SlideShare uma empresa Scribd logo
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA




          Curso: Promoção Artística e Património- 3º
          ano
          U.C.: Língua e Comunicação Profissional
          Docente: Ana Boléo
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
   Normalmente são de autor anónimo;

   Contos, lendas e outros usos e costumos que
    sejam transmitidos de forma oral, de geração em
    geração;

   Preservação do património oral e imaterial;

   Representam a cultura e as tradições de um país
    de das suas regiões;
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
   Anteriormente era caraterística da população
    iletrada;

   Tem vindo a ser recolhida para trabalhos eruditos e
    académicos;

   Associados a práticas do quotidiano
    popular: festas, danças, jogos,
     trabalhos;
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
Composições líricas:
                 1.1.1. Composições de carácter prático-utilitário:

1.1.1.1. De intenção mágica e                         1.1.2. Composições de carácter
religiosa:                                            lúdico:
a) Rezas;                                             a) Fórmulas encantatórias;
b) Ensalmos, benzeduras, exorcismos;                  b) Rimas infantis (lengalengas, anfiguris,
c) Cantigas de embalar/ ninar/ de berço.              trava-línguas);
                                                      c) Cantigas;
                                                      d) Adivinhas
1.1.1.2. De sabedoria:
a) Provérbios, sentenças, máximas...;                 1.2. Composições narrativo-
b) Ditos/ expressões estereotipadas.                  dramáticas:
                                                      a) Mitos;
                                                      b) Lendas;
1.1.1.3. De intenção meramente                        c) Fábulas;
utilitária:                                           d) Romances (tradicionais);
Pregões.                                              e) Anedotas;
.

                                                      f) Varia

                                                      1.3. Composições dramáticas:
                                                      a)Tragédias, comédias, autos;
(João David Pinto-Correia in Os Romances              b)Testamentos, cegadas;
Carolíngios da Tradição Oral Portuguesa, INIC, capº
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                                ANEDOTAS
   São breves histórias, com final engraçado,
    imprevisto e humorístico;
   Provoca risos;
   Possuí componente recreativa.

Sabes qual é a diferença entre um homem que se suicida, atirando-se do 11º
andar e o outro que se atira do 1º andar? - É que o homem que se atira do 11º
andar faz assim: "Ahhh...! Poft!" - E o que se atira do 1º andar faz: "Poft...!
Ahhh!“


                                                       -Empresta-me 50 euros.
                                                -  E quando é que mos pagas?
                                      -   - Se me emprestares 100, pago-tos já.
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                            ADIVINHAS
   São perguntas em formato de enigmas;
   Fazem pensar;
   São lúdicas.


O que será, que será que são sete e são irmãos. Cinco vão à feira e só
dois é que não?



    Qual é coisa, qual é ela, que cai de muito alto mas nunca se aleija?
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                                TRAVA-LÍNGUAS
     Frases com objetivo lúdico;
     Apresentam-se como um desafio de pronúncia;
     Difíceis de pronunciar pois possuem muitas sílabas
      parecidas (exigem movimentos repetidos da
      língua);
     Devem ser faladas rapidamente.
   Pedro tem o peito preto, O peito de Pedro é preto; Quem disser que o peito de
           Pedro é preto, Tem o peito mais preto que o peito de Pedro.
Esta burra torta trota                                     Um ninho de mafagafas
Esta burra torta trota                                     Um ninho de mafagafas
Trota, trota, a burra torta.                               Com sete mafagafinhos
Trinca a murta, a murta brota                             Quando o mafagafa gafa
Brota a murta ao pé da porta.                                     Gafam os setes
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                        LENGALENGA
   Cantilena na qual se repetem determinadas
    palavras ou expressões.
   Podem acompanhar jogos.

                                 Sola, sapato,     Salta a pulga
O tempo pergunta ao tempo        Rei, rainha       Na balança
Quanto tempo o tempo tem.        Foi ao mar        Que vai ter
                                 Buscar sardinha   Até à França,
O tempo responde ao tempo        Para a mulher     Os cavalos
Que o tempo tem tanto tempo      do juiz           A correr
                                 Que está presa    As meninas
Quanto tempo o tempo tem.        Pelo nariz;       A aprender,
                                                   Qual será
                                                   A mais bonita
                                                   Que se vai
                                                   Esconder?
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                     PROVÉRBIOS
   É uma máxima de carácter prático e popular,

   Um pensamento que transmite uma verdade, fruto
    da observação e da experiência;

   Condensa um conselho, pensamento ou
    orientação prática.

   Sintéticos ;
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                      PROVÉRBIOS
   Muitas vezes figurativos;

   Transmitem diversas ideias, que podem ser sábias,
    mas também preconceituosas ("Em casa do
    Mouro, não fales algaravio ".

   Os provérbios portugueses recorrem diversas
    temáticas, nomeadamente à da “boca”;
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                       PROVÉRBIOS
   A boca é pouco fiável, deixa escapar o que não se
    quer;

   Contém a língua, símbolo da fala e do pecado;

   O lado positivo é o seu lado prático (falar e comer);

   Entra em provérbios éticos,
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                                   WEBGRAFIA


   CARREIRO, José Maria Aguiar- Literatura oral tradicional [em linha] Disponível em
http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2007/04/11/LOT.aspx, consultado a 14 de
Dezembro de 2012
   LAUAND, Jean- 500 provérbios portugueses antigos [em linha] Disponível em
http://www.hottopos.com/vdletras4/jeans2.htm#_ftnref51, consultado a 14 de Dezembro de
2012
   LEVI, Florence- O simbolismo da boca através de alguns provérbios portugueses
    [em linha] Disponível em:
http://www.paremia.org/paremia/PAREMIA6/P6-58.pdf, Consultado em 14 de Dezembro de
2012

   NUNES, Rosalina Simão- Textos da tradição oral [em linha] disponível em
https://sites.google.com/site/eportuguesrsn/Home/recursos---apoio/apoio-
recursos/textosdatradicaooral, consultado a 13 de Dezembro de 2012
TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA
                           BIBLIOGRAFIA

   BASTOS, Glória, Literatura infantil e Juvenil, Universidade Aberta
   BRASÃO, José Ruivinho, Os provérbios estão vivos no Algarve:
    pesquisa paremiológica em Paderne, Notícias, 1998;
   PARAFITA, Alexandre, A mitologia dos Mouros, Edições Gailivro, Porto,
    2006;
   PARAFITA, Alexandre, Os Provérbios e a Cultura Popular, Gailivro,
    Porto, 2007;
   RAIMUNDO, Julio, O livro dos mil provérbios, Editora Escala, São
    Paulo, 2007;
   TEIXEIRA, Nelson Carlos, O grande livro dos provérbios, Editora
    Leitura, São Paulo, 2000.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Vantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporteVantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporteEduardo Bruna Evelyn
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Fatima Mendonca
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
Maria Adelaide
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
Diogo Mateus
 
Programa de área de integração
Programa de área de integraçãoPrograma de área de integração
Programa de área de integraçãoJoana
 
Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
Fernando Branco_Geografia
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Teresa Maia
 
Algarve- Turismo
Algarve- TurismoAlgarve- Turismo
Algarve- Turismo
Patricia Martins
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
Ilda Bicacro
 
Excisão feminina alexandre
Excisão feminina alexandreExcisão feminina alexandre
Excisão feminina alexandre
Natercia
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesRaffaella Ergün
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
Miguel Sargento
 
Território português
Território portuguêsTerritório português
Território português
Ilda Bicacro
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
010693
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Vantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporteVantagens e desvantagens dos meios de transporte
Vantagens e desvantagens dos meios de transporte
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º anoAnálise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
Análise da farsa de Inês Pereira - 10º ano
 
Castelo de Guimarães
Castelo de GuimarãesCastelo de Guimarães
Castelo de Guimarães
 
Características da população agrícola
Características da população agrícolaCaracterísticas da população agrícola
Características da população agrícola
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
 
Programa de área de integração
Programa de área de integraçãoPrograma de área de integração
Programa de área de integração
 
Características da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesaCaracterísticas da agricultura portuguesa
Características da agricultura portuguesa
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
Algarve- Turismo
Algarve- TurismoAlgarve- Turismo
Algarve- Turismo
 
A distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporteA distribuição espacial das redes de transporte
A distribuição espacial das redes de transporte
 
Excisão feminina alexandre
Excisão feminina alexandreExcisão feminina alexandre
Excisão feminina alexandre
 
Geografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - TransportesGeografia A 11 ano - Transportes
Geografia A 11 ano - Transportes
 
Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária Algarve - Região Agrária
Algarve - Região Agrária
 
Território português
Território portuguêsTerritório português
Território português
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 

Semelhante a Tradição oral portuguesa

Locução profissional cistã
Locução profissional cistãLocução profissional cistã
Locução profissional cistãWebExecutivo1
 
Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas
Ramon Ferreira
 
Planejamento semanal 22-08 a 26-08
Planejamento semanal 22-08 a 26-08Planejamento semanal 22-08 a 26-08
Planejamento semanal 22-08 a 26-08silviacerqueira1
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
Aline Roma
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
Aline Roma
 
Produção de paráfrase.ppt
Produção de paráfrase.pptProdução de paráfrase.ppt
Produção de paráfrase.ppt
AllanPatrick22
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Doug Petrova
 
Fi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalFi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalarmindaalmeida
 
Revisões para o teste
Revisões para o testeRevisões para o teste
Revisões para o testeGonçalo Silva
 
Conviver português
Conviver portuguêsConviver português
Conviver português
Editora Moderna
 
MARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdf
MARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdfMARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdf
MARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdf
LidianeSaionara1
 
Comunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizaçõesComunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizaçõesAnne Clea Lima
 
Nossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesaNossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesa
Cristiane Paula Czepak Cris
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...
Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...
Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...Cris Lago
 
Questão 115
Questão 115Questão 115
Questão 115newsevc
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
Deníx Nascimento
 
Provérbios
ProvérbiosProvérbios
Provérbios
Susana Sobrenome
 

Semelhante a Tradição oral portuguesa (20)

Locução profissional cistã
Locução profissional cistãLocução profissional cistã
Locução profissional cistã
 
Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas Diferenças Linguísticas
Diferenças Linguísticas
 
Planejamento semanal 22-08 a 26-08
Planejamento semanal 22-08 a 26-08Planejamento semanal 22-08 a 26-08
Planejamento semanal 22-08 a 26-08
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
Produção de paráfrase.ppt
Produção de paráfrase.pptProdução de paráfrase.ppt
Produção de paráfrase.ppt
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
 
Fi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicionalFi literatura oral_tradicional
Fi literatura oral_tradicional
 
Revisões para o teste
Revisões para o testeRevisões para o teste
Revisões para o teste
 
Boletim da Bibliotea 2
Boletim da Bibliotea 2Boletim da Bibliotea 2
Boletim da Bibliotea 2
 
Conviver português
Conviver portuguêsConviver português
Conviver português
 
LITERATURA TRADICIONAL
LITERATURA TRADICIONALLITERATURA TRADICIONAL
LITERATURA TRADICIONAL
 
MARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdf
MARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdfMARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdf
MARINHA_FIGURAS DE LINGUAGEM_2020_SLIDE.pdf
 
Comunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizaçõesComunicação oral na organizações
Comunicação oral na organizações
 
Nossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesaNossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesa
 
Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...
Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...
Caderno de apoio a pratica pedagogica advinhas charadas parlendas proverbios ...
 
Questão 115
Questão 115Questão 115
Questão 115
 
Lição nº 67
Lição nº 67Lição nº 67
Lição nº 67
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
Provérbios
ProvérbiosProvérbios
Provérbios
 

Último

Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
ssuser701e2b
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Acrópole - História & Educação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
Manuais Formação
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Luana Neres
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 

Último (20)

Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
LIBRO LAS MANOS NO SON PARA PEGAR-MAESTRA EN PREESCOLAR_organized_rotated (1)...
 
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da AlemanhaUnificação da Itália e a formação da Alemanha
Unificação da Itália e a formação da Alemanha
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manualUFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
UFCD_8298_Cozinha criativa_índice do manual
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
Aula 3- 6º HIS - As origens da humanidade, seus deslocamentos e os processos ...
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 

Tradição oral portuguesa

  • 1. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA Curso: Promoção Artística e Património- 3º ano U.C.: Língua e Comunicação Profissional Docente: Ana Boléo
  • 2. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA  Normalmente são de autor anónimo;  Contos, lendas e outros usos e costumos que sejam transmitidos de forma oral, de geração em geração;  Preservação do património oral e imaterial;  Representam a cultura e as tradições de um país de das suas regiões;
  • 3. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA  Anteriormente era caraterística da população iletrada;  Tem vindo a ser recolhida para trabalhos eruditos e académicos;  Associados a práticas do quotidiano popular: festas, danças, jogos, trabalhos;
  • 4. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA Composições líricas: 1.1.1. Composições de carácter prático-utilitário: 1.1.1.1. De intenção mágica e 1.1.2. Composições de carácter religiosa: lúdico: a) Rezas; a) Fórmulas encantatórias; b) Ensalmos, benzeduras, exorcismos; b) Rimas infantis (lengalengas, anfiguris, c) Cantigas de embalar/ ninar/ de berço. trava-línguas); c) Cantigas; d) Adivinhas 1.1.1.2. De sabedoria: a) Provérbios, sentenças, máximas...; 1.2. Composições narrativo- b) Ditos/ expressões estereotipadas. dramáticas: a) Mitos; b) Lendas; 1.1.1.3. De intenção meramente c) Fábulas; utilitária: d) Romances (tradicionais); Pregões. e) Anedotas; . f) Varia 1.3. Composições dramáticas: a)Tragédias, comédias, autos; (João David Pinto-Correia in Os Romances b)Testamentos, cegadas; Carolíngios da Tradição Oral Portuguesa, INIC, capº
  • 5. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA ANEDOTAS  São breves histórias, com final engraçado, imprevisto e humorístico;  Provoca risos;  Possuí componente recreativa. Sabes qual é a diferença entre um homem que se suicida, atirando-se do 11º andar e o outro que se atira do 1º andar? - É que o homem que se atira do 11º andar faz assim: "Ahhh...! Poft!" - E o que se atira do 1º andar faz: "Poft...! Ahhh!“ -Empresta-me 50 euros. - E quando é que mos pagas? - - Se me emprestares 100, pago-tos já.
  • 6. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA ADIVINHAS  São perguntas em formato de enigmas;  Fazem pensar;  São lúdicas. O que será, que será que são sete e são irmãos. Cinco vão à feira e só dois é que não? Qual é coisa, qual é ela, que cai de muito alto mas nunca se aleija?
  • 7. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA TRAVA-LÍNGUAS  Frases com objetivo lúdico;  Apresentam-se como um desafio de pronúncia;  Difíceis de pronunciar pois possuem muitas sílabas parecidas (exigem movimentos repetidos da língua);  Devem ser faladas rapidamente. Pedro tem o peito preto, O peito de Pedro é preto; Quem disser que o peito de Pedro é preto, Tem o peito mais preto que o peito de Pedro. Esta burra torta trota Um ninho de mafagafas Esta burra torta trota Um ninho de mafagafas Trota, trota, a burra torta. Com sete mafagafinhos Trinca a murta, a murta brota Quando o mafagafa gafa Brota a murta ao pé da porta. Gafam os setes
  • 8. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA LENGALENGA  Cantilena na qual se repetem determinadas palavras ou expressões.  Podem acompanhar jogos. Sola, sapato, Salta a pulga O tempo pergunta ao tempo Rei, rainha Na balança Quanto tempo o tempo tem. Foi ao mar Que vai ter Buscar sardinha Até à França, O tempo responde ao tempo Para a mulher Os cavalos Que o tempo tem tanto tempo do juiz A correr Que está presa As meninas Quanto tempo o tempo tem. Pelo nariz; A aprender, Qual será A mais bonita Que se vai Esconder?
  • 9. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA PROVÉRBIOS  É uma máxima de carácter prático e popular,  Um pensamento que transmite uma verdade, fruto da observação e da experiência;  Condensa um conselho, pensamento ou orientação prática.  Sintéticos ;
  • 10. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA PROVÉRBIOS  Muitas vezes figurativos;  Transmitem diversas ideias, que podem ser sábias, mas também preconceituosas ("Em casa do Mouro, não fales algaravio ".  Os provérbios portugueses recorrem diversas temáticas, nomeadamente à da “boca”;
  • 11. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA PROVÉRBIOS  A boca é pouco fiável, deixa escapar o que não se quer;  Contém a língua, símbolo da fala e do pecado;  O lado positivo é o seu lado prático (falar e comer);  Entra em provérbios éticos,
  • 12. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA WEBGRAFIA  CARREIRO, José Maria Aguiar- Literatura oral tradicional [em linha] Disponível em http://comunidade.sol.pt/blogs/josecarreiro/archive/2007/04/11/LOT.aspx, consultado a 14 de Dezembro de 2012  LAUAND, Jean- 500 provérbios portugueses antigos [em linha] Disponível em http://www.hottopos.com/vdletras4/jeans2.htm#_ftnref51, consultado a 14 de Dezembro de 2012  LEVI, Florence- O simbolismo da boca através de alguns provérbios portugueses [em linha] Disponível em: http://www.paremia.org/paremia/PAREMIA6/P6-58.pdf, Consultado em 14 de Dezembro de 2012  NUNES, Rosalina Simão- Textos da tradição oral [em linha] disponível em https://sites.google.com/site/eportuguesrsn/Home/recursos---apoio/apoio- recursos/textosdatradicaooral, consultado a 13 de Dezembro de 2012
  • 13. TRADIÇÃO ORAL PORTUGUESA BIBLIOGRAFIA  BASTOS, Glória, Literatura infantil e Juvenil, Universidade Aberta  BRASÃO, José Ruivinho, Os provérbios estão vivos no Algarve: pesquisa paremiológica em Paderne, Notícias, 1998;  PARAFITA, Alexandre, A mitologia dos Mouros, Edições Gailivro, Porto, 2006;  PARAFITA, Alexandre, Os Provérbios e a Cultura Popular, Gailivro, Porto, 2007;  RAIMUNDO, Julio, O livro dos mil provérbios, Editora Escala, São Paulo, 2007;  TEIXEIRA, Nelson Carlos, O grande livro dos provérbios, Editora Leitura, São Paulo, 2000.