SlideShare uma empresa Scribd logo
Fl. 1/5
CODAC - NOTA TÉCNICA
Assunto: Créditos Ativos - 2015
Título: Nota Créditos Ativos nº 010/2015
Subtítulo: Créditos Ativos de agosto de 2015.
Data: 13/10/2015
PARA CONHECIMENTO E DIVULGAÇÃO
1. Créditos Ativos é o nome dado ao levantamento dos débitos parcelados e em situações
devedor e com exigibilidade suspensa administrativamente ou judicialmente. Esse levantamento é
registrado no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi) pela
Coordenação-Geral de Programação e Logística (Copol), para fins de registro na contabilidade pública e
compõe o Balanço Geral da União (BGU).
2. O levantamento é realizado nos sistemas de controle de cobrança da Secretaria da Receita
Federal do Brasil (RFB) como o Sistema de Informações Econômico-Fiscais (Sief), Grande Porte Serpro,
Grande Porte Dataprev, por meio de consultas aos seus gerenciais, ou ainda, com a utilização do DW-
Devedores e Informar.
LEVANTAMENTO DO MÊS DE AGOSTO DE 2015
3. No mês de agosto o total de Créditos Ativos foi de R$ 1,49 trilhões, conforme
demonstrado na Tabela 1. Comparando-se com o mês de julho, o total dos créditos ativos sofreu um
acréscimo de R$ 8,79 bilhões, ou 0,59% (zero vírgula cinquenta e nove por cento).
4. O Gráfico 1 apresenta a distribuição dos Créditos Ativos por situação. Do total, 60,7%
(sessenta vírgula sete por cento) estão com sua exigibilidade suspensa em decorrência de processo
administrativo. Essa suspensão se deve à revisão de lançamento, ao contencioso em órgão julgador, ou à
Fl. 2/5
duração dos prazos de ciência, de interposição de impugnação, de manifestação de inconformidade, de
recursos ou de pagamento. Os créditos tributários com exigibilidade suspensa em decorrência de processo
judicial são 13,4% (treze vírgula quatro por cento) do total. Os débitos parcelados correspondem a 8,6%
(oito vírgula seis por cento), enquanto que os créditos tributários na situação devedor, que são os passíveis
de cobrança imediata e de inscrição em Dívida Ativa da União (DAU), representam 17,3% (dezessete
vírgula três por cento) do total dos Créditos Ativos.
DETALHAMENTO DOS CRÉDITOS ATIVOS – DÉBITOS NÃO PARCELADOS
5. Com relação aos Créditos Ativos – Débitos Não Parcelados, que são os débitos nas
situações “Devedor”, “Exigibilidade Suspensa (Processo Administrativo)” e “Exigibilidade Suspensa
(Processo Judicial)”, destaca-se, inicialmente, que cerca de 97% (noventa e sete por cento) pertencem a
pessoas jurídicas, enquanto que somente 3% (três por cento) são de pessoas físicas, conforme a Tabela 2
abaixo.
6. A Tabela 3, a seguir, apresenta as variações ocorridas no mês de agosto de 2015 nos
débitos não parcelados, discriminadas por situação, em comparação com o mês anterior. Percebe-se que o
montante dos débitos não parcelados teve acréscimo de R$ 8,84 bilhões, ou 0,65% (zero vírgula sessenta
e cinco por cento).
Fl. 3/5
7. A maior variação em termos absolutos e relativos ocorreu nos débitos devedores, que
tiveram acréscimo de R$ 12,30 bilhões, ou 4,99% (quatro vírgula noventa e nove por cento).
8. Em relação aos débitos com exigibilidade suspensa por processo judicial, houve
crescimento de R$ 1,46 bilhões, ou 0,73% (zero vírgula setenta e três por cento).
9. Com relação aos débitos com exigibilidade suspensa por processo administrativo, houve
queda, sendo de R$ 4,93 bilhões, ou 0,54% (zero vírgula cinquenta e quatro por cento).
DETALHAMENTO DOS CRÉDITOS ATIVOS – DÉBITOS PARCELADOS
10. A tabela seguinte traz o detalhamento dos Créditos Ativos – Débitos Parcelados do mês
de agosto, distribuídos por modalidade (ou carteira), e a comparação com o mês anterior. Nessa tabela
estão indicados os valores por carteira e a quantidade de processos. As variações percentuais negativas
com relação aos valores consolidados e quantidades de processos são devidas à amortização do saldo
devedor pelo pagamento de parcelas entre os meses em comparação, ou à exclusão dos contribuintes do
parcelamento.
11. Já as variações positivas, no caso dos parcelamentos especiais, são devidas
principalmente a reinclusões efetuadas por ordem judicial e, nos casos dos parcelamentos convencional e
ordinário, são devidas a novas adesões.
Fl. 4/5
Fl. 5/5
12. A distribuição de valores pelas carteiras de parcelamentos está demonstrada no Gráfico 2:
13. Em agosto de 2015 os parcelamentos Convencional e Ordinário eram a maior carteira de
parcelamento, com R$ 36,9 bilhões, cerca de 28,9% (vinte e oito vírgula nove por cento) do total. Em
seguida a carteira estabelecida pela edição da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009, e da Medida
Provisória nº 449, de 3 de dezembro de 2008, com cerca de R$ 30,9 bilhões, o que representa cerca de
24,2% (vinte e quatro vírgula dois por cento) do total. Depois, os Parcelamentos Previdenciários Não
Consolidados, com R$ 22,1 bilhões, o que representa 17,3% (dezessete vírgula três por cento). Na
sequência, vêm o parcelamento de débitos do Simples Nacional, com R$ 17,9 bilhões, ou 14,0%
(quatorze por cento) e o Programa de Recuperação Fiscal (Refis), com cerca de R$ 11,1 bilhões ou 8,7%
(oito vírgula sete por cento). Os demais parcelamentos somam R$ 8,9 bilhões, ou 7,0% (sete por cento)
do total.
À consideração superior.
Assinado digitalmente
MARCOS ANTONIO PORTO MARTINS
Auditor-Fiscal da RFB
De acordo.
Assinado digitalmente
MÁRCIO GONÇALVES
Auditor-Fiscal da RFB
Chefe da Divar
Competência delegada pela Portaria Codac nº 108, de 6 de setembro de 2013

Mais conteúdo relacionado

Destaque

MPF investiga iate Clube
MPF investiga iate ClubeMPF investiga iate Clube
MPF investiga iate Clube
Jamildo Melo
 
PP enquadrado pelo MP eleitoral
PP enquadrado pelo MP eleitoralPP enquadrado pelo MP eleitoral
PP enquadrado pelo MP eleitoral
Jamildo Melo
 
Ação do TCE em Limoeiro
Ação do TCE em LimoeiroAção do TCE em Limoeiro
Ação do TCE em Limoeiro
Jamildo Melo
 
Sentença de Anibal Moura
Sentença de Anibal MouraSentença de Anibal Moura
Sentença de Anibal Moura
Jamildo Melo
 
Alegações finais de Márcia Danzi
Alegações finais de Márcia DanziAlegações finais de Márcia Danzi
Alegações finais de Márcia Danzi
Jamildo Melo
 
Oficio do TCE
Oficio do TCEOficio do TCE
Oficio do TCE
Jamildo Melo
 
Relatório Priscila
Relatório PriscilaRelatório Priscila
Relatório Priscila
Jamildo Melo
 
Documento do STF
Documento do STFDocumento do STF
Documento do STF
Jamildo Melo
 
Depoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simulados
Depoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simuladosDepoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simulados
Depoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simulados
Jamildo Melo
 
O TCE e a Empetur
O TCE e a EmpeturO TCE e a Empetur
O TCE e a Empetur
Jamildo Melo
 
Estagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSC
Estagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSCEstagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSC
Estagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSC
Ministério Público de Santa Catarina
 
Parecer do vereador Marcos Menezes
Parecer do vereador Marcos MenezesParecer do vereador Marcos Menezes
Parecer do vereador Marcos Menezes
Jamildo Melo
 
Ministerios em 36 paises
Ministerios em 36 paisesMinisterios em 36 paises
Ministerios em 36 paises
Jamildo Melo
 
Relatório do TCE sobre shows
Relatório do TCE sobre showsRelatório do TCE sobre shows
Relatório do TCE sobre shows
Jamildo Melo
 
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Ministério Público de Santa Catarina
 
Projeto de lei dos poços na RMR
Projeto de lei dos poços na RMRProjeto de lei dos poços na RMR
Projeto de lei dos poços na RMR
Jamildo Melo
 
Documento enviado por André Campos
Documento enviado por André  CamposDocumento enviado por André  Campos
Documento enviado por André Campos
Jamildo Melo
 
TRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidatura
TRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidaturaTRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidatura
TRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidatura
Jamildo Melo
 
A decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e Lima
A decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e LimaA decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e Lima
A decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e Lima
Jamildo Melo
 
A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
Jamildo Melo
 

Destaque (20)

MPF investiga iate Clube
MPF investiga iate ClubeMPF investiga iate Clube
MPF investiga iate Clube
 
PP enquadrado pelo MP eleitoral
PP enquadrado pelo MP eleitoralPP enquadrado pelo MP eleitoral
PP enquadrado pelo MP eleitoral
 
Ação do TCE em Limoeiro
Ação do TCE em LimoeiroAção do TCE em Limoeiro
Ação do TCE em Limoeiro
 
Sentença de Anibal Moura
Sentença de Anibal MouraSentença de Anibal Moura
Sentença de Anibal Moura
 
Alegações finais de Márcia Danzi
Alegações finais de Márcia DanziAlegações finais de Márcia Danzi
Alegações finais de Márcia Danzi
 
Oficio do TCE
Oficio do TCEOficio do TCE
Oficio do TCE
 
Relatório Priscila
Relatório PriscilaRelatório Priscila
Relatório Priscila
 
Documento do STF
Documento do STFDocumento do STF
Documento do STF
 
Depoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simulados
Depoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simuladosDepoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simulados
Depoimento de Paulo Roberto na PF sobre contratos simulados
 
O TCE e a Empetur
O TCE e a EmpeturO TCE e a Empetur
O TCE e a Empetur
 
Estagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSC
Estagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSCEstagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSC
Estagiários de graduação em Direito credenciados para o MPSC
 
Parecer do vereador Marcos Menezes
Parecer do vereador Marcos MenezesParecer do vereador Marcos Menezes
Parecer do vereador Marcos Menezes
 
Ministerios em 36 paises
Ministerios em 36 paisesMinisterios em 36 paises
Ministerios em 36 paises
 
Relatório do TCE sobre shows
Relatório do TCE sobre showsRelatório do TCE sobre shows
Relatório do TCE sobre shows
 
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
Agravo de Instrumento n. 2014.007076-3
 
Projeto de lei dos poços na RMR
Projeto de lei dos poços na RMRProjeto de lei dos poços na RMR
Projeto de lei dos poços na RMR
 
Documento enviado por André Campos
Documento enviado por André  CamposDocumento enviado por André  Campos
Documento enviado por André Campos
 
TRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidatura
TRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidaturaTRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidatura
TRF1 decide sobre Maia e manda suspender candidatura
 
A decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e Lima
A decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e LimaA decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e Lima
A decisão de Sergio Moro sobre a Refinaria Abreu e Lima
 
A sentença
A sentençaA sentença
A sentença
 

Semelhante a Nota técnica do Ministério da Fazenda

Resumo normas gerais de direito financeiro
Resumo  normas gerais de direito financeiroResumo  normas gerais de direito financeiro
Resumo normas gerais de direito financeiro
Savio Dzayne
 
Receita publica
Receita publicaReceita publica
Receita publica
Thamara Arouche
 
Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015
Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015
Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015
CAIXA Notícias
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Ação da receita sobre fiscalização compensação e titulos
Ação da receita sobre  fiscalização compensação e titulosAção da receita sobre  fiscalização compensação e titulos
Ação da receita sobre fiscalização compensação e titulos
Tania Gurgel
 
Parecer 2ª Câmara do TCE
Parecer 2ª Câmara do TCEParecer 2ª Câmara do TCE
Parecer 2ª Câmara do TCE
Folha de Pernambuco
 
A decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeito
A decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeitoA decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeito
A decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeito
Jamildo Melo
 
Acórdão pedaladas fiscais
Acórdão pedaladas fiscaisAcórdão pedaladas fiscais
Acórdão pedaladas fiscais
Giovanni Sandes
 
Acórdão do TCU sobre pedaladas fiscais
Acórdão do TCU sobre pedaladas fiscaisAcórdão do TCU sobre pedaladas fiscais
Acórdão do TCU sobre pedaladas fiscais
Giovanni Sandes
 
CAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembro
CAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembroCAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembro
CAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembro
CAIXA Notícias
 
8 30hs 24.09.09 Marcelo Saintive Grand 4
8 30hs   24.09.09   Marcelo Saintive   Grand 48 30hs   24.09.09   Marcelo Saintive   Grand 4
8 30hs 24.09.09 Marcelo Saintive Grand 4
Daniel Florence
 
Resumo oe 2015 1
Resumo oe 2015 1Resumo oe 2015 1
Resumo oe 2015 1
rmcf5
 
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-201412015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
Tania Gurgel
 
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-201412015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
Tania Gurgel
 
Aula sobre Lei de Responsabilidade Fiscal
Aula sobre Lei de Responsabilidade FiscalAula sobre Lei de Responsabilidade Fiscal
Aula sobre Lei de Responsabilidade Fiscal
AlexandraCRufino
 
Lei de Responsabilidade Fiscal
Lei de Responsabilidade FiscalLei de Responsabilidade Fiscal
Lei de Responsabilidade Fiscal
AlexandraCRufino
 
*-.-*
*-.-**-.-*
Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014
Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014
Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014
CAIXA Notícias
 
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressaoA2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
Roberta Faria
 
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Artemisia Ribeiro
 

Semelhante a Nota técnica do Ministério da Fazenda (20)

Resumo normas gerais de direito financeiro
Resumo  normas gerais de direito financeiroResumo  normas gerais de direito financeiro
Resumo normas gerais de direito financeiro
 
Receita publica
Receita publicaReceita publica
Receita publica
 
Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015
Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015
Balanço CAIXA - Terceiro trimestre de 2015
 
Aula 1
Aula 1Aula 1
Aula 1
 
Ação da receita sobre fiscalização compensação e titulos
Ação da receita sobre  fiscalização compensação e titulosAção da receita sobre  fiscalização compensação e titulos
Ação da receita sobre fiscalização compensação e titulos
 
Parecer 2ª Câmara do TCE
Parecer 2ª Câmara do TCEParecer 2ª Câmara do TCE
Parecer 2ª Câmara do TCE
 
A decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeito
A decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeitoA decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeito
A decisão do TCE sobre as contas de João Paulo enquanto prefeito
 
Acórdão pedaladas fiscais
Acórdão pedaladas fiscaisAcórdão pedaladas fiscais
Acórdão pedaladas fiscais
 
Acórdão do TCU sobre pedaladas fiscais
Acórdão do TCU sobre pedaladas fiscaisAcórdão do TCU sobre pedaladas fiscais
Acórdão do TCU sobre pedaladas fiscais
 
CAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembro
CAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembroCAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembro
CAIXA apresenta lucro de R$ 3,4 bilhões até setembro
 
8 30hs 24.09.09 Marcelo Saintive Grand 4
8 30hs   24.09.09   Marcelo Saintive   Grand 48 30hs   24.09.09   Marcelo Saintive   Grand 4
8 30hs 24.09.09 Marcelo Saintive Grand 4
 
Resumo oe 2015 1
Resumo oe 2015 1Resumo oe 2015 1
Resumo oe 2015 1
 
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-201412015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
 
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-201412015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
12015 03 05-plano-anual-da-fiscalizacao-2015-e-resultados-2014
 
Aula sobre Lei de Responsabilidade Fiscal
Aula sobre Lei de Responsabilidade FiscalAula sobre Lei de Responsabilidade Fiscal
Aula sobre Lei de Responsabilidade Fiscal
 
Lei de Responsabilidade Fiscal
Lei de Responsabilidade FiscalLei de Responsabilidade Fiscal
Lei de Responsabilidade Fiscal
 
*-.-*
*-.-**-.-*
*-.-*
 
Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014
Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014
Balanço CAIXA - Primeiro trimestre de 2014
 
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressaoA2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
A2 cco6 laboratorio_de_gestao_contabil_tema_1_impressao
 
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
Apresentaocontabilidadepblica 101111061029-phpapp01
 

Mais de Jamildo Melo

Relatório pesquisa do Ipespe
Relatório pesquisa do Ipespe Relatório pesquisa do Ipespe
Relatório pesquisa do Ipespe
Jamildo Melo
 
Decisão liminar da OAB
Decisão   liminar da  OABDecisão   liminar da  OAB
Decisão liminar da OAB
Jamildo Melo
 
Pesquisa Modalmais
Pesquisa ModalmaisPesquisa Modalmais
Pesquisa Modalmais
Jamildo Melo
 
Roberto Jefferson
Roberto JeffersonRoberto Jefferson
Roberto Jefferson
Jamildo Melo
 
CPI da pandemia
CPI da pandemiaCPI da pandemia
CPI da pandemia
Jamildo Melo
 
AGU contra Pernambuco
AGU contra PernambucoAGU contra Pernambuco
AGU contra Pernambuco
Jamildo Melo
 
Morte sem pena
Morte sem penaMorte sem pena
Morte sem pena
Jamildo Melo
 
HC Juvanete
HC JuvaneteHC Juvanete
HC Juvanete
Jamildo Melo
 
CPI da pandemia
CPI da pandemiaCPI da pandemia
CPI da pandemia
Jamildo Melo
 
Pesquisa XP
Pesquisa XP Pesquisa XP
Pesquisa XP
Jamildo Melo
 
Credibilidade
CredibilidadeCredibilidade
Credibilidade
Jamildo Melo
 
O pedido do PDT
O pedido do PDTO pedido do PDT
O pedido do PDT
Jamildo Melo
 
Estado de sp
Estado de spEstado de sp
Estado de sp
Jamildo Melo
 
Uma prévia das eleições nacionais em São Paulo
Uma prévia das eleições nacionais em São PauloUma prévia das eleições nacionais em São Paulo
Uma prévia das eleições nacionais em São Paulo
Jamildo Melo
 
Alagoas
AlagoasAlagoas
Alagoas
Jamildo Melo
 
DespachoJustiça determina fim da greve dos professores
DespachoJustiça determina fim da greve dos professoresDespachoJustiça determina fim da greve dos professores
DespachoJustiça determina fim da greve dos professores
Jamildo Melo
 
relatório do TCU
relatório do TCUrelatório do TCU
relatório do TCU
Jamildo Melo
 
O despacho
O despachoO despacho
O despacho
Jamildo Melo
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
Jamildo Melo
 
pedido
pedidopedido
pedido
Jamildo Melo
 

Mais de Jamildo Melo (20)

Relatório pesquisa do Ipespe
Relatório pesquisa do Ipespe Relatório pesquisa do Ipespe
Relatório pesquisa do Ipespe
 
Decisão liminar da OAB
Decisão   liminar da  OABDecisão   liminar da  OAB
Decisão liminar da OAB
 
Pesquisa Modalmais
Pesquisa ModalmaisPesquisa Modalmais
Pesquisa Modalmais
 
Roberto Jefferson
Roberto JeffersonRoberto Jefferson
Roberto Jefferson
 
CPI da pandemia
CPI da pandemiaCPI da pandemia
CPI da pandemia
 
AGU contra Pernambuco
AGU contra PernambucoAGU contra Pernambuco
AGU contra Pernambuco
 
Morte sem pena
Morte sem penaMorte sem pena
Morte sem pena
 
HC Juvanete
HC JuvaneteHC Juvanete
HC Juvanete
 
CPI da pandemia
CPI da pandemiaCPI da pandemia
CPI da pandemia
 
Pesquisa XP
Pesquisa XP Pesquisa XP
Pesquisa XP
 
Credibilidade
CredibilidadeCredibilidade
Credibilidade
 
O pedido do PDT
O pedido do PDTO pedido do PDT
O pedido do PDT
 
Estado de sp
Estado de spEstado de sp
Estado de sp
 
Uma prévia das eleições nacionais em São Paulo
Uma prévia das eleições nacionais em São PauloUma prévia das eleições nacionais em São Paulo
Uma prévia das eleições nacionais em São Paulo
 
Alagoas
AlagoasAlagoas
Alagoas
 
DespachoJustiça determina fim da greve dos professores
DespachoJustiça determina fim da greve dos professoresDespachoJustiça determina fim da greve dos professores
DespachoJustiça determina fim da greve dos professores
 
relatório do TCU
relatório do TCUrelatório do TCU
relatório do TCU
 
O despacho
O despachoO despacho
O despacho
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
pedido
pedidopedido
pedido
 

Nota técnica do Ministério da Fazenda

  • 1. Fl. 1/5 CODAC - NOTA TÉCNICA Assunto: Créditos Ativos - 2015 Título: Nota Créditos Ativos nº 010/2015 Subtítulo: Créditos Ativos de agosto de 2015. Data: 13/10/2015 PARA CONHECIMENTO E DIVULGAÇÃO 1. Créditos Ativos é o nome dado ao levantamento dos débitos parcelados e em situações devedor e com exigibilidade suspensa administrativamente ou judicialmente. Esse levantamento é registrado no Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal (Siafi) pela Coordenação-Geral de Programação e Logística (Copol), para fins de registro na contabilidade pública e compõe o Balanço Geral da União (BGU). 2. O levantamento é realizado nos sistemas de controle de cobrança da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) como o Sistema de Informações Econômico-Fiscais (Sief), Grande Porte Serpro, Grande Porte Dataprev, por meio de consultas aos seus gerenciais, ou ainda, com a utilização do DW- Devedores e Informar. LEVANTAMENTO DO MÊS DE AGOSTO DE 2015 3. No mês de agosto o total de Créditos Ativos foi de R$ 1,49 trilhões, conforme demonstrado na Tabela 1. Comparando-se com o mês de julho, o total dos créditos ativos sofreu um acréscimo de R$ 8,79 bilhões, ou 0,59% (zero vírgula cinquenta e nove por cento). 4. O Gráfico 1 apresenta a distribuição dos Créditos Ativos por situação. Do total, 60,7% (sessenta vírgula sete por cento) estão com sua exigibilidade suspensa em decorrência de processo administrativo. Essa suspensão se deve à revisão de lançamento, ao contencioso em órgão julgador, ou à
  • 2. Fl. 2/5 duração dos prazos de ciência, de interposição de impugnação, de manifestação de inconformidade, de recursos ou de pagamento. Os créditos tributários com exigibilidade suspensa em decorrência de processo judicial são 13,4% (treze vírgula quatro por cento) do total. Os débitos parcelados correspondem a 8,6% (oito vírgula seis por cento), enquanto que os créditos tributários na situação devedor, que são os passíveis de cobrança imediata e de inscrição em Dívida Ativa da União (DAU), representam 17,3% (dezessete vírgula três por cento) do total dos Créditos Ativos. DETALHAMENTO DOS CRÉDITOS ATIVOS – DÉBITOS NÃO PARCELADOS 5. Com relação aos Créditos Ativos – Débitos Não Parcelados, que são os débitos nas situações “Devedor”, “Exigibilidade Suspensa (Processo Administrativo)” e “Exigibilidade Suspensa (Processo Judicial)”, destaca-se, inicialmente, que cerca de 97% (noventa e sete por cento) pertencem a pessoas jurídicas, enquanto que somente 3% (três por cento) são de pessoas físicas, conforme a Tabela 2 abaixo. 6. A Tabela 3, a seguir, apresenta as variações ocorridas no mês de agosto de 2015 nos débitos não parcelados, discriminadas por situação, em comparação com o mês anterior. Percebe-se que o montante dos débitos não parcelados teve acréscimo de R$ 8,84 bilhões, ou 0,65% (zero vírgula sessenta e cinco por cento).
  • 3. Fl. 3/5 7. A maior variação em termos absolutos e relativos ocorreu nos débitos devedores, que tiveram acréscimo de R$ 12,30 bilhões, ou 4,99% (quatro vírgula noventa e nove por cento). 8. Em relação aos débitos com exigibilidade suspensa por processo judicial, houve crescimento de R$ 1,46 bilhões, ou 0,73% (zero vírgula setenta e três por cento). 9. Com relação aos débitos com exigibilidade suspensa por processo administrativo, houve queda, sendo de R$ 4,93 bilhões, ou 0,54% (zero vírgula cinquenta e quatro por cento). DETALHAMENTO DOS CRÉDITOS ATIVOS – DÉBITOS PARCELADOS 10. A tabela seguinte traz o detalhamento dos Créditos Ativos – Débitos Parcelados do mês de agosto, distribuídos por modalidade (ou carteira), e a comparação com o mês anterior. Nessa tabela estão indicados os valores por carteira e a quantidade de processos. As variações percentuais negativas com relação aos valores consolidados e quantidades de processos são devidas à amortização do saldo devedor pelo pagamento de parcelas entre os meses em comparação, ou à exclusão dos contribuintes do parcelamento. 11. Já as variações positivas, no caso dos parcelamentos especiais, são devidas principalmente a reinclusões efetuadas por ordem judicial e, nos casos dos parcelamentos convencional e ordinário, são devidas a novas adesões.
  • 5. Fl. 5/5 12. A distribuição de valores pelas carteiras de parcelamentos está demonstrada no Gráfico 2: 13. Em agosto de 2015 os parcelamentos Convencional e Ordinário eram a maior carteira de parcelamento, com R$ 36,9 bilhões, cerca de 28,9% (vinte e oito vírgula nove por cento) do total. Em seguida a carteira estabelecida pela edição da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009, e da Medida Provisória nº 449, de 3 de dezembro de 2008, com cerca de R$ 30,9 bilhões, o que representa cerca de 24,2% (vinte e quatro vírgula dois por cento) do total. Depois, os Parcelamentos Previdenciários Não Consolidados, com R$ 22,1 bilhões, o que representa 17,3% (dezessete vírgula três por cento). Na sequência, vêm o parcelamento de débitos do Simples Nacional, com R$ 17,9 bilhões, ou 14,0% (quatorze por cento) e o Programa de Recuperação Fiscal (Refis), com cerca de R$ 11,1 bilhões ou 8,7% (oito vírgula sete por cento). Os demais parcelamentos somam R$ 8,9 bilhões, ou 7,0% (sete por cento) do total. À consideração superior. Assinado digitalmente MARCOS ANTONIO PORTO MARTINS Auditor-Fiscal da RFB De acordo. Assinado digitalmente MÁRCIO GONÇALVES Auditor-Fiscal da RFB Chefe da Divar Competência delegada pela Portaria Codac nº 108, de 6 de setembro de 2013