SlideShare uma empresa Scribd logo
DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA
                         UFPR
     Prof. José Ricardo Martins
INTÉRPRETES DO BRASIL
 Trata-se de interpretações clássicas da formação da sociedade
  brasileira formuladas entre 1920 e 1975.
 Indagam sobre a própria “natureza” da sociedade que se veio
  formando no Brasil desde a Colônia.
 Autores clássicos:
 Francisco José Oliveira Vianna: Populações Meridionais do Brasil:
  populações rurais do centro-sul (1920)
 Gilberto Freyre: Casa-Grande e Senzala: formação da família
  patriarcal brasileira (1933)
 Sérgio Buarque de Holanda: Raízes do Brasil (1936)
 Caio Prado Jr.: Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia (1942)
 Raymundo Faoro: Os donos do Poder: formação do patronato
  político brasileiro (1958)
 Florestan Fernandes: A Revolução Burguesa no Brasil (1975)
INTÉRPRETES DO BRASIL
 Outros autores importantes:
 Alberto Torres: A organização nacional (1914)
 Celso Furtado: Formação econômica do Brasil (1958)
 Paula Beiguelman: Formação política do Brasil (1959)
 Antônio Cândido: Formação da literatura brasileira (1959)
 Wanderley Guilherme dos Santos: Paradigma e história: a ordem burguesa na
    imaginação social brasileira (1975)
   Bolívar Lamounier: Formação de um pensamento autoritário na Primeira
    República (1977)
   Roberto Schwarz: As ideias fora do lugar (1973)
   José Carlos Reis: As identidades do Brasil (1999)
   Lúcia Lippi Oliveira: Interpretações do Brasil (artigo, 1999)
   José Murilo de Carvalho: A construção da ordem (1980)
   Silvano Santiago (org.): Intérpretes do Brasil (2002)
   Jessé Souza: A construção social da subcidadania (2003)
   Roberto Da Matta: O que faz o brasil brasil
   Francisco Weffort: Formação do pensamento político brasileiro (2006)
   Bernardo Ricupero: Sete lições sobre as interpretações do Brasil (2008)
IDENTIDADE NACIONAL
 “A identidade nacional está calcada sobre a ideia de um mito
  fundador.” (Chauí, 2000, p. 9)
 “O mito fundador é uma figura que cria um vínculo com o passado
  que se prolonga, e por isso impede a crítica sobre a realidade.
  Encontra novos meios para exprimir-se, novas linguagens, novos
  valores e ideias. [...] celebrações por sua carga simbólica, não por
  sua utilidade. [Ex. “Brasil 500”
 “Ele se insere no imaginário como algo que suplanta o tempo e o
  espaço e garante a unidade através de um passado comum e dos
  mesmos costumes e tradições.”

 Fonte: GUIMARÃES, César (org.). Imagens do Brasil: modos de ver, modos de conviver.
  Capítulo: “Redescobrindo o sertão”, p. 115.
IDENTIDADE NACIONAL

[...] a procura de uma “identidade brasileira” ou de uma
  “memória” brasileira que seja sua essência verdadeira é um
  falso problema. [...] a pergunta fundamental seria: quem é o
  artífice desta identidade e desta memória que se querem
  nacionais? A que grupos sociais ela se vinculam e a que
  interesses elas servem?
 Fonte: ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira e Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense,
  1994, p. 139.
MATRIZ TEÓRICA NA FORMAÇÃO DO BRASIL
 Discussão entre as correntes Liberal e Conservadora.
 Duas correntes de formação nas Américas (Richard Morse, 1988):

 Anglo-América: fundada pelas revoluções religiosa e científica. Sociedade
  baseada no contrato e na livre associação dos indivíduos. John Locke:
  autor paradigmático.
 Íbero-América: ignorou essas revoluções. Postura organicista: cada grupo
  social desempenharia uma função. São Tomás de Aquino: autor
  paradigmático.
 Resultado: Incompatibilidade e incompreensão mútua entre as duas
  partes do continente americano. Protestante e católica.
 Depois da Independência: liberalismo = ideia dominante no Brasil; porém,
  prática conservadora.
 Raiz portuguesa: burguesia mercantil muito ligada à aristocracia
  fundiária, ambas dependente do Estado absolutista português. Portanto, a
  burguesia era incapaz de impulsionar mudanças no país.
Pensamento nacional autoritário
 Oliveira Viana
 Alberto Torres
 Oliveira do Amaral
 Francisco Campos

 Alberto Torres discute a desorganização e a identidade nacional.
 Caráter nacional formado por sua colonização, a escravidão e a
  indolência (vícios, corrupção...)
 Defende o Estado em vista da organização nacional, em função das
  mazelas do regime político da República Velha: oligarquias,
  coronelismo, subdesenvolvimentismo, atraso....
 Defende reorganizar a Sociedade via intervenção do Estado, pois só
  este tinha condições de conduzir programas nacionais.
 Ausência da temática democrática. Sérgio Buarque de Holanda era
  uma voz dissidente.
Pensamento nacional autoritário
 No pensamento autoritário, o Estado via a Sociedade como amorfa,
  incapaz de se organizar. Foi assim que pensou Getúlio Vargas.
 Pensa o Estado nacional como espaço forte, sem cidadania, sem
  educação para as massas. Estado excludente, mas protetor (Vargas),
  com concentração de renda e exclusão social.
 Na era Vargas havia preocupação de construção da Nação: forte e
  unificada. Projeto de unificação da Nação fragmentada, sendo a
  escola o grande vetor de propagação da cultura nacional e o civismo,
  principalmente com o uso da língua portuguesa.
 Tenta-se, então, por decreto, extinguir os guetos de imigrantes e
  trazê-los à integração.
 O discurso sobre os imigrantes exalta o espírito empreendedor dos
  imigrantes alemães (discurso que exclui outras etnias e os negros).
 A elite política brasileira queria o imigrante para povoar,
  embranquecer a população e produzir.
 Os imigrantes queriam reproduzir um pedaço de seu país de origem.
OLIVEIRA VIANNA (1883-1951)
                 Populações meridionais do brasil
 Autor racista e autoritário, refletindo o reacionarismo da classe
  dominante brasileira, o pensamento autoritário da Velha República
  e conservador do Império.
 Influenciado pela Escola de Sociologia de Fréderic Le Play: a
  construção de tipos regionais com base em fatos sociais
  (“populações rurais do centro-sul”).
 Influenciado pela Psicologia Social de Gustave Le Bom: ideia da
  existência de alma da raça ou caráter nacional – as raças não se
  distinguem tanto pelas características físicas, mas pelos traços
  psicológicos, havendo uma hierarquia, havendo uma hierarquia
  entre elas (por isso era possível 60 mil ingleses dominar 250
  milhões de indianos).
 Em Evolução do povo brasileiro, Oliveira Vianna aceita a crença no
  protagonismo da raça ariana (ideias da Antropologia Física de
  Vacher de Lapouge).
OLIVEIRA VIANNA (1883-1951)
                 Populações meridionais do brasil
 Oliveira Vianna critica a constituição da Velha República (de 1891):
  “idealismo utópico ou constitucional” pelo fato dos liberais
  desejarem adotar instituições estrangeiras sem mostrarem
  preocupação em adequar às condições brasileiras.
 Medidas como a descentralização, ao invés de gerarem o self-
  government à americana, favoreceriam o poder dos caudilhos.
 Objetivo de sua obra, segundo o autor: “ressaltar o quanto somos
  distintos dos outros povos”.
 Critica a elite intelectual por absorver as ideias norte-americanas e
  europeias.
Gilberto Freyre (1900-1987)
                    CASA-GRANDE E SENZALA

 Florestan Fernandes e Roger Bastide trabalham para desmentir a
  ideologia da democracia racial contida na obra de Freyre:
  convívio pretensamente harmonioso entre brancos, negros e índios.
 Carlos Guilherme Mota: a obra de Freyre representa uma verdadeira
  cristalização da ideologia da cultura brasileira; sugere a existência
  de um caráter brasileiro que eclipsaria “as contradições de classe, e
  mesmo de raça.” (Ideologia da Cultura Brasileira, p. 47)
 Visão otimista do Brasil.
 Primazia da família na colonização: patriarcalismo.
 Latifúndio e patriarcalismo é o que dá unidade ao Brasil: a casa
  grande seria um pequeno mundo auto-suficiente.
 Miscigenação já vinha de Portugal: mouros e judeus. Adaptação
  luso-tropical.
Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982)
                               Raízes do Brasil
 Visão otimista e weberiana.
 Ressalta o tradicional personalismo, de que provem a frouxidão das
  instituições e a falta de coesão social; ausência do princípio de
  hierarquia e a exaltação do prestígio pessoal com relação ao privilégio.
 Família patriarcal: a família, único setor da vida brasileira cuja
  autoridade não era questionada – “uma invasão do público pelo
  privado” (p. 89).
 Tal comportamento dificultaria o estabelecimento do Estado
  democrático e mesmo de qualquer Estado no Brasil.
 Princípio básico da democracia liberal: “a maior felicidade para o
  maior número” (Jeremy Benthan).
 Família: princípio do amor – “amar alguém é amá-lo mais do que aos
  outros” (p. 156). Esta parcialidade que o meio doméstico oferece, seria
  incompatível com a atitude neutra diante dos cidadãos, implícita na
  democracia liberal. Há oposição entre privilégios pessoais e exigências
  abstratas (funcionário patrimonial x puro burocrata).
Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982)
                          Raízes do Brasil
 Homem cordial (o que vem do coração) – amor e ódio: homens que
  obedecem aos imperativos do coração e não as normas impessoais e
  abstratas, sendo, assim, muito difícil de estabelecer ordem pública e
  democracia. (Ricupero, p. 115)
“Formado nos quadros da estrutura familiar, o brasileiro recebeu o peso
    das ´relações de simpatia´, que dificultam a incorporação normal de
      outros agrupamentos. Por isso, não acha agradáveis as relações
  impessoais, características do Estado, procurando reduzi-las ao padrão
      pessoal e afetivo. Onde pese a família, sobretudo em seu molde
       tradicional, dificilmente se forma a sociedade urbana de tipo
      moderno. [...] O ´homem cordial´ não pressupõe bondade, mas
     somente o predomínio dos comportamentos de aparência afetiva,
   inclusive suas manifestações externas, não necessariamente sinceras
    nem profundas, que se opõem aos ritualismos da polidez.” (Antônio
               Candido, O significado de ´Raízes do Brasil´)
Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982)
                        Raízes do Brasil
“Um traço definido do caráter brasileiro, no qual permanece ativa
  e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano,
  informados no meio rural e patriarcal.” (p. 146-7)

O homem cordial tem dificuldade para compreender a distinção
 fundamental entre os domínios do privado e do público
 (patrimonialismo).
Tem dificuldade de viver só. A convívio social o liberta.
No domínio linguístico, forte presença do diminutivo (-inho).
Omissão do nome de família no trato. p. 148.
Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982)
                           Raízes do Brasil
 Jessé Souza: o livro sugere uma espécie de “sociologia da
  inautenticidade”, na qual formas estrangeiras como democracia se
  ajustariam mal às condições brasileiras, correspondendo mesmo a
  “mal-entendidos”.
 “Sérgio Buarque de Holanda considera que as relações pessoa a pessoa,
  primárias, criam empecilhos para se ter uma ordem social mais
  impessoal e racional e, ainda mais sério, para a constituição de uma
  democracia no país.” (Ricupero, p. 122)
 A partir do fato da Abolição Sérgio Buarque vê uma certa
  compatibilidade entre a democracia e a formação social brasileira,
  incluindo a hierarquia racional.
 Sérgio Buarque critica o pensamento autoritário de Alberto Torres e
  Oliveira Vianna:“O despotismo condiz mal com a doçura de nosso
  gênio.” (p. 142)
Caio Prado Jr. (1907-1990)
               Formação do Brasil Contemporâneo

 De importante família de exportadores de café, estuda Direito e
  entra para a política.
 Logo decepciona-se ao verificar que o novo governo que substitui o
  da Velha República não aplica as devidas punições, perpetuando a
  impunidade e o arbítrio no país.
 A decepção radicaliza-se ao desconfiar das possibilidades de
  transformação efetiva dentro do capitalismo. Adere ao socialismo.
 Em 1933 publica Evolução Política do Brasil, no qual aplica o método
  marxista do materialismo histórico na interpretação da experiência
  brasileira (luta de classes).
 Formação do Brasil Contemporâneo: colônia (1942) escreve no
  exílio.
 Início do séc. XIX: cruzamento histórico – o passado colonial
  encontra-se com o início da história do Brasil contemporâneo.
Caio Prado Jr. (1907-1990)
               Formação do Brasil Contemporâneo

 Verifica que na formação social brasileira nunca houve ruptura
  significativa com o passado.
 A experiência da colônia brasileira é entendida a partir da expansão
  ultramarinha europeia.
 Colônias de povoamento (nas zonas temperadas das Américas) e
  colônias de exploração (nas zonas tropicais e semi-tropicais do
  continente). Objetivo mercantil.
JESSÉ SOUZA
                  A Construção Social da Subcidadania
 Estudo sobre as sociedades periféricas e a exclusão social.
 De Bourdieu, Souza busca resgatar principalmente a crítica à
  "naturalização" das relações sociais de dominação contida na teoria do
  habitus e sua ênfase no aspecto "automático" – caráter irrefletido – dos
  diferentes comportamentos sociais classificatórios:
 “É esse aparato também que permite a Bourdieu perceber dominação e
  desigualdade onde outros percebem harmonia e pacificação social. É isso que o
  faz fundamental para qualquer análise, seja das sociedades centrais ou
  periféricas, interessada em desvelar e reconstruir realidades petrificadas e
  naturalizadas.” (p. 47)
 Tal aspecto revela-se ainda mais decisivo quando pensamos no caráter
  central atribuído por Bourdieu ao mascaramento das precondições
  econômicas inerente ao exercício da dominação classista. Ou seja, da
  dominação simbólica – e, nesse particular, da própria ideologia da
  igualdade que serve de base ao consenso social e político ocidental –
  obscurecendo as relações de desigualdade. (Ruy Braga, Decifrando o
  enigma brasileiro: novas pistas)
Marilena Chauí
                                Brasil: mito fundador

 A relação de dependência pode ser observada em todos os aspectos da
  sociedade brasileira:
 “Conservando as marcas da sociedade colonial escravista, ou aquilo que
  alguns estudiosos designam como ‘cultura colonial’, a sociedade
  brasileira é marcada pela estrutura hierárquica do espaço social que
  determina a forma de uma sociedade fortemente verticalizada em todos
  os seus aspectos: nela as relações sociais e intersubjetivas são sempre
  realizadas como relação entre um superior, que manda, e um inferior,
  que obedece. As diferenças e assimetrias são sempre transformadas em
  desigualdades que reforçam a relação mando-obediência. O outro
  jamais é reconhecido como subjetividade nem como alteridade.”

 Fonte: CHAUÍ, Marilena. Brasil: o mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fund.
  Perseu Abramo, 2000, p. 89.
VIDEOS
 Intérpretes do Brasil – Roberto Da Matta – Parte 1:
  http://www.youtube.com/watch?v=fKhQNNSrGvk&feature=relmfu
 Intérpretes do Brasil – Roberto Da Matta – Parte 2:
  http://www.youtube.com/watch?
  v=DU6hW8XiaV0&feature=relmfu
 Cientistas do Brasil – Roberto Da Matta:
  http://www.youtube.com/watch?v=-t7tynCToiw&feature=related
 A Cabeça do Brasileiro – Carlos Alberto Almeida:
  http://www.youtube.com/watch?v=yejieZR_eWY&feature=fvsr

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia BrasileiraCapítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
roberto mosca junior
 
Sergio Buarque de Holanda
Sergio Buarque de HolandaSergio Buarque de Holanda
Sergio Buarque de Holanda
Juli Rossi
 
Idologia sociologia - 1ºano
Idologia   sociologia - 1ºanoIdologia   sociologia - 1ºano
Idologia sociologia - 1ºano
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Prof. Noe Assunção
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
roberto mosca junior
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Fases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasilFases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasil
João Marcos Lima Garcia
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
Elisama Lopes
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
Maíra Masiero
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
O Camaleão
 
Desigualdade
DesigualdadeDesigualdade
Desigualdade
Maira Conde
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
professorleo1989
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
Jefferson Medeiiros Araújo
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
Marcos Alencar
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
rblfilos
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
Paula Meyer Piagentini
 

Mais procurados (20)

Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia BrasileiraCapítulo 9 - Sociologia Brasileira
Capítulo 9 - Sociologia Brasileira
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
 
Sergio Buarque de Holanda
Sergio Buarque de HolandaSergio Buarque de Holanda
Sergio Buarque de Holanda
 
Idologia sociologia - 1ºano
Idologia   sociologia - 1ºanoIdologia   sociologia - 1ºano
Idologia sociologia - 1ºano
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
Aula classes sociais
Aula classes sociaisAula classes sociais
Aula classes sociais
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Fases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasilFases da implantação da sociologia no brasil
Fases da implantação da sociologia no brasil
 
Industria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de MassaIndustria Cultural e Cultura de Massa
Industria Cultural e Cultura de Massa
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Desigualdade
DesigualdadeDesigualdade
Desigualdade
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)Lista de exercícios (Sociologia)
Lista de exercícios (Sociologia)
 

Destaque

Interpretando o brasil
Interpretando o brasilInterpretando o brasil
Interpretando o brasil
Adriano Capilupe
 
Sociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantesSociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantes
edsonfgodoy
 
Case Sauípe - 09/2006
Case Sauípe - 09/2006Case Sauípe - 09/2006
Case Sauípe - 09/2006
Lucio Novaes
 
Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Telecurso 2000 aula 21 aumentando a produção de leite
Telecurso 2000 aula 21   aumentando a produção de leiteTelecurso 2000 aula 21   aumentando a produção de leite
Telecurso 2000 aula 21 aumentando a produção de leite
netoalvirubro
 
Monitor Legal e Compliance
Monitor Legal e ComplianceMonitor Legal e Compliance
Monitor Legal e Compliance
Medialogue Digital
 
Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2
Douglas Gregorio
 
Raizes do brasil
Raizes do brasilRaizes do brasil
Raizes do brasil
Leonara Margotto Tartaglia
 
Brasil Cheio De Contrastes
Brasil Cheio De ContrastesBrasil Cheio De Contrastes
Brasil Cheio De Contrastes
Andreia Scanacapra
 
Sérgio buarque de holanda raízes do brasil
Sérgio buarque de holanda raízes do brasilSérgio buarque de holanda raízes do brasil
Sérgio buarque de holanda raízes do brasil
Jorge Miklos
 
A idade media e as universidades
A idade media e as universidadesA idade media e as universidades
A idade media e as universidades
Universidade Federal Fluminense
 
Ética e Integridade Empresarial
Ética e Integridade EmpresarialÉtica e Integridade Empresarial
Ética e Integridade Empresarial
Priscila Stuani
 
Sociologia Introdutória
Sociologia Introdutória Sociologia Introdutória
Sociologia Introdutória
Rene Lins
 
Principais sociólogos
Principais sociólogosPrincipais sociólogos
Principais sociólogos
sociofilo2012
 
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em RousseauConhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Felipe de Luca
 
07 contrato social - rousseau
07  contrato social - rousseau07  contrato social - rousseau
07 contrato social - rousseau
Hernando Professor
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
pascoalnaib
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi
pascoalnaib
 
Quadro de analise sociologia para o ensino medio
Quadro de analise sociologia para o ensino medioQuadro de analise sociologia para o ensino medio
Quadro de analise sociologia para o ensino medio
Erica Frau
 
[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira
Luis Felipe Carvalho
 

Destaque (20)

Interpretando o brasil
Interpretando o brasilInterpretando o brasil
Interpretando o brasil
 
Sociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantesSociologia no brasil e seus principais representantes
Sociologia no brasil e seus principais representantes
 
Case Sauípe - 09/2006
Case Sauípe - 09/2006Case Sauípe - 09/2006
Case Sauípe - 09/2006
 
Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
Sociologia no Brasil - Prof.Altair Aguilar.
 
Telecurso 2000 aula 21 aumentando a produção de leite
Telecurso 2000 aula 21   aumentando a produção de leiteTelecurso 2000 aula 21   aumentando a produção de leite
Telecurso 2000 aula 21 aumentando a produção de leite
 
Monitor Legal e Compliance
Monitor Legal e ComplianceMonitor Legal e Compliance
Monitor Legal e Compliance
 
Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2Sociologia clássica 2
Sociologia clássica 2
 
Raizes do brasil
Raizes do brasilRaizes do brasil
Raizes do brasil
 
Brasil Cheio De Contrastes
Brasil Cheio De ContrastesBrasil Cheio De Contrastes
Brasil Cheio De Contrastes
 
Sérgio buarque de holanda raízes do brasil
Sérgio buarque de holanda raízes do brasilSérgio buarque de holanda raízes do brasil
Sérgio buarque de holanda raízes do brasil
 
A idade media e as universidades
A idade media e as universidadesA idade media e as universidades
A idade media e as universidades
 
Ética e Integridade Empresarial
Ética e Integridade EmpresarialÉtica e Integridade Empresarial
Ética e Integridade Empresarial
 
Sociologia Introdutória
Sociologia Introdutória Sociologia Introdutória
Sociologia Introdutória
 
Principais sociólogos
Principais sociólogosPrincipais sociólogos
Principais sociólogos
 
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em RousseauConhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
Conhecimento, Ética e Justiça em Rousseau
 
07 contrato social - rousseau
07  contrato social - rousseau07  contrato social - rousseau
07 contrato social - rousseau
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 22 do Tomazi
 
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do TomaziSlide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi
Slide livro Sociologia ensino médio capitulo 21 do Tomazi
 
Quadro de analise sociologia para o ensino medio
Quadro de analise sociologia para o ensino medioQuadro de analise sociologia para o ensino medio
Quadro de analise sociologia para o ensino medio
 
[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira[2ºAno] Sociologia Brasileira
[2ºAno] Sociologia Brasileira
 

Semelhante a Intérpretes do Brasil

Sociologia Brasileira
Sociologia BrasileiraSociologia Brasileira
Sociologia Brasileira
TaitsonSantos
 
Sociologia brasileira
Sociologia brasileira Sociologia brasileira
Sociologia brasileira
AMANDAMONTEIROMELOAM
 
Projeto brasilidade identidade e autoestima final
Projeto brasilidade identidade e autoestima finalProjeto brasilidade identidade e autoestima final
Projeto brasilidade identidade e autoestima final
Luis Nassif
 
Apresentação guerreiro
Apresentação guerreiroApresentação guerreiro
Apresentação guerreiro
vania morales sierra
 
Apresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptx
Apresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptxApresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptx
Apresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptx
JOOLUIZDASILVALOPES
 
Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920
Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920
Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920
Carlos Sant'Anna
 
O Haiti é Aqui
O Haiti é AquiO Haiti é Aqui
O Haiti é Aqui
Ana Luiza Dias
 
O Haiti é Aqui
O Haiti é AquiO Haiti é Aqui
O Haiti é Aqui
guested0893
 
O Haiti é Aqui
O Haiti é AquiO Haiti é Aqui
O Haiti é Aqui
Ana Luiza Dias
 
DEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdf
DEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdfDEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdf
DEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdf
maristervilela2
 
07
0707
Racismo estrutural no brasil
Racismo estrutural no brasilRacismo estrutural no brasil
Racismo estrutural no brasil
Atividades Diversas Cláudia
 
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.pptapresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
laerciojunior26
 
Racismo, discriminacao e_preconceito
Racismo, discriminacao e_preconceitoRacismo, discriminacao e_preconceito
Racismo, discriminacao e_preconceito
Giselda Mezadri de Almeida
 
Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1
Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1
Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1
ZuleikaCamara
 
Caio prado jr1
Caio prado jr1Caio prado jr1
Caio prado jr1
NESUERJ
 
sociologia no brasil.pptx
sociologia no brasil.pptxsociologia no brasil.pptx
sociologia no brasil.pptx
Bruno Pontes Costa
 
O que faz do brasil, brasil slides
O que faz do brasil, brasil slidesO que faz do brasil, brasil slides
O que faz do brasil, brasil slides
Thiago OLiveira da Silva
 
Escravidão exclusão
Escravidão exclusãoEscravidão exclusão
Escravidão exclusão
rochamendess82
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
Rodrigo Silveira
 

Semelhante a Intérpretes do Brasil (20)

Sociologia Brasileira
Sociologia BrasileiraSociologia Brasileira
Sociologia Brasileira
 
Sociologia brasileira
Sociologia brasileira Sociologia brasileira
Sociologia brasileira
 
Projeto brasilidade identidade e autoestima final
Projeto brasilidade identidade e autoestima finalProjeto brasilidade identidade e autoestima final
Projeto brasilidade identidade e autoestima final
 
Apresentação guerreiro
Apresentação guerreiroApresentação guerreiro
Apresentação guerreiro
 
Apresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptx
Apresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptxApresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptx
Apresentação sobre a origem e desenvolvimento da Sociologia na Bolívia.pptx
 
Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920
Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920
Afrobrasileiros e a construção da democracia na década de 1920
 
O Haiti é Aqui
O Haiti é AquiO Haiti é Aqui
O Haiti é Aqui
 
O Haiti é Aqui
O Haiti é AquiO Haiti é Aqui
O Haiti é Aqui
 
O Haiti é Aqui
O Haiti é AquiO Haiti é Aqui
O Haiti é Aqui
 
DEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdf
DEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdfDEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdf
DEMOCRACIA RACIAL_20240529_075351_0000 (1).pdf
 
07
0707
07
 
Racismo estrutural no brasil
Racismo estrutural no brasilRacismo estrutural no brasil
Racismo estrutural no brasil
 
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.pptapresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
apresentacaomoduloii-aula_i_-_racismo,_discriminacao_e_preconceito.ppt
 
Racismo, discriminacao e_preconceito
Racismo, discriminacao e_preconceitoRacismo, discriminacao e_preconceito
Racismo, discriminacao e_preconceito
 
Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1
Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1
Racismo sexismo-e-desigualdade-sueli-carneiro-1
 
Caio prado jr1
Caio prado jr1Caio prado jr1
Caio prado jr1
 
sociologia no brasil.pptx
sociologia no brasil.pptxsociologia no brasil.pptx
sociologia no brasil.pptx
 
O que faz do brasil, brasil slides
O que faz do brasil, brasil slidesO que faz do brasil, brasil slides
O que faz do brasil, brasil slides
 
Escravidão exclusão
Escravidão exclusãoEscravidão exclusão
Escravidão exclusão
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Intérpretes do Brasil

  • 1. DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA UFPR Prof. José Ricardo Martins
  • 2. INTÉRPRETES DO BRASIL  Trata-se de interpretações clássicas da formação da sociedade brasileira formuladas entre 1920 e 1975.  Indagam sobre a própria “natureza” da sociedade que se veio formando no Brasil desde a Colônia.  Autores clássicos:  Francisco José Oliveira Vianna: Populações Meridionais do Brasil: populações rurais do centro-sul (1920)  Gilberto Freyre: Casa-Grande e Senzala: formação da família patriarcal brasileira (1933)  Sérgio Buarque de Holanda: Raízes do Brasil (1936)  Caio Prado Jr.: Formação do Brasil Contemporâneo: Colônia (1942)  Raymundo Faoro: Os donos do Poder: formação do patronato político brasileiro (1958)  Florestan Fernandes: A Revolução Burguesa no Brasil (1975)
  • 3. INTÉRPRETES DO BRASIL  Outros autores importantes:  Alberto Torres: A organização nacional (1914)  Celso Furtado: Formação econômica do Brasil (1958)  Paula Beiguelman: Formação política do Brasil (1959)  Antônio Cândido: Formação da literatura brasileira (1959)  Wanderley Guilherme dos Santos: Paradigma e história: a ordem burguesa na imaginação social brasileira (1975)  Bolívar Lamounier: Formação de um pensamento autoritário na Primeira República (1977)  Roberto Schwarz: As ideias fora do lugar (1973)  José Carlos Reis: As identidades do Brasil (1999)  Lúcia Lippi Oliveira: Interpretações do Brasil (artigo, 1999)  José Murilo de Carvalho: A construção da ordem (1980)  Silvano Santiago (org.): Intérpretes do Brasil (2002)  Jessé Souza: A construção social da subcidadania (2003)  Roberto Da Matta: O que faz o brasil brasil  Francisco Weffort: Formação do pensamento político brasileiro (2006)  Bernardo Ricupero: Sete lições sobre as interpretações do Brasil (2008)
  • 4. IDENTIDADE NACIONAL  “A identidade nacional está calcada sobre a ideia de um mito fundador.” (Chauí, 2000, p. 9)  “O mito fundador é uma figura que cria um vínculo com o passado que se prolonga, e por isso impede a crítica sobre a realidade. Encontra novos meios para exprimir-se, novas linguagens, novos valores e ideias. [...] celebrações por sua carga simbólica, não por sua utilidade. [Ex. “Brasil 500”  “Ele se insere no imaginário como algo que suplanta o tempo e o espaço e garante a unidade através de um passado comum e dos mesmos costumes e tradições.”  Fonte: GUIMARÃES, César (org.). Imagens do Brasil: modos de ver, modos de conviver. Capítulo: “Redescobrindo o sertão”, p. 115.
  • 5. IDENTIDADE NACIONAL [...] a procura de uma “identidade brasileira” ou de uma “memória” brasileira que seja sua essência verdadeira é um falso problema. [...] a pergunta fundamental seria: quem é o artífice desta identidade e desta memória que se querem nacionais? A que grupos sociais ela se vinculam e a que interesses elas servem?  Fonte: ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira e Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense, 1994, p. 139.
  • 6. MATRIZ TEÓRICA NA FORMAÇÃO DO BRASIL  Discussão entre as correntes Liberal e Conservadora.  Duas correntes de formação nas Américas (Richard Morse, 1988):  Anglo-América: fundada pelas revoluções religiosa e científica. Sociedade baseada no contrato e na livre associação dos indivíduos. John Locke: autor paradigmático.  Íbero-América: ignorou essas revoluções. Postura organicista: cada grupo social desempenharia uma função. São Tomás de Aquino: autor paradigmático.  Resultado: Incompatibilidade e incompreensão mútua entre as duas partes do continente americano. Protestante e católica.  Depois da Independência: liberalismo = ideia dominante no Brasil; porém, prática conservadora.  Raiz portuguesa: burguesia mercantil muito ligada à aristocracia fundiária, ambas dependente do Estado absolutista português. Portanto, a burguesia era incapaz de impulsionar mudanças no país.
  • 7. Pensamento nacional autoritário  Oliveira Viana  Alberto Torres  Oliveira do Amaral  Francisco Campos  Alberto Torres discute a desorganização e a identidade nacional.  Caráter nacional formado por sua colonização, a escravidão e a indolência (vícios, corrupção...)  Defende o Estado em vista da organização nacional, em função das mazelas do regime político da República Velha: oligarquias, coronelismo, subdesenvolvimentismo, atraso....  Defende reorganizar a Sociedade via intervenção do Estado, pois só este tinha condições de conduzir programas nacionais.  Ausência da temática democrática. Sérgio Buarque de Holanda era uma voz dissidente.
  • 8. Pensamento nacional autoritário  No pensamento autoritário, o Estado via a Sociedade como amorfa, incapaz de se organizar. Foi assim que pensou Getúlio Vargas.  Pensa o Estado nacional como espaço forte, sem cidadania, sem educação para as massas. Estado excludente, mas protetor (Vargas), com concentração de renda e exclusão social.  Na era Vargas havia preocupação de construção da Nação: forte e unificada. Projeto de unificação da Nação fragmentada, sendo a escola o grande vetor de propagação da cultura nacional e o civismo, principalmente com o uso da língua portuguesa.  Tenta-se, então, por decreto, extinguir os guetos de imigrantes e trazê-los à integração.  O discurso sobre os imigrantes exalta o espírito empreendedor dos imigrantes alemães (discurso que exclui outras etnias e os negros).  A elite política brasileira queria o imigrante para povoar, embranquecer a população e produzir.  Os imigrantes queriam reproduzir um pedaço de seu país de origem.
  • 9. OLIVEIRA VIANNA (1883-1951) Populações meridionais do brasil  Autor racista e autoritário, refletindo o reacionarismo da classe dominante brasileira, o pensamento autoritário da Velha República e conservador do Império.  Influenciado pela Escola de Sociologia de Fréderic Le Play: a construção de tipos regionais com base em fatos sociais (“populações rurais do centro-sul”).  Influenciado pela Psicologia Social de Gustave Le Bom: ideia da existência de alma da raça ou caráter nacional – as raças não se distinguem tanto pelas características físicas, mas pelos traços psicológicos, havendo uma hierarquia, havendo uma hierarquia entre elas (por isso era possível 60 mil ingleses dominar 250 milhões de indianos).  Em Evolução do povo brasileiro, Oliveira Vianna aceita a crença no protagonismo da raça ariana (ideias da Antropologia Física de Vacher de Lapouge).
  • 10. OLIVEIRA VIANNA (1883-1951) Populações meridionais do brasil  Oliveira Vianna critica a constituição da Velha República (de 1891): “idealismo utópico ou constitucional” pelo fato dos liberais desejarem adotar instituições estrangeiras sem mostrarem preocupação em adequar às condições brasileiras.  Medidas como a descentralização, ao invés de gerarem o self- government à americana, favoreceriam o poder dos caudilhos.  Objetivo de sua obra, segundo o autor: “ressaltar o quanto somos distintos dos outros povos”.  Critica a elite intelectual por absorver as ideias norte-americanas e europeias.
  • 11. Gilberto Freyre (1900-1987) CASA-GRANDE E SENZALA  Florestan Fernandes e Roger Bastide trabalham para desmentir a ideologia da democracia racial contida na obra de Freyre: convívio pretensamente harmonioso entre brancos, negros e índios.  Carlos Guilherme Mota: a obra de Freyre representa uma verdadeira cristalização da ideologia da cultura brasileira; sugere a existência de um caráter brasileiro que eclipsaria “as contradições de classe, e mesmo de raça.” (Ideologia da Cultura Brasileira, p. 47)  Visão otimista do Brasil.  Primazia da família na colonização: patriarcalismo.  Latifúndio e patriarcalismo é o que dá unidade ao Brasil: a casa grande seria um pequeno mundo auto-suficiente.  Miscigenação já vinha de Portugal: mouros e judeus. Adaptação luso-tropical.
  • 12. Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) Raízes do Brasil  Visão otimista e weberiana.  Ressalta o tradicional personalismo, de que provem a frouxidão das instituições e a falta de coesão social; ausência do princípio de hierarquia e a exaltação do prestígio pessoal com relação ao privilégio.  Família patriarcal: a família, único setor da vida brasileira cuja autoridade não era questionada – “uma invasão do público pelo privado” (p. 89).  Tal comportamento dificultaria o estabelecimento do Estado democrático e mesmo de qualquer Estado no Brasil.  Princípio básico da democracia liberal: “a maior felicidade para o maior número” (Jeremy Benthan).  Família: princípio do amor – “amar alguém é amá-lo mais do que aos outros” (p. 156). Esta parcialidade que o meio doméstico oferece, seria incompatível com a atitude neutra diante dos cidadãos, implícita na democracia liberal. Há oposição entre privilégios pessoais e exigências abstratas (funcionário patrimonial x puro burocrata).
  • 13. Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) Raízes do Brasil  Homem cordial (o que vem do coração) – amor e ódio: homens que obedecem aos imperativos do coração e não as normas impessoais e abstratas, sendo, assim, muito difícil de estabelecer ordem pública e democracia. (Ricupero, p. 115) “Formado nos quadros da estrutura familiar, o brasileiro recebeu o peso das ´relações de simpatia´, que dificultam a incorporação normal de outros agrupamentos. Por isso, não acha agradáveis as relações impessoais, características do Estado, procurando reduzi-las ao padrão pessoal e afetivo. Onde pese a família, sobretudo em seu molde tradicional, dificilmente se forma a sociedade urbana de tipo moderno. [...] O ´homem cordial´ não pressupõe bondade, mas somente o predomínio dos comportamentos de aparência afetiva, inclusive suas manifestações externas, não necessariamente sinceras nem profundas, que se opõem aos ritualismos da polidez.” (Antônio Candido, O significado de ´Raízes do Brasil´)
  • 14. Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) Raízes do Brasil “Um traço definido do caráter brasileiro, no qual permanece ativa e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano, informados no meio rural e patriarcal.” (p. 146-7) O homem cordial tem dificuldade para compreender a distinção fundamental entre os domínios do privado e do público (patrimonialismo). Tem dificuldade de viver só. A convívio social o liberta. No domínio linguístico, forte presença do diminutivo (-inho). Omissão do nome de família no trato. p. 148.
  • 15. Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982) Raízes do Brasil  Jessé Souza: o livro sugere uma espécie de “sociologia da inautenticidade”, na qual formas estrangeiras como democracia se ajustariam mal às condições brasileiras, correspondendo mesmo a “mal-entendidos”.  “Sérgio Buarque de Holanda considera que as relações pessoa a pessoa, primárias, criam empecilhos para se ter uma ordem social mais impessoal e racional e, ainda mais sério, para a constituição de uma democracia no país.” (Ricupero, p. 122)  A partir do fato da Abolição Sérgio Buarque vê uma certa compatibilidade entre a democracia e a formação social brasileira, incluindo a hierarquia racional.  Sérgio Buarque critica o pensamento autoritário de Alberto Torres e Oliveira Vianna:“O despotismo condiz mal com a doçura de nosso gênio.” (p. 142)
  • 16. Caio Prado Jr. (1907-1990) Formação do Brasil Contemporâneo  De importante família de exportadores de café, estuda Direito e entra para a política.  Logo decepciona-se ao verificar que o novo governo que substitui o da Velha República não aplica as devidas punições, perpetuando a impunidade e o arbítrio no país.  A decepção radicaliza-se ao desconfiar das possibilidades de transformação efetiva dentro do capitalismo. Adere ao socialismo.  Em 1933 publica Evolução Política do Brasil, no qual aplica o método marxista do materialismo histórico na interpretação da experiência brasileira (luta de classes).  Formação do Brasil Contemporâneo: colônia (1942) escreve no exílio.  Início do séc. XIX: cruzamento histórico – o passado colonial encontra-se com o início da história do Brasil contemporâneo.
  • 17. Caio Prado Jr. (1907-1990) Formação do Brasil Contemporâneo  Verifica que na formação social brasileira nunca houve ruptura significativa com o passado.  A experiência da colônia brasileira é entendida a partir da expansão ultramarinha europeia.  Colônias de povoamento (nas zonas temperadas das Américas) e colônias de exploração (nas zonas tropicais e semi-tropicais do continente). Objetivo mercantil.
  • 18. JESSÉ SOUZA A Construção Social da Subcidadania  Estudo sobre as sociedades periféricas e a exclusão social.  De Bourdieu, Souza busca resgatar principalmente a crítica à "naturalização" das relações sociais de dominação contida na teoria do habitus e sua ênfase no aspecto "automático" – caráter irrefletido – dos diferentes comportamentos sociais classificatórios:  “É esse aparato também que permite a Bourdieu perceber dominação e desigualdade onde outros percebem harmonia e pacificação social. É isso que o faz fundamental para qualquer análise, seja das sociedades centrais ou periféricas, interessada em desvelar e reconstruir realidades petrificadas e naturalizadas.” (p. 47)  Tal aspecto revela-se ainda mais decisivo quando pensamos no caráter central atribuído por Bourdieu ao mascaramento das precondições econômicas inerente ao exercício da dominação classista. Ou seja, da dominação simbólica – e, nesse particular, da própria ideologia da igualdade que serve de base ao consenso social e político ocidental – obscurecendo as relações de desigualdade. (Ruy Braga, Decifrando o enigma brasileiro: novas pistas)
  • 19. Marilena Chauí Brasil: mito fundador  A relação de dependência pode ser observada em todos os aspectos da sociedade brasileira:  “Conservando as marcas da sociedade colonial escravista, ou aquilo que alguns estudiosos designam como ‘cultura colonial’, a sociedade brasileira é marcada pela estrutura hierárquica do espaço social que determina a forma de uma sociedade fortemente verticalizada em todos os seus aspectos: nela as relações sociais e intersubjetivas são sempre realizadas como relação entre um superior, que manda, e um inferior, que obedece. As diferenças e assimetrias são sempre transformadas em desigualdades que reforçam a relação mando-obediência. O outro jamais é reconhecido como subjetividade nem como alteridade.”  Fonte: CHAUÍ, Marilena. Brasil: o mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Fund. Perseu Abramo, 2000, p. 89.
  • 20. VIDEOS  Intérpretes do Brasil – Roberto Da Matta – Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=fKhQNNSrGvk&feature=relmfu  Intérpretes do Brasil – Roberto Da Matta – Parte 2: http://www.youtube.com/watch? v=DU6hW8XiaV0&feature=relmfu  Cientistas do Brasil – Roberto Da Matta: http://www.youtube.com/watch?v=-t7tynCToiw&feature=related  A Cabeça do Brasileiro – Carlos Alberto Almeida: http://www.youtube.com/watch?v=yejieZR_eWY&feature=fvsr