SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Baixar para ler offline
www.ebdemfoco.comErberson R. Pinheiro
AS
BEM-AVENTURANÇAS
LIÇÃO 1
www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
TEXTO DO DIA
“Exultai e alegrai-vos, porque é grande o
vosso galardão nos céus; porque assim
perseguiram os profetas que foram antes
de vós” (Mt 5.12).
SÍNTESE
As bem-aventuranças resumem perfeitamente o
estilo de vida, bem como a visão de mundo, de
todos os que, nascidos de novo, tomaram-se
súditos do Reino e, por isso, veem as coisas sob a
perspectiva de Cristo.
TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.1-12
1 — E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e,
assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos;
2 — E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:
3 — Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles
é o reino dos céus;
4 — Bem-aventurados os que choram, porque eles serão
consolados;
5 — Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a
terra;
6 — Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça,
porque eles serão fartos;
TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.1-12
7 — Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles
alcançarão misericórdia;
8 — Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles
verão a Deus;
9 — Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão
chamados filhos de Deus;
TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.1-12
10 — Bem-aventurados os que sofrem perseguição por
causa da justiça, porque deles é o reino dos céus;
11 — Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e
perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós
por minha causa.
12 — Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso
galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas
que foram antes de vós.
TEXTO BÍBLICO
Mateus 5.1-12
0
INTRODUÇÃO
www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
INTRODUÇÃO
É impossível a qualquer pessoa,
com um mínimo de bom senso,
não se surpreender
Com o texto
INTRODUÇÃO
São nove versículos
Condições Sentimentos Valores
Que o mundo de hoje rejeita
Isso porque na cultura “ensimesmada”,
ou “autocentrada”, a simples
demonstração do que significa viver
sob a perspectiva de Jesus Cristo e do
seu Reino, é algo inconcebível.
Durante este trimestre
vamos estudar
O problema é quando uma ideologia, por
exemplo, torna-se a orientação fundamental
da existência de uma pessoa.
Por mais justa que a referida ideologia, ela será
boa para alguns, mas nunca para todos.
Uma passagem
muito conhecida do
Evangelho de
Mateus que precisa,
urgentemente, ser
estudada.
INTRODUÇÃO
Durante este trimestre
vamos estudar
O problema é quando uma ideologia, por
exemplo, torna-se a orientação fundamental
da existência de uma pessoa.
Por mais justa que a referida ideologia, ela será
boa para alguns, mas nunca para todos.
Uma passagem
muito conhecida do
Evangelho de
Mateus que precisa,
urgentemente, ser
estudada.
“Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo
não para que condenasse o mundo, mas para
que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.17).
INTRODUÇÃO
Evangelho, conforme iremos aprender com o
estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus,
é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe
através de Jesus Cristo.
I
A FELICIDADE DOS
HUMILDES, DOS AFLITOS E
DOS CALMOS
www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
1. A bem-aventurança
dos pobres de espírito.
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Jesus "vê" a multidão (v. 1) “E JESUS, vendo a multidão, subiu a um
monte, e, assentando-se, aproximaram-se
dele os seus discípulos” (Mt 5.1).
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Enxergar ou contemplar
Jesus "vê" a multidão (v. 1) “E JESUS, vendo a multidão, subiu a um
monte, e, assentando-se, aproximaram-se
dele os seus discípulos” (Mt 5.1).
vendo
X X
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Enxergar ou contemplar
Jesus "vê" a multidão (v. 1) “E JESUS, vendo a multidão, subiu a um
monte, e, assentando-se, aproximaram-se
dele os seus discípulos” (Mt 5.1).
vendo
X XMas um olhar que
contém compaixão
e que se importa
com o outro
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
“E, abrindo a sua boca, os ensinava,
dizendo:” (Mt 5.2).
abrindo a sua boca, os ensinava,
RedundânciaX
Em outras ocasiões Ele o fez em
silêncio
Jesus
escreve na
areia
(Jo 8.6,7).
Jesus lava
os pés dos
discípulos
(Jo 13.3-
17).
Mas um registro que evidencia uma das
formas, ou métodos, de Jesus ensinar.
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Bem-aventurado os “pobres de espírito”
Reino dos céus
Eles herdarão
Reconhecem que dependem de Deus
Não se apoiam em méritos próprios e muito
menos em alguma coisa que possuam.
1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
Bem-aventurado os “pobres de espírito”
Reino dos céus
Eles herdarão
Reconhecem que dependem de Deus
Não se apoiam em méritos próprios e muito
menos em alguma coisa que possuam.
Justamente por isso, eles são felizes,
pois confiam integralmente em Deus e
vivem para Ele.
“Tenho-vos dito isto, para que o meu
gozo permaneça em vós, e o vosso gozo
seja completo” (Jo 15.11).
2. A bem-aventurança
dos que choram.
www.ebdemfoco.com
2. A bem-aventurança dos que choram.
Refere-se à quem chora
com aflição
X
Não é de ordem puramente material
Por ter de enfrentar as vicissitudes de um
mundo caído, sem tornar-se perverso.
2. A bem-aventurança dos que choram.
Refere-se à quem chora
com aflição
O choro traz oportunidade de consolo
“E Deus limpará de seus olhos toda
a lágrima; e não haverá mais morte,
nem pranto, nem clamor, nem dor;
porque já as primeiras coisas são
passadas” (Ap 21.4).
3. A bem-aventurança
dos mansos.
www.ebdemfoco.com
3. A bem-aventurança dos mansos.
Os judeus estavam sob o jugo dos romanos.
Judéia.
Eram cruéis com
os judeus.
Nessa situação, ser manso era
um desafio.
3. A bem-aventurança dos mansos.
O que pensavam os
zelotes?
Para eles os judeus deveriam lutar.
E ser manso significava se
conformar com a situação.
3. A bem-aventurança dos mansos.
“Mas os mansos herdarão a
terra, e se deleitarão na
abundância de paz” (Sl 37.11).
Não se importa com tal
pensamento e reverbera salmos
Não é uma conquista do braço, ou
da força humana
Mas uma posição reverente e calma
Promessa de "posse da terra"
3. A bem-aventurança dos mansos.
“Retenhamos firmes a confissão
da nossa esperança; porque fiel
é o que prometeu” (Hb 10.23).
Por parte dos que creem que
do “Senhor é a terra e toda a
sua plenitude” (Sl 24.1).
Mas uma posição reverente e calma
Sabendo que “fiel é o que
prometeu” (Hb 10.23).
II
A FELICIDADE DOS FAMINTOS E
SEDENTOS DE JUSTIÇA, DOS
MISERICORDIOSOS E DOS PUROS
www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
1. A bem-aventurança dos
famintos e sedentos de
justiça.
www.ebdemfoco.com
1. A bem-aventurança dos famintos e
sedentos de justiça.
O que é ter fome
e sede de justiça?
Não é: “punir aplicando uma forma de suplício
corporal, em especial condenar à morte”, e muito
menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56).
1. A bem-aventurança dos famintos e
sedentos de justiça.
O que é ter fome
e sede de justiça?
Não é: “punir aplicando uma forma de suplício
corporal, em especial condenar à morte”, e muito
menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56).
Perfil de pessoa cuja aspiração pela justiça,
tornaram-se parte de sua natureza. Não é para
serem bem vistas.
1. A bem-aventurança dos famintos e
sedentos de justiça.
O que é ter fome
e sede de justiça?
Não é: “punir aplicando uma forma de suplício
corporal, em especial condenar à morte”, e muito
menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56).
Perfil de pessoa cuja aspiração pela justiça,
tornaram-se parte de sua natureza. Não é para
serem bem vistas.
Tal percepção as levam a sentir
“fome e sede de justiça”, não
como regras impostas, mas
como sentimentos conscientes
que fazem parte de sua natureza.
Elas sentem a dor do próximo e não
somente as suas.
1. A bem-aventurança dos famintos e
sedentos de justiça.
Apesar de a satisfação
plena dessas necessidades
se dar apenas no futuro, na
completude do
Reino dos céus
Elas sentem a dor do próximo e não
somente as suas.
1. A bem-aventurança dos famintos e
sedentos de justiça.
Apesar de a satisfação
plena dessas necessidades
se dar apenas no futuro, na
completude do
Reino dos céus
Elas sentem a dor do próximo e não
somente as suas.
É possível e recomendável, que se busque,
tanto quanto possível, sua prática aqui e
agora.
2. A bem-aventurança dos
misericordiosos.
www.ebdemfoco.com
2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
Ter fome e sede de justiça Ser “justiceiro”
O tema da justiça
antecede
O tema da misericórdia
Com o propósito de que entendam
2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
Exercer ou ter misericórdia é uma atitude benevolente
(Mt 18.21-35; Ef 2.1-10).
2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
Publicano=Judeu que cobrava imposto para o Império Romano
2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
Os judeus que pagavam os
impostos Tinham antipatia pelos
publicanos
2. A bem-aventurança dos misericordiosos.
Felizes são os misericordiosos, pois
eles serão tratados por Deus com a
mesma benevolência com que
trataram as pessoas que lhes
ofenderam (Mateus 18.35).
Em uma sociedade que
cultua o revide, Jesus
ensinou justamente o
contrário
“Assim vos fará, também, meu Pai
celestial, se do coração não
perdoardes, cada um a seu irmão,
as suas ofensas” (Mateus 18.35).
3. A bem-aventurança
dos puros.
www.ebdemfoco.com
3. A bem-aventurança dos puros.
Sede do desejo
humano
Religiosidade que valoriza o
exterior e a aparência
O coração é a
3. A bem-aventurança dos puros.
Quem subirá ao monte do Senhor,
ou quem estará no seu lugar santo?
Aquele que é limpo de mãos e puro
de coração, que não entrega a sua
alma à vaidade, nem jura
enganosamente.
3. A bem-aventurança dos puros.
Está no “Santos dos Santos” Não é simplesmente
cumprir um ritual, é
necessário ter as mãos
puras e um coração limpo.
Qualidades que apenas o Senhor
verdadeiramente contempla e conhece.
3. A bem-aventurança dos puros.
Não é simplesmente
cumprir um ritual, é
necessário ter as mãos
puras e um coração limpo
Os limpos de coração, ainda que não
estivessem conforme os padrões da
religiosidade oficial, veriam a Deus.
Portanto, mesmo sendo esquecidos pelas
pessoas, eles são felizes.
Limpo e puro
III
A FELICIDADE DOS
PACIFICADORES, DOS
PERSEGUIDOS E DOS
CALUNIADOS
www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
1. A bem-aventurança
dos pacificadores.
www.ebdemfoco.com
1. A bem-aventurança dos pacificadores.
Não é unicamente a ausência
Isto é algo
passivo
Conceito Bíblico
Paz é muito mais que isso
Concreto PráticoAtivo Deve ser promovido
Igualdade UnidadeInteireza
Promovem (Is 52.7 cf. Pv 6.16-19).
Essa atividade recebe essa linda promessa devido à
importância da paz para toda a sociedade.
1. A bem-aventurança dos pacificadores.
Em um ambiente que vive cheio
de intrigas e "pequenas guerras"
Tem um papel importante
Restabelecer a ordem e o equilíbrio
entre as pessoas, gerando outro tipo
de lugar, transformando radicalmente
o meio (Hb 12.14; Pv 26.20).
2. A bem-aventurança
dos perseguidos.
www.ebdemfoco.com
2. A bem-aventurança dos perseguidos.
O sofrimento se dá em decorrência
de a pessoa buscar fazer a vontade de
Deus que é a justiça.
Igreja perseguida
Ansiar por justiça, sem, contudo,
tornar-se justiceiro, sendo antes
misericordioso, limpo de coração e
promotor da paz, resulta em
perseguição.
2. A bem-aventurança dos perseguidos.
A perseguição vem quase que
automaticamente
O perseguido oferece
Ao mundo a oportunidade deste
experimentar a paz, sem usar as
ferramentas dos que oprimem em
nome dela
2. A bem-aventurança dos perseguidos.
Ser perseguido por causa
da justiça significa viver,
ainda que parcialmente
Em um mundo
onde reina a
justiça
A Glória do Reino
Mesmo com perseguição, é
infinitamente melhor que
o mundo da falsa paz.
Justiça segundo Deus
2. A bem-aventurança dos perseguidos.
A estes, ou seja, aos perseguidos, o
Senhor pronuncia-lhes o mesmo
que pronunciou aos pobres de
espírito:
Reino dos Céus
Deles é
3. A bem-aventurança
dos insultados e
caluniados.
www.ebdemfoco.com
3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados.
Felizes são os discípulos quando forem injuriados, perseguidos e caluniados
por causa dEle (Mateus 5.11,12).
“Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e,
mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.
Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque
assim perseguiram os profetas que foram antes de vós”
(Mateus 5.11,12).
Disse
3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados.
O sofrimento é um privilégio, pois
gerará uma grande recompensa
Ao mesmo tempo em que fará com que os
discípulos se equiparem com os profetas
Disse
3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados.
Ao coloca-los no mesmo patamar
era também uma forma de afirmar
sua autoridade divina.
Os profetas no Antigo Testamento
estavam a serviço de Deus e,
justamente por isso, foram
perseguidos.
3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados.
E isso os equipara aos profetasSe os discípulos sofrem por
causa de Jesus
Logo quer dizer também que eles
sofrem por Deus.
CONCLUSÃO
www.ebdemfoco.com
O início do Sermão do Monte, resumido nas bem-
aventuranças, evidencia a diferença da atividade
magisterial de Jesus em relação aos escribas.
CONCLUSÃO
Bem como denota a grande disparidade do conteúdo da
mensagem do Evangelho em comparação com a
exigência de memorização e o cumprimento de regras
provenientes da religiosidade.
1. Qual a diferença entre a ideologia e o Evangelho em termos de
benefício?
Por mais justa que seja a ideologia, ela é boa para alguns, mas nunca para todos. Já o
Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de
Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo.
2. Explique o que Mateus quis dizer com os atos de Jesus ver a multidão e
abrir a boca para ensinar.
O "ver" não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém
compaixão e que se importa com o outro. De igual maneira, o "abria a boca" não se
trata de urna redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou
métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio Uo 8.6,7:13,3-
17).
PERGUNTAS
3. O que significa ter "fome e sede de justiça"?
Não se trata de "justiçamento", ou seja, "punir aplicando uma forma de suplício corporal em
especial condenar a morte", e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre
refere-se a um desejo, vontade e aspiração pela justiça, que torna-se parte da natureza da
pessoa, fazendo com que esta sinta a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção a
leva a sentir "fome e sede de justiça", não como regras impostas, mas como sentimentos
conscientes que fazem parte de sua natureza Ur 31.33).
4. Há algum propósito especial para Jesus ter ensinado sobre misericórdia logo
após ter falado de justiça?
Explique. Para que ninguém pense que ter "fome e sede de justiça" é algo que se confunde com
tornar-se "justiceiro".
5. Equiparar o sofrimento dos discípulos ao que sucedeu aos profetas no Antigo
Testamento acabou por revelar algo da natureza de Jesus. O que é?
Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no
mesmo patamar, era também uma forma de afirmar sua deidade, pois os profetas no Antigo
Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos.
PERGUNTAS
Vantagens do slide em PowerPoint:
❖ Você pode editar;
❖ Tem muitas animações;
❖ É mais interativo.
Baixe em Power Point
http://slidesebd.com
Fique por dentro do conteúdo da Escola
Bíblica Dominical. Acesse o site:
www.ebdemfoco.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualÉder Tomé
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoRogério Nunes
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Maduraguestc5d870
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneMárcio Martins
 
Inferno e tormento eterno
Inferno e tormento eternoInferno e tormento eterno
Inferno e tormento eternoJulio Simões
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroEdnilson do Valle
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipseRespirando Deus
 
Plano de-salvação
Plano de-salvaçãoPlano de-salvação
Plano de-salvaçãoDavi Leite
 
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaLição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaÉder Tomé
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósÉder Tomé
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,Felicio Araujo
 

Mais procurados (20)

Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento EspiritualLição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
Lição 9 - É preciso buscar Crescimento Espiritual
 
Corpo, Alma E Espírito
Corpo, Alma E EspíritoCorpo, Alma E Espírito
Corpo, Alma E Espírito
 
A origem do pecado
A origem do pecadoA origem do pecado
A origem do pecado
 
Dons do Espírito Santo
Dons do Espírito SantoDons do Espírito Santo
Dons do Espírito Santo
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
Vida de oração
Vida de oraçãoVida de oração
Vida de oração
 
Os Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da CarneOs Perigos das Obras da Carne
Os Perigos das Obras da Carne
 
Inferno e tormento eterno
Inferno e tormento eternoInferno e tormento eterno
Inferno e tormento eterno
 
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
14ºEncontro - Jesus chama os Apostolos
 
Batismo nas águas
Batismo nas águasBatismo nas águas
Batismo nas águas
 
Apocalipse
ApocalipseApocalipse
Apocalipse
 
A armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completaA armadura de_deus_completa
A armadura de_deus_completa
 
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do ObreiroCETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
CETADEB - Lição 4 e 5 - O Preparo do Obreiro
 
Disciplina de Escatologia
Disciplina de EscatologiaDisciplina de Escatologia
Disciplina de Escatologia
 
Panorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - ApocalipsePanorama do NT - Apocalipse
Panorama do NT - Apocalipse
 
Plano de-salvação
Plano de-salvaçãoPlano de-salvação
Plano de-salvação
 
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja PrimitivaLição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
Lição 09 - O Legado Missionário da Igreja Primitiva
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nósLição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
Lição 10 - Santificação: vontade e chamado de Deus para nós
 
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,O desafio de ser um cristão contemporâneo,
O desafio de ser um cristão contemporâneo,
 

Destaque

Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoErberson Pinheiro
 
Lição 13 - o que posso fazer por minha igreja
Lição 13 - o que posso fazer por minha igrejaLição 13 - o que posso fazer por minha igreja
Lição 13 - o que posso fazer por minha igrejaErberson Pinheiro
 
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_CompletoInterpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_CompletoNatalino das Neves Neves
 
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoProf. Robson Santos
 
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificaçãoLBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificaçãoNatalino das Neves Neves
 
Lição 1 A Formação do Caráter Cristão
Lição 1 A Formação do Caráter CristãoLição 1 A Formação do Caráter Cristão
Lição 1 A Formação do Caráter CristãoÉder Tomé
 
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRILBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRINatalino das Neves Neves
 
A felicidade segundo jesus os que choram slides
A felicidade segundo jesus   os que choram slidesA felicidade segundo jesus   os que choram slides
A felicidade segundo jesus os que choram slidesdanielricardodacosta
 
Lição 10 - A Missão Social da Igreja
Lição 10 - A Missão Social da IgrejaLição 10 - A Missão Social da Igreja
Lição 10 - A Missão Social da IgrejaErberson Pinheiro
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a políticaboasnovassena
 
Lição 1 o chamado do profeta
Lição 1   o chamado do profetaLição 1   o chamado do profeta
Lição 1 o chamado do profetaÉder Tomé
 
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhosAnderson Silva
 
Lição 12 - A Evangelização Real na Era Digital
Lição 12 - A Evangelização Real na Era DigitalLição 12 - A Evangelização Real na Era Digital
Lição 12 - A Evangelização Real na Era DigitalErberson Pinheiro
 
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos HomensAnderson Silva
 
A verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na práticaA verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na práticaAdenísio dos Reis
 
Escola de Profetas - A Autoridade do Fruto do Espírito
Escola de Profetas -  A Autoridade do Fruto do EspíritoEscola de Profetas -  A Autoridade do Fruto do Espírito
Escola de Profetas - A Autoridade do Fruto do EspíritoEvangelista Oliveira
 
Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus
Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a DeusAbel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus
Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a DeusMárcio Martins
 

Destaque (20)

LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃOLIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
LIÇÃO 01 - A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO
 
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristãoLição 1 - A formação do caráter do cristão
Lição 1 - A formação do caráter do cristão
 
Lição 13 - o que posso fazer por minha igreja
Lição 13 - o que posso fazer por minha igrejaLição 13 - o que posso fazer por minha igreja
Lição 13 - o que posso fazer por minha igreja
 
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_CompletoInterpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
Interpretação teológica de israel a partir do exílio_Completo
 
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardoApresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
Apresentação seminário de ebd. robson santos & roney ricardo
 
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificaçãoLBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
LBA Lição 13 - Uma vida de frutificação
 
Lição 1 A Formação do Caráter Cristão
Lição 1 A Formação do Caráter CristãoLição 1 A Formação do Caráter Cristão
Lição 1 A Formação do Caráter Cristão
 
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRILBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
LBJ - LIÇÃO 1 - A INSTITUIÇÃO DA FAMÍLIA_2016 2 TRI
 
A felicidade segundo jesus os que choram slides
A felicidade segundo jesus   os que choram slidesA felicidade segundo jesus   os que choram slides
A felicidade segundo jesus os que choram slides
 
Lição 10 - A Missão Social da Igreja
Lição 10 - A Missão Social da IgrejaLição 10 - A Missão Social da Igreja
Lição 10 - A Missão Social da Igreja
 
Lbj lição 11 a igreja e a política
Lbj lição 11    a igreja e a políticaLbj lição 11    a igreja e a política
Lbj lição 11 a igreja e a política
 
Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
Lição 1 o chamado do profeta
Lição 1   o chamado do profetaLição 1   o chamado do profeta
Lição 1 o chamado do profeta
 
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos4º Trimestre 2013 - Lição 1   o valor dos bons conselhos
4º Trimestre 2013 - Lição 1 o valor dos bons conselhos
 
O ministério de evangelista
O ministério de evangelistaO ministério de evangelista
O ministério de evangelista
 
Lição 12 - A Evangelização Real na Era Digital
Lição 12 - A Evangelização Real na Era DigitalLição 12 - A Evangelização Real na Era Digital
Lição 12 - A Evangelização Real na Era Digital
 
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
2º Trimestre 2014 - Lição 01 E Deu Dons aos Homens
 
A verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na práticaA verdadeira sabedoria se manifesta na prática
A verdadeira sabedoria se manifesta na prática
 
Escola de Profetas - A Autoridade do Fruto do Espírito
Escola de Profetas -  A Autoridade do Fruto do EspíritoEscola de Profetas -  A Autoridade do Fruto do Espírito
Escola de Profetas - A Autoridade do Fruto do Espírito
 
Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus
Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a DeusAbel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus
Abel, Exemplo de Caráter que Agrada a Deus
 

Semelhante a As bem-aventuranças segundo Mateus 5

Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteApresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteJoão Eduardo
 
Missionary Plan of Salvation PORTUGUESE
Missionary Plan of Salvation PORTUGUESEMissionary Plan of Salvation PORTUGUESE
Missionary Plan of Salvation PORTUGUESEdearl1
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano AJosé Lima
 
Sermão o sermão do monte (parte 1)
Sermão  o sermão do monte (parte 1)Sermão  o sermão do monte (parte 1)
Sermão o sermão do monte (parte 1)Joel Silva
 
Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)Joel Silva
 
Lição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptx
Lição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptxLição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptx
Lição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptxEAgoraSenhor
 
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRLição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRGerson G. Ramos
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.RODRIGO FERREIRA
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassMariadaSilva95
 
PREPARAÇÃO PARA CRISE FINAL
PREPARAÇÃO PARA CRISE FINALPREPARAÇÃO PARA CRISE FINAL
PREPARAÇÃO PARA CRISE FINALO ÚLTIMO CHAMADO
 
Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01
Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01
Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01O ÚLTIMO CHAMADO
 
Slides de estudo apocalíptico - Redenção s
Slides de estudo apocalíptico    - Redenção sSlides de estudo apocalíptico    - Redenção s
Slides de estudo apocalíptico - Redenção sArão Mendes de Melo
 
Lição 5 Jesus e a Implantação do reino de Deus
Lição 5 Jesus e a Implantação do reino de DeusLição 5 Jesus e a Implantação do reino de Deus
Lição 5 Jesus e a Implantação do reino de DeusEv.Antonio Vieira
 
EBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiça
EBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiçaEBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiça
EBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiçaSídine Custódio Vêncio
 
Geração das bem abenturanças
Geração das bem abenturançasGeração das bem abenturanças
Geração das bem abenturançasEid Marques
 
Cristo, o Salvador do Mundo - Thomas Boston
Cristo, o Salvador do Mundo -  Thomas BostonCristo, o Salvador do Mundo -  Thomas Boston
Cristo, o Salvador do Mundo - Thomas BostonSilvio Dutra
 

Semelhante a As bem-aventuranças segundo Mateus 5 (20)

Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monteApresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
Apresentação com estudos sobre a ética do sermão do monte
 
Missionary Plan of Salvation PORTUGUESE
Missionary Plan of Salvation PORTUGUESEMissionary Plan of Salvation PORTUGUESE
Missionary Plan of Salvation PORTUGUESE
 
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano AComentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
Comentário: 4° Domingo do Tempo Comum - Ano A
 
Sermão o sermão do monte (parte 1)
Sermão  o sermão do monte (parte 1)Sermão  o sermão do monte (parte 1)
Sermão o sermão do monte (parte 1)
 
Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)Sermão do monte (parte 1)
Sermão do monte (parte 1)
 
Lição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptx
Lição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptxLição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptx
Lição 02 - Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus.pptx
 
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGRLição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
Lição 712016_Os ensinos de Jesus e o grande conflito + textos_GGR
 
As bem aventurancas.doc
As bem aventurancas.docAs bem aventurancas.doc
As bem aventurancas.doc
 
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
Epístolas Gerais - I e II Pedro, I II e III João, Judas.
 
Sunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese MassSunday Portuguese Mass
Sunday Portuguese Mass
 
Partir de jesus
Partir de jesusPartir de jesus
Partir de jesus
 
Eventos finais
Eventos finaisEventos finais
Eventos finais
 
PREPARAÇÃO PARA CRISE FINAL
PREPARAÇÃO PARA CRISE FINALPREPARAÇÃO PARA CRISE FINAL
PREPARAÇÃO PARA CRISE FINAL
 
Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01
Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01
Preparaoparaacrisefinal 120124083836-phpapp01
 
W. nee-a-salvação-da-alma
W. nee-a-salvação-da-almaW. nee-a-salvação-da-alma
W. nee-a-salvação-da-alma
 
Slides de estudo apocalíptico - Redenção s
Slides de estudo apocalíptico    - Redenção sSlides de estudo apocalíptico    - Redenção s
Slides de estudo apocalíptico - Redenção s
 
Lição 5 Jesus e a Implantação do reino de Deus
Lição 5 Jesus e a Implantação do reino de DeusLição 5 Jesus e a Implantação do reino de Deus
Lição 5 Jesus e a Implantação do reino de Deus
 
EBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiça
EBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiçaEBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiça
EBD - IEPBC - Lição 4 - Deus espera de mim fome e sede de justiça
 
Geração das bem abenturanças
Geração das bem abenturançasGeração das bem abenturanças
Geração das bem abenturanças
 
Cristo, o Salvador do Mundo - Thomas Boston
Cristo, o Salvador do Mundo -  Thomas BostonCristo, o Salvador do Mundo -  Thomas Boston
Cristo, o Salvador do Mundo - Thomas Boston
 

Mais de Erberson Pinheiro

A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoErberson Pinheiro
 
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãErberson Pinheiro
 
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águasLição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águasErberson Pinheiro
 
Lição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaLição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaErberson Pinheiro
 
Lição 6 - A abrangência universal da salvação
Lição 6 - A abrangência universal da salvaçãoLição 6 - A abrangência universal da salvação
Lição 6 - A abrangência universal da salvaçãoErberson Pinheiro
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteErberson Pinheiro
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoErberson Pinheiro
 
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade socialLição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade socialErberson Pinheiro
 
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deusLição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deusErberson Pinheiro
 
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoErberson Pinheiro
 
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoErberson Pinheiro
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorErberson Pinheiro
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusErberson Pinheiro
 
Lição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humanaLição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humanaErberson Pinheiro
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouErberson Pinheiro
 
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luzLição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luzErberson Pinheiro
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoErberson Pinheiro
 
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo Erberson Pinheiro
 
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximoLição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximoErberson Pinheiro
 
Lição 13 - Sobre a família e a sua natureza
Lição 13 - Sobre a família e a sua naturezaLição 13 - Sobre a família e a sua natureza
Lição 13 - Sobre a família e a sua naturezaErberson Pinheiro
 

Mais de Erberson Pinheiro (20)

A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósito
 
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristãLição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
Lição 7 - Política e corrupção na perspectiva cristã
 
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águasLição 7 - A ordenança do batismo em águas
Lição 7 - A ordenança do batismo em águas
 
Lição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graçaLição 7 - A salvação pela graça
Lição 7 - A salvação pela graça
 
Lição 6 - A abrangência universal da salvação
Lição 6 - A abrangência universal da salvaçãoLição 6 - A abrangência universal da salvação
Lição 6 - A abrangência universal da salvação
 
Lutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestanteLutero e a reforma protestante
Lutero e a reforma protestante
 
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus CristoLição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
Lição 5 - A obra salvífica de Jesus Cristo
 
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade socialLição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
Lição 4 - O cristão diante da pobreza e da desigualdade social
 
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deusLição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
Lição 4 - Salvação - o amor e a misericórdia de deus
 
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutíferoLição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
Lição 4 - Conhecendo o arrependimento bíblico e frutífero
 
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneoLição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
Lição 3 - O problema da fome no mundo contemporâneo
 
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do SalvadorLição 3 - A salvação e o advento do Salvador
Lição 3 - A salvação e o advento do Salvador
 
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deusLição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
Lição 3 - A maravilhosa e inefável graça de deus
 
Lição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humanaLição 2 - Pecado uma realidade humana
Lição 2 - Pecado uma realidade humana
 
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelouLição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
Lição 1 - O Deus todo poderoso se revelou
 
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luzLição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
Lição 1 - Relevantes como o sal, resplandecentes como a luz
 
Lição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvaçãoLição 1 - Uma promessa de salvação
Lição 1 - Uma promessa de salvação
 
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
Lição 13 - A perseverança do discípulo de jesus cristo
 
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximoLição 13 - O tempo de deus está próximo
Lição 13 - O tempo de deus está próximo
 
Lição 13 - Sobre a família e a sua natureza
Lição 13 - Sobre a família e a sua naturezaLição 13 - Sobre a família e a sua natureza
Lição 13 - Sobre a família e a sua natureza
 

Último

LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalAmaroJunior21
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024RaniereSilva14
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaFranklinOliveira30
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxCelso Napoleon
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaWillemarSousa1
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresAntonino Silva
 

Último (8)

LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica DominicalLIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
LIÇÃO 02 - JOVENS - Escola Bíblica Dominical
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
AUXADO_1TRIM_2024.pdf ESCOLA SABATINA 2024
 
slide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarísticaslide da missa com leituras e oração eucarística
slide da missa com leituras e oração eucarística
 
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptxLição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
Lição 3 - O céu - o Destino do Cristão.pptx
 
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semanaLIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
LIÇÕES - PG my life usar uma vez por semana
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns EsclarecedoresEvangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
Evangeliza - Diálogo com os Espíritos - Médiuns Esclarecedores
 

As bem-aventuranças segundo Mateus 5

  • 2. TEXTO DO DIA “Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós” (Mt 5.12).
  • 3. SÍNTESE As bem-aventuranças resumem perfeitamente o estilo de vida, bem como a visão de mundo, de todos os que, nascidos de novo, tomaram-se súditos do Reino e, por isso, veem as coisas sob a perspectiva de Cristo.
  • 4. TEXTO BÍBLICO Mateus 5.1-12 1 — E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos; 2 — E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo: 3 — Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o reino dos céus;
  • 5. 4 — Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados; 5 — Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra; 6 — Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque eles serão fartos; TEXTO BÍBLICO Mateus 5.1-12
  • 6. 7 — Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia; 8 — Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão a Deus; 9 — Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus; TEXTO BÍBLICO Mateus 5.1-12
  • 7. 10 — Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; 11 — Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. 12 — Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós. TEXTO BÍBLICO Mateus 5.1-12
  • 9. INTRODUÇÃO É impossível a qualquer pessoa, com um mínimo de bom senso, não se surpreender Com o texto
  • 10. INTRODUÇÃO São nove versículos Condições Sentimentos Valores Que o mundo de hoje rejeita Isso porque na cultura “ensimesmada”, ou “autocentrada”, a simples demonstração do que significa viver sob a perspectiva de Jesus Cristo e do seu Reino, é algo inconcebível.
  • 11. Durante este trimestre vamos estudar O problema é quando uma ideologia, por exemplo, torna-se a orientação fundamental da existência de uma pessoa. Por mais justa que a referida ideologia, ela será boa para alguns, mas nunca para todos. Uma passagem muito conhecida do Evangelho de Mateus que precisa, urgentemente, ser estudada. INTRODUÇÃO
  • 12. Durante este trimestre vamos estudar O problema é quando uma ideologia, por exemplo, torna-se a orientação fundamental da existência de uma pessoa. Por mais justa que a referida ideologia, ela será boa para alguns, mas nunca para todos. Uma passagem muito conhecida do Evangelho de Mateus que precisa, urgentemente, ser estudada. “Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo 3.17). INTRODUÇÃO Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo.
  • 13. I A FELICIDADE DOS HUMILDES, DOS AFLITOS E DOS CALMOS www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
  • 14. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito.
  • 15. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Jesus "vê" a multidão (v. 1) “E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos” (Mt 5.1).
  • 16. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Enxergar ou contemplar Jesus "vê" a multidão (v. 1) “E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos” (Mt 5.1). vendo X X
  • 17. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Enxergar ou contemplar Jesus "vê" a multidão (v. 1) “E JESUS, vendo a multidão, subiu a um monte, e, assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos” (Mt 5.1). vendo X XMas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro
  • 18. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. “E, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:” (Mt 5.2). abrindo a sua boca, os ensinava, RedundânciaX Em outras ocasiões Ele o fez em silêncio Jesus escreve na areia (Jo 8.6,7). Jesus lava os pés dos discípulos (Jo 13.3- 17). Mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar.
  • 19. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Bem-aventurado os “pobres de espírito” Reino dos céus Eles herdarão Reconhecem que dependem de Deus Não se apoiam em méritos próprios e muito menos em alguma coisa que possuam.
  • 20. 1. A bem-aventurança dos pobres de espírito. Bem-aventurado os “pobres de espírito” Reino dos céus Eles herdarão Reconhecem que dependem de Deus Não se apoiam em méritos próprios e muito menos em alguma coisa que possuam. Justamente por isso, eles são felizes, pois confiam integralmente em Deus e vivem para Ele. “Tenho-vos dito isto, para que o meu gozo permaneça em vós, e o vosso gozo seja completo” (Jo 15.11).
  • 21. 2. A bem-aventurança dos que choram. www.ebdemfoco.com
  • 22. 2. A bem-aventurança dos que choram. Refere-se à quem chora com aflição X Não é de ordem puramente material Por ter de enfrentar as vicissitudes de um mundo caído, sem tornar-se perverso.
  • 23. 2. A bem-aventurança dos que choram. Refere-se à quem chora com aflição O choro traz oportunidade de consolo “E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas” (Ap 21.4).
  • 24. 3. A bem-aventurança dos mansos. www.ebdemfoco.com
  • 25. 3. A bem-aventurança dos mansos. Os judeus estavam sob o jugo dos romanos. Judéia. Eram cruéis com os judeus. Nessa situação, ser manso era um desafio.
  • 26. 3. A bem-aventurança dos mansos. O que pensavam os zelotes? Para eles os judeus deveriam lutar. E ser manso significava se conformar com a situação.
  • 27. 3. A bem-aventurança dos mansos. “Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz” (Sl 37.11). Não se importa com tal pensamento e reverbera salmos Não é uma conquista do braço, ou da força humana Mas uma posição reverente e calma Promessa de "posse da terra"
  • 28. 3. A bem-aventurança dos mansos. “Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu” (Hb 10.23). Por parte dos que creem que do “Senhor é a terra e toda a sua plenitude” (Sl 24.1). Mas uma posição reverente e calma Sabendo que “fiel é o que prometeu” (Hb 10.23).
  • 29. II A FELICIDADE DOS FAMINTOS E SEDENTOS DE JUSTIÇA, DOS MISERICORDIOSOS E DOS PUROS www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
  • 30. 1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. www.ebdemfoco.com
  • 31. 1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. O que é ter fome e sede de justiça? Não é: “punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte”, e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56).
  • 32. 1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. O que é ter fome e sede de justiça? Não é: “punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte”, e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). Perfil de pessoa cuja aspiração pela justiça, tornaram-se parte de sua natureza. Não é para serem bem vistas.
  • 33. 1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. O que é ter fome e sede de justiça? Não é: “punir aplicando uma forma de suplício corporal, em especial condenar à morte”, e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). Perfil de pessoa cuja aspiração pela justiça, tornaram-se parte de sua natureza. Não é para serem bem vistas. Tal percepção as levam a sentir “fome e sede de justiça”, não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza. Elas sentem a dor do próximo e não somente as suas.
  • 34. 1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. Apesar de a satisfação plena dessas necessidades se dar apenas no futuro, na completude do Reino dos céus Elas sentem a dor do próximo e não somente as suas.
  • 35. 1. A bem-aventurança dos famintos e sedentos de justiça. Apesar de a satisfação plena dessas necessidades se dar apenas no futuro, na completude do Reino dos céus Elas sentem a dor do próximo e não somente as suas. É possível e recomendável, que se busque, tanto quanto possível, sua prática aqui e agora.
  • 36. 2. A bem-aventurança dos misericordiosos. www.ebdemfoco.com
  • 37. 2. A bem-aventurança dos misericordiosos. Ter fome e sede de justiça Ser “justiceiro” O tema da justiça antecede O tema da misericórdia Com o propósito de que entendam
  • 38. 2. A bem-aventurança dos misericordiosos. Exercer ou ter misericórdia é uma atitude benevolente (Mt 18.21-35; Ef 2.1-10).
  • 39. 2. A bem-aventurança dos misericordiosos. Publicano=Judeu que cobrava imposto para o Império Romano
  • 40. 2. A bem-aventurança dos misericordiosos. Os judeus que pagavam os impostos Tinham antipatia pelos publicanos
  • 41. 2. A bem-aventurança dos misericordiosos. Felizes são os misericordiosos, pois eles serão tratados por Deus com a mesma benevolência com que trataram as pessoas que lhes ofenderam (Mateus 18.35). Em uma sociedade que cultua o revide, Jesus ensinou justamente o contrário “Assim vos fará, também, meu Pai celestial, se do coração não perdoardes, cada um a seu irmão, as suas ofensas” (Mateus 18.35).
  • 42. 3. A bem-aventurança dos puros. www.ebdemfoco.com
  • 43. 3. A bem-aventurança dos puros. Sede do desejo humano Religiosidade que valoriza o exterior e a aparência O coração é a
  • 44. 3. A bem-aventurança dos puros. Quem subirá ao monte do Senhor, ou quem estará no seu lugar santo? Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente.
  • 45. 3. A bem-aventurança dos puros. Está no “Santos dos Santos” Não é simplesmente cumprir um ritual, é necessário ter as mãos puras e um coração limpo. Qualidades que apenas o Senhor verdadeiramente contempla e conhece.
  • 46. 3. A bem-aventurança dos puros. Não é simplesmente cumprir um ritual, é necessário ter as mãos puras e um coração limpo Os limpos de coração, ainda que não estivessem conforme os padrões da religiosidade oficial, veriam a Deus. Portanto, mesmo sendo esquecidos pelas pessoas, eles são felizes. Limpo e puro
  • 47. III A FELICIDADE DOS PACIFICADORES, DOS PERSEGUIDOS E DOS CALUNIADOS www.ebdemfoco.com http://slidesebd.com
  • 48. 1. A bem-aventurança dos pacificadores. www.ebdemfoco.com
  • 49. 1. A bem-aventurança dos pacificadores. Não é unicamente a ausência Isto é algo passivo Conceito Bíblico Paz é muito mais que isso Concreto PráticoAtivo Deve ser promovido Igualdade UnidadeInteireza Promovem (Is 52.7 cf. Pv 6.16-19). Essa atividade recebe essa linda promessa devido à importância da paz para toda a sociedade.
  • 50. 1. A bem-aventurança dos pacificadores. Em um ambiente que vive cheio de intrigas e "pequenas guerras" Tem um papel importante Restabelecer a ordem e o equilíbrio entre as pessoas, gerando outro tipo de lugar, transformando radicalmente o meio (Hb 12.14; Pv 26.20).
  • 51. 2. A bem-aventurança dos perseguidos. www.ebdemfoco.com
  • 52. 2. A bem-aventurança dos perseguidos. O sofrimento se dá em decorrência de a pessoa buscar fazer a vontade de Deus que é a justiça. Igreja perseguida Ansiar por justiça, sem, contudo, tornar-se justiceiro, sendo antes misericordioso, limpo de coração e promotor da paz, resulta em perseguição.
  • 53. 2. A bem-aventurança dos perseguidos. A perseguição vem quase que automaticamente O perseguido oferece Ao mundo a oportunidade deste experimentar a paz, sem usar as ferramentas dos que oprimem em nome dela
  • 54. 2. A bem-aventurança dos perseguidos. Ser perseguido por causa da justiça significa viver, ainda que parcialmente Em um mundo onde reina a justiça A Glória do Reino Mesmo com perseguição, é infinitamente melhor que o mundo da falsa paz. Justiça segundo Deus
  • 55. 2. A bem-aventurança dos perseguidos. A estes, ou seja, aos perseguidos, o Senhor pronuncia-lhes o mesmo que pronunciou aos pobres de espírito: Reino dos Céus Deles é
  • 56. 3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados. www.ebdemfoco.com
  • 57. 3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados. Felizes são os discípulos quando forem injuriados, perseguidos e caluniados por causa dEle (Mateus 5.11,12). “Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós” (Mateus 5.11,12). Disse
  • 58. 3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados. O sofrimento é um privilégio, pois gerará uma grande recompensa Ao mesmo tempo em que fará com que os discípulos se equiparem com os profetas Disse
  • 59. 3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados. Ao coloca-los no mesmo patamar era também uma forma de afirmar sua autoridade divina. Os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos.
  • 60. 3. A bem-aventurança dos insultados e caluniados. E isso os equipara aos profetasSe os discípulos sofrem por causa de Jesus Logo quer dizer também que eles sofrem por Deus.
  • 62. O início do Sermão do Monte, resumido nas bem- aventuranças, evidencia a diferença da atividade magisterial de Jesus em relação aos escribas. CONCLUSÃO Bem como denota a grande disparidade do conteúdo da mensagem do Evangelho em comparação com a exigência de memorização e o cumprimento de regras provenientes da religiosidade.
  • 63. 1. Qual a diferença entre a ideologia e o Evangelho em termos de benefício? Por mais justa que seja a ideologia, ela é boa para alguns, mas nunca para todos. Já o Evangelho, conforme iremos aprender com o estudo dos capítulos cinco, seis e sete de Mateus, é a Boa Notícia global que Deus nos trouxe através de Jesus Cristo. 2. Explique o que Mateus quis dizer com os atos de Jesus ver a multidão e abrir a boca para ensinar. O "ver" não é simplesmente enxergar ou contemplar, mas um olhar que contém compaixão e que se importa com o outro. De igual maneira, o "abria a boca" não se trata de urna redundância, mas um registro que evidencia uma das formas, ou métodos, de Jesus ensinar, pois em outras ocasiões Ele o fez em silêncio Uo 8.6,7:13,3- 17). PERGUNTAS
  • 64. 3. O que significa ter "fome e sede de justiça"? Não se trata de "justiçamento", ou seja, "punir aplicando uma forma de suplício corporal em especial condenar a morte", e muito menos o ajuntamento amotinado (Lc 9.51-56). O Mestre refere-se a um desejo, vontade e aspiração pela justiça, que torna-se parte da natureza da pessoa, fazendo com que esta sinta a dor do próximo e não somente as suas, e tal percepção a leva a sentir "fome e sede de justiça", não como regras impostas, mas como sentimentos conscientes que fazem parte de sua natureza Ur 31.33). 4. Há algum propósito especial para Jesus ter ensinado sobre misericórdia logo após ter falado de justiça? Explique. Para que ninguém pense que ter "fome e sede de justiça" é algo que se confunde com tornar-se "justiceiro". 5. Equiparar o sofrimento dos discípulos ao que sucedeu aos profetas no Antigo Testamento acabou por revelar algo da natureza de Jesus. O que é? Uma vez que todos tinham os profetas em alta conta, dizer que tal situação os colocava no mesmo patamar, era também uma forma de afirmar sua deidade, pois os profetas no Antigo Testamento estavam a serviço de Deus e, justamente por isso, foram perseguidos. PERGUNTAS
  • 65. Vantagens do slide em PowerPoint: ❖ Você pode editar; ❖ Tem muitas animações; ❖ É mais interativo. Baixe em Power Point http://slidesebd.com
  • 66. Fique por dentro do conteúdo da Escola Bíblica Dominical. Acesse o site: www.ebdemfoco.com