SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Criado e Desenvolvido por:
Todos os direitos são reservados ©2013.
www.tioronni.com.br
DST são doenças de causas múltiplas, que têm em comum a transmissão sexual.
Incluem as doenças venéreas clássicas (sífilis, gonorréia, linfogranuloma venéreo,
cancro mole) e um número crescente de síndromes e quadros clínicos.
Têm alto risco de disseminação e podem causar danos graves à saúde, tais como
distúrbios emocionais, doença inflamatória pélvica (DIP), infertilidade a quadros
infecciosos dramáticos, lesões fetais, câncer.
A incidência das DST tem aumentado, e isto torna mais importante ainda lembrar que a
presença de uma DST, ulcerativa (que produz ferida) ou não, favorece a transmissão da
AIDS.
FONTE: http://www.faac.unesp.br
DST – DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
Após a 2ª guerra houve grande aumento na incidência das DST clássicas e surgiram outras
doenças com uma característica em comum: a transmissão sexual. Entretanto, como nem todas
eram transmitidas apenas por contato sexual, em 1982, estabeleceu-se a seguinte classificação:
Doenças essencialmente transmitidas por contágio sexual:
Sífilis ou Lues
Gonorréia ou uretrite gonocócica (blenorragia)
Cancro mole
Linfogranuloma venéreo
Doenças freqüentemente transmitidas por contágio sexual:
Donovanose
Clamidíase
Herpes Genital
Condiloma acuminado
Hepatite B
Hepatite A
Fitiríase (pediculose pubiana ou, “chato”)
Candidíase
Doenças eventualmente transmitidas por contágio sexual:
Molusco contagioso
Pediculose e Escabiose
Shigelose e Amebíase
CLASSIFICAÇÃO
Quem pode pegar DST?
- Quem tem relações sexuais sem camisinha;
- Quem tem parceiro que mantém relações sexuais com outras pessoas sem camisinha;
- Pessoas que usam drogas injetáveis e compartilham seringas;
- Pessoas que têm parceiros que usem drogas injetáveis, compartilhando seringas;
- Pessoas que recebem transfusão de sangue não testado;
-Qualquer um - casados, solteiros, jovens, adultos, ricos ou pobres - pode pegar DST.
Quais os principais sinais?
- Feridas (úlceras): aparecem nos órgão genitais ou em qualquer parte do corpo. Podem doer ou
não.
- Corrimentos: aparecem no homem e na mulher no canal da uretra, vagina ou ânus. Podem ser
esbranquiçados, esverdeados ou amarelados como pus. Alguns têm cheiro forte e ruim. Tem gente
que sente dor ao urinar ou durante a relação sexual. Nas mulheres, quando o corrimento é pouco,
só é visto em exames ginecológicos.
-Verrugas: são como caroços; podem parecer uma couve-flor quando a doença está em estágio
avançado. Em geral não dói, mas pode ocorrer irritação ou coceiras.
FONTE: http://www.coladaweb.com
CLASSIFICAÇÃO
SÍFILIS
A sífilis é uma doença infecciosa
sistêmica crônica, transmitida
através da relação sexual e
outros contatos íntimos; também
pode ser transmitida da mulher
grávida para o feto no útero ou
adquirida pela criança que tenha
contato com lesões maternas
durante o nascimento. O agente
causal da sífilis é o Treponema
pallidum, subespécie pallidum,
um espiroqueta. Três outros
treponemas (subespécies
pertenue, subespécie
endemicum e T. carateum)
também são patogênicos para
humanos. A infecção com esses
microorganismos tornam
positivos os testes sorológicos
para sífilis, embora as infecções
não sejam sexualmente
transmitidas.
* Primária: quando há presença de uma ferida única, indolor,
de bordas bem definidas e fundo liso (cancro duro). Localiza-
se na genitália externa ou outros locais por onde o Treponema
penetrou (ânus, reto, lábios, mamas, dedos). A lesão regride
espontaneamente, por esse motivo o indivíduo não procura o
serviço de saúde, evoluindo para o próximo estágio da sífilis.
* Secundária: ocorre entre seis a oito semanas após o
surgimento da lesão. Manifesta-se pela disseminação da
bactéria por todo corpo através da corrente sanguínea e vasos
linfáticos (onde ocorre um tipo de filtração dentro do corpo).
Caracterizam-se por lesões de pele, pequenas manchas
acobreadas, conhecidas como roséolas sifilíticas, na região
das mãos, pés, virilha, entre as nádegas, face, etc. Ocorre
ainda queda de cabelo, de pêlos nas sobrancelhas, lesões
tipo verruga planas nas regiões de dobras, queixas de febre
baixa, mal-estar, dor de cabeça, e dor na articulação.
*Terciária: se na fase anterior o indivíduo não for tratado ele
atingirá essa fase entre três a doze anos após infecção e seu
portador manifestará comprometimento ósseo, articular,
neurológico, cardiovascular, por toda a pele, podendo levar a
morte. É diagnosticada pelo exame de sangue VDRL.
Sífilis Congênita: transmitida ao bebê durante a gravidez,
podendo causar o aborto, parto prematuro, ou uma criança
com mal formação.
SÍFILIS
Pouco freqüente, causada pela
bactéria Calymmatobacterium
granulomatis, é transmitida pelo
contato das feridas do doente.
Caracteriza-se pelo aparecimento
de nódulos ou feridas indolores.
Geralmente essas feridas
aparecem em regiões de dobras e
na região perianal, apresentam
odor fétido, coloração vermelho vivo
e de fácil sangramento
FONTE: http://www.congonhinhas.pr.gov.br
DONOVANOSE
GONORRÉIA
A Gonorréia ou Blenorragia uma doença
sexualmente transmissível - D.S.T.,
causada pela bactéria Neisseria
gonorrheae, ou gonococo.
É transmitida pelo gonococo Neisseria
gonorrhoeae uma bactéria Gram-
negativa, que tem forma de diplococo
com cerca de 1 micrometro
(assemelham-se a um rim) que se
agrupam aos pares.
O fator mais importante de virulência do
gonococo é a existência de pílios e da
proteína Opa. Estas estruturas permitem
à bactéria permanecer aderente à
mucosa do tracto urinário, resistindo ao
jato da micção.
O gonococo infecta principalmente as
células cilíndricas da uretra, poupando
geralmente a vagina e útero, cujos
epitélios são de células escamosas.
CANCRO MOLE
O cancróide, ou cancro mole (ulcus molle), é
caracterizado por uma ou mais úlceras
genitais e linfadenopatia inguinal
frequentemente dolorosa. A doença foi
diferenciada clinicamente de sífilis por
Basserau, na França em 1852. Em 1889,
Ducreyi, na Itália, demonstrou a origem
infecciosa da doença através da inoculação
de material purulento de suas próprias
úlceras genitais na pele do antebraço de
voluntários humanos. Ele inoculava um novo
local a intervalos semanais com material da
úlcera mais recente e, após a quinta ou sexta
inoculação em cada paciente, ele encontrou
um único microorganismo no exsudato da
úlcera. O microorganismo descrito era um
bastonete estreptobacilar curto e compacto.
Ducreyi no entanto não pôde isolar a bactéria
causadora que hoje tem seu nome, o
Haemophylus ducreyi. O isolamento foi
conseguido por outros pesquisadores em
1900.
LINFOGRANULOMA VENÉREO
Também conhecida como doença de Nicolas-Favre, é
de transmissão exclusiva sexual, causada pela
bactéria Chlamydia trachomatis, sua entrada no
organismo se dá através de lesões nas genitálias,
muitas vezes despercebidas.
Como a sífilis se manifesta em três fases:
* lesão primária, chamada de lesão de inoculação,
geralmente pequena, indolor, podendo ser pouco
visível, regride espontaneamente.
* lesão secundária, após alguns dias infectados a
clamídia alcança os gânglios ( local onde se
encontram vasos linfáticos, no qual é feito um tipo
de filtragem dentro deles) causando o aumento dos
mesmos na região inguinal (virilha). Pode atingir
apenas um lado da virilha causa dor, febre e dor na
articulação. Sobre a região aumentada há abertura
de lesões, com saída de pus por um ou vários
orifícios.
* lesão terciária, ocorre principalmente quando o
linfogranuloma afeta a região anal, podendo levar à
obstrução do ânus e formação de fístulas (cortes de
canal estreito e profundo), podendo causar infecção
disseminada (espalhada).
CONDILOMA ACUMINADO
Doença causada pelo vírus HPV
(papilomavírus humano), também
conhecido como crista de galo, verruga
genital, couve-flor...
Caracteriza-se pelo surgimento de
pequenas verrugas isoladas ou agrupadas
na região anal ou genital, é uma doença
especialmente perigosa quando afeta a
gestante, pois o crescimento das verrugas
pode obstruir o canal vaginal levando a
necessidade de cesariana.
Essa doença aumenta ainda mais o risco de
desenvolver o câncer de colo uterino e
pênis. A mesma pode apresentar-se em
período de latência (quando esta no
organismo do indivíduo sem apresentar
sinais ou sintomas), devendo ser de
obrigatoriedade seu diagnóstico.
Obs.: Em indivíduos com imunidade baixa,
ocorre o aumento das verrugas.
PEDICULOSE PUBIANA
Existe ainda a pediculose pubiana, transmitida pelo
parasita Phthirus pubis, popularmente conhecido
como chato. Transmite-se por meio do contato
sexual, e pode ser veiculada através de vestuário,
roupas de cama, toalhas etc. A doença atinge tanto
homens quanto mulheres. Os piolhos atingem os
pêlos pubianos, parte inferior do abdômen, coxas e
nádegas. “O tratamento é feito do mesmo modo que
o da escabiose, com loções escabicidas e/ou
oralmente, com a repetição dos mesmos após uma
semana. É importante, também, aparar os pelos
pubianos”.
Tratamento
Para que o tratamento seja eficaz, as instruções
recomendadas pelos profissionais de saúde devem
ser obedecidas rigorosamente. Cada caso deve ser
avaliado de forma separada. O tempo determinado
para o uso do remédio deve ser respeitado e seguido
até o fim. Como a infestação desses parasitas não
está restrita apenas à falta de higiene, é importante
ficar atento e tomar medidas simples para prevenir a
ocorrência dessas doenças.
FONTE: http://www.hebron.com.br
Phthirus pubis - (chato)
HERPES GENITAL
Doença causada pelo Herpes
simplex vírus, dos tipos I e II.
Embora possa provocar lesões em
qualquer parte do corpo acomete
principalmente os órgãos genitais. O
vírus do herpes ao multiplicar-se na
pele ou mucosa da genitália causa
pequenas lesões em forma de
bolhas agrupadas, que se rompem
dando origem a pequenas feridas.
Anterior ao surgimento das lesões,
pode haver ardor e coceira local.
As lesões desaparecem
espontaneamente, mas o vírus
permanece no organismo em estado
de latência, ou seja, período onde o
vírus volta pra dentro do corpo e
não apresenta sinais e sintomas. O
vírus é ativado e se manifesta
novamente quando o portador passa
por estresse, exposição ao sol, febre
ou se apresenta com a imunidade
baixa.
Por ser uma doença que não tem
cura o tratamento é voltado para o
alívio dos sintomas.
TRICOMONÍASE
Diferentemente das outras doenças
sexualmente transmissíveis a
tricomoníase não é causada por
vírus ou bactéria e sim por um
parasita. O parasita da
tricomoníase pode estar presente
na vagina por anos sem causar
sintomas. Sinais e sintomas
Quando ocorrem os sintomas
típicos em mulheres incluem
coceira e queimação vaginal,
secreção vaginal amarelo-
esverdeada, dor ou queimação ao
urinar. A relação sexual pode ser
dolorosa. Em homens, os sintomas
incluem coceira leve e irritação no
pênis, dor durante a relação sexual
e desconforto ao urinar. Homens
que tem tricomoníase geralmente
não sentem nenhum sintoma. Eles
podem infectar suas parceiras sem
saber. A tricomoníase é
diagnosticada pelo exame do fluido
vaginal ao microscópio.
AIDS – SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA
Como todos os vírus, o HIV não
possui o maquinário químico que
as células humanas utilizam para
sustentar a vida. Ele requer uma
célula hospedeira para se manter
vivo e se multiplicar. Para isso, ele
cria novas partículas de vírus
dentro da célula e essas partículas
o transportam para novas células.
Felizmente, as partículas do vírus
são frágeis.
Os vírus como o HIV não possuem
membranas celulares ou núcleos.
Basicamente, eles são feitos de
instruções genéticas embrulhadas
em uma cápsula protetora. Uma
partícula do vírus HIV, chamada
vírion, é esférica e tem o diâmetro
de mais ou menos 10 milionésimos
de milímetro.
PESSOAS FAMOSAS COM O VÍRUS
AIDS
www.tioronni.com.br
JOHANESBURGO (Reuters) - Pesquisadores sul-africanos disseram na sexta-feira terem ficado
animados com o resultado de dois estudos sobre a Aids indicando que as vacinas podem, um
dia, ser eficientes no controle dos níveis do vírus HIV (da doença) e, até mesmo, na prevenção
desse mal.
Dados preliminares de um teste clínico envolvendo 480 pessoas não infectadas pelo vírus,
metade delas moradores da África do Sul, mostrou que a maioria experimentou uma resposta
imunológica positiva depois de ter recebido a vacina HVTN 204.
Um sistema imunológico saudável pode contribuir para evitar uma infecção pelo HIV, ao passo
que as pessoas com um sistema imunológico comprometido vêem-se, com freqüência, mais
sujeitas a contraírem o vírus.
FONTE: http://www.agenciaaids.com.br
VACINA SUL-AFRICANA CONTRA AIDS MOSTRA
RESULTADOS PROMISSORES, INFORMA A AGÊNCIA REUTERS
OBRIGADO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DST´s Hepatites AIDS
DST´s Hepatites AIDSDST´s Hepatites AIDS
DST´s Hepatites AIDSIsmael Costa
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)Fernanda Gonçalves
 
Apresentação de dst no clube farinhada
Apresentação de dst no clube farinhada Apresentação de dst no clube farinhada
Apresentação de dst no clube farinhada Rafael Negreiros
 
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
Dst  telma, mafalda, teresa e marianaDst  telma, mafalda, teresa e mariana
Dst telma, mafalda, teresa e marianaBESL
 
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEISSOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEISJonathan Coelho
 
Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Anopit
 
DST's , fique atento!
DST's , fique atento!DST's , fique atento!
DST's , fique atento!Lybia Sarraff
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiEduarda Gobbi
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasstcnsaidjv
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DstDoenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DstRaquel Hemanuelly
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Carlos Priante
 

Mais procurados (18)

DST´s Hepatites AIDS
DST´s Hepatites AIDSDST´s Hepatites AIDS
DST´s Hepatites AIDS
 
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
DoençAs Sexualmente Transmissiveis (2)
 
Dst palestra
Dst palestraDst palestra
Dst palestra
 
Apresentação de dst no clube farinhada
Apresentação de dst no clube farinhada Apresentação de dst no clube farinhada
Apresentação de dst no clube farinhada
 
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
Dst  telma, mafalda, teresa e marianaDst  telma, mafalda, teresa e mariana
Dst telma, mafalda, teresa e mariana
 
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEISSOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
SOCIOLOGIA DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS
 
Dst 8o Ano
Dst   8o AnoDst   8o Ano
Dst 8o Ano
 
Dst
DstDst
Dst
 
Dst – DoençA Sexualmente
Dst – DoençA SexualmenteDst – DoençA Sexualmente
Dst – DoençA Sexualmente
 
DST's , fique atento!
DST's , fique atento!DST's , fique atento!
DST's , fique atento!
 
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa GobbiDoenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
Doenças Sexualmente Transmissiveis - por Eduarda Minassa Gobbi
 
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosasSociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
Sociedade tecnologia e ciência doenças contagiosas
 
Treinamento dst
Treinamento dstTreinamento dst
Treinamento dst
 
DST-AIDS Prof. Robson
DST-AIDS Prof. RobsonDST-AIDS Prof. Robson
DST-AIDS Prof. Robson
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
Doenças Sexualmente Transmissíveis - DstDoenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
Doenças Sexualmente Transmissíveis - Dst
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
 
DST
DSTDST
DST
 
DST
DSTDST
DST
 

Semelhante a DST - Doenças sexualmente transmissíveis

Semelhante a DST - Doenças sexualmente transmissíveis (20)

Dst
DstDst
Dst
 
DST
DSTDST
DST
 
Aula dst
Aula dstAula dst
Aula dst
 
IST E AIDS.pptx
IST E AIDS.pptxIST E AIDS.pptx
IST E AIDS.pptx
 
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
Apresentacaodst11 110620070941-phpapp02 (1)
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTsDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS - DSTs
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
ISTS
ISTSISTS
ISTS
 
Aids
AidsAids
Aids
 
Dst 8o ano
Dst 8o anoDst 8o ano
Dst 8o ano
 
Dst
DstDst
Dst
 
2011
20112011
2011
 
As doenças sexualmente transmíssíveis
As doenças sexualmente transmíssíveisAs doenças sexualmente transmíssíveis
As doenças sexualmente transmíssíveis
 
sexualidade_e_DST.ppt
sexualidade_e_DST.pptsexualidade_e_DST.ppt
sexualidade_e_DST.ppt
 
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
Tema Hiv Aids Spe 08 04 2008
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdfModulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
Modulo-IV-Apresentacao-DST-Aids-2016.pdf
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 

Mais de URCA

Máquinas Simples
Máquinas SimplesMáquinas Simples
Máquinas SimplesURCA
 
Transformações Químicas
Transformações QuímicasTransformações Químicas
Transformações QuímicasURCA
 
Separação de Materiais
Separação de MateriaisSeparação de Materiais
Separação de MateriaisURCA
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasURCA
 
Folhas caules e raízes
Folhas caules e raízesFolhas caules e raízes
Folhas caules e raízesURCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
AngiospermasURCA
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
BriofitasURCA
 
Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutosURCA
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
GimnospermasURCA
 
Aborto
AbortoAborto
AbortoURCA
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
PteridófitasURCA
 
Vírus
VírusVírus
VírusURCA
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
TaxonomiaURCA
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reproduçãoURCA
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivosURCA
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctistaURCA
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
AngiospermasURCA
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino MoneraURCA
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino FungiURCA
 
Répteis
RépteisRépteis
RépteisURCA
 

Mais de URCA (20)

Máquinas Simples
Máquinas SimplesMáquinas Simples
Máquinas Simples
 
Transformações Químicas
Transformações QuímicasTransformações Químicas
Transformações Químicas
 
Separação de Materiais
Separação de MateriaisSeparação de Materiais
Separação de Materiais
 
Misturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e HeterogeneasMisturas homogêneas e Heterogeneas
Misturas homogêneas e Heterogeneas
 
Folhas caules e raízes
Folhas caules e raízesFolhas caules e raízes
Folhas caules e raízes
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Flores e frutos
Flores e frutosFlores e frutos
Flores e frutos
 
Gimnospermas
GimnospermasGimnospermas
Gimnospermas
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Pteridófitas
PteridófitasPteridófitas
Pteridófitas
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Tipos de reprodução
Tipos de reproduçãoTipos de reprodução
Tipos de reprodução
 
Métodos contaceptivos
Métodos contaceptivosMétodos contaceptivos
Métodos contaceptivos
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Angiospermas
AngiospermasAngiospermas
Angiospermas
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Répteis
RépteisRépteis
Répteis
 

Último

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadodanieligomes4
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoadoA população Brasileira e diferença de populoso e povoado
A população Brasileira e diferença de populoso e povoado
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 

DST - Doenças sexualmente transmissíveis

  • 1. Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados ©2013. www.tioronni.com.br
  • 2.
  • 3. DST são doenças de causas múltiplas, que têm em comum a transmissão sexual. Incluem as doenças venéreas clássicas (sífilis, gonorréia, linfogranuloma venéreo, cancro mole) e um número crescente de síndromes e quadros clínicos. Têm alto risco de disseminação e podem causar danos graves à saúde, tais como distúrbios emocionais, doença inflamatória pélvica (DIP), infertilidade a quadros infecciosos dramáticos, lesões fetais, câncer. A incidência das DST tem aumentado, e isto torna mais importante ainda lembrar que a presença de uma DST, ulcerativa (que produz ferida) ou não, favorece a transmissão da AIDS. FONTE: http://www.faac.unesp.br DST – DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
  • 4. Após a 2ª guerra houve grande aumento na incidência das DST clássicas e surgiram outras doenças com uma característica em comum: a transmissão sexual. Entretanto, como nem todas eram transmitidas apenas por contato sexual, em 1982, estabeleceu-se a seguinte classificação: Doenças essencialmente transmitidas por contágio sexual: Sífilis ou Lues Gonorréia ou uretrite gonocócica (blenorragia) Cancro mole Linfogranuloma venéreo Doenças freqüentemente transmitidas por contágio sexual: Donovanose Clamidíase Herpes Genital Condiloma acuminado Hepatite B Hepatite A Fitiríase (pediculose pubiana ou, “chato”) Candidíase Doenças eventualmente transmitidas por contágio sexual: Molusco contagioso Pediculose e Escabiose Shigelose e Amebíase CLASSIFICAÇÃO
  • 5. Quem pode pegar DST? - Quem tem relações sexuais sem camisinha; - Quem tem parceiro que mantém relações sexuais com outras pessoas sem camisinha; - Pessoas que usam drogas injetáveis e compartilham seringas; - Pessoas que têm parceiros que usem drogas injetáveis, compartilhando seringas; - Pessoas que recebem transfusão de sangue não testado; -Qualquer um - casados, solteiros, jovens, adultos, ricos ou pobres - pode pegar DST. Quais os principais sinais? - Feridas (úlceras): aparecem nos órgão genitais ou em qualquer parte do corpo. Podem doer ou não. - Corrimentos: aparecem no homem e na mulher no canal da uretra, vagina ou ânus. Podem ser esbranquiçados, esverdeados ou amarelados como pus. Alguns têm cheiro forte e ruim. Tem gente que sente dor ao urinar ou durante a relação sexual. Nas mulheres, quando o corrimento é pouco, só é visto em exames ginecológicos. -Verrugas: são como caroços; podem parecer uma couve-flor quando a doença está em estágio avançado. Em geral não dói, mas pode ocorrer irritação ou coceiras. FONTE: http://www.coladaweb.com CLASSIFICAÇÃO
  • 6. SÍFILIS A sífilis é uma doença infecciosa sistêmica crônica, transmitida através da relação sexual e outros contatos íntimos; também pode ser transmitida da mulher grávida para o feto no útero ou adquirida pela criança que tenha contato com lesões maternas durante o nascimento. O agente causal da sífilis é o Treponema pallidum, subespécie pallidum, um espiroqueta. Três outros treponemas (subespécies pertenue, subespécie endemicum e T. carateum) também são patogênicos para humanos. A infecção com esses microorganismos tornam positivos os testes sorológicos para sífilis, embora as infecções não sejam sexualmente transmitidas.
  • 7. * Primária: quando há presença de uma ferida única, indolor, de bordas bem definidas e fundo liso (cancro duro). Localiza- se na genitália externa ou outros locais por onde o Treponema penetrou (ânus, reto, lábios, mamas, dedos). A lesão regride espontaneamente, por esse motivo o indivíduo não procura o serviço de saúde, evoluindo para o próximo estágio da sífilis. * Secundária: ocorre entre seis a oito semanas após o surgimento da lesão. Manifesta-se pela disseminação da bactéria por todo corpo através da corrente sanguínea e vasos linfáticos (onde ocorre um tipo de filtração dentro do corpo). Caracterizam-se por lesões de pele, pequenas manchas acobreadas, conhecidas como roséolas sifilíticas, na região das mãos, pés, virilha, entre as nádegas, face, etc. Ocorre ainda queda de cabelo, de pêlos nas sobrancelhas, lesões tipo verruga planas nas regiões de dobras, queixas de febre baixa, mal-estar, dor de cabeça, e dor na articulação. *Terciária: se na fase anterior o indivíduo não for tratado ele atingirá essa fase entre três a doze anos após infecção e seu portador manifestará comprometimento ósseo, articular, neurológico, cardiovascular, por toda a pele, podendo levar a morte. É diagnosticada pelo exame de sangue VDRL. Sífilis Congênita: transmitida ao bebê durante a gravidez, podendo causar o aborto, parto prematuro, ou uma criança com mal formação. SÍFILIS
  • 8. Pouco freqüente, causada pela bactéria Calymmatobacterium granulomatis, é transmitida pelo contato das feridas do doente. Caracteriza-se pelo aparecimento de nódulos ou feridas indolores. Geralmente essas feridas aparecem em regiões de dobras e na região perianal, apresentam odor fétido, coloração vermelho vivo e de fácil sangramento FONTE: http://www.congonhinhas.pr.gov.br DONOVANOSE
  • 9. GONORRÉIA A Gonorréia ou Blenorragia uma doença sexualmente transmissível - D.S.T., causada pela bactéria Neisseria gonorrheae, ou gonococo. É transmitida pelo gonococo Neisseria gonorrhoeae uma bactéria Gram- negativa, que tem forma de diplococo com cerca de 1 micrometro (assemelham-se a um rim) que se agrupam aos pares. O fator mais importante de virulência do gonococo é a existência de pílios e da proteína Opa. Estas estruturas permitem à bactéria permanecer aderente à mucosa do tracto urinário, resistindo ao jato da micção. O gonococo infecta principalmente as células cilíndricas da uretra, poupando geralmente a vagina e útero, cujos epitélios são de células escamosas.
  • 10. CANCRO MOLE O cancróide, ou cancro mole (ulcus molle), é caracterizado por uma ou mais úlceras genitais e linfadenopatia inguinal frequentemente dolorosa. A doença foi diferenciada clinicamente de sífilis por Basserau, na França em 1852. Em 1889, Ducreyi, na Itália, demonstrou a origem infecciosa da doença através da inoculação de material purulento de suas próprias úlceras genitais na pele do antebraço de voluntários humanos. Ele inoculava um novo local a intervalos semanais com material da úlcera mais recente e, após a quinta ou sexta inoculação em cada paciente, ele encontrou um único microorganismo no exsudato da úlcera. O microorganismo descrito era um bastonete estreptobacilar curto e compacto. Ducreyi no entanto não pôde isolar a bactéria causadora que hoje tem seu nome, o Haemophylus ducreyi. O isolamento foi conseguido por outros pesquisadores em 1900.
  • 11. LINFOGRANULOMA VENÉREO Também conhecida como doença de Nicolas-Favre, é de transmissão exclusiva sexual, causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, sua entrada no organismo se dá através de lesões nas genitálias, muitas vezes despercebidas. Como a sífilis se manifesta em três fases: * lesão primária, chamada de lesão de inoculação, geralmente pequena, indolor, podendo ser pouco visível, regride espontaneamente. * lesão secundária, após alguns dias infectados a clamídia alcança os gânglios ( local onde se encontram vasos linfáticos, no qual é feito um tipo de filtragem dentro deles) causando o aumento dos mesmos na região inguinal (virilha). Pode atingir apenas um lado da virilha causa dor, febre e dor na articulação. Sobre a região aumentada há abertura de lesões, com saída de pus por um ou vários orifícios. * lesão terciária, ocorre principalmente quando o linfogranuloma afeta a região anal, podendo levar à obstrução do ânus e formação de fístulas (cortes de canal estreito e profundo), podendo causar infecção disseminada (espalhada).
  • 12. CONDILOMA ACUMINADO Doença causada pelo vírus HPV (papilomavírus humano), também conhecido como crista de galo, verruga genital, couve-flor... Caracteriza-se pelo surgimento de pequenas verrugas isoladas ou agrupadas na região anal ou genital, é uma doença especialmente perigosa quando afeta a gestante, pois o crescimento das verrugas pode obstruir o canal vaginal levando a necessidade de cesariana. Essa doença aumenta ainda mais o risco de desenvolver o câncer de colo uterino e pênis. A mesma pode apresentar-se em período de latência (quando esta no organismo do indivíduo sem apresentar sinais ou sintomas), devendo ser de obrigatoriedade seu diagnóstico. Obs.: Em indivíduos com imunidade baixa, ocorre o aumento das verrugas.
  • 13. PEDICULOSE PUBIANA Existe ainda a pediculose pubiana, transmitida pelo parasita Phthirus pubis, popularmente conhecido como chato. Transmite-se por meio do contato sexual, e pode ser veiculada através de vestuário, roupas de cama, toalhas etc. A doença atinge tanto homens quanto mulheres. Os piolhos atingem os pêlos pubianos, parte inferior do abdômen, coxas e nádegas. “O tratamento é feito do mesmo modo que o da escabiose, com loções escabicidas e/ou oralmente, com a repetição dos mesmos após uma semana. É importante, também, aparar os pelos pubianos”. Tratamento Para que o tratamento seja eficaz, as instruções recomendadas pelos profissionais de saúde devem ser obedecidas rigorosamente. Cada caso deve ser avaliado de forma separada. O tempo determinado para o uso do remédio deve ser respeitado e seguido até o fim. Como a infestação desses parasitas não está restrita apenas à falta de higiene, é importante ficar atento e tomar medidas simples para prevenir a ocorrência dessas doenças. FONTE: http://www.hebron.com.br Phthirus pubis - (chato)
  • 14. HERPES GENITAL Doença causada pelo Herpes simplex vírus, dos tipos I e II. Embora possa provocar lesões em qualquer parte do corpo acomete principalmente os órgãos genitais. O vírus do herpes ao multiplicar-se na pele ou mucosa da genitália causa pequenas lesões em forma de bolhas agrupadas, que se rompem dando origem a pequenas feridas. Anterior ao surgimento das lesões, pode haver ardor e coceira local. As lesões desaparecem espontaneamente, mas o vírus permanece no organismo em estado de latência, ou seja, período onde o vírus volta pra dentro do corpo e não apresenta sinais e sintomas. O vírus é ativado e se manifesta novamente quando o portador passa por estresse, exposição ao sol, febre ou se apresenta com a imunidade baixa. Por ser uma doença que não tem cura o tratamento é voltado para o alívio dos sintomas.
  • 15. TRICOMONÍASE Diferentemente das outras doenças sexualmente transmissíveis a tricomoníase não é causada por vírus ou bactéria e sim por um parasita. O parasita da tricomoníase pode estar presente na vagina por anos sem causar sintomas. Sinais e sintomas Quando ocorrem os sintomas típicos em mulheres incluem coceira e queimação vaginal, secreção vaginal amarelo- esverdeada, dor ou queimação ao urinar. A relação sexual pode ser dolorosa. Em homens, os sintomas incluem coceira leve e irritação no pênis, dor durante a relação sexual e desconforto ao urinar. Homens que tem tricomoníase geralmente não sentem nenhum sintoma. Eles podem infectar suas parceiras sem saber. A tricomoníase é diagnosticada pelo exame do fluido vaginal ao microscópio.
  • 16. AIDS – SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA Como todos os vírus, o HIV não possui o maquinário químico que as células humanas utilizam para sustentar a vida. Ele requer uma célula hospedeira para se manter vivo e se multiplicar. Para isso, ele cria novas partículas de vírus dentro da célula e essas partículas o transportam para novas células. Felizmente, as partículas do vírus são frágeis. Os vírus como o HIV não possuem membranas celulares ou núcleos. Basicamente, eles são feitos de instruções genéticas embrulhadas em uma cápsula protetora. Uma partícula do vírus HIV, chamada vírion, é esférica e tem o diâmetro de mais ou menos 10 milionésimos de milímetro.
  • 19. JOHANESBURGO (Reuters) - Pesquisadores sul-africanos disseram na sexta-feira terem ficado animados com o resultado de dois estudos sobre a Aids indicando que as vacinas podem, um dia, ser eficientes no controle dos níveis do vírus HIV (da doença) e, até mesmo, na prevenção desse mal. Dados preliminares de um teste clínico envolvendo 480 pessoas não infectadas pelo vírus, metade delas moradores da África do Sul, mostrou que a maioria experimentou uma resposta imunológica positiva depois de ter recebido a vacina HVTN 204. Um sistema imunológico saudável pode contribuir para evitar uma infecção pelo HIV, ao passo que as pessoas com um sistema imunológico comprometido vêem-se, com freqüência, mais sujeitas a contraírem o vírus. FONTE: http://www.agenciaaids.com.br VACINA SUL-AFRICANA CONTRA AIDS MOSTRA RESULTADOS PROMISSORES, INFORMA A AGÊNCIA REUTERS
  • 20.

Notas do Editor

  1. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  2. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  3. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  4. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  5. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  6. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  7. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  8. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  9. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  10. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  11. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  12. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  13. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  14. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  15. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  16. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  17. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  18. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  19. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  20. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456
  21. PROFESSOR: Ronnielle Cabral. E-MAIL: tio_ronni@hotmail.com FONE: 088-3531-1456