SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Enciclopédia de Manifestações
                    Artísticas

    5ª A –~Professora Cristina Mello
   5ª B – Professora Simone Drumond
     5ª C – Professora Nayana Bouth

  Supervisão: Cristina Carvalho
  Coordenação: Maria José Mello
Paul McCartney, ex-Beatle, diz que a música é capaz de curar.




    E, segundo o dicionário Aurélio: Arte é o "conjunto de
         preceitos para a perfeita execução de qualquer
                     coisa; atividade criativa;
        artifício; ofício; profissão; astúcia; habilidade".
Manifestações
     Teatrais do Amazonas
       Verbete formulado por:
            Eduardo e Amanda




     ARTES CÊNICAS


    As artes ou cênicas ou chamadas ainda de
artes performativas, são todas as formas de arte
que se desenvolvem num palco ou local de
representação para um publico.
   Muitas vezes estas apresentações das artes
cênicas podem ocorrer em praças e ruas. Assim
podemos dizer também que este palco pode ser
improvisado.
A cultura de nossas manifestações artísticas,
tem sua base, nos povos que antecederam os
        portugueses em nossa região.
Batucada do Garantido
     A Batucada do Garantido tem três grandes momentos. O
    primeiro quando os instrumentos eram feitos de forma
artesanal com troncos de madeira ocos e couro de animais; o
    segundo com o reaproveitamento das grandes latas de
      embalagens da época e o terceiro com a chegada de
   instrumentos industializados feitos com alumínio, chapas
 galvanizadas e madeira beneficiada. Meses antes do festival
  de Parintins, 160 ritmistas ensaiam em Manaus, sendo 60
selecionados para compor a batucada nos três dias de evento.
A Batucada é composta em média por 65% de homens e 35%
de mulheres. Além dos coordenadores de Manaus, a Batucada
 possui uma equipe de apoio em Parintins, composta por 10
     pessoas. Entre os ritmistas destacam-se cinco figuras
    sexagenárias importantes na Batucada, entre elas dona
            Raimunda Cruz, com mais de 80 anos.

                 Verbete formulado por:
Felipe Catarino          e        Gabriel Didier
Canto da Mata




 Formado por músicos parintinenses foi lançado como banda oficial do boi
  Caprichoso em 1994 e logo passou a inovar o ritmo das toadas de boi-
bumbá. Em 96, o grupo gravou um Cd que alcançou a vendagem de 50 mil
cópias, abrindo as portas para assinar um contrato com a Polygram Brasil.
 Depois disso, o Canto da Matasaiu em turnê por várias cidades da Região
    Norte e logo se tornou conhecido pela empolgação de suas músicas
  balançadas e dançantes, como "Ritmo Quente". O grupo já possui três
                            trabalhos gravados.

                          Verbete formulado por Lucas Queiros
Diferentes ritmos do Amazonas

                                                      Arlindo Junior


   Ícone da música amazonense, conhecido como Pop da Selva, o manauara Arlindo
Júnior, iniciou sua carreira artística aos 15 anos de idade, quando cantava nas noites de
            Manaus gêneros musicais que iam do forró as baladas românticas.

Em 1988 formou o grupo "Levanta Poeira", mas sua carreira só se evidenciou em 1990,
  com uma estréia vitoriosa na função de Levantador de Toadas do Boi Caprichoso no
Festival Folclórico de Parintins. A essa época ele lançou o disco "Brincando de Boi" e de
                       lá para cá já soma nove CD´s independentes.

Esteve envolvido nas produções musicais do Boi Bumbá Caprichoso por mais de 10 anos,
    além de interpretar as toadas oficiais do Boi "azul e branco" durante esse tempo.

Com seu jeito caprichoso de ser, o Pop encanta os amantes do Boi com a maneira alegre
  e contagiante dos seus shows. Seu último CD, a ser lançado em novembro de 2006,
  receberá o nome de "Meu Ritmo, Meu Orgulho, reunindo 12 artistas de boi bumbá.
                                 Verbete formulado por:
           Victor Gabriel Lirio                 e               Lucas Lopes
Danças, ritmos e o Folclore
                     do Amazonas
                                                               Verbete formulado por Matheus Henrique



A Cultura amazônica recebe importante influência dos povos indígenas. O calendário de eventos das cidades
      da região exploram elementos como a música, as artes plásticas, o artesanato, e folclores regionais.
       O Boi-Bumbá de Parintins, já conquistou o prestígio internacional e todos os anos atrai milhares de
     visitantes para a pequena cidade do Baixo Amazonas, para assistir ao grande espetáculo que conta as
                           lendas da Amazônia, retrabalhando os aspectos indígenas.
         Em Manaus, uma grande programação pode ser conferida o ano inteiro, desde o carnaval no
    sambódromo, em fevereiro, até o Carnaboi, em outubro, passando pelo Festival Folclórico do Amazonas,
                                                em junho.
       No interior, diversos municípios também realizam suas festas próprias como Manacapuru, com seu
    Festival de Cirandas, ou o Festival da Canção em Itacoatiara, com artistas e compositores locais. Para os
       admiradores de óperas e shows eruditos, durante todo o ano, o Teatro Amazonas reserva diversas
                                montagens no belo palco do período da Borracha.
     O Festival Amazonas de Ópera é referência no gênero na América Latina, acontecendo nos meses de
    abril e maio. Há ainda diversos museus e centros culturais com exposições permanentes que contam a
                                           rica história da região.


                                                                           Verbete formulado por Danilo

Mascaras utilizada para a festa do Kuarup que
           festejam os povos do Xingú.
Festa que se realiza uma vez por ano cada ano em
              data e lugar diferente
no Xingú. O encontro homenageia todos os mortos
                desse ano por meio
  de um ritual em que se pintam os troncos das
                      arvores.
Estas são pintadas com urucum, jenipapo, carvão,
               entre outras matérias
 primas da natureza e decoradas com franjas de
                       Verbete formulado por:
                   palma buriti.
Os povos indígenas revelam uma forma de
manifestar-se artisticamente mostrando nossas
                     raízes.
Musicas, danças, contos, lendas, pinturas e os
 belíssimos artesanatos são manifestações
          artísticas de grande valia.
Alunos do 5º Ano A
        Professora: Cristina Mello

      A arte não reproduz o
    visível, mas torna visível“
                         ( Paul Klee, 1920 )




O grafite                   Artesanato indígena
O artista desenvolve uma sensibilidade maior para perceber o
  mundo, criando a partir dessa percepção um outro mundo.
 Esse outro mundo que o artista cria ou inventa nasce de sua
 vivência cultural, de suas observações, das idéias formadas
     em seu pensamento, enfim, de sua visão de mundo.
Artista, portanto é aquele que faz uma busca dentro de si,
   daquilo que ele pensa acerca da realidade, sugando a
  essência da vida e vivendo-a intensamente, mas de tal
maneira, que é nesse momento tão forte, o da revelação, que
                    surge a obra de arte.
Manifestações artísticas
        As acepções a respeito do que
       é arte podem variar de
  cultura para cultura. No entanto,
            estabelecendo
uma breve síntese, a arte, tal qual é
            conceituada no
  mundo ocidental de hoje em dia,
          trata-se da busca
          e da realização de
representações estéticas através do
               conjunto
       das atividades artísticas
             formado pela
 pintura, escultura, arquitetura,
           música, teatro,
           dança, cinema,
    fotografia, literatura, etc.
A arte existe desde que há
 indícios do ser humano na
             Terra.
Ao longo do tempo, a função
da arte tem sido vista como
um meio de espelhar nosso
 mundo (naturalismo), para
 decorar o dia-a-dia e para
   explicar e descrever a
    história e os diversos
EUS que existem dentro de
          um só ser
    (como pode ser visto
        na literatura),
 e para ajudar a explorar o
   mundo e o próprio ser
           humano.
Uma manifestação artística só se torna
conhecida quando algo a faz ficar diante de
     um dos sentidos do ser humano.
O artista faz arte segundo seus sentimentos, suas
    vontades, seu conhecimento, suas idéias, sua
criatividade e sua imaginação, o que deixa claro que
     cada manifestação artitica é uma forma de
                interpretação da vida.
As manifestações artísticas,
revelam fenômenos culturais.
Alunos do 5º Ano C
   Professora: Nayana Bouth

 "A   arte é uma força cuja finalidade
             deve desenvolver
        e apurar a alma humana"
        ( Vassily Kandinsky, 1910).
Manifestar-se artisticamente é proclamar a
         experiência de estar vivo.




A maneira usada para se expressar e a matéria
 prima caracterizam a manifestação artística.
Alunos revelam uma manifestação artística
  que nasceu na Grécia antiga. Naquele
tempo, falar era uma arte: a falácia. Como
     era importante saber falar bem!
Formas artísticas podem extrapolar a
 realidade, exagerar coisas aceitas ou
simplesmente criar novas formas de se
         observar a realidade
A sociedade é um coletivo que produz a arte
através do artista, que apesar de não possuir
     a propriedade da arte, é visto com
      importância para sua concepção.
A verdadeira
    essência
   da arte e a
 do artista é
     poder
transformar a
 realidade de
  acordo com
 seus ideais e
pensamentos
A arte possui a função
 transcendente, ou seja,
 manchas de tinta sobre
   uma tela ou palavras
 escritas sobre um papel
  simbolizam estados de
   consciência humana,
 abrangendo percepção,
emoção e razão (segundo
    Charles M. Peirce,
 fundador da semiótica).
   Essa seria a principal
      função da arte.
As manifestações artísticas, projetam
    saberes críticos coerentes.
A arte é
  entendida por
 alguns como um
    pertence de
 apenas algumas
classes sociais, e
  no projeto de
 estudo da Rede
     Salesiana
descobrimos que
a arte transcende
   de diferentes
      formas.
Alunos do 5º Ano B
Professora Simone Drumond

  inversamente a própria subjetividade das
 manifestações artísticas demonstram a sua
 importância no sentido de facilitar a troca e
discussão de idéias rivais, ou para prestar um
 contexto social em que diferentes grupos de
  pessoas possam reunir e misturar-se para
      projetarem coerências artísticas.
A arte pode se utilizar
de vários meios para
  sua manifestação.

 Nas artes visuais os
mais conhecidos são a
pintura, a escultura, o
desenho, a escultura e
  as artes gráficas de
 impressão, inclusive
(gravura, tipografia e
   demais técnicas a
      fotografia) .
Nossos estudos na RSE no CEST revelam que as
   diferentes manifestações artísticas podem trazer
indícios sobre a vida, a História, a Geografia, a Ciência
 e a Matemática e os costumes de um povo, incluvise
            dos povos e nações já extintos.
A arte, como qualquer outra manifestação cultural
 humana, pode ser utilizada para a coesão social,
      reafirmando valores, ou os criticando.
Uma forma de arte é uma forma específica de
  expressão artística para tomar, é um termo mais
específico do que arte em geral, mas menos específico
                      do gênero.
A arte, como qualquer outra manifestação cultural
 humana, pode ser utilizada para a coesão social,
      reafirmando valores, ou os criticando.
As manifestações artísticas tende a facilitar a
  compreensão intuitiva, em vez de racional, e
normalmente é, conscientemente, criada com esta
                   intenção.
As manifestações artísticas, podem utilizar a
    imagem para comover, emocionar e
              conscientizar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
Giorgia Marrone
 
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabaritoExercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Suelen Freitas
 
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercíciosA arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
VIVIAN TROMBINI
 
Arte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasilArte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasil
Ed de Souza
 
Portfolio historia da arte
Portfolio historia da artePortfolio historia da arte
Portfolio historia da arte
Ariceli Nunes
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
beljinaldo
 
História da arte - Pré História
História da arte -  Pré HistóriaHistória da arte -  Pré História
História da arte - Pré História
Ana Paula Tavares
 
A arte na Pré-História - aula 2
A arte na Pré-História - aula 2A arte na Pré-História - aula 2
A arte na Pré-História - aula 2
VIVIAN TROMBINI
 

Mais procurados (20)

A Arte na Pré-História
A Arte na Pré-HistóriaA Arte na Pré-História
A Arte na Pré-História
 
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabaritoExercício de revisão sobre história da arte com gabarito
Exercício de revisão sobre história da arte com gabarito
 
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercíciosA arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
A arte na Pré-História - aula 2 - com exercícios
 
Arte pre histórica
Arte pre históricaArte pre histórica
Arte pre histórica
 
2014 cultura 1
2014 cultura 12014 cultura 1
2014 cultura 1
 
Arte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasilArte pré histórica no brasil
Arte pré histórica no brasil
 
Portfolio historia da arte
Portfolio historia da artePortfolio historia da arte
Portfolio historia da arte
 
Arte linha tempo_01_história da arte
Arte linha tempo_01_história da arteArte linha tempo_01_história da arte
Arte linha tempo_01_história da arte
 
Desenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da Arte
Desenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da ArteDesenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da Arte
Desenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da Arte
 
Atividades com pintura artes1o ano 2009
Atividades  com pintura artes1o ano 2009Atividades  com pintura artes1o ano 2009
Atividades com pintura artes1o ano 2009
 
História da Arte:: da Pré-história a Roma.
História da Arte:: da Pré-história a Roma.História da Arte:: da Pré-história a Roma.
História da Arte:: da Pré-história a Roma.
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Arte Rupestre
Arte Rupestre Arte Rupestre
Arte Rupestre
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
História da Arte Antiga
História da Arte AntigaHistória da Arte Antiga
História da Arte Antiga
 
A arte na antiguidade
A  arte  na  antiguidadeA  arte  na  antiguidade
A arte na antiguidade
 
Arte brasileira 1
Arte brasileira 1Arte brasileira 1
Arte brasileira 1
 
História da arte - Pré História
História da arte -  Pré HistóriaHistória da arte -  Pré História
História da arte - Pré História
 
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres Arte na pré história - Pinturas Rupestres
Arte na pré história - Pinturas Rupestres
 
A arte na Pré-História - aula 2
A arte na Pré-História - aula 2A arte na Pré-História - aula 2
A arte na Pré-História - aula 2
 

Destaque (11)

Cultura e manifestações artísticas
Cultura e manifestações artísticasCultura e manifestações artísticas
Cultura e manifestações artísticas
 
Tloki
TlokiTloki
Tloki
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Arte Pré-Histórica
Arte Pré-HistóricaArte Pré-Histórica
Arte Pré-Histórica
 
Arte 6o ano
Arte 6o anoArte 6o ano
Arte 6o ano
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
 
A Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileiraA Arte na pré-história brasileira
A Arte na pré-história brasileira
 
A arte na pré história
A arte na pré históriaA arte na pré história
A arte na pré história
 
A arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º anoA arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º ano
 
O corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e culturalO corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e cultural
 

Semelhante a Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho

Projeto mais um bamba ademir e convidados
Projeto mais um bamba ademir e convidadosProjeto mais um bamba ademir e convidados
Projeto mais um bamba ademir e convidados
Ademir da Silva
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
Arte Educadora
 

Semelhante a Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho (20)

Entrevista escritora Angélica Rizzi
Entrevista escritora Angélica RizziEntrevista escritora Angélica Rizzi
Entrevista escritora Angélica Rizzi
 
A rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio culturalA rte cidade e patrimonio cultural
A rte cidade e patrimonio cultural
 
Aspectos Culturais de Bom Jardim Maranhão
Aspectos Culturais de Bom Jardim   MaranhãoAspectos Culturais de Bom Jardim   Maranhão
Aspectos Culturais de Bom Jardim Maranhão
 
Workshop
 Workshop Workshop
Workshop
 
Arte Popular Brasileira - Arte Popular no Brasil
Arte Popular Brasileira - Arte Popular no BrasilArte Popular Brasileira - Arte Popular no Brasil
Arte Popular Brasileira - Arte Popular no Brasil
 
7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar7309 a arte_de_dancar
7309 a arte_de_dancar
 
São tomé e príncipe
São tomé e príncipeSão tomé e príncipe
São tomé e príncipe
 
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeiraCelacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
Celacanto provoca maremoto 2jul2019 cachoeira
 
Projeto mais um bamba ademir e convidados
Projeto mais um bamba ademir e convidadosProjeto mais um bamba ademir e convidados
Projeto mais um bamba ademir e convidados
 
Tccpavulagemfinal
TccpavulagemfinalTccpavulagemfinal
Tccpavulagemfinal
 
Arte moderna brasileira
Arte moderna brasileiraArte moderna brasileira
Arte moderna brasileira
 
Tabloide FAN 2012
Tabloide FAN 2012Tabloide FAN 2012
Tabloide FAN 2012
 
Projeto mais um bamba ademir
Projeto mais um bamba ademirProjeto mais um bamba ademir
Projeto mais um bamba ademir
 
Camargo emerson zíngaro - tradição e assimilação na música sertaneja
Camargo emerson zíngaro  - tradição e assimilação na música sertanejaCamargo emerson zíngaro  - tradição e assimilação na música sertaneja
Camargo emerson zíngaro - tradição e assimilação na música sertaneja
 
O samba e suas origens ademir
O samba e suas origens    ademirO samba e suas origens    ademir
O samba e suas origens ademir
 
Arte.pptx
Arte.pptxArte.pptx
Arte.pptx
 
1 médio 2ªetapa
1 médio   2ªetapa1 médio   2ªetapa
1 médio 2ªetapa
 
Exposição 2011
Exposição 2011Exposição 2011
Exposição 2011
 
Encontro de Artes - Sarau conversar
Encontro de Artes - Sarau conversar  Encontro de Artes - Sarau conversar
Encontro de Artes - Sarau conversar
 
Patrimonios imateriais
Patrimonios imateriaisPatrimonios imateriais
Patrimonios imateriais
 

Mais de SimoneHelenDrumond

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
SimoneHelenDrumond
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
SimoneHelenDrumond
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
SimoneHelenDrumond
 

Mais de SimoneHelenDrumond (20)

BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdfBLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
BLOCO 1 DE ATIVIDADES DO MÉTODO DE PORTFÓLIOS EDUCACIONAIS.pdf
 
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdfATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
ATIVIDADES PARA CADERNO PEQUENO 1A.pdf
 
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdfARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
ARTIGO 1 - OS USOS DOS PORTFÓLIOS SHDI NA ALFABETIZAÇÃO .pdf
 
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdfARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
ARTIGO 1 - TEXTOS PONTILHADOS COM LETRA DE IMPRENSA .pdf
 
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdfARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
ARTIGO 1 - ALFABETIZAÇÃO COM AFETO .pdf
 
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...INCLUSÃO  AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
INCLUSÃO AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LEIS QUE...
 
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdfARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
ARTIGO ADAPTAÇÃO CURRICULAR.pdf
 
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdfARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
ARTIGO DIA MUNDIAL DO AUTISMO .pdf
 
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdfArtigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
Artigo Todos nós podemos ensinar algo novo para alguém.pdf
 
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdfARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
ARTIGO Quem tem direito ao atendimento educacional especializado.pdf
 
ARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdfARTIGO TDAH.pdf
ARTIGO TDAH.pdf
 
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdfARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
ARTIGO AUTISMO E AS VOGAIS SHDI 1.pdf
 
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdfArtigo A inclusão escolar de alunos .pdf
Artigo A inclusão escolar de alunos .pdf
 
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdfARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
ARTIGO O SOM DAS LETRAS 1A2023.pdf
 
ARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdfARTIGO 1 TDAH .pdf
ARTIGO 1 TDAH .pdf
 
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdfARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E COMUNICAÇÃO SÍLABAS.pdf
 
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
ARTIGO INCLUSÃO_AUTISMO E O DIREITO À EDUCAÇÃO A CONSTITUIÇÃO FEDERAL E AS LE...
 
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdfARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
ARTIGO 1 AUTISMO E DEPRESSÃO.pdf
 
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdfARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
ARTIGO 1 SER MEDIADOR NA INCLUSÃO 1=2023.pdf
 
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdfARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
ARTIGO 1 A IMPORTANCIA DO DIAGNÓSTICO NA INCLUSÃO.pdf
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptxTIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
TIPOS DE CALOR CALOR LATENTE E CALOR SENSIVEL.pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 

Manifestações artísticas 1º trimestre por simone helen drumond de carvalho

  • 1. Enciclopédia de Manifestações Artísticas 5ª A –~Professora Cristina Mello 5ª B – Professora Simone Drumond 5ª C – Professora Nayana Bouth Supervisão: Cristina Carvalho Coordenação: Maria José Mello
  • 2. Paul McCartney, ex-Beatle, diz que a música é capaz de curar. E, segundo o dicionário Aurélio: Arte é o "conjunto de preceitos para a perfeita execução de qualquer coisa; atividade criativa; artifício; ofício; profissão; astúcia; habilidade".
  • 3. Manifestações Teatrais do Amazonas Verbete formulado por: Eduardo e Amanda ARTES CÊNICAS As artes ou cênicas ou chamadas ainda de artes performativas, são todas as formas de arte que se desenvolvem num palco ou local de representação para um publico. Muitas vezes estas apresentações das artes cênicas podem ocorrer em praças e ruas. Assim podemos dizer também que este palco pode ser improvisado.
  • 4. A cultura de nossas manifestações artísticas, tem sua base, nos povos que antecederam os portugueses em nossa região.
  • 5. Batucada do Garantido A Batucada do Garantido tem três grandes momentos. O primeiro quando os instrumentos eram feitos de forma artesanal com troncos de madeira ocos e couro de animais; o segundo com o reaproveitamento das grandes latas de embalagens da época e o terceiro com a chegada de instrumentos industializados feitos com alumínio, chapas galvanizadas e madeira beneficiada. Meses antes do festival de Parintins, 160 ritmistas ensaiam em Manaus, sendo 60 selecionados para compor a batucada nos três dias de evento. A Batucada é composta em média por 65% de homens e 35% de mulheres. Além dos coordenadores de Manaus, a Batucada possui uma equipe de apoio em Parintins, composta por 10 pessoas. Entre os ritmistas destacam-se cinco figuras sexagenárias importantes na Batucada, entre elas dona Raimunda Cruz, com mais de 80 anos. Verbete formulado por: Felipe Catarino e Gabriel Didier
  • 6. Canto da Mata Formado por músicos parintinenses foi lançado como banda oficial do boi Caprichoso em 1994 e logo passou a inovar o ritmo das toadas de boi- bumbá. Em 96, o grupo gravou um Cd que alcançou a vendagem de 50 mil cópias, abrindo as portas para assinar um contrato com a Polygram Brasil. Depois disso, o Canto da Matasaiu em turnê por várias cidades da Região Norte e logo se tornou conhecido pela empolgação de suas músicas balançadas e dançantes, como "Ritmo Quente". O grupo já possui três trabalhos gravados. Verbete formulado por Lucas Queiros
  • 7. Diferentes ritmos do Amazonas Arlindo Junior Ícone da música amazonense, conhecido como Pop da Selva, o manauara Arlindo Júnior, iniciou sua carreira artística aos 15 anos de idade, quando cantava nas noites de Manaus gêneros musicais que iam do forró as baladas românticas. Em 1988 formou o grupo "Levanta Poeira", mas sua carreira só se evidenciou em 1990, com uma estréia vitoriosa na função de Levantador de Toadas do Boi Caprichoso no Festival Folclórico de Parintins. A essa época ele lançou o disco "Brincando de Boi" e de lá para cá já soma nove CD´s independentes. Esteve envolvido nas produções musicais do Boi Bumbá Caprichoso por mais de 10 anos, além de interpretar as toadas oficiais do Boi "azul e branco" durante esse tempo. Com seu jeito caprichoso de ser, o Pop encanta os amantes do Boi com a maneira alegre e contagiante dos seus shows. Seu último CD, a ser lançado em novembro de 2006, receberá o nome de "Meu Ritmo, Meu Orgulho, reunindo 12 artistas de boi bumbá. Verbete formulado por: Victor Gabriel Lirio e Lucas Lopes
  • 8. Danças, ritmos e o Folclore do Amazonas Verbete formulado por Matheus Henrique A Cultura amazônica recebe importante influência dos povos indígenas. O calendário de eventos das cidades da região exploram elementos como a música, as artes plásticas, o artesanato, e folclores regionais. O Boi-Bumbá de Parintins, já conquistou o prestígio internacional e todos os anos atrai milhares de visitantes para a pequena cidade do Baixo Amazonas, para assistir ao grande espetáculo que conta as lendas da Amazônia, retrabalhando os aspectos indígenas. Em Manaus, uma grande programação pode ser conferida o ano inteiro, desde o carnaval no sambódromo, em fevereiro, até o Carnaboi, em outubro, passando pelo Festival Folclórico do Amazonas, em junho. No interior, diversos municípios também realizam suas festas próprias como Manacapuru, com seu Festival de Cirandas, ou o Festival da Canção em Itacoatiara, com artistas e compositores locais. Para os admiradores de óperas e shows eruditos, durante todo o ano, o Teatro Amazonas reserva diversas montagens no belo palco do período da Borracha. O Festival Amazonas de Ópera é referência no gênero na América Latina, acontecendo nos meses de abril e maio. Há ainda diversos museus e centros culturais com exposições permanentes que contam a rica história da região.  Verbete formulado por Danilo 
  • 9. Mascaras utilizada para a festa do Kuarup que festejam os povos do Xingú. Festa que se realiza uma vez por ano cada ano em data e lugar diferente no Xingú. O encontro homenageia todos os mortos desse ano por meio de um ritual em que se pintam os troncos das arvores. Estas são pintadas com urucum, jenipapo, carvão, entre outras matérias primas da natureza e decoradas com franjas de Verbete formulado por: palma buriti.
  • 10. Os povos indígenas revelam uma forma de manifestar-se artisticamente mostrando nossas raízes.
  • 11. Musicas, danças, contos, lendas, pinturas e os belíssimos artesanatos são manifestações artísticas de grande valia.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Alunos do 5º Ano A Professora: Cristina Mello A arte não reproduz o visível, mas torna visível“ ( Paul Klee, 1920 ) O grafite Artesanato indígena
  • 18. O artista desenvolve uma sensibilidade maior para perceber o mundo, criando a partir dessa percepção um outro mundo. Esse outro mundo que o artista cria ou inventa nasce de sua vivência cultural, de suas observações, das idéias formadas em seu pensamento, enfim, de sua visão de mundo.
  • 19. Artista, portanto é aquele que faz uma busca dentro de si, daquilo que ele pensa acerca da realidade, sugando a essência da vida e vivendo-a intensamente, mas de tal maneira, que é nesse momento tão forte, o da revelação, que surge a obra de arte.
  • 20. Manifestações artísticas As acepções a respeito do que é arte podem variar de cultura para cultura. No entanto, estabelecendo uma breve síntese, a arte, tal qual é conceituada no mundo ocidental de hoje em dia, trata-se da busca e da realização de representações estéticas através do conjunto das atividades artísticas formado pela pintura, escultura, arquitetura, música, teatro, dança, cinema, fotografia, literatura, etc.
  • 21. A arte existe desde que há indícios do ser humano na Terra. Ao longo do tempo, a função da arte tem sido vista como um meio de espelhar nosso mundo (naturalismo), para decorar o dia-a-dia e para explicar e descrever a história e os diversos EUS que existem dentro de um só ser (como pode ser visto na literatura), e para ajudar a explorar o mundo e o próprio ser humano.
  • 22. Uma manifestação artística só se torna conhecida quando algo a faz ficar diante de um dos sentidos do ser humano.
  • 23. O artista faz arte segundo seus sentimentos, suas vontades, seu conhecimento, suas idéias, sua criatividade e sua imaginação, o que deixa claro que cada manifestação artitica é uma forma de interpretação da vida.
  • 25. Alunos do 5º Ano C Professora: Nayana Bouth  "A arte é uma força cuja finalidade deve desenvolver  e apurar a alma humana" ( Vassily Kandinsky, 1910).
  • 26. Manifestar-se artisticamente é proclamar a experiência de estar vivo. A maneira usada para se expressar e a matéria prima caracterizam a manifestação artística.
  • 27. Alunos revelam uma manifestação artística que nasceu na Grécia antiga. Naquele tempo, falar era uma arte: a falácia. Como era importante saber falar bem!
  • 28. Formas artísticas podem extrapolar a realidade, exagerar coisas aceitas ou simplesmente criar novas formas de se observar a realidade
  • 29. A sociedade é um coletivo que produz a arte através do artista, que apesar de não possuir a propriedade da arte, é visto com importância para sua concepção.
  • 30. A verdadeira essência da arte e a do artista é poder transformar a realidade de acordo com seus ideais e pensamentos
  • 31. A arte possui a função transcendente, ou seja, manchas de tinta sobre uma tela ou palavras escritas sobre um papel simbolizam estados de consciência humana, abrangendo percepção, emoção e razão (segundo Charles M. Peirce, fundador da semiótica). Essa seria a principal função da arte.
  • 32. As manifestações artísticas, projetam saberes críticos coerentes.
  • 33. A arte é entendida por alguns como um pertence de apenas algumas classes sociais, e no projeto de estudo da Rede Salesiana descobrimos que a arte transcende de diferentes formas.
  • 34. Alunos do 5º Ano B Professora Simone Drumond inversamente a própria subjetividade das manifestações artísticas demonstram a sua importância no sentido de facilitar a troca e discussão de idéias rivais, ou para prestar um contexto social em que diferentes grupos de pessoas possam reunir e misturar-se para projetarem coerências artísticas.
  • 35. A arte pode se utilizar de vários meios para sua manifestação. Nas artes visuais os mais conhecidos são a pintura, a escultura, o desenho, a escultura e as artes gráficas de impressão, inclusive (gravura, tipografia e demais técnicas a fotografia) .
  • 36. Nossos estudos na RSE no CEST revelam que as diferentes manifestações artísticas podem trazer indícios sobre a vida, a História, a Geografia, a Ciência e a Matemática e os costumes de um povo, incluvise dos povos e nações já extintos.
  • 37. A arte, como qualquer outra manifestação cultural humana, pode ser utilizada para a coesão social, reafirmando valores, ou os criticando.
  • 38. Uma forma de arte é uma forma específica de expressão artística para tomar, é um termo mais específico do que arte em geral, mas menos específico do gênero.
  • 39. A arte, como qualquer outra manifestação cultural humana, pode ser utilizada para a coesão social, reafirmando valores, ou os criticando.
  • 40. As manifestações artísticas tende a facilitar a compreensão intuitiva, em vez de racional, e normalmente é, conscientemente, criada com esta intenção.
  • 41. As manifestações artísticas, podem utilizar a imagem para comover, emocionar e conscientizar.