SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
INTRODUÇÃO
Na lição de hoje vamos estudar acerca da qualidade
relacional da igreja nos diversos níveis de interação entre
pessoas geradas pela Palavra.
Veremos a Epístola de Tiago apontando as distorções
sociais que podem existir em um ambiente eclesiástico ou
de convivência entre irmãos.
A nossa perspectiva é a de que possamos nos relacionar
com o outro independente da sua condição econômica e
social.
Ligados, sobretudo, pelo Evangelho.
I - A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA
(Tg 1.9-11)
 1. Os pobres na Igreja do primeiro século.
 Do ponto de vista social, a pobreza exclui o ser humano dos direitos
básicos necessários à sua subsistência. Não é difícil reconhecer que a
Igreja do primeiro século era constituída por duas classes sociais: a
dos pobres e a dos ricos, tendo evidentemente mais pobres em sua
composição.
 Uma vez que não podemos fazer acepção de pessoas (Rm 2.11; Cl
3.11), os pobres daquela época, que foram gerados pela Palavra e
inseridos no corpo de Cristo - a Igreja - tinham motivos de alegrar-se
no Senhor, pois além do novo nascimento, eles eram acolhidos pela
igreja local (Gl 2.10).
I - A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA
(Tg 1.9-11)
 2. Os ricos na Igreja Antiga.
 Por vezes, os ricos são identificados na Bíblia como judeus proprietários de muitos
bens e que negligenciavam as obrigações que pesam sobre os que desfrutam de tal
condição (Lv 19.10; 23.22,35-55; Dt 15.1-18; Is 1.15-17; Mq 6.9-16; 1 Tm 6.9,17-
19). Por cuja razão, e pelas suas atitudes, eles eram frequentemente repreendidos
pelas Escrituras (Am 3.10; Pv 11.28; 1 Tm 6.17-19; Lc 6.24; 18.24,25).
 Os ricos e abastados têm a tendência a desenvolverem a arrogância, a
autossuficiência e a postura de senhores poderosos, que pensam poder comprar as
pessoas a qualquer preço. As Escrituras são claras em afirmar que o Reino de Deus
não pode ser comprado por dinheiro algum. É possível o irmão rico ser gerado pela
Palavra e tornar-se um filho de Deus? Sim, claro (Lc 18.25-26).
 Porém, ele pode encontrar maior dificuldade para desprender-se de suas riquezas
(Mt 19.23-26, cf. v.11). É imprescindível que os mais abastados compreendam que
após entregarem-se a Cristo, obedecerão ao mesmo Evangelho a que os irmãos
pobres submetem-se. Aqui, torna-se ainda mais clara a verdade bíblica: para Deus
não há acepção de pessoas (Rm 2.11; Cl 3.11).
I - A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA
(Tg 1.9-11)
 3. Perante Deus, pobres e ricos são iguais.
 A igreja local deve receber a todos no espírito do Evangelho, isto é, como
membros da família de Deus, pois através da salvação em Cristo,
independentemente da condição social, todos têm a Deus como Pai (Rm
8.14), e a Jesus como irmão (Lc 8.21).
 Somos coerdeiros, juntamente com Cristo, de uma herança eterna (1 Pe
1.4), pertencentes à santa família de Deus (Ef 2.19) e cidadãos de um reino
imutável (Hb 12.28).
 Na família de Deus há lugar para todo ser humano justificado por Cristo.
Portanto, o irmão pobre e o irmão rico não devem se envergonhar de suas
condições sociais. Se o Evangelho alcançou seus corações, o rico saberá
biblicamente o que fazer com a sua riqueza.
 E o pobre, de igual forma, como viverá sua pobreza. O importante é que
Cristo em tudo seja exaltado!
R. A dos pobres e a dos ricos, tendo
evidentemente mais pobres em sua
composição.
R. Os ricos são identificados na Bíblia como judeus proprietários de
muitos bens e que negligenciavam as obrigações que pesam sobre os
que desfrutam de tal condição (Lv 19.10; 23.22,35-55; Dt 15.1-18; Is 1.15-
17; Mq 6.9-16; 1 Tm 6.9,17-19).
II - DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)
 1. Não erreis (v.16).
 Com essa advertência o meio-irmão do Senhor não está afirmando a
doutrina da "santidade plena" ou perfeccionista: a de que o homem,
uma vez remido, não mais pecará.
 Tal palavra tem como propósito conclamar o crente a não dar ouvidos
à "voz" da concupiscência carnal. Recapitulando a mensagem dos
versículos 12 a 15, que tratam do tema da tentação, os versículos 9 a
11 formam uma introdução ao tema da tentação, ao passo o que
versículo 16 é uma advertência para os crentes não se curvarem aos
desejos imorais e infames do mundo, pois Deus é a fonte de tudo o
que é bom.
 Logo, não podemos dar crédito àquilo que é mau.
II - DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)
 2. Todo dom e boa dádiva vêm de Deus.
 Um dom de Deus, como a sabedoria que torna uma pessoa
espiritualmente madura (v.4), não pode ser recebido pelo crente
através de esforço humano. Quem o distribui é Deus. Este dom é
fruto da graça do Pai para nós.
 Num tempo onde o ascetismo religioso tende a tirar o foco da glória
de Deus e da sua benignidade, tornando o ser humano "digno" do céu,
precisamos lembrar que a nossa vida espiritual não depende de
disciplinas humanas para receber dádivas de Deus.
 Depende de um relacionamento livre, espontâneo e sincero com o Pai
das Luzes mediante o seu Filho, Jesus Cristo, e na força do Espírito
Santo.
II - DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)
 3. A origem de tudo o que é bom está no Pai das Luzes.
 Ao escrever que "toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto",
Tiago declara que apenas as boas virtudes vêm de Deus. Não há
sombra de variação no Pai das Luzes, isto é, nEle não há momentos
de trevas e outros de luzes.
 Só há luz.
 Ele não muda e é bom! Não faz o mal aos seus filhos (Lc 11.11-13).
Infelizmente, muitos têm uma visão turva de Deus como se Ele fosse
um carrasco pronto a castigar-nos na primeira oportunidade.
 Não devemos falar sobre o Pai desta maneira, lembremo-nos do
ensinamento joanino que fala sobre sermos defendidos e advogados
por Jesus, o Filho de Deus (1 Jo 2.1,2).
R. Deus.
III - PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18)
 1. Algo que somente Deus faz.
 A regeneração é um milagre proveniente do Pai das Luzes,
segundo a sua vontade (v.17). Foi Ele que nos gerou pela Palavra
da Verdade.
 Ser gerado de novo é uma ação realizada exclusivamente pelo Pai
das Luzes através do Santo Espírito. Ele limpa o homem dos seus
pecados (Is 1.18), dando-lhe perdão e implantando-lhe um novo
caráter.
 Aqui, acontece o que o nosso Senhor falou aos seus discípulos:
"Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará,
e viremos para ele e faremos nele morada" (Jo 14.23). O Pai é a
fonte de nossa vida espiritual (Jo 1.12,13).
III - PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18)
2. A Palavra da verdade.
Naqueles dias, parte da igreja estava dispersa, sofrendo muitas
tribulações. Para superá-las era preciso uma inabalável
convicção de que, apesar das lutas, ela não havia deixado de ser
as primícias do Senhor entre as criaturas.
Por esse motivo, Tiago enfatiza a expressão "Palavra da
Verdade". Fomos gerados e enxertados pela Palavra que salva a
nossa alma (v.21).
Assim, a despeito de todas as circunstâncias difíceis da vida,
podemos aplicar essa verdade afirmando que somos filhos de
Deus, as primícias entre as criaturas do Senhor.
III - PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18)
 3. O propósito de Deus.
 A salvação é a maior bênção de Deus para a humanidade. O propósito
divino não é primeiramente abençoar o crente com bênçãos materiais,
mas fazer dele primícias de suas criaturas: os salvos pela graça mediante
a fé (Ef 2.8).
 No Antigo Testamento, as primícias eram a colheita do melhor fruto (Lv
23.10,11 cf. Êx 23.19; Dt 18.4). Ao referir-se às primícias, Tiago dizia
aos primeiros irmãos, notadamente judeus, que eles foram escolhidos
como primícias do Evangelho.
 Os primeiros de muitos outros que Deus havia começado a colher.
Alegre-se no Senhor! Você faz parte das primícias da sua geração.
Escolhido por Deus e nomeado por Ele para proclamar as virtudes do
Senhor neste mundo
R. Ser gerado de novo é uma ação realizada
exclusivamente pelo Pai das Luzes através
do Santo Espírito.
R. A salvação.
CONCLUSÃO
Inseridos no processo de aperfeiçoamento espiritual, sofremos
os mais diversos tipos de provações, independentemente de
nossa posição social, econômica e cultural. Tais situações
aperfeiçoam-nos e amadurecem-nos como pessoas.
Quando alguém é gerado pela Palavra da Verdade, ele é
chamado pelo Pai a viver o Evangelho em fidelidade. Não
podemos nos esquecer do nosso maior desafio: fazer o
Evangelho falar num mundo dominado por relacionamentos
distorcidos.
Somo o Corpo de Cristo, a Igreja de Deus: a coluna e firmeza da
verdade (1 Tm 3.15)
ACESSE O NOSSO SITE
www.escola-dominical.com
www.proaviva.blogspot.com
Produção dos slides
Pr. Ismael Pereira de Oliveira
&
Ismael Isidio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoLição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoÉder Tomé
 
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGOLIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGOLourinaldo Serafim
 
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresLição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresÉder Tomé
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeÉder Tomé
 
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas ObrasLição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas ObrasAlexsandro Martins
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasÉder Tomé
 
Lição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa Desgarrada
Lição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa DesgarradaLição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa Desgarrada
Lição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa DesgarradaÉder Tomé
 
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.Lourinaldo Serafim
 
Lição 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Lição 9 - O Perigo da Indiferença EspiritualLição 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Lição 9 - O Perigo da Indiferença EspiritualÉder Tomé
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática iissuser2f0b10
 
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusLição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusÉder Tomé
 
Lição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus
Lição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de DeusLição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus
Lição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de DeusÉder Tomé
 
Lição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de MisericórdiaLição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de MisericórdiaÉder Tomé
 
Lição 10 - Precisamos de Vigilância Espiritual
Lição 10 - Precisamos de Vigilância EspiritualLição 10 - Precisamos de Vigilância Espiritual
Lição 10 - Precisamos de Vigilância EspiritualÉder Tomé
 
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência CristãLição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência CristãÉder Tomé
 
Conferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasilConferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasilHelio Diniz
 
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no SinaiLição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no SinaiÉder Tomé
 
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento EspiritualLição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento EspiritualÉder Tomé
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaÉder Tomé
 

Mais procurados (20)

Lição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do TempoLição 8 - A Mordomia do Tempo
Lição 8 - A Mordomia do Tempo
 
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGOLIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
LIÇÃO 13 – A ATUALIDADE DOS ÚLTIMOS CONSELHOS DE TIAGO
 
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os SuperioresLição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
Lição 4 - O Relacionamento do Cristão com o Estado e com os Superiores
 
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da VerdadeLição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
Lição 10 - Permaneçam Firmes na Palavra da Verdade
 
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas ObrasLição 1 - Tiago  Fé que se mostra pelas Obras
Lição 1 - Tiago Fé que se mostra pelas Obras
 
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e OfertasLição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
Lição 7 - A Mordomia dos Dízimos e Ofertas
 
Lição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa Desgarrada
Lição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa DesgarradaLição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa Desgarrada
Lição 5 - Amando e Resgatando a Pessoa Desgarrada
 
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.Lição 1  Tiago Fé que se mostra pelas obras.
Lição 1 Tiago Fé que se mostra pelas obras.
 
Lição 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Lição 9 - O Perigo da Indiferença EspiritualLição 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
Lição 9 - O Perigo da Indiferença Espiritual
 
Teologia sistemática ii
Teologia sistemática iiTeologia sistemática ii
Teologia sistemática ii
 
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de DeusLição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
Lição 6 - Sinceridade e Arrependimento Diante de Deus
 
Lição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus
Lição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de DeusLição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus
Lição 2- Para Ouvir e Anunciar a Palavra de Deus
 
Lição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de MisericórdiaLição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
Lição 11 - A Mordomia das Obras de Misericórdia
 
Lição 10 - Precisamos de Vigilância Espiritual
Lição 10 - Precisamos de Vigilância EspiritualLição 10 - Precisamos de Vigilância Espiritual
Lição 10 - Precisamos de Vigilância Espiritual
 
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência CristãLição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
Lição 8 - O Papel do Líder e a Convivência Cristã
 
Conferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasilConferência nacional dos bispos do brasil
Conferência nacional dos bispos do brasil
 
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no SinaiLição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
Lição 7 - O Decálogo: A Aliança no Sinai
 
Reino de deus
Reino de deusReino de deus
Reino de deus
 
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento EspiritualLição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
Lição 9 - O Conhecimento de Deus que Conduz ao Crescimento Espiritual
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
 

Semelhante a A salvação

LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADELIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADELourinaldo Serafim
 
Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02
Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02
Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02Elias Moises
 
GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014
GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014 GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014
GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014 Pr. Andre Luiz
 
Gerados Pela Palavra da Verdade
Gerados Pela Palavra da VerdadeGerados Pela Palavra da Verdade
Gerados Pela Palavra da VerdadeAdenísio dos Reis
 
2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADENatalino das Neves Neves
 
LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO
LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃOLIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO
LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃOLourinaldo Serafim
 
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo JesusLição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo JesusÉder Tomé
 
Curso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdf
Curso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdfCurso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdf
Curso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdfJooAlbertoSoaresdaSi
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasIsmael Isidio
 
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvaçãoLição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvaçãoRegio Davis
 
Lição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Lição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptxLição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Lição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptxCelso Napoleon
 
Lição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus Cristo
Lição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus CristoLição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus Cristo
Lição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus CristoÉder Tomé
 
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus CristoLição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus CristoÉder Tomé
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSIsmael Isidio
 
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015Pr. Andre Luiz
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDEIsmael Isidio
 
Lição 02 - O evangelho da graça
Lição 02 - O evangelho da graçaLição 02 - O evangelho da graça
Lição 02 - O evangelho da graçaRegio Davis
 

Semelhante a A salvação (20)

LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADELIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
 
Lição 4
Lição 4Lição 4
Lição 4
 
Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02
Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02
Geradospelapalavradaverdade 140723221143-phpapp02
 
GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014
GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014 GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014
GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE - LIÇÃO 4 - 3°TRI.2014
 
Gerados Pela Palavra da Verdade
Gerados Pela Palavra da VerdadeGerados Pela Palavra da Verdade
Gerados Pela Palavra da Verdade
 
2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
2014 3 TRI LIÇÃO 4 - GERADOS PELA PALAVRA DA VERDADE
 
LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO
LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃOLIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO
LIÇÃO 12 – OS PECADOS DE OMISSÃO E DE OPRESSÃO
 
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo JesusLição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
Lição 6 - A grande e perfeita salvação de Cristo Jesus
 
Curso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdf
Curso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdfCurso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdf
Curso-de-Batismo-e-Novos-Membros.pdf
 
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas ObrasLição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
Lição 1: Tiago — Fé que se Mostra pelas Obras
 
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvaçãoLição 13 - A manifestação da graça da salvação
Lição 13 - A manifestação da graça da salvação
 
Lição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Lição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptxLição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
Lição 13 – O Mundo de Deus no Mundo dos Homens.pptx
 
Lição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus Cristo
Lição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus CristoLição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus Cristo
Lição 10 - Aspectos da Obra Redentora de Jesus Cristo
 
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus CristoLição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
Lição 8 - A Obra Salvífica do Senhor Jesus Cristo
 
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUSLIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
LIÇÃO 13 – A MULTIFORME SABEDORIA DE DEUS
 
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
 
Apostila evangelismo
Apostila evangelismoApostila evangelismo
Apostila evangelismo
 
Curso-de-Batismo.pdf
Curso-de-Batismo.pdfCurso-de-Batismo.pdf
Curso-de-Batismo.pdf
 
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDELIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
LIÇÃO 3 - A IMPORTÂNCIA DA SABEDORIA HUMILDE
 
Lição 02 - O evangelho da graça
Lição 02 - O evangelho da graçaLição 02 - O evangelho da graça
Lição 02 - O evangelho da graça
 

Mais de Ismael Isidio

Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaIsmael Isidio
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURAIsmael Isidio
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOIsmael Isidio
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORIsmael Isidio
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTAIsmael Isidio
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETAIsmael Isidio
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosIsmael Isidio
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoIsmael Isidio
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poderIsmael Isidio
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOIsmael Isidio
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituaisIsmael Isidio
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homensIsmael Isidio
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSIsmael Isidio
 

Mais de Ismael Isidio (13)

Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humanaLição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
Lição 10 – o perigo da busca pela autorrealização humana
 
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURALIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
LIÇÃO 5 – O CUIDADO AO FALAR E A RELIGIÃO PURA
 
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATOLIÇÃO 12 – O DIACONATO
LIÇÃO 12 – O DIACONATO
 
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTORLIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
LIÇÃO 09 - O MINISTÉRIO DE PASTOR
 
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTALIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
LIÇÃO 08 - O MINISTERIO DE EVANGELISTA
 
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETALIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
LIÇÃO 7 - O MINISTÉRIO DE PROFETA
 
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos ApóstolosLição 06 - O ministério dos Apóstolos
Lição 06 - O ministério dos Apóstolos
 
Lição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocuçãoLição 05 – dons de elocução
Lição 05 – dons de elocução
 
Lição 4 dons de poder
Lição 4   dons de poderLição 4   dons de poder
Lição 4 dons de poder
 
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃOLIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
LIÇÃO 3 - DONS DE REVELAÇÃO
 
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
Lição 2   o  propósito dos dons espirituaisLição 2   o  propósito dos dons espirituais
Lição 2 o propósito dos dons espirituais
 
Lição 1 E deu dons aos homens
Lição 1   E deu dons aos homensLição 1   E deu dons aos homens
Lição 1 E deu dons aos homens
 
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉSLIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
LIÇÃO 13 – O LEGADO DE MOISÉS
 

Último

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

A salvação

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. INTRODUÇÃO Na lição de hoje vamos estudar acerca da qualidade relacional da igreja nos diversos níveis de interação entre pessoas geradas pela Palavra. Veremos a Epístola de Tiago apontando as distorções sociais que podem existir em um ambiente eclesiástico ou de convivência entre irmãos. A nossa perspectiva é a de que possamos nos relacionar com o outro independente da sua condição econômica e social. Ligados, sobretudo, pelo Evangelho.
  • 7.
  • 8. I - A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA (Tg 1.9-11)  1. Os pobres na Igreja do primeiro século.  Do ponto de vista social, a pobreza exclui o ser humano dos direitos básicos necessários à sua subsistência. Não é difícil reconhecer que a Igreja do primeiro século era constituída por duas classes sociais: a dos pobres e a dos ricos, tendo evidentemente mais pobres em sua composição.  Uma vez que não podemos fazer acepção de pessoas (Rm 2.11; Cl 3.11), os pobres daquela época, que foram gerados pela Palavra e inseridos no corpo de Cristo - a Igreja - tinham motivos de alegrar-se no Senhor, pois além do novo nascimento, eles eram acolhidos pela igreja local (Gl 2.10).
  • 9.
  • 10. I - A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA (Tg 1.9-11)  2. Os ricos na Igreja Antiga.  Por vezes, os ricos são identificados na Bíblia como judeus proprietários de muitos bens e que negligenciavam as obrigações que pesam sobre os que desfrutam de tal condição (Lv 19.10; 23.22,35-55; Dt 15.1-18; Is 1.15-17; Mq 6.9-16; 1 Tm 6.9,17- 19). Por cuja razão, e pelas suas atitudes, eles eram frequentemente repreendidos pelas Escrituras (Am 3.10; Pv 11.28; 1 Tm 6.17-19; Lc 6.24; 18.24,25).  Os ricos e abastados têm a tendência a desenvolverem a arrogância, a autossuficiência e a postura de senhores poderosos, que pensam poder comprar as pessoas a qualquer preço. As Escrituras são claras em afirmar que o Reino de Deus não pode ser comprado por dinheiro algum. É possível o irmão rico ser gerado pela Palavra e tornar-se um filho de Deus? Sim, claro (Lc 18.25-26).  Porém, ele pode encontrar maior dificuldade para desprender-se de suas riquezas (Mt 19.23-26, cf. v.11). É imprescindível que os mais abastados compreendam que após entregarem-se a Cristo, obedecerão ao mesmo Evangelho a que os irmãos pobres submetem-se. Aqui, torna-se ainda mais clara a verdade bíblica: para Deus não há acepção de pessoas (Rm 2.11; Cl 3.11).
  • 11.
  • 12. I - A RELAÇÃO ENTRE OS POBRES E OS RICOS DA IGREJA (Tg 1.9-11)  3. Perante Deus, pobres e ricos são iguais.  A igreja local deve receber a todos no espírito do Evangelho, isto é, como membros da família de Deus, pois através da salvação em Cristo, independentemente da condição social, todos têm a Deus como Pai (Rm 8.14), e a Jesus como irmão (Lc 8.21).  Somos coerdeiros, juntamente com Cristo, de uma herança eterna (1 Pe 1.4), pertencentes à santa família de Deus (Ef 2.19) e cidadãos de um reino imutável (Hb 12.28).  Na família de Deus há lugar para todo ser humano justificado por Cristo. Portanto, o irmão pobre e o irmão rico não devem se envergonhar de suas condições sociais. Se o Evangelho alcançou seus corações, o rico saberá biblicamente o que fazer com a sua riqueza.  E o pobre, de igual forma, como viverá sua pobreza. O importante é que Cristo em tudo seja exaltado!
  • 13.
  • 14. R. A dos pobres e a dos ricos, tendo evidentemente mais pobres em sua composição. R. Os ricos são identificados na Bíblia como judeus proprietários de muitos bens e que negligenciavam as obrigações que pesam sobre os que desfrutam de tal condição (Lv 19.10; 23.22,35-55; Dt 15.1-18; Is 1.15- 17; Mq 6.9-16; 1 Tm 6.9,17-19).
  • 15.
  • 16. II - DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)  1. Não erreis (v.16).  Com essa advertência o meio-irmão do Senhor não está afirmando a doutrina da "santidade plena" ou perfeccionista: a de que o homem, uma vez remido, não mais pecará.  Tal palavra tem como propósito conclamar o crente a não dar ouvidos à "voz" da concupiscência carnal. Recapitulando a mensagem dos versículos 12 a 15, que tratam do tema da tentação, os versículos 9 a 11 formam uma introdução ao tema da tentação, ao passo o que versículo 16 é uma advertência para os crentes não se curvarem aos desejos imorais e infames do mundo, pois Deus é a fonte de tudo o que é bom.  Logo, não podemos dar crédito àquilo que é mau.
  • 17.
  • 18. II - DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)  2. Todo dom e boa dádiva vêm de Deus.  Um dom de Deus, como a sabedoria que torna uma pessoa espiritualmente madura (v.4), não pode ser recebido pelo crente através de esforço humano. Quem o distribui é Deus. Este dom é fruto da graça do Pai para nós.  Num tempo onde o ascetismo religioso tende a tirar o foco da glória de Deus e da sua benignidade, tornando o ser humano "digno" do céu, precisamos lembrar que a nossa vida espiritual não depende de disciplinas humanas para receber dádivas de Deus.  Depende de um relacionamento livre, espontâneo e sincero com o Pai das Luzes mediante o seu Filho, Jesus Cristo, e na força do Espírito Santo.
  • 19.
  • 20. II - DEUS SÓ FAZ O BEM (Tg 1.16,17)  3. A origem de tudo o que é bom está no Pai das Luzes.  Ao escrever que "toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto", Tiago declara que apenas as boas virtudes vêm de Deus. Não há sombra de variação no Pai das Luzes, isto é, nEle não há momentos de trevas e outros de luzes.  Só há luz.  Ele não muda e é bom! Não faz o mal aos seus filhos (Lc 11.11-13). Infelizmente, muitos têm uma visão turva de Deus como se Ele fosse um carrasco pronto a castigar-nos na primeira oportunidade.  Não devemos falar sobre o Pai desta maneira, lembremo-nos do ensinamento joanino que fala sobre sermos defendidos e advogados por Jesus, o Filho de Deus (1 Jo 2.1,2).
  • 21.
  • 23.
  • 24. III - PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18)  1. Algo que somente Deus faz.  A regeneração é um milagre proveniente do Pai das Luzes, segundo a sua vontade (v.17). Foi Ele que nos gerou pela Palavra da Verdade.  Ser gerado de novo é uma ação realizada exclusivamente pelo Pai das Luzes através do Santo Espírito. Ele limpa o homem dos seus pecados (Is 1.18), dando-lhe perdão e implantando-lhe um novo caráter.  Aqui, acontece o que o nosso Senhor falou aos seus discípulos: "Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada" (Jo 14.23). O Pai é a fonte de nossa vida espiritual (Jo 1.12,13).
  • 25.
  • 26. III - PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18) 2. A Palavra da verdade. Naqueles dias, parte da igreja estava dispersa, sofrendo muitas tribulações. Para superá-las era preciso uma inabalável convicção de que, apesar das lutas, ela não havia deixado de ser as primícias do Senhor entre as criaturas. Por esse motivo, Tiago enfatiza a expressão "Palavra da Verdade". Fomos gerados e enxertados pela Palavra que salva a nossa alma (v.21). Assim, a despeito de todas as circunstâncias difíceis da vida, podemos aplicar essa verdade afirmando que somos filhos de Deus, as primícias entre as criaturas do Senhor.
  • 27.
  • 28. III - PRIMÍCIAS DE DEUS ENTRE AS CRIATURAS (Tg 1.18)  3. O propósito de Deus.  A salvação é a maior bênção de Deus para a humanidade. O propósito divino não é primeiramente abençoar o crente com bênçãos materiais, mas fazer dele primícias de suas criaturas: os salvos pela graça mediante a fé (Ef 2.8).  No Antigo Testamento, as primícias eram a colheita do melhor fruto (Lv 23.10,11 cf. Êx 23.19; Dt 18.4). Ao referir-se às primícias, Tiago dizia aos primeiros irmãos, notadamente judeus, que eles foram escolhidos como primícias do Evangelho.  Os primeiros de muitos outros que Deus havia começado a colher. Alegre-se no Senhor! Você faz parte das primícias da sua geração. Escolhido por Deus e nomeado por Ele para proclamar as virtudes do Senhor neste mundo
  • 29.
  • 30. R. Ser gerado de novo é uma ação realizada exclusivamente pelo Pai das Luzes através do Santo Espírito. R. A salvação.
  • 31.
  • 32. CONCLUSÃO Inseridos no processo de aperfeiçoamento espiritual, sofremos os mais diversos tipos de provações, independentemente de nossa posição social, econômica e cultural. Tais situações aperfeiçoam-nos e amadurecem-nos como pessoas. Quando alguém é gerado pela Palavra da Verdade, ele é chamado pelo Pai a viver o Evangelho em fidelidade. Não podemos nos esquecer do nosso maior desafio: fazer o Evangelho falar num mundo dominado por relacionamentos distorcidos. Somo o Corpo de Cristo, a Igreja de Deus: a coluna e firmeza da verdade (1 Tm 3.15)
  • 33.
  • 34. ACESSE O NOSSO SITE www.escola-dominical.com www.proaviva.blogspot.com Produção dos slides Pr. Ismael Pereira de Oliveira & Ismael Isidio