SlideShare uma empresa Scribd logo
O bem e o mal
DEFINIÇÕES
1) O BEM:
– O bem se constitui na correta aplicação das Leis
Divinas ou Naturais.
– Em nosso mundo , é a aplicação da Lei de Amor ao
próximo, decorrente de amar-se a Deus.
– O Bem tem existência concreta, pois as Leis Divinas ou
Naturais conduzem a sua aplicação e a materializam no
dia-a-dia da criatura e de toda a criação.
2) O MAL:
– o mal é o “vácuo” ou “ buraco” causado no bem cada
vez que não se cumpre as Leis Divinas ou Naturais.
– Como o Universo é perfeito, o mal é causado pela ação
das criaturas no trânsito da Lei Divina.
– o mal é toda ação que não é regida de acordo com a Lei
Divina.
– Em nosso mundo, o mal aparece em cada desrespeito
que fazemos aos semelhantes a a natureza.
ORIGEM DO BEM E DO MAL
• “Sendo Deus o princípio de todas as coisas e sendo todo
sabedoria, todo bondade, todo justiça, tudo o que dele
procede há de participar dos seus atributos, porquanto o
que é infinitamente sábio, justo e bom nada pode produzir
que seja ininteligente, mau e injusto. O mal que
observamos não pode ter nele a sua origem.” ( A Gênese,
Cap. III).
• “Pode dizer-se que o mal é a ausência do bem, como o frio
é a ausência do calor. Assim como o frio não é um fluido
especial, também o mal não é atributo distinto; um é o
negativo do outro. Onde não existe o bem, forçosamente
existe o mal... ...Deus somente quer o bem; só do homem
procede o mal. Se na criação houvesse um ser preposto ao
mal, ninguém o poderia evitar; mas, tendo o homem a
causa do mal em SI MESMO, tendo simultaneamente o
livre-arbítrio e por guia as Leis Divinas, evitá-lo-á sempre
que o queira.” ( A Gênese, Cap. III).
• No “Evangelho Segundo o Espiritismo”, encontramos
também uma análise muito criteriosa sobre o Bem e o Mal,
em diversos de seus Capítulos. Vejamos alguns itens:
• É preciso que haja escândalo no mundo, disse Jesus,
porque, imperfeitos como são na Terra, os homens se
mostram propensos a praticar o mal, e porque, árvores
más, só maus frutos dão. Deve-se, pois, entender por
essas palavras que o mal é uma conseqüência da
imperfeição dos homens e não que haja, para estes, a
obrigação de praticá-lo.
• É necessário que o escândalo venha, porque, estando em
expiação na Terra, os homens se punem a si mesmos pelo
contato de seus vícios, cujas primeiras vítimas são eles
próprios e cujos inconvenientes acabam por compreender.
Quando estiverem cansados de sofrer devido ao mal,
procurarão remédio no bem. A reação desses vícios serve,
pois, ao mesmo tempo, de castigo para uns e de provas
para outros. E assim que do mal tira Deus o bem e que os
próprios homens utilizam as coisas más ou as escórias.
• Mas, ai daquele por quem venha o escândalo.
Quer dizer que o mal sendo sempre o mal, aquele que a
seu mau grado servir de instrumento à justiça divina,
aquele cujos maus instintos foram utilizados, nem por isso
deixou de praticar o mal e de merecer punição. Assim é,
por exemplo, que um filho ingrato é uma punição ou uma
prova para o pai que sofre com isso, porque esse pai
talvez tenha sido também um mau filho que fez sofresse
seu pai. Passa ele pela pena de talião. Mas, essa
circunstancia não pode servir de escusa ao filho que, a seu
turno, terá de ser castigado em seus próprios filhos, ou de
outra maneira.
• Se vossa mão é causa de escândalo, cortai-a.
Figura enérgica esta, que seria absurda se tomada ao pé
da letra, e que apenas significa que cada um deve destruir
em si toda causa de escândalo, isto é, de mal; arrancar do
coração todo sentimento impuro e toda tendência viciosa.
Quer dizer também que, para o homem, mais vale ter
cortada uma das mãos, antes que servir essa mão de
instrumento para uma ação má; ficar privado da vista,
antes que lhe servirem os olhos para conceber maus
pensamentos.
Jesus nada disse de absurdo, para quem quer que
apreenda o sentido alegórico e profundo de suas palavras.
Muitas coisas, entretanto, não podem ser compreendidas
sem a chave que para as decifrar o Espiritismo faculta.
• “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o
bem”. (Paulo - Romanos, 12:21)
• Emmanuel, em “Fonte Viva”, nos diz: “...Repara que, em
plena casa da Natureza, todos os elementos, em face do
mal, oferecem o melhor que possuem para o
reajustamento da harmonia e para a vitoria do bem...”
• Todas as coisas aparentemente “ruins” na natureza, são
aproveitadas por esta para melhora-se e regenerar-se:
tempestades, inundações, ventos, etc...
• “.... Por que conservaremos, por nossa vez, o fel e o
azedume do mal, na intimidade do coração?
Aprendamos a receber a visita da adversidade, educando-
lhe as energias para proveito da vida.
A ignorância é apenas uma grande noite, que cederá lugar
ao sol da sabedoria.
Usa o tesouro de teu amor, em todas as direções, e
estendamos o bem por toda parte...”
- vigilância
- oração
- prática do bem e da caridade
- não à fofoca e a malidiscência
- não aos vícios e as drogas
- não ao ódio e a raiva
- corrigir imediatamente qualquer erro cometido
- lutar constra as injustiças e não se omitir
- pensamento constante no bem
- evoluir a cada dia
PARA TRANSFORMAR AS TEMPESTADES
DO MAL EM ATITUDES DO BEM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
Sandra Cecília Rocha
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
Clair Bianchini
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Antonino Silva
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
paikachambi
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
Izabel Cristina Fonseca
 
Datashow - Os vícios na visão espírita
Datashow  - Os vícios na visão espíritaDatashow  - Os vícios na visão espírita
Datashow - Os vícios na visão espírita
Alfredo Lopes
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Eduardo Ottonelli Pithan
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Grupo Espírita Cristão
 
O bem e o mal
O bem e o malO bem e o mal
O bem e o mal
Ponte de Luz ASEC
 
A verdadeira propriedade
A verdadeira propriedadeA verdadeira propriedade
A verdadeira propriedade
Abelardo Fontanari
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
Felipe Guedes
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
Jorge Luiz dos Santos
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Ricardo Azevedo
 
Se alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direitaSe alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direita
Izabel Cristina Fonseca
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Das ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritosDas ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritos
Izabel Cristina Fonseca
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Jean Dias
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
igmateus
 
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
Francisco de Assis Alencar
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
paikachambi
 

Mais procurados (20)

Palestra sobre medo
Palestra sobre medo Palestra sobre medo
Palestra sobre medo
 
Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos Bem-aventurados os aflitos
Bem-aventurados os aflitos
 
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com JesusEvangeliza - Mediunidade com Jesus
Evangeliza - Mediunidade com Jesus
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Objetivo da encarnação
Objetivo da encarnaçãoObjetivo da encarnação
Objetivo da encarnação
 
Datashow - Os vícios na visão espírita
Datashow  - Os vícios na visão espíritaDatashow  - Os vícios na visão espírita
Datashow - Os vícios na visão espírita
 
Bem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficosBem aventurados os mansos e pacíficos
Bem aventurados os mansos e pacíficos
 
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)Os Inimigos Desencarnados(Ese)
Os Inimigos Desencarnados(Ese)
 
O bem e o mal
O bem e o malO bem e o mal
O bem e o mal
 
A verdadeira propriedade
A verdadeira propriedadeA verdadeira propriedade
A verdadeira propriedade
 
Palestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provasPalestra espirita escolha das provas
Palestra espirita escolha das provas
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vidaSuicídio - Dor dos dois lados da vida
Suicídio - Dor dos dois lados da vida
 
Se alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direitaSe alguém bater na face direita
Se alguém bater na face direita
 
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão EspíritaAFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
AFINIDADE E SINTONIA ESPIRITUAL na visão Espírita
 
Das ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritosDas ocupações e missões dos espíritos
Das ocupações e missões dos espíritos
 
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo EspiritismoCapítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
Capítulo IV - Evangelho Segundo Espiritismo
 
O Poder da Fé
O Poder da FéO Poder da Fé
O Poder da Fé
 
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
A cólera - E.S.E. Cap IX itens 9 e 10
 
Obsessão
ObsessãoObsessão
Obsessão
 

Destaque

2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa
2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa 2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa
2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa
Rosana De Rosa
 
Slides Einstein O Bem E O Mal
Slides  Einstein   O Bem E O Mal Slides  Einstein   O Bem E O Mal
Slides Einstein O Bem E O Mal
silasicm
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Graça Maciel
 
134 jesus a porta do coração
134   jesus a porta do coração134   jesus a porta do coração
134 jesus a porta do coração
SUSSURRO DE AMOR
 
Roteiro 3 atributos da divindade
Roteiro 3   atributos da divindadeRoteiro 3   atributos da divindade
Roteiro 3 atributos da divindade
Bruno Cechinel Filho
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
Bruno Cechinel Filho
 
Ag 110216-deus - o bem e o mal
Ag 110216-deus - o bem e o malAg 110216-deus - o bem e o mal
Ag 110216-deus - o bem e o mal
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Lição 10
Lição 10Lição 10
Representações visuais do bem e do mal
Representações visuais do bem e do malRepresentações visuais do bem e do mal
Representações visuais do bem e do mal
Luiz Carlos Zeferino
 
Retribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o BemRetribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o Bem
igmateus
 
Homem de bem
Homem de bemHomem de bem
Homem de bem
Angelo Baptista
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
home
 
Filosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o malFilosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o mal
Leticia Araújo
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
NILTON CARVALHO
 
Sovereign the Power of Preparation
Sovereign the Power of PreparationSovereign the Power of Preparation
Sovereign the Power of Preparation
Sarah Hatswell
 
Sovereign insolvency insights
Sovereign insolvency insightsSovereign insolvency insights
Sovereign insolvency insights
Sarah Hatswell
 
Manifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del Norte
Manifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del NorteManifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del Norte
Manifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del Norte
Ramón Galindo Noriega
 
O médico jesus terapia do amor
O médico jesus terapia do amorO médico jesus terapia do amor
O médico jesus terapia do amor
Francisco de Assis Alencar
 
Alepz
AlepzAlepz
Alepz
alepz
 
Oasy swater
Oasy swaterOasy swater
Oasy swater
Sunmanyang
 

Destaque (20)

2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa
2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa 2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa
2013-02-13-Perfeicao Moral e o Bem e o Mal - Rosana De Rosa
 
Slides Einstein O Bem E O Mal
Slides  Einstein   O Bem E O Mal Slides  Einstein   O Bem E O Mal
Slides Einstein O Bem E O Mal
 
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
Não basta não fazer o mal é preciso fazer o bem.
 
134 jesus a porta do coração
134   jesus a porta do coração134   jesus a porta do coração
134 jesus a porta do coração
 
Roteiro 3 atributos da divindade
Roteiro 3   atributos da divindadeRoteiro 3   atributos da divindade
Roteiro 3 atributos da divindade
 
Roteiro 2 o bem e o mal
Roteiro 2   o bem e o malRoteiro 2   o bem e o mal
Roteiro 2 o bem e o mal
 
Ag 110216-deus - o bem e o mal
Ag 110216-deus - o bem e o malAg 110216-deus - o bem e o mal
Ag 110216-deus - o bem e o mal
 
Lição 10
Lição 10Lição 10
Lição 10
 
Representações visuais do bem e do mal
Representações visuais do bem e do malRepresentações visuais do bem e do mal
Representações visuais do bem e do mal
 
Retribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o BemRetribuir o Mal com o Bem
Retribuir o Mal com o Bem
 
Homem de bem
Homem de bemHomem de bem
Homem de bem
 
Caracteres da perfeição
Caracteres da perfeiçãoCaracteres da perfeição
Caracteres da perfeição
 
Filosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o malFilosofia ppx entre o bem e o mal
Filosofia ppx entre o bem e o mal
 
Lei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoraçãoLei divina ou natural e lei de adoração
Lei divina ou natural e lei de adoração
 
Sovereign the Power of Preparation
Sovereign the Power of PreparationSovereign the Power of Preparation
Sovereign the Power of Preparation
 
Sovereign insolvency insights
Sovereign insolvency insightsSovereign insolvency insights
Sovereign insolvency insights
 
Manifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del Norte
Manifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del NorteManifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del Norte
Manifiesto para un gobierno local fuerte y eficaz. Irlanda del Norte
 
O médico jesus terapia do amor
O médico jesus terapia do amorO médico jesus terapia do amor
O médico jesus terapia do amor
 
Alepz
AlepzAlepz
Alepz
 
Oasy swater
Oasy swaterOasy swater
Oasy swater
 

Semelhante a O bem e o mal

O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
M.R.L
 
A origem do bem e do mal
A origem do bem e do malA origem do bem e do mal
A origem do bem e do mal
Helio Cruz
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
Leonardo Pereira
 
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
mredil
 
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
Marta Gomes
 
GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014
GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014
GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014
Sérgio Pitaki
 
Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013
Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013
Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013
Gerson G. Ramos
 
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas WatsonUm Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Silvio Dutra
 
Hamartiologia
HamartiologiaHamartiologia
Hamartiologia
Vilmar Nascimento
 
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntasLei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Ana Cláudia Leal Felgueiras
 
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
soarescastrodf
 
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
soarescastrodf
 
021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...
021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...
021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...
OrdineGesu
 
Dircurso sobre o Mal - Capri.ppt
Dircurso sobre o Mal - Capri.pptDircurso sobre o Mal - Capri.ppt
Dircurso sobre o Mal - Capri.ppt
Tiago Silva
 
LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1
Patricia Farias
 
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptxEU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
Diego Andrade
 
Algemados pelo pecado
Algemados pelo pecadoAlgemados pelo pecado
Algemados pelo pecado
Robson Colaço
 
O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6
Quenia Damata
 
é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homensé Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
Dalila Melo
 
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequênciasPecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
IsaacAmorim10
 

Semelhante a O bem e o mal (20)

O bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptxO bem e o mal.pptx
O bem e o mal.pptx
 
A origem do bem e do mal
A origem do bem e do malA origem do bem e do mal
A origem do bem e do mal
 
Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16Estudos do evangelho 16
Estudos do evangelho 16
 
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
Expulsão de demônios x Libertação - Parte 2
 
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx3.1.2 - O bem e o mal.pptx
3.1.2 - O bem e o mal.pptx
 
GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014
GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014
GRALHA AZUL No. 48 - JULHO - 2014
 
Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013
Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013
Vendo por espelho, obscuramente_Resumo_Liç_712013
 
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas WatsonUm Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
Um Homem Piedoso Não se Entrega a Nenhum Pecado - Thomas Watson
 
Hamartiologia
HamartiologiaHamartiologia
Hamartiologia
 
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntasLei de destruição livro dos espíritos – perguntas
Lei de destruição livro dos espíritos – perguntas
 
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
 
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
A gloriosa bem aventurança proposta no evangelho • capítulo 14 - the total de...
 
021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...
021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...
021c - Quanto aos microscópicos sois negros dos Demônios e aos modos de defen...
 
Dircurso sobre o Mal - Capri.ppt
Dircurso sobre o Mal - Capri.pptDircurso sobre o Mal - Capri.ppt
Dircurso sobre o Mal - Capri.ppt
 
LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1LE 872 ESE cap13_item1
LE 872 ESE cap13_item1
 
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptxEU FUI SALVO DO QUE.pptx
EU FUI SALVO DO QUE.pptx
 
Algemados pelo pecado
Algemados pelo pecadoAlgemados pelo pecado
Algemados pelo pecado
 
O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6O pecado e suas consequências - Lição 6
O pecado e suas consequências - Lição 6
 
é Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homensé Difícil julgar os homens
é Difícil julgar os homens
 
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequênciasPecado: Uma rota errada e suas consequências
Pecado: Uma rota errada e suas consequências
 

Mais de Francisco de Assis Alencar

Formas de caridade segundo Doutrina Espírita
Formas de caridade segundo Doutrina EspíritaFormas de caridade segundo Doutrina Espírita
Formas de caridade segundo Doutrina Espírita
Francisco de Assis Alencar
 
O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)
O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)
O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)
Francisco de Assis Alencar
 
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos" Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Francisco de Assis Alencar
 
O poder do pensamento
O poder do pensamentoO poder do pensamento
O poder do pensamento
Francisco de Assis Alencar
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
Francisco de Assis Alencar
 
Atuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGO
Atuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGOAtuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGO
Atuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGO
Francisco de Assis Alencar
 
Transformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. Barsanulfo
Transformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. BarsanulfoTransformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. Barsanulfo
Transformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. Barsanulfo
Francisco de Assis Alencar
 
Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)
Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)
Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)
Francisco de Assis Alencar
 
Palestra vivência do evangelho
Palestra vivência do evangelhoPalestra vivência do evangelho
Palestra vivência do evangelho
Francisco de Assis Alencar
 
O perdão
O perdãoO perdão
Perdão e autoperdão
Perdão e autoperdãoPerdão e autoperdão
Perdão e autoperdão
Francisco de Assis Alencar
 
Cristo consolador cap vi Evang. Seg. Espiritismo
Cristo consolador   cap vi Evang. Seg. EspiritismoCristo consolador   cap vi Evang. Seg. Espiritismo
Cristo consolador cap vi Evang. Seg. Espiritismo
Francisco de Assis Alencar
 
Não se pode servir da deus e a mamón
Não se pode servir da deus e a mamónNão se pode servir da deus e a mamón
Não se pode servir da deus e a mamón
Francisco de Assis Alencar
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
Francisco de Assis Alencar
 
Opções diante da vida
Opções diante da vidaOpções diante da vida
Opções diante da vida
Francisco de Assis Alencar
 
Aprendendo a amar
Aprendendo a amarAprendendo a amar
Aprendendo a amar
Francisco de Assis Alencar
 
A codificação espírita
A codificação espíritaA codificação espírita
A codificação espírita
Francisco de Assis Alencar
 
A medicina e o espiritismo
A medicina e o espiritismoA medicina e o espiritismo
A medicina e o espiritismo
Francisco de Assis Alencar
 
Ave sr Benedito, nosso querido Seu Dito
Ave sr Benedito, nosso querido Seu DitoAve sr Benedito, nosso querido Seu Dito
Ave sr Benedito, nosso querido Seu Dito
Francisco de Assis Alencar
 

Mais de Francisco de Assis Alencar (20)

Formas de caridade segundo Doutrina Espírita
Formas de caridade segundo Doutrina EspíritaFormas de caridade segundo Doutrina Espírita
Formas de caridade segundo Doutrina Espírita
 
O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)
O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)
O reino de amor segundo jesus (evangelho seg. o espiritismo cap 2)
 
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos" Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
Pagar o mal com o bem "Amai os vossos inimigos"
 
O poder do pensamento
O poder do pensamentoO poder do pensamento
O poder do pensamento
 
Leis divinas
Leis divinasLeis divinas
Leis divinas
 
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃOLIMITES DA REENCARNAÇÃO
LIMITES DA REENCARNAÇÃO
 
Atuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGO
Atuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGOAtuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGO
Atuação do Assistente Social no Comando de Saúde PMGO
 
Transformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. Barsanulfo
Transformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. BarsanulfoTransformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. Barsanulfo
Transformando nossas vidas - Núcleo Espírita Cristão E. Barsanulfo
 
Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)
Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)
Gratidao palestra livro Psicologia da Gratidão (Divaldo Franco)
 
Palestra vivência do evangelho
Palestra vivência do evangelhoPalestra vivência do evangelho
Palestra vivência do evangelho
 
O perdão
O perdãoO perdão
O perdão
 
Perdão e autoperdão
Perdão e autoperdãoPerdão e autoperdão
Perdão e autoperdão
 
Cristo consolador cap vi Evang. Seg. Espiritismo
Cristo consolador   cap vi Evang. Seg. EspiritismoCristo consolador   cap vi Evang. Seg. Espiritismo
Cristo consolador cap vi Evang. Seg. Espiritismo
 
Não se pode servir da deus e a mamón
Não se pode servir da deus e a mamónNão se pode servir da deus e a mamón
Não se pode servir da deus e a mamón
 
Afabilidade e doçura
Afabilidade e doçuraAfabilidade e doçura
Afabilidade e doçura
 
Opções diante da vida
Opções diante da vidaOpções diante da vida
Opções diante da vida
 
Aprendendo a amar
Aprendendo a amarAprendendo a amar
Aprendendo a amar
 
A codificação espírita
A codificação espíritaA codificação espírita
A codificação espírita
 
A medicina e o espiritismo
A medicina e o espiritismoA medicina e o espiritismo
A medicina e o espiritismo
 
Ave sr Benedito, nosso querido Seu Dito
Ave sr Benedito, nosso querido Seu DitoAve sr Benedito, nosso querido Seu Dito
Ave sr Benedito, nosso querido Seu Dito
 

Último

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 

Último (20)

Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 

O bem e o mal

  • 2. DEFINIÇÕES 1) O BEM: – O bem se constitui na correta aplicação das Leis Divinas ou Naturais. – Em nosso mundo , é a aplicação da Lei de Amor ao próximo, decorrente de amar-se a Deus. – O Bem tem existência concreta, pois as Leis Divinas ou Naturais conduzem a sua aplicação e a materializam no dia-a-dia da criatura e de toda a criação. 2) O MAL: – o mal é o “vácuo” ou “ buraco” causado no bem cada vez que não se cumpre as Leis Divinas ou Naturais. – Como o Universo é perfeito, o mal é causado pela ação das criaturas no trânsito da Lei Divina. – o mal é toda ação que não é regida de acordo com a Lei Divina. – Em nosso mundo, o mal aparece em cada desrespeito que fazemos aos semelhantes a a natureza.
  • 3. ORIGEM DO BEM E DO MAL • “Sendo Deus o princípio de todas as coisas e sendo todo sabedoria, todo bondade, todo justiça, tudo o que dele procede há de participar dos seus atributos, porquanto o que é infinitamente sábio, justo e bom nada pode produzir que seja ininteligente, mau e injusto. O mal que observamos não pode ter nele a sua origem.” ( A Gênese, Cap. III). • “Pode dizer-se que o mal é a ausência do bem, como o frio é a ausência do calor. Assim como o frio não é um fluido especial, também o mal não é atributo distinto; um é o negativo do outro. Onde não existe o bem, forçosamente existe o mal... ...Deus somente quer o bem; só do homem procede o mal. Se na criação houvesse um ser preposto ao mal, ninguém o poderia evitar; mas, tendo o homem a causa do mal em SI MESMO, tendo simultaneamente o livre-arbítrio e por guia as Leis Divinas, evitá-lo-á sempre que o queira.” ( A Gênese, Cap. III).
  • 4. • No “Evangelho Segundo o Espiritismo”, encontramos também uma análise muito criteriosa sobre o Bem e o Mal, em diversos de seus Capítulos. Vejamos alguns itens: • É preciso que haja escândalo no mundo, disse Jesus, porque, imperfeitos como são na Terra, os homens se mostram propensos a praticar o mal, e porque, árvores más, só maus frutos dão. Deve-se, pois, entender por essas palavras que o mal é uma conseqüência da imperfeição dos homens e não que haja, para estes, a obrigação de praticá-lo. • É necessário que o escândalo venha, porque, estando em expiação na Terra, os homens se punem a si mesmos pelo contato de seus vícios, cujas primeiras vítimas são eles próprios e cujos inconvenientes acabam por compreender. Quando estiverem cansados de sofrer devido ao mal, procurarão remédio no bem. A reação desses vícios serve, pois, ao mesmo tempo, de castigo para uns e de provas para outros. E assim que do mal tira Deus o bem e que os próprios homens utilizam as coisas más ou as escórias.
  • 5. • Mas, ai daquele por quem venha o escândalo. Quer dizer que o mal sendo sempre o mal, aquele que a seu mau grado servir de instrumento à justiça divina, aquele cujos maus instintos foram utilizados, nem por isso deixou de praticar o mal e de merecer punição. Assim é, por exemplo, que um filho ingrato é uma punição ou uma prova para o pai que sofre com isso, porque esse pai talvez tenha sido também um mau filho que fez sofresse seu pai. Passa ele pela pena de talião. Mas, essa circunstancia não pode servir de escusa ao filho que, a seu turno, terá de ser castigado em seus próprios filhos, ou de outra maneira.
  • 6. • Se vossa mão é causa de escândalo, cortai-a. Figura enérgica esta, que seria absurda se tomada ao pé da letra, e que apenas significa que cada um deve destruir em si toda causa de escândalo, isto é, de mal; arrancar do coração todo sentimento impuro e toda tendência viciosa. Quer dizer também que, para o homem, mais vale ter cortada uma das mãos, antes que servir essa mão de instrumento para uma ação má; ficar privado da vista, antes que lhe servirem os olhos para conceber maus pensamentos. Jesus nada disse de absurdo, para quem quer que apreenda o sentido alegórico e profundo de suas palavras. Muitas coisas, entretanto, não podem ser compreendidas sem a chave que para as decifrar o Espiritismo faculta.
  • 7. • “Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem”. (Paulo - Romanos, 12:21) • Emmanuel, em “Fonte Viva”, nos diz: “...Repara que, em plena casa da Natureza, todos os elementos, em face do mal, oferecem o melhor que possuem para o reajustamento da harmonia e para a vitoria do bem...” • Todas as coisas aparentemente “ruins” na natureza, são aproveitadas por esta para melhora-se e regenerar-se: tempestades, inundações, ventos, etc... • “.... Por que conservaremos, por nossa vez, o fel e o azedume do mal, na intimidade do coração? Aprendamos a receber a visita da adversidade, educando- lhe as energias para proveito da vida. A ignorância é apenas uma grande noite, que cederá lugar ao sol da sabedoria. Usa o tesouro de teu amor, em todas as direções, e estendamos o bem por toda parte...”
  • 8. - vigilância - oração - prática do bem e da caridade - não à fofoca e a malidiscência - não aos vícios e as drogas - não ao ódio e a raiva - corrigir imediatamente qualquer erro cometido - lutar constra as injustiças e não se omitir - pensamento constante no bem - evoluir a cada dia PARA TRANSFORMAR AS TEMPESTADES DO MAL EM ATITUDES DO BEM