SlideShare uma empresa Scribd logo
FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA

                                 Prof. Carlos Alberto G. de Almeida
                               Tutores: Luis Paulo Silveira Machado e
                                     Wagner Máximo de Oliveira

                                                       UFPB VIRTUAL


                                             3 de setembro de 2012




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 1 / 23
Introdução



   Neste material de apoio estudaremos os seguintes assuntos:
           A primeira Lei de Newton;
           A segunda Lei de Newton;
           Peso e terceira Lei de Newton.
   Apresentaremos aqui alguns Exercícios Resolvidos sobre os assuntos
   descritos acima, porém, é interessante que você estude antes a teoria
   no Livro de FÍSICA., na segunda unidade.

                                                   BOM ESTUDO!




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 2 / 23
DINÂMICA


   Na primeira unidade de nosso livro estudamos alguns conceitos
   utilizados na descrição do movimeto: posição, trajetória, velocidade e
   aceleracão. Tal estudo, como vimos, recebe o nome de Cinemática.
   Considerando por exemplo o caso do movimento retilíneo
   uniformemente variado, vimos que, conhecendo a posição e a
   velocidade iniciais de uma partícula, podemos obter a posição e a
   velocidade dessa partícula num instante futuro qualquer, desde que
   conheçamos também sua aceleração.
   Mas como obter essa aceleracão?
   O primeiro a oferecer uma resposta satisfatória a essa pergunta foi o
   inglês Isaac Newton, que para isso propôs uma série de leis de
   movimento, essas leis envolvem o conceito de força e, por isso, essa
   parte da Mecânica ficou conhecida pelo nome Dinâmica.


Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 3 / 23
DINÂMICA
   A primeira classe de forças é a formada pelas chamadas forças de
   contato. São forças que aparecem quando há contato entre corpos




                                                                             Figura: A pessoa está
   Figura: Ao chutar a bola, o jogador                                       aplicando uma força F sobre o
   exerce uma força F sobre ela.                                             carro ao empurrá-lo.
   A segunda classe de forças é formada pelas forças de ação a
   distância, são forças que ocorrem mesmo que os corpos não estejam
   em contato. Como exemplos podemos citar as forças gravitacional e
   magnética. Essas forças são chamadas de forças de campo.




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 4 / 23
A PRIMEIRA LEI DE NEWTON: LEI DA INÉRCIA


   A primeira lei do movimento, apresentada por Newton, tem o seguinte
   enunciado:

              Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de mo-
              vimento retilíneo uniforme, a menos que seja obrigado a
              mudar esse estado por forças aplicdas sobre ele.

   Desse modo, se nenhuma força atua sobre um corpo, estando ele em
   repouso, deverá permanecerem repouso. Para que o corpo saia do
   repouso, devemos aplicar sobre ele uma força. Se, depois de iniciado
   o movimento, retirarmos a força, o corpo deverá continuar em
   movimento retilíneo uniforme.



Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 5 / 23
A PRIMEIRA LEI DE NEWTON: LEI DA INÉRCIA
   Para Newton, os corpos possuem inércia, que consiste em poder
   resistir à mudança de seu estado de movimento. Isso significa que
   os corpos resistem à mudança de velocidade, isto é, para alterar a
   velocidade de um corpo é necessário aplicar uma força sobre ele.
   Devido a essa concepção, a Primeira Lei de Newton é conhecida pelo
   nome de Lei da Inércia.




   O exemplo mais simples, do ponto de vista da observação da inércia
   dos corpos, é aquele dos passageiros num veículo. Quando o veículo
   é brecado, os passageiros tendem a manter-se no seu estado de
   movimento.
Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 6 / 23
EXEMPLO

   Em nossas experiências diárias podemos ter a impressão de que a Lei
   da Inércia é falsa. Consideremos, por exemplo, a situação ilustrada na
   figura abaixo em que um homem dá uma empurrão em um bloco de
   madeira, sobre uma superfície horizontal também de madeira, sendo
   ν0 a velocidade com que o bloco abandona a mão do homem.




   Segundo a Lei da Inércia, desde que nenhuma força se oponha ao
   movimento do bloco, este deverá prosseguir eternamente em linha
   reta, com velocidade constante ν0 .

Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 7 / 23
CONTINUAÇÃO


   Porém, o que em geral se observa é que a velocidade do bloco vai
   diminuindo até atingir o repouso, percorrendo uma distância d. Isso
   ocorre porque há duas forças se opondo ao movimento do bloco: a
   força de atrito exercida pela superfície sobre o bloco (Fat ) e uma força
   de resistência exercida pelo ar (Far ).




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 8 / 23
CONTINUAÇÃO
   A força de atrito é causada principalmente pelo fato de tanto a
   superfície horizontal como o bloco serem ásperos. No entanto, se
   consiguirmos diminuir o atrito por meio de polimento e lubrificação do
   bloco e da superfíicie horizontal, observamos que, lançando-se
   novamente o bloco com a mesma velocidade inicial ν0 , até parar, ele
   percorrerá uma distância d > d. De acordo com a Lei da Inércia, se
   conseguíssemos eliminar completamente o atrito e a resistência do ar
   (fazendo a experiência no vácuo), o bloco deveria prosseguir
   indefinidamente com velocidade constante ν0 .




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL)                 9 / 23
SEGUNDA LEI DE NEWTON
   O que acontece quando um corpo eatá sob a ação de forças?
   Para responder a essa questão, Newton elaborou sua segunda lei,
   cujo o enunciado simplificado é o seguinte:
   Sendo F a resultante de todas as forças que atuam em um corpo, este
   deve ter uma aceleração a, proporcional a F, isto é, F = m · a, onde a
   constante de proporcionaliade m é a massa do corpo.
   Unidade de força
   No Sistema Internacional de Unidade (SI), a unidade de intensidade
   de força é o newton, cujo símbolo é N. Assim, considerando a
   equação F = m · a, temos:
                                                  F = m ·               a
                                                 1N         1 Kg     1 m/s2

   Portanto, se expressarmos a unidade newton em unidades de base do
   SI, teremos:
                            N = m · Kg · s−2
Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       10 / 23
EXERCÍCIO RESOLVIDO


   A figura abaixo representa a situação em que um bloco de massa
   m = 6 kg é puxado por um homem sobre uma superfície lisa e com
   uma força |F | = 3N. Desprezando a resistência do ar, vamos calcular
   a aceleração adquirida pelo bloco sob o efeito dessa força.




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       11 / 23
CONTINUAÇÃO


   Resolução:
   Supondo que não haja atrito com a superfície nem resistência do ar,
   podemos admitir que a resultante das forças que atuam no bloco é a
         →
         −
   força F exercida pelo homem, cuja intensidade é 3N. De acordo com
   a segunda Lei de Newton, temos:
            →
            −          →
                       −
           |F | = m · | a |


              3 N = (6 kg) · a
   Protanto:
                 3N
         a=           = 0, 5 m/s2
                 6 kg


Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       12 / 23
PESO E A TERCEIRA LEI DE NEWTON
   Em queda de corpos vimos que um corpo abandonado próximo à
   superfície da Terra, cai em movimento acelerado, então se existe
   aceleração, deve haver força. Portanto concluímos que a Terra atrai o
   corpo, isto é, a Terra exerce sobre o corpo uma força, que é
                                                    →
                                                    −
   denominada peso do corpo e representada por P . O peso tem a
   direção de uma reta que passa aproximadamente pelo centro da Terra
   e sentido para o centro dela.




                                      Figura: PA é o peso do corpo A.
Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       13 / 23
PESO E A TERCEIRA LEI DE NEWTON

   Abandonando-se um corpo de massa m acima da superfície terrestre,
   numa região onde se fez vácuo, a força resultante sobre o corpo é o
                →
                −
   próprio peso P . Assim, de acordo com a Segunda Lei de Newton,
   temos a seguinte correspondência:
                                        →
                                        −       →
                                                −    →
                                                     −       →
                                                             −
                                        F = m · a ⇐⇒ F = m · g
         →
         −
   onde g é a aceleração da gravidade.
   Exercício Resolvido:
   Ao nível do mar, a aceleração da gravidade é: gP = 9, 83 m/s2 no pólo
   Norte e gE = 9, 78 m/s2 no equador. Na Lua, a aceleração da
   gravidade é dada aproximadamente por gL = 1, 6 m/s2 .
   Considerenado um corpo de massa m = 100 kg, vamos calcular seu
   peso no pólo Norte, no equador e na Lua.

Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       14 / 23
CONTINUAÇÃO

   Resolução:
   Sendo P a intensidade do peso, temos:
           no pólo Norte: PP = m · gP = (100 kg) · (9, 83 m/s2 ) = 983 N
           no equador: PE = m · gE = (100 kg) · (9, 78 m/s2 ) = 978 N
           na Lua: PL = m · gL = (100 kg) · (1, 6 m/s2 ) = 160 N
   Ao ir de um local para outro, a a massa do corpo não mudou; o que
   mudou foi o seu peso, isto é, mudou a força de atração exercida sobre
   o corpo.
   OBSERVAÇÃO:
   Na lingauagem popular é comum as pessoas confundirem massa com
   peso. Frenquentemente ouvimos frases do tipo: "O meu peso é 80
   quilogramas". Porém, quilograma é unidade de massa, e não de
   peso. O peso é uma força e, assim, deve ser medido em unidades de
   força.

Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       15 / 23
PESO E A TERCEIRA LEI DE NEWTON
   A terceira Lei de Newton, também denominada Princípio da Ação e
   Reação, refere-se às forças trocadas entre corpos. Ela afirma que:
                                                      −→
   Se um corpo 1 exerce sobre um corpo 2 uma força F12 , então o corpo
                                               −→
   2 também exerce sobre o corpo 1 uma força F21 , de modo que essas
   duas forças tem o mesmo módulo, a mesma direção e sentido
   opostos, isto é,
                                 −→     −→
                                 F12 = −F21




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       16 / 23
EXERCÍCIO RESOLVIDO: Dois blocos A e B estão em contato e
  sobre uma mesa horizontal. Uma força F, horizontal, é aplicada
  ao bloco A.




  Seja FAB a intensidade da força que A exerce em B e FBA a
  intensidade da força que B exerce em A. Pode-se afirmar que:FAB
  1    FAB > FBA                         3   FAB = FBA                         5   FAB          FBA
  2    FAB < FBA                         4   FAB FBA



   Resolução: De acordo com o princípio da ação e reação, temos:
   FAB = FBA . Portanto a resposta é 3.
Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       17 / 23
EXERCÍCIO RESOLVIDO:Uma caixa está suspensa ao teto por
  meio de um fio AB. As forças que agem na caixa são o peso P e
  a força T, exercida pelo fio e que é chamada força de tração do
  fio.




  1    Onde está aplicada a força -T, reação da força T? Faça uma
       figura explicativa.
  2    Considerando o fio AB ideal, isto é, inextensível,
       perfeitamente flexível e de peso desprezível, represente a
       força que o teto exerce no ponto A do fio.


Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       18 / 23
CONTINUAÇÃO

   Resolução:
   1. A reação da força T que o fio exerce na caixa é a força -T que a
   caixa exerce no fio. A força -T está aplicada no ponto B do fio.
   2. Como o fio é ideal (Pfio = 0), concluímos que a força que o teto
   exerce no ponto A do fio é T para equilibrar a força -T exercida no
   ponto B pela caixa.




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       19 / 23
EXERCÍCIO RESOLVIDO:Na figura abaixo temos um bloco de
  massa m = 4, 0 kg apoiado sobre uma mesa perfeitamente lisa
  (sem atrito). Um menino puxa o bloco com a ajuda de um fio,
                                 →
                                 −
  exercendo uma força horizontal T de intensidade T = 12 N.
  Calcule a aceleração que o bloco adquire.




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       20 / 23
CONTINUAÇÃO
   Resolução:




                                                                      →
                                                                      −
   Nesse caso, na vertical só há duas forças atuando no bloco: o peso P
                    −
                    →
   e a força normal FN . Como na vertical não há movimento, as forças
   devem se cancelar. Adotando g = 10 m/s2 , temos:
                FN = P = m · g = (4, 0 kg) · (10 m/s2 ) = 40 N
                                                →
                                                −
   Portanto, a força resultante sobre o bloco é T :
   T = m · a =⇒ 12 = (4, 0) · a ∴ a = 3, 0 m/s2 .
                                                   a = 3, 0 m/s2
Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       21 / 23
BIBLIOGRAFIA UTILIZADA




           Curso de Física básica - vol 1. Nussenzveig, Herch Moysés - 4.
           ed. - São Paulo: Blucher, 2002.
           Física básica: Mecânica. Chaves, Alaor, Sampaio, J.F. - Rio de
           Janeiro: LTC, 2007.
           Física 1: mecânica. Luiz, Adir M. - São Paulo: Editora Livraria da
           Física, 2006.
           Física: volume único. Calçada, Caio Sérgio, Smpaio, José Luiz -
           2. ed. - São Paulo: Atual, 2008.




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       22 / 23
OBSERVAÇÕES:



           Caros alunos e alunas, é de extrema importância que vocês não
           acumulem dúvidas e procurem, dessa forma, estarem em dia com
           o conteúdo.
           Sugerimos que estudem os conteúdos apresentados nesta
           semana, e coloquem as dúvidas que tiverem no fórum da
           semana, para que possamos esclarecê-las.
           O assunto exposto acima servirá de suporte durante todo o curso.
           Portanto aproveitem este material!

                                ÓTIMA SEMANA E BOM ESTUDO!




Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL)
                                             FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012       23 / 23

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

11 dinâmica - introdução
11  dinâmica - introdução11  dinâmica - introdução
11 dinâmica - introdução
Bruno De Siqueira Costa
 
Dinamica leis fundamentais
Dinamica leis fundamentaisDinamica leis fundamentais
Dinamica leis fundamentais
Marines Adiers Alves Pereira
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Fernando Lucas
 
Física PROF. Silveira
Física   PROF. Silveira Física   PROF. Silveira
Física PROF. Silveira
Pré-Enem Seduc
 
As leis de newton pronto
As leis de newton prontoAs leis de newton pronto
As leis de newton pronto
yaragessica
 
Dinãmica- Leis de Newton
Dinãmica- Leis de NewtonDinãmica- Leis de Newton
Dinãmica- Leis de Newton
Roberto Oliveira
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
fisicaatual
 
Física leis de newton
Física   leis de newtonFísica   leis de newton
Física leis de newton
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Cap09 p leis newton
Cap09 p leis newtonCap09 p leis newton
Cap09 p leis newton
Ulisses Porto
 
DinâMica(FíSica)
DinâMica(FíSica)DinâMica(FíSica)
DinâMica(FíSica)
guest2cd2c2
 
Força e Movimento
Força e MovimentoForça e Movimento
Força e Movimento
Michelle Miranda
 
Leis de newton slide-gizelda
Leis de newton   slide-gizeldaLeis de newton   slide-gizelda
Leis de newton slide-gizelda
Gizelda
 
Terceira lei de newton
Terceira lei de newtonTerceira lei de newton
Terceira lei de newton
mateusms96
 
413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius
afpinto
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
Adrianne Mendonça
 
Aula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof Elvis
Aula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof ElvisAula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof Elvis
Aula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof Elvis
Elvis Soares
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
Felipe Menegotto
 
Fisica Profº Franklin
Fisica Profº FranklinFisica Profº Franklin
Fisica Profº Franklin
Pré-Enem Seduc
 
Energia fisica 10 ano
Energia fisica 10 anoEnergia fisica 10 ano
Energia fisica 10 ano
Maria De Fatima Maria Rodrigues
 

Mais procurados (19)

11 dinâmica - introdução
11  dinâmica - introdução11  dinâmica - introdução
11 dinâmica - introdução
 
Dinamica leis fundamentais
Dinamica leis fundamentaisDinamica leis fundamentais
Dinamica leis fundamentais
 
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batistaForca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
Forca e movimento_-_prof._wagner_roberto_batista
 
Física PROF. Silveira
Física   PROF. Silveira Física   PROF. Silveira
Física PROF. Silveira
 
As leis de newton pronto
As leis de newton prontoAs leis de newton pronto
As leis de newton pronto
 
Dinãmica- Leis de Newton
Dinãmica- Leis de NewtonDinãmica- Leis de Newton
Dinãmica- Leis de Newton
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Física leis de newton
Física   leis de newtonFísica   leis de newton
Física leis de newton
 
Cap09 p leis newton
Cap09 p leis newtonCap09 p leis newton
Cap09 p leis newton
 
DinâMica(FíSica)
DinâMica(FíSica)DinâMica(FíSica)
DinâMica(FíSica)
 
Força e Movimento
Força e MovimentoForça e Movimento
Força e Movimento
 
Leis de newton slide-gizelda
Leis de newton   slide-gizeldaLeis de newton   slide-gizelda
Leis de newton slide-gizelda
 
Terceira lei de newton
Terceira lei de newtonTerceira lei de newton
Terceira lei de newton
 
413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius413 apostila ita_dinamica_vinicius
413 apostila ita_dinamica_vinicius
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
 
Aula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof Elvis
Aula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof ElvisAula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof Elvis
Aula 7 - Energia - Física - PVSJ - Prof Elvis
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
Fisica Profº Franklin
Fisica Profº FranklinFisica Profº Franklin
Fisica Profº Franklin
 
Energia fisica 10 ano
Energia fisica 10 anoEnergia fisica 10 ano
Energia fisica 10 ano
 

Destaque

Limites - Matemática
Limites - MatemáticaLimites - Matemática
Limites - Matemática
Matheus Ramos
 
Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...
Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...
Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...
MarcelloSantosChaves
 
Limites exercicios
Limites exerciciosLimites exercicios
Limites exercicios
Sergio Finamore
 
Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)
Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)
Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)
Gi Olli
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
Everton Moraes
 
Aula 01 limites e continuidade
Aula 01   limites e continuidadeAula 01   limites e continuidade
Cálculo 1 - Limites
Cálculo 1 - LimitesCálculo 1 - Limites
Cálculo 1 - Limites
Amanda Saito
 
Aula 02 Cálculo de limites - Conceitos Básicos
Aula 02   Cálculo de limites - Conceitos BásicosAula 02   Cálculo de limites - Conceitos Básicos

Destaque (8)

Limites - Matemática
Limites - MatemáticaLimites - Matemática
Limites - Matemática
 
Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...
Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...
Profº. Marcelo Santos Chaves - Cálculo I (Limites e Continuidades) - Exercíci...
 
Limites exercicios
Limites exerciciosLimites exercicios
Limites exercicios
 
Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)
Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)
Exercicios-resolvidos-de-calculo-i (1)
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Aula 01 limites e continuidade
Aula 01   limites e continuidadeAula 01   limites e continuidade
Aula 01 limites e continuidade
 
Cálculo 1 - Limites
Cálculo 1 - LimitesCálculo 1 - Limites
Cálculo 1 - Limites
 
Aula 02 Cálculo de limites - Conceitos Básicos
Aula 02   Cálculo de limites - Conceitos BásicosAula 02   Cálculo de limites - Conceitos Básicos
Aula 02 Cálculo de limites - Conceitos Básicos
 

Semelhante a Mecanica5

as-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newton
as-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newtonas-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newton
as-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newton
ssuser2b53fe
 
AS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICA
AS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICAAS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICA
AS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICA
MarcellusPinheiro1
 
1594605306QixYENV2.ppt
1594605306QixYENV2.ppt1594605306QixYENV2.ppt
1594605306QixYENV2.ppt
EdilenedosSantosSilv1
 
. Só física - leis de newton_.
.   Só física - leis de newton_..   Só física - leis de newton_.
. Só física - leis de newton_.
Evandro Augusto Tóffuli
 
Lei da inércia e ação e reação.pptx
Lei da inércia e ação e reação.pptxLei da inércia e ação e reação.pptx
Lei da inércia e ação e reação.pptx
LuizAntnioDosSantos3
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
leonardoenginer
 
Leis de Newton 1ª e 2ª Lei.pptx
Leis de Newton 1ª e  2ª Lei.pptxLeis de Newton 1ª e  2ª Lei.pptx
Leis de Newton 1ª e 2ª Lei.pptx
ricardosantossilva4
 
Leis de Newton - Slide.pptx
Leis de Newton - Slide.pptxLeis de Newton - Slide.pptx
Leis de Newton - Slide.pptx
JonathasAureliano1
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
Daniela F Almenara
 
As leis de Newton.pptx
As leis de Newton.pptxAs leis de Newton.pptx
As leis de Newton.pptx
Arminda Almeida da Rosa
 
As leis de Newtonijjk.pptx
As leis de Newtonijjk.pptxAs leis de Newtonijjk.pptx
As leis de Newtonijjk.pptx
ricardosantossilva4
 
Aula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de NewtonAula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de Newton
Editora Moderna
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
Bruno Gorzoni
 
Mecanica8
Mecanica8Mecanica8
Mecanica8
Carlos Almeida
 
Aula-5.pdf
Aula-5.pdfAula-5.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdfAuladocap05 LeisdeNewton.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdf
MarinaldoRodrigues8
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
Antonio Carneiro
 
Leis Newton
Leis NewtonLeis Newton
Leis Newton
Carlos Castro
 
Leis Newton
Leis NewtonLeis Newton
Leis Newton
guestbf5561
 
AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...
AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...
AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...
MarcosOntonio
 

Semelhante a Mecanica5 (20)

as-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newton
as-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newtonas-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newton
as-leis-de-newton-9-ano-ii.pptx leis de newton
 
AS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICA
AS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICAAS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICA
AS LEIS DE NEWTON UM BREVE RESUMO SOBRE AS LEIS QUE MUDARAM O MUNDO DA MECÂNICA
 
1594605306QixYENV2.ppt
1594605306QixYENV2.ppt1594605306QixYENV2.ppt
1594605306QixYENV2.ppt
 
. Só física - leis de newton_.
.   Só física - leis de newton_..   Só física - leis de newton_.
. Só física - leis de newton_.
 
Lei da inércia e ação e reação.pptx
Lei da inércia e ação e reação.pptxLei da inércia e ação e reação.pptx
Lei da inércia e ação e reação.pptx
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
 
Leis de Newton 1ª e 2ª Lei.pptx
Leis de Newton 1ª e  2ª Lei.pptxLeis de Newton 1ª e  2ª Lei.pptx
Leis de Newton 1ª e 2ª Lei.pptx
 
Leis de Newton - Slide.pptx
Leis de Newton - Slide.pptxLeis de Newton - Slide.pptx
Leis de Newton - Slide.pptx
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
As leis de Newton.pptx
As leis de Newton.pptxAs leis de Newton.pptx
As leis de Newton.pptx
 
As leis de Newtonijjk.pptx
As leis de Newtonijjk.pptxAs leis de Newtonijjk.pptx
As leis de Newtonijjk.pptx
 
Aula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de NewtonAula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de Newton
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 
Mecanica8
Mecanica8Mecanica8
Mecanica8
 
Aula-5.pdf
Aula-5.pdfAula-5.pdf
Aula-5.pdf
 
Auladocap05 LeisdeNewton.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdfAuladocap05 LeisdeNewton.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdf
 
Leis newton
Leis newtonLeis newton
Leis newton
 
Leis Newton
Leis NewtonLeis Newton
Leis Newton
 
Leis Newton
Leis NewtonLeis Newton
Leis Newton
 
AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...
AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...
AULA 1º SERIE CEMVS (ALUNO) PARTE 1 - 3º BIM DINAMICA - LEIS DE NEWTON 15 08 ...
 

Mais de Carlos Almeida

Conjunto3
Conjunto3Conjunto3
Conjunto3
Carlos Almeida
 
Conjunto2
Conjunto2Conjunto2
Conjunto2
Carlos Almeida
 
Conjunto1
Conjunto1Conjunto1
Conjunto1
Carlos Almeida
 
A3 me
A3 meA3 me
A2 me
A2 meA2 me
A1 me
A1 meA1 me
Mecanica9
Mecanica9Mecanica9
Mecanica9
Carlos Almeida
 
Mecanica1
Mecanica1Mecanica1
Mecanica1
Carlos Almeida
 
Mecanica7
Mecanica7Mecanica7
Mecanica7
Carlos Almeida
 
Mecanica6
Mecanica6Mecanica6
Mecanica6
Carlos Almeida
 
Mecanica3
Mecanica3Mecanica3
Mecanica3
Carlos Almeida
 
Mecanica2
Mecanica2Mecanica2
Mecanica2
Carlos Almeida
 
Mecanica4
Mecanica4Mecanica4
Mecanica4
Carlos Almeida
 

Mais de Carlos Almeida (13)

Conjunto3
Conjunto3Conjunto3
Conjunto3
 
Conjunto2
Conjunto2Conjunto2
Conjunto2
 
Conjunto1
Conjunto1Conjunto1
Conjunto1
 
A3 me
A3 meA3 me
A3 me
 
A2 me
A2 meA2 me
A2 me
 
A1 me
A1 meA1 me
A1 me
 
Mecanica9
Mecanica9Mecanica9
Mecanica9
 
Mecanica1
Mecanica1Mecanica1
Mecanica1
 
Mecanica7
Mecanica7Mecanica7
Mecanica7
 
Mecanica6
Mecanica6Mecanica6
Mecanica6
 
Mecanica3
Mecanica3Mecanica3
Mecanica3
 
Mecanica2
Mecanica2Mecanica2
Mecanica2
 
Mecanica4
Mecanica4Mecanica4
Mecanica4
 

Mecanica5

  • 1. FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA Prof. Carlos Alberto G. de Almeida Tutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira UFPB VIRTUAL 3 de setembro de 2012 Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 1 / 23
  • 2. Introdução Neste material de apoio estudaremos os seguintes assuntos: A primeira Lei de Newton; A segunda Lei de Newton; Peso e terceira Lei de Newton. Apresentaremos aqui alguns Exercícios Resolvidos sobre os assuntos descritos acima, porém, é interessante que você estude antes a teoria no Livro de FÍSICA., na segunda unidade. BOM ESTUDO! Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 2 / 23
  • 3. DINÂMICA Na primeira unidade de nosso livro estudamos alguns conceitos utilizados na descrição do movimeto: posição, trajetória, velocidade e aceleracão. Tal estudo, como vimos, recebe o nome de Cinemática. Considerando por exemplo o caso do movimento retilíneo uniformemente variado, vimos que, conhecendo a posição e a velocidade iniciais de uma partícula, podemos obter a posição e a velocidade dessa partícula num instante futuro qualquer, desde que conheçamos também sua aceleração. Mas como obter essa aceleracão? O primeiro a oferecer uma resposta satisfatória a essa pergunta foi o inglês Isaac Newton, que para isso propôs uma série de leis de movimento, essas leis envolvem o conceito de força e, por isso, essa parte da Mecânica ficou conhecida pelo nome Dinâmica. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 3 / 23
  • 4. DINÂMICA A primeira classe de forças é a formada pelas chamadas forças de contato. São forças que aparecem quando há contato entre corpos Figura: A pessoa está Figura: Ao chutar a bola, o jogador aplicando uma força F sobre o exerce uma força F sobre ela. carro ao empurrá-lo. A segunda classe de forças é formada pelas forças de ação a distância, são forças que ocorrem mesmo que os corpos não estejam em contato. Como exemplos podemos citar as forças gravitacional e magnética. Essas forças são chamadas de forças de campo. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 4 / 23
  • 5. A PRIMEIRA LEI DE NEWTON: LEI DA INÉRCIA A primeira lei do movimento, apresentada por Newton, tem o seguinte enunciado: Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de mo- vimento retilíneo uniforme, a menos que seja obrigado a mudar esse estado por forças aplicdas sobre ele. Desse modo, se nenhuma força atua sobre um corpo, estando ele em repouso, deverá permanecerem repouso. Para que o corpo saia do repouso, devemos aplicar sobre ele uma força. Se, depois de iniciado o movimento, retirarmos a força, o corpo deverá continuar em movimento retilíneo uniforme. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 5 / 23
  • 6. A PRIMEIRA LEI DE NEWTON: LEI DA INÉRCIA Para Newton, os corpos possuem inércia, que consiste em poder resistir à mudança de seu estado de movimento. Isso significa que os corpos resistem à mudança de velocidade, isto é, para alterar a velocidade de um corpo é necessário aplicar uma força sobre ele. Devido a essa concepção, a Primeira Lei de Newton é conhecida pelo nome de Lei da Inércia. O exemplo mais simples, do ponto de vista da observação da inércia dos corpos, é aquele dos passageiros num veículo. Quando o veículo é brecado, os passageiros tendem a manter-se no seu estado de movimento. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 6 / 23
  • 7. EXEMPLO Em nossas experiências diárias podemos ter a impressão de que a Lei da Inércia é falsa. Consideremos, por exemplo, a situação ilustrada na figura abaixo em que um homem dá uma empurrão em um bloco de madeira, sobre uma superfície horizontal também de madeira, sendo ν0 a velocidade com que o bloco abandona a mão do homem. Segundo a Lei da Inércia, desde que nenhuma força se oponha ao movimento do bloco, este deverá prosseguir eternamente em linha reta, com velocidade constante ν0 . Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 7 / 23
  • 8. CONTINUAÇÃO Porém, o que em geral se observa é que a velocidade do bloco vai diminuindo até atingir o repouso, percorrendo uma distância d. Isso ocorre porque há duas forças se opondo ao movimento do bloco: a força de atrito exercida pela superfície sobre o bloco (Fat ) e uma força de resistência exercida pelo ar (Far ). Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 8 / 23
  • 9. CONTINUAÇÃO A força de atrito é causada principalmente pelo fato de tanto a superfície horizontal como o bloco serem ásperos. No entanto, se consiguirmos diminuir o atrito por meio de polimento e lubrificação do bloco e da superfíicie horizontal, observamos que, lançando-se novamente o bloco com a mesma velocidade inicial ν0 , até parar, ele percorrerá uma distância d > d. De acordo com a Lei da Inércia, se conseguíssemos eliminar completamente o atrito e a resistência do ar (fazendo a experiência no vácuo), o bloco deveria prosseguir indefinidamente com velocidade constante ν0 . Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira de setembro de 2012 FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 (UFPB VIRTUAL) 9 / 23
  • 10. SEGUNDA LEI DE NEWTON O que acontece quando um corpo eatá sob a ação de forças? Para responder a essa questão, Newton elaborou sua segunda lei, cujo o enunciado simplificado é o seguinte: Sendo F a resultante de todas as forças que atuam em um corpo, este deve ter uma aceleração a, proporcional a F, isto é, F = m · a, onde a constante de proporcionaliade m é a massa do corpo. Unidade de força No Sistema Internacional de Unidade (SI), a unidade de intensidade de força é o newton, cujo símbolo é N. Assim, considerando a equação F = m · a, temos: F = m · a 1N 1 Kg 1 m/s2 Portanto, se expressarmos a unidade newton em unidades de base do SI, teremos: N = m · Kg · s−2 Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 10 / 23
  • 11. EXERCÍCIO RESOLVIDO A figura abaixo representa a situação em que um bloco de massa m = 6 kg é puxado por um homem sobre uma superfície lisa e com uma força |F | = 3N. Desprezando a resistência do ar, vamos calcular a aceleração adquirida pelo bloco sob o efeito dessa força. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 11 / 23
  • 12. CONTINUAÇÃO Resolução: Supondo que não haja atrito com a superfície nem resistência do ar, podemos admitir que a resultante das forças que atuam no bloco é a → − força F exercida pelo homem, cuja intensidade é 3N. De acordo com a segunda Lei de Newton, temos: → − → − |F | = m · | a | 3 N = (6 kg) · a Protanto: 3N a= = 0, 5 m/s2 6 kg Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 12 / 23
  • 13. PESO E A TERCEIRA LEI DE NEWTON Em queda de corpos vimos que um corpo abandonado próximo à superfície da Terra, cai em movimento acelerado, então se existe aceleração, deve haver força. Portanto concluímos que a Terra atrai o corpo, isto é, a Terra exerce sobre o corpo uma força, que é → − denominada peso do corpo e representada por P . O peso tem a direção de uma reta que passa aproximadamente pelo centro da Terra e sentido para o centro dela. Figura: PA é o peso do corpo A. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 13 / 23
  • 14. PESO E A TERCEIRA LEI DE NEWTON Abandonando-se um corpo de massa m acima da superfície terrestre, numa região onde se fez vácuo, a força resultante sobre o corpo é o → − próprio peso P . Assim, de acordo com a Segunda Lei de Newton, temos a seguinte correspondência: → − → − → − → − F = m · a ⇐⇒ F = m · g → − onde g é a aceleração da gravidade. Exercício Resolvido: Ao nível do mar, a aceleração da gravidade é: gP = 9, 83 m/s2 no pólo Norte e gE = 9, 78 m/s2 no equador. Na Lua, a aceleração da gravidade é dada aproximadamente por gL = 1, 6 m/s2 . Considerenado um corpo de massa m = 100 kg, vamos calcular seu peso no pólo Norte, no equador e na Lua. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 14 / 23
  • 15. CONTINUAÇÃO Resolução: Sendo P a intensidade do peso, temos: no pólo Norte: PP = m · gP = (100 kg) · (9, 83 m/s2 ) = 983 N no equador: PE = m · gE = (100 kg) · (9, 78 m/s2 ) = 978 N na Lua: PL = m · gL = (100 kg) · (1, 6 m/s2 ) = 160 N Ao ir de um local para outro, a a massa do corpo não mudou; o que mudou foi o seu peso, isto é, mudou a força de atração exercida sobre o corpo. OBSERVAÇÃO: Na lingauagem popular é comum as pessoas confundirem massa com peso. Frenquentemente ouvimos frases do tipo: "O meu peso é 80 quilogramas". Porém, quilograma é unidade de massa, e não de peso. O peso é uma força e, assim, deve ser medido em unidades de força. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 15 / 23
  • 16. PESO E A TERCEIRA LEI DE NEWTON A terceira Lei de Newton, também denominada Princípio da Ação e Reação, refere-se às forças trocadas entre corpos. Ela afirma que: −→ Se um corpo 1 exerce sobre um corpo 2 uma força F12 , então o corpo −→ 2 também exerce sobre o corpo 1 uma força F21 , de modo que essas duas forças tem o mesmo módulo, a mesma direção e sentido opostos, isto é, −→ −→ F12 = −F21 Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 16 / 23
  • 17. EXERCÍCIO RESOLVIDO: Dois blocos A e B estão em contato e sobre uma mesa horizontal. Uma força F, horizontal, é aplicada ao bloco A. Seja FAB a intensidade da força que A exerce em B e FBA a intensidade da força que B exerce em A. Pode-se afirmar que:FAB 1 FAB > FBA 3 FAB = FBA 5 FAB FBA 2 FAB < FBA 4 FAB FBA Resolução: De acordo com o princípio da ação e reação, temos: FAB = FBA . Portanto a resposta é 3. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 17 / 23
  • 18. EXERCÍCIO RESOLVIDO:Uma caixa está suspensa ao teto por meio de um fio AB. As forças que agem na caixa são o peso P e a força T, exercida pelo fio e que é chamada força de tração do fio. 1 Onde está aplicada a força -T, reação da força T? Faça uma figura explicativa. 2 Considerando o fio AB ideal, isto é, inextensível, perfeitamente flexível e de peso desprezível, represente a força que o teto exerce no ponto A do fio. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 18 / 23
  • 19. CONTINUAÇÃO Resolução: 1. A reação da força T que o fio exerce na caixa é a força -T que a caixa exerce no fio. A força -T está aplicada no ponto B do fio. 2. Como o fio é ideal (Pfio = 0), concluímos que a força que o teto exerce no ponto A do fio é T para equilibrar a força -T exercida no ponto B pela caixa. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 19 / 23
  • 20. EXERCÍCIO RESOLVIDO:Na figura abaixo temos um bloco de massa m = 4, 0 kg apoiado sobre uma mesa perfeitamente lisa (sem atrito). Um menino puxa o bloco com a ajuda de um fio, → − exercendo uma força horizontal T de intensidade T = 12 N. Calcule a aceleração que o bloco adquire. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 20 / 23
  • 21. CONTINUAÇÃO Resolução: → − Nesse caso, na vertical só há duas forças atuando no bloco: o peso P − → e a força normal FN . Como na vertical não há movimento, as forças devem se cancelar. Adotando g = 10 m/s2 , temos: FN = P = m · g = (4, 0 kg) · (10 m/s2 ) = 40 N → − Portanto, a força resultante sobre o bloco é T : T = m · a =⇒ 12 = (4, 0) · a ∴ a = 3, 0 m/s2 . a = 3, 0 m/s2 Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 21 / 23
  • 22. BIBLIOGRAFIA UTILIZADA Curso de Física básica - vol 1. Nussenzveig, Herch Moysés - 4. ed. - São Paulo: Blucher, 2002. Física básica: Mecânica. Chaves, Alaor, Sampaio, J.F. - Rio de Janeiro: LTC, 2007. Física 1: mecânica. Luiz, Adir M. - São Paulo: Editora Livraria da Física, 2006. Física: volume único. Calçada, Caio Sérgio, Smpaio, José Luiz - 2. ed. - São Paulo: Atual, 2008. Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 22 / 23
  • 23. OBSERVAÇÕES: Caros alunos e alunas, é de extrema importância que vocês não acumulem dúvidas e procurem, dessa forma, estarem em dia com o conteúdo. Sugerimos que estudem os conteúdos apresentados nesta semana, e coloquem as dúvidas que tiverem no fórum da semana, para que possamos esclarecê-las. O assunto exposto acima servirá de suporte durante todo o curso. Portanto aproveitem este material! ÓTIMA SEMANA E BOM ESTUDO! Prof. Carlos Alberto G. de AlmeidaTutores: Luis Paulo Silveira Machado e Wagner Máximo de Oliveira (UFPB VIRTUAL) FÍSICA PARA CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - DINÂMICA 3 de setembro de 2012 23 / 23