SlideShare uma empresa Scribd logo
“Regresso às fragas” de Miguel Torga, Diário VI
1
5
10
Regresso às fragas de onde me roubaram.
Ah! minha serra, minha dura infância!
Como os rijos carvalhos me acenaram,
Mal eu surgi, cansado, na distância!
Cantava cada fonte à sua porta:
O poeta voltou!
Atrás ia ficando a terra morta
Dos versos que o desterro esfarelou.
Depois o céu abriu-se num sorriso,
E eu deitei-me no colo dos penedos
A contar aventuras e segredos
Aos deuses do meu velho paraíso.
Sentimentos dominantes do sujeito poético:
Cansado (v.4)
Alegre, feliz, satisfeito, eufórico.
Relação entre poeta e natureza é de intimidade e de afectividade.
Donde a importância do campo lexical que se refere à terra
A quantidade e variedade de vocábulos e expressões que descrevem a terra tornam esse o
campo lexical mais importante do texto, quase saturando o discurso poético. Assim:
 As referências directas são "fragas", "minha serra", "terra morta", «colo dos penedos";
 Há outras referências:metonímica – "minha dura infância"; metafórica –
«meu velho paraíso";
 As referências "rijos carvalhos" e "cada fonte" indicam, por sua vez, realidades
indissociáveis da terra.
Donde o simbolismo metafórico dos elementos naturais, como:
 O carvalho, instrumento de comunicação entre a terra (os homens) e o céu (Deus);
 A fonte, símbolo de maternidade, nas culturas tradicionais é a origem da vida,
do renascimento, do poder e da felicidade.
Assim sendo, o regresso à terra-mãe equivale à recuperação de forças,fazendo-
o feliz, satisfeito como se estivesse no paraíso. A sua terra é o seu céu (terra como expressão de
céu).
Tal como Anteu que recebia energia e forças da sua mãe terra, assim é o poeta que ao
contactar com a sua terra restabelece a sua força anímica.
Modos pelos quais o Eu alude à sua infância:
 As fragas "de onde me roubaram" (v.1) são metonímias da infância do Eu, como o
segundo verso confirma "Ah! minha serra, minha dura infância";
 O aceno dos carvalhos metaforiza o reviver da infância que este regresso proporciona
ao Eu;
 O sorriso aberto do céu (v. 9) e o "colo doa penedos" (v. 10), por sua vez, metaforizam
a dimensão maternal da terra – dimensão que se harmoniza com a temática da infância;
 "dura infância" (v. 2), no entanto, remete para um aspecto menos agradável da
rememoração.
Traços que definem esse Eu como poeta
Este Eu que regressa é caracterizado como poeta:
“Regresso às fragas” de Miguel Torga, Diário VI
2
 Primeiro, por intermédio da personificação de "cada fonte", que canta "O poeta voltou"
(v. 6);
 Depois, também na segunda estrofe (v. 8-9), pela referência aos "versos" esfarelados
sobre “a terra morta”, assim definida como aquela que, não sendo a terra natal, é, pois, o
"desterro";
 Finalmente, a própria actividade a que o Eu se entrega quando regressa ao seu "paraíso"
(v. 12), o "contar aventuras e segredos" (v. 11), é uma atividade que envolve palavras,
comunicação verbal, o que vem amplificar a imagem de poeta que nele a serra
reconhece.
Reflexos no plano morfossintáctico:
 Adjectivação utilizada (rijos, cansado, morta, velho) serve para reforçar a ideia
de austeridade da vida;
 Tipo de frase exclamativo nos versos 2-6
a demonstrar o gosto na chegada do sujeito poético à sua terra;
 Tipo de frase declarativo no resto do poema a demonstrar com mais calma o que foi faz
er.
 Reflexos no plano semântico:
 Personificação dos carvalhos e das fontes para dar conta do bem estar do sujeito poético
na sua terra (v. 3 e 5);
 Repetição do pronome possessivo «minha» a reforçar o apego do sujeito poético
à sua terra de origem e o facto
de não se importar de dizer que aquele espaço é seupor natureza.
 Reflexos no plano fónico:
 Assonância do som nasal nos primeiros cinco versos condizente com um primeiro mom
ento ainda cansa;
 Aliteração fonema /t/ (v. 5-8)
a cadenciar a frase ao gozo e entusiasmo que a visão da terra proporciona;
 Assonância de sons semiabertos /i/ e /e/ em harmonia com o som fechado /o/
a traduzir uma relaxação feliz no acto de invocar coisas da terra.
Integração no universo poético de Miguel Torga
A poesia da Miguel Torga está ligada ao canto da terra dura e bravia (que, aliás, se associa,
na biografia do autor, a Trás-os-Montes) e dos seus valores de Integridade,
sobriedade e grandeza.
Assim, este poema remete para veios temáticos importantes em Miguel Torga, como:
 O canto das coisas elementares;
 A religiosidade própria do sentimento telúrico;
 A apologia da terra firma e das raízes que nela se cravam;
 O canto do mundo agrário, da experiência da pobreza e do esforço.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdfResumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
LumaFigueiredo1
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Dina Baptista
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
MariaVerde1995
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
Joana Filipa Rodrigues
 
Síntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).ppt
Síntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).pptSíntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).ppt
Síntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).ppt
EduardaFernandes76
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
Carla Luís
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
Helena Coutinho
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga
Mateus Ferraz
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
Raffaella Ergün
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
Raffaella Ergün
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
17 nov texto expositivo maias
17 nov texto expositivo maias17 nov texto expositivo maias
17 nov texto expositivo maias
Marlene Santos
 

Mais procurados (20)

Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdfResumo Português (Rimas de Camões).pdf
Resumo Português (Rimas de Camões).pdf
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Características Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de CamposCaracterísticas Poéticas de Álvaro de Campos
Características Poéticas de Álvaro de Campos
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Caracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário VerdeCaracteristicas de Cesário Verde
Caracteristicas de Cesário Verde
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do ConventoA sátira e a crítica social no Memorial do Convento
A sátira e a crítica social no Memorial do Convento
 
Síntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).ppt
Síntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).pptSíntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).ppt
Síntese - Poetas contemporâneos (Unidade 3).ppt
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga"A um negrilho" de Miguel Torga
"A um negrilho" de Miguel Torga
 
Resumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões líricoResumos de Português: Camões lírico
Resumos de Português: Camões lírico
 
Resumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do conventoResumos de Português: Memorial do convento
Resumos de Português: Memorial do convento
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
17 nov texto expositivo maias
17 nov texto expositivo maias17 nov texto expositivo maias
17 nov texto expositivo maias
 

Semelhante a "Regresso às fragas" de Miguel Torga

Os Cinco Sentidos, Novo
Os Cinco Sentidos, NovoOs Cinco Sentidos, Novo
Os Cinco Sentidos, Novo
Joana Azevedo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
luisprista
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Ana Isabel Falé
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Andriane Cursino
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
luisprista
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Vanda Sousa
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
Diogo Tavares
 
Análise ela canta pobre ceifeira alunos
Análise ela canta pobre ceifeira   alunosAnálise ela canta pobre ceifeira   alunos
Análise ela canta pobre ceifeira alunos
Paulo Portelada
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Vanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Vanda Sousa
 
D. dinis
D. dinisD. dinis
D. dinis
Carla Vilaverde
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
luisprista
 
12 e e-andrade
12 e e-andrade12 e e-andrade
12 e e-andrade
MLPires1
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Karina Lobo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14
luisprista
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
maryoliveirasweet14
 
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptxAULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
RenildoLima2
 

Semelhante a "Regresso às fragas" de Miguel Torga (20)

Os Cinco Sentidos, Novo
Os Cinco Sentidos, NovoOs Cinco Sentidos, Novo
Os Cinco Sentidos, Novo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 8-9
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
Função do paralelismo nas cantigas (trovadorismo)
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011  Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 82
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011Guia de Correcção do Teste 2  Fevereiro 2011
Guia de Correcção do Teste 2 Fevereiro 2011
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Ficha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poemaFicha de trabalho, analise poema
Ficha de trabalho, analise poema
 
Análise ela canta pobre ceifeira alunos
Análise ela canta pobre ceifeira   alunosAnálise ela canta pobre ceifeira   alunos
Análise ela canta pobre ceifeira alunos
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
 
D. dinis
D. dinisD. dinis
D. dinis
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
 
12 e e-andrade
12 e e-andrade12 e e-andrade
12 e e-andrade
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 13-14
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptxAULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
AULA - TRABALHANDO POESIA E POEMA.pptx
 

Mais de Mateus Ferraz

Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
Mateus Ferraz
 
Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)
Mateus Ferraz
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
Mateus Ferraz
 
Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)
Mateus Ferraz
 
Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)
Mateus Ferraz
 
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
Mateus Ferraz
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)
Mateus Ferraz
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
Mateus Ferraz
 
Mito de Sísifo
Mito de SísifoMito de Sísifo
Mito de Sísifo
Mateus Ferraz
 
Mito de Orpheu
Mito de OrpheuMito de Orpheu
Mito de Orpheu
Mateus Ferraz
 
Mito de Anteu
Mito de AnteuMito de Anteu
Mito de Anteu
Mateus Ferraz
 
Cyberterrorismo
CyberterrorismoCyberterrorismo
Cyberterrorismo
Mateus Ferraz
 
As 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le MansAs 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le Mans
Mateus Ferraz
 
Adolf Hitler
Adolf HitlerAdolf Hitler
Adolf Hitler
Mateus Ferraz
 
Protocolo de kioto
Protocolo de kiotoProtocolo de kioto
Protocolo de kioto
Mateus Ferraz
 

Mais de Mateus Ferraz (20)

Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)Resumo filosofia (3)
Resumo filosofia (3)
 
Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)Resumo filosofia (2)
Resumo filosofia (2)
 
Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)Resumo filosofia (1)
Resumo filosofia (1)
 
Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)Resumo filosofia (0)
Resumo filosofia (0)
 
Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)Educação Física (vários temas)
Educação Física (vários temas)
 
Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)Resumo geologia (1)
Resumo geologia (1)
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
 
Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)Resumo biologia (3)
Resumo biologia (3)
 
Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)Resumo biologia (2)
Resumo biologia (2)
 
Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)Resumo biologia (1)
Resumo biologia (1)
 
Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)Resumo biologia (0)
Resumo biologia (0)
 
Mito de Sísifo
Mito de SísifoMito de Sísifo
Mito de Sísifo
 
Mito de Orpheu
Mito de OrpheuMito de Orpheu
Mito de Orpheu
 
Mito de Anteu
Mito de AnteuMito de Anteu
Mito de Anteu
 
Cyberterrorismo
CyberterrorismoCyberterrorismo
Cyberterrorismo
 
As 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le MansAs 24 Horas de Le Mans
As 24 Horas de Le Mans
 
Adolf Hitler
Adolf HitlerAdolf Hitler
Adolf Hitler
 
Jacques ancet
Jacques ancetJacques ancet
Jacques ancet
 
Jacques ancet
Jacques ancetJacques ancet
Jacques ancet
 
Protocolo de kioto
Protocolo de kiotoProtocolo de kioto
Protocolo de kioto
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Falcão Brasil
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdfIntendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
Intendência da Aeronáutica. Somos um, sou você Intendência!.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 

"Regresso às fragas" de Miguel Torga

  • 1. “Regresso às fragas” de Miguel Torga, Diário VI 1 5 10 Regresso às fragas de onde me roubaram. Ah! minha serra, minha dura infância! Como os rijos carvalhos me acenaram, Mal eu surgi, cansado, na distância! Cantava cada fonte à sua porta: O poeta voltou! Atrás ia ficando a terra morta Dos versos que o desterro esfarelou. Depois o céu abriu-se num sorriso, E eu deitei-me no colo dos penedos A contar aventuras e segredos Aos deuses do meu velho paraíso. Sentimentos dominantes do sujeito poético: Cansado (v.4) Alegre, feliz, satisfeito, eufórico. Relação entre poeta e natureza é de intimidade e de afectividade. Donde a importância do campo lexical que se refere à terra A quantidade e variedade de vocábulos e expressões que descrevem a terra tornam esse o campo lexical mais importante do texto, quase saturando o discurso poético. Assim:  As referências directas são "fragas", "minha serra", "terra morta", «colo dos penedos";  Há outras referências:metonímica – "minha dura infância"; metafórica – «meu velho paraíso";  As referências "rijos carvalhos" e "cada fonte" indicam, por sua vez, realidades indissociáveis da terra. Donde o simbolismo metafórico dos elementos naturais, como:  O carvalho, instrumento de comunicação entre a terra (os homens) e o céu (Deus);  A fonte, símbolo de maternidade, nas culturas tradicionais é a origem da vida, do renascimento, do poder e da felicidade. Assim sendo, o regresso à terra-mãe equivale à recuperação de forças,fazendo- o feliz, satisfeito como se estivesse no paraíso. A sua terra é o seu céu (terra como expressão de céu). Tal como Anteu que recebia energia e forças da sua mãe terra, assim é o poeta que ao contactar com a sua terra restabelece a sua força anímica. Modos pelos quais o Eu alude à sua infância:  As fragas "de onde me roubaram" (v.1) são metonímias da infância do Eu, como o segundo verso confirma "Ah! minha serra, minha dura infância";  O aceno dos carvalhos metaforiza o reviver da infância que este regresso proporciona ao Eu;  O sorriso aberto do céu (v. 9) e o "colo doa penedos" (v. 10), por sua vez, metaforizam a dimensão maternal da terra – dimensão que se harmoniza com a temática da infância;  "dura infância" (v. 2), no entanto, remete para um aspecto menos agradável da rememoração. Traços que definem esse Eu como poeta Este Eu que regressa é caracterizado como poeta:
  • 2. “Regresso às fragas” de Miguel Torga, Diário VI 2  Primeiro, por intermédio da personificação de "cada fonte", que canta "O poeta voltou" (v. 6);  Depois, também na segunda estrofe (v. 8-9), pela referência aos "versos" esfarelados sobre “a terra morta”, assim definida como aquela que, não sendo a terra natal, é, pois, o "desterro";  Finalmente, a própria actividade a que o Eu se entrega quando regressa ao seu "paraíso" (v. 12), o "contar aventuras e segredos" (v. 11), é uma atividade que envolve palavras, comunicação verbal, o que vem amplificar a imagem de poeta que nele a serra reconhece. Reflexos no plano morfossintáctico:  Adjectivação utilizada (rijos, cansado, morta, velho) serve para reforçar a ideia de austeridade da vida;  Tipo de frase exclamativo nos versos 2-6 a demonstrar o gosto na chegada do sujeito poético à sua terra;  Tipo de frase declarativo no resto do poema a demonstrar com mais calma o que foi faz er.  Reflexos no plano semântico:  Personificação dos carvalhos e das fontes para dar conta do bem estar do sujeito poético na sua terra (v. 3 e 5);  Repetição do pronome possessivo «minha» a reforçar o apego do sujeito poético à sua terra de origem e o facto de não se importar de dizer que aquele espaço é seupor natureza.  Reflexos no plano fónico:  Assonância do som nasal nos primeiros cinco versos condizente com um primeiro mom ento ainda cansa;  Aliteração fonema /t/ (v. 5-8) a cadenciar a frase ao gozo e entusiasmo que a visão da terra proporciona;  Assonância de sons semiabertos /i/ e /e/ em harmonia com o som fechado /o/ a traduzir uma relaxação feliz no acto de invocar coisas da terra. Integração no universo poético de Miguel Torga A poesia da Miguel Torga está ligada ao canto da terra dura e bravia (que, aliás, se associa, na biografia do autor, a Trás-os-Montes) e dos seus valores de Integridade, sobriedade e grandeza. Assim, este poema remete para veios temáticos importantes em Miguel Torga, como:  O canto das coisas elementares;  A religiosidade própria do sentimento telúrico;  A apologia da terra firma e das raízes que nela se cravam;  O canto do mundo agrário, da experiência da pobreza e do esforço.