SlideShare uma empresa Scribd logo
DESENHO
ARTÍSTICO E DE
APRESENTAÇÃO

FORMATAÇÃO DOS SLIDES: PROF. ANA BEATRIZ CARGNIN
2º ANO DO ENSINO MÉDIO
1 Pré-história;
2 Idade Antiga;
3 Idade Média;
4 Idade
Moderna;
5 Idade
Contemporânea.

HISTÓRIA DA ARTE E DO
DESENHO
A expressão artística faz parte da
história humana desde os tempos
mais remotos. O desenho, que é
uma dessas formas de linguagem, já
era utilizado nos primórdios da
humanidade quando o homem
incluía-o nos rituais de inscrições
rupestres, como forma de retratar
seu cotidiano.
A arte na Idade Antiga é muito
abrangente e nos mostra variados
princípios ideológicos.
A arte egípcia está ligada à religião,
ou seja, aos sagrados deuses.
A arte grega tem como fio condutor
o desenvolvimento intelectual do
homem em todos os setores,
inclusive na arte, onde predomina o
ritmo, o equilíbrio e a harmonia.
A arte romana também orientava-se
pela expressão artística de ideal de
beleza humana, é menos idealizada
e intelectual que a arte clássica
grega, porém é mais secular e
funcional.
As antigas civilizações nos deixaram
um grande legado nos ensinamentos
artísticos. Muito do que se conhece
de proporção, perspectiva, luz e
sombra tiveram sua origem neste
período.
A era da Idade Média era marcada
pela supremacia da Igreja Católica.
A sociedade européia medieval
girava em torno do cristianismo.
Nesta época, a arte medieval
permaneceu
estagnada,
sem
grandes criações durante centenas
de anos e ficou conhecida como
Idade das Trevas.
A pintura medieval era retratada
bidimensionalmente e, dependendo
do
grau
de
importância
dos
personagens,
eles
eram
representados em maior ou menor
escala.
Os
artistas
não
se
preocupavam
em
desenhar
realisticamente suas imagens e sim
em transmitir, simbolicamente, uma
mensagem de cunho religioso.
No
século
IV
o
imperador
imperador Constantino reconheceu o
culto livre aos cristãos do Império
Romano. A arte cristã primitiva
evoluiu então para a arte bizantina.

No século VIII-IX, o mundo
bizantino foi dilacerado pela
questão da iconoclastia, uma
controvérsia sobre o uso de
pinturas ou entalhes na vida
religiosa. Toda representação
humana que fosse realista
poderia ser considerada uma
violação ao mandamento de não
adorar imagens esculpidas.
O mais célebre dos mosaicos Bizantinos intactos
da Basílica de Santa Sofia em Constantinopla.
A pintura não se destacou tanto
quanto a arquitetura nesse período.
Os principais trabalhos são a pintura
mural, as iluminuras e as tapeçarias.
A
pintura
parietal,
ou
seja,
executada
nas
paredes,
era
dependente da arquitetura, como
pode-se
deduzir,
tendo
aquela
somente função didática. Em um
período em que a grande maioria da
população era analfabeta, a pintura
era uma forma de transmitir os
ensinamentos do cristianismo

Iluminura de Paulo
O estilo gótico designa uma fase
da história da arte ocidental, identificável
por características muito próprias de
contexto social, político e religioso em
conjugação com
valores estéticos e filosóficos e que surge
como resposta à austeridade do estilo
românico.
A pintura gótica, uma
das expressões da arte
gótica, não assume um
papel de destaque logo
desde o início do
desenvolvimento do
estilo. Apareceu apenas
em 1200 ou quase 50
anos depois do início da
arquitetura e escultura
góticas.
A era moderna pode ser considerada
como uma época de “Revolução Social”,
deixando para trás o sistema feudalista e
predominando o capitalismo.
Nesse momento da história, vários
estilos
se
destacam
como
o
Renascimento, Maneirismo, Barroco e
Rococó.
Procurava retratar a perfeição e a
beleza absoluta.
Foi uma escola de excessos,
distorções, contrastes, sonhos,
ilusões,
estilizações,
detalhamentos.
A arte barroca enfatiza o efeito luminoso
do claro-escuro na superfície fugaz da
pele, distinguindo-se da heroica forma
escultural monumental e arbitrária de
antes.
O rococó se opôs ao espírito grandioso do
barroco. Em contraste com este último
estilo suas cores são leves e vivas.
Predominância de temas que retratavam a
futilidade da nobreza francesa.
Tem seu início com a Revolução Francesa
(1789), juntamente com a Revolução
Industrial (final séc. XVIII). Fortes
mudanças sociais, políticas e culturais
alteraram também o pensamento e a
produção artística do homem no início do
séc. XIX.

As
várias
concepções
e
tendências
produziram uma grande diversificação de
movimentos artísticos como o Neoclássico,
Romântico
ou
Neogótico,
Realista,
Impressionista e no final do séc. XIX o
Simbolismo (Nabis) e Art Nouveau.
Teve como base os ideais do Iluminismo e um
renovado
interesse
pela
cultura
da Antiguidade clássica, advogando os princípios
da moderação, equilíbrio e idealismo como uma
reação contra os excessos decorativistas e
dramáticos do Barroco e Rococó.
O artista, fascinado pelo mistério e
sobrenatural, criou em suas obras uma
atmosfera de fantasia e heroísmo.
Valorizando acima de tudo a emoção e a
liberdade de criação.
Uma forma de repúdio aos estilos
artificiais
do
Neoclassicismo
e
do
Romantismo.
A paisagem ganhou
destaque e passou a ser o tema principal
de muitas obras. Também retratam a
vida, os problemas e costumes das
classes médias baixa.
Os autores impressionistas não mais se
preocupavam
com
os
preceitos
do Realismo ou da academia.
A luz e
o movimento utilizando pinceladas soltas
tornam-se o principal elemento da pintura.
Os
artistas
representavam
imagens
estilizadas e usavam cores emotivas e por
vezes pintavam cenas exóticas, oníricas e
mitológicas para trazer a consciência do
observador os sonhos e estados de
espírito que experimentavam.
Situado no final do séc. XIX, foi dirigido
principalmente para a arte decorativa e
contribuiu de forma significativa para o
desenvolvimento do moderno design.
1 Materiais
Expressivos;
2 Composição.

Técnicas Básicas de Esboços
A composição é um passo prévio ao
desenho e de fundamental importância e
que, se bem empregada, dá equilíbrio e
qualidade à obra.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
Cristiane Seibt
 
História da Arte Antiga
História da Arte AntigaHistória da Arte Antiga
História da Arte Antiga
Andressa Silva
 
Desenho e Ilustração
Desenho e IlustraçãoDesenho e Ilustração
Desenho e Ilustração
Gui Souza A
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
lgreggio10
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
Isabela Garcia
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
Wanderson Amaral
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Andrea Dressler
 
A arte da performance
A arte da performanceA arte da performance
A arte da performance
Thiago Assumpção
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Jaiza Nobre
 
Grafite
GrafiteGrafite
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
GernciadeProduodeMat
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
Jesrayne Nascimento
 
História da arte - Arte Contemporânea
História da arte -  Arte ContemporâneaHistória da arte -  Arte Contemporânea
História da arte - Arte Contemporânea
Andrea Dressler
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
BlogSJuniinho
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
Raphael Lanzillotte
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Andrea Dressler
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
Paulo Alexandre
 
Aula 2 arte - 2º ano
Aula 2   arte - 2º anoAula 2   arte - 2º ano
Aula 2 arte - 2º ano
VIVIAN TROMBINI
 

Mais procurados (20)

Arte contemporanea
Arte contemporaneaArte contemporanea
Arte contemporanea
 
História da Arte Antiga
História da Arte AntigaHistória da Arte Antiga
História da Arte Antiga
 
Desenho e Ilustração
Desenho e IlustraçãoDesenho e Ilustração
Desenho e Ilustração
 
Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
História da arte
História da arteHistória da arte
História da arte
 
Arte e tecnologia
Arte e tecnologiaArte e tecnologia
Arte e tecnologia
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Curso de historia da arte
Curso de historia da arteCurso de historia da arte
Curso de historia da arte
 
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte NeoclássicaNeoclassicismo - Arte Neoclássica
Neoclassicismo - Arte Neoclássica
 
A arte da performance
A arte da performanceA arte da performance
A arte da performance
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
Grafite
GrafiteGrafite
Grafite
 
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdfLinguagens 1ª SÉRIE -  3º BIMESTRE Professor.pdf
Linguagens 1ª SÉRIE - 3º BIMESTRE Professor.pdf
 
Linha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da ArteLinha do Tempo - História da Arte
Linha do Tempo - História da Arte
 
História da arte - Arte Contemporânea
História da arte -  Arte ContemporâneaHistória da arte -  Arte Contemporânea
História da arte - Arte Contemporânea
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Arte medieval
Arte medievalArte medieval
Arte medieval
 
Aula 2 arte - 2º ano
Aula 2   arte - 2º anoAula 2   arte - 2º ano
Aula 2 arte - 2º ano
 

Semelhante a Desenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da Arte

Ufu 2019 Revisão
Ufu 2019 RevisãoUfu 2019 Revisão
Ufu 2019 Revisão
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptxApresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
Gael Arias Aguilar
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
inesmeneguzzi
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
Antonio Abreu
 
Texto introdutório corridascença
Texto introdutório   corridascençaTexto introdutório   corridascença
Texto introdutório corridascença
PIBIDSolondeLucena
 
Arte completa
Arte completaArte completa
Arte completa
Mario Carvalho
 
Arte completa
Arte completa Arte completa
Arte completa
santiago correa
 
Histarte resumos
Histarte resumosHistarte resumos
Histarte resumos
Fernanda Duarte
 
XIX Arte
XIX ArteXIX Arte
XIX Arte
Isidro Santos
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
julio2012souto
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
greghouse48
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
Danilson Silva
 
A história da arte se mistura à história do próprio homem
A história da arte se mistura à história do próprio homemA história da arte se mistura à história do próprio homem
A história da arte se mistura à história do próprio homem
Ze Brown
 
Trabalho de artes andressa 2°c
Trabalho  de artes andressa 2°cTrabalho  de artes andressa 2°c
Trabalho de artes andressa 2°c
floresmaces
 
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao RomantismoHistória da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
Raphael Lanzillotte
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
Colégio Nova Geração COC
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
Colégio Nova Geração COC
 
A descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicas
A descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicasA descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicas
A descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicas
gofontoura
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
Juliana618850
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
IdinneyMax1
 

Semelhante a Desenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da Arte (20)

Ufu 2019 Revisão
Ufu 2019 RevisãoUfu 2019 Revisão
Ufu 2019 Revisão
 
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptxApresentação sobre Artes Visuais.pptx
Apresentação sobre Artes Visuais.pptx
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Panorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da HistóriaPanorama Momentos Artísticos da História
Panorama Momentos Artísticos da História
 
Texto introdutório corridascença
Texto introdutório   corridascençaTexto introdutório   corridascença
Texto introdutório corridascença
 
Arte completa
Arte completaArte completa
Arte completa
 
Arte completa
Arte completa Arte completa
Arte completa
 
Histarte resumos
Histarte resumosHistarte resumos
Histarte resumos
 
XIX Arte
XIX ArteXIX Arte
XIX Arte
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Pré renascimento
 Pré renascimento Pré renascimento
Pré renascimento
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
 
A história da arte se mistura à história do próprio homem
A história da arte se mistura à história do próprio homemA história da arte se mistura à história do próprio homem
A história da arte se mistura à história do próprio homem
 
Trabalho de artes andressa 2°c
Trabalho  de artes andressa 2°cTrabalho  de artes andressa 2°c
Trabalho de artes andressa 2°c
 
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao RomantismoHistória da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
História da Arte: Linha do tempo - Renascimento ao Romantismo
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
Filosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidadeFilosofia e arte na modernidade
Filosofia e arte na modernidade
 
A descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicas
A descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicasA descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicas
A descrença no pensamento positivista e as novas concepções científicas
 
oficinahg16.pptx
oficinahg16.pptxoficinahg16.pptx
oficinahg16.pptx
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
Ana Beatriz Cargnin
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
Ana Beatriz Cargnin
 
Gravuras
GravurasGravuras
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
Ana Beatriz Cargnin
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
Ana Beatriz Cargnin
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
Ana Beatriz Cargnin
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
Ana Beatriz Cargnin
 
Misturas
MisturasMisturas
Átomo
ÁtomoÁtomo
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
Ana Beatriz Cargnin
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Ana Beatriz Cargnin
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
Ana Beatriz Cargnin
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Ana Beatriz Cargnin
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
Ana Beatriz Cargnin
 

Mais de Ana Beatriz Cargnin (20)

Cultura catarinense
Cultura catarinenseCultura catarinense
Cultura catarinense
 
Arte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiaresArte em pinturas de grupos familiares
Arte em pinturas de grupos familiares
 
Gravuras
GravurasGravuras
Gravuras
 
Dissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - PapercraftDissecação de Anuro - Papercraft
Dissecação de Anuro - Papercraft
 
Sistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueletoSistema Locomotor - O esqueleto
Sistema Locomotor - O esqueleto
 
O Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body artO Labirinto do Fauno e a Body art
O Labirinto do Fauno e a Body art
 
Teatro de fantoches
Teatro de fantochesTeatro de fantoches
Teatro de fantoches
 
Estudo dos movimentos
Estudo dos movimentosEstudo dos movimentos
Estudo dos movimentos
 
Misturas
MisturasMisturas
Misturas
 
Átomo
ÁtomoÁtomo
Átomo
 
Introdução a química matéria
Introdução a química matériaIntrodução a química matéria
Introdução a química matéria
 
Proriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matériaProriedades específicas da matéria
Proriedades específicas da matéria
 
Sistema linfático
Sistema linfáticoSistema linfático
Sistema linfático
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratórioDoenças e distúrbios dos sistema respiratório
Doenças e distúrbios dos sistema respiratório
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Cárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestórioCárie e outras doenças do tubo digestório
Cárie e outras doenças do tubo digestório
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dstSexualidade -  puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
Sexualidade - puberdade - reprodução humana - métodos contraceptivos - dst
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
 

Último

Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 

Último (20)

Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 

Desenho artístico e de apresentação - Parte 1: História da Arte

  • 1. DESENHO ARTÍSTICO E DE APRESENTAÇÃO FORMATAÇÃO DOS SLIDES: PROF. ANA BEATRIZ CARGNIN 2º ANO DO ENSINO MÉDIO
  • 2. 1 Pré-história; 2 Idade Antiga; 3 Idade Média; 4 Idade Moderna; 5 Idade Contemporânea. HISTÓRIA DA ARTE E DO DESENHO
  • 3. A expressão artística faz parte da história humana desde os tempos mais remotos. O desenho, que é uma dessas formas de linguagem, já era utilizado nos primórdios da humanidade quando o homem incluía-o nos rituais de inscrições rupestres, como forma de retratar seu cotidiano.
  • 4. A arte na Idade Antiga é muito abrangente e nos mostra variados princípios ideológicos. A arte egípcia está ligada à religião, ou seja, aos sagrados deuses.
  • 5. A arte grega tem como fio condutor o desenvolvimento intelectual do homem em todos os setores, inclusive na arte, onde predomina o ritmo, o equilíbrio e a harmonia.
  • 6. A arte romana também orientava-se pela expressão artística de ideal de beleza humana, é menos idealizada e intelectual que a arte clássica grega, porém é mais secular e funcional. As antigas civilizações nos deixaram um grande legado nos ensinamentos artísticos. Muito do que se conhece de proporção, perspectiva, luz e sombra tiveram sua origem neste período.
  • 7. A era da Idade Média era marcada pela supremacia da Igreja Católica. A sociedade européia medieval girava em torno do cristianismo. Nesta época, a arte medieval permaneceu estagnada, sem grandes criações durante centenas de anos e ficou conhecida como Idade das Trevas. A pintura medieval era retratada bidimensionalmente e, dependendo do grau de importância dos personagens, eles eram representados em maior ou menor escala. Os artistas não se preocupavam em desenhar realisticamente suas imagens e sim em transmitir, simbolicamente, uma mensagem de cunho religioso.
  • 8. No século IV o imperador imperador Constantino reconheceu o culto livre aos cristãos do Império Romano. A arte cristã primitiva evoluiu então para a arte bizantina. No século VIII-IX, o mundo bizantino foi dilacerado pela questão da iconoclastia, uma controvérsia sobre o uso de pinturas ou entalhes na vida religiosa. Toda representação humana que fosse realista poderia ser considerada uma violação ao mandamento de não adorar imagens esculpidas. O mais célebre dos mosaicos Bizantinos intactos da Basílica de Santa Sofia em Constantinopla.
  • 9. A pintura não se destacou tanto quanto a arquitetura nesse período. Os principais trabalhos são a pintura mural, as iluminuras e as tapeçarias. A pintura parietal, ou seja, executada nas paredes, era dependente da arquitetura, como pode-se deduzir, tendo aquela somente função didática. Em um período em que a grande maioria da população era analfabeta, a pintura era uma forma de transmitir os ensinamentos do cristianismo Iluminura de Paulo
  • 10. O estilo gótico designa uma fase da história da arte ocidental, identificável por características muito próprias de contexto social, político e religioso em conjugação com valores estéticos e filosóficos e que surge como resposta à austeridade do estilo românico. A pintura gótica, uma das expressões da arte gótica, não assume um papel de destaque logo desde o início do desenvolvimento do estilo. Apareceu apenas em 1200 ou quase 50 anos depois do início da arquitetura e escultura góticas.
  • 11. A era moderna pode ser considerada como uma época de “Revolução Social”, deixando para trás o sistema feudalista e predominando o capitalismo. Nesse momento da história, vários estilos se destacam como o Renascimento, Maneirismo, Barroco e Rococó.
  • 12. Procurava retratar a perfeição e a beleza absoluta.
  • 13. Foi uma escola de excessos, distorções, contrastes, sonhos, ilusões, estilizações, detalhamentos.
  • 14. A arte barroca enfatiza o efeito luminoso do claro-escuro na superfície fugaz da pele, distinguindo-se da heroica forma escultural monumental e arbitrária de antes.
  • 15. O rococó se opôs ao espírito grandioso do barroco. Em contraste com este último estilo suas cores são leves e vivas. Predominância de temas que retratavam a futilidade da nobreza francesa.
  • 16. Tem seu início com a Revolução Francesa (1789), juntamente com a Revolução Industrial (final séc. XVIII). Fortes mudanças sociais, políticas e culturais alteraram também o pensamento e a produção artística do homem no início do séc. XIX. As várias concepções e tendências produziram uma grande diversificação de movimentos artísticos como o Neoclássico, Romântico ou Neogótico, Realista, Impressionista e no final do séc. XIX o Simbolismo (Nabis) e Art Nouveau.
  • 17. Teve como base os ideais do Iluminismo e um renovado interesse pela cultura da Antiguidade clássica, advogando os princípios da moderação, equilíbrio e idealismo como uma reação contra os excessos decorativistas e dramáticos do Barroco e Rococó.
  • 18. O artista, fascinado pelo mistério e sobrenatural, criou em suas obras uma atmosfera de fantasia e heroísmo. Valorizando acima de tudo a emoção e a liberdade de criação.
  • 19. Uma forma de repúdio aos estilos artificiais do Neoclassicismo e do Romantismo. A paisagem ganhou destaque e passou a ser o tema principal de muitas obras. Também retratam a vida, os problemas e costumes das classes médias baixa.
  • 20. Os autores impressionistas não mais se preocupavam com os preceitos do Realismo ou da academia. A luz e o movimento utilizando pinceladas soltas tornam-se o principal elemento da pintura.
  • 21. Os artistas representavam imagens estilizadas e usavam cores emotivas e por vezes pintavam cenas exóticas, oníricas e mitológicas para trazer a consciência do observador os sonhos e estados de espírito que experimentavam.
  • 22. Situado no final do séc. XIX, foi dirigido principalmente para a arte decorativa e contribuiu de forma significativa para o desenvolvimento do moderno design.
  • 24.
  • 25.
  • 26. A composição é um passo prévio ao desenho e de fundamental importância e que, se bem empregada, dá equilíbrio e qualidade à obra.