SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Severino
         Sombra

Centro de ciências da saúde
     Curso de Odontologia


 Alunas:   Oyara da Costa S. de Mello
           Lízia da Silva Rodrigues
           Laiana Andrade
 Professor: Marcos Alex Mendes
OS PRINCÍPIOS DA
    BIOÉTICA
MORAL X ÉTICA
vem da sociedade...      vem da pessoa...
tem aspecto prescritivo, valor captado e apreciado
legal,obrigatório,        internamente e como tal, na
impositivo,coercitivo ou  reflexão do sujeito.
punitivo.




                       x
BIOÉTICA

“Bioética é o estudo sistemático das
dimensões morais – incluindo visão moral,
decisões, condutas e políticas – das
ciências da vida e atenção à saúde,
utilizando uma variedade de metodologias
éticas em um cenário interdisciplinar.”


                 Reich WT. Encyclopedia of Bioethics.
                 New York: MacMillian, 1995:XXI.
O nascimento da Bioética tem suas raízes
ideológicas nas ruínas da 2ª Guerra Mundial
quando se estimulou a consciência dos homens
a uma profunda reflexão, com o intuito de se
estabelecer uma fronteira entre a ética e o
comportamento.
A partir desse marco, estimulou-se a exigência
de uma ética no campo biomédico,
fundamentada na razão e nos valores objetivos
da vida e da pessoa.
Van Rensselaer Potter formulou sua
definição que trazia o sentido de ética da
terra: “Nós temos uma grande necessidade
de uma ética da terra, uma ética para a vida
selvagem, uma ética de populações, uma
ética do consumo, uma ética urbana, uma
ética internacional, uma ética geriátrica e
assim por diante (...) Todas elas envolvem a
bioética, (...)”.
                   Potter VR. Bioethics, the science of survival.
                   Perspectives in biology and medicine. 1970;14:127-
                   53.
Então...
 Bioética se refere a um estudo sistemático da
conduta humana examinada à luz dos valores e
dos princípios morais.
 Trata-se de um "braço" da ética geral.
 Sua tarefa não é elaborar novos princípios éticos
gerais, mas aplicar esses princípios ao âmbito das
ciências da vida e do cuidado da saúde, em
especial aos novos problemas que estão surgindo.
A Bioética na Medicina...
   discute, dentre alguns temas polêmicos:
  eutanásia, distanásia,autonomia, como dar
  más notícias, alocação de recursos, ordens
  de não ressuscitação,suspensão ou não
  instalação de alimentação e/ou hidratação
  artificial, sedação paliativa (sedação
  controlada) e finitude da vida.
DISTANÁSIA
...morte lenta e com muito sofrimento. Para manter o
paciente vivo, é submetido, não intencionalmente, a
tratamentos fúteis (inúteis), não prolongando
propriamente a vida, mas o processo de morrer,
seja aplicando novas biotecnologias à medicina ou
retomando o desejo humano de superar a morte;
EUTANÁSIA
... prática que busca abreviar sem dor e sofrimento
   a vida de um doente reconhecidamente incurável,
   pelo sentido literal de “boa morte”;
ORTOTANÁSIA
...ortotanásia, morte no seu tempo aparentemente
   certo, sem tratamentos desproporcionados e
   sem abreviação do processo de morrer.
PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
PRINCIPIALISMO...
  É a teoria ética prática normativa que
  estabelece os fundamentos para a bioética.
  Considerada Prima facie, isto é, possuem
  validade a primeira vista, mas não são
  absolutos.
 princípio da beneficência
 princípio da não maleficência
 princípio do respeito da autonomia
 princípio da justiça
PRINCÍPIO DA
           BENEFICÊNCIA
...ponderação entre riscos e benefícios, tanto
   atuais como potenciais, individuais ou
   coletivos, comprometendo-se com o máximo
   de benefícios e o mínimo de danos e riscos.
Devemos agir em benefício dos outros:
 proteger e defender o direito dos outros;
 prevenir dano;
 remover as condições que irão causar dano;
 ajudar pessoas deficientes;
 salvar pessoas em perigo.

 O tipo de beneficência esperado do profissional
 da saúde em relação ao paciente é o específico.
 Tem o dever, estabelecido a partir do juramento
 hipocrático, de agir em benefício do paciente. Ele
 não faz “caridade”, cumpre o dever da
 beneficência.
FATORES LIMITANTES ...

 Definir o que é “bom” para o paciente;
 A não aceitação do “paternalismo”;
 Autonomia do paciente;
 Utilização dos critérios de justiça.
O PRINCÍPIO DE NÃO
        MALEFICÊNCIA

O Princípio da Não Maleficência é o mais
controverso de todos. Muito autores o
incluem no Princípio da Beneficência.
Justificam esta posição por acharem que ao
evitar o dano intencional o indivíduo já está,
na realidade, visando o bem do outro.
...Hipócrates, ao redor do ano 430 aC, propôs
   aos médicos, no parágrafo 12 do primeiro
   livro da sua obra Epidemia:

  "Pratique duas coisas ao lidar com as
  doenças; auxilie ou não prejudique o
  paciente".
... O Juramento Hipocrático insere obrigações
   de Não Maleficência e Beneficência:

 "Usarei meu poder para ajudar os doentes
  com o melhor de minha habilidade e
  julgamento; abster-me-ei de causar danos ou
  de enganar a qualquer homem com ele."
...estabelece que a ação do médico sempre
  deve causar o menor prejuízo ou agravos à
  saúde do paciente (ação que não faz o mal).


... o princípio de não maleficência envolve
  abstenção, enquanto o princípio da
  beneficência requer ação. O princípio de não
  maleficência é devido a todas as pessoas,
  enquanto que o princípio da beneficência, na
  prática, é menos abrangente.
AUTONOMIA
  Autonomia é a capacidade de uma pessoa para
 decidir fazer ou buscar aquilo que ela julga ser
 o melhor para si mesma. Para esta
 autodeterminação são necessárias duas
 condições fundamentais:
 capacidade para agir intencionalmente ,decidir
 coerentemente entre as alternativas que lhe são
 apresentadas;
 liberdade, no sentido de estar livre de qualquer
 influência controladora para esta tomada de
 decisão;
PRINCÍPIO DE RESPEITO DA
         AUTONOMIA
... respeitar a autonomia é, em última análise,
   preservar os direitos fundamentais do homem,
   aceitando o pluralismo ético-social que existe
   na atualidade.
Um profissional da saúde deve respeitar as
  escolhas e decisões de seus pacientes:

 fale a verdade;
 respeite a privacidade dos outros;
 proteja informações confidenciais;
 obtenha consentimento dos pacientes para
  fazer intervenções;
 quando solicitado, ajude
a tomar decisões importantes.
Respeitar a autonomia significa, ainda, ajudar
o paciente a superar seus sentimentos de
dependência, equipando-o para hierarquizar
seus valores e preferências legítimas para que
possa discutir as opções diagnósticas e
terapêuticas.
O consentimento informado...
 O consentimento informado é uma decisão
 voluntária, verbal ou escrita, protagonizada
 por uma pessoa autônoma e capaz, tomada
 após um processo informativo, para a
 aceitação de um tratamento específico ou
 experimentação, consciente de seus riscos,
 benefícios e possíveis consequências.
PRINCÍPIO DA JUSTIÇA

 Direito .... Norma estabelecida na lei, onde você
não invade o espaço do outro.
 Dever... Ter a obrigação de fazer.
 Justiça ... respeito à igualdade de todos os
cidadãos.
O PRINCÍPIO DA JUSTIÇA PARTE DA EQUIDADE:

 Distribuição de bens e benefícios;
 Reconhecer as diferentes necessidades;
 Reconhecer igualmente o direito de cada um a
  partir de suas diferenças;
A SAÚDE ANTIGAMENTE ERA DIVIDIDA ASSIM:

 O escravo era atendido por médico escravo;
 O artesão era sempre impossibilitado de
  receber tratamentos;
 O rico recebia o tratamento completo, e tinha
  todo o acesso necessário a saúde;
HOJE EM DIA:

 O princípio da justiça está associada numa
 tentativa de igualar as oportunidades de
 acesso a saúde, preocupando-se com a
 equidade na distribuição de bens e recursos
 considerados comuns.
PRINCÍPIOS:
 Para cada um, uma igual porção;
 Para cada um, de acordo com sua
  necessidade;
 Para cada um, de acordo com seu esforço;
 Para cada um, de acordo com sua
  contribuição;
 Para cada um, de acordo com seu mérito;
 Para cada um, e acordo com as regras de
  livre mercado;
“Portanto podemos definir que a justiça dentro
  da bioética muitas vezes não é o direito.”
"A distribuição natural dos bens não é justa
 ou injusta; nem é injusto que os homens
 nasçam em algumas condições particulares
 dentro da sociedade. Estes são
 simplesmente fatos naturais. O que é justo
 ou injusto é o modo como as instituições
 sociais tratam destes fatos".
                        JOHN RAWLS - Theory of Justice
CONCLUSÃO
A bioética se divide em quatro princípios :
beneficência, não maleficência, autonomia e
justiça,os quais busca definir e manejar os
valores envolvidos nas relações dos
profissionais de saúde e seus
pacientes.Porém não possuem um caráter
absoluto, nem têm prioridade um sobre o
outro, servem como regras gerais para
orientar a tomada de decisão frente aos
problemas éticos e para ordenar os
argumentos nas discussões de casos, e
proporcionar um melhor acesso de forma a
atender as diferenças com mais igualdade.
REFERÊNCIAS ...
 Princípio da bioética - Jussara de Azambuja Loch;

 Frankena WK. Ética.Rio de Janeiro: Zahar, 1981:61-2;

 Artigo principio bioética-Universidade Estadual de Ciências da Saúde
  de Alagoas;

 Artigo :NÃO MALEFICÊNCIA ... PARA O MÉDICO -Max Grinberg;

 Artigo:ÉTICA E BIOÉTICA: PARA DAR INÍCIO À REFLEXÃO -Magda
  Santos Koerich, Rosani Ramos Machado e Eliani Costa;

 PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA-Congresso Brasileiro de Nutrição
  Oncológica-01 de outubro de 2009-Carlos Henrique Debenedito Silva-
  Divisão Técnico Científica Hospital do Câncer IV;
BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Carol Alves
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Aula de bioética
Aula de bioéticaAula de bioética
Aula de bioética
Alessandra Floriano Amaro
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Cintia Colotoni
 
Aula 01 ética
Aula 01 éticaAula 01 ética
Aula 01 ética
Sabrina Felgueiras
 
ÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e Bioética
Zeca Ribeiro
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
Vanessa Farias
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagem
luzienne moraes
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
resenfe2013
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Aula 03 eticaepostura
Aula 03    eticaeposturaAula 03    eticaepostura
Aula 03 eticaepostura
Sabrina Felgueiras
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
davinci ras
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
resenfe2013
 
Etica e bioetica
Etica e bioeticaEtica e bioetica
Etica e bioetica
Lucas Almeida Sá
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
Centro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Bioetica
BioeticaBioetica
Bioetica
 
Aula de bioética
Aula de bioéticaAula de bioética
Aula de bioética
 
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
Psicologia aula 4 resumo aulas 1 2-3
 
Aula 01 ética
Aula 01 éticaAula 01 ética
Aula 01 ética
 
ÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e BioéticaÉTica x Moral e Bioética
ÉTica x Moral e Bioética
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Ética e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagemÉtica e legislação em enfermagem
Ética e legislação em enfermagem
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Aula 03 eticaepostura
Aula 03    eticaeposturaAula 03    eticaepostura
Aula 03 eticaepostura
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Aula promoao a saude
Aula promoao a saudeAula promoao a saude
Aula promoao a saude
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
Diagnósticos de Enfermagem: Uso das Taxonomias (NANDA, NIC, NOC e CIPE)
 
Etica e bioetica
Etica e bioeticaEtica e bioetica
Etica e bioetica
 
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALARORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR
 

Semelhante a BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS

OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICAOS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
Dil Vasconcelos
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
portustfs
 
Bioética e Biopoder
Bioética e BiopoderBioética e Biopoder
Bioética e Biopoder
Bibiana F
 
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIASBIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
José Carlos Nascimento
 
Principios de bioetica
Principios de bioeticaPrincipios de bioetica
Principios de bioetica
Mw M
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
JessiellyGuimares
 
SBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - BioeticaSBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - Bioetica
sequipe
 
Biodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaBiodireito & bioetica
Biodireito & bioetica
Milton Aldana
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
Daniel Boso
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
ssuserac2c8a
 
AULA 10 educacao - BIOÉTICA.pptx
AULA 10  educacao         - BIOÉTICA.pptxAULA 10  educacao         - BIOÉTICA.pptx
AULA 10 educacao - BIOÉTICA.pptx
SaraSilva251649
 
bioetica
 bioetica bioetica
Bioetica e a fe crista
Bioetica e a fe cristaBioetica e a fe crista
Bioetica e a fe crista
Marcelo Pazzotti
 
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aulaÉtica em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
ValmirDornVasconcelo1
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
DheniseMikaelly
 
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Centro Universitário Ages
 
Consentimento Médico
Consentimento MédicoConsentimento Médico
Consentimento Médico
342014
 
A ética na medicina
A ética na medicinaA ética na medicina
A ética na medicina
DeaaSouza
 
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdfÉtica e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
sofy853108
 
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdfÉtica e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
sofy853108
 

Semelhante a BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS (20)

OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICAOS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
 
Bioética e Biopoder
Bioética e BiopoderBioética e Biopoder
Bioética e Biopoder
 
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIASBIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
BIOÉTICA EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS
 
Principios de bioetica
Principios de bioeticaPrincipios de bioetica
Principios de bioetica
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
 
SBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - BioeticaSBOC Boletim 48 - Bioetica
SBOC Boletim 48 - Bioetica
 
Biodireito & bioetica
Biodireito & bioeticaBiodireito & bioetica
Biodireito & bioetica
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
 
AULA 10 educacao - BIOÉTICA.pptx
AULA 10  educacao         - BIOÉTICA.pptxAULA 10  educacao         - BIOÉTICA.pptx
AULA 10 educacao - BIOÉTICA.pptx
 
bioetica
 bioetica bioetica
bioetica
 
Bioetica e a fe crista
Bioetica e a fe cristaBioetica e a fe crista
Bioetica e a fe crista
 
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aulaÉtica em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
 
Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido Autonomia e Consentimento Esclarecido
Autonomia e Consentimento Esclarecido
 
Consentimento Médico
Consentimento MédicoConsentimento Médico
Consentimento Médico
 
A ética na medicina
A ética na medicinaA ética na medicina
A ética na medicina
 
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdfÉtica e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
 
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdfÉtica e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
Ética e Deontologia na atividade Farmacêutica.pdf
 

Mais de Oyara Mello

Planejamento das instalações do consultório odontológico
Planejamento das instalações do consultório odontológico Planejamento das instalações do consultório odontológico
Planejamento das instalações do consultório odontológico
Oyara Mello
 
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticosAtendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Oyara Mello
 
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
Oyara Mello
 
Orientação em Saúde Bucal
Orientação em Saúde BucalOrientação em Saúde Bucal
Orientação em Saúde Bucal
Oyara Mello
 
Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar
Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar
Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar
Oyara Mello
 
Terapia fotodinâmica em Periodntia
Terapia fotodinâmica em PeriodntiaTerapia fotodinâmica em Periodntia
Terapia fotodinâmica em Periodntia
Oyara Mello
 
PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS
PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS
PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS
Oyara Mello
 
Manifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicasManifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicas
Oyara Mello
 
Sucesso das técnicas anestésicas locais em odontologia
Sucesso das técnicas anestésicas locais em odontologiaSucesso das técnicas anestésicas locais em odontologia
Sucesso das técnicas anestésicas locais em odontologia
Oyara Mello
 
Microbiologia da cárie
Microbiologia da cárieMicrobiologia da cárie
Microbiologia da cárie
Oyara Mello
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
Oyara Mello
 
Relações nutricionais com disfunções dentárias
Relações nutricionais com disfunções dentárias Relações nutricionais com disfunções dentárias
Relações nutricionais com disfunções dentárias
Oyara Mello
 
slot vertical e horizontal-Mondelli
slot vertical e horizontal-Mondellislot vertical e horizontal-Mondelli
slot vertical e horizontal-Mondelli
Oyara Mello
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
Oyara Mello
 
RELACIONAMENTOS-CRONOLOGIA
RELACIONAMENTOS-CRONOLOGIARELACIONAMENTOS-CRONOLOGIA
RELACIONAMENTOS-CRONOLOGIA
Oyara Mello
 

Mais de Oyara Mello (15)

Planejamento das instalações do consultório odontológico
Planejamento das instalações do consultório odontológico Planejamento das instalações do consultório odontológico
Planejamento das instalações do consultório odontológico
 
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticosAtendimento e cuidados com pacientes diabéticos
Atendimento e cuidados com pacientes diabéticos
 
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
PROMOÇÃO DE SAÚDE (TRA, CARIOSTÁTICO E FLÚOR VERNIZ)
 
Orientação em Saúde Bucal
Orientação em Saúde BucalOrientação em Saúde Bucal
Orientação em Saúde Bucal
 
Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar
Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar
Introdução Acidental de 3° Molar Superior No Seio Maxilar
 
Terapia fotodinâmica em Periodntia
Terapia fotodinâmica em PeriodntiaTerapia fotodinâmica em Periodntia
Terapia fotodinâmica em Periodntia
 
PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS
PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS
PROTOCOLO CLÍNICO-ODONTOLÓGICO EM PACIENTES TRANSPLANTADOS RENAIS
 
Manifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicasManifestações orais de doenças sistêmicas
Manifestações orais de doenças sistêmicas
 
Sucesso das técnicas anestésicas locais em odontologia
Sucesso das técnicas anestésicas locais em odontologiaSucesso das técnicas anestésicas locais em odontologia
Sucesso das técnicas anestésicas locais em odontologia
 
Microbiologia da cárie
Microbiologia da cárieMicrobiologia da cárie
Microbiologia da cárie
 
Periodontia
PeriodontiaPeriodontia
Periodontia
 
Relações nutricionais com disfunções dentárias
Relações nutricionais com disfunções dentárias Relações nutricionais com disfunções dentárias
Relações nutricionais com disfunções dentárias
 
slot vertical e horizontal-Mondelli
slot vertical e horizontal-Mondellislot vertical e horizontal-Mondelli
slot vertical e horizontal-Mondelli
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
RELACIONAMENTOS-CRONOLOGIA
RELACIONAMENTOS-CRONOLOGIARELACIONAMENTOS-CRONOLOGIA
RELACIONAMENTOS-CRONOLOGIA
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 

BIOÉTICA E SEUS PRINCÍPIOS

  • 1. Universidade Severino Sombra Centro de ciências da saúde Curso de Odontologia Alunas: Oyara da Costa S. de Mello Lízia da Silva Rodrigues Laiana Andrade Professor: Marcos Alex Mendes
  • 2. OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
  • 3. MORAL X ÉTICA vem da sociedade... vem da pessoa... tem aspecto prescritivo, valor captado e apreciado legal,obrigatório, internamente e como tal, na impositivo,coercitivo ou reflexão do sujeito. punitivo. x
  • 4. BIOÉTICA “Bioética é o estudo sistemático das dimensões morais – incluindo visão moral, decisões, condutas e políticas – das ciências da vida e atenção à saúde, utilizando uma variedade de metodologias éticas em um cenário interdisciplinar.” Reich WT. Encyclopedia of Bioethics. New York: MacMillian, 1995:XXI.
  • 5. O nascimento da Bioética tem suas raízes ideológicas nas ruínas da 2ª Guerra Mundial quando se estimulou a consciência dos homens a uma profunda reflexão, com o intuito de se estabelecer uma fronteira entre a ética e o comportamento. A partir desse marco, estimulou-se a exigência de uma ética no campo biomédico, fundamentada na razão e nos valores objetivos da vida e da pessoa.
  • 6. Van Rensselaer Potter formulou sua definição que trazia o sentido de ética da terra: “Nós temos uma grande necessidade de uma ética da terra, uma ética para a vida selvagem, uma ética de populações, uma ética do consumo, uma ética urbana, uma ética internacional, uma ética geriátrica e assim por diante (...) Todas elas envolvem a bioética, (...)”. Potter VR. Bioethics, the science of survival. Perspectives in biology and medicine. 1970;14:127- 53.
  • 7. Então... Bioética se refere a um estudo sistemático da conduta humana examinada à luz dos valores e dos princípios morais. Trata-se de um "braço" da ética geral. Sua tarefa não é elaborar novos princípios éticos gerais, mas aplicar esses princípios ao âmbito das ciências da vida e do cuidado da saúde, em especial aos novos problemas que estão surgindo.
  • 8. A Bioética na Medicina... discute, dentre alguns temas polêmicos: eutanásia, distanásia,autonomia, como dar más notícias, alocação de recursos, ordens de não ressuscitação,suspensão ou não instalação de alimentação e/ou hidratação artificial, sedação paliativa (sedação controlada) e finitude da vida.
  • 9. DISTANÁSIA ...morte lenta e com muito sofrimento. Para manter o paciente vivo, é submetido, não intencionalmente, a tratamentos fúteis (inúteis), não prolongando propriamente a vida, mas o processo de morrer, seja aplicando novas biotecnologias à medicina ou retomando o desejo humano de superar a morte;
  • 10. EUTANÁSIA ... prática que busca abreviar sem dor e sofrimento a vida de um doente reconhecidamente incurável, pelo sentido literal de “boa morte”;
  • 11. ORTOTANÁSIA ...ortotanásia, morte no seu tempo aparentemente certo, sem tratamentos desproporcionados e sem abreviação do processo de morrer.
  • 12. PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA PRINCIPIALISMO... É a teoria ética prática normativa que estabelece os fundamentos para a bioética. Considerada Prima facie, isto é, possuem validade a primeira vista, mas não são absolutos.  princípio da beneficência  princípio da não maleficência  princípio do respeito da autonomia  princípio da justiça
  • 13. PRINCÍPIO DA BENEFICÊNCIA ...ponderação entre riscos e benefícios, tanto atuais como potenciais, individuais ou coletivos, comprometendo-se com o máximo de benefícios e o mínimo de danos e riscos.
  • 14. Devemos agir em benefício dos outros:  proteger e defender o direito dos outros;  prevenir dano;  remover as condições que irão causar dano;  ajudar pessoas deficientes;  salvar pessoas em perigo. O tipo de beneficência esperado do profissional da saúde em relação ao paciente é o específico. Tem o dever, estabelecido a partir do juramento hipocrático, de agir em benefício do paciente. Ele não faz “caridade”, cumpre o dever da beneficência.
  • 15. FATORES LIMITANTES ...  Definir o que é “bom” para o paciente;  A não aceitação do “paternalismo”;  Autonomia do paciente;  Utilização dos critérios de justiça.
  • 16. O PRINCÍPIO DE NÃO MALEFICÊNCIA O Princípio da Não Maleficência é o mais controverso de todos. Muito autores o incluem no Princípio da Beneficência. Justificam esta posição por acharem que ao evitar o dano intencional o indivíduo já está, na realidade, visando o bem do outro.
  • 17. ...Hipócrates, ao redor do ano 430 aC, propôs aos médicos, no parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou não prejudique o paciente".
  • 18. ... O Juramento Hipocrático insere obrigações de Não Maleficência e Beneficência: "Usarei meu poder para ajudar os doentes com o melhor de minha habilidade e julgamento; abster-me-ei de causar danos ou de enganar a qualquer homem com ele."
  • 19. ...estabelece que a ação do médico sempre deve causar o menor prejuízo ou agravos à saúde do paciente (ação que não faz o mal). ... o princípio de não maleficência envolve abstenção, enquanto o princípio da beneficência requer ação. O princípio de não maleficência é devido a todas as pessoas, enquanto que o princípio da beneficência, na prática, é menos abrangente.
  • 20. AUTONOMIA Autonomia é a capacidade de uma pessoa para decidir fazer ou buscar aquilo que ela julga ser o melhor para si mesma. Para esta autodeterminação são necessárias duas condições fundamentais:  capacidade para agir intencionalmente ,decidir coerentemente entre as alternativas que lhe são apresentadas;  liberdade, no sentido de estar livre de qualquer influência controladora para esta tomada de decisão;
  • 21. PRINCÍPIO DE RESPEITO DA AUTONOMIA ... respeitar a autonomia é, em última análise, preservar os direitos fundamentais do homem, aceitando o pluralismo ético-social que existe na atualidade.
  • 22. Um profissional da saúde deve respeitar as escolhas e decisões de seus pacientes:  fale a verdade;  respeite a privacidade dos outros;  proteja informações confidenciais;  obtenha consentimento dos pacientes para fazer intervenções;  quando solicitado, ajude a tomar decisões importantes.
  • 23. Respeitar a autonomia significa, ainda, ajudar o paciente a superar seus sentimentos de dependência, equipando-o para hierarquizar seus valores e preferências legítimas para que possa discutir as opções diagnósticas e terapêuticas.
  • 24. O consentimento informado... O consentimento informado é uma decisão voluntária, verbal ou escrita, protagonizada por uma pessoa autônoma e capaz, tomada após um processo informativo, para a aceitação de um tratamento específico ou experimentação, consciente de seus riscos, benefícios e possíveis consequências.
  • 25. PRINCÍPIO DA JUSTIÇA Direito .... Norma estabelecida na lei, onde você não invade o espaço do outro. Dever... Ter a obrigação de fazer. Justiça ... respeito à igualdade de todos os cidadãos.
  • 26. O PRINCÍPIO DA JUSTIÇA PARTE DA EQUIDADE:  Distribuição de bens e benefícios;  Reconhecer as diferentes necessidades;  Reconhecer igualmente o direito de cada um a partir de suas diferenças;
  • 27. A SAÚDE ANTIGAMENTE ERA DIVIDIDA ASSIM:  O escravo era atendido por médico escravo;  O artesão era sempre impossibilitado de receber tratamentos;  O rico recebia o tratamento completo, e tinha todo o acesso necessário a saúde;
  • 28. HOJE EM DIA: O princípio da justiça está associada numa tentativa de igualar as oportunidades de acesso a saúde, preocupando-se com a equidade na distribuição de bens e recursos considerados comuns.
  • 29. PRINCÍPIOS:  Para cada um, uma igual porção;  Para cada um, de acordo com sua necessidade;  Para cada um, de acordo com seu esforço;  Para cada um, de acordo com sua contribuição;  Para cada um, de acordo com seu mérito;  Para cada um, e acordo com as regras de livre mercado; “Portanto podemos definir que a justiça dentro da bioética muitas vezes não é o direito.”
  • 30. "A distribuição natural dos bens não é justa ou injusta; nem é injusto que os homens nasçam em algumas condições particulares dentro da sociedade. Estes são simplesmente fatos naturais. O que é justo ou injusto é o modo como as instituições sociais tratam destes fatos". JOHN RAWLS - Theory of Justice
  • 31. CONCLUSÃO A bioética se divide em quatro princípios : beneficência, não maleficência, autonomia e justiça,os quais busca definir e manejar os valores envolvidos nas relações dos profissionais de saúde e seus pacientes.Porém não possuem um caráter absoluto, nem têm prioridade um sobre o outro, servem como regras gerais para orientar a tomada de decisão frente aos problemas éticos e para ordenar os argumentos nas discussões de casos, e proporcionar um melhor acesso de forma a atender as diferenças com mais igualdade.
  • 32. REFERÊNCIAS ...  Princípio da bioética - Jussara de Azambuja Loch;  Frankena WK. Ética.Rio de Janeiro: Zahar, 1981:61-2;  Artigo principio bioética-Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas;  Artigo :NÃO MALEFICÊNCIA ... PARA O MÉDICO -Max Grinberg;  Artigo:ÉTICA E BIOÉTICA: PARA DAR INÍCIO À REFLEXÃO -Magda Santos Koerich, Rosani Ramos Machado e Eliani Costa;  PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA-Congresso Brasileiro de Nutrição Oncológica-01 de outubro de 2009-Carlos Henrique Debenedito Silva- Divisão Técnico Científica Hospital do Câncer IV;