SlideShare uma empresa Scribd logo
LITERATURA
"A única
   literatura
honrada é a que
pode melhorar o
   homem."
     José María Vigil
Literatura.ppt
CARTÁTICA
   LIBERA
SENTIMENTOS
              ESTÉTICA
 ATRAVÉS DA
LITERATURA.
        EXISTE PARA SER
       ADIMIRADA, POQUE
            É BELA.
Literatura.ppt
NAVIO NEGREIRO
                      CASTRO
Senhor Deus dos        ALVES
desgraçados! Senhor Deus!
Dizei-me vós,
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus?
Ó mar, por que não apagas
De teu manto este borrão?..
Astros! noites! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!
São os filhos do deserto,
Onde a terra esposa a luz.
Onde vive em campo aberto
A tribo dos homens nus...
São os guerreiros ousados
Combatem na solidão.
Ontem
Hoje           míseros
simples, fortes, bravos.
escravos,
Sem luz, sem ar, sem razão..
COGNITIVA    POLÍTICO-SOCIAL

  DE PASSAR
               INTERFERE NA
CONHECIMENTO
              SOCIEDADE, TEM
 S, SER USADA
                A OPNIÃO DE
PARA ENSINAR
                 PESSOAS.
ALGUMA COISA.
O termo “gênero” origina-
 se do latim genus, eris,
que significa nascimento,
 descendência, origem, e
 refere-se a um conjunto
    de características
   temáticas e formais
      intrínsecas às
manifestações literárias.
Literatura.ppt
Denominação
 genérica de
  todas as
manifestaçõe
 s literárias
ocorridas no
    Brasil
  durante o
 século XVI
MOMENTO SOCIOCULTURAL
 Início da exploração da colônia:
 extração de pau-brasil e do cultivo
         da cana de açúcar.
 Expedições de exploração e
 reconhecimento da nova terra.

  Vinda dos jesuítas: trabalho de
catequese dos índios e formação dos
        primeiros colégios.
Literatura.ppt
Carta de Pero Vaz de Caminha ("certidão de
nascimento" do Brasil)
Literatura de informação
.                        : História da província de
Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil
                          Tratado descritivo do
Brasil
Literatura de catequese
.                           Diálogo sobre a
conversão do gentio
.                         Na festa de São
Lourenço (peça teatral), Poema à Virgem (de
tradição medieval)
BARROCO
 Momento sociocultural
Centros econômicos
e culturais: Bahia e
   Pernambuco.

  Período áureo do
  ciclo da cana-de-
       açúcar.
Poder econômico:
   senhores de
engenho. Relação
 básica: senhor e
     escravo.

Ausência de centros
 urbanos e de vida
cultural. .Ampliação
 do território pelos
   bandeirantes.
CARACTERÍSTICAS
 1) A arte da contrarreforma
 A ideologia do Barroco é fornecida pela
Contrarreforma. Em nenhuma outra época
   se produziu tamanha quantidade de
  igrejas, capelas, estátuas de santos e
monumentos sepulcrais. As obras de arte
deviam falar aos fiéis com a maior eficácia
possível, mas em momento algum descer
     até eles. A arte barroca tinha que
convencer, conquistar e impor admiração.
O Renascimento definiu-se pela
 valorização do profano, pondo em voga
o gosto pelas satisfações mundanas. Os
  intelectuais barrocos, no entanto, não
    alcançam tranquilidade agindo de
 acordo com essa filosofia. A influência
      da Contrarreforma fez com que
  houvesse oposição entre os ideais de
vida eterna em contraposição com a vida
terrena e do espírito em contraposição à
Na visão barroca, não há possibilidade
de conciliar essas antíteses: ou se vive
 a vida sensualmente, ou se foge dos
    gozos humanos e se alcança a
  eternidade. A tensão de elementos
    contrários causa no artista uma
profunda angústia: após arrojar-se nos
  prazeres mais radicais, ele se sente
   culpado e busca o perdão divino.
    Assim, ora ajoelha-se diante de
 Deus, ora celebra as delícias da vida.
3) O tema da passagem do
             tempo

     O homem barroco assume consciência
integral no que se refere à fugacidade da vida
    humana (efemeridade): o tempo, veloz e
 avassalador, tudo destrói em sua passagem.
 Por outro lado, diante das coisas transitórias
 (instabilidade), surge a contradição: vivê-las,
      antes que terminem, ou renunciar ao
   passageiro e entregar-se à eternidade?
4) Forma tumultuosa
       O estilo barroco apresenta forma
 conturbada, decorrente da tensão causada
      pela oposição entre os princípios
     renascentistas e a ética cristã. Daí a
            frequente utilização de
            antíteses, paradoxos e
    inversões, estabelecendo uma forma
   contraditória, dilemática. Além disso, a
    utilização de interrogações revela as
incertezas do homem barroco frente ao seu
     período e a inversão de frases a sua
   tentativa na conciliação dos elementos
O cultismo

     Caracteriza-se pelo uso de
   linguagem rebuscada, culta,
 extravagante, repleta de jogos de
palavras e do emprego abusivo de
figuras de estilo, como a metáfora
e a hipérbole. Veja um exemplo de
          poesia cultista:
O conceptismo

Que ocorre principalmente na prosa,
   é marcado pelo jogo de ideias, de
  conceitos, seguindo um raciocínio
 lógico, nacionalista, que utiliza uma
  retórica aprimorada. A organização
    da frase obedece a uma ordem
rigorosa, com o intuito de convencer
e ensinar. Veja um exemplo de prosa
              conceptista:
FIGURAS DE LINGUAGEM NO
            BARROCO
           METÁFORA:

 É uma comparação implícita. Tem-se
como exemplo o trecho a seguir, escrito
       por Gregório de Matos:
Se    és   fogo,    como     passas
brandamente?

Se és neve, como queimas com porfia?
Antítese

   Reflete a contradição do homem
  barroco, seu dualismo. Revela o
contraste que o escritor vê em quase
 tudo. Observe a seguir o trecho de
Manuel Botelho de Oliveira, no qual é
descrita uma ilha, salientando-se seus
       elementos contrastantes:
Vista por fora é pouco apetecida
Porque aos olhos por feia é parecida;
Porém, dentro habitada
É muito bela, muito desejada,
É como a concha tosca e deslustrosa,
Que dentro cria a pérola formosa.
Paradoxo
Corresponde à união de duas
   ideias contrárias num só
  pensamento. Opõe-se ao
     racionalismo da arte
renascentista. Veja a estrofe a
seguir, de Gregório de Matos:
Ardor em firme Coração nascido;
pranto por belos olhos derramado;
         em mares de
disfarçado;
rio de neve em fogo convertido.
Hipérbole

 traduz ideia de grandiosidade,
pompa. Veja mais um exemplo de
      Gregório de Matos:
É a vaidade, Fábio, nesta vida,
  Rosa, que da manhã lisonjeada,
Púrpuras mil, com ambição dourada,
 Airosa rompe, arrasta presumida.
Prosopopeia

 personificação de seres inanimados
para dinamizar a realidade. Observe
um trecho escrito pelo Padre Antônio
               Vieira:
No diamante agradou-me o forte,
no cedro o incorruptível, na águia
o sublime, no                  ,
no Sol o excesso de Luz.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Literatura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros LiteráriosLiteratura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros Literários
Miriam Zelmikaitis
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
jasonrplima
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Ana Paula Brisolar
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
Cláudia Heloísa
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
Cynthia Funchal
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
Lara Lídia
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Verônica Carvalho
 
Os tipos de textos
Os tipos de textosOs tipos de textos
Os tipos de textos
angelafreire
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Ricardo Leandro Flores Ricalde
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
Carla Souto
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
Maria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Redacao enem
Redacao enemRedacao enem
Redacao enem
Jerry Adriano
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Claudia Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Literatura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros LiteráriosLiteratura - Gêneros Literários
Literatura - Gêneros Literários
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Escolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - QuinhentismoEscolas Literárias - Quinhentismo
Escolas Literárias - Quinhentismo
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Os tipos de textos
Os tipos de textosOs tipos de textos
Os tipos de textos
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Arte e literatura
Arte e literaturaArte e literatura
Arte e literatura
 
Revisão – literatura
Revisão – literatura Revisão – literatura
Revisão – literatura
 
Redacao enem
Redacao enemRedacao enem
Redacao enem
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 

Destaque

Eutanásia
Eutanásia Eutanásia
Eutanásia
dianacmendes7
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
Diogo Medeiros
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
MrKokamus
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
Letícia R. Maia
 
Conceitos Básicos Bioética
Conceitos Básicos BioéticaConceitos Básicos Bioética
Conceitos Básicos Bioética
Nadsonea Azevedo
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Douglas Maga
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
António Morais
 
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSBIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
Oyara Mello
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Carol Alves
 
bioetica
 bioetica bioetica

Destaque (10)

Eutanásia
Eutanásia Eutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
Eutanásia
EutanásiaEutanásia
Eutanásia
 
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a OrtotanásiaA Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
A Éticia sobre a Eutanásia, Distanásia e a Ortotanásia
 
Conceitos Básicos Bioética
Conceitos Básicos BioéticaConceitos Básicos Bioética
Conceitos Básicos Bioética
 
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da horaLiteratura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
Literatura Trovadorismo Humanismo by Trabalho da hora
 
Eutanasia
EutanasiaEutanasia
Eutanasia
 
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOSBIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
bioetica
 bioetica bioetica
bioetica
 

Semelhante a Literatura.ppt

2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx
GrazielyHeloisaMorce
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
91118538
 
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiroGregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
KarolineBritoVeiga1
 
Barroco - CILP
Barroco - CILPBarroco - CILP
Barroco - CILP
jasonrplima
 
Barroco.ppt
Barroco.pptBarroco.ppt
Barroco.ppt
LairtesChaves1
 
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMABARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
Thiago Lucius Alvarez Amaral
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
joelson1
 
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Chrys Novaes
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
Péricles Penuel
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
Amelia Barros
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
Karla Mascarenhas
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
CamilaOliveira83116
 
Barroco (paulo monteiro)
Barroco (paulo monteiro)Barroco (paulo monteiro)
Barroco (paulo monteiro)
paulomonteiropimpao
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
colveromachado
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco 2010
Barroco 2010Barroco 2010
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja   etapa VII - Literatura_Barroco no BrasilEja   etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Hildalene Pinheiro
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
Helena Coutinho
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
Camila24463
 

Semelhante a Literatura.ppt (20)

2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx2- Perioddo Barroco.pptx
2- Perioddo Barroco.pptx
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco literatura
Barroco literatura Barroco literatura
Barroco literatura
 
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiroGregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
Gregório de Mattos. O grande poeta brasileiro
 
Barroco - CILP
Barroco - CILPBarroco - CILP
Barroco - CILP
 
Barroco.ppt
Barroco.pptBarroco.ppt
Barroco.ppt
 
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMABARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
BARROCO NA LITERATURA E ARTE BRASILEIRA - A ARTE DA CONTRARREFORMA
 
Barroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasilBarroco e-arcadismo-no-brasil
Barroco e-arcadismo-no-brasil
 
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
Barroco ou seiscentismo brasileiro (1601 1768)
 
Barroco nota de aula -
Barroco nota de aula    - Barroco nota de aula    -
Barroco nota de aula -
 
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIASLITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
LITERATURA: ESCOLAS LITERÁRIAS
 
Material de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literaturaMaterial de apoio trabalho de sala literatura
Material de apoio trabalho de sala literatura
 
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDEResumão da escola literária BARROCO SLIDE
Resumão da escola literária BARROCO SLIDE
 
Barroco (paulo monteiro)
Barroco (paulo monteiro)Barroco (paulo monteiro)
Barroco (paulo monteiro)
 
Barroco aula
Barroco aulaBarroco aula
Barroco aula
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Barroco 2010
Barroco 2010Barroco 2010
Barroco 2010
 
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja   etapa VII - Literatura_Barroco no BrasilEja   etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
Eja etapa VII - Literatura_Barroco no Brasil
 
Barroco contexto e caract
Barroco   contexto e caractBarroco   contexto e caract
Barroco contexto e caract
 
Barroco.pptx
Barroco.pptxBarroco.pptx
Barroco.pptx
 

Mais de preuniversitarioitab

3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
preuniversitarioitab
 
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
preuniversitarioitab
 
1ª aula investigação cientifica
1ª aula investigação cientifica1ª aula investigação cientifica
1ª aula investigação cientifica
preuniversitarioitab
 
1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica
1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica
1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica
preuniversitarioitab
 
Informações sobre o ENEM 2013
Informações sobre o ENEM 2013Informações sobre o ENEM 2013
Informações sobre o ENEM 2013
preuniversitarioitab
 
Ideia exposição sisu_2013
Ideia exposição sisu_2013Ideia exposição sisu_2013
Ideia exposição sisu_2013
preuniversitarioitab
 
Gabarito 2º Simulado 1ª Parte
Gabarito 2º Simulado 1ª ParteGabarito 2º Simulado 1ª Parte
Gabarito 2º Simulado 1ª Parte
preuniversitarioitab
 
8ª aula embriologia 2
8ª aula   embriologia 28ª aula   embriologia 2
8ª aula embriologia 2
preuniversitarioitab
 
7ª aula gametogênese
7ª aula   gametogênese7ª aula   gametogênese
7ª aula gametogênese
preuniversitarioitab
 
6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas
6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas
6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas
preuniversitarioitab
 
5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico
5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico
5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico
preuniversitarioitab
 
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
preuniversitarioitab
 
Pre (função 1º_e_2º_grau)_pdf
Pre (função 1º_e_2º_grau)_pdfPre (função 1º_e_2º_grau)_pdf
Pre (função 1º_e_2º_grau)_pdf
preuniversitarioitab
 
4ª aula - niveis de organização dos seres vivos
4ª aula - niveis de organização dos seres vivos4ª aula - niveis de organização dos seres vivos
4ª aula - niveis de organização dos seres vivos
preuniversitarioitab
 
3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular
preuniversitarioitab
 
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
preuniversitarioitab
 
1ª aula 2013 - Investigação Científica
1ª aula 2013 - Investigação Científica1ª aula 2013 - Investigação Científica
1ª aula 2013 - Investigação Científica
preuniversitarioitab
 
1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica
1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica
1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica
preuniversitarioitab
 
Teoria Literária
Teoria LiteráriaTeoria Literária
Teoria Literária
preuniversitarioitab
 
3.1
3.13.1

Mais de preuniversitarioitab (20)

3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia3ª Aula de Biologia
3ª Aula de Biologia
 
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
 
1ª aula investigação cientifica
1ª aula investigação cientifica1ª aula investigação cientifica
1ª aula investigação cientifica
 
1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica
1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica
1 ¦ aula investiga+º+úo cientifica
 
Informações sobre o ENEM 2013
Informações sobre o ENEM 2013Informações sobre o ENEM 2013
Informações sobre o ENEM 2013
 
Ideia exposição sisu_2013
Ideia exposição sisu_2013Ideia exposição sisu_2013
Ideia exposição sisu_2013
 
Gabarito 2º Simulado 1ª Parte
Gabarito 2º Simulado 1ª ParteGabarito 2º Simulado 1ª Parte
Gabarito 2º Simulado 1ª Parte
 
8ª aula embriologia 2
8ª aula   embriologia 28ª aula   embriologia 2
8ª aula embriologia 2
 
7ª aula gametogênese
7ª aula   gametogênese7ª aula   gametogênese
7ª aula gametogênese
 
6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas
6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas
6 ¬ aula - estruturas das c+®lulas
 
5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico
5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico
5 ¦ aula - +ücido nucl+®ico
 
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
4 ¬ aula - niveis de organiza+º+úo dos sers vivos
 
Pre (função 1º_e_2º_grau)_pdf
Pre (função 1º_e_2º_grau)_pdfPre (função 1º_e_2º_grau)_pdf
Pre (função 1º_e_2º_grau)_pdf
 
4ª aula - niveis de organização dos seres vivos
4ª aula - niveis de organização dos seres vivos4ª aula - niveis de organização dos seres vivos
4ª aula - niveis de organização dos seres vivos
 
3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular3ª aula - bioquimica celular
3ª aula - bioquimica celular
 
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
2ª aula - caracteristicas dos seres vivos
 
1ª aula 2013 - Investigação Científica
1ª aula 2013 - Investigação Científica1ª aula 2013 - Investigação Científica
1ª aula 2013 - Investigação Científica
 
1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica
1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica
1 ¬ aula 2013 - investiga+º+úo cientifica
 
Teoria Literária
Teoria LiteráriaTeoria Literária
Teoria Literária
 
3.1
3.13.1
3.1
 

Último

Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 

Literatura.ppt

  • 2. "A única literatura honrada é a que pode melhorar o homem." José María Vigil
  • 4. CARTÁTICA LIBERA SENTIMENTOS ESTÉTICA ATRAVÉS DA LITERATURA. EXISTE PARA SER ADIMIRADA, POQUE É BELA.
  • 6. NAVIO NEGREIRO CASTRO Senhor Deus dos ALVES desgraçados! Senhor Deus! Dizei-me vós, Se é loucura... se é verdade Tanto horror perante os céus? Ó mar, por que não apagas De teu manto este borrão?..
  • 7. Astros! noites! tempestades! Rolai das imensidades! Varrei os mares, tufão! São os filhos do deserto, Onde a terra esposa a luz. Onde vive em campo aberto A tribo dos homens nus... São os guerreiros ousados Combatem na solidão. Ontem Hoje míseros simples, fortes, bravos. escravos, Sem luz, sem ar, sem razão..
  • 8. COGNITIVA POLÍTICO-SOCIAL DE PASSAR INTERFERE NA CONHECIMENTO SOCIEDADE, TEM S, SER USADA A OPNIÃO DE PARA ENSINAR PESSOAS. ALGUMA COISA.
  • 9. O termo “gênero” origina- se do latim genus, eris, que significa nascimento, descendência, origem, e refere-se a um conjunto de características temáticas e formais intrínsecas às manifestações literárias.
  • 11. Denominação genérica de todas as manifestaçõe s literárias ocorridas no Brasil durante o século XVI
  • 12. MOMENTO SOCIOCULTURAL  Início da exploração da colônia: extração de pau-brasil e do cultivo da cana de açúcar.  Expedições de exploração e reconhecimento da nova terra.  Vinda dos jesuítas: trabalho de catequese dos índios e formação dos primeiros colégios.
  • 14. Carta de Pero Vaz de Caminha ("certidão de nascimento" do Brasil) Literatura de informação . : História da província de Santa Cruz a que vulgarmente chamamos Brasil Tratado descritivo do Brasil Literatura de catequese . Diálogo sobre a conversão do gentio . Na festa de São Lourenço (peça teatral), Poema à Virgem (de tradição medieval)
  • 15. BARROCO Momento sociocultural Centros econômicos e culturais: Bahia e Pernambuco. Período áureo do ciclo da cana-de- açúcar.
  • 16. Poder econômico: senhores de engenho. Relação básica: senhor e escravo. Ausência de centros urbanos e de vida cultural. .Ampliação do território pelos bandeirantes.
  • 17. CARACTERÍSTICAS 1) A arte da contrarreforma A ideologia do Barroco é fornecida pela Contrarreforma. Em nenhuma outra época se produziu tamanha quantidade de igrejas, capelas, estátuas de santos e monumentos sepulcrais. As obras de arte deviam falar aos fiéis com a maior eficácia possível, mas em momento algum descer até eles. A arte barroca tinha que convencer, conquistar e impor admiração.
  • 18. O Renascimento definiu-se pela valorização do profano, pondo em voga o gosto pelas satisfações mundanas. Os intelectuais barrocos, no entanto, não alcançam tranquilidade agindo de acordo com essa filosofia. A influência da Contrarreforma fez com que houvesse oposição entre os ideais de vida eterna em contraposição com a vida terrena e do espírito em contraposição à
  • 19. Na visão barroca, não há possibilidade de conciliar essas antíteses: ou se vive a vida sensualmente, ou se foge dos gozos humanos e se alcança a eternidade. A tensão de elementos contrários causa no artista uma profunda angústia: após arrojar-se nos prazeres mais radicais, ele se sente culpado e busca o perdão divino. Assim, ora ajoelha-se diante de Deus, ora celebra as delícias da vida.
  • 20. 3) O tema da passagem do tempo O homem barroco assume consciência integral no que se refere à fugacidade da vida humana (efemeridade): o tempo, veloz e avassalador, tudo destrói em sua passagem. Por outro lado, diante das coisas transitórias (instabilidade), surge a contradição: vivê-las, antes que terminem, ou renunciar ao passageiro e entregar-se à eternidade?
  • 21. 4) Forma tumultuosa O estilo barroco apresenta forma conturbada, decorrente da tensão causada pela oposição entre os princípios renascentistas e a ética cristã. Daí a frequente utilização de antíteses, paradoxos e inversões, estabelecendo uma forma contraditória, dilemática. Além disso, a utilização de interrogações revela as incertezas do homem barroco frente ao seu período e a inversão de frases a sua tentativa na conciliação dos elementos
  • 22. O cultismo Caracteriza-se pelo uso de linguagem rebuscada, culta, extravagante, repleta de jogos de palavras e do emprego abusivo de figuras de estilo, como a metáfora e a hipérbole. Veja um exemplo de poesia cultista:
  • 23. O conceptismo Que ocorre principalmente na prosa, é marcado pelo jogo de ideias, de conceitos, seguindo um raciocínio lógico, nacionalista, que utiliza uma retórica aprimorada. A organização da frase obedece a uma ordem rigorosa, com o intuito de convencer e ensinar. Veja um exemplo de prosa conceptista:
  • 24. FIGURAS DE LINGUAGEM NO BARROCO METÁFORA: É uma comparação implícita. Tem-se como exemplo o trecho a seguir, escrito por Gregório de Matos:
  • 25. Se és fogo, como passas brandamente? Se és neve, como queimas com porfia?
  • 26. Antítese Reflete a contradição do homem barroco, seu dualismo. Revela o contraste que o escritor vê em quase tudo. Observe a seguir o trecho de Manuel Botelho de Oliveira, no qual é descrita uma ilha, salientando-se seus elementos contrastantes:
  • 27. Vista por fora é pouco apetecida Porque aos olhos por feia é parecida; Porém, dentro habitada É muito bela, muito desejada, É como a concha tosca e deslustrosa, Que dentro cria a pérola formosa.
  • 28. Paradoxo Corresponde à união de duas ideias contrárias num só pensamento. Opõe-se ao racionalismo da arte renascentista. Veja a estrofe a seguir, de Gregório de Matos:
  • 29. Ardor em firme Coração nascido; pranto por belos olhos derramado; em mares de disfarçado; rio de neve em fogo convertido.
  • 30. Hipérbole traduz ideia de grandiosidade, pompa. Veja mais um exemplo de Gregório de Matos:
  • 31. É a vaidade, Fábio, nesta vida, Rosa, que da manhã lisonjeada, Púrpuras mil, com ambição dourada, Airosa rompe, arrasta presumida.
  • 32. Prosopopeia personificação de seres inanimados para dinamizar a realidade. Observe um trecho escrito pelo Padre Antônio Vieira:
  • 33. No diamante agradou-me o forte, no cedro o incorruptível, na águia o sublime, no , no Sol o excesso de Luz.