SlideShare uma empresa Scribd logo
Grécia
A história grega pode ser dividida em
5 períodos:
 Pré – homérico
 Homérico
 Arcaico
 Clássico
 Helenístico
Pré-homérico
Civilização Cretense
 Por se tratar de uma ilha, Creta foi o
primeiro território a se destacar
economicamente, pois seus
habitantes se dedicavam ao comércio
marítimo.
 A principal cidade é Cnossos, junto
com Micenas e Tróia, que eram fora
da ilha.
 Já se usava escravos.
 A civilização teve seu fim com a
Período Homérico
 Os Micenicos dominam Creta, mas
uma das cidades Ilion (Tróia) ameaça
o controle dos Micenicos sobre o mar
(Talassocracia), o que origina a
“Guerra de Tróia”.
 A guerra é narrada na Ilíada atribuída
ao grego Homero, e a volta de Ulisses
(Odisseu) um dos heróis da guerra é
narrada na Odisséia.
 Uma característica social marcante desse
período é a formação dos Genos. Com a
invasão dos Dórios, a população grega
procurou novas terras no interior do
território.
Características principais dos Genos:
 Comunidade familiar;
 Comandada por um grande proprietário
de terra ou patriarca;
 Trabalho dividido de forma igualitária;
 No começo, um Genos era isolado do
outro.
Fim dos Genos
Com o rápido crescimento
demográfico, um genos começou a
sobrepujar o outro. Os patriarcas
começaram a disputar as melhores
terras, o que estabeleceu uma
hierarquia social. É nesse momento
que surge a polis ou cidades-
Estado.
Definição de polis ou cidade-
Estado
São cidades com economia e políticas
independentes, mas que possuíam
cultura semelhante.
Características:
 Acrópole (cidade alta)- Finalidade
defensiva ou de discussão política.
 Ágora (ao redor) – Prédios públicos e
religiósos.
Cidade de Atenas
Cidades-Estado
Esparta
 Fundada pelos Dórios.
 Estrutura política >
 Oligraquia Militar
 Educação: Treinamento
Militar pesado para meni-
Nos a partir dos 7 anos.
Atenas
Democracia Ateniense:
Cultura Grega
 Voltada para artes e ciências
(humanismo
 A religião era politeísta e mitológica, a
classe de sacerdotes não era
dominante.
 Em homenagem a Zeus, os gregos
realizavam os jogos olímpicos de
quatro em quatro anos, com grande
rivalidade interna.
 Grande destaque também para
 Os gregos não utilizavam
arcos nas construções, e
sim colunas. Temos três
estilos:
 As esculturas e pinturas
gregas desejavam retratar
o homem em sua
plenitude física.
Escultura atribuída a
Fídias.
 Na Grécia não havia distinção clara
entre filosofia e ciência, muitos
pensadores dedicavam-se as duas.
 Filosofia Cosmogônica – Os
pensadores dedicavam-se a explicar o
cosmo, a origem das coisas no
mundo. Um dos principais filósofos
dessa vertente foi Pitágoras, que
defendia que os números estavam na
origem e explicavam a natureza.
 Filosofia Humanística – Sua
preocupação é explicar o ser humano e
sua forma de viver. Destaca-se nessa
vertente os Sofistas, onde consideram a
não existência de uma verdade absoluta,
e defendem o bom uso da palavra
(retórica). O principal adversário dos
sofistas foi o filósofo Sócrates. Ele
defendia que a reflexão e a virtude eram
elementos fundamentais na vida. Aluno
de Sócrates, Platão defendia as ideias
aristocráticas, e escreveu “A República”.
Aluno de Platão, Aristóteles é
considerado e pai da lógica, seus
estudos também são direcionados nas
áreas políticas e sociais, onde defende a
UFSC 2011
Leia o texto abaixo com atenção.
Nossa forma de governo não se baseia nas instituições dos povos vizinhos. Não imitamos os outros.
Servimos de modelo para eles. Somos uma democracia porque a administração pública depende da maioria, e
não de poucos. Nessa democracia, todos os cidadãos são iguais perante as leis para resolver os conflitos
particulares. Mas quando se trata de escolher um cidadão para a vida pública, o talento e o mérito reconhecidos
em cada um dão acesso aos postos mais honrosos. [...] Usamos a riqueza como um instrumento para agir, e não
como motivo de orgulho e ostentação. Entre nós, a pobreza não é causa de vergonha. Vergonhoso é não fazer o
possível para evitá-la. Todo o cidadão tem o direito de cuidar de sua vida particular e de seus negócios privados.
Mas aquele que não manifestar interesse pela política, pela vida pública, é considerado um inútil. Em resumo,
digo que nossa cidade é uma escola para toda Hélade, e cada cidadão ateniense, por suas características,
mostra-se capaz de realizar as mais variadas formas de atividade.
TUCÍDEDES. História da Guerra do Peloponeso. Brasília/São Paulo: UnB/Hucitec, 1986,
cap. 37-41, Livro II.
Com base neste texto do historiador ateniense Tucídedes e sobre história antiga ocidental, é CORRETO afirmar que:
01. Atenas era considerada um modelo de cidade para todo o Império Romano.
02. a riqueza mencionada por Tucídedes era vista como ingrediente necessário para projetar a cidade de Atenas no
cenário do mundo antigo.
04. o texto evidencia que todos os cidadãos deviam interessar-se por política para não serem considerados inúteis.
08. a mobilização em busca de riqueza era mais importante para a democracia do que o debate político, visto que a
riqueza era “... um instrumento para agir.”
16. os postos administrativos de destaque na cidade de Atenas estavam vinculados à quantidade de bens que o
cidadão ateniense possuía.
32. de acordo com Tucídedes, os povos vizinhos de Atenas eram seus imitadores. Podemos concluir que, dada à
proximidade geográfica, Esparta adotou este modelo.
64. pobreza e riqueza não podiam existir paralelamente na cidade de Atenas, razão pela qual devia haver um esforço
para evitar a pobreza.
Ufsc 2010
Entre os pobres muitos se dirigem a terras estranhas, vendidos e cobertos de correntes [...].
Quantos dos que tinham sido vendidos, uns injustamente, outros com justiça, fiz voltar para
Atenas, sua pátria, fundada pelos deuses [...].
Dei liberdade a outros que, aqui mesmo (em Atenas), sofriam servidão indigna e tremiam diante
do humor dos patrões.
Eis o que realizei, graças à soberania da lei, fazendo com que a força e a justiça agissem
concordemente.
Sólon, Elegias. Apud HOLANDA, S. Buarque de. História da Civilização.
6. ed. São Paulo: Nacional, 1979. p. 58.
Com base no texto acima e nos seus conhecimentos sobre a sociedade e a democracia ateniense,
assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. Na experiência democrática vivida pelos atenienses durante o período helenístico, a escravidão foi
eliminada através da legislação elaborada por Sólon, sobrevivendo apenas a servidão voluntária.
02. As leis de Sólon, consideradas avançadas para a época da sua promulgação, admitiam a
escravização dos endividados ou filhos de escravos, pois a perda de direitos individuais não feria os
princípios da democracia ateniense.
04. Na sociedade ateniense, as três principais classes sociais eram representadas por: cidadãos nobres,
homens livres nascidos de pai e mãe ateniense; metecos, estrangeiros autorizados a viver na Ática; e
escravos, prisioneiros de guerra ou filhos de escravos.
08. Drácon publicou as primeiras leis escritas em Atenas e com elas reforçou o direito dos nobres de
interpretar as leis segundo as próprias conveniências, dando origem à tirania e ao adjetivo “draconiano”,
que significa severo, rígido.
16. As manifestações de descontentamento com as leis de Drácon fez com que a administração de
Atenas fosse confiada ao arconte Sólon, que realizou importantes reformas: proibiu a escravização de
pessoas endividadas e perdoou as dívidas dos pequenos lavradores, devolvendo-lhes as terras
perdidas.
32. As reformas implantadas por Sólon foram rechaçadas pelos tiranos, nobres empobrecidos pelas
decisões democráticas, tomadas em praça pública e com a participação de toda a população de Atenas.
UFSC 2009
Leia o texto abaixo com atenção.
“A origem dos Jogos Olímpicos na Grécia Antiga é freqüentemente associada à celebração do esporte e do culto à beleza
estética humana, como se estes fossem seus objetivos principais. Fala-se pouco, porém, na intenção mística e fúnebre de
saudar os mortos de cada cidade. […]
Tradicionalmente costuma-se afirmar que os primeiros Jogos foram realizados na Grécia Antiga no ano 776 a.C., como
uma importante celebração e tributo aos deuses, tendo sido proibidos pelo imperador cristão Teodósio I em 393 da era
atual, por serem uma manifestação do paganismo.
Porém, em 1896, um aristocrata francês, o Barão de Coubertin, recuperou os Jogos tentando reavivar o espírito das
primeiras Olimpíadas, que passaram a ser realizados de quatro em quatro anos desde então (como na tradição grega),
tendo sido interrompidos apenas durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. […]”
Disponível em: http://<www.wikipédia.org/wiki/Jogos_OI%C3%Admpicos>
Acesso em: 16 ago. 2008. [Adaptado]
Com base no texto acima e nos seus conhecimentos sobre os Jogos Olímpicos, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S).
01. O entrelaçamento dos Anéis, símbolo dos Jogos Olímpicos, representa os continentes conhecidos: América, Europa, Ásia,
África, Oceania.
02. Os Jogos Olímpicos são eventos desportivos que ocorrem a cada quatro anos e que reúnem atletas de quase todos os
países do mundo, competindo em categorias de desporto como Xadrez, Atletismo, Natação e Ginástica.
04. Além de celebrar os esportes e prestar tributo aos deuses, os Jogos Olímpicos representavam um culto à beleza e à
coragem dos soldados nas guerras.
08. Entre os piores exemplos históricos da falta de espírito olímpico destacam-se: o massacre de Munique em 1972, em que
membros da comitiva israelense foram mortos por extremistas palestinos, e os boicotes aos Jogos durante a Guerra Fria.
16. O presidente do Brasil, presente na abertura das Olimpíadas realizadas na China, em 2008, apresentou a cidade do Rio de
Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e Florianópolis como local das competições de esqui.
32. Em 1894 foi criado o Comitê Olímpico Internacional (COI), que decidiu organizar os primeiros Jogos Olímpicos da Era
Moderna, em Atenas. Porém, os problemas financeiros enfrentados pela Grécia impediram a sua realização lá e eles foram
transferidos para Buenos Aires.
Roma
 Realeza – Também conhecido como Monarquia.
Origem Mitológica de Roma
Período da Realeza ou
Monarquia
 Principal atividade – Agricultura e
Pastoreio, sendo a terra sinônimo de
riqueza.
Socialmente dividida em:
 Patrícios(aristocratas proprietários de
terra)
 Clientes (agregados aos patrícios)
 Plebeus (trabalhadores pobres e
estrangeiros)
Poder político:
 O poder era exercido pelo Rei
(monarca), que exercia as funções de
administrador, juiz e comandante
militar.
 O rei era auxiliado pelo Senado e pela
Assembléia das Cúrias (que escolhia
um novo rei)
Devido a disputas pelo poder, a
aristocracia (latina) acaba com a
Monarquia de Tarquínio (etrusco) e
inicia a República.
República
 O senado, que antes não tinha
nenhum poder político, passa a ser
órgão máximo romano. No início
somente os patrícios tinham acesso, e
exercia o poder legislativo.
 O poder executivo era exercido por
dois cônsules, em tempos de paz. Um
cuidava da administração pública e o
outro do exército.
 Em tempos de guerra, o poder executivo
era exercido pelo Ditador, que
governava com plenos poderes durante
6 meses.
 O poder judiciário era exercido pelos
pretores, que tinham o papel de
interpretar as leis, criando a
jurisprudência.
 Ainda haviam os censores (faziam o
recenseamento a cada cinco anos), os
edis (conservação das cidades),
questores (cobrança de impostos).
 O tribuno auxiliava na elaboração das
leis, após uma série de lutas sociais, foi
instituídos os “Tribunos da plebe”, que
Revoltas da plebe
 Primeira revolta
Criação do tribuno da plebe.
 Segunda revolta
Exigência da escrita das leis (mesmo
problema grego), que foram codificadas na
Lei das Doze Tábuas.
 Terceira Revolta
Permitiu o casamento entre plebeus e
patrícios.
 Quarta revolta
Lei que praticamente aboliu a escravidão por
dívida e permitiu aos plebeus a participação
no Consulado.
 Quinta Revolta
Supremacia do Mediterrâneo:
Mare Nostrum
Para conseguir a supremacia no
Mediterrâneo, Roma domina Cartago,
no que ficou conhecida como Guerra
Púnicas.
Crise da República
Os camponeses passavam por uma
situação muito difícil, para tentar amenizar
a situação eram oferecidos espetáculos
públicos e distribuição de trigo. Essa
política ficou conhecida como “pão e circo”.
Os irmãos Gracos (advindos da
nobreza) não concordavam com
essas práticas, e foram eleitos
tribunos da Plebe:
 Tibério Graco – Eleito Tribuno da
Plebe propôs a Lei Agrária
(redistribuição das terras púbicas que
eram controladas pelos patrícios).
Sofreu oposição do Senado e foi
assassinado.
 Caio Graco – Eleito Tribuno da Plebe,
retomou as leis agrárias, baixou o
preço do trigo para os camponeses.
Fim da República
 Com a continua expansão os
soldados tornavam-se cada vez mais
leais a seus generais, já que esses
pagavam o soldo.
 Várias disputas entre generais
começaram a surgir, e Roma entra em
um colapso político.
 César toma o título de ditador e se
alia a outros dois generais, Pompeu e
Crasso, formando o primeiro
 Crasso morre (Erro Crasso).
 César desafia Pompeu e sai vitorioso,
sendo nomeado ditador vitalício em
45 a.C..
 Com um poder crescente, a elite
romana começa a não concordar com
as ações de Cesar, como o
casamento com Cleópatra.
 Em 44 a.C. foi assinado em pleno
senado romano.
 Começa assim o segundo triunvirato,
mas que acaba concentrando poderes
Império – Expansão e
decadência
 Augusto se torna primeiro imperador
romano (que concentrava poderes e
cargos criados na República)
 Imperadores de maior “expressão”:
Calígula Nero
UFSC 2007
“ELEFANTES – Vendo. Para circo ou zoológico. Usados mas em bom estado. Já domados e com
baixa do exército. Tratar com Aníbal.” (p. 143)
“TORRO TUDO – E toco cítara. Tratar com Nero.” (p.144)
VERISSIMO, Luis Fernando. O Classificado através da História. In: Comédias para se ler na
escola. São Paulo: Objetiva, 2001.
Sobre Roma na Antigüidade, é CORRETO afirmar que:
01. Aníbal foi um conhecido comandante de Cartago, que combateu os romanos durante as Guerras
Púnicas.
02. as Guerras Púnicas, que envolveram Cartago e Roma, aconteceram no contexto da expansão
territorial romana.
04. a expansão territorial acabou se revelando um fracasso. Isto pode ser percebido pela ausência
de alterações nos hábitos da sociedade romana nos períodos que se sucederam.
08. o domínio de Roma no Mediterrâneo favoreceu o fim da República e a ascensão do Império.
16. Nero foi um governante de Roma conhecido pelo apoio que prestou aos cristãos, sendo
responsável por elevar o Cristianismo a religião oficial do Império Romano.
32. o período de governo de Nero é conhecido como um momento de decadência do Império
Romano, cujos motivos estão, entre outros, nos graves problemas sociais causados pela
existência de uma cidadania restrita e pelos abusos administrativos.
64. a escravidão, embora presente, nunca foi economicamente relevante na sociedade romana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
Daniel Alves Bronstrup
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
eiprofessor
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
cattonia
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
Daniel Alves Bronstrup
 
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
 grécia - antiguidade clássica -  6ºAno grécia - antiguidade clássica -  6ºAno
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Mitologia grega
Mitologia grega Mitologia grega
Mitologia grega
Poly Silva
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
Períodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofiaPeríodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofia
Tarabai
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
Ricardogomes123
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
Davi Gonçalves Valério
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
João Medeiros
 
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Douglas Barraqui
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
edna2
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
Jailson Lima
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
Fatima Freitas
 

Mais procurados (20)

A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Antiguidade Clássica
Antiguidade ClássicaAntiguidade Clássica
Antiguidade Clássica
 
Tempo e história
Tempo e históriaTempo e história
Tempo e história
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história1° ano - E.M. - Introdução à história
1° ano - E.M. - Introdução à história
 
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
 grécia - antiguidade clássica -  6ºAno grécia - antiguidade clássica -  6ºAno
grécia - antiguidade clássica - 6ºAno
 
Mitologia grega
Mitologia grega Mitologia grega
Mitologia grega
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
Períodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofiaPeríodos históricos da filosofia
Períodos históricos da filosofia
 
Aula de filosofia
Aula de filosofia Aula de filosofia
Aula de filosofia
 
A Grécia Antiga
A Grécia AntigaA Grécia Antiga
A Grécia Antiga
 
Conceito de História
Conceito de HistóriaConceito de História
Conceito de História
 
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico   revolução agrícola e as primeiras cidadesNeolítico   revolução agrícola e as primeiras cidades
Neolítico revolução agrícola e as primeiras cidades
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 

Semelhante a Mundo greco romano

6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
Carlos Zaranza
 
A cultura grega
A cultura gregaA cultura grega
A cultura grega
Jerry Guimarães
 
GréCia
GréCiaGréCia
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
Valeria Kosicki
 
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Lúcia Texeira
 
Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga
Frederico Marques Sodré
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
Sílvia Mendonça
 
Lista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaLista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade Antiga
Elton Zanoni
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Jonas Araújo
 
3˚ano: exercícios Grécia
3˚ano: exercícios Grécia3˚ano: exercícios Grécia
3˚ano: exercícios Grécia
Kerol Brombal
 
1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega
Cristiane Pantoja
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
cattonia
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
PanquecasSIAA
 
3 grecia.gabarito
3 grecia.gabarito3 grecia.gabarito
3 grecia.gabarito
Kerol Brombal
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Zé Mário
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
cattonia
 
Os Gregos
Os GregosOs Gregos
Grécia roma wilfred
Grécia roma wilfredGrécia roma wilfred
Grécia roma wilfred
Whistoriapi
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
Nuno Pinto
 
Seleção de questões
Seleção de questõesSeleção de questões
Seleção de questões
Alex Sandro
 

Semelhante a Mundo greco romano (20)

6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
6 ano 3 trimestre exercicios rev provao
 
A cultura grega
A cultura gregaA cultura grega
A cultura grega
 
GréCia
GréCiaGréCia
GréCia
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]Exercicios antiguidadeclassica1[1]
Exercicios antiguidadeclassica1[1]
 
Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga Avaliação História - Grécia Antiga
Avaliação História - Grécia Antiga
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
Lista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade AntigaLista UFSC - Idade Antiga
Lista UFSC - Idade Antiga
 
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade greciaCidadania e democracia na antiguidade grecia
Cidadania e democracia na antiguidade grecia
 
3˚ano: exercícios Grécia
3˚ano: exercícios Grécia3˚ano: exercícios Grécia
3˚ano: exercícios Grécia
 
1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega1 simulado geral antiguidade grega
1 simulado geral antiguidade grega
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Civilizações do Mundo
Civilizações do MundoCivilizações do Mundo
Civilizações do Mundo
 
3 grecia.gabarito
3 grecia.gabarito3 grecia.gabarito
3 grecia.gabarito
 
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia AntigaTeste de História 10ºano - Grécia Antiga
Teste de História 10ºano - Grécia Antiga
 
Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1Modelo grego parte 1
Modelo grego parte 1
 
Os Gregos
Os GregosOs Gregos
Os Gregos
 
Grécia roma wilfred
Grécia roma wilfredGrécia roma wilfred
Grécia roma wilfred
 
Civilizacaogrega
CivilizacaogregaCivilizacaogrega
Civilizacaogrega
 
Seleção de questões
Seleção de questõesSeleção de questões
Seleção de questões
 

Mais de Profdaltonjunior

Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
Profdaltonjunior
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
Profdaltonjunior
 
Aula 3 crise de 1929
Aula 3   crise de 1929Aula 3   crise de 1929
Aula 3 crise de 1929
Profdaltonjunior
 
Formação do Islamismo
Formação do IslamismoFormação do Islamismo
Formação do Islamismo
Profdaltonjunior
 
Expansão e cultura do Islamismo
Expansão e cultura do IslamismoExpansão e cultura do Islamismo
Expansão e cultura do Islamismo
Profdaltonjunior
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
Profdaltonjunior
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
Profdaltonjunior
 
Aula 9 atenas
Aula 9  atenasAula 9  atenas
Aula 9 atenas
Profdaltonjunior
 
Aula 8 grécia antiga
Aula 8   grécia antigaAula 8   grécia antiga
Aula 8 grécia antiga
Profdaltonjunior
 
Aula 5 hebreus
Aula 5   hebreusAula 5   hebreus
Aula 5 hebreus
Profdaltonjunior
 
Aula 11 reformas e reformadores
Aula 11   reformas e reformadoresAula 11   reformas e reformadores
Aula 11 reformas e reformadores
Profdaltonjunior
 
Aula 3 a crise da oligarquia e vargas no poder
Aula 3   a crise da oligarquia e vargas no poderAula 3   a crise da oligarquia e vargas no poder
Aula 3 a crise da oligarquia e vargas no poder
Profdaltonjunior
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
Profdaltonjunior
 
Napoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de vienaNapoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de viena
Profdaltonjunior
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
Profdaltonjunior
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Profdaltonjunior
 
Aula 2 república café com leite
Aula 2   república café com leiteAula 2   república café com leite
Aula 2 república café com leite
Profdaltonjunior
 
Aula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolítico
Aula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolíticoAula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolítico
Aula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolítico
Profdaltonjunior
 
Aula 3 bizantinos
Aula 3   bizantinosAula 3   bizantinos
Aula 3 bizantinos
Profdaltonjunior
 
Aula 1 república velha
Aula 1   república velhaAula 1   república velha
Aula 1 república velha
Profdaltonjunior
 

Mais de Profdaltonjunior (20)

Aula 10 renascimento e humanismo
Aula 10   renascimento e humanismoAula 10   renascimento e humanismo
Aula 10 renascimento e humanismo
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Aula 3 crise de 1929
Aula 3   crise de 1929Aula 3   crise de 1929
Aula 3 crise de 1929
 
Formação do Islamismo
Formação do IslamismoFormação do Islamismo
Formação do Islamismo
 
Expansão e cultura do Islamismo
Expansão e cultura do IslamismoExpansão e cultura do Islamismo
Expansão e cultura do Islamismo
 
Primeira Guerra
Primeira GuerraPrimeira Guerra
Primeira Guerra
 
Feudalismo
FeudalismoFeudalismo
Feudalismo
 
Aula 9 atenas
Aula 9  atenasAula 9  atenas
Aula 9 atenas
 
Aula 8 grécia antiga
Aula 8   grécia antigaAula 8   grécia antiga
Aula 8 grécia antiga
 
Aula 5 hebreus
Aula 5   hebreusAula 5   hebreus
Aula 5 hebreus
 
Aula 11 reformas e reformadores
Aula 11   reformas e reformadoresAula 11   reformas e reformadores
Aula 11 reformas e reformadores
 
Aula 3 a crise da oligarquia e vargas no poder
Aula 3   a crise da oligarquia e vargas no poderAula 3   a crise da oligarquia e vargas no poder
Aula 3 a crise da oligarquia e vargas no poder
 
Aula 6 revolução industrial
Aula 6   revolução industrialAula 6   revolução industrial
Aula 6 revolução industrial
 
Napoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de vienaNapoleão e o congresso de viena
Napoleão e o congresso de viena
 
Aula 4 o antigo egito
Aula 4   o antigo egitoAula 4   o antigo egito
Aula 4 o antigo egito
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Aula 2 república café com leite
Aula 2   república café com leiteAula 2   república café com leite
Aula 2 república café com leite
 
Aula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolítico
Aula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolíticoAula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolítico
Aula 2 os primeiros hominídeos e o estilo de vida no paleolítico
 
Aula 3 bizantinos
Aula 3   bizantinosAula 3   bizantinos
Aula 3 bizantinos
 
Aula 1 república velha
Aula 1   república velhaAula 1   república velha
Aula 1 república velha
 

Mundo greco romano

  • 1.
  • 2. Grécia A história grega pode ser dividida em 5 períodos:  Pré – homérico  Homérico  Arcaico  Clássico  Helenístico
  • 3. Pré-homérico Civilização Cretense  Por se tratar de uma ilha, Creta foi o primeiro território a se destacar economicamente, pois seus habitantes se dedicavam ao comércio marítimo.  A principal cidade é Cnossos, junto com Micenas e Tróia, que eram fora da ilha.  Já se usava escravos.  A civilização teve seu fim com a
  • 4. Período Homérico  Os Micenicos dominam Creta, mas uma das cidades Ilion (Tróia) ameaça o controle dos Micenicos sobre o mar (Talassocracia), o que origina a “Guerra de Tróia”.  A guerra é narrada na Ilíada atribuída ao grego Homero, e a volta de Ulisses (Odisseu) um dos heróis da guerra é narrada na Odisséia.
  • 5.  Uma característica social marcante desse período é a formação dos Genos. Com a invasão dos Dórios, a população grega procurou novas terras no interior do território. Características principais dos Genos:  Comunidade familiar;  Comandada por um grande proprietário de terra ou patriarca;  Trabalho dividido de forma igualitária;  No começo, um Genos era isolado do outro.
  • 6. Fim dos Genos Com o rápido crescimento demográfico, um genos começou a sobrepujar o outro. Os patriarcas começaram a disputar as melhores terras, o que estabeleceu uma hierarquia social. É nesse momento que surge a polis ou cidades- Estado.
  • 7. Definição de polis ou cidade- Estado São cidades com economia e políticas independentes, mas que possuíam cultura semelhante. Características:  Acrópole (cidade alta)- Finalidade defensiva ou de discussão política.  Ágora (ao redor) – Prédios públicos e religiósos.
  • 10. Esparta  Fundada pelos Dórios.  Estrutura política >  Oligraquia Militar  Educação: Treinamento Militar pesado para meni- Nos a partir dos 7 anos.
  • 12. Cultura Grega  Voltada para artes e ciências (humanismo  A religião era politeísta e mitológica, a classe de sacerdotes não era dominante.  Em homenagem a Zeus, os gregos realizavam os jogos olímpicos de quatro em quatro anos, com grande rivalidade interna.  Grande destaque também para
  • 13.  Os gregos não utilizavam arcos nas construções, e sim colunas. Temos três estilos:  As esculturas e pinturas gregas desejavam retratar o homem em sua plenitude física. Escultura atribuída a Fídias.
  • 14.  Na Grécia não havia distinção clara entre filosofia e ciência, muitos pensadores dedicavam-se as duas.  Filosofia Cosmogônica – Os pensadores dedicavam-se a explicar o cosmo, a origem das coisas no mundo. Um dos principais filósofos dessa vertente foi Pitágoras, que defendia que os números estavam na origem e explicavam a natureza.
  • 15.  Filosofia Humanística – Sua preocupação é explicar o ser humano e sua forma de viver. Destaca-se nessa vertente os Sofistas, onde consideram a não existência de uma verdade absoluta, e defendem o bom uso da palavra (retórica). O principal adversário dos sofistas foi o filósofo Sócrates. Ele defendia que a reflexão e a virtude eram elementos fundamentais na vida. Aluno de Sócrates, Platão defendia as ideias aristocráticas, e escreveu “A República”. Aluno de Platão, Aristóteles é considerado e pai da lógica, seus estudos também são direcionados nas áreas políticas e sociais, onde defende a
  • 16. UFSC 2011 Leia o texto abaixo com atenção. Nossa forma de governo não se baseia nas instituições dos povos vizinhos. Não imitamos os outros. Servimos de modelo para eles. Somos uma democracia porque a administração pública depende da maioria, e não de poucos. Nessa democracia, todos os cidadãos são iguais perante as leis para resolver os conflitos particulares. Mas quando se trata de escolher um cidadão para a vida pública, o talento e o mérito reconhecidos em cada um dão acesso aos postos mais honrosos. [...] Usamos a riqueza como um instrumento para agir, e não como motivo de orgulho e ostentação. Entre nós, a pobreza não é causa de vergonha. Vergonhoso é não fazer o possível para evitá-la. Todo o cidadão tem o direito de cuidar de sua vida particular e de seus negócios privados. Mas aquele que não manifestar interesse pela política, pela vida pública, é considerado um inútil. Em resumo, digo que nossa cidade é uma escola para toda Hélade, e cada cidadão ateniense, por suas características, mostra-se capaz de realizar as mais variadas formas de atividade. TUCÍDEDES. História da Guerra do Peloponeso. Brasília/São Paulo: UnB/Hucitec, 1986, cap. 37-41, Livro II. Com base neste texto do historiador ateniense Tucídedes e sobre história antiga ocidental, é CORRETO afirmar que: 01. Atenas era considerada um modelo de cidade para todo o Império Romano. 02. a riqueza mencionada por Tucídedes era vista como ingrediente necessário para projetar a cidade de Atenas no cenário do mundo antigo. 04. o texto evidencia que todos os cidadãos deviam interessar-se por política para não serem considerados inúteis. 08. a mobilização em busca de riqueza era mais importante para a democracia do que o debate político, visto que a riqueza era “... um instrumento para agir.” 16. os postos administrativos de destaque na cidade de Atenas estavam vinculados à quantidade de bens que o cidadão ateniense possuía. 32. de acordo com Tucídedes, os povos vizinhos de Atenas eram seus imitadores. Podemos concluir que, dada à proximidade geográfica, Esparta adotou este modelo. 64. pobreza e riqueza não podiam existir paralelamente na cidade de Atenas, razão pela qual devia haver um esforço para evitar a pobreza.
  • 17. Ufsc 2010 Entre os pobres muitos se dirigem a terras estranhas, vendidos e cobertos de correntes [...]. Quantos dos que tinham sido vendidos, uns injustamente, outros com justiça, fiz voltar para Atenas, sua pátria, fundada pelos deuses [...]. Dei liberdade a outros que, aqui mesmo (em Atenas), sofriam servidão indigna e tremiam diante do humor dos patrões. Eis o que realizei, graças à soberania da lei, fazendo com que a força e a justiça agissem concordemente. Sólon, Elegias. Apud HOLANDA, S. Buarque de. História da Civilização. 6. ed. São Paulo: Nacional, 1979. p. 58. Com base no texto acima e nos seus conhecimentos sobre a sociedade e a democracia ateniense, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. Na experiência democrática vivida pelos atenienses durante o período helenístico, a escravidão foi eliminada através da legislação elaborada por Sólon, sobrevivendo apenas a servidão voluntária. 02. As leis de Sólon, consideradas avançadas para a época da sua promulgação, admitiam a escravização dos endividados ou filhos de escravos, pois a perda de direitos individuais não feria os princípios da democracia ateniense. 04. Na sociedade ateniense, as três principais classes sociais eram representadas por: cidadãos nobres, homens livres nascidos de pai e mãe ateniense; metecos, estrangeiros autorizados a viver na Ática; e escravos, prisioneiros de guerra ou filhos de escravos. 08. Drácon publicou as primeiras leis escritas em Atenas e com elas reforçou o direito dos nobres de interpretar as leis segundo as próprias conveniências, dando origem à tirania e ao adjetivo “draconiano”, que significa severo, rígido. 16. As manifestações de descontentamento com as leis de Drácon fez com que a administração de Atenas fosse confiada ao arconte Sólon, que realizou importantes reformas: proibiu a escravização de pessoas endividadas e perdoou as dívidas dos pequenos lavradores, devolvendo-lhes as terras perdidas. 32. As reformas implantadas por Sólon foram rechaçadas pelos tiranos, nobres empobrecidos pelas decisões democráticas, tomadas em praça pública e com a participação de toda a população de Atenas.
  • 18. UFSC 2009 Leia o texto abaixo com atenção. “A origem dos Jogos Olímpicos na Grécia Antiga é freqüentemente associada à celebração do esporte e do culto à beleza estética humana, como se estes fossem seus objetivos principais. Fala-se pouco, porém, na intenção mística e fúnebre de saudar os mortos de cada cidade. […] Tradicionalmente costuma-se afirmar que os primeiros Jogos foram realizados na Grécia Antiga no ano 776 a.C., como uma importante celebração e tributo aos deuses, tendo sido proibidos pelo imperador cristão Teodósio I em 393 da era atual, por serem uma manifestação do paganismo. Porém, em 1896, um aristocrata francês, o Barão de Coubertin, recuperou os Jogos tentando reavivar o espírito das primeiras Olimpíadas, que passaram a ser realizados de quatro em quatro anos desde então (como na tradição grega), tendo sido interrompidos apenas durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. […]” Disponível em: http://<www.wikipédia.org/wiki/Jogos_OI%C3%Admpicos> Acesso em: 16 ago. 2008. [Adaptado] Com base no texto acima e nos seus conhecimentos sobre os Jogos Olímpicos, assinale a(s) proposição(ões) CORRETA(S). 01. O entrelaçamento dos Anéis, símbolo dos Jogos Olímpicos, representa os continentes conhecidos: América, Europa, Ásia, África, Oceania. 02. Os Jogos Olímpicos são eventos desportivos que ocorrem a cada quatro anos e que reúnem atletas de quase todos os países do mundo, competindo em categorias de desporto como Xadrez, Atletismo, Natação e Ginástica. 04. Além de celebrar os esportes e prestar tributo aos deuses, os Jogos Olímpicos representavam um culto à beleza e à coragem dos soldados nas guerras. 08. Entre os piores exemplos históricos da falta de espírito olímpico destacam-se: o massacre de Munique em 1972, em que membros da comitiva israelense foram mortos por extremistas palestinos, e os boicotes aos Jogos durante a Guerra Fria. 16. O presidente do Brasil, presente na abertura das Olimpíadas realizadas na China, em 2008, apresentou a cidade do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos de 2016 e Florianópolis como local das competições de esqui. 32. Em 1894 foi criado o Comitê Olímpico Internacional (COI), que decidiu organizar os primeiros Jogos Olímpicos da Era Moderna, em Atenas. Porém, os problemas financeiros enfrentados pela Grécia impediram a sua realização lá e eles foram transferidos para Buenos Aires.
  • 19. Roma  Realeza – Também conhecido como Monarquia.
  • 21. Período da Realeza ou Monarquia  Principal atividade – Agricultura e Pastoreio, sendo a terra sinônimo de riqueza. Socialmente dividida em:  Patrícios(aristocratas proprietários de terra)  Clientes (agregados aos patrícios)  Plebeus (trabalhadores pobres e estrangeiros)
  • 22. Poder político:  O poder era exercido pelo Rei (monarca), que exercia as funções de administrador, juiz e comandante militar.  O rei era auxiliado pelo Senado e pela Assembléia das Cúrias (que escolhia um novo rei) Devido a disputas pelo poder, a aristocracia (latina) acaba com a Monarquia de Tarquínio (etrusco) e inicia a República.
  • 23. República  O senado, que antes não tinha nenhum poder político, passa a ser órgão máximo romano. No início somente os patrícios tinham acesso, e exercia o poder legislativo.  O poder executivo era exercido por dois cônsules, em tempos de paz. Um cuidava da administração pública e o outro do exército.
  • 24.  Em tempos de guerra, o poder executivo era exercido pelo Ditador, que governava com plenos poderes durante 6 meses.  O poder judiciário era exercido pelos pretores, que tinham o papel de interpretar as leis, criando a jurisprudência.  Ainda haviam os censores (faziam o recenseamento a cada cinco anos), os edis (conservação das cidades), questores (cobrança de impostos).  O tribuno auxiliava na elaboração das leis, após uma série de lutas sociais, foi instituídos os “Tribunos da plebe”, que
  • 25.
  • 26. Revoltas da plebe  Primeira revolta Criação do tribuno da plebe.  Segunda revolta Exigência da escrita das leis (mesmo problema grego), que foram codificadas na Lei das Doze Tábuas.  Terceira Revolta Permitiu o casamento entre plebeus e patrícios.  Quarta revolta Lei que praticamente aboliu a escravidão por dívida e permitiu aos plebeus a participação no Consulado.  Quinta Revolta
  • 27. Supremacia do Mediterrâneo: Mare Nostrum Para conseguir a supremacia no Mediterrâneo, Roma domina Cartago, no que ficou conhecida como Guerra Púnicas.
  • 28. Crise da República Os camponeses passavam por uma situação muito difícil, para tentar amenizar a situação eram oferecidos espetáculos públicos e distribuição de trigo. Essa política ficou conhecida como “pão e circo”.
  • 29. Os irmãos Gracos (advindos da nobreza) não concordavam com essas práticas, e foram eleitos tribunos da Plebe:  Tibério Graco – Eleito Tribuno da Plebe propôs a Lei Agrária (redistribuição das terras púbicas que eram controladas pelos patrícios). Sofreu oposição do Senado e foi assassinado.  Caio Graco – Eleito Tribuno da Plebe, retomou as leis agrárias, baixou o preço do trigo para os camponeses.
  • 30. Fim da República  Com a continua expansão os soldados tornavam-se cada vez mais leais a seus generais, já que esses pagavam o soldo.  Várias disputas entre generais começaram a surgir, e Roma entra em um colapso político.  César toma o título de ditador e se alia a outros dois generais, Pompeu e Crasso, formando o primeiro
  • 31.  Crasso morre (Erro Crasso).  César desafia Pompeu e sai vitorioso, sendo nomeado ditador vitalício em 45 a.C..  Com um poder crescente, a elite romana começa a não concordar com as ações de Cesar, como o casamento com Cleópatra.  Em 44 a.C. foi assinado em pleno senado romano.  Começa assim o segundo triunvirato, mas que acaba concentrando poderes
  • 32. Império – Expansão e decadência  Augusto se torna primeiro imperador romano (que concentrava poderes e cargos criados na República)  Imperadores de maior “expressão”: Calígula Nero
  • 33. UFSC 2007 “ELEFANTES – Vendo. Para circo ou zoológico. Usados mas em bom estado. Já domados e com baixa do exército. Tratar com Aníbal.” (p. 143) “TORRO TUDO – E toco cítara. Tratar com Nero.” (p.144) VERISSIMO, Luis Fernando. O Classificado através da História. In: Comédias para se ler na escola. São Paulo: Objetiva, 2001. Sobre Roma na Antigüidade, é CORRETO afirmar que: 01. Aníbal foi um conhecido comandante de Cartago, que combateu os romanos durante as Guerras Púnicas. 02. as Guerras Púnicas, que envolveram Cartago e Roma, aconteceram no contexto da expansão territorial romana. 04. a expansão territorial acabou se revelando um fracasso. Isto pode ser percebido pela ausência de alterações nos hábitos da sociedade romana nos períodos que se sucederam. 08. o domínio de Roma no Mediterrâneo favoreceu o fim da República e a ascensão do Império. 16. Nero foi um governante de Roma conhecido pelo apoio que prestou aos cristãos, sendo responsável por elevar o Cristianismo a religião oficial do Império Romano. 32. o período de governo de Nero é conhecido como um momento de decadência do Império Romano, cujos motivos estão, entre outros, nos graves problemas sociais causados pela existência de uma cidadania restrita e pelos abusos administrativos. 64. a escravidão, embora presente, nunca foi economicamente relevante na sociedade romana.