SlideShare uma empresa Scribd logo
ACORDO ORTOGRÁFICO  DA  LÍNGUA PORTUGUESA
“ A adopção de uma única ortografia entre países de língua portuguesa pode ser óptima” Se esta frase fosse escrita em Portugal, estaria corretíssima. Já no Brasil, a letra p está sobrando.
Do ponto de vista da ortografia, existem diferenças bastante relevantes na língua portuguesa. E não apenas entre Brasil e Portugal. Nas outras seis nações que falam e escrevem o português (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) ocorre o mesmo.
 
Para acabar com essas diferenças, foi criado, em 1990, um acordo ortográfico que se restringe à língua escrita. (não afetando nenhum aspecto da língua falada).
O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, de 1990, em vigor no Brasil a partir de 1º de Janeiro de 2009, afeta apenas 2,1% do total das palavras da língua. Desse total, no Brasil, as mudanças ocorrem em 0,5%; em Portugal, esse índice é de 1,6%.
Segundo o filólogo Antônio Houaiss (principal responsável pelo processo de unificação aqui no Brasil) “ A existência de duas grafias oficiais acarreta problemas na redação de documentos em tratados internacionais e na publicação de obras de interesse público”
Daqui para a frente, a língua portuguesa tem tudo para ganhar espaço- até mesmo em fóruns internacionais-, pois o intercâmbio de informações e textos ficará mais fácil.
Unificar a grafia também visa aproximar as oito nações da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), reduzir custos de produção e  adaptação de livros e facilitar a difusão bibliográfica de novas tecnologias, bem como simplificar algumas regras (que suscitam dúvidas até entre especialistas).
Do ponto de vista prático, ganha força o idioma falado no Brasil. Isso porque os portugueses terão de promover mais mudanças na escrita do que nós.
O português é a única língua com dois cânones oficias ortográficos, um europeu e outro brasileiro, e isso não só dificulta nossa vida lá fora como também a dos estrangeiros que querem aprendê-lo.
Estima-se que o período de transição para a nova norma dure três anos.  Segundo a proposta do MEC, todos os textos produzidos a partir de 2009 terão de ser impressos segundo as novas regras linguísticas. Vestibulares, concursos e avaliações poderão aceitar as duas grafias como corretas até 31 de dezembro de 2011.
Livros Didáticos  A partir de 2010 os alunos de 1° a 5º ano do Ensino Fundamental receberão os livros dentro da nova norma- o que deve ocorrer com as turmas de 6º a  9º ano e Ensino Médio, respectivamente, em 2011 e 2012.
“ Imaginem esta palavra phase, escripta assim: fase. Não nos parece uma palavra, parece-nos um esqueleto (...). Affligimo-nos extraordinariamente, quando pensamos que haveríamos de ser obrigados a escrever assim!“   Alexandre Fontes.A questão orthographica. Lisboa, 1910. Fragmento escrito às vésperas da reforma ortográfica de 1911.
O novo acordo, cujo nome oficial é   Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990)   contém vinte e uma bases, numeradas com algarismos romanos, cada uma delas tratando de um item específico:
Da acentuação gráfica das vogais tônicas grafadas i e u das palavras oxítonas e paroxítonas   Base X Da acentuação gráfica das palavras paroxítonas    Base IX Da acentuação gráfica das palavras oxítonas   Base VIII Dos ditongos    Base VII Das vogais nasais   Base VI Das vogais átonas.   Base V Das sequências consonânticas    Base IV Da homofonia de certos grafemas consonânticos   Base III Do H inicial e final   Base II Do alfabeto e dos nomes próprios estrangeiros e seus derivados Base I
Das assinaturas e firmas Base XXI Da divisão silábica Base XX Das minúsculas e maiúsculas  Base XIX Do apóstrofo Base XVIII Do hífen na ênclise, na tmese (mesóclise) e com o verbo Haver Base XVII Do hífen nas formações por prefixação, recomposição e sufixação  Base XIV  Do hífen em compostos, locuções e encadeamentos vocabulares Base XV Do trema Base XIV Da supressão de acentos em palavras derivadas Base XIII Do emprego do acento grave Base XII Da acentuação gráfica das palavras proparoxítonas Base XI
Trema Redução e simplificação do uso do hífen Ausência de acento agudo em palavras oxítonas com vogais tônicas escritas com  i  e  u , se precedidas de ditongo Ausência de acento no hiato  oo   nas palavras paroxítonas Ausência de acento nos ditongos  oi  em palavras paroxítonas Ausência de acento nos ditongos  ei  em palavras paroxítonas Alfabeto Principais modificações no Brasil
Mudanças no alfabeto O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram reintroduzidas as letras k, w e y. O alfabeto completo passa a ser: A B C D E F G H I J  k  L M N O P Q R S T U V  W X  Y  Z
Trema Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra  u  para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gue ,  gui ,  que ,  qui . Como era Como fica agüentar - aguentar argüir - arguir bilíngüe - bilíngue cinqüenta - cinquenta
Mudanças nas regras de acentuação 1 . Não se usa mais o acento dos ditongos abertos  éi  e  ói  das palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima sílaba). Como era  Como fica alcalóide - alcaloide alcatéia - alcateia andróide - androide apóia (verbo apoiar) - apoia
Atenção:  essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a ser acentuadas as palavras oxítonas terminadas em  éis, éu, éus, ói, óis.  Exemplos: papéis, herói, heróis, troféu, troféus.
Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no  i  e no  u  tônicos quando vierem depois de um ditongo. Como era  -  Como fica baiúca - baiuca feiúra - feiura Atenção:  se a palavra for oxítona e o  i  ou o  u  estiverem em posição final (ou seguidos de  s ), o acento permanece. Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí.
Não se usa mais o acento das palavras terminadas em  êem  e  ôo(s) . Como era  -  Como fica abençôo - abençoo crêem (verbo crer) - creem dêem (verbo dar) - deem dôo (verbo doar) - doo enjôo - enjoo lêem (verbo ler) - leem
Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla(s)/pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera. Como era  -  Como fica Ele  pára  o carro.  Ele  para  o carro. Esse gato tem  pêlos  brancos. Esse gato tem  pelos  brancos. Comi uma  pêra .  Comi uma  pera .
Atenção: • Permanece o acento diferencial em pôde/pode.  Exemplo: Ontem, ele não  pôde  sair mais cedo, mas hoje ele  pode . • Permanece o acento diferencial em pôr/por.  Pôr  é verbo.  Por  é preposição. Exemplo: Vou  pôr  o livro na estante que foi feita  por  mim.
É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as palavras forma/fôrma. Em alguns casos, o uso do acento deixa a frase mais clara. Veja este exemplo:  Qual é a  forma  da  fôrma do bolo?
Não se usa mais o acento agudo no  u  tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem, do presente do indicativo dos verbos  arguir  e  redarguir .
Uso do Hífen Com prefixos, usa-se sempre o hífen diante de palavra iniciada por  h . Exemplos: anti-higiênico mini-hotel sobre-humano super-homem Exceção:  subumano (nesse caso, a palavra humano perde o  h ).
Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento. Exemplos: agroindustrial anteontem antieducativo autoaprendizagem autoescola extraescolar infraestrutura
Exceção:  o prefixo  co  aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por  o : coobrigar, coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar, coocupante etc.
Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de r  ou  s . Exemplos: anteprojeto antipedagógico pseudoprofessor Atenção:  com o prefixo  vice , usa-se sempre o hífen. Exemplos: vice-rei, vice-almirante etc.
Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por  r  ou  s . Nesse caso, duplicam-se essas letras. Exemplos: antissocial contrarregra contrassenso minissaia multissecular semirreta ultrarresistente.
Quando o prefixo termina por vogal, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma vogal. Exemplos: anti-inflamatório auto-observação contra-atacar micro-ondas micro-ônibus semi-interno
Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma consoante. Exemplos: hiper-requintado inter-racial inter-regional sub-bibliotecário super-racista super-resistente super-romântico
Atenção: Nos demais casos não se usa o hífen.Exemplos: hipermercado, intermunicipal, superinteressante. Com o prefi xo  sub , usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r : sub-região, sub-raça etc. • Com os prefixos  circum  e  pan , usa-se o hífen diante de palavra iniciada por  m ,  n  e  vogal : circum-navegação, pan-americano etc.
Quando o prefixo termina por consoante, não se usa o hífen se o segundo elemento começar por vogal. Exemplos: hiperativo interescolar interestadual interestudantil superamigo supereconômico superinteressante
Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen. Exemplos: além-mar ex-aluno ex-prefeito pós-graduação pré-vestibular recém-nascido sem-terra
Deve-se usar o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani: açu, guaçu e mirim. Exemplos: amoré-guaçu, anajá-mirim, capim-açu.
Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares. Exemplos: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo.
Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição. Exemplos: girassol madressilva mandachuva paraquedas paraquedista pontapé
Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte. Exemplos: Na cidade, conta- -se que ele foi viajar.   O diretor recebeu os ex-  -alunos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
Aliffer Murillo Laguna
 
Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.
EstudareLegal
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Cláudia Heloísa
 
Objeto direto e indireto
Objeto direto e indiretoObjeto direto e indireto
Objeto direto e indireto
Edgar Filho
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa
Luciene Gomes
 
Substantivo slide
Substantivo slideSubstantivo slide
Substantivo slide
Andreia Berto
 
Acentuacao
AcentuacaoAcentuacao
Acentuacao
Flávio Ferreira
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
Sadrak Silva
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
Keu Oliveira
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Joyce de Oliveira
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
CDIM Daniel
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
Pri Aguiar
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss x
Edson Alves
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
Mara dalto
 
Voz ativa e voz passiva
Voz ativa e voz passivaVoz ativa e voz passiva
Voz ativa e voz passiva
leticialeall
 

Mais procurados (20)

Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
 
Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.Pronomes Relativos.
Pronomes Relativos.
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Objeto direto e indireto
Objeto direto e indiretoObjeto direto e indireto
Objeto direto e indireto
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa
 
Substantivo slide
Substantivo slideSubstantivo slide
Substantivo slide
 
Acentuacao
AcentuacaoAcentuacao
Acentuacao
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Morfologia
MorfologiaMorfologia
Morfologia
 
Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.Frase, Oração e Periodo.
Frase, Oração e Periodo.
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Ortografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss xOrtografia c ç s ss x
Ortografia c ç s ss x
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
 
Voz ativa e voz passiva
Voz ativa e voz passivaVoz ativa e voz passiva
Voz ativa e voz passiva
 

Destaque

A mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
A mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua PortuguesaA mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
A mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
joao_pimentel
 
Acordo ortográfico ppt
Acordo ortográfico pptAcordo ortográfico ppt
Acordo ortográfico ppt
carminda machado
 
Manual da-nova-ortografia
Manual da-nova-ortografiaManual da-nova-ortografia
Manual da-nova-ortografia
Paula Tannus
 
Acordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slidesAcordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slides
homago
 
A reforma ortográfica slides
A reforma ortográfica   slidesA reforma ortográfica   slides
A reforma ortográfica slides
Franquilim Cerqueira
 
Nova Ortografia - Aula 02
Nova Ortografia - Aula 02Nova Ortografia - Aula 02
Nova Ortografia - Aula 02
estudecomevandro
 
Nova Ortografia
Nova OrtografiaNova Ortografia
Nova Ortografia
Valeria Bortoluzzi
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
Paula Oliveira Cruz
 
Nova Ortografia - Aula 01
Nova Ortografia - Aula 01Nova Ortografia - Aula 01
Nova Ortografia - Aula 01
estudecomevandro
 
Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)
Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)
Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)
Vânia Salvo Orso
 
Novo Acordo Ortografico
Novo Acordo OrtograficoNovo Acordo Ortografico
Novo Acordo Ortografico
deathie
 
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa
Novo acordo ortografico da lingua portuguesaNovo acordo ortografico da lingua portuguesa
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa
Mentes Em Rede
 
Novo acordo ortográfico[1]
Novo acordo ortográfico[1]Novo acordo ortográfico[1]
Novo acordo ortográfico[1]
Deivison Candinho
 
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A carta
A cartaA carta
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica   PRONOMES PESSOAISGramática Bíblica   PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
Nélson Bittencourt
 
Novo Acordo Ortografico 1
Novo Acordo Ortografico 1Novo Acordo Ortografico 1
Novo Acordo Ortografico 1
Newton Campos
 
Slide tópicos de linguagem e uso porquês
Slide tópicos de linguagem e uso porquêsSlide tópicos de linguagem e uso porquês
Slide tópicos de linguagem e uso porquês
Jomari
 
Acentuação das paroxítonas e acentos diferenciais
Acentuação das paroxítonas e acentos diferenciaisAcentuação das paroxítonas e acentos diferenciais
Acentuação das paroxítonas e acentos diferenciais
Viviane Dilkin Endler
 
Epistola a filemon
Epistola a filemonEpistola a filemon
Epistola a filemon
LUCAS CANAVARRO
 

Destaque (20)

A mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
A mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua PortuguesaA mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
A mais completa apresentação sobre o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa
 
Acordo ortográfico ppt
Acordo ortográfico pptAcordo ortográfico ppt
Acordo ortográfico ppt
 
Manual da-nova-ortografia
Manual da-nova-ortografiaManual da-nova-ortografia
Manual da-nova-ortografia
 
Acordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slidesAcordo ortográfico slides
Acordo ortográfico slides
 
A reforma ortográfica slides
A reforma ortográfica   slidesA reforma ortográfica   slides
A reforma ortográfica slides
 
Nova Ortografia - Aula 02
Nova Ortografia - Aula 02Nova Ortografia - Aula 02
Nova Ortografia - Aula 02
 
Nova Ortografia
Nova OrtografiaNova Ortografia
Nova Ortografia
 
Acordo ortográfico
Acordo ortográficoAcordo ortográfico
Acordo ortográfico
 
Nova Ortografia - Aula 01
Nova Ortografia - Aula 01Nova Ortografia - Aula 01
Nova Ortografia - Aula 01
 
Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)
Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)
Novo acordo ortográfico da língua portuguesa (guia rápido)
 
Novo Acordo Ortografico
Novo Acordo OrtograficoNovo Acordo Ortografico
Novo Acordo Ortografico
 
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa
Novo acordo ortografico da lingua portuguesaNovo acordo ortografico da lingua portuguesa
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa
 
Novo acordo ortográfico[1]
Novo acordo ortográfico[1]Novo acordo ortográfico[1]
Novo acordo ortográfico[1]
 
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
 
A carta
A cartaA carta
A carta
 
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica   PRONOMES PESSOAISGramática Bíblica   PRONOMES PESSOAIS
Gramática Bíblica PRONOMES PESSOAIS
 
Novo Acordo Ortografico 1
Novo Acordo Ortografico 1Novo Acordo Ortografico 1
Novo Acordo Ortografico 1
 
Slide tópicos de linguagem e uso porquês
Slide tópicos de linguagem e uso porquêsSlide tópicos de linguagem e uso porquês
Slide tópicos de linguagem e uso porquês
 
Acentuação das paroxítonas e acentos diferenciais
Acentuação das paroxítonas e acentos diferenciaisAcentuação das paroxítonas e acentos diferenciais
Acentuação das paroxítonas e acentos diferenciais
 
Epistola a filemon
Epistola a filemonEpistola a filemon
Epistola a filemon
 

Semelhante a Novo Acordo Ortográfico

Oficina ana
Oficina anaOficina ana
Oficina ana
Ana Cristina sousa
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
katiaourives
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
katiaourives
 
Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)
Sonia Beth
 
Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1
Fabioarslonga
 
Reforma ortográfica
Reforma ortográficaReforma ortográfica
Reforma ortográfica
Adalziraaguinafabiana
 
Reforma ortográfica adalzira
Reforma ortográfica  adalziraReforma ortográfica  adalzira
Reforma ortográfica adalzira
Adalziraaguinafabiana
 
Reformaortografica 2009 Vanessa
Reformaortografica 2009 VanessaReformaortografica 2009 Vanessa
Reformaortografica 2009 Vanessa
Vanessa Dagostim
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
hlemmur
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
hlemmur
 
REFORMA_ORTOGRAFICA[1].ppt
REFORMA_ORTOGRAFICA[1].pptREFORMA_ORTOGRAFICA[1].ppt
REFORMA_ORTOGRAFICA[1].ppt
PatrciaMonteiro61
 
Reforma OrtográFica
Reforma OrtográFicaReforma OrtográFica
Reforma OrtográFica
guest5a4e95d
 
nova ortografia.pdf
nova ortografia.pdfnova ortografia.pdf
nova ortografia.pdf
ssuser6ee2851
 
Reforma ortográfica8ºf
Reforma ortográfica8ºfReforma ortográfica8ºf
Reforma ortográfica8ºf
Escola Municipal
 
Reforma ortográfica
Reforma ortográficaReforma ortográfica
Reforma ortográfica
mfmpafatima
 
Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01
Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01
Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01
Kellecampos Kelle Campos
 
Reforma OrtográFica
Reforma OrtográFicaReforma OrtográFica
Reforma OrtográFica
guest5a4e95d
 
Guia prático da nova ortografia
Guia prático da nova ortografiaGuia prático da nova ortografia
Guia prático da nova ortografia
Rubney Carrion Antunes
 
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa concluido
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa concluidoNovo acordo ortografico da lingua portuguesa concluido
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa concluido
RossySchramm
 
Natacha
NatachaNatacha
Natacha
Natacha Penha
 

Semelhante a Novo Acordo Ortográfico (20)

Oficina ana
Oficina anaOficina ana
Oficina ana
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)Regras ortograficas (1)
Regras ortograficas (1)
 
Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1Língua portuguesa 1
Língua portuguesa 1
 
Reforma ortográfica
Reforma ortográficaReforma ortográfica
Reforma ortográfica
 
Reforma ortográfica adalzira
Reforma ortográfica  adalziraReforma ortográfica  adalzira
Reforma ortográfica adalzira
 
Reformaortografica 2009 Vanessa
Reformaortografica 2009 VanessaReformaortografica 2009 Vanessa
Reformaortografica 2009 Vanessa
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
Nova ortografia
Nova ortografiaNova ortografia
Nova ortografia
 
REFORMA_ORTOGRAFICA[1].ppt
REFORMA_ORTOGRAFICA[1].pptREFORMA_ORTOGRAFICA[1].ppt
REFORMA_ORTOGRAFICA[1].ppt
 
Reforma OrtográFica
Reforma OrtográFicaReforma OrtográFica
Reforma OrtográFica
 
nova ortografia.pdf
nova ortografia.pdfnova ortografia.pdf
nova ortografia.pdf
 
Reforma ortográfica8ºf
Reforma ortográfica8ºfReforma ortográfica8ºf
Reforma ortográfica8ºf
 
Reforma ortográfica
Reforma ortográficaReforma ortográfica
Reforma ortográfica
 
Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01
Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01
Novaortografiadalnguaportuguesaverso2003 100725183109-phpapp01
 
Reforma OrtográFica
Reforma OrtográFicaReforma OrtográFica
Reforma OrtográFica
 
Guia prático da nova ortografia
Guia prático da nova ortografiaGuia prático da nova ortografia
Guia prático da nova ortografia
 
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa concluido
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa concluidoNovo acordo ortografico da lingua portuguesa concluido
Novo acordo ortografico da lingua portuguesa concluido
 
Natacha
NatachaNatacha
Natacha
 

Último

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
Escola Municipal Jesus Cristo
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Ana Da Silva Ponce
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 

Último (20)

Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdfBiologia - Jogos da memória genetico.pdf
Biologia - Jogos da memória genetico.pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docxPROPOSTA CURRICULAR  EDUCACAO FISICA.docx
PROPOSTA CURRICULAR EDUCACAO FISICA.docx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdflivro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
livro da EJA - 2a ETAPA - 4o e 5o ano. para análise do professorpdf
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdfArundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
Arundhati Roy - O Deus das Pequenas Coisas - ÍNDIA.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 

Novo Acordo Ortográfico

  • 1. ACORDO ORTOGRÁFICO DA LÍNGUA PORTUGUESA
  • 2. “ A adopção de uma única ortografia entre países de língua portuguesa pode ser óptima” Se esta frase fosse escrita em Portugal, estaria corretíssima. Já no Brasil, a letra p está sobrando.
  • 3. Do ponto de vista da ortografia, existem diferenças bastante relevantes na língua portuguesa. E não apenas entre Brasil e Portugal. Nas outras seis nações que falam e escrevem o português (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) ocorre o mesmo.
  • 4.  
  • 5. Para acabar com essas diferenças, foi criado, em 1990, um acordo ortográfico que se restringe à língua escrita. (não afetando nenhum aspecto da língua falada).
  • 6. O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, de 1990, em vigor no Brasil a partir de 1º de Janeiro de 2009, afeta apenas 2,1% do total das palavras da língua. Desse total, no Brasil, as mudanças ocorrem em 0,5%; em Portugal, esse índice é de 1,6%.
  • 7. Segundo o filólogo Antônio Houaiss (principal responsável pelo processo de unificação aqui no Brasil) “ A existência de duas grafias oficiais acarreta problemas na redação de documentos em tratados internacionais e na publicação de obras de interesse público”
  • 8. Daqui para a frente, a língua portuguesa tem tudo para ganhar espaço- até mesmo em fóruns internacionais-, pois o intercâmbio de informações e textos ficará mais fácil.
  • 9. Unificar a grafia também visa aproximar as oito nações da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa), reduzir custos de produção e adaptação de livros e facilitar a difusão bibliográfica de novas tecnologias, bem como simplificar algumas regras (que suscitam dúvidas até entre especialistas).
  • 10. Do ponto de vista prático, ganha força o idioma falado no Brasil. Isso porque os portugueses terão de promover mais mudanças na escrita do que nós.
  • 11. O português é a única língua com dois cânones oficias ortográficos, um europeu e outro brasileiro, e isso não só dificulta nossa vida lá fora como também a dos estrangeiros que querem aprendê-lo.
  • 12. Estima-se que o período de transição para a nova norma dure três anos. Segundo a proposta do MEC, todos os textos produzidos a partir de 2009 terão de ser impressos segundo as novas regras linguísticas. Vestibulares, concursos e avaliações poderão aceitar as duas grafias como corretas até 31 de dezembro de 2011.
  • 13. Livros Didáticos A partir de 2010 os alunos de 1° a 5º ano do Ensino Fundamental receberão os livros dentro da nova norma- o que deve ocorrer com as turmas de 6º a 9º ano e Ensino Médio, respectivamente, em 2011 e 2012.
  • 14. “ Imaginem esta palavra phase, escripta assim: fase. Não nos parece uma palavra, parece-nos um esqueleto (...). Affligimo-nos extraordinariamente, quando pensamos que haveríamos de ser obrigados a escrever assim!“ Alexandre Fontes.A questão orthographica. Lisboa, 1910. Fragmento escrito às vésperas da reforma ortográfica de 1911.
  • 15. O novo acordo, cujo nome oficial é Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa (1990) contém vinte e uma bases, numeradas com algarismos romanos, cada uma delas tratando de um item específico:
  • 16. Da acentuação gráfica das vogais tônicas grafadas i e u das palavras oxítonas e paroxítonas Base X Da acentuação gráfica das palavras paroxítonas Base IX Da acentuação gráfica das palavras oxítonas Base VIII Dos ditongos Base VII Das vogais nasais Base VI Das vogais átonas. Base V Das sequências consonânticas Base IV Da homofonia de certos grafemas consonânticos Base III Do H inicial e final Base II Do alfabeto e dos nomes próprios estrangeiros e seus derivados Base I
  • 17. Das assinaturas e firmas Base XXI Da divisão silábica Base XX Das minúsculas e maiúsculas Base XIX Do apóstrofo Base XVIII Do hífen na ênclise, na tmese (mesóclise) e com o verbo Haver Base XVII Do hífen nas formações por prefixação, recomposição e sufixação Base XIV Do hífen em compostos, locuções e encadeamentos vocabulares Base XV Do trema Base XIV Da supressão de acentos em palavras derivadas Base XIII Do emprego do acento grave Base XII Da acentuação gráfica das palavras proparoxítonas Base XI
  • 18. Trema Redução e simplificação do uso do hífen Ausência de acento agudo em palavras oxítonas com vogais tônicas escritas com i e u , se precedidas de ditongo Ausência de acento no hiato oo nas palavras paroxítonas Ausência de acento nos ditongos oi em palavras paroxítonas Ausência de acento nos ditongos ei em palavras paroxítonas Alfabeto Principais modificações no Brasil
  • 19. Mudanças no alfabeto O alfabeto passa a ter 26 letras. Foram reintroduzidas as letras k, w e y. O alfabeto completo passa a ser: A B C D E F G H I J k L M N O P Q R S T U V W X Y Z
  • 20. Trema Não se usa mais o trema (¨), sinal colocado sobre a letra u para indicar que ela deve ser pronunciada nos grupos gue , gui , que , qui . Como era Como fica agüentar - aguentar argüir - arguir bilíngüe - bilíngue cinqüenta - cinquenta
  • 21. Mudanças nas regras de acentuação 1 . Não se usa mais o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (palavras que têm acento tônico na penúltima sílaba). Como era Como fica alcalóide - alcaloide alcatéia - alcateia andróide - androide apóia (verbo apoiar) - apoia
  • 22. Atenção: essa regra é válida somente para palavras paroxítonas. Assim, continuam a ser acentuadas as palavras oxítonas terminadas em éis, éu, éus, ói, óis. Exemplos: papéis, herói, heróis, troféu, troféus.
  • 23. Nas palavras paroxítonas, não se usa mais o acento no i e no u tônicos quando vierem depois de um ditongo. Como era - Como fica baiúca - baiuca feiúra - feiura Atenção: se a palavra for oxítona e o i ou o u estiverem em posição final (ou seguidos de s ), o acento permanece. Exemplos: tuiuiú, tuiuiús, Piauí.
  • 24. Não se usa mais o acento das palavras terminadas em êem e ôo(s) . Como era - Como fica abençôo - abençoo crêem (verbo crer) - creem dêem (verbo dar) - deem dôo (verbo doar) - doo enjôo - enjoo lêem (verbo ler) - leem
  • 25. Não se usa mais o acento que diferenciava os pares pára/para, péla(s)/pela(s), pêlo(s)/pelo(s), pólo(s)/polo(s) e pêra/pera. Como era - Como fica Ele pára o carro. Ele para o carro. Esse gato tem pêlos brancos. Esse gato tem pelos brancos. Comi uma pêra . Comi uma pera .
  • 26. Atenção: • Permanece o acento diferencial em pôde/pode. Exemplo: Ontem, ele não pôde sair mais cedo, mas hoje ele pode . • Permanece o acento diferencial em pôr/por. Pôr é verbo. Por é preposição. Exemplo: Vou pôr o livro na estante que foi feita por mim.
  • 27. É facultativo o uso do acento circunflexo para diferenciar as palavras forma/fôrma. Em alguns casos, o uso do acento deixa a frase mais clara. Veja este exemplo: Qual é a forma da fôrma do bolo?
  • 28. Não se usa mais o acento agudo no u tônico das formas (tu) arguis, (ele) argui, (eles) arguem, do presente do indicativo dos verbos arguir e redarguir .
  • 29. Uso do Hífen Com prefixos, usa-se sempre o hífen diante de palavra iniciada por h . Exemplos: anti-higiênico mini-hotel sobre-humano super-homem Exceção: subumano (nesse caso, a palavra humano perde o h ).
  • 30. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal diferente da vogal com que se inicia o segundo elemento. Exemplos: agroindustrial anteontem antieducativo autoaprendizagem autoescola extraescolar infraestrutura
  • 31. Exceção: o prefixo co aglutina-se em geral com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o : coobrigar, coobrigação, coordenar, cooperar, cooperação, cooptar, coocupante etc.
  • 32. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por consoante diferente de r ou s . Exemplos: anteprojeto antipedagógico pseudoprofessor Atenção: com o prefixo vice , usa-se sempre o hífen. Exemplos: vice-rei, vice-almirante etc.
  • 33. Não se usa o hífen quando o prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa por r ou s . Nesse caso, duplicam-se essas letras. Exemplos: antissocial contrarregra contrassenso minissaia multissecular semirreta ultrarresistente.
  • 34. Quando o prefixo termina por vogal, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma vogal. Exemplos: anti-inflamatório auto-observação contra-atacar micro-ondas micro-ônibus semi-interno
  • 35. Quando o prefixo termina por consoante, usa-se o hífen se o segundo elemento começar pela mesma consoante. Exemplos: hiper-requintado inter-racial inter-regional sub-bibliotecário super-racista super-resistente super-romântico
  • 36. Atenção: Nos demais casos não se usa o hífen.Exemplos: hipermercado, intermunicipal, superinteressante. Com o prefi xo sub , usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r : sub-região, sub-raça etc. • Com os prefixos circum e pan , usa-se o hífen diante de palavra iniciada por m , n e vogal : circum-navegação, pan-americano etc.
  • 37. Quando o prefixo termina por consoante, não se usa o hífen se o segundo elemento começar por vogal. Exemplos: hiperativo interescolar interestadual interestudantil superamigo supereconômico superinteressante
  • 38. Com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, usa-se sempre o hífen. Exemplos: além-mar ex-aluno ex-prefeito pós-graduação pré-vestibular recém-nascido sem-terra
  • 39. Deve-se usar o hífen com os sufixos de origem tupi-guarani: açu, guaçu e mirim. Exemplos: amoré-guaçu, anajá-mirim, capim-açu.
  • 40. Deve-se usar o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares. Exemplos: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo.
  • 41. Não se deve usar o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição. Exemplos: girassol madressilva mandachuva paraquedas paraquedista pontapé
  • 42. Para clareza gráfica, se no final da linha a partição de uma palavra ou combinação de palavras coincidir com o hífen, ele deve ser repetido na linha seguinte. Exemplos: Na cidade, conta- -se que ele foi viajar. O diretor recebeu os ex- -alunos.