SlideShare uma empresa Scribd logo
A Bioética estuda a moralidade da
conduta humana na área das ciências da
vida que pesquisam, manipulam e curam
os seres vivos.
Os transplantes de órgãos, a morte cerebral, a
manipulação do código genético, a fertilização in vitro
e o prolongamento artificial da vida.
UNESCO= dia 10 de outubro
Desde os primórdios da existência humana, o homem se vê
frente a decisões éticas e morais, tendo como fundamento
e objeto a vida.
Na tradição judaico-cristã, há narrativas que exemplificam
determinadas decisões usando caráter ético-moral.
Na Babilônia, o código de Hamurabi , editado 2300 anos
a.C., dotam os primeiros registros históricos de punições a
médicos por seus erros.
 Foi Hipócrates (460-370 a.C.) criou o corpo de doutrina, que levou
a medicina à categoria de ciência. Descartando o curandeirismo.
 O código humanizou a medicina, estabeleceu limites a conduta
medica, impôs o sigilo profissional e o respeito absoluto a vida
, ao paciente e a sua família.
 O principio ético da beneficência: fazer o bem, não causar
dano, cuidar da saúde, favorecer a qualidade de vida.
No século II, no mundo Romano, surgiu Galeno com ensinamentos
aristotélicos que dominaram a medicina por 1400 anos.
A ética medica na idade media foi abafada após a destruição de
Alexandria pelo obscurantismo religioso cristão e muçulmano entre
os anos 400 e 1000.
 No século VI, surgiu o monasticismo criado por São Bento com ele
a medicina monástica ao redor dos conventos.
 Neste período não houve progresso nos ensinamentos de
Hipócrates e Galeno, havendo um recuo nas praticas ocultistas .
 As doenças, pestes e epidemias da idade media.
 O código era a Bíblia, podendo admitir tortura, se esta viesse
para salvar almas.
 A Inquisição Reinava soberana
Com o renascimento cultural nos séculos XII e XIII, surgiram as
universidades para armazenar e transmitir o saber, NÃO PARA CRIÁ-
LO.
A escola Medica de Salerno(Itália)
O Trabalho de Vesálio(1514-1564), De humani corporis
fabrica, a Igreja liberou as dissecações para o ensino medico.
O Iluminismo e a Revolta Cientifica, libertam-se de imposições
Medievais.
As Revoluções Francesa e Americana
Movimento Eugênico no Inicio do século XX, iniciada em Londres
(1907) e adotada nos Estados Unidos.
A Alemanha Nazista:
 Genocídio dos Judeus
 Experiências Medicas em nome da ciência.
Sigmund Rascher
 Entre 1945 e 1946 essas atrocidades foram jugadas no Tribunal de
Nuremberg.
 Regime Nazista justificando aqueles atos:
 Que a investigação era decorrente de ordens superiores;
 Que os indivíduos estudados estavam condenados a morte;
 Que a aquisição dos conhecimentos científicos deveria
predominar sobre os direitos individuais.
1) O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial;
2) O experimento deve ser útil para o bem da sociedade, mas não podem ser
feitos de maneira casuística ou desnecessariamente;
3) O experimento deve ser baseado em resultados de experimentação em
animais;
4) O experimento deve ser conduzido de maneira a evitar todo sofrimento e
danos desnecessários, quer físicos, quer materiais;
5) 5 Não deve ser conduzido qualquer experimento quando existirem razões para
acreditar que pode ocorrer morte ou invalidez permanente;
6) O grau de risco aceitável e limitado;
7) Devem ser tomados cuidados especiais para proteger o participante do
experimento de qualquer possibilidade de dano, invalidez ou morte;
8) O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente
qualificadas.
9) O participante do experimento deve ter a liberdade de se retirar no decorrer
do experimento;
10)O pesquisador deve estar preparado para suspender os procedimentos
experimentais em qualquer estágio, se ele tiver motivos razoáveis para
acreditar que a continuação do experimento provavelmente causará
dano, invalidez ou morte para os participantes.
 O Termo Bioética foi formulado e posto em circulação em 1971, no
livro do oncologista americano Van Resselder
Potter, Bioethics, bridge to the future ( Bioética uma ponte para o
futuro). estabelecendo uma ligação entre os valores éticos e os
fatos biológicos
 O congresso americano criou em 1974, a Comissão Nacional
para a Proteção dos Seres Humanos, da Pesquisa Biomédica e
Comportamental.
 Pesquisadores demoraram quatro anos para a publicaçao do
que ficou conhecido como relatorio Belmont.
 Ancorando quatro principios basicos:
a) BENEFICÊNCIA: atenção aos riscos e benefícios.
b) NÃO MALEFICÊNCIA: a vida não é privilégio de alguns
nem depende de tempo de duração ou de lugar
c) AUTONOMIA: responsável pelas consequências de
seus atos.
d) JUSTIÇA: equidade quanto aos sujeitos de
experimentação.
Congresso Mundial de Bioética de Gijón, Espanha, em junho de 2000.
 Ciência e tecnologia compatíveis com a preservação dos
direitos humanos.
 Recomenda:
 Genoma humano é patrimônio da humanidade;
 A reprodução assistida é tratamento medico para a
esterilidade humana;
 Criação de seres geneticamente idênticos devem ser proibidas;
 proibido o comercio de órgãos humanos;
 Promoção de uma linguagem universal de Bioética.
Problemas que se colocam como dilemas éticos:
1) Capacidade tecnológica para prolongar a vida progride mais
rápido do que o nosso conhecimento para saber como e quando
aplica-la;
2) Direito do paciente de definir alguns aspectos do seu tratamento
e a visão do medico na definição do que e melhor para ele;
3) A existência, na pratica clinica, de pressões para reduzir
custos, em situações de recursos limitados tentando alcançar os
melhores resultados;
4) A tendência atual de levar a publico, resultados que antigamente
ficavam restritos ao âmbito do medico, do paciente e da
família, gerando a moderna medicina defensiva.
• Respeito absoluto à vida humana em todas as suas
etapas e condições;
• Promoção da saúde e prevenção da doença;
• Alivio dos sintomas, das dores e dos sofrimentos;
• Cura da doença;
• Não lesar o paciente durante o tratamento;
• Confidencialidade;
• Certeza do diagnósticos
• Prognósticos de sobrevida;
• Capacidade e competência de decisão do paciente;
• Aspectos econômicos e sociais relevantes;
Neonatologia: o Principio do respeito á vida do feto.
Prematuridade: Situação clinica que diz respeito à
gravidez e ao parto.
Mal formações congênitas e do sistema nervoso:
apresenta complexos desafios aos profissionais de saúde
que tratam da criança afetada e da família.
Aborto: de acordo com o código penal, art.128, no Direito
brasileiro o aborto não e punido quando necessário: se
não há outro meio de salvar a gestante ou se for de
natureza moral (estrupo).
A Clonagem é uma forma de reprodução não sexual;. Baseia-
se na capacidade de germinação das células diploides
normais, que em condições adequadas se reproduzem.
Há duas técnicas principais:
separação de embriões.
Transferência nuclear.
Ian Wilmut
 Em 1993, o Dr. Jerry Hall, da Universidade de George
Washington, conseguiu embriões humanos clônicos
mediante a divisão artificial de óvulos fecundados. Hall
declarou que os embriões tivessem se desenvolvido, os
destruiria.
 A Unesco, a União Europeia, o Vaticano, os parlamentos
alemães e italianos e o Congresso Americano se
manifestaram contra a clonagem.
 Proibição a nível mundial de clonagem em humanos e
 A possibilidade de utilizar órgãos humanos clonados
em transplantes .
 A comercialização de vidas humanas pelas grandes
industrias biomédicas favorecidas sobre patentes de
organismos vivos.
Células tronco: são aquelas com capacidade de
autorrenovação ilimitada, ou prolongada que podem
diferenciar em células do sistema hematopoiético, do
musculo cardíaco, dos ossos, neurônios, nervos, da
pele, etc.
• Polêmica sob o aspecto ético para transplante em seres
humanos, porque implicam a destruição de embriões,
ilegal em vários países e, sob judice, no Brasil,
atualmente.
A polemica entre a igreja católica, algumas evangélicas e
alguns intelectuais e os meios científicos defensores das
pesquisas, reside no consenso sobre quando começa a
vida.
A atitudes éticas exigidas na relação médico / paciente:
CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA MÉDICA
(Adotado pela 3ª Assembleia Geral da Associação Médica
Mundial, Londres, Inglaterra, outubro 1994 e revisado pela 22ª
Assembleia Médica Mundial Sidney, Austrália, agosto 1968 e pela
35ª Assembleia Médica Mundial Veneza, Itália, outubro 1983)
 Respeito total à dignidade do ser humano e necessidades de se
obter o consentimento livre e esclarecido dos indivíduos-alvo e a
proteção a grupos vulneráveis, excluindo-se as possibilidades de
dependência, subordinação, coação ou intimidação.
 Ter como preocupação primaria o bem-estar de seu paciente;
 Proporcionar ao seu paciente uma atenção de saúde continua e
integral, utilizando, para esse fim, todos os meios que sejam
requeridos para aliviar, o quanto possível, os problemas de saude
O MÉDICO NÃO DEVE permitir que motivo de lucro
influencie o livre e independente exercício de sua
capacidade profissional em benefício dos pacientes.
O MÉDICO DEVE respeitar os direitos dos pacientes, dos
colegas, e de outros profissionais da saúde, e protegerá as
confidências dos pacientes.
O MÉDICO DEVE ao paciente lealdade e empregar todos
os recursos da ciência a seu favor. Quando um exame ou
tratamento estiver além de sua capacidade médica,
deverá convidar outro médico que tenha a necessária
habilidade.
O MÉDICO DEVE observar os princípios da Declaração de
ZANCHI, Maseo jutio; ZUGNO, Paul Luiz. Teologia da Saúde.3. ed.ver. E ampl. Caxias do Sul,
RS:Educs,2012.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
Secretaria da Educação
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
Paula Brustolin Xavier
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
Patrícia Éderson Dias
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
José Vitor Alves
 
Biosseguranca
Biosseguranca  Biosseguranca
Biosseguranca
UERGS
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
César Milani
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
Hamilton Souza
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
Maria Clara Figueiredo
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
Murilo Carvalho
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
fnanda
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
universitária
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
César Milani
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Luziane Costa
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
Tereza Cristina
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 

Mais procurados (20)

Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.Ética Moral e Valores.
Ética Moral e Valores.
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Aula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doencaAula processo-saude-doenca
Aula processo-saude-doenca
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 
Aula 4 biossegurança ii
Aula 4   biossegurança iiAula 4   biossegurança ii
Aula 4 biossegurança ii
 
Biosseguranca
Biosseguranca  Biosseguranca
Biosseguranca
 
Sistema endócrino
Sistema endócrinoSistema endócrino
Sistema endócrino
 
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasiaA ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
A ÉTICA SOBRE eutanasia, distanasia e a ortotanasia
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Ética Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagemÉtica Profissional de enfermagem
Ética Profissional de enfermagem
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Ética e Bioética na enfermagem
Ética e Bioética na  enfermagemÉtica e Bioética na  enfermagem
Ética e Bioética na enfermagem
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude1.1 determinantes sociais-da-saude
1.1 determinantes sociais-da-saude
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 

Semelhante a bioetica

trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-
TobiasFim3
 
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aulaÉtica em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
ValmirDornVasconcelo1
 
Pesquisas em seres humanos
Pesquisas em seres humanosPesquisas em seres humanos
Pesquisas em seres humanos
Ricardo Brandão
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
portustfs
 
Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01
Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01
Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01
Helison Anselmo
 
EutanáSia
EutanáSiaEutanáSia
EutanáSia
cab3032
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
ssuserac2c8a
 
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio BentoBioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Família Cristã
 
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICAOS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
Dil Vasconcelos
 
Filosofia: Bioética
Filosofia: BioéticaFilosofia: Bioética
Filosofia: Bioética
Jordan Medeiros
 
Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1
Gaby Veloso
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
rbgalvao
 
Manipulação genética
Manipulação  genéticaManipulação  genética
Manipulação genética
Sandra Figueiredo
 
Modulo iii
Modulo iiiModulo iii
Modulo iii
Nicole Oliveira
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
DheniseMikaelly
 
história
história história
história
wesley rodrigues
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
JessiellyGuimares
 
BIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdf
BIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdfBIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdf
BIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdf
MANOELMESSIASSANTOSS1
 
Transplante de orgaos
Transplante de orgaosTransplante de orgaos
Transplante de orgaos
kleber coutim teodolino
 
Bioetica e a fe crista
Bioetica e a fe cristaBioetica e a fe crista
Bioetica e a fe crista
Marcelo Pazzotti
 

Semelhante a bioetica (20)

trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-trabalhodebioetica-
trabalhodebioetica-
 
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aulaÉtica em Pesquisa em psicologia, 10 aula
Ética em Pesquisa em psicologia, 10 aula
 
Pesquisas em seres humanos
Pesquisas em seres humanosPesquisas em seres humanos
Pesquisas em seres humanos
 
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14Disciplina bioética tópicos 06.02.14
Disciplina bioética tópicos 06.02.14
 
Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01
Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01
Zaineeloesterbioetica 091115150131-phpapp01
 
EutanáSia
EutanáSiaEutanáSia
EutanáSia
 
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf1ª aula de Bioética_introdução.pdf
1ª aula de Bioética_introdução.pdf
 
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio BentoBioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
Bioética e pesquisa em seres humanos - Luiz Antonio Bento
 
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICAOS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA
 
Filosofia: Bioética
Filosofia: BioéticaFilosofia: Bioética
Filosofia: Bioética
 
Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1Saúde infantil modulo 1
Saúde infantil modulo 1
 
Bioética
BioéticaBioética
Bioética
 
Manipulação genética
Manipulação  genéticaManipulação  genética
Manipulação genética
 
Modulo iii
Modulo iiiModulo iii
Modulo iii
 
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptxAula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
Aula 2- Fundamentos de Enfermagem.pptx
 
história
história história
história
 
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptxBIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
BIOÉTICA E O SER HUMANO NO PROCESSO SAÚDE 1.pptx
 
BIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdf
BIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdfBIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdf
BIOSSEGURANÇA TEC TRABALHO.pdf
 
Transplante de orgaos
Transplante de orgaosTransplante de orgaos
Transplante de orgaos
 
Bioetica e a fe crista
Bioetica e a fe cristaBioetica e a fe crista
Bioetica e a fe crista
 

Mais de Juliermeson Morais

Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
Juliermeson Morais
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
Juliermeson Morais
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Juliermeson Morais
 
Retocolite Ulcerativa
Retocolite UlcerativaRetocolite Ulcerativa
Retocolite Ulcerativa
Juliermeson Morais
 
Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1
Juliermeson Morais
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
Juliermeson Morais
 
Antisepticos
AntisepticosAntisepticos
Antisepticos
Juliermeson Morais
 
Aids na gravidez
Aids na gravidezAids na gravidez
Aids na gravidez
Juliermeson Morais
 

Mais de Juliermeson Morais (8)

Ascaris lumbricoides
Ascaris lumbricoidesAscaris lumbricoides
Ascaris lumbricoides
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Retocolite Ulcerativa
Retocolite UlcerativaRetocolite Ulcerativa
Retocolite Ulcerativa
 
Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1Diabetes melitus tipo 1
Diabetes melitus tipo 1
 
Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança Normas de Biossegurança
Normas de Biossegurança
 
Antisepticos
AntisepticosAntisepticos
Antisepticos
 
Aids na gravidez
Aids na gravidezAids na gravidez
Aids na gravidez
 

Último

BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
Manuais Formação
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdfUFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
UFCD_5420_Integração de sistemas de informação - conceitos_índice.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

bioetica

  • 1.
  • 2.
  • 3. A Bioética estuda a moralidade da conduta humana na área das ciências da vida que pesquisam, manipulam e curam os seres vivos.
  • 4. Os transplantes de órgãos, a morte cerebral, a manipulação do código genético, a fertilização in vitro e o prolongamento artificial da vida. UNESCO= dia 10 de outubro
  • 5. Desde os primórdios da existência humana, o homem se vê frente a decisões éticas e morais, tendo como fundamento e objeto a vida. Na tradição judaico-cristã, há narrativas que exemplificam determinadas decisões usando caráter ético-moral. Na Babilônia, o código de Hamurabi , editado 2300 anos a.C., dotam os primeiros registros históricos de punições a médicos por seus erros.
  • 6.  Foi Hipócrates (460-370 a.C.) criou o corpo de doutrina, que levou a medicina à categoria de ciência. Descartando o curandeirismo.  O código humanizou a medicina, estabeleceu limites a conduta medica, impôs o sigilo profissional e o respeito absoluto a vida , ao paciente e a sua família.  O principio ético da beneficência: fazer o bem, não causar dano, cuidar da saúde, favorecer a qualidade de vida.
  • 7. No século II, no mundo Romano, surgiu Galeno com ensinamentos aristotélicos que dominaram a medicina por 1400 anos. A ética medica na idade media foi abafada após a destruição de Alexandria pelo obscurantismo religioso cristão e muçulmano entre os anos 400 e 1000.  No século VI, surgiu o monasticismo criado por São Bento com ele a medicina monástica ao redor dos conventos.
  • 8.  Neste período não houve progresso nos ensinamentos de Hipócrates e Galeno, havendo um recuo nas praticas ocultistas .  As doenças, pestes e epidemias da idade media.  O código era a Bíblia, podendo admitir tortura, se esta viesse para salvar almas.  A Inquisição Reinava soberana
  • 9. Com o renascimento cultural nos séculos XII e XIII, surgiram as universidades para armazenar e transmitir o saber, NÃO PARA CRIÁ- LO. A escola Medica de Salerno(Itália) O Trabalho de Vesálio(1514-1564), De humani corporis fabrica, a Igreja liberou as dissecações para o ensino medico.
  • 10. O Iluminismo e a Revolta Cientifica, libertam-se de imposições Medievais. As Revoluções Francesa e Americana Movimento Eugênico no Inicio do século XX, iniciada em Londres (1907) e adotada nos Estados Unidos.
  • 11. A Alemanha Nazista:  Genocídio dos Judeus  Experiências Medicas em nome da ciência. Sigmund Rascher
  • 12.
  • 13.
  • 14.  Entre 1945 e 1946 essas atrocidades foram jugadas no Tribunal de Nuremberg.  Regime Nazista justificando aqueles atos:  Que a investigação era decorrente de ordens superiores;  Que os indivíduos estudados estavam condenados a morte;  Que a aquisição dos conhecimentos científicos deveria predominar sobre os direitos individuais.
  • 15. 1) O consentimento voluntário do ser humano é absolutamente essencial; 2) O experimento deve ser útil para o bem da sociedade, mas não podem ser feitos de maneira casuística ou desnecessariamente; 3) O experimento deve ser baseado em resultados de experimentação em animais; 4) O experimento deve ser conduzido de maneira a evitar todo sofrimento e danos desnecessários, quer físicos, quer materiais; 5) 5 Não deve ser conduzido qualquer experimento quando existirem razões para acreditar que pode ocorrer morte ou invalidez permanente;
  • 16. 6) O grau de risco aceitável e limitado; 7) Devem ser tomados cuidados especiais para proteger o participante do experimento de qualquer possibilidade de dano, invalidez ou morte; 8) O experimento deve ser conduzido apenas por pessoas cientificamente qualificadas. 9) O participante do experimento deve ter a liberdade de se retirar no decorrer do experimento; 10)O pesquisador deve estar preparado para suspender os procedimentos experimentais em qualquer estágio, se ele tiver motivos razoáveis para acreditar que a continuação do experimento provavelmente causará dano, invalidez ou morte para os participantes.
  • 17.  O Termo Bioética foi formulado e posto em circulação em 1971, no livro do oncologista americano Van Resselder Potter, Bioethics, bridge to the future ( Bioética uma ponte para o futuro). estabelecendo uma ligação entre os valores éticos e os fatos biológicos
  • 18.  O congresso americano criou em 1974, a Comissão Nacional para a Proteção dos Seres Humanos, da Pesquisa Biomédica e Comportamental.  Pesquisadores demoraram quatro anos para a publicaçao do que ficou conhecido como relatorio Belmont.  Ancorando quatro principios basicos: a) BENEFICÊNCIA: atenção aos riscos e benefícios. b) NÃO MALEFICÊNCIA: a vida não é privilégio de alguns nem depende de tempo de duração ou de lugar c) AUTONOMIA: responsável pelas consequências de seus atos. d) JUSTIÇA: equidade quanto aos sujeitos de experimentação.
  • 19. Congresso Mundial de Bioética de Gijón, Espanha, em junho de 2000.  Ciência e tecnologia compatíveis com a preservação dos direitos humanos.  Recomenda:  Genoma humano é patrimônio da humanidade;  A reprodução assistida é tratamento medico para a esterilidade humana;  Criação de seres geneticamente idênticos devem ser proibidas;  proibido o comercio de órgãos humanos;  Promoção de uma linguagem universal de Bioética.
  • 20. Problemas que se colocam como dilemas éticos: 1) Capacidade tecnológica para prolongar a vida progride mais rápido do que o nosso conhecimento para saber como e quando aplica-la; 2) Direito do paciente de definir alguns aspectos do seu tratamento e a visão do medico na definição do que e melhor para ele; 3) A existência, na pratica clinica, de pressões para reduzir custos, em situações de recursos limitados tentando alcançar os melhores resultados; 4) A tendência atual de levar a publico, resultados que antigamente ficavam restritos ao âmbito do medico, do paciente e da família, gerando a moderna medicina defensiva.
  • 21. • Respeito absoluto à vida humana em todas as suas etapas e condições;
  • 22. • Promoção da saúde e prevenção da doença; • Alivio dos sintomas, das dores e dos sofrimentos; • Cura da doença; • Não lesar o paciente durante o tratamento; • Confidencialidade; • Certeza do diagnósticos • Prognósticos de sobrevida; • Capacidade e competência de decisão do paciente; • Aspectos econômicos e sociais relevantes;
  • 23. Neonatologia: o Principio do respeito á vida do feto. Prematuridade: Situação clinica que diz respeito à gravidez e ao parto.
  • 24. Mal formações congênitas e do sistema nervoso: apresenta complexos desafios aos profissionais de saúde que tratam da criança afetada e da família.
  • 25. Aborto: de acordo com o código penal, art.128, no Direito brasileiro o aborto não e punido quando necessário: se não há outro meio de salvar a gestante ou se for de natureza moral (estrupo).
  • 26. A Clonagem é uma forma de reprodução não sexual;. Baseia- se na capacidade de germinação das células diploides normais, que em condições adequadas se reproduzem. Há duas técnicas principais: separação de embriões. Transferência nuclear. Ian Wilmut
  • 27.  Em 1993, o Dr. Jerry Hall, da Universidade de George Washington, conseguiu embriões humanos clônicos mediante a divisão artificial de óvulos fecundados. Hall declarou que os embriões tivessem se desenvolvido, os destruiria.  A Unesco, a União Europeia, o Vaticano, os parlamentos alemães e italianos e o Congresso Americano se manifestaram contra a clonagem.  Proibição a nível mundial de clonagem em humanos e
  • 28.  A possibilidade de utilizar órgãos humanos clonados em transplantes .  A comercialização de vidas humanas pelas grandes industrias biomédicas favorecidas sobre patentes de organismos vivos.
  • 29. Células tronco: são aquelas com capacidade de autorrenovação ilimitada, ou prolongada que podem diferenciar em células do sistema hematopoiético, do musculo cardíaco, dos ossos, neurônios, nervos, da pele, etc.
  • 30. • Polêmica sob o aspecto ético para transplante em seres humanos, porque implicam a destruição de embriões, ilegal em vários países e, sob judice, no Brasil, atualmente.
  • 31. A polemica entre a igreja católica, algumas evangélicas e alguns intelectuais e os meios científicos defensores das pesquisas, reside no consenso sobre quando começa a vida.
  • 32. A atitudes éticas exigidas na relação médico / paciente:
  • 33. CÓDIGO INTERNACIONAL DE ÉTICA MÉDICA (Adotado pela 3ª Assembleia Geral da Associação Médica Mundial, Londres, Inglaterra, outubro 1994 e revisado pela 22ª Assembleia Médica Mundial Sidney, Austrália, agosto 1968 e pela 35ª Assembleia Médica Mundial Veneza, Itália, outubro 1983)  Respeito total à dignidade do ser humano e necessidades de se obter o consentimento livre e esclarecido dos indivíduos-alvo e a proteção a grupos vulneráveis, excluindo-se as possibilidades de dependência, subordinação, coação ou intimidação.  Ter como preocupação primaria o bem-estar de seu paciente;  Proporcionar ao seu paciente uma atenção de saúde continua e integral, utilizando, para esse fim, todos os meios que sejam requeridos para aliviar, o quanto possível, os problemas de saude
  • 34. O MÉDICO NÃO DEVE permitir que motivo de lucro influencie o livre e independente exercício de sua capacidade profissional em benefício dos pacientes. O MÉDICO DEVE respeitar os direitos dos pacientes, dos colegas, e de outros profissionais da saúde, e protegerá as confidências dos pacientes. O MÉDICO DEVE ao paciente lealdade e empregar todos os recursos da ciência a seu favor. Quando um exame ou tratamento estiver além de sua capacidade médica, deverá convidar outro médico que tenha a necessária habilidade. O MÉDICO DEVE observar os princípios da Declaração de
  • 35. ZANCHI, Maseo jutio; ZUGNO, Paul Luiz. Teologia da Saúde.3. ed.ver. E ampl. Caxias do Sul, RS:Educs,2012.