SlideShare uma empresa Scribd logo
SOLO : FORMAÇÃO E
ORIGEM
Colégio Salesiano Itajaí
Professora: Conceição Fontolan
Disciplina: Geografia
Nomes: Artur Freiberger (07), Antônio Raulino (04), João Guilherme
Cassanego (21), Vitor Murilo (41).
1ªB/ 2017
Formação
No início da Terra não existia solo, apenas grandes e
variados grupos rochosos que foram lentamente desgastados
pelo clima. Essa degeneração é chamada de Pedogênese.
Apresentando aspectos relacionados com seu material de
origem e as interferências naturais e antrópicas,
proporcionadas sobre eles. Ele ainda corre atualmente pois
ele é ininterrupto, a Pedogênese segue a seguinte cronologia:
 Decomposição lenta da rocha matriz pelos agentes do
intemperismo (Água, ventos, climas, plantas e outros...).Com
o tempo acumulasse material orgânico sobre o solo recém
formado.
 Material orgânico decompõe e enriquece o terreno enquanto
horizonte do solo vão se formando.
 O solo, em estágio mais avançado, passa a cortar com os
diferentes horizontes, além de apresentar uma camada
superficial orgânica propícia ao plantio e a existência de
plantações. cronologia:
Classificação do solo
 Com relação a cor a maior parte dos solos podem ser
agrupadas em três tipos:
 Tipos de Solo:
 Avermelhados e amarelos - indicam forte presença de óxido
de ferro
 Escuros - indicam forte presença de materiais orgânicos
 Claros - indicam a fraca presença ou ausência de materiais
orgânicos.
Textura
Com relação a textura os solos pedem se apresentar:
 Tipos de Solo arenoso - retém pouca água e nutrientes, pois
possuem grandes poros, facilitando o escoamento da água
 Argiloso - o solo argiloso retém mais água e nutrientes
(cálcio, potássio, ferro)
 Orgânico - é composto de materiais orgânicos em processo
de decomposição, além de areia e argila
Solos no Brasil
Entre os solos mais comuns encontrados no Brasil, destacam-
se o massapé e a terra roxa:
 Massapé - é um solo escuro, argiloso e orgânico, originado
da desagregação e decomposição da rocha gnaisse.
Aparece em grande trecho do Nordeste Brasileiro, na região
chamada de Zona da Mata, onde desde o século XVI se
cultiva a cana-de-açúcar, que se adapta muito bem a esse
tipo de solo.
 Terra roxa - é um solo avermelhado e vulcânico, originado da
decomposição do basalto. Aparece no oeste do estado de
São Paulo e no norte do Paraná. É excelente para a
agricultura e, desde o século passado é utilizado para a
cultura do café.
Tratamento do Solo
 Terraceamento ou cultivo em socalcos é uma técnica
agrícola e geográfica de conservação do solo, destinada
ao controle de erosão hídrica, utilizada em terrenos
muito inclinados.
 Calagem é a etapa do preparo do solo para cultivo
agrícola na qual se aplica calcário com os objetivos de
elevar os teores de cálcio e magnésio, neutralização do
alumínio trivalente (elemento tóxico para as plantas) e
corrigir o pH do solo, para um desenvolvimento
satisfatório das culturas.
 Pousio, em agricultura, é nome que se dá ao descanso
ou repouso proporcionado às terras cultiváveis,
interrompendo-lhe as culturas para tornar o solo mais
Solo Comuns parte 1
 Argissolos: Caracterizam-se pelo acúmulo de argila no Horizonte B (uma das
camadas do solo). Possuem certa variação de cores (vermelhos a amarelos) e
baixa concentração de matéria orgânica. Depois dos latossolos, são o tipo de
solo mais encontrado no país, com ocorrência em todos os estados, em áreas
planas ou inclinadas (vertentes). Dependendo do material de origem, podem ser
férteis ou pobres para a agricultura. Apresentam grande suscetibilidade para
erosão, principalmente em áreas mais inclinadas.
 Cambissolos: São solos que ainda não completaram seu estágio de formação,
por isso, geralmente são rasos e com um horizonte B pouco desenvolvido. São
muito comuns em todas as regiões do Brasil, principalmente em áreas mais
inclinadas. Como são rasos e muito comuns em áreas inclinadas, também são
muito suscetíveis à erosão.
 Chernossolos: Solos muito férteis e com uma camada superficial (Horizonte A)
muito rica em matéria orgânica e nutrientes para as plantas, como cálcio,
magnésio e potássio. Em virtude da alta concentração de matéria orgânica, é
comum encontrarmos exemplares desse tipo de solo com uma coloração preta.
São comuns em regiões com grande disponibilidade de matéria orgânica e com
grande quantidade de rochas ricas em cálcio, magnésio e potássio, como na
região sudoeste dos Pampas.
 Espodossolos: São solos arenosos, geralmente ácidos e sem muitos nutrientes
para plantas em sua camada superficial, visto que o horizonte rico em matéria
orgânica nesse tipo de solo é o B. São muito encontrados na Amazônia
Solo Comuns parte 2
 Gleissolos: Muito comuns em regiões costeiras e áreas de planícies fluviais do
Brasil inteiro, como na região de Cáceres, Mato Grosso, que é banhada pelo Rio
Paraguai. Os gleissolos caracterizam-se pela coloração acinzentada, que advém
da lixiviação (“lavagem”) de minerais em virtude do constante contato com a
água de rios, lagos ou da chuva.
 Latossolos: São os solos mais abundantes no país, recobrindo cerca de 50% de
toda a extensão territorial do Brasil. São muito antigos e intemperizados, de
grande profundidade, porosos e permeáveis. Muito comuns em áreas planas,
com práticas de adubação e calagem (aplicação de cal no solo para corrigir a
acidez), os latossolos podem ser muito produtivos.
 Luvissolos: Solos rasos e pouco profundos, com alta concentração de nutrientes
(alumínio, cálcio, potássio, magnésio e sódio) e argila, além de serem,
geralmente, revestidos por pedregulhos. São muito comuns no sertão nordestino
ou em áreas de clima mais seco. Em virtude da alta concentração de sódio e da
baixa quantidade de água, esse solo pode ficar com um aspecto endurecido,
dificultando, assim, a penetração das raízes.
 Neossolos: Solos jovens, pouco profundos e com baixa concentração de matéria
orgânica. Apresentam grandes quantidades de cascalho e rochas não
intemperizadas. São muito comuns na maior parte das áreas muito inclinadas do
país e possuem um baixo potencial agrícola, em virtude do alto declive e da
grande quantidade de cascalho.
Solo Comuns parte 3
 Nitossolos: Solos profundos, bem drenados (com quantidade de água ideal) e uma grande
quantidade de argila. São formados a partir de rochas magmáticas (basalto e diabásio),
calcárias e, em alguns casos, por gnaisses e charnoquitos. Ocorrem em todos os estados
do país, sendo muito encontrados na região Sul. No Paraná, são muito férteis; mas, em
outros estados, necessitam de correção de acidez e adubagem.
 Organossolos: São solos geralmente ácidos que possuem alta concentração de matéria
orgânica e alta saturação de água (está presente em áreas que podem permanecer
alagadas durante grande parte do ano ou somente na época chuvosa). Em consequência
de sua grande concentração de matéria orgânica, a cor desse solo varia entre preto, cinza
muito escuro ou marrom. No Brasil, esse tipo de solo é muito encontrado em áreas
alagadas (várzeas, banhados). Um dos lugares em que esse solo pode ser encontrado é na
região de Macaé-RJ.
 Planossolos: São solos pouco profundos que possuem uma camada superficial (horizonte
A) arenosa e o seu interior (horizonte B) é rico em argila compactada. São muito comuns
em áreas planas e em depressões ou várzeas. No Brasil, esse tipo de solo é muito
encontrado no Rio Grande do Sul, no Pantanal e no Nordeste.
 Plintossolos: Solos com grande concentração de ferro e ácido e típicos de zonas muito
quentes e úmidas. Esse tipo de solo é encontrado nas regiões central e norte do Brasil, no
Piauí e no Maranhão.
 Vertissolos: Solos com alto teor de argila, pouco permeáveis e com uma alta concentração
de nutrientes para as plantas. Ocorrem em áreas com pouca disponibilidade de água e
caracterizam-se pela presença de rachaduras quando muito secos. São muito comuns em
áreas de relevo plano a ondulado do Nordeste do Brasil, Sudeste do Rio Grande do Sul e
em algumas áreas do Pantanal.
Questões
1- TEXTO I
O Cerrado brasileiro apresenta diversos aspectos favoráveis,
mas tem como problema a baixa fertilidade de seus solos. A
grande maioria é ácido, com baixo pH.
TEXTO II
O crescimento da participação da Região Central do Brasil na
produção de soja foi estimulado, entre outros fatores, por
avanços científicos em tecnologias para manejo de solos.Nos
textos, são apresentados aspectos do processo de ocupação
de um bioma brasileiro. Uma tecnologia que permite corrigir
os limites impostos pelas condições naturais está indicada
em:
a) Calagem.
b) Hidroponia.
c) Terraceamento.
d) Cultivo orgânico.
e) Rotação de cultura.
2- Sobre o relevo como fator de formação do solo, assinale a
alternativa correta:
a) Nas áreas planas, a formação do solo é influenciada pelo menor
acúmulo de água, o que ocasiona a redução da ação do
intemperismo.
b) A drenagem da água nos solos de relevo inclinado é dificultada,
o que ocasiona a redução de ferro e o acúmulo de matéria
orgânica.
c) Nas áreas em que o relevo apresenta maior declividade, a
infiltração da água é menor, o que provoca uma menor ação do
intemperismo sobre a rocha-mãe.
d) A formação de solos rasos é uma característica das áreas
planas, uma vez que há uma remoção maior dos sedimentos na
superfície do que nos solos de terreno mais acidentado.
e) Os solos originados em relevo com maior inclinação ou em
relevo plano recebem de forma idêntica a radiação solar, não
havendo nesse quesito distinção em relação à formação do solo.
3-Com relação à formação dos solos, assinale a alternativa correta:
a) O solo se forma a partir do processo de decomposição da rocha
de origem.
b) O solo é formado a partir de processos internos do planeta Terra,
como o movimento das placas tectônicas.
c) O solo do planeta Terra formou-se há milhares de anos a partir do
acúmulo de sedimentos que caíram no planeta Terra com
meteoros.
d) O solo é exclusivamente uma consequência da ação humana
sobre o espaço.
e) O solo se forma com mais facilidade em áreas com pouco vento,
chuva, variação climática e seres vivos.
4- Entende-se por pedogênese (pedo: solo + gênese: origem) o
processo de origem ou formação dos solos. Trata-se de um
processo lento que demora centenas ou até milhares de anos
para completar-se, dependendo quase que totalmente de fatores
externos [...].A alternativa a seguir contém fatores de formação do
solo, exceto:
a) o relevo
b) os organismos vivos
c) o material de origem
d) as águas subterrâneas
e) o clima
5-Os principais elementos que atuam na formação do solo são:
Apenas elementos da natureza (clima, relevo, água e seres vivos),
pois as atividades humanas não exercem nenhuma influência
na formação do solo.
b) O tectonismo é o elemento mais importante para a formação dos
solos, pois a movimentação das placas tectônicas gera a
decomposição da rocha em grande escala.
c) Os principais elementos que interagem entre si na formação do
solo são o tempo, clima, relevo, água e seres vivos. O ser
humano, todavia, não tem nenhuma influência nesse processo.
d) O solo é formado a partir de grandes desastres naturais, como
terremotos, tsunamis, furacões etc. Como são eventos
extremos, têm uma capacidade maior para decompor a rocha.
e) Os principais elementos que interagem entre si na formação do
solo são o tempo, clima, relevo, água e os seres vivos, inclusive
o ser humano.
Gabarito
1- A)
2- C)
3- A)
4- D)
5- E)
Fontes:
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/form
acao-dos-solos.htm
https://www.todamateria.com.br/tipos-de-solo/
http://alunosonline.uol.com.br/geografia/principais-
tipos-solo-brasil.html
https://www.qconcursos.com/questoes-do-
enem/disciplinas/geografia-geografia/geografia-
fisica/solo
https://pt.wikipedia.org
http://vestibular.mundoeducacao.bol.uol.com.br/ene
m/uso-solo-no-enem.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
Carolina Corrêa
 
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacaoAgricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Emanuel Malai
 
Solos
SolosSolos
Solos
Ione Rocha
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Maurício Coelho
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
Girleno Oliveira
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
Conceição Fontolan
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
Leandro Araujo
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Leandro Araujo
 
Solos
SolosSolos
Solos
ceama
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Jadson Belem de Moura
 
2ª aula erosao
2ª aula erosao2ª aula erosao
2ª aula erosao
dalmobutterfly
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
Isaias E Clara
 
Producao de Sementes e Mudas florestais
Producao de Sementes e Mudas florestaisProducao de Sementes e Mudas florestais
Producao de Sementes e Mudas florestais
Urialisson Queiroz
 
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxPRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
ALEXANDREDECASTROSAL
 
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo
Fernando Rodrigo.
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 

Mais procurados (20)

Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Aula origem dos solos
Aula  origem dos solosAula  origem dos solos
Aula origem dos solos
 
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacaoAgricultura geral aula 1 de_adubacao
Agricultura geral aula 1 de_adubacao
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradadaPráticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
Práticas de conservação do solo e recuperação de áreas degradada
 
Métodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do soloMétodos e técnicas de conservação do solo
Métodos e técnicas de conservação do solo
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05   sistema brasileiro de classificação de solosAula 05   sistema brasileiro de classificação de solos
Aula 05 sistema brasileiro de classificação de solos
 
2ª aula erosao
2ª aula erosao2ª aula erosao
2ª aula erosao
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
 
Producao de Sementes e Mudas florestais
Producao de Sementes e Mudas florestaisProducao de Sementes e Mudas florestais
Producao de Sementes e Mudas florestais
 
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptxPRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
PRATICAS CONSERVACIONISTAS DO SOLO E DA AGUA.pptx
 
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 

Semelhante a SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO

Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
ProfMario De Mori
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Thamires Bragança
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
AnaClaudiaHonorio
 
Solos
SolosSolos
Solos
gdw147
 
Solos
SolosSolos
Solos
SolosSolos
Solos
gdw147
 
Solos
SolosSolos
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Bárbara Ruth
 
Tipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 cTipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 c
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoSolos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Giovani Leite
 
Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
Roberto Nunes
 
Aula solos fundamental
Aula solos fundamentalAula solos fundamental
Aula solos fundamental
Raquel Acácio Mendanha
 
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Edu Gonzaga
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
Murilo Sierro
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
RelatorioRelatorio
1 solos
1 solos 1 solos
origem dos solos!
origem dos solos!origem dos solos!
origem dos solos!
LucAs Oliveira
 

Semelhante a SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO (20)

Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
Classificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasilClassificação geral dos solos e solos do brasil
Classificação geral dos solos e solos do brasil
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
Classificaogeraldossolosesolosdobrasil 120821200540-phpapp02
 
Tipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 cTipos de solo 1 c
Tipos de solo 1 c
 
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do MundoSolos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
Solos e Recursos Minerais do Brasil e do Mundo
 
Solos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terraSolos tropicais e uso da terra
Solos tropicais e uso da terra
 
Aula solos fundamental
Aula solos fundamentalAula solos fundamental
Aula solos fundamental
 
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
Pedologia / solo - Professor Edu Gonzaga 2013
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Pedologia
PedologiaPedologia
Pedologia
 
Origem dos Solos
Origem dos SolosOrigem dos Solos
Origem dos Solos
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
Relatorio
RelatorioRelatorio
Relatorio
 
1 solos
1 solos 1 solos
1 solos
 
origem dos solos!
origem dos solos!origem dos solos!
origem dos solos!
 

Mais de Conceição Fontolan

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
Conceição Fontolan
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
Conceição Fontolan
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
Conceição Fontolan
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
Conceição Fontolan
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
Conceição Fontolan
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
Conceição Fontolan
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
Conceição Fontolan
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
Conceição Fontolan
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
Conceição Fontolan
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAISALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
Conceição Fontolan
 

Mais de Conceição Fontolan (20)

DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
DESIGUALDADES SOCIECONÔMICAS.
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
ÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTALÁSIA ORIENTAL
ÁSIA ORIENTAL
 
AMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINAAMÉRICA LATINA
AMÉRICA LATINA
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEAFLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
FLORESTAS TEMPERADAS E VEGETAÇÃO MEDITERRÂNEA
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANASFLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
FLORESTAS SUBTROPICAIS E SAVANAS
 
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAISSAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
SAVANAS E FLORESTAS SUBTROPICAIS
 
FLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAISFLORESTAS TROPICAIS
FLORESTAS TROPICAIS
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
SUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICOSUDESTE ASIÁTICO
SUDESTE ASIÁTICO
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTEÁSIA : EXTREMO ORIENTE
ÁSIA : EXTREMO ORIENTE
 
CONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANOCONTINENTE AFRICANO
CONTINENTE AFRICANO
 
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHASVEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
VEGETAÇÃO : ALTAS MONTANHAS
 
CANADÁ
CANADÁCANADÁ
CANADÁ
 
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAISALGUNS INDICADORES SOCIAIS
ALGUNS INDICADORES SOCIAIS
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 

SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO

  • 1. SOLO : FORMAÇÃO E ORIGEM Colégio Salesiano Itajaí Professora: Conceição Fontolan Disciplina: Geografia Nomes: Artur Freiberger (07), Antônio Raulino (04), João Guilherme Cassanego (21), Vitor Murilo (41). 1ªB/ 2017
  • 2. Formação No início da Terra não existia solo, apenas grandes e variados grupos rochosos que foram lentamente desgastados pelo clima. Essa degeneração é chamada de Pedogênese. Apresentando aspectos relacionados com seu material de origem e as interferências naturais e antrópicas, proporcionadas sobre eles. Ele ainda corre atualmente pois ele é ininterrupto, a Pedogênese segue a seguinte cronologia:  Decomposição lenta da rocha matriz pelos agentes do intemperismo (Água, ventos, climas, plantas e outros...).Com o tempo acumulasse material orgânico sobre o solo recém formado.  Material orgânico decompõe e enriquece o terreno enquanto horizonte do solo vão se formando.  O solo, em estágio mais avançado, passa a cortar com os diferentes horizontes, além de apresentar uma camada superficial orgânica propícia ao plantio e a existência de plantações. cronologia:
  • 3. Classificação do solo  Com relação a cor a maior parte dos solos podem ser agrupadas em três tipos:  Tipos de Solo:  Avermelhados e amarelos - indicam forte presença de óxido de ferro  Escuros - indicam forte presença de materiais orgânicos  Claros - indicam a fraca presença ou ausência de materiais orgânicos.
  • 4. Textura Com relação a textura os solos pedem se apresentar:  Tipos de Solo arenoso - retém pouca água e nutrientes, pois possuem grandes poros, facilitando o escoamento da água  Argiloso - o solo argiloso retém mais água e nutrientes (cálcio, potássio, ferro)  Orgânico - é composto de materiais orgânicos em processo de decomposição, além de areia e argila
  • 5. Solos no Brasil Entre os solos mais comuns encontrados no Brasil, destacam- se o massapé e a terra roxa:  Massapé - é um solo escuro, argiloso e orgânico, originado da desagregação e decomposição da rocha gnaisse. Aparece em grande trecho do Nordeste Brasileiro, na região chamada de Zona da Mata, onde desde o século XVI se cultiva a cana-de-açúcar, que se adapta muito bem a esse tipo de solo.  Terra roxa - é um solo avermelhado e vulcânico, originado da decomposição do basalto. Aparece no oeste do estado de São Paulo e no norte do Paraná. É excelente para a agricultura e, desde o século passado é utilizado para a cultura do café.
  • 6. Tratamento do Solo  Terraceamento ou cultivo em socalcos é uma técnica agrícola e geográfica de conservação do solo, destinada ao controle de erosão hídrica, utilizada em terrenos muito inclinados.  Calagem é a etapa do preparo do solo para cultivo agrícola na qual se aplica calcário com os objetivos de elevar os teores de cálcio e magnésio, neutralização do alumínio trivalente (elemento tóxico para as plantas) e corrigir o pH do solo, para um desenvolvimento satisfatório das culturas.  Pousio, em agricultura, é nome que se dá ao descanso ou repouso proporcionado às terras cultiváveis, interrompendo-lhe as culturas para tornar o solo mais
  • 7. Solo Comuns parte 1  Argissolos: Caracterizam-se pelo acúmulo de argila no Horizonte B (uma das camadas do solo). Possuem certa variação de cores (vermelhos a amarelos) e baixa concentração de matéria orgânica. Depois dos latossolos, são o tipo de solo mais encontrado no país, com ocorrência em todos os estados, em áreas planas ou inclinadas (vertentes). Dependendo do material de origem, podem ser férteis ou pobres para a agricultura. Apresentam grande suscetibilidade para erosão, principalmente em áreas mais inclinadas.  Cambissolos: São solos que ainda não completaram seu estágio de formação, por isso, geralmente são rasos e com um horizonte B pouco desenvolvido. São muito comuns em todas as regiões do Brasil, principalmente em áreas mais inclinadas. Como são rasos e muito comuns em áreas inclinadas, também são muito suscetíveis à erosão.  Chernossolos: Solos muito férteis e com uma camada superficial (Horizonte A) muito rica em matéria orgânica e nutrientes para as plantas, como cálcio, magnésio e potássio. Em virtude da alta concentração de matéria orgânica, é comum encontrarmos exemplares desse tipo de solo com uma coloração preta. São comuns em regiões com grande disponibilidade de matéria orgânica e com grande quantidade de rochas ricas em cálcio, magnésio e potássio, como na região sudoeste dos Pampas.  Espodossolos: São solos arenosos, geralmente ácidos e sem muitos nutrientes para plantas em sua camada superficial, visto que o horizonte rico em matéria orgânica nesse tipo de solo é o B. São muito encontrados na Amazônia
  • 8. Solo Comuns parte 2  Gleissolos: Muito comuns em regiões costeiras e áreas de planícies fluviais do Brasil inteiro, como na região de Cáceres, Mato Grosso, que é banhada pelo Rio Paraguai. Os gleissolos caracterizam-se pela coloração acinzentada, que advém da lixiviação (“lavagem”) de minerais em virtude do constante contato com a água de rios, lagos ou da chuva.  Latossolos: São os solos mais abundantes no país, recobrindo cerca de 50% de toda a extensão territorial do Brasil. São muito antigos e intemperizados, de grande profundidade, porosos e permeáveis. Muito comuns em áreas planas, com práticas de adubação e calagem (aplicação de cal no solo para corrigir a acidez), os latossolos podem ser muito produtivos.  Luvissolos: Solos rasos e pouco profundos, com alta concentração de nutrientes (alumínio, cálcio, potássio, magnésio e sódio) e argila, além de serem, geralmente, revestidos por pedregulhos. São muito comuns no sertão nordestino ou em áreas de clima mais seco. Em virtude da alta concentração de sódio e da baixa quantidade de água, esse solo pode ficar com um aspecto endurecido, dificultando, assim, a penetração das raízes.  Neossolos: Solos jovens, pouco profundos e com baixa concentração de matéria orgânica. Apresentam grandes quantidades de cascalho e rochas não intemperizadas. São muito comuns na maior parte das áreas muito inclinadas do país e possuem um baixo potencial agrícola, em virtude do alto declive e da grande quantidade de cascalho.
  • 9. Solo Comuns parte 3  Nitossolos: Solos profundos, bem drenados (com quantidade de água ideal) e uma grande quantidade de argila. São formados a partir de rochas magmáticas (basalto e diabásio), calcárias e, em alguns casos, por gnaisses e charnoquitos. Ocorrem em todos os estados do país, sendo muito encontrados na região Sul. No Paraná, são muito férteis; mas, em outros estados, necessitam de correção de acidez e adubagem.  Organossolos: São solos geralmente ácidos que possuem alta concentração de matéria orgânica e alta saturação de água (está presente em áreas que podem permanecer alagadas durante grande parte do ano ou somente na época chuvosa). Em consequência de sua grande concentração de matéria orgânica, a cor desse solo varia entre preto, cinza muito escuro ou marrom. No Brasil, esse tipo de solo é muito encontrado em áreas alagadas (várzeas, banhados). Um dos lugares em que esse solo pode ser encontrado é na região de Macaé-RJ.  Planossolos: São solos pouco profundos que possuem uma camada superficial (horizonte A) arenosa e o seu interior (horizonte B) é rico em argila compactada. São muito comuns em áreas planas e em depressões ou várzeas. No Brasil, esse tipo de solo é muito encontrado no Rio Grande do Sul, no Pantanal e no Nordeste.  Plintossolos: Solos com grande concentração de ferro e ácido e típicos de zonas muito quentes e úmidas. Esse tipo de solo é encontrado nas regiões central e norte do Brasil, no Piauí e no Maranhão.  Vertissolos: Solos com alto teor de argila, pouco permeáveis e com uma alta concentração de nutrientes para as plantas. Ocorrem em áreas com pouca disponibilidade de água e caracterizam-se pela presença de rachaduras quando muito secos. São muito comuns em áreas de relevo plano a ondulado do Nordeste do Brasil, Sudeste do Rio Grande do Sul e em algumas áreas do Pantanal.
  • 10. Questões 1- TEXTO I O Cerrado brasileiro apresenta diversos aspectos favoráveis, mas tem como problema a baixa fertilidade de seus solos. A grande maioria é ácido, com baixo pH. TEXTO II O crescimento da participação da Região Central do Brasil na produção de soja foi estimulado, entre outros fatores, por avanços científicos em tecnologias para manejo de solos.Nos textos, são apresentados aspectos do processo de ocupação de um bioma brasileiro. Uma tecnologia que permite corrigir os limites impostos pelas condições naturais está indicada em: a) Calagem. b) Hidroponia. c) Terraceamento. d) Cultivo orgânico. e) Rotação de cultura.
  • 11. 2- Sobre o relevo como fator de formação do solo, assinale a alternativa correta: a) Nas áreas planas, a formação do solo é influenciada pelo menor acúmulo de água, o que ocasiona a redução da ação do intemperismo. b) A drenagem da água nos solos de relevo inclinado é dificultada, o que ocasiona a redução de ferro e o acúmulo de matéria orgânica. c) Nas áreas em que o relevo apresenta maior declividade, a infiltração da água é menor, o que provoca uma menor ação do intemperismo sobre a rocha-mãe. d) A formação de solos rasos é uma característica das áreas planas, uma vez que há uma remoção maior dos sedimentos na superfície do que nos solos de terreno mais acidentado. e) Os solos originados em relevo com maior inclinação ou em relevo plano recebem de forma idêntica a radiação solar, não havendo nesse quesito distinção em relação à formação do solo.
  • 12. 3-Com relação à formação dos solos, assinale a alternativa correta: a) O solo se forma a partir do processo de decomposição da rocha de origem. b) O solo é formado a partir de processos internos do planeta Terra, como o movimento das placas tectônicas. c) O solo do planeta Terra formou-se há milhares de anos a partir do acúmulo de sedimentos que caíram no planeta Terra com meteoros. d) O solo é exclusivamente uma consequência da ação humana sobre o espaço. e) O solo se forma com mais facilidade em áreas com pouco vento, chuva, variação climática e seres vivos.
  • 13. 4- Entende-se por pedogênese (pedo: solo + gênese: origem) o processo de origem ou formação dos solos. Trata-se de um processo lento que demora centenas ou até milhares de anos para completar-se, dependendo quase que totalmente de fatores externos [...].A alternativa a seguir contém fatores de formação do solo, exceto: a) o relevo b) os organismos vivos c) o material de origem d) as águas subterrâneas e) o clima
  • 14. 5-Os principais elementos que atuam na formação do solo são: Apenas elementos da natureza (clima, relevo, água e seres vivos), pois as atividades humanas não exercem nenhuma influência na formação do solo. b) O tectonismo é o elemento mais importante para a formação dos solos, pois a movimentação das placas tectônicas gera a decomposição da rocha em grande escala. c) Os principais elementos que interagem entre si na formação do solo são o tempo, clima, relevo, água e seres vivos. O ser humano, todavia, não tem nenhuma influência nesse processo. d) O solo é formado a partir de grandes desastres naturais, como terremotos, tsunamis, furacões etc. Como são eventos extremos, têm uma capacidade maior para decompor a rocha. e) Os principais elementos que interagem entre si na formação do solo são o tempo, clima, relevo, água e os seres vivos, inclusive o ser humano.
  • 15. Gabarito 1- A) 2- C) 3- A) 4- D) 5- E)