SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
A integração sistêmica de ações e serviços de saúde e a
qualificação dos seus profissionais garante a redução da
mortalidade materna e perinatal.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
Objetivos:
• Apresentar como a organização dos componentes da Rede de
Atenção à Saúde podem contribuir para redução da morte materna e
perinatal.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
Um Compromisso Mundial...
• OMS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (2030) –> Objetivo Global 03 e 05
• Harmonia entre: a economia, o meio ambiente e a sociedade
• “...buscam concretizar os direitos humanos de todos e alcançar a igualdade de
gênero e o empoderamento das mulheres e meninas...
• ... Até 2030, reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 mortes
por 100.000 nascidos vivos.”
PNUD Brasil, 2019
Levels and Causes of Maternal Mortality and Morbidity (2016)
• Países de baixa renda são responsáveis por 99% dos óbitos maternos.
• Na América Latina e Caribe a principal causa de óbito materno é a Hipertensão.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
O Brasil
0
20
40
60
80
1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018
Ano
Razão da Mortalidade Materna – Brasil
Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM, MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre
Nascidos Vivos – SINASC | Nota: Os dados dos anos de 2017 e 2018 são preliminares. Dados sem fator de correção
Assistência de qualidade e de fácil acesso às gestantes possibilita reconhecer
precocemente fatores de risco para morbidade e mortalidade materna, permitindo
intervenções adequadas e em tempo oportuno.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
• Trata-se de um desenho organizacional baseado em atributos, sistematizado para
responder as condições de saúde através de um ciclo de atendimento continuo e
integral, envolvendo todos os níveis de assistência à saúde.
• Os elementos primordiais são baseados no conhecimento da população e do território, o
desenho de uma estrutura organizacional e de um modelo de Atenção à Saúde.
Rede de Atenção à Saúde (RAS)
Ministério da Saúde - Portaria 1459 de 24 de junho de 2011
São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades
tecnológicas que, integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de gestão,
buscam garantir a integralidade do cuidado. (Ministério da Saúde, 2010)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
Rede Cegonha
Rede de Atenção que inclui 4 componentes:
Pré-Natal
Parto e
Nascimento
Puerpério e
Atenção Integral à
Saúde da Criança
Sistema Logístico
(transporte e
regulação)
Objetivos:
• Fomentar a implantação de um novo modelo de
atenção à saúde, ao parto, nascimento e saúde
da criança;
• Organizar a Rede de Atenção à saúde materna e
infantil para garantir acesso, acolhimento e
resolutividade;
• Reduzir a mortalidade materna e neonatal.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
O cuidado em Rede necessita de articulação entre os diferentes entes da assistência, sejam
entre unidades de saúde ou entre setores de uma mesma unidade.
O Cuidado em Rede
O grande desafio é o cuidado baseado na integralidade e na troca de informações, um
verdadeiro trabalho em equipe que supera muros.
• Atenção Primária
• Policlínicas – Pré-natal de alto risco
• Maternidades
• Centros de Parto Normal/Casas de Parto
• Serviços de Imagem
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
AtençãoPrimáriadeSaúde
(Pré-nataldequalidade)
Acolhimento com Classificação de Risco
(Responsabilização e Resolutividade)
Transporte Seguro
(Elo na integração da assistência - pré-regulação)
Boas Práticas no Parto e Nascimento
(Gestão do Cuidado)
Vinculação com a maternidade referência
(Integração)
Acesso ao planejamento reprodutivo
A interface entre a Atenção
Primária à Saúde e a Atenção
Hospitalar mediada pela
Regulação são eixos
primordiais para melhoria da
qualidade.
Ministério da Saúde - Portaria 1459 de 24 de junho de 2011
A articulação entre os diversos
níveis de assistência,
proporciona a garantia ao
acesso em níveis de maior
complexidade, assim como o
retorno à Atenção Primária.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
• Suficiência de leitos obstétricos (Risco Habitual e Alto Risco)
• Distribuição geográfica da população e dos pontos de atenção
• Integração entre os pontos de atenção
• Regulação de leitos obstétricos e neonatais
• Qualificação e formação das equipes
• Sistema de monitoramento de indicadores
Questões Importantes para o Planejamento
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
Erradicar!
• Pontos de superlotação;
• Peregrinação de gestantes no momento do parto.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
• Promover a vinculação da gestante tanto ao pré-natal quanto à unidade de referência
para o parto
• Garantir estrutura adequada para o atendimento perinatal na rede (ambiência, recursos
humanos, equipamentos, insumos, etc.)
• Minimizar as desigualdades regionais no acesso aos leitos obstétricos
• Erradicar a peregrinação das gestantes e a superlotação nas maternidades
• Garantir a linha de cuidado após a alta
• Garantir a presença do acompanhante em todos os níveis do programa
• Garantir que o momento do nascimento seja de celebração e prazer
Organização em Rede da Assistência Perinatal
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
1. Vinculação e acompanhamento sistemático do pré-natal de baixo e alto risco;
2. Garantia de atenção ao pré-natal por equipe multiprofissional baseada em evidências;
3. Vinculação para o parto desde o inicio do pré-natal (pré-regulação);
4. Articulação das Unidades Básicas com unidades responsáveis pelo Pré-Natal de Risco e
com as Maternidades de referência;
5. Implantação do Acolhimento com Classificação de Risco em todas as maternidades;
6. Garantia de assistência ao parto e nascimento por equipe multiprofissional e baseada em
evidências;
Ações para Organização da Rede Perinatal
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
7. Garantia do transporte hospitalar seguro;
8. Promoção da atenção a Saúde Reprodutiva e Sexual na Atenção Primária e nas
maternidades (ganho de oportunidade);
9. Ampliação dos serviços de atenção à mulher Vítima de Violência Sexual;
10. Ampliação das maternidades com certificação Iniciativa Hospital Amigo da Criança e
Amiga da Mulher – UNICEF;
11. Ampliação dos espaços de discussão entre os pontos de atenção – Fórum Perinatal e
Câmara Técnica (maternidades, atenção primária, regulação, gestão, etc.);
Ações para Organização da Rede Perinatal
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
12. Acesso universal aos testes rápidos em todos os níveis da assistência;
13. Monitoramento periódico dos indicadores do SINASC e do SIM e de indicadores dos
processos de cuidado perinatal e seus resultados;
14. Monitoramento da razão da mortalidade materna e neonatal;
15. Discussão dos óbitos maternos e neonatais com as unidades hospitalares, bem como
com os respectivos Comitês de Óbito, levantando as fragilidades e as possíveis resoluções;
16. Ampliação da articulação entre a Atenção Primária, Atenção Hospitalar e Regulação;
Ações para Organização da Rede Perinatal
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
17. Agilidade na comunicação dos casos de morbidade materna grave que estejam em
unidade hospitalar sem suporte clínico ou tecnológico adequado para a resolução do caso,
em busca de resolutividade em tempo oportuno;
18. Ampliação das vias de comunicação em busca de captação de leitos de suporte intensivo
obstétrico e neonatal para Regulação.
Ações para Organização da Rede Perinatal
A comunicação organizacional deve ser vista como uma estratégia a
fim de desenvolver competências nas lideranças e pode representar
um mecanismo estratégico na direção de melhoria dos resultados.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
“A gestão do cuidado na rede de atenção à saúde busca a
organização dos serviços de saúde com foco na integração
da linha de cuidado, a fim de que as gestantes possam
reduzir a peregrinação para busca de leitos hospitalares no
trabalho de parto e a mortalidade materno-infantil”.
Pinto, 2015
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema
Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha.
• Brasil. Conselho Federal de Medicina. Parecer CFM Nº 14/2017. Uso do WhatsApp em ambiente hospitalar.
• Filippi V, Chou D, Ronsmans C, et al. Levels and Causes of Maternal Mortality and Morbidity. In: Black RE, Laxminarayan R,
Temmerman M, et al., editors. Reproductive, Maternal, Newborn, and Child Health: Disease Control Priorities, Third Edition
(Volume 2). Washington (DC): The International Bank for Reconstruction and Development / The World Bank; 2016 Apr 5.
Chapter 3. doi: 10.1596/978-1-4648-0348-2_ch3.
• PNUD Brasil. www.br.undp.org/content/brazil/pt/home.html
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 10 de outubro de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
O CUIDADO EM REDE E A
PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Sanny Pereira
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEValdirene1977
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOblogped1
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natalLASM_UIT
 

Mais procurados (20)

Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?
 
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à práticaSegurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher (PNAISM)
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Paism slider
Paism sliderPaism slider
Paism slider
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDEINTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
INTRODUÇÃO À GERÊNCIA EM SAÚDE
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 

Semelhante a O Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e Perinatal

XV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite Humano
XV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite HumanoXV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite Humano
XV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite HumanoProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminárioLiene Campos
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminárioLiene Campos
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminárioLiene Campos
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminárioLiene Campos
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminárioLiene Campos
 
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptxpnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptxTaisdeJesusSantos
 
Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar
Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementarMedidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar
Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementarPalácio do Planalto
 
Medidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MS
Medidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MSMedidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MS
Medidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Jamessonjr Leite Junior
 
manual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidomanual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidoFlavia Oliveira
 
Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02
Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02
Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02Everton Pessoa
 
0104manual_assistencia kanakion.pdf
0104manual_assistencia kanakion.pdf0104manual_assistencia kanakion.pdf
0104manual_assistencia kanakion.pdfdorieneesteves1
 

Semelhante a O Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e Perinatal (20)

Novos e Velhos Desafios para implementação da Rede Cegonha
Novos e Velhos Desafios para implementação da Rede CegonhaNovos e Velhos Desafios para implementação da Rede Cegonha
Novos e Velhos Desafios para implementação da Rede Cegonha
 
Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011
 
XV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite Humano
XV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite HumanoXV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite Humano
XV Encontro Paulista de Aleitamento + V Congresso de Banco de Leite Humano
 
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
A situação da Saúde Materno Infantil no Brasil e suas implicações na organiza...
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
Apresentação seminário
Apresentação seminárioApresentação seminário
Apresentação seminário
 
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptxpnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
pnaiscgeral-190714221230 (2) (1).pptx
 
Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar
Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementarMedidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar
Medidas para estímulo ao parto normal na saúde suplementar
 
Medidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MS
Medidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MSMedidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MS
Medidas para estimular o PARTO NORMAL na saúde suplementar: ANS + MS
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015
 
Rede cegonha ppt
Rede cegonha pptRede cegonha ppt
Rede cegonha ppt
 
manual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidomanual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascido
 
Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02
Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02
Coletivapartonormal06012015 150106102653-conversion-gate02
 
0104manual_assistencia kanakion.pdf
0104manual_assistencia kanakion.pdf0104manual_assistencia kanakion.pdf
0104manual_assistencia kanakion.pdf
 
Prevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
Prevenção da Mortalidade Materna no Período PuerperalPrevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
Prevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 

O Cuidado em Rede e a Prevenção da Morte Materna e Perinatal

  • 1. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO ÀS MULHERES O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL
  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL A integração sistêmica de ações e serviços de saúde e a qualificação dos seus profissionais garante a redução da mortalidade materna e perinatal.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL Objetivos: • Apresentar como a organização dos componentes da Rede de Atenção à Saúde podem contribuir para redução da morte materna e perinatal.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL Um Compromisso Mundial... • OMS - Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (2030) –> Objetivo Global 03 e 05 • Harmonia entre: a economia, o meio ambiente e a sociedade • “...buscam concretizar os direitos humanos de todos e alcançar a igualdade de gênero e o empoderamento das mulheres e meninas... • ... Até 2030, reduzir a taxa de mortalidade materna global para menos de 70 mortes por 100.000 nascidos vivos.” PNUD Brasil, 2019 Levels and Causes of Maternal Mortality and Morbidity (2016) • Países de baixa renda são responsáveis por 99% dos óbitos maternos. • Na América Latina e Caribe a principal causa de óbito materno é a Hipertensão.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL O Brasil 0 20 40 60 80 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 Ano Razão da Mortalidade Materna – Brasil Fonte: MS/SVS/CGIAE - Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM, MS/SVS/DASIS - Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos – SINASC | Nota: Os dados dos anos de 2017 e 2018 são preliminares. Dados sem fator de correção Assistência de qualidade e de fácil acesso às gestantes possibilita reconhecer precocemente fatores de risco para morbidade e mortalidade materna, permitindo intervenções adequadas e em tempo oportuno.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL • Trata-se de um desenho organizacional baseado em atributos, sistematizado para responder as condições de saúde através de um ciclo de atendimento continuo e integral, envolvendo todos os níveis de assistência à saúde. • Os elementos primordiais são baseados no conhecimento da população e do território, o desenho de uma estrutura organizacional e de um modelo de Atenção à Saúde. Rede de Atenção à Saúde (RAS) Ministério da Saúde - Portaria 1459 de 24 de junho de 2011 São arranjos organizativos de ações e serviços de saúde, de diferentes densidades tecnológicas que, integradas por meio de sistemas de apoio técnico, logístico e de gestão, buscam garantir a integralidade do cuidado. (Ministério da Saúde, 2010)
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL Rede Cegonha Rede de Atenção que inclui 4 componentes: Pré-Natal Parto e Nascimento Puerpério e Atenção Integral à Saúde da Criança Sistema Logístico (transporte e regulação) Objetivos: • Fomentar a implantação de um novo modelo de atenção à saúde, ao parto, nascimento e saúde da criança; • Organizar a Rede de Atenção à saúde materna e infantil para garantir acesso, acolhimento e resolutividade; • Reduzir a mortalidade materna e neonatal.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL O cuidado em Rede necessita de articulação entre os diferentes entes da assistência, sejam entre unidades de saúde ou entre setores de uma mesma unidade. O Cuidado em Rede O grande desafio é o cuidado baseado na integralidade e na troca de informações, um verdadeiro trabalho em equipe que supera muros. • Atenção Primária • Policlínicas – Pré-natal de alto risco • Maternidades • Centros de Parto Normal/Casas de Parto • Serviços de Imagem
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL AtençãoPrimáriadeSaúde (Pré-nataldequalidade) Acolhimento com Classificação de Risco (Responsabilização e Resolutividade) Transporte Seguro (Elo na integração da assistência - pré-regulação) Boas Práticas no Parto e Nascimento (Gestão do Cuidado) Vinculação com a maternidade referência (Integração) Acesso ao planejamento reprodutivo A interface entre a Atenção Primária à Saúde e a Atenção Hospitalar mediada pela Regulação são eixos primordiais para melhoria da qualidade. Ministério da Saúde - Portaria 1459 de 24 de junho de 2011 A articulação entre os diversos níveis de assistência, proporciona a garantia ao acesso em níveis de maior complexidade, assim como o retorno à Atenção Primária.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL • Suficiência de leitos obstétricos (Risco Habitual e Alto Risco) • Distribuição geográfica da população e dos pontos de atenção • Integração entre os pontos de atenção • Regulação de leitos obstétricos e neonatais • Qualificação e formação das equipes • Sistema de monitoramento de indicadores Questões Importantes para o Planejamento
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL Erradicar! • Pontos de superlotação; • Peregrinação de gestantes no momento do parto.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL • Promover a vinculação da gestante tanto ao pré-natal quanto à unidade de referência para o parto • Garantir estrutura adequada para o atendimento perinatal na rede (ambiência, recursos humanos, equipamentos, insumos, etc.) • Minimizar as desigualdades regionais no acesso aos leitos obstétricos • Erradicar a peregrinação das gestantes e a superlotação nas maternidades • Garantir a linha de cuidado após a alta • Garantir a presença do acompanhante em todos os níveis do programa • Garantir que o momento do nascimento seja de celebração e prazer Organização em Rede da Assistência Perinatal
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL 1. Vinculação e acompanhamento sistemático do pré-natal de baixo e alto risco; 2. Garantia de atenção ao pré-natal por equipe multiprofissional baseada em evidências; 3. Vinculação para o parto desde o inicio do pré-natal (pré-regulação); 4. Articulação das Unidades Básicas com unidades responsáveis pelo Pré-Natal de Risco e com as Maternidades de referência; 5. Implantação do Acolhimento com Classificação de Risco em todas as maternidades; 6. Garantia de assistência ao parto e nascimento por equipe multiprofissional e baseada em evidências; Ações para Organização da Rede Perinatal
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL 7. Garantia do transporte hospitalar seguro; 8. Promoção da atenção a Saúde Reprodutiva e Sexual na Atenção Primária e nas maternidades (ganho de oportunidade); 9. Ampliação dos serviços de atenção à mulher Vítima de Violência Sexual; 10. Ampliação das maternidades com certificação Iniciativa Hospital Amigo da Criança e Amiga da Mulher – UNICEF; 11. Ampliação dos espaços de discussão entre os pontos de atenção – Fórum Perinatal e Câmara Técnica (maternidades, atenção primária, regulação, gestão, etc.); Ações para Organização da Rede Perinatal
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL 12. Acesso universal aos testes rápidos em todos os níveis da assistência; 13. Monitoramento periódico dos indicadores do SINASC e do SIM e de indicadores dos processos de cuidado perinatal e seus resultados; 14. Monitoramento da razão da mortalidade materna e neonatal; 15. Discussão dos óbitos maternos e neonatais com as unidades hospitalares, bem como com os respectivos Comitês de Óbito, levantando as fragilidades e as possíveis resoluções; 16. Ampliação da articulação entre a Atenção Primária, Atenção Hospitalar e Regulação; Ações para Organização da Rede Perinatal
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL 17. Agilidade na comunicação dos casos de morbidade materna grave que estejam em unidade hospitalar sem suporte clínico ou tecnológico adequado para a resolução do caso, em busca de resolutividade em tempo oportuno; 18. Ampliação das vias de comunicação em busca de captação de leitos de suporte intensivo obstétrico e neonatal para Regulação. Ações para Organização da Rede Perinatal A comunicação organizacional deve ser vista como uma estratégia a fim de desenvolver competências nas lideranças e pode representar um mecanismo estratégico na direção de melhoria dos resultados.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL “A gestão do cuidado na rede de atenção à saúde busca a organização dos serviços de saúde com foco na integração da linha de cuidado, a fim de que as gestantes possam reduzir a peregrinação para busca de leitos hospitalares no trabalho de parto e a mortalidade materno-infantil”. Pinto, 2015
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. • Brasil. Conselho Federal de Medicina. Parecer CFM Nº 14/2017. Uso do WhatsApp em ambiente hospitalar. • Filippi V, Chou D, Ronsmans C, et al. Levels and Causes of Maternal Mortality and Morbidity. In: Black RE, Laxminarayan R, Temmerman M, et al., editors. Reproductive, Maternal, Newborn, and Child Health: Disease Control Priorities, Third Edition (Volume 2). Washington (DC): The International Bank for Reconstruction and Development / The World Bank; 2016 Apr 5. Chapter 3. doi: 10.1596/978-1-4648-0348-2_ch3. • PNUD Brasil. www.br.undp.org/content/brazil/pt/home.html
  • 19. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 10 de outubro de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. O CUIDADO EM REDE E A PREVENÇÃO DA MORTE MATERNA E PERINATAL