SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Governo do Estado de Rondônia
               Secretaria de Estado da Educação – SEDUC
                E.E.E.F.M. Cel. Aluízio Pinheiro Ferreira
                          Rolim de Moura – RO




        Leis de
        Newton
Profª.: Daniela Fontana Almenara         Clique na imagem acima
                                             e assista ao vídeo
                                                 sugerido
Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton




 Somos atirados contra o assento, quando, um ônibus

 (bicicleta, carro, etc) arranca de repente e inicia o seu movimento   .
Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton




Um cavaleiro é atirado para a frente
quando o cavalo para de repente.
Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton




   Tanto o condutor como o veículo movem-se com a mesma
    velocidade.
   A força foi exercida sobre o veículo e não sobre o condutor.



    O condutor é projetado para a frente, tende
    a manter a velocidade que trazia, pois
    nenhuma força atuou sobre ele.
Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton

    Quando o conjunto de forças que atuam
    num corpo é nula, se o corpo está em
    repouso continua em repouso, se está em
    movimento continua com a velocidade que
    trazia.
   O que é a Inércia?
   Chama-se inércia à oposição que qualquer corpo
    oferece à alteração da sua velocidade.

   A massa de um corpo determina a sua inércia:
    quanto maior é a massa de um corpo, mais difícil
    se torna alterar a sua velocidade.
A inércia e a lei da inércia
   Existe na natureza uma tendência de não se alterar o estado de
    movimento de uma partícula, isto é, uma partícula em repouso
    tende naturalmente a permanecer em repouso e uma partícula
    com velocidade constante tende a manter a sua velocidade
    constante.
   Essa tendência natural de tudo permanecer como está é
    conhecida como inércia. No caso da Mecânica, essa
    observação a respeito do comportamento da natureza levou
    Newton a enunciar a sua famosa Lei da Inércia, que diz:


 "Qualquer corpo em movimento retilíneo e
  uniforme           (ou         em repouso)
  tende a manter-se em movimento retilíneo e
  uniforme (ou em repouso)."
 Esta é a primeira Lei de Newton.
A inércia pode ser pensada como uma propriedade
inata da matéria. Trata-se de um poder de
resistir, mediante o qual cada corpo, no que depender
de si, continua no seu estado presente, seja de repouso
seja      em    movimento     retilíneo  e     uniforme.
Lei fundamental da dinâmica
      2ª Lei de Newton
A 2ª lei de Newton
   A segunda lei de Newton é a lei fundamental da Mecânica. A
    partir dela e através de métodos matemáticos, podemos fazer
    previsões (velocidade e posição, por exemplo) sobre o
    movimento                       dos                      corpos.
    Qualquer alteração da velocidade de uma partícula é
    atribuída, sempre, a um agente denominado força.
   Basicamente, o que produz mudanças na velocidade são forças
    que agem sobre a partícula. Como a variação de velocidade
    indica a existência de aceleração, é de se esperar que haja uma
    relação entre a força e a aceleração. De fato, Sir Isaac Newton
    percebeu que existe uma relação muito simples entre força e
    aceleração, isto é, a força é sempre diretamente proporcional à
    aceleração que ela provoca:
Lei fundamental da dinâmica –
       2ª Lei de Newton
Lei fundamental da dinâmica –
         2ª Lei de Newton


Sempre que num corpo atua um conjunto
de forças cuja resultante não é nula, a
força    resultante     é    diretamente
proporcional à aceleração adquirida.

        Fr = m x a
      Força      Massa
    resultante   (kg) Aceleração
       (N)
                       (m/s2)
Exemplo 1
Exemplo 2
Resolução
Lei fundamental da dinâmica –2ª Lei de Newton
                QUEDA LIVRE



               P=mxg

              Peso
               (N)
                       Massa
                        (kg)
                               Aceleração da
                                 gravidade
                                 (m/s2)
Exemplo 1
Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton




 Quem já teve o “azar” de dar um pontapé numa
 pedra grande, já sentiu que, embora tivesse
 exercido uma força sobre a pedra, houve uma
 reação recíproca da pedra sobre o seu pé.
Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton




Quando um karateca dá um golpe que parte uma
tábua sente uma força por parte da tábua que lhe
pode provocar uma lesão grave na mão.
Ação e reação a 3ª lei de Newton




   As forças resultam da interação de um corpo com
    outro corpo. É de se esperar, portanto, que, se um
    corpo A exerce uma força sobre um corpo B
    (chamada de ação), A também experimenta uma
    força (chamada de reação) que resulta da interação
    com B.
   Newton percebeu não só que isso acontece sempre
    mas, indo mais longe, especificou as principais
    características das forças que resultam da interação
    entre dois corpos. Essa questão foi objeto da sua
Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton



 "Para toda força que surgir num corpo como
 resultado da interação com um segundo
 corpo, deve surgir nesse segundo uma outra
 força, chamada de reação, cuja intensidade e
 direção são as mesmas da primeira mas cujo
 sentido é o oposto da primeira."
Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton
    Um dia o senhor Silva deu um murro tão violento na mesa que
    partiu a mão. Identifique e caracterize o par ação-reação
    correspondente às forças que estão presentes nesta ação do Sr.
    Silva, tendo em conta:
   O ponto de aplicação de cada força do par ação-reação.


   A intensidade de cada força.
   O sentido de cada força.


    Na força referente à
    ação o ponto de
    aplicação situa-se na
    mesa e na força
                                    As intensidades das
    referente à reação o            forças ação e reação
    ponto de aplicação              são iguais mas de
    situa-se na mão.                sentidos opostos.
Referências
   http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=9&cad=rja&ved=0CGIQFjAI&url
    =http%3A%2F%2Fcfq9.wikispaces.com%2Ffile%2Fview%2Fleis-
    newton1.pps&ei=LVoxUKisO4XX6wGg2YHoCQ&usg=AFQjCNGDuEHvgVSei1eeHkbKb2xF2RN2uQ&
    sig2=HQxlqlwScl8wk-m_tPpa3Q


   http://efisica.if.usp.br/mecanica/universitario/dinamica/leis_Newton/


   http://www.youtube.com/watch?v=7qqzpIlAzs8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
 
Movimento - Física
Movimento - FísicaMovimento - Física
Movimento - Física
 
Campo elétrico
Campo elétricoCampo elétrico
Campo elétrico
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Eletricidade
EletricidadeEletricidade
Eletricidade
 
Energia Cinética e Potencial
Energia Cinética e PotencialEnergia Cinética e Potencial
Energia Cinética e Potencial
 
Princípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica GeométricaPrincípios da Óptica Geométrica
Princípios da Óptica Geométrica
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
 
Energia mecânica
Energia mecânicaEnergia mecânica
Energia mecânica
 
Trabalho e potência
Trabalho e potênciaTrabalho e potência
Trabalho e potência
 
Física moderna
Física modernaFísica moderna
Física moderna
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 
Eletrodinâmica
EletrodinâmicaEletrodinâmica
Eletrodinâmica
 
Estados físicos da matéria
Estados físicos da matériaEstados físicos da matéria
Estados físicos da matéria
 
Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)Modelos atômicos ( 9 ano)
Modelos atômicos ( 9 ano)
 
1ª lei de newton
1ª lei de newton1ª lei de newton
1ª lei de newton
 
Aula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de NewtonAula de Física - As Leis de Newton
Aula de Física - As Leis de Newton
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 
Transmissão de calor
Transmissão de calorTransmissão de calor
Transmissão de calor
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 

Semelhante a As Leis de Newton: Inércia, Força e Ação-Reação

Semelhante a As Leis de Newton: Inércia, Força e Ação-Reação (20)

Leis de Newton 1ª e 2ª Lei.pptx
Leis de Newton 1ª e  2ª Lei.pptxLeis de Newton 1ª e  2ª Lei.pptx
Leis de Newton 1ª e 2ª Lei.pptx
 
Leis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
Leis de Newton - Física - Ensino médio -StênioLeis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
Leis de Newton - Física - Ensino médio -Stênio
 
Aula 2 fis em
Aula 2 fis emAula 2 fis em
Aula 2 fis em
 
Fisico quimica
Fisico quimicaFisico quimica
Fisico quimica
 
Newton
NewtonNewton
Newton
 
Ciências físico químicas/ Leis do movimento ou leis de Newton
Ciências físico químicas/ Leis do movimento ou leis de NewtonCiências físico químicas/ Leis do movimento ou leis de Newton
Ciências físico químicas/ Leis do movimento ou leis de Newton
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 
Auladocap05 LeisdeNewton.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdfAuladocap05 LeisdeNewton.pdf
Auladocap05 LeisdeNewton.pdf
 
. Só física - leis de newton_.
.   Só física - leis de newton_..   Só física - leis de newton_.
. Só física - leis de newton_.
 
05. leis de newton
05. leis de newton05. leis de newton
05. leis de newton
 
11 dinâmica - introdução
11  dinâmica - introdução11  dinâmica - introdução
11 dinâmica - introdução
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
Força e movimento.pdf
Força e movimento.pdfForça e movimento.pdf
Força e movimento.pdf
 
05 leis de_newton
05 leis de_newton05 leis de_newton
05 leis de_newton
 
Dinâmica
DinâmicaDinâmica
Dinâmica
 
Eduardo gonçalves nº9 9ºa
Eduardo gonçalves nº9 9ºaEduardo gonçalves nº9 9ºa
Eduardo gonçalves nº9 9ºa
 
LEIS DE NEWTON.ppt
LEIS DE NEWTON.pptLEIS DE NEWTON.ppt
LEIS DE NEWTON.ppt
 
1594605306QixYENV2.ppt
1594605306QixYENV2.ppt1594605306QixYENV2.ppt
1594605306QixYENV2.ppt
 
8a série as leis de newton
8a série   as leis de newton8a série   as leis de newton
8a série as leis de newton
 
Leis de newton parte 1
Leis de newton parte 1Leis de newton parte 1
Leis de newton parte 1
 

Mais de Daniela F Almenara (20)

Trabalho mandalas
Trabalho mandalasTrabalho mandalas
Trabalho mandalas
 
Aec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bimAec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bim
 
Atividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º anoAtividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º ano
 
Atividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º anoAtividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º ano
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
 
Pg
PgPg
Pg
 
Função horária das posições
Função horária das posiçõesFunção horária das posições
Função horária das posições
 
Atividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanosAtividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanos
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
 
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-20166º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
 
Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano
 
As formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciaisAs formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciais
 
2º atv em classe 2º bim 2014
2º atv em classe  2º bim 20142º atv em classe  2º bim 2014
2º atv em classe 2º bim 2014
 
Álbum 7º C
Álbum 7º CÁlbum 7º C
Álbum 7º C
 
Álbum 7º B
Álbum  7º BÁlbum  7º B
Álbum 7º B
 
Álbum 7º A
Álbum 7º  AÁlbum 7º  A
Álbum 7º A
 
Dilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidosDilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidos
 
Atividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º anoAtividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º ano
 
Aula 1 temperatura
Aula 1   temperaturaAula 1   temperatura
Aula 1 temperatura
 

Último

Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.keislayyovera123
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxOsnilReis1
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 

Último (20)

Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.Época Realista y la obra de Madame Bovary.
Época Realista y la obra de Madame Bovary.
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptxATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
ATIVIDADE AVALIATIVA VOZES VERBAIS 7º ano.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 

As Leis de Newton: Inércia, Força e Ação-Reação

  • 1. Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação – SEDUC E.E.E.F.M. Cel. Aluízio Pinheiro Ferreira Rolim de Moura – RO Leis de Newton Profª.: Daniela Fontana Almenara Clique na imagem acima e assista ao vídeo sugerido
  • 2. Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton Somos atirados contra o assento, quando, um ônibus (bicicleta, carro, etc) arranca de repente e inicia o seu movimento .
  • 3. Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton Um cavaleiro é atirado para a frente quando o cavalo para de repente.
  • 4. Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton  Tanto o condutor como o veículo movem-se com a mesma velocidade.  A força foi exercida sobre o veículo e não sobre o condutor. O condutor é projetado para a frente, tende a manter a velocidade que trazia, pois nenhuma força atuou sobre ele.
  • 5. Lei da Inércia - 1ª Lei de Newton Quando o conjunto de forças que atuam num corpo é nula, se o corpo está em repouso continua em repouso, se está em movimento continua com a velocidade que trazia.  O que é a Inércia?  Chama-se inércia à oposição que qualquer corpo oferece à alteração da sua velocidade.  A massa de um corpo determina a sua inércia: quanto maior é a massa de um corpo, mais difícil se torna alterar a sua velocidade.
  • 6. A inércia e a lei da inércia  Existe na natureza uma tendência de não se alterar o estado de movimento de uma partícula, isto é, uma partícula em repouso tende naturalmente a permanecer em repouso e uma partícula com velocidade constante tende a manter a sua velocidade constante.  Essa tendência natural de tudo permanecer como está é conhecida como inércia. No caso da Mecânica, essa observação a respeito do comportamento da natureza levou Newton a enunciar a sua famosa Lei da Inércia, que diz:  "Qualquer corpo em movimento retilíneo e uniforme (ou em repouso) tende a manter-se em movimento retilíneo e uniforme (ou em repouso)."  Esta é a primeira Lei de Newton.
  • 7.
  • 8. A inércia pode ser pensada como uma propriedade inata da matéria. Trata-se de um poder de resistir, mediante o qual cada corpo, no que depender de si, continua no seu estado presente, seja de repouso seja em movimento retilíneo e uniforme.
  • 9. Lei fundamental da dinâmica 2ª Lei de Newton
  • 10. A 2ª lei de Newton  A segunda lei de Newton é a lei fundamental da Mecânica. A partir dela e através de métodos matemáticos, podemos fazer previsões (velocidade e posição, por exemplo) sobre o movimento dos corpos. Qualquer alteração da velocidade de uma partícula é atribuída, sempre, a um agente denominado força.  Basicamente, o que produz mudanças na velocidade são forças que agem sobre a partícula. Como a variação de velocidade indica a existência de aceleração, é de se esperar que haja uma relação entre a força e a aceleração. De fato, Sir Isaac Newton percebeu que existe uma relação muito simples entre força e aceleração, isto é, a força é sempre diretamente proporcional à aceleração que ela provoca:
  • 11. Lei fundamental da dinâmica – 2ª Lei de Newton
  • 12. Lei fundamental da dinâmica – 2ª Lei de Newton Sempre que num corpo atua um conjunto de forças cuja resultante não é nula, a força resultante é diretamente proporcional à aceleração adquirida. Fr = m x a Força Massa resultante (kg) Aceleração (N) (m/s2)
  • 16. Lei fundamental da dinâmica –2ª Lei de Newton QUEDA LIVRE P=mxg Peso (N) Massa (kg) Aceleração da gravidade (m/s2)
  • 18. Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton Quem já teve o “azar” de dar um pontapé numa pedra grande, já sentiu que, embora tivesse exercido uma força sobre a pedra, houve uma reação recíproca da pedra sobre o seu pé.
  • 19. Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton Quando um karateca dá um golpe que parte uma tábua sente uma força por parte da tábua que lhe pode provocar uma lesão grave na mão.
  • 20. Ação e reação a 3ª lei de Newton  As forças resultam da interação de um corpo com outro corpo. É de se esperar, portanto, que, se um corpo A exerce uma força sobre um corpo B (chamada de ação), A também experimenta uma força (chamada de reação) que resulta da interação com B.  Newton percebeu não só que isso acontece sempre mas, indo mais longe, especificou as principais características das forças que resultam da interação entre dois corpos. Essa questão foi objeto da sua
  • 21. Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton "Para toda força que surgir num corpo como resultado da interação com um segundo corpo, deve surgir nesse segundo uma outra força, chamada de reação, cuja intensidade e direção são as mesmas da primeira mas cujo sentido é o oposto da primeira."
  • 22. Lei ação-reação– 3ª Lei de Newton Um dia o senhor Silva deu um murro tão violento na mesa que partiu a mão. Identifique e caracterize o par ação-reação correspondente às forças que estão presentes nesta ação do Sr. Silva, tendo em conta:  O ponto de aplicação de cada força do par ação-reação.  A intensidade de cada força.  O sentido de cada força. Na força referente à ação o ponto de aplicação situa-se na mesa e na força As intensidades das referente à reação o forças ação e reação ponto de aplicação são iguais mas de situa-se na mão. sentidos opostos.
  • 23. Referências  http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=9&cad=rja&ved=0CGIQFjAI&url =http%3A%2F%2Fcfq9.wikispaces.com%2Ffile%2Fview%2Fleis- newton1.pps&ei=LVoxUKisO4XX6wGg2YHoCQ&usg=AFQjCNGDuEHvgVSei1eeHkbKb2xF2RN2uQ& sig2=HQxlqlwScl8wk-m_tPpa3Q  http://efisica.if.usp.br/mecanica/universitario/dinamica/leis_Newton/  http://www.youtube.com/watch?v=7qqzpIlAzs8