SlideShare uma empresa Scribd logo
O DIVÓRCIO
2º Trimestre de
2013
Lição 7
Pr. Moisés Sampaio de Paula
TEXTO ÁUREO
2Pr. Moisés Sampaio de Paula
"Eu vos digo, porém, que qualquer que
repudiar sua mulher, não sendo por causa
de prostituição, e casar com outra, comete
adultério; e o que casar com a repudiada
também comete adultério“
(Mt 19.9).
"Eu vos digo, porém, que qualquer que
repudiar sua mulher, não sendo por causa
de prostituição, e casar com outra, comete
adultério; e o que casar com a repudiada
também comete adultério“
(Mt 19.9).
VERDADE PRÁTICA
3Pr. Moisés Sampaio de Paula
O divórcio, embora admissível em caso de
infidelidade, sempre traz sérias
consequências à família. Por isso Deus o
odeia.
O divórcio, embora admissível em caso de
infidelidade, sempre traz sérias
consequências à família. Por isso Deus o
odeia.
Uma Pergunta
O que as Escrituras Sagradas têm
a falar sobre o divórcio?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
OBJETIVOS
Após esta aula, o aluno deverá estar apto a:
• Dissertar sobre o divórcio no Antigo
testamento.
• Defender como padrão o ensinamento de
Jesus sobre o divórcio.
• Explicar o porquê do ensino de Paulo acerca
do divórcio.
5Pr. Moisés Sampaio de Paula
Palavra chave: Divórcio
6Pr. Moisés Sampaio de Paula
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO
1. A lei de Moisés e o divórcio.
2. A carta de divórcio.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO
1. A pergunta dos fariseus.
2. O ensino de Jesus.
3. Permissão para novo casamento.
III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO
1. Aos casais crentes.
2. Quando um dos cônjuges não é crente.
3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO
1. A lei de Moisés e o divórcio.
2. A carta de divórcio.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO
1. A pergunta dos fariseus.
2. O ensino de Jesus.
3. Permissão para novo casamento.
III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO
1. Aos casais crentes.
2. Quando um dos cônjuges não é crente.
3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.
Esboço da Lição
7Pr. Moisés Sampaio de Paula
• Por ser algo traumático, o divórcio
é sempre um assunto difícil de ser
tratado.
1. Existem pessoas que não o
aceitam em nenhuma
condição.
2. Há pessoas que, sob
determinadas circunstâncias
são favoráveis, e há até os
que buscam base nas
Sagradas Escrituras para
admiti-lo em qualquer
situação.
• Qual a posição da Bíblia?É o que
estudaremos nesta lição. 8Pr. Moisés Sampaio de Paula
INTRODUÇÃO
Uma Pergunta
Como era o divórcio no Antigo
Testamento?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO
TESTAMENTO
10Pr. Moisés Sampaio de Paula
A lei de Moisés não
incentivava o divórcio,
mas dispunha de
mecanismos diversos,
com o objetivo de
garantir a dignidade
humana.
1. A lei de Moisés e o divórcio.
2. A carta de divórcio.
1. A lei de Moisés e o divórcio.
2. A carta de divórcio.
• Deuteronômio 24 trata a respeito do
divórcio. Como a prática havia se
tornado comum em Israel, o propósito
da lei era regulamentar tal situação a
fim de evitar os abusos e preservar a
família.
• Nenhuma lei do Antigo Testamento
incentivava alguém a divorciar-se, mas
servia como base legal para a proibição
de outros casamentos com a mulher
divorciada.
11Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. A lei de Moisés e o divórcio.1. A lei de Moisés e o divórcio.
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO
TESTAMENTO
O divórcio era e é um ato extremo (Ml 2.16).O divórcio era e é um ato extremo (Ml 2.16).
• Infelizmente, muitos que conhecem
a Palavra do Senhor se divorciam
por qualquer motivo.
• O casamento é uma aliança de
amor, inclusive com Deus, um pacto
que não pode ser quebrado,
sobretudo por motivos fúteis e
torpes.
12Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. A lei de Moisés e o divórcio.1. A lei de Moisés e o divórcio.
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO
TESTAMENTO
• Uma vez que recebia a carta de divórcio:
1. tanto o homem quanto a mulher estavam
livres para se casarem novamente.
2. segundo a lei, a mulherque fora repudiada,
depois deviver com outro marido, não
poderia retornar para o primeiro, pois tal
atitude era considerada abominação ao
Senhor (Dt 24.4).
3. Divorciar-se não era fácil, pois havia várias
formalidades, e somente o homem podia
pedir o divórcio. A mulher não tinha tal
direito.
13Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. A carta de divórcio.2. A carta de divórcio.
I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO
TESTAMENTO
A Leide Moisés, apesar de não incentivar o divórcio, dispunha
de vários mecanismos para torná-lo mais humano (Dt 24).
A Leide Moisés, apesar de não incentivar o divórcio, dispunha
de vários mecanismos para torná-lo mais humano (Dt 24).
Pense nisso
• "Eu odeio o divórcio", diz
o Senhor, o Deus de
Israel, “Malaquias 2:16
Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
Uma Pergunta
Qual é o ensino de Jesus a respeito
do divórcio?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO
DO DIVÓRCIO
16Pr. Moisés Sampaio de Paula
O Senhor Jesus
condena o divórcio,
excetuando àquele que
foi motivado por
prostituição.
1. A pergunta dos fariseus.
2. O ensino de Jesus.
3. Permissão para novo casamento.
1. A pergunta dos fariseus.
2. O ensino de Jesus.
3. Permissão para novo casamento.
• Procurando incriminar Jesus, e
imbuídos da ideia difundida pela
escola do rabino Hilel (que defendia
o direito de o homem dar carta de
divórcio à mulher "por qualquer
motivo"), os fariseus questionaram:
"É lícito ao homem repudiar
sua mulher por qualquer
motivo?" (Mt 19.3b).
17Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. A pergunta dos fariseus.1. A pergunta dos fariseus.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO
DO DIVÓRCIO
• Respondendo aos acusadores, Jesus
relembrou o "princípio" divino para
o casamento, quando Deus fez o
ser humano, "macho e fêmea",
"ambos uma [só] carne" (cf. Gn
2.24). Assim, o Mestre concluiu:
"Portanto, o que Deus ajuntou não
separe o homem" (Mt 19.6b). Essa é
a doutrina originária a respeito da
união entre um homem e uma
mulher; ela reflete o plano de Deus
para o casamento, considerando-o
uma união indissolúvel.
18Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. A pergunta dos fariseus.1. A pergunta dos fariseus.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO
DO DIVÓRCIO
• Os fariseus insistiram: "Então, por que
mandou Moisés dar-lhe carta de
divórcio e repudiá-la?" (Mt 19.7b).
Respondendo à insistente pergunta,
Jesus explicou que:
• Moisés permitiu dar carta de
repúdioàs mulheres, "por causa da
dureza dos vossos corações".
• Uma mulher abandonada pelo marido
ficaria exposta à miséria ou à
prostituição para sobreviver.
• Com a carta de divórcio ela poderia
casar-se novamente. 19Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. O ensino de Jesus.2. O ensino de Jesus.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO
DO DIVÓRCIO
Deus não é radical no trato com
os problemas decorrentes do
pecado e com o ser humano. Ele
se importava com as mulheres e
sabia o quanto elas iriam sofrer
com a dureza do coração do
homem, e tornou o trato desse
assunto mais digno para elas.
Deus não é radical no trato com
os problemas decorrentes do
pecado e com o ser humano. Ele
se importava com as mulheres e
sabia o quanto elas iriam sofrer
com a dureza do coração do
homem, e tornou o trato desse
assunto mais digno para elas.
• Segundo ensinou o Senhor Jesus, o
divórcio é permitido somente no caso de
infidelidade conjugal.
• Visando coibir o divórcio por qualquer
motivo, o Mestre disse: "Eu vos digo,
porém, que qualquer que repudiar sua
mulher, não sendo por causa de
prostituição, e casar com outra, comete
adultério; e o que casar com a repudiada
também comete adultério" (Mt 19.9).
Numa outra versão bíblica, lê-se: "exceto
por causa de infidelidade conjugal" ou
"relações sexuais ilícitas". Essa foi a única
condição que Jesus entendeu ser suficiente
para o divórcio. 20Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. O ensino de Jesus.2. O ensino de Jesus.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO
DO DIVÓRCIO
Pelo texto bíblico, está claro que :
• Jesus permite o divórcio, com a
possibilidade de haver novo
casamento, somente por parte do
cônjuge fiel, vítima de prostituição,
ou infidelidade conjugal.
• Deus admite a separação do casal,
não como regra, mas como exceção,
em virtude de práticas
insuportáveis relacionadas à
sexualidade, que desfazem o pacto
conjugal. 21Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. Permissão para novo casamento.3. Permissão para novo casamento.
II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO
DO DIVÓRCIO
Pense nisso!
• Em Jesus o crente tem
forças para perdoar e fazer
o possível para restaurar
seu casamento.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
QUANDO AS ESCRITURAS NÃO
CONDENAM O DIVÓRCIO
Infidelidade conjugal
• “Ele [Jesus] permite o divórcio em caso de adultério; sendo
que a razão da lei contra o divórcio consiste na máxima:
‘Serão dois numa só carne’. Se a esposa [ou o esposo] se
prostituir e se tornar uma só carne com um adúltero [ou uma
adúltera], a razão
• da lei cessa, e também a lei. O adultério era punido com a
morte pela lei de Moisés (Dt 22.22). Então, o nosso Salvador
suaviza o rigor, e determina que o divórcio seja a penalidade”
Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
Uma Pergunta
Qual é o ensino de Paulo acerca do
divórcio?
Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
III. ENSINOS DE PAULO A
RESPEITO DO DIVÓRCIO
25Pr. Moisés Sampaio de Paula
O apóstolo Paulo afirma
que a pessoa crente,
quando abandona da
pelo cônjuge não crente,
está livre para conceber
novas núpcias.
Contanto, que seja no
Senhor.
1. Aos casais crentes.
2. Quando um dos cônjuges não é crente.
3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.
1. Aos casais crentes.
2. Quando um dos cônjuges não é crente.
3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.
• Os "casais crentes“ não devem
divorciar-se, sem que haja algum dos
motivos prescritos na Palavra de Deus (Mt
19.9; 1 Co 7.15).
• Se há desentendimentos o caminho não é
o divórcio, mas a reconciliação
acompanhada do perdão sincero ou o
celibato por opção e não por imposição
eclesiástica.
26Pr. Moisés Sampaio de Paula
1. Aos casais crentes.1. Aos casais crentes.
III. ENSINOS DE PAULO A
RESPEITO DO DIVÓRCIO
Paulo diz: "todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a
mulher se não aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar
ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher" (1
Co 7.10,11).
Paulo diz: "todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a
mulher se não aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar
ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher" (1
Co 7.10,11).
• Paulo ensina que, se o cônjuge
não crente concorda em viver
(dignamente) com o crente,
que este não o deixe (1Co 7.12-
14).
• O crente agindo com sabedoria
poderá inclusive ganhar o descrente
para Jesus (1 Pe 3.1).
27Pr. Moisés Sampaio de Paula
2. Quando um dos cônjuges não é crente.2. Quando um dos cônjuges não é crente.
III. ENSINOS DE PAULO A
RESPEITO DO DIVÓRCIO
• O apóstolo, porém, ressalva: "Mas, se o
descrente se apartar, aparte-se; porque
neste caso o irmão, ou irmã, não está
sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos
para a paz. Porque, donde sabes, ó
mulher, se salvarás teu marido? Ou, donde
sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?"
(1Co 7.15,16). Ou seja, o cristão fiel, esposo
ou esposa, não é obrigado a viver até a
morte sob a servidão de um ímpio. Nesse
caso, ele ou ela, pode reconstruir a sua
vida de acordo com a vontade de Deus
(1Co 7.27,28,39). Entretanto, aguarde o
tempo de Deus na sua vida.
28Pr. Moisés Sampaio de Paula
3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.
III. ENSINOS DE PAULO A
RESPEITO DO DIVÓRCIO
QUANDO AS ESCRITURAS NÃO
CONDENAM O DIVÓRCIO
Abandono do cônjuge
• “A iniciativa de romper os laços do casamento deve partir do
descrente, por não estar disposto a viver tal situação (v.15). O
texto grego é expressivo: ‘se o descrente se apartar, [chorizo,
como no verso 10], aparte-se’. O gênero masculino de
‘descrente’ é usado de modo inclusivo, assim como o restante
do verso indica. ‘Neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito
à servidão’. Não está sujeito à servidão em que sentido? [...]
Não está sujeito a permanecer solteiro, mas casar-se
novamente (Hering 53; Bruce, 70)”
Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
Conclusão
1. O divórcio causa sérios
inconvenientes à igreja local, às
famílias e à sociedade.
2. No projeto original de Deus, não
havia espaço para o divórcio.
3. Precisamos tratar cada caso de
modo pessoal sempre em
conformidade com a Palavra de
Deus.
4. Não podemos fugir do que
recomenda e prescreve a Bíblia
Sagrada.
5. E não podemos nos esquecer de
que a Igreja é também uma
"comunidade terapêutica".
Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
Pr. Moisés Sampaio de Paula 32
Pr. Moisés Sampaio de Paula 33
Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
Pr. Moisés Sampaio de Paula 35
Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
Pr. Moisés Sampaio de Paula 40
“A Lei do Divórcio
• [Mateus 19] vv.3-12
• Nós temos aqui a lei de Cristo no caso de divórcio, ocasionada, como
algumas outras manifestações da sua vontade, por uma discussão com
'os fariseus'. Ele suportou tão pacientemente as contradições dos
pecadores, que as transformou em instruções para os seus próprios
discípulos! Observe aqui: O caso proposto pelos fariseus (v.3): 'É lícito ao
homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?' Os fariseus lhe
perguntaram isso para provocá-lo, e não porque desejassem ser
ensinados por Ele. Algum tempo atrás, Ele havia, na Galileia, manifestado
seu pensamento sobre esse assunto, contra aquilo que era uma prática
comum (cap.5.31,32); e se Ele, do mesmo modo, se pronunciasse agora
contra o divórcio, eles fariam uso disso para indispor e enfurecer o povo
desse país contra Ele, que olharia com desconfiança para alguém que
tentasse diminuir a liberdade de que eles tanto gostavam. Os fariseus
esperavam que Ele perdesse o afeto das pessoas tanto por esse como por
qualquer um dos seus preceitos.Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
“A Lei do Divórcio
• Ou então, a armadilha pode ter sido planejada dessa forma: se Ele dissesse que
os divórcios não eram legais, eles o apontariam como um inimigo da lei de
Moisés, que os permitia; se dissesse que eram legais, eles caracterizariam a sua
doutrina como não tendo em si aquela perfeição que era esperada na doutrina
do Messias, uma vez que, embora os divórcios fossem tolerados, eles eram vistos
pela parte mais rígida do povo como não sendo algo de boa reputação [...].
• A pergunta dos fariseus foi a seguinte: Será que um homem pode repudiar a sua
mulher por qualquer motivo? O divórcio era praticado, como acontecia
geralmente, por pessoas irresponsáveis, e por qualquer motivo. Será que ele
poderia ser praticado por qualquer motivo que um homem pudesse julgar
adequado (embora fosse, como sempre, frívolo), como também por qualquer
antipatia ou desagrado? A tolerância, nesse caso, permitia isso: 'Se não achar
graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio'
(Dt 24.1). Eles interpretavam esta passagem literalmente; e assim, qualquer
desgosto, mesmo que sem motivo, poderia ser tornar a base para um divórcio"
(HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Novo Testamento: Mateus a João. 1.ed.
Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p.240).
Pr. Moisés Sampaio de Paula 42
HILEL, O GRANDE RABINO DE
ISRAEL
• Hilel, o ancião, (no hebraico ‫הלל‬ ) (c. 60 a.C. - c. 9)
é o nome de um conhecido líder religioso judeu,
que viveu durante o reinado de Herodes, o Grande
na época do Segundo Templo. Estudioso
respeitado em seu tempo, Hilel é associado à
diversos ensinamentos da Mishná e do Talmud,
tendo fundado uma escola (Beit Hilel) para ensino
de mestres no judaísmo.
Hilel era reverenciado como verdadeiro líder
espiritual e religioso. O rei Herodes não teve outra
escolha senão aceitar a autoridade religiosa do
Sanhedrin, reconhecer o prestígio de Hilel e
respeitar o controle que este exercia sobre a vida
religiosa.
Pr. Moisés Sampaio de Paula 43
HILEL, O GRANDE RABINO DE
ISRAEL
• Hillel e Shamai sãos os fundadores de duas escolas que levaram seus
nomes (Bet Hillel e Bet Shamai). Apesar de todas as controvérsias que
se acenderam entre estas, ambas inscreviam-se na estrutura
tradicionalmente aceita no judaísmo. As disputas haláchicas entre elas
prosseguiram por muitas gerações até que finalmente prevaleceram os
pontos de vista da Casa de Hillel. O Talmud Babilônico nos traz, numa
única frase, a conclusão: "Ambas são as palavras do D’us vivo, e a
decisão está de acordo com a casa de Hillel.“
As duas escolas refletem a personalidade de seus fundadores: Hillel era
uma pessoa amável, simples, próxima às camadas mais modestas, e
suas máximas breves refletem sua generosidade, piedade e amor à
humanidade.
• Shamai era extremamente íntegro, mas rígido e irascível. No Talmud se
diz: "Que o homem seja sempre humilde e paciente como Hillel e não
exaltado como Shamai."
Pr. Moisés Sampaio de Paula 44
Como a religião judaica encara o
divórcio?
• O Judaísmo considera o matrimônio um vinculo sagrado, um compromisso que
não pode ser rompido levianamente. Em nossa tradição, a separação de um casal
sempre foi vista como uma verdadeira tragédia. No entanto, a lei judaica não
proíbe o divórcio. Ela reconhece que ainda mais trágica do que uma separação, é
uma vida de desamor familiar. Um lar que permanece fisicamente intacto, mas
que já se desmoronou espiritualmente, e muito mais prejudicial para os pais e
para as crianças do que um divórcio.
• Desde que ambos os cônjuges expressem o desejo de uma separação definitiva, o
divórcio judaico (get em hebraico) e então formalizado sob orientação rabínica.
Um casamento consagrado pela Lei de Moisés e Israel só pode ser dissolvido de
acordo com a Lei. A cerimônia do get processa-se na presença de duas
testemunhas e de um escriba que prepara à mão o documento de divórcio, o qual
é lido e arquivado pelo rabino ou um tribunal de três rabinos. Marido e mulher
recebem uma carta (z) atestando oficialmente a consumação do divórcio e dando-
lhes o direito de se casarem novamente.
• A esposa só pode contrair novas núpcias após o prazo de 92 dias, evitando assim
qualquer dúvida sobre a paternidade, caso ela venha a conceber um filho do
segundo marido. Pr. Moisés Sampaio de Paula 45
Pr. Moisés Sampaio de Paula 46

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Erberson Pinheiro
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Wander Sousa
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
Junior Cesar Santiago
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
guestc5d870
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Éder Tomé
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
Márcio Martins
 
O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus
Edilson Jose Barbosa Barbosa
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
IBMemorialJC
 
A Nova Aliança
A Nova AliançaA Nova Aliança
A Nova Aliança
Márcio Melânia
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
Moisés Sampaio
 
Parousia o arrebatamento da igreja
Parousia   o arrebatamento da igrejaParousia   o arrebatamento da igreja
Parousia o arrebatamento da igreja
jonasfreitasdejesus
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Éder Tomé
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
Cleudson Corrêa
 
O CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA
O CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIAO CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA
O CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA
Daniel de Carvalho Luz
 
Mordomia Cristã
Mordomia CristãMordomia Cristã
Mordomia Cristã
Rogério Nunes
 
LIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhos
LIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhosLIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhos
LIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhos
Natalino das Neves Neves
 
2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos
Moisés Sampaio
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
Moisés Sampaio
 
Maturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZecaMaturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZeca
DM Zeca
 

Mais procurados (20)

Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
 
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
Lição 2   A disciplina na vida do obreiroLição 2   A disciplina na vida do obreiro
Lição 2 A disciplina na vida do obreiro
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser SuestimadaLição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
Lição 1 – Batalha Espiritual – A Realidade não Pode ser Suestimada
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus O poder do chamado de deus
O poder do chamado de deus
 
Princípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de SantidadePrincípios para uma Vida de Santidade
Princípios para uma Vida de Santidade
 
A Nova Aliança
A Nova AliançaA Nova Aliança
A Nova Aliança
 
7. arrebatamento
7. arrebatamento7. arrebatamento
7. arrebatamento
 
Parousia o arrebatamento da igreja
Parousia   o arrebatamento da igrejaParousia   o arrebatamento da igreja
Parousia o arrebatamento da igreja
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
 
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito   02 - amor, aleria. pazO fruto do espírito   02 - amor, aleria. paz
O fruto do espírito 02 - amor, aleria. paz
 
O CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA
O CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIAO CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA
O CRISTÃO E SEU COMPROMISSO COM A EXCELÊNCIA
 
Mordomia Cristã
Mordomia CristãMordomia Cristã
Mordomia Cristã
 
LIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhos
LIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhosLIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhos
LIÇÃO 10 - As duas portas e os dois caminhos
 
2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos2. o estado intermediario dos mortos
2. o estado intermediario dos mortos
 
Uma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibradaUma vida cristã equilibrada
Uma vida cristã equilibrada
 
Maturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZecaMaturidade Espiritual com DMZeca
Maturidade Espiritual com DMZeca
 

Destaque

Divórcio
DivórcioDivórcio
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
Moisés Sampaio
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
Moisés Sampaio
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
Moisés Sampaio
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
Moisés Sampaio
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
Moisés Sampaio
 
Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
Moisés Sampaio
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
Moisés Sampaio
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
Moisés Sampaio
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
Moisés Sampaio
 
Livros históricos aula 3
Livros  históricos aula 3Livros  históricos aula 3
Livros históricos aula 3
Moisés Sampaio
 
Historia da igreja i aula 3
Historia da igreja i  aula 3Historia da igreja i  aula 3
Historia da igreja i aula 3
Moisés Sampaio
 
1. introducao
1. introducao1. introducao
1. introducao
Moisés Sampaio
 
Lança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águasLança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águas
Moisés Sampaio
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
Moisés Sampaio
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
Moisés Sampaio
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Moisés Sampaio
 
Como baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshareComo baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshare
Moisés Sampaio
 

Destaque (19)

Divórcio
DivórcioDivórcio
Divórcio
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
 
Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2Epístolas gerais aula 2
Epístolas gerais aula 2
 
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o SinaiA peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
 
Daniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneoDaniel nosso contemporaneo
Daniel nosso contemporaneo
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
Historia da igreja I aula 2
Historia da igreja I  aula 2Historia da igreja I  aula 2
Historia da igreja I aula 2
 
O Deus que intervém na história
O Deus que intervém na históriaO Deus que intervém na história
O Deus que intervém na história
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
O cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião puraO cuidado ao falar e a religião pura
O cuidado ao falar e a religião pura
 
As limitações dos discípulos
As limitações dos discípulosAs limitações dos discípulos
As limitações dos discípulos
 
Livros históricos aula 3
Livros  históricos aula 3Livros  históricos aula 3
Livros históricos aula 3
 
Historia da igreja i aula 3
Historia da igreja i  aula 3Historia da igreja i  aula 3
Historia da igreja i aula 3
 
1. introducao
1. introducao1. introducao
1. introducao
 
Lança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águasLança o teu pão sobre as águas
Lança o teu pão sobre as águas
 
Historia da igreja i aula 1
Historia da igreja i  aula 1Historia da igreja i  aula 1
Historia da igreja i aula 1
 
Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1Epístolas gerais - aula 1
Epístolas gerais - aula 1
 
Tiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obrasTiago – fé que se mostra pelas obras
Tiago – fé que se mostra pelas obras
 
Como baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshareComo baixar os estudo no slideshare
Como baixar os estudo no slideshare
 

Semelhante a O divórcio

Lição 7
Lição 7Lição 7
Lição 7
Silas Rodrigues
 
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominicalO divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
yosseph2013
 
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
2013   2 tri - lição 7 - o divórcio2013   2 tri - lição 7 - o divórcio
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
Natalino das Neves Neves
 
O divórcio lição 07 para ebd
O divórcio   lição 07 para ebdO divórcio   lição 07 para ebd
O divórcio lição 07 para ebd
joseph2012sky
 
LIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptx
LIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptxLIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptx
LIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptx
NathanaelLacerda1
 
Lição 4 - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptx
Lição 4  - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptxLição 4  - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptx
Lição 4 - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptx
Laurindo6
 
ocasamentobblico-130407155914-phpapp01.ppt
ocasamentobblico-130407155914-phpapp01.pptocasamentobblico-130407155914-phpapp01.ppt
ocasamentobblico-130407155914-phpapp01.ppt
MARCIO MARTINS SILVA
 
lição 7
lição 7lição 7
lição 7
Ailton da Silva
 
O casamento bíblico
O casamento bíblicoO casamento bíblico
O casamento bíblico
Moisés Sampaio
 
Divorcio
DivorcioDivorcio
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
Natalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
Pastor Natalino Das Neves
 
Lição 04.docx
Lição 04.docxLição 04.docx
Lição 04.docx
ssusercf733f2
 
Casamento e divorcio
Casamento e divorcioCasamento e divorcio
Casamento e divorcio
ASD Remanescentes
 
Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013
Neide Santos
 
A Questao Do Divorcio
A Questao Do DivorcioA Questao Do Divorcio
A Questao Do Divorcio
Eduardo Sales de lima
 
Divórcio e novo casamento revista ultimato
Divórcio e novo casamento revista ultimatoDivórcio e novo casamento revista ultimato
Divórcio e novo casamento revista ultimato
LUÍS CLÁUDIO REOLIVE
 
Não adulterarás
Não adulterarásNão adulterarás
Não adulterarás
Moisés Sampaio
 
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
JooAlbertoSoaresdaSi
 
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-freeApostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
JooAlbertoSoaresdaSi
 

Semelhante a O divórcio (20)

Lição 7
Lição 7Lição 7
Lição 7
 
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominicalO divórcio   lição 07 - para escola bíblica dominical
O divórcio lição 07 - para escola bíblica dominical
 
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
2013   2 tri - lição 7 - o divórcio2013   2 tri - lição 7 - o divórcio
2013 2 tri - lição 7 - o divórcio
 
O divórcio lição 07 para ebd
O divórcio   lição 07 para ebdO divórcio   lição 07 para ebd
O divórcio lição 07 para ebd
 
LIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptx
LIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptxLIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptx
LIÇÃO 4 - A SUTILEZA DA NORMALIZAÇÃO DO DIVÓRCIO.pptx
 
Lição 4 - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptx
Lição 4  - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptxLição 4  - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptx
Lição 4 - A Sutileza da Normalização do Divórcio.pptx
 
ocasamentobblico-130407155914-phpapp01.ppt
ocasamentobblico-130407155914-phpapp01.pptocasamentobblico-130407155914-phpapp01.ppt
ocasamentobblico-130407155914-phpapp01.ppt
 
lição 7
lição 7lição 7
lição 7
 
O casamento bíblico
O casamento bíblicoO casamento bíblico
O casamento bíblico
 
Divorcio
DivorcioDivorcio
Divorcio
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
LIÇÃO 11 - Paulo responde questões a respeito do casamento (1 Co 7)
 
Lição 04.docx
Lição 04.docxLição 04.docx
Lição 04.docx
 
Casamento e divorcio
Casamento e divorcioCasamento e divorcio
Casamento e divorcio
 
Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013Casamento biblico 2013
Casamento biblico 2013
 
A Questao Do Divorcio
A Questao Do DivorcioA Questao Do Divorcio
A Questao Do Divorcio
 
Divórcio e novo casamento revista ultimato
Divórcio e novo casamento revista ultimatoDivórcio e novo casamento revista ultimato
Divórcio e novo casamento revista ultimato
 
Não adulterarás
Não adulterarásNão adulterarás
Não adulterarás
 
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
Toaz.info apostila-curso-casais-pronta-pr c158df0a23f9d968c62ed8914157b8d4
 
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-freeApostila curso-casais-pronta-pdf-free
Apostila curso-casais-pronta-pdf-free
 

Mais de Moisés Sampaio

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
Moisés Sampaio
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Moisés Sampaio
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Moisés Sampaio
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
Moisés Sampaio
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
Moisés Sampaio
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
Moisés Sampaio
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
Moisés Sampaio
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
Moisés Sampaio
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
Moisés Sampaio
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
Moisés Sampaio
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
Moisés Sampaio
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
Moisés Sampaio
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
Moisés Sampaio
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
Moisés Sampaio
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
Moisés Sampaio
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
Moisés Sampaio
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
Moisés Sampaio
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
Moisés Sampaio
 
Não furtarás
Não furtarásNão furtarás
Não furtarás
Moisés Sampaio
 

Mais de Moisés Sampaio (20)

O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demôniosO poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
O poder de Jesus sobre a natureza e os demônios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulosJesus escolhe seus discípulos
Jesus escolhe seus discípulos
 
A tentação de Jesus
A tentação de JesusA tentação de Jesus
A tentação de Jesus
 
A infância de Jesus
A infância de JesusA infância de Jesus
A infância de Jesus
 
O nascimento de Jesus
O nascimento de JesusO nascimento de Jesus
O nascimento de Jesus
 
A igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de DeusA igreja e a lei de Deus
A igreja e a lei de Deus
 
9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum9 - Cafarnaum
9 - Cafarnaum
 
8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia8 - Mar da Galiléia
8 - Mar da Galiléia
 
Não cobiçarás
Não cobiçarásNão cobiçarás
Não cobiçarás
 
7- Tiberíades
7- Tiberíades7- Tiberíades
7- Tiberíades
 
6 meggido
6   meggido6   meggido
6 meggido
 
Não darás falso testemunho
Não darás falso testemunhoNão darás falso testemunho
Não darás falso testemunho
 
5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo5 - Monte Carmelo
5 - Monte Carmelo
 
4 - Haifa
4 - Haifa4 - Haifa
4 - Haifa
 
3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima3 - Cesaréia Marítima
3 - Cesaréia Marítima
 
2-Jaffa
2-Jaffa2-Jaffa
2-Jaffa
 
1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv1 - Tel Aviv
1 - Tel Aviv
 
Não furtarás
Não furtarásNão furtarás
Não furtarás
 

O divórcio

  • 1. O DIVÓRCIO 2º Trimestre de 2013 Lição 7 Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 2. TEXTO ÁUREO 2Pr. Moisés Sampaio de Paula "Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério“ (Mt 19.9). "Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério“ (Mt 19.9).
  • 3. VERDADE PRÁTICA 3Pr. Moisés Sampaio de Paula O divórcio, embora admissível em caso de infidelidade, sempre traz sérias consequências à família. Por isso Deus o odeia. O divórcio, embora admissível em caso de infidelidade, sempre traz sérias consequências à família. Por isso Deus o odeia.
  • 4. Uma Pergunta O que as Escrituras Sagradas têm a falar sobre o divórcio? Pr. Moisés Sampaio de Paula 4
  • 5. OBJETIVOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: • Dissertar sobre o divórcio no Antigo testamento. • Defender como padrão o ensinamento de Jesus sobre o divórcio. • Explicar o porquê do ensino de Paulo acerca do divórcio. 5Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 6. Palavra chave: Divórcio 6Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 7. I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO 1. A lei de Moisés e o divórcio. 2. A carta de divórcio. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO 1. A pergunta dos fariseus. 2. O ensino de Jesus. 3. Permissão para novo casamento. III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO 1. Aos casais crentes. 2. Quando um dos cônjuges não é crente. 3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão. I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO 1. A lei de Moisés e o divórcio. 2. A carta de divórcio. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO 1. A pergunta dos fariseus. 2. O ensino de Jesus. 3. Permissão para novo casamento. III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO 1. Aos casais crentes. 2. Quando um dos cônjuges não é crente. 3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão. Esboço da Lição 7Pr. Moisés Sampaio de Paula
  • 8. • Por ser algo traumático, o divórcio é sempre um assunto difícil de ser tratado. 1. Existem pessoas que não o aceitam em nenhuma condição. 2. Há pessoas que, sob determinadas circunstâncias são favoráveis, e há até os que buscam base nas Sagradas Escrituras para admiti-lo em qualquer situação. • Qual a posição da Bíblia?É o que estudaremos nesta lição. 8Pr. Moisés Sampaio de Paula INTRODUÇÃO
  • 9. Uma Pergunta Como era o divórcio no Antigo Testamento? Pr. Moisés Sampaio de Paula 9
  • 10. I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO 10Pr. Moisés Sampaio de Paula A lei de Moisés não incentivava o divórcio, mas dispunha de mecanismos diversos, com o objetivo de garantir a dignidade humana. 1. A lei de Moisés e o divórcio. 2. A carta de divórcio. 1. A lei de Moisés e o divórcio. 2. A carta de divórcio.
  • 11. • Deuteronômio 24 trata a respeito do divórcio. Como a prática havia se tornado comum em Israel, o propósito da lei era regulamentar tal situação a fim de evitar os abusos e preservar a família. • Nenhuma lei do Antigo Testamento incentivava alguém a divorciar-se, mas servia como base legal para a proibição de outros casamentos com a mulher divorciada. 11Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. A lei de Moisés e o divórcio.1. A lei de Moisés e o divórcio. I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO O divórcio era e é um ato extremo (Ml 2.16).O divórcio era e é um ato extremo (Ml 2.16).
  • 12. • Infelizmente, muitos que conhecem a Palavra do Senhor se divorciam por qualquer motivo. • O casamento é uma aliança de amor, inclusive com Deus, um pacto que não pode ser quebrado, sobretudo por motivos fúteis e torpes. 12Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. A lei de Moisés e o divórcio.1. A lei de Moisés e o divórcio. I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO
  • 13. • Uma vez que recebia a carta de divórcio: 1. tanto o homem quanto a mulher estavam livres para se casarem novamente. 2. segundo a lei, a mulherque fora repudiada, depois deviver com outro marido, não poderia retornar para o primeiro, pois tal atitude era considerada abominação ao Senhor (Dt 24.4). 3. Divorciar-se não era fácil, pois havia várias formalidades, e somente o homem podia pedir o divórcio. A mulher não tinha tal direito. 13Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. A carta de divórcio.2. A carta de divórcio. I. O DIVÓRCIO NO ANTIGO TESTAMENTO A Leide Moisés, apesar de não incentivar o divórcio, dispunha de vários mecanismos para torná-lo mais humano (Dt 24). A Leide Moisés, apesar de não incentivar o divórcio, dispunha de vários mecanismos para torná-lo mais humano (Dt 24).
  • 14. Pense nisso • "Eu odeio o divórcio", diz o Senhor, o Deus de Israel, “Malaquias 2:16 Pr. Moisés Sampaio de Paula 14
  • 15. Uma Pergunta Qual é o ensino de Jesus a respeito do divórcio? Pr. Moisés Sampaio de Paula 15
  • 16. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO 16Pr. Moisés Sampaio de Paula O Senhor Jesus condena o divórcio, excetuando àquele que foi motivado por prostituição. 1. A pergunta dos fariseus. 2. O ensino de Jesus. 3. Permissão para novo casamento. 1. A pergunta dos fariseus. 2. O ensino de Jesus. 3. Permissão para novo casamento.
  • 17. • Procurando incriminar Jesus, e imbuídos da ideia difundida pela escola do rabino Hilel (que defendia o direito de o homem dar carta de divórcio à mulher "por qualquer motivo"), os fariseus questionaram: "É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?" (Mt 19.3b). 17Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. A pergunta dos fariseus.1. A pergunta dos fariseus. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO
  • 18. • Respondendo aos acusadores, Jesus relembrou o "princípio" divino para o casamento, quando Deus fez o ser humano, "macho e fêmea", "ambos uma [só] carne" (cf. Gn 2.24). Assim, o Mestre concluiu: "Portanto, o que Deus ajuntou não separe o homem" (Mt 19.6b). Essa é a doutrina originária a respeito da união entre um homem e uma mulher; ela reflete o plano de Deus para o casamento, considerando-o uma união indissolúvel. 18Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. A pergunta dos fariseus.1. A pergunta dos fariseus. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO
  • 19. • Os fariseus insistiram: "Então, por que mandou Moisés dar-lhe carta de divórcio e repudiá-la?" (Mt 19.7b). Respondendo à insistente pergunta, Jesus explicou que: • Moisés permitiu dar carta de repúdioàs mulheres, "por causa da dureza dos vossos corações". • Uma mulher abandonada pelo marido ficaria exposta à miséria ou à prostituição para sobreviver. • Com a carta de divórcio ela poderia casar-se novamente. 19Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. O ensino de Jesus.2. O ensino de Jesus. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO Deus não é radical no trato com os problemas decorrentes do pecado e com o ser humano. Ele se importava com as mulheres e sabia o quanto elas iriam sofrer com a dureza do coração do homem, e tornou o trato desse assunto mais digno para elas. Deus não é radical no trato com os problemas decorrentes do pecado e com o ser humano. Ele se importava com as mulheres e sabia o quanto elas iriam sofrer com a dureza do coração do homem, e tornou o trato desse assunto mais digno para elas.
  • 20. • Segundo ensinou o Senhor Jesus, o divórcio é permitido somente no caso de infidelidade conjugal. • Visando coibir o divórcio por qualquer motivo, o Mestre disse: "Eu vos digo, porém, que qualquer que repudiar sua mulher, não sendo por causa de prostituição, e casar com outra, comete adultério; e o que casar com a repudiada também comete adultério" (Mt 19.9). Numa outra versão bíblica, lê-se: "exceto por causa de infidelidade conjugal" ou "relações sexuais ilícitas". Essa foi a única condição que Jesus entendeu ser suficiente para o divórcio. 20Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. O ensino de Jesus.2. O ensino de Jesus. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO
  • 21. Pelo texto bíblico, está claro que : • Jesus permite o divórcio, com a possibilidade de haver novo casamento, somente por parte do cônjuge fiel, vítima de prostituição, ou infidelidade conjugal. • Deus admite a separação do casal, não como regra, mas como exceção, em virtude de práticas insuportáveis relacionadas à sexualidade, que desfazem o pacto conjugal. 21Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. Permissão para novo casamento.3. Permissão para novo casamento. II. O ENSINO DE JESUS A RESPEITO DO DIVÓRCIO
  • 22. Pense nisso! • Em Jesus o crente tem forças para perdoar e fazer o possível para restaurar seu casamento. Pr. Moisés Sampaio de Paula 22
  • 23. QUANDO AS ESCRITURAS NÃO CONDENAM O DIVÓRCIO Infidelidade conjugal • “Ele [Jesus] permite o divórcio em caso de adultério; sendo que a razão da lei contra o divórcio consiste na máxima: ‘Serão dois numa só carne’. Se a esposa [ou o esposo] se prostituir e se tornar uma só carne com um adúltero [ou uma adúltera], a razão • da lei cessa, e também a lei. O adultério era punido com a morte pela lei de Moisés (Dt 22.22). Então, o nosso Salvador suaviza o rigor, e determina que o divórcio seja a penalidade” Pr. Moisés Sampaio de Paula 23
  • 24. Uma Pergunta Qual é o ensino de Paulo acerca do divórcio? Pr. Moisés Sampaio de Paula 24
  • 25. III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO 25Pr. Moisés Sampaio de Paula O apóstolo Paulo afirma que a pessoa crente, quando abandona da pelo cônjuge não crente, está livre para conceber novas núpcias. Contanto, que seja no Senhor. 1. Aos casais crentes. 2. Quando um dos cônjuges não é crente. 3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão. 1. Aos casais crentes. 2. Quando um dos cônjuges não é crente. 3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.
  • 26. • Os "casais crentes“ não devem divorciar-se, sem que haja algum dos motivos prescritos na Palavra de Deus (Mt 19.9; 1 Co 7.15). • Se há desentendimentos o caminho não é o divórcio, mas a reconciliação acompanhada do perdão sincero ou o celibato por opção e não por imposição eclesiástica. 26Pr. Moisés Sampaio de Paula 1. Aos casais crentes.1. Aos casais crentes. III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO Paulo diz: "todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher" (1 Co 7.10,11). Paulo diz: "todavia, aos casados, mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher se não aparte do marido. Se, porém, se apartar, que fique sem casar ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher" (1 Co 7.10,11).
  • 27. • Paulo ensina que, se o cônjuge não crente concorda em viver (dignamente) com o crente, que este não o deixe (1Co 7.12- 14). • O crente agindo com sabedoria poderá inclusive ganhar o descrente para Jesus (1 Pe 3.1). 27Pr. Moisés Sampaio de Paula 2. Quando um dos cônjuges não é crente.2. Quando um dos cônjuges não é crente. III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO
  • 28. • O apóstolo, porém, ressalva: "Mas, se o descrente se apartar, aparte-se; porque neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito à servidão; mas Deus chamou-nos para a paz. Porque, donde sabes, ó mulher, se salvarás teu marido? Ou, donde sabes, ó marido, se salvarás tua mulher?" (1Co 7.15,16). Ou seja, o cristão fiel, esposo ou esposa, não é obrigado a viver até a morte sob a servidão de um ímpio. Nesse caso, ele ou ela, pode reconstruir a sua vida de acordo com a vontade de Deus (1Co 7.27,28,39). Entretanto, aguarde o tempo de Deus na sua vida. 28Pr. Moisés Sampaio de Paula 3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão.3. O cônjuge fiel não está sujeito à servidão. III. ENSINOS DE PAULO A RESPEITO DO DIVÓRCIO
  • 29. QUANDO AS ESCRITURAS NÃO CONDENAM O DIVÓRCIO Abandono do cônjuge • “A iniciativa de romper os laços do casamento deve partir do descrente, por não estar disposto a viver tal situação (v.15). O texto grego é expressivo: ‘se o descrente se apartar, [chorizo, como no verso 10], aparte-se’. O gênero masculino de ‘descrente’ é usado de modo inclusivo, assim como o restante do verso indica. ‘Neste caso o irmão, ou irmã, não está sujeito à servidão’. Não está sujeito à servidão em que sentido? [...] Não está sujeito a permanecer solteiro, mas casar-se novamente (Hering 53; Bruce, 70)” Pr. Moisés Sampaio de Paula 29
  • 30. Pr. Moisés Sampaio de Paula 30
  • 31. Conclusão 1. O divórcio causa sérios inconvenientes à igreja local, às famílias e à sociedade. 2. No projeto original de Deus, não havia espaço para o divórcio. 3. Precisamos tratar cada caso de modo pessoal sempre em conformidade com a Palavra de Deus. 4. Não podemos fugir do que recomenda e prescreve a Bíblia Sagrada. 5. E não podemos nos esquecer de que a Igreja é também uma "comunidade terapêutica". Pr. Moisés Sampaio de Paula 31
  • 32. Pr. Moisés Sampaio de Paula 32
  • 33. Pr. Moisés Sampaio de Paula 33
  • 34. Pr. Moisés Sampaio de Paula 34
  • 35. Pr. Moisés Sampaio de Paula 35
  • 36. Pr. Moisés Sampaio de Paula 36
  • 37. Pr. Moisés Sampaio de Paula 37
  • 38. Pr. Moisés Sampaio de Paula 38
  • 39. Pr. Moisés Sampaio de Paula 39
  • 40. Pr. Moisés Sampaio de Paula 40
  • 41. “A Lei do Divórcio • [Mateus 19] vv.3-12 • Nós temos aqui a lei de Cristo no caso de divórcio, ocasionada, como algumas outras manifestações da sua vontade, por uma discussão com 'os fariseus'. Ele suportou tão pacientemente as contradições dos pecadores, que as transformou em instruções para os seus próprios discípulos! Observe aqui: O caso proposto pelos fariseus (v.3): 'É lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo?' Os fariseus lhe perguntaram isso para provocá-lo, e não porque desejassem ser ensinados por Ele. Algum tempo atrás, Ele havia, na Galileia, manifestado seu pensamento sobre esse assunto, contra aquilo que era uma prática comum (cap.5.31,32); e se Ele, do mesmo modo, se pronunciasse agora contra o divórcio, eles fariam uso disso para indispor e enfurecer o povo desse país contra Ele, que olharia com desconfiança para alguém que tentasse diminuir a liberdade de que eles tanto gostavam. Os fariseus esperavam que Ele perdesse o afeto das pessoas tanto por esse como por qualquer um dos seus preceitos.Pr. Moisés Sampaio de Paula 41
  • 42. “A Lei do Divórcio • Ou então, a armadilha pode ter sido planejada dessa forma: se Ele dissesse que os divórcios não eram legais, eles o apontariam como um inimigo da lei de Moisés, que os permitia; se dissesse que eram legais, eles caracterizariam a sua doutrina como não tendo em si aquela perfeição que era esperada na doutrina do Messias, uma vez que, embora os divórcios fossem tolerados, eles eram vistos pela parte mais rígida do povo como não sendo algo de boa reputação [...]. • A pergunta dos fariseus foi a seguinte: Será que um homem pode repudiar a sua mulher por qualquer motivo? O divórcio era praticado, como acontecia geralmente, por pessoas irresponsáveis, e por qualquer motivo. Será que ele poderia ser praticado por qualquer motivo que um homem pudesse julgar adequado (embora fosse, como sempre, frívolo), como também por qualquer antipatia ou desagrado? A tolerância, nesse caso, permitia isso: 'Se não achar graça em seus olhos, por nela achar coisa feia, ele lhe fará escrito de repúdio' (Dt 24.1). Eles interpretavam esta passagem literalmente; e assim, qualquer desgosto, mesmo que sem motivo, poderia ser tornar a base para um divórcio" (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico Novo Testamento: Mateus a João. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p.240). Pr. Moisés Sampaio de Paula 42
  • 43. HILEL, O GRANDE RABINO DE ISRAEL • Hilel, o ancião, (no hebraico ‫הלל‬ ) (c. 60 a.C. - c. 9) é o nome de um conhecido líder religioso judeu, que viveu durante o reinado de Herodes, o Grande na época do Segundo Templo. Estudioso respeitado em seu tempo, Hilel é associado à diversos ensinamentos da Mishná e do Talmud, tendo fundado uma escola (Beit Hilel) para ensino de mestres no judaísmo. Hilel era reverenciado como verdadeiro líder espiritual e religioso. O rei Herodes não teve outra escolha senão aceitar a autoridade religiosa do Sanhedrin, reconhecer o prestígio de Hilel e respeitar o controle que este exercia sobre a vida religiosa. Pr. Moisés Sampaio de Paula 43
  • 44. HILEL, O GRANDE RABINO DE ISRAEL • Hillel e Shamai sãos os fundadores de duas escolas que levaram seus nomes (Bet Hillel e Bet Shamai). Apesar de todas as controvérsias que se acenderam entre estas, ambas inscreviam-se na estrutura tradicionalmente aceita no judaísmo. As disputas haláchicas entre elas prosseguiram por muitas gerações até que finalmente prevaleceram os pontos de vista da Casa de Hillel. O Talmud Babilônico nos traz, numa única frase, a conclusão: "Ambas são as palavras do D’us vivo, e a decisão está de acordo com a casa de Hillel.“ As duas escolas refletem a personalidade de seus fundadores: Hillel era uma pessoa amável, simples, próxima às camadas mais modestas, e suas máximas breves refletem sua generosidade, piedade e amor à humanidade. • Shamai era extremamente íntegro, mas rígido e irascível. No Talmud se diz: "Que o homem seja sempre humilde e paciente como Hillel e não exaltado como Shamai." Pr. Moisés Sampaio de Paula 44
  • 45. Como a religião judaica encara o divórcio? • O Judaísmo considera o matrimônio um vinculo sagrado, um compromisso que não pode ser rompido levianamente. Em nossa tradição, a separação de um casal sempre foi vista como uma verdadeira tragédia. No entanto, a lei judaica não proíbe o divórcio. Ela reconhece que ainda mais trágica do que uma separação, é uma vida de desamor familiar. Um lar que permanece fisicamente intacto, mas que já se desmoronou espiritualmente, e muito mais prejudicial para os pais e para as crianças do que um divórcio. • Desde que ambos os cônjuges expressem o desejo de uma separação definitiva, o divórcio judaico (get em hebraico) e então formalizado sob orientação rabínica. Um casamento consagrado pela Lei de Moisés e Israel só pode ser dissolvido de acordo com a Lei. A cerimônia do get processa-se na presença de duas testemunhas e de um escriba que prepara à mão o documento de divórcio, o qual é lido e arquivado pelo rabino ou um tribunal de três rabinos. Marido e mulher recebem uma carta (z) atestando oficialmente a consumação do divórcio e dando- lhes o direito de se casarem novamente. • A esposa só pode contrair novas núpcias após o prazo de 92 dias, evitando assim qualquer dúvida sobre a paternidade, caso ela venha a conceber um filho do segundo marido. Pr. Moisés Sampaio de Paula 45
  • 46. Pr. Moisés Sampaio de Paula 46