SlideShare uma empresa Scribd logo
LOCALIZAÇÃOLOCALIZAÇÃO
O CRESCENTE FÉRTILO CRESCENTE FÉRTIL
Berço das primeirasBerço das primeiras
civilizações;civilizações;
Atualmente engloba do IraqueAtualmente engloba do Iraque
até Egito;até Egito;
Presença de grandes rios;Presença de grandes rios;
Terras férteisTerras férteis
Características da regiãoCaracterísticas da região
• O nome, Mesopotâmia, doO nome, Mesopotâmia, do gregogrego,,
significa “terra entre rios”- riossignifica “terra entre rios”- rios
Tigre e Eufrates.Tigre e Eufrates.
• O clima, em geral, era quente eO clima, em geral, era quente e
seco (semi-árido).seco (semi-árido).
• As inundações eram freqüentes eAs inundações eram freqüentes e
fertilizavam o solo.fertilizavam o solo.
Atualmente aAtualmente a
antigaantiga
MesopotâmiaMesopotâmia
corresponde aocorresponde ao
território doterritório do
IraqueIraque, área, área
conflituosa onde aconflituosa onde a
disputa pelodisputa pelo
petróleopetróleo causoucausou
grandegrande
devastação.devastação.
Rio TigreRio Tigre
Rio EufratesRio Eufrates
Vida econômicaVida econômica
• Basicamente agrária: sistemaBasicamente agrária: sistema
de irrigação de canaisde irrigação de canais
• Cultivavam cevada, linho,Cultivavam cevada, linho,
lentilha, trigo…lentilha, trigo…
• As terras pertenciam aoAs terras pertenciam ao
governogoverno
SociedadeSociedade
• Patesi: era uma espécie de rei, tinha poderesPatesi: era uma espécie de rei, tinha poderes
religiosos e políticos. Era o representante dosreligiosos e políticos. Era o representante dos
deuses na terra.deuses na terra.
• Sacerdotes e Guerreiros:Sacerdotes e Guerreiros:
os primeiros responsáveis pela administraçãoos primeiros responsáveis pela administração
e dos templos religiosos; os outros erame dos templos religiosos; os outros eram
responsáveis por formar os grupos de guerra.responsáveis por formar os grupos de guerra.
• Escravos e Camponeses: grupos deEscravos e Camponeses: grupos de
trabalhadores que produziam para as cidadestrabalhadores que produziam para as cidades
Estrutura SocialEstrutura Social
Rei
( Patesi)
(Altos Funcionários)
Guerreiros, Comerciantes
Camponeses Artesãos
Escravos
Sacerdotes
PolíticaPolítica
• Cada cidade tinha o seuCada cidade tinha o seu patesipatesi sem nenumasem nenuma
interferência direta de outra cidade-estadointerferência direta de outra cidade-estado
• Cada cidade escolhia suas próprias divindadesCada cidade escolhia suas próprias divindades
• Cada cidade escolhia sua atividade econômica:Cada cidade escolhia sua atividade econômica:
comércio, agricultura,pastoreio...comércio, agricultura,pastoreio...
Cidade-EstadoCidade-Estado
Possuíam autonomia política,Possuíam autonomia política,
religiosa e econômica.religiosa e econômica.
•SumériosSumérios
•AcádiosAcádios
•Babilônicos (Amoritas)Babilônicos (Amoritas)
•AssíriosAssírios
•Caldeus (Neobabilônicos)Caldeus (Neobabilônicos)
PRINCIPAIS REINOS DAPRINCIPAIS REINOS DA
MESOPOTÂMIAMESOPOTÂMIA
NOMENOME
DO POVODO POVO
PRINCIPALPRINCIPAL
LÍDERLÍDER
CIDADESCIDADES
PRINCIPAISPRINCIPAIS
CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICAS
MARCANTESMARCANTES
SumériosSumérios Patesi (rei)Patesi (rei)
(sem líder(sem líder
marcante)marcante)
Ur, Uruk,Ur, Uruk,
Nippur,Nippur,
Lagash, EriduLagash, Eridu
Escrita cuneiforme;Escrita cuneiforme;
Presença de ZiguratesPresença de Zigurates
AcádiosAcádios Sargão ISargão I Idem aosIdem aos
sumériossumérios
Unificação;Unificação;
AmoritasAmoritas HamurábiHamurábi BabilôniaBabilônia Código de HamurábiCódigo de Hamurábi
AssíriosAssírios AssurbanipalAssurbanipal Assur, NíniveAssur, Nínive ViolênciaViolência
CaldeusCaldeus NabucodonossorNabucodonossor BabilôniaBabilônia Conquistas territoriais;Conquistas territoriais;
construções suntuosasconstruções suntuosas
(Jardins Suspensos).(Jardins Suspensos).
SUMÉRIOSSUMÉRIOS
SUMÉRIOSSUMÉRIOS
•Principais Cidades-Estado :Principais Cidades-Estado :
Eridu, Ur, Uruk, Lagash,Eridu, Ur, Uruk, Lagash,
Nipur...Nipur...
•Surgimento da Escrita :Surgimento da Escrita :
Cuneiforme (forma de cunha)Cuneiforme (forma de cunha)
ACÁDIOSACÁDIOS
ACÁDIOSACÁDIOS
• Os semitas da cidade de AcadOs semitas da cidade de Acad
iniciaram o processo deiniciaram o processo de
conquista da regiãoconquista da região
• Sargão I foi o unificador dosSargão I foi o unificador dos
povos da Mesopotâmiapovos da Mesopotâmia
• O Império Acádio foi oO Império Acádio foi o
primeiro grande império daprimeiro grande império da
MesopotâmiaMesopotâmia
BABILÔNICOS ( AMORITAS)BABILÔNICOS ( AMORITAS)
BABILÔNICOSBABILÔNICOS
• Desenvolvimento da agricultura:Desenvolvimento da agricultura:
construção de grandes reservatórios econstrução de grandes reservatórios e
canais para a irrigaçãocanais para a irrigação
•Código de Hamurábi (282 artigos)Código de Hamurábi (282 artigos)
ASSÍRIOSASSÍRIOS
ASSÍRIOSASSÍRIOS
•Sociedade Guerreira eSociedade Guerreira e
militarizadamilitarizada
•Destroem 10 tribos de IsraelDestroem 10 tribos de Israel
(722 aC)(722 aC)
•Assurbanipal e SenaqueribeAssurbanipal e Senaqueribe
Pazuzu, demônioPazuzu, demônio
assírio da febre,assírio da febre,
estatueta deestatueta de
bronze do séculobronze do século
VII a.C. DessasVII a.C. Dessas
figuras assíriofiguras assírio
babilônicasbabilônicas
provêm asprovêm as
representaçõesrepresentações
judaico-cristãsjudaico-cristãs
do diabo.do diabo.
Cena de Batalha – Pintura AssíriaCena de Batalha – Pintura Assíria
CALDEUSCALDEUS
CALDEUSCALDEUS
•NeobabilônicosNeobabilônicos
•Cativeiro Hebreu naCativeiro Hebreu na
Babilônia (587 aC)Babilônia (587 aC)
•Nabucodonosor:Nabucodonosor:
desenvolveu o comérciodesenvolveu o comércio
•Dominação PersaDominação Persa
NabucodonossorNabucodonossor
Torre de BabelTorre de Babel
Jardins Suspensos da BabilôniaJardins Suspensos da Babilônia
• Seus deuses estavam relacionados com aSeus deuses estavam relacionados com a
natureza a guerra ou mesmo fertilidade.natureza a guerra ou mesmo fertilidade.
ReligiãoReligião
MARDUKMARDUK
ISHTARISHTAR
ASTARTEASTARTE
SHAMASHSHAMASH
Cabeça de touro dourada,
decorando a parte anterior
de uma lira de Ur, 2.600 a
2.400 a.C., em ouro sobre
madeira, com 29,5 cm. de
altura, conservada no
Museu do Iraque, em
Bagdad
Pazuzu, demônio assírio da febre, estatueta de bronze doPazuzu, demônio assírio da febre, estatueta de bronze do
século VII a.C. Dessas figuras assírio babilônicas provêmséculo VII a.C. Dessas figuras assírio babilônicas provêm
as representações judaico-cristãs do diabo.as representações judaico-cristãs do diabo.
CulturaCultura
•Religião PoliteístaReligião Politeísta
•Astrologia e Horóscopo (12 Signos)Astrologia e Horóscopo (12 Signos)
•MatemáticaMatemática
•Semana de 7 diasSemana de 7 dias
•Posição do NúmeroPosição do Número
•Divisão do dia em Horas, Minutos e SegundosDivisão do dia em Horas, Minutos e Segundos
•Divisão do Círculo em 360ºDivisão do Círculo em 360º
•MultiplicaçãoMultiplicação
•Templos, Palácios e ZiguratesTemplos, Palácios e Zigurates
Um ZigurateUm Zigurate
Torre de BabelTorre de Babel
Portal de Ishtar:Portal de Ishtar:
era a deusa dosera a deusa dos
acádiosacádios
Estátuas deEstátuas de
divindades eramdivindades eram
conduzidas atravésconduzidas através
do portal durante asdo portal durante as
procissões uma vezprocissões uma vez
por ano durante apor ano durante a
celebração do Anocelebração do Ano
Novo.Novo.
Ruínas do Palácio de Nabucodonosor (Caldeus)Ruínas do Palácio de Nabucodonosor (Caldeus)
Código de HamurábiCódigo de Hamurábi
Este código está grafadoEste código está grafado
num monólito talhado emnum monólito talhado em
rocha de diorito, sobre orocha de diorito, sobre o
qual se dispõem 46 colunasqual se dispõem 46 colunas
de escrita cuneiformede escrita cuneiforme
acádica. Seu local deacádica. Seu local de
origem era o templo doorigem era o templo do
deus babilônico Marduk,deus babilônico Marduk,
em Sippar, às margens doem Sippar, às margens do
rio Eufrates.rio Eufrates.
Lei do TaliãoLei do Talião
•Mais conhecida lei doMais conhecida lei do
Código de Hamurábi.Código de Hamurábi.
•ConhecidaConhecida
popularmente como:popularmente como:
““Dente por dente, olhoDente por dente, olho
por olhopor olho”.”.
Escrita Cuneirforme: era feita com argila ( barro)Escrita Cuneirforme: era feita com argila ( barro)
em moldes de madeira retangularesem moldes de madeira retangulares
Sua escrita eraSua escrita era
simples cadasimples cada
símbolosímbolo
representava algumrepresentava algum
objeto ou ser: deus,objeto ou ser: deus,
homens, animais,homens, animais,
palntas...palntas...
A escrita nãoA escrita não
possuía um alfabetopossuía um alfabeto
silábico ( como ossilábico ( como os
dos fenícios) oudos fenícios) ou
fonético ( como ofonético ( como o
dos egípcios).dos egípcios).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Dismael Sagás
 
1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america
Paulo Alexandre
 
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da MesopotâmiaPré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
Murilo Benevides
 
Reino de Kush (Cuxe)
Reino de Kush (Cuxe)Reino de Kush (Cuxe)
Reino de Kush (Cuxe)
Helloísa Clara
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
Janayna Lira
 
7°civilização cretense
7°civilização cretense7°civilização cretense
7°civilização cretense
Ajudar Pessoas
 
Sociedades africanas
Sociedades africanasSociedades africanas
Sociedades africanas
Vagner Roberto
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
Murilo Benevides
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
Ajudar Pessoas
 
A África antiga
A África antigaA África antiga
A África antiga
Ana Carvalho
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
O mundo islâmico
O mundo islâmicoO mundo islâmico
O mundo islâmico
Ramiro Bicca
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
Daniel Alves Bronstrup
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Egito 1
Egito 1Egito 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica - aula 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica  - aula 13°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica  - aula 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica - aula 1
Daniel Alves Bronstrup
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
Fábio Paiva
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
fernandacarolinestang
 
Primeiras Civilizações - Egito Antigo
Primeiras Civilizações - Egito AntigoPrimeiras Civilizações - Egito Antigo
Primeiras Civilizações - Egito Antigo
Diego Bian Filo Moreira
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
profbrenoazevedo
 

Mais procurados (20)

Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america1 os primeiros povos da america
1 os primeiros povos da america
 
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da MesopotâmiaPré-história e os Povos da Mesopotâmia
Pré-história e os Povos da Mesopotâmia
 
Reino de Kush (Cuxe)
Reino de Kush (Cuxe)Reino de Kush (Cuxe)
Reino de Kush (Cuxe)
 
Fenicios
FeniciosFenicios
Fenicios
 
7°civilização cretense
7°civilização cretense7°civilização cretense
7°civilização cretense
 
Sociedades africanas
Sociedades africanasSociedades africanas
Sociedades africanas
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
A África antiga
A África antigaA África antiga
A África antiga
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
O mundo islâmico
O mundo islâmicoO mundo islâmico
O mundo islâmico
 
1° ano E.M. - Antigo Egito
1° ano E.M. -  Antigo Egito1° ano E.M. -  Antigo Egito
1° ano E.M. - Antigo Egito
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Egito 1
Egito 1Egito 1
Egito 1
 
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica - aula 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica  - aula 13°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica  - aula 1
3°ano - Grécia Antiga - Antiguidade Clássica - aula 1
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Primeiras Civilizações - Egito Antigo
Primeiras Civilizações - Egito AntigoPrimeiras Civilizações - Egito Antigo
Primeiras Civilizações - Egito Antigo
 
Slide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 anoSlide feudalismo 7 ano
Slide feudalismo 7 ano
 

Destaque

Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Carlos Zaranza
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
Carlos Zaranza
 
Hebreus, Fencios e Persas
Hebreus, Fencios e PersasHebreus, Fencios e Persas
Hebreus, Fencios e Persas
Carlos Zaranza
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Carlos Zaranza
 
Desenrolando o Egito
Desenrolando o EgitoDesenrolando o Egito
Desenrolando o Egito
Carlos Zaranza
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francos
Carlos Zaranza
 
China antiga 1
China antiga 1China antiga 1
China antiga 1
Carlos Zaranza
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Carlos Zaranza
 
Origem Humana
Origem HumanaOrigem Humana
Origem Humana
Carlos Zaranza
 
Muralhasda china
Muralhasda chinaMuralhasda china
Muralhasda china
Carlos Zaranza
 
Iluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.comIluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.com
Carlos Zaranza
 
Grecia Antiga
Grecia Antiga Grecia Antiga
Grecia Antiga
Carlos Zaranza
 
Revolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismoRevolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismo
Carlos Zaranza
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
Carlos Zaranza
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
Carlos Zaranza
 
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
 Revolução Industrial - www.carloszaranza.com Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
Carlos Zaranza
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
Carlos Zaranza
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
Carlos Zaranza
 
Brasil imperio do Brasil - primeiro reinado
Brasil imperio do Brasil -  primeiro reinadoBrasil imperio do Brasil -  primeiro reinado
Brasil imperio do Brasil - primeiro reinado
Carlos Zaranza
 
Era napoleônica
Era napoleônica Era napoleônica
Era napoleônica
Carlos Zaranza
 

Destaque (20)

Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
America espanhola
America espanholaAmerica espanhola
America espanhola
 
Hebreus, Fencios e Persas
Hebreus, Fencios e PersasHebreus, Fencios e Persas
Hebreus, Fencios e Persas
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Desenrolando o Egito
Desenrolando o EgitoDesenrolando o Egito
Desenrolando o Egito
 
Império Carolíngio - os francos
Império Carolíngio -  os francosImpério Carolíngio -  os francos
Império Carolíngio - os francos
 
China antiga 1
China antiga 1China antiga 1
China antiga 1
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Origem Humana
Origem HumanaOrigem Humana
Origem Humana
 
Muralhasda china
Muralhasda chinaMuralhasda china
Muralhasda china
 
Iluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.comIluminismo - www.carloszaranza.com
Iluminismo - www.carloszaranza.com
 
Grecia Antiga
Grecia Antiga Grecia Antiga
Grecia Antiga
 
Revolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismoRevolução inglesa e absolutismo
Revolução inglesa e absolutismo
 
Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011Grecia antiga 2011
Grecia antiga 2011
 
Independência da América Espanhola
Independência da América EspanholaIndependência da América Espanhola
Independência da América Espanhola
 
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
 Revolução Industrial - www.carloszaranza.com Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
Revolução Industrial - www.carloszaranza.com
 
Revolução Francesa
Revolução Francesa Revolução Francesa
Revolução Francesa
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Brasil imperio do Brasil - primeiro reinado
Brasil imperio do Brasil -  primeiro reinadoBrasil imperio do Brasil -  primeiro reinado
Brasil imperio do Brasil - primeiro reinado
 
Era napoleônica
Era napoleônica Era napoleônica
Era napoleônica
 

Semelhante a Mesopotamia

Mesopotâmia fenícios persas_hebreus
Mesopotâmia fenícios persas_hebreusMesopotâmia fenícios persas_hebreus
Mesopotâmia fenícios persas_hebreus
Péricles Penuel
 
Mesopotmia
MesopotmiaMesopotmia
Mesopotmia
Kerol Brombal
 
Babilônia
BabilôniaBabilônia
História - Mesopotâmia
História - MesopotâmiaHistória - Mesopotâmia
História - Mesopotâmia
Adriana Andrade
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
Rodrigo Luiz
 
Antiguidade oriental 02
Antiguidade oriental 02Antiguidade oriental 02
Antiguidade oriental 02
Eduaardo Mendes
 
Antiguidade oriental mesopotâmia
Antiguidade oriental   mesopotâmiaAntiguidade oriental   mesopotâmia
Antiguidade oriental mesopotâmia
Gusfil
 
Ezequiel
EzequielEzequiel
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
Céu Barros
 
As Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações MesopotâmicasAs Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações Mesopotâmicas
João Medeiros
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
Karoline Oliveira
 
Cap. 03 hebreus, fenicios e persas
Cap. 03   hebreus, fenicios e persasCap. 03   hebreus, fenicios e persas
Cap. 03 hebreus, fenicios e persas
Evanildo Pitombeira
 
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e EgitoAula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Gerson Coppes
 
Antiguidade oriental 2016
Antiguidade oriental 2016Antiguidade oriental 2016
Antiguidade oriental 2016
Denis Gasco
 
Povos da Mesopotâmia.pdf
Povos da Mesopotâmia.pdfPovos da Mesopotâmia.pdf
Povos da Mesopotâmia.pdf
ssuserc718b5
 
Egitoantigo
EgitoantigoEgitoantigo
Egitoantigo
luzia Camilo lopes
 
Hebreus - Prof.Medeiros
Hebreus - Prof.MedeirosHebreus - Prof.Medeiros
Hebreus - Prof.Medeiros
João Medeiros
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
Valdemir França
 

Semelhante a Mesopotamia (20)

Mesopotâmia fenícios persas_hebreus
Mesopotâmia fenícios persas_hebreusMesopotâmia fenícios persas_hebreus
Mesopotâmia fenícios persas_hebreus
 
Mesopotmia
MesopotmiaMesopotmia
Mesopotmia
 
Babilônia
BabilôniaBabilônia
Babilônia
 
História - Mesopotâmia
História - MesopotâmiaHistória - Mesopotâmia
História - Mesopotâmia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
Antiguidade oriental 02
Antiguidade oriental 02Antiguidade oriental 02
Antiguidade oriental 02
 
Antiguidade oriental mesopotâmia
Antiguidade oriental   mesopotâmiaAntiguidade oriental   mesopotâmia
Antiguidade oriental mesopotâmia
 
Ezequiel
EzequielEzequiel
Ezequiel
 
Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
As Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações MesopotâmicasAs Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações Mesopotâmicas
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Cap. 03 hebreus, fenicios e persas
Cap. 03   hebreus, fenicios e persasCap. 03   hebreus, fenicios e persas
Cap. 03 hebreus, fenicios e persas
 
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e EgitoAula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
Aula 4 [1-2022] - Mesopotâmia e Egito
 
Antiguidade oriental 2016
Antiguidade oriental 2016Antiguidade oriental 2016
Antiguidade oriental 2016
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Povos da Mesopotâmia.pdf
Povos da Mesopotâmia.pdfPovos da Mesopotâmia.pdf
Povos da Mesopotâmia.pdf
 
Egitoantigo
EgitoantigoEgitoantigo
Egitoantigo
 
Hebreus - Prof.Medeiros
Hebreus - Prof.MedeirosHebreus - Prof.Medeiros
Hebreus - Prof.Medeiros
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 

Mais de Carlos Zaranza

O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiroO ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
Carlos Zaranza
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
Carlos Zaranza
 
Retrabalho Inove 2018
Retrabalho Inove 2018Retrabalho Inove 2018
Retrabalho Inove 2018
Carlos Zaranza
 
Sociedade mineradora
Sociedade mineradoraSociedade mineradora
Sociedade mineradora
Carlos Zaranza
 
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Carlos Zaranza
 
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistênciaAfricanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Carlos Zaranza
 
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
Carlos Zaranza
 
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
Carlos Zaranza
 
Revolução industrial texto de aprofundamento
Revolução industrial   texto de aprofundamentoRevolução industrial   texto de aprofundamento
Revolução industrial texto de aprofundamento
Carlos Zaranza
 
Revolução industrial texto de aprofundamento
Revolução industrial   texto de aprofundamentoRevolução industrial   texto de aprofundamento
Revolução industrial texto de aprofundamento
Carlos Zaranza
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisão
Carlos Zaranza
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito
Carlos Zaranza
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
Carlos Zaranza
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
Carlos Zaranza
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
Carlos Zaranza
 
Ariano Suassuna
Ariano SuassunaAriano Suassuna
Ariano Suassuna
Carlos Zaranza
 
Atividades diversificadas
Atividades diversificadasAtividades diversificadas
Atividades diversificadas
Carlos Zaranza
 
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sinteticoModernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
Carlos Zaranza
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
Carlos Zaranza
 
Semana de arte moderna 22
Semana de arte moderna 22Semana de arte moderna 22
Semana de arte moderna 22
Carlos Zaranza
 

Mais de Carlos Zaranza (20)

O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiroO ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
O ciclo do ouro durante o período colonial brasileiro
 
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiroO movimento abolicionista durante o império brasileiro
O movimento abolicionista durante o império brasileiro
 
Retrabalho Inove 2018
Retrabalho Inove 2018Retrabalho Inove 2018
Retrabalho Inove 2018
 
Sociedade mineradora
Sociedade mineradoraSociedade mineradora
Sociedade mineradora
 
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
Brasil - a marcha da colonização da América portuguesa 2016
 
Africanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistênciaAfricanos no Brasil - dominação e resistência
Africanos no Brasil - dominação e resistência
 
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas8 ano  2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
8 ano 2 tri P2 revisaço com gabarito discursivas
 
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
8o ano história 2 trimestre p2 revisaço sem gabarito
 
Revolução industrial texto de aprofundamento
Revolução industrial   texto de aprofundamentoRevolução industrial   texto de aprofundamento
Revolução industrial texto de aprofundamento
 
Revolução industrial texto de aprofundamento
Revolução industrial   texto de aprofundamentoRevolução industrial   texto de aprofundamento
Revolução industrial texto de aprofundamento
 
Revolução industrial atividade revisão
Revolução industrial   atividade revisãoRevolução industrial   atividade revisão
Revolução industrial atividade revisão
 
4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito4 bim ativ interventiva - gabarito
4 bim ativ interventiva - gabarito
 
História do cinema brasileiro - apostila
História do cinema brasileiro -  apostilaHistória do cinema brasileiro -  apostila
História do cinema brasileiro - apostila
 
Cinema brasileiro
Cinema brasileiroCinema brasileiro
Cinema brasileiro
 
História da Música Brasileira
História da Música BrasileiraHistória da Música Brasileira
História da Música Brasileira
 
Ariano Suassuna
Ariano SuassunaAriano Suassuna
Ariano Suassuna
 
Atividades diversificadas
Atividades diversificadasAtividades diversificadas
Atividades diversificadas
 
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sinteticoModernismo e suas gerações no brasil sintetico
Modernismo e suas gerações no brasil sintetico
 
Semana de 22 modernistas
Semana de 22   modernistasSemana de 22   modernistas
Semana de 22 modernistas
 
Semana de arte moderna 22
Semana de arte moderna 22Semana de arte moderna 22
Semana de arte moderna 22
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Mesopotamia

  • 1.
  • 3. O CRESCENTE FÉRTILO CRESCENTE FÉRTIL Berço das primeirasBerço das primeiras civilizações;civilizações; Atualmente engloba do IraqueAtualmente engloba do Iraque até Egito;até Egito; Presença de grandes rios;Presença de grandes rios; Terras férteisTerras férteis
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. Características da regiãoCaracterísticas da região • O nome, Mesopotâmia, doO nome, Mesopotâmia, do gregogrego,, significa “terra entre rios”- riossignifica “terra entre rios”- rios Tigre e Eufrates.Tigre e Eufrates. • O clima, em geral, era quente eO clima, em geral, era quente e seco (semi-árido).seco (semi-árido). • As inundações eram freqüentes eAs inundações eram freqüentes e fertilizavam o solo.fertilizavam o solo.
  • 9.
  • 10. Atualmente aAtualmente a antigaantiga MesopotâmiaMesopotâmia corresponde aocorresponde ao território doterritório do IraqueIraque, área, área conflituosa onde aconflituosa onde a disputa pelodisputa pelo petróleopetróleo causoucausou grandegrande devastação.devastação.
  • 11. Rio TigreRio Tigre Rio EufratesRio Eufrates
  • 12. Vida econômicaVida econômica • Basicamente agrária: sistemaBasicamente agrária: sistema de irrigação de canaisde irrigação de canais • Cultivavam cevada, linho,Cultivavam cevada, linho, lentilha, trigo…lentilha, trigo… • As terras pertenciam aoAs terras pertenciam ao governogoverno
  • 13. SociedadeSociedade • Patesi: era uma espécie de rei, tinha poderesPatesi: era uma espécie de rei, tinha poderes religiosos e políticos. Era o representante dosreligiosos e políticos. Era o representante dos deuses na terra.deuses na terra. • Sacerdotes e Guerreiros:Sacerdotes e Guerreiros: os primeiros responsáveis pela administraçãoos primeiros responsáveis pela administração e dos templos religiosos; os outros erame dos templos religiosos; os outros eram responsáveis por formar os grupos de guerra.responsáveis por formar os grupos de guerra. • Escravos e Camponeses: grupos deEscravos e Camponeses: grupos de trabalhadores que produziam para as cidadestrabalhadores que produziam para as cidades
  • 14. Estrutura SocialEstrutura Social Rei ( Patesi) (Altos Funcionários) Guerreiros, Comerciantes Camponeses Artesãos Escravos Sacerdotes
  • 15. PolíticaPolítica • Cada cidade tinha o seuCada cidade tinha o seu patesipatesi sem nenumasem nenuma interferência direta de outra cidade-estadointerferência direta de outra cidade-estado • Cada cidade escolhia suas próprias divindadesCada cidade escolhia suas próprias divindades • Cada cidade escolhia sua atividade econômica:Cada cidade escolhia sua atividade econômica: comércio, agricultura,pastoreio...comércio, agricultura,pastoreio... Cidade-EstadoCidade-Estado Possuíam autonomia política,Possuíam autonomia política, religiosa e econômica.religiosa e econômica.
  • 16. •SumériosSumérios •AcádiosAcádios •Babilônicos (Amoritas)Babilônicos (Amoritas) •AssíriosAssírios •Caldeus (Neobabilônicos)Caldeus (Neobabilônicos) PRINCIPAIS REINOS DAPRINCIPAIS REINOS DA MESOPOTÂMIAMESOPOTÂMIA
  • 17. NOMENOME DO POVODO POVO PRINCIPALPRINCIPAL LÍDERLÍDER CIDADESCIDADES PRINCIPAISPRINCIPAIS CARACTERÍSTICASCARACTERÍSTICAS MARCANTESMARCANTES SumériosSumérios Patesi (rei)Patesi (rei) (sem líder(sem líder marcante)marcante) Ur, Uruk,Ur, Uruk, Nippur,Nippur, Lagash, EriduLagash, Eridu Escrita cuneiforme;Escrita cuneiforme; Presença de ZiguratesPresença de Zigurates AcádiosAcádios Sargão ISargão I Idem aosIdem aos sumériossumérios Unificação;Unificação; AmoritasAmoritas HamurábiHamurábi BabilôniaBabilônia Código de HamurábiCódigo de Hamurábi AssíriosAssírios AssurbanipalAssurbanipal Assur, NíniveAssur, Nínive ViolênciaViolência CaldeusCaldeus NabucodonossorNabucodonossor BabilôniaBabilônia Conquistas territoriais;Conquistas territoriais; construções suntuosasconstruções suntuosas (Jardins Suspensos).(Jardins Suspensos).
  • 19. SUMÉRIOSSUMÉRIOS •Principais Cidades-Estado :Principais Cidades-Estado : Eridu, Ur, Uruk, Lagash,Eridu, Ur, Uruk, Lagash, Nipur...Nipur... •Surgimento da Escrita :Surgimento da Escrita : Cuneiforme (forma de cunha)Cuneiforme (forma de cunha)
  • 21. ACÁDIOSACÁDIOS • Os semitas da cidade de AcadOs semitas da cidade de Acad iniciaram o processo deiniciaram o processo de conquista da regiãoconquista da região • Sargão I foi o unificador dosSargão I foi o unificador dos povos da Mesopotâmiapovos da Mesopotâmia • O Império Acádio foi oO Império Acádio foi o primeiro grande império daprimeiro grande império da MesopotâmiaMesopotâmia
  • 23. BABILÔNICOSBABILÔNICOS • Desenvolvimento da agricultura:Desenvolvimento da agricultura: construção de grandes reservatórios econstrução de grandes reservatórios e canais para a irrigaçãocanais para a irrigação •Código de Hamurábi (282 artigos)Código de Hamurábi (282 artigos)
  • 25. ASSÍRIOSASSÍRIOS •Sociedade Guerreira eSociedade Guerreira e militarizadamilitarizada •Destroem 10 tribos de IsraelDestroem 10 tribos de Israel (722 aC)(722 aC) •Assurbanipal e SenaqueribeAssurbanipal e Senaqueribe
  • 26. Pazuzu, demônioPazuzu, demônio assírio da febre,assírio da febre, estatueta deestatueta de bronze do séculobronze do século VII a.C. DessasVII a.C. Dessas figuras assíriofiguras assírio babilônicasbabilônicas provêm asprovêm as representaçõesrepresentações judaico-cristãsjudaico-cristãs do diabo.do diabo.
  • 27. Cena de Batalha – Pintura AssíriaCena de Batalha – Pintura Assíria
  • 28.
  • 30. CALDEUSCALDEUS •NeobabilônicosNeobabilônicos •Cativeiro Hebreu naCativeiro Hebreu na Babilônia (587 aC)Babilônia (587 aC) •Nabucodonosor:Nabucodonosor: desenvolveu o comérciodesenvolveu o comércio •Dominação PersaDominação Persa
  • 33. Jardins Suspensos da BabilôniaJardins Suspensos da Babilônia
  • 34. • Seus deuses estavam relacionados com aSeus deuses estavam relacionados com a natureza a guerra ou mesmo fertilidade.natureza a guerra ou mesmo fertilidade. ReligiãoReligião
  • 37. Cabeça de touro dourada, decorando a parte anterior de uma lira de Ur, 2.600 a 2.400 a.C., em ouro sobre madeira, com 29,5 cm. de altura, conservada no Museu do Iraque, em Bagdad
  • 38. Pazuzu, demônio assírio da febre, estatueta de bronze doPazuzu, demônio assírio da febre, estatueta de bronze do século VII a.C. Dessas figuras assírio babilônicas provêmséculo VII a.C. Dessas figuras assírio babilônicas provêm as representações judaico-cristãs do diabo.as representações judaico-cristãs do diabo.
  • 39. CulturaCultura •Religião PoliteístaReligião Politeísta •Astrologia e Horóscopo (12 Signos)Astrologia e Horóscopo (12 Signos) •MatemáticaMatemática •Semana de 7 diasSemana de 7 dias •Posição do NúmeroPosição do Número •Divisão do dia em Horas, Minutos e SegundosDivisão do dia em Horas, Minutos e Segundos •Divisão do Círculo em 360ºDivisão do Círculo em 360º •MultiplicaçãoMultiplicação •Templos, Palácios e ZiguratesTemplos, Palácios e Zigurates
  • 42. Portal de Ishtar:Portal de Ishtar: era a deusa dosera a deusa dos acádiosacádios Estátuas deEstátuas de divindades eramdivindades eram conduzidas atravésconduzidas através do portal durante asdo portal durante as procissões uma vezprocissões uma vez por ano durante apor ano durante a celebração do Anocelebração do Ano Novo.Novo.
  • 43. Ruínas do Palácio de Nabucodonosor (Caldeus)Ruínas do Palácio de Nabucodonosor (Caldeus)
  • 44. Código de HamurábiCódigo de Hamurábi Este código está grafadoEste código está grafado num monólito talhado emnum monólito talhado em rocha de diorito, sobre orocha de diorito, sobre o qual se dispõem 46 colunasqual se dispõem 46 colunas de escrita cuneiformede escrita cuneiforme acádica. Seu local deacádica. Seu local de origem era o templo doorigem era o templo do deus babilônico Marduk,deus babilônico Marduk, em Sippar, às margens doem Sippar, às margens do rio Eufrates.rio Eufrates.
  • 45. Lei do TaliãoLei do Talião •Mais conhecida lei doMais conhecida lei do Código de Hamurábi.Código de Hamurábi. •ConhecidaConhecida popularmente como:popularmente como: ““Dente por dente, olhoDente por dente, olho por olhopor olho”.”.
  • 46. Escrita Cuneirforme: era feita com argila ( barro)Escrita Cuneirforme: era feita com argila ( barro) em moldes de madeira retangularesem moldes de madeira retangulares
  • 47.
  • 48.
  • 49.
  • 50. Sua escrita eraSua escrita era simples cadasimples cada símbolosímbolo representava algumrepresentava algum objeto ou ser: deus,objeto ou ser: deus, homens, animais,homens, animais, palntas...palntas... A escrita nãoA escrita não possuía um alfabetopossuía um alfabeto silábico ( como ossilábico ( como os dos fenícios) oudos fenícios) ou fonético ( como ofonético ( como o dos egípcios).dos egípcios).