apologética da CGADB. • Que mediante o estudo de cada lição você possa conhecer mais a respeito do Filho de Deus, que se fez homem e habitou entre nós. • Tenha um excelente trimestre. Pr. Moisés Sampaio de Paula 6
  • 7. I - O TERCEIRO EVANGELHO 1. Autoria e data. 2. A obra. 3. Os destinatários originais. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ 1. O cristianismo no seu contexto histórico. 2. Discipulado através dos fatos. III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO 1. A história da salvação. 2. A salvação em seu aspecto universal. IV – A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO 1. Jesus, o homem perfeito. 2. O Messias e o Espírito Santo. Esboço da Lição Pr. Moisés Sampaio de Paula 7
  • 8. Ponto Central • O plano da salvação do cristianismo pode ser localizado com precisão dentro da história. Pr. Moisés Sampaio de Paula 8
  • 9. INTRODUÇÃO • O Evangelho de Lucas é um dos livros mais belos e fascinantes do mundo. • De fato, o terceiro Evangelho se distingue pelo seu estilo literário, pelo seu vocabulário e uso que faz do grego, considerado pelos eruditos como o mais refinado do Novo Testamento. • Mas a sua maior beleza está em narrar a história da salvação (Lc 19.10). Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. INTRODUÇÃO Pr. Moisés Sampaio de Paula 10 • O autor procura mostrar, sempre de forma bem documentada, que o plano de Deus em salvar a humanidade, revelado através da história, cumpriu-se cabalmente em Cristo quando Ele se deu como sacrifício expiador pelos pecadores (Jo 10.11). • Deus continua sendo Senhor da história e o advento do Messias para estabelecer o seu Reino é a prova disso. Lucas mostra que é através do Espírito Santo, primeiramente operando no ministério de Jesus e, posteriormente na Igreja, que esse propósito se efetiva.
  • 11. I - O TERCEIRO EVANGELHO • 1. Autoria e data. • 2. A obra. • 3. Os destinatários originais. Pr. Moisés Sampaio de Paula 11
  • 12. I - O TERCEIRO EVANGELHO • Lucas, "o médico amado" (Cl 4.14), a quem é atribuída a autoria do terceiro Evangelho, é citado no Novo Testamento três vezes. • Todas as citações estão nas epístolas paulinas e são usadas no contexto do aprisionamento do apóstolo Paulo (Cl 4.14; Fm 24; 2 Tm 4.11). Pr. Moisés Sampaio de Paula 12 1. Autoria e data.
  • 13. I - O TERCEIRO EVANGELHO Pr. Moisés Sampaio de Paula 13 1. Autoria e data. • Embora o autor do terceiro Evangelho não se identifique pelo nome, isso não depõe contra a autoria lucana. • Desde os seus primórdios, a Igreja Cristã atribui a Lucas a autoria do terceiro Evangelho. • A crítica contra a autoria de Lucas não tem conseguido apresentar argumentos sólidos para demover a Igreja de sua posição.
  • 14. I - O TERCEIRO EVANGELHO Pr. Moisés Sampaio de Paula 14 1. Autoria e data. • A erudição conservadora assegura que Lucas escreveu a sua obra (aproximadamente) no início dos anos sessenta do primeiro século da era cristã. 60 D.C 70 D.C Destruição de Jerusalém Período Interbíblico 400 a 4 a.C. Ministério de Cristo 4 a.C. a 29 D.C.
  • 15. Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
  • 16. I - O TERCEIRO EVANGELHO Pr. Moisés Sampaio de Paula 16 2. A obra. • Lucas era historiador e médico. Ele escreveu sua obra em dois volumes (Lc 1.1-4; At 1.1,2). O terceiro Evangelho Atos dos Apóstolos É a primeira parte desse trabalho Compõem a segunda parte É uma narrativa da vida e obra de Jesus Narram o caminhar espiritual dos primeiros cristãos da Igreja Primitiva. A salvação se Cumpre A salvação é proclamada
  • 17. I - O TERCEIRO EVANGELHO • O doutor Lucas endereçou seu Evangelho a Teófilo, certamente uma pessoa importante que devia ocupar uma alta posição social, sendo citado como "excelentíssimo". • Pode se dizer que além deste ilustre destinatário, Lucas também escreveu aos gentios. Pr. Moisés Sampaio de Paula 17 3. Os destinatários originais.
  • 18. Peculiaridades dos Evangelhos EVANGELISTA DESTINATÁRIOS A PESSOA DE JESUS MATEUS AOS JUDEUS O MESSIAS E REI MARCOS AOS ROMANOS O HOMEM PERFEITO O FILHO DO HOMEM LUCAS AOS GENTIOS CONQUISTADOR PODEROSO E SERVO JOÃO A TODO O QUE CRÊ A IGREJA A VERDADE – O LOGOS DIVINO E FILHO DE DEUS
  • 19. I - O TERCEIRO EVANGELHO • O terceiro Evangelho pode ser classificado como sendo de natureza soteriológica e carismática. Pr. Moisés Sampaio de Paula 19 3. Os destinatários originais. Soteriológica Carismática Porque narra o plano da salvação Porque dá amplo destaque ao papel do Espírito Santo como capacitador do ministério de Jesus Cristo.
  • 20. SINOPSE DO TÓPICO (1) Pr. Moisés Sampaio de Paula 20 Lucas, o médico amado, é o autor do terceiro Evangelho, que foi endereçado a Teófilo, um gentio.
  • 21. SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO Pr. Moisés Sampaio de Paula 21 • "Lucas inicia seu Evangelho com uma declaração especial: ele mesmo havia se 'informado minuciosamente de tudo [sobre a vida de Jesus] desde o princípio' (1.1-4). Dessa forma, o Evangelho de Lucas é um relatório cuidadoso e historicamente exato do nascimento, ministério, morte e ressurreição de Jesus. Contudo, ao lermos Lucas percebemos que a sua obra não é uma repetição monótona das datas e ações. A escrita de Lucas é vívida, nos atraindo para dentro dos eventos que ele descreve. A escrita de Lucas também exibe uma fervorosa sensibilidade quanto aos detalhes pessoais íntimos" (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 133).
  • 22. Entre aspas Pr. Moisés Sampaio de Paula 22 A fé cristã não se trata de uma lenda ou fábula engenhosamente inventada. São fatos históricos.
  • 23. CONHEÇA MAIS Pr. Moisés Sampaio de Paula 23 *Como o Evangelho de Lucas Retrata a Cristo "No Evangelho de Lucas, Cristo é retratado como o Homem Perfeito e de grande empatia. A genealogia é rastreada desde Davi e Abraão até Adão, nosso antepassado comum, apresentando-o, deste modo, como alguém da nossa raça". Para conhecer mais leia Introdução ao Novo Testamento, CPAD, p. 77
  • 24. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • 1. O cristianismo no seu contexto histórico. • 2. Discipulado através dos fatos. Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
  • 25. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • Lucas mostra com riqueza de detalhes sob que circunstâncias históricas se deram os fatos por ele narrados. Pr. Moisés Sampaio de Paula 25 1. O cristianismo no seu contexto histórico.
  • 26. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • "E, no ano quinze do império de Tibério César, sendo Pôncio Pilatos governador da Judeia, e Herodes, tetrarca da Galileia, e seu irmão Filipe, tetrarca da Itureia e da província de Traconites, e Lisânias, tetrarca de Abilene, sendo Anás e Caifás sumos sacerdotes, veio no deserto a palavra de Deus a João, filho de Zacarias" (Lc 3.1,2). Pr. Moisés Sampaio de Paula 26 1. O cristianismo no seu contexto histórico.
  • 27. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • Esses dados têm um propósito claro: Pr. Moisés Sampaio de Paula 27 1. O cristianismo no seu contexto histórico. A fé cristã, portanto, não se trata de uma lenda ou fábula engenhosamente inventada. São fatos históricos que poderiam ser testados e provados e, dessa forma, podem ser aceitos por todos aqueles que procuram a verdade. Mostrar que o plano da salvação no cristianismo pode ser localizado com precisão dentro da história.
  • 28. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • A palavra grega katecheo, traduzida como "informado" ou "instruído" no versículo 4, deu origem à palavra portuguesa catequese. • Esse vocábulo significa também: doutrinar, ensinar e convencer. Pr. Moisés Sampaio de Paula 28 2. Discipulado através dos fatos.
  • 29. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • Nesse contexto possui o sentido de "discipular". Lucas escreveu o seu Evangelho para formar discípulos. • O discipulado, para ser autêntico, deve fundamentar-se na veracidade dos fatos da fé cristã. Pr. Moisés Sampaio de Paula 29 2. Discipulado através dos fatos.
  • 30. II - OS FUNDAMENTOS E HISTORICIDADE DA FÉ CRISTÃ • Nos primeiros versículos do seu Evangelho, Lucas revela, portanto, quais seriam as razões da sua obra (Lucas 1.1- 4). • O terceiro Evangelho foi escrito para mostrar os fundamentos das verdades nas quais os cristãos são instruídos. Pr. Moisés Sampaio de Paula 30 2. Discipulado através dos fatos.
  • 31. SINOPSE DO TÓPICO (2) Pr. Moisés Sampaio de Paula 31 A veracidade dos fatos narrados por Lucas pode ser comprovada pela história.
  • 32. SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO Pr. Moisés Sampaio de Paula 32 • "Lucas presta bastante atenção aos eventos que ocorreram antes do nascimento de Jesus, uma atenção maior que aquela que os outros evangelistas dedicaram ao assunto" (RICHARDS, Lawrence O. Comentário Histórico-Cultural do Novo Testamento. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p. 134).
  • 33. Entre aspas Pr. Moisés Sampaio de Paula 33 O discipulado, para ser autêntico, deve fundamentar-se na veracidade dos fatos da fé cristã.
  • 34. III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO • 1. A história da salvação. • 2. A salvação em seu aspecto universal. Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
  • 35. O tempo da Igreja O tempo de Jesus O tempo do Antigo Testamento III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO • A teologia cristã destaca que Lucas divide a história da salvação em três estágios. Pr. Moisés Sampaio de Paula 35 1. A história da salvação. Evangelho de Lucas Atos dos Apóstolos
  • 36. III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO Pr. Moisés Sampaio de Paula 36 1. A história da salvação. O tempo da Igreja O tempo de Jesus O tempo do Antigo Testamento (Lc 16.16). No contexto de Lucas a expressão a "Lei e os Profetas" é uma referência ao Antigo Testamento, onde é narrado o plano de Deus para o povo de Israel. A frase "anunciado o Reino de Deus" se refere ao tempo de Jesus que, através do Espírito Santo, realiza e manifesta o Reino de Deus. O tempo da Igreja ocorre quando o Espírito Santo, que estava sobre Jesus, é derramado sobre todos os crentes.
  • 37. III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO • O aspecto universal da salvação, revelado no terceiro Evangelho pode ser facilmente observado pelo seu amplo destaque dado aos gentios. • O próprio Lucas endereça a sua obra a um gentio, Teófilo (Lc 1.1,2). Pr. Moisés Sampaio de Paula 37 2. A salvação em seu aspecto universal.
  • 38. III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO • A descendência de Cristo, o Messias prometido, vai até Adão, o pai de todos, e não apenas até Abraão, o pai dos judeus (Lc 3.23- 38). • Fica, portanto, revelado que os gentios, e não somente os judeus, estão incluídos no plano salvífico de Deus (Lc 2.32; 24.47).Pr. Moisés Sampaio de Paula 38 2. A salvação em seu aspecto universal.
  • 39. III - A UNIVERSALIDADE DA SALVAÇÃO • Destaque especial é dado para os samaritanos (Lc 9.51-56; 10.25-37; 17.11-19). Há ainda outras particularidades do Evangelho de Lucas que mostram o interesse de Deus por toda a humanidade, especialmente os pobres e excluídos (Lc 19.1-10; 7.36- 50; 23.39-43; 18.9-14). Pr. Moisés Sampaio de Paula 39 2. A salvação em seu aspecto universal.
  • 40. SINOPSE DO TÓPICO (3) Pr. Moisés Sampaio de Paula 40 Todos estão incluídos no plano salvífico de Deus: gentios e judeus.
  • 41. Entre aspas Pr. Moisés Sampaio de Paula 41 A descendência de Cristo, o Messias prometido, vai até Adão, o pai de todos, e não apenas até Abraão, o pai dos judeus.
  • 42. SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO Pr. Moisés Sampaio de Paula 42 • "A Verdadeira Identidade do Filho • Os aspectos-chave na vida de Jesus ajudaram os primeiros cristãos a perceber, de uma forma nova e única, que Ele era o 'Filho de Deus'. • o A encarnação. Jesus foi concebido pelo poder do Espírito Santo de Deus, e não por um pai humano. De forma consistente, também falou de como saiu 'do Pai' para vir 'ao mundo' (Jo 16.28). Enquanto, para outros seres humanos, o nascimento é o início da vida, o nascimento de Jesus era uma encarnação - Ele existia como o Filho de Deus antes de seu nascimento humano. Jesus, de forma distinta dos governantes pagãos, não era um filho adotado dos deuses, mas sim o eterno Filho de Deus. • o O reconhecimento por Satanás e pelos demônios. Enquanto a identidade verdadeira de Jesus, durante seu ministério terreno, estava velada para seus discípulos, ela foi reconhecida por Satanás (Mt 4.3,6) e pelos demônios (Lc 8.28). • o A ressurreição e ascensão. Jesus foi morto por afirmar que falava e agia como o Filho de Deus. A ressurreição representou a confirmação de Deus de que Jesus falava a verdade sobre si mesmo. Paulo apontou a ressurreição como a revelação ou declaração da verdadeira identidade de Jesus como Filho de Deus (Rm 1.4). Depois da ressurreição, Jesus retornou ao Pai para ficar no lugar de honra, à direita de Deus" (Guia Cristão de Leitura da Bíblia. 1 ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2013, pp. 34,35).
  • 43. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO • 1. Jesus, o homem perfeito. • 2. O Messias e o Espírito Santo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 43
  • 44. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO • No Evangelho de Lucas, Jesus aparece como: 1. O "Filho de Deus" (Lc 1.35) e 2. Filho do Homem" (Lc 5.24). • São expressões messiânicas que revelam a deidade de Jesus. Pr. Moisés Sampaio de Paula 44 1. Jesus, o homem perfeito.
  • 45. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO Pr. Moisés Sampaio de Paula 45 1. Jesus, o homem perfeito. Filho de Deus Filho do homem A primeira expressão mostra Jesus como verdadeiro Deus a segunda, que ocorre 25 vezes no terceiro Evangelho, mostra-o como verdadeiro homem.
  • 46. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO • Como filho do Homem: 1. Ele é o Homem Perfeito. 2. Jesus era obediente a seus pais. Todavia, estava consciente de sua natureza divina (Lc 2.4-52). 3. Jesus enfrenta, e derrota, Satanás na tentação do deserto (Lc 4.1-13). Pr. Moisés Sampaio de Paula 46 1. Jesus, o homem perfeito. Ao usar o título "Filho do Homem" para si mesmo, Jesus evita ser confundido com o Messias político esperado pelos judeus.
  • 47. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO Pr. Moisés Sampaio de Paula 47 2. O Messias e o Espírito Santo. • Lucas revela que Jesus, o Messias, como Homem Perfeito, dependia do Espírito Santo no desempenho do seu ministério (Lc 4.18).
  • 48. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO • Isaías, o profeta messiânico, mostra a estreita relação que o Messias manteria com o Espírito do Senhor (Is 11.1,2; 42.1). Pr. Moisés Sampaio de Paula 48 2. O Messias e o Espírito Santo.
  • 49. IV - A IDENTIDADE DE JESUS, O MESSIAS ESPERADO • O Messias seria aquele sobre quem repousaria o Espírito do Senhor, tal como profetizara Isaías e Jesus aplicara a si, na sinagoga em Nazaré (Lc 4.16- 19; Is 61.1). Pr. Moisés Sampaio de Paula 49 2. O Messias e o Espírito Santo.
  • 50. SINOPSE DO TÓPICO (4) Pr. Moisés Sampaio de Paula 50 Lucas apresenta Jesus como o Filho de Deus e o Filho do Homem, ressaltando tanto a sua humanidade quanto a sua divindade.
  • 51. SUBSÍDIO BIBLIOLÓGICO Pr. Moisés Sampaio de Paula 51 • "Lucas descreveu como o Filho de Deus entrou na História. Jesus viveu de forma exemplar, foi o Homem Perfeito. Depois de um ministério perfeito, Ele se entregou como sacrifício perfeito pelos nossos pecados, para que pudéssemos ser salvos. • Jesus é o nosso Líder e Salvador perfeito. Ele oferece perdão a todos aqueles que o aceitam como Senhor de suas vidas e creem que aquilo que Ele diz é a verdade" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, p. 1337).
  • 52. Conclusão • O terceiro Evangelho é considerado a coroa dos Evangelhos sinóticos. • Enquanto o Evangelho de Mateus enfoca a realeza do Messias e Marcos o poder, Lucas enfatiza o amor de Deus. • Lucas é o Evangelho do Homem Perfeito; da alegria (Lc 1.28; 2.11; 19.37; 24.53); da misericórdia (Lc 1.78,79); do perdão (7.36-50; 19.1-10); da oração (Lc 6.12; 11.1; 22.39-45); dos pobres e necessitados (Lc 4.18) e do poder e da força do Espírito Santo (Lc 1.15,35; 3.22; 4.1; 4.14; 4.17-20; 10.21; 11.13; 24.49). • Lucas é, portanto, o Evangelho do crente que quer conhecer melhor o seu Senhor e ser cheio do Espírito Santo. Pr. Moisés Sampaio de Paula 52
  • 53. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 53 A quem é atribuída a autoria do terceiro Evangelho? A autoria é atribuída a Lucas, o médico amado.
  • 54. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 54 Como devemos entender o termo "informado" usado por Lucas no capítulo 1 do seu Evangelho? O vocábulo significa também "doutrinar", "ensinar" e "convencer".
  • 55. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 55 Como Jesus é revelado no Evangelho de Lucas? Ele é revelado como "Filho de Deus" e "Filho do Homem".
  • 56. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 56 As expressões "Filho do Homem" devem ser entendidas em que sentindo no terceiro Evangelho? Devem ser entendidas como expressões que mostram o relacionamento de Jesus com a humanidade.
  • 57. Perguntas Pr. Moisés Sampaio de Paula 57 De acordo com a lição, como é considerado o terceiro Evangelho? Ele é considerado a coroa dos Evangelhos Sinóticos.
  • 58. Pr. Moisés Sampaio Pr. Moisés Sampaio de Paula 58 • Pastor auxiliar da Igreja Assembleia de Deus em Rio Branco, AC, Brasil. • Palestrante de seminários e pregador no Brasil e exterior. • Contato