As parábolas de Jesus

8.019 visualizações

Publicada em

Resumo das parábolas de Jesus com as respectivas referências bíblicas e as aplicações pedagógicas.

Publicada em: Espiritual, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

As parábolas de Jesus

  1. 1. Os Ensinos de Jesus – Parábolas.Parábolas Objetivo era ensinar/ilustrar sobre Referência BíblicaA candeia debaixo da vasilhaJesus é a luz do mundo. Seus seguidores refletem sua luz eglória. A motivação maior que uma pessoa pode ter é que suamaneira de viver leve outros a glorificar a Deus.Mt 5:14,15; Mc 4:21,22; Lc 8:16/11:33A figueiraA segunda volta de Cristo. Ele queria que seus discípulosestivessem alerta e vigilantes.Mt 24:32-35; Mc 13:28,29; Lc 21:29-31A figueira infrutíferaA paciência de Deus com Jerusalém cuja condenação seaproximava rapidamente, e com os indivíduos em geral.Lc 13:6-9A moeda (dracma) perdidaA entrega a Cristo sem reservas. Não pode haver lealdadedividida. Uma vez que entronizamos Jesus como o Senhor davida, sua compaixão é ilimitada. Podemos tropeçarseguidamente, mas enquanto mantivermos os olhos fitos nele nosperdoará sempre até que, finalmente, pela graça e poder de Jesus,tudo quanto desagrada a ele desaparecerá de nossa vida.Lc 15:8-10A ovelha perdidaÉ o retrato glorioso do Pai celestial e de seus anjos dando boas-vindas às almas que se voltam para ele. Essa verdade é ilustradapor três parábolas: A ovelha perdida, A dracma perdida e O filhopródigo.Mt 18:12-14; Lc 15:4-7A pérola de grande valorO valor incalculável de Cristo para a alma humana. O que Cristooferece vale tanto que se deve abrir mão de tudo – até mesmo daprópria vida – para aceitá-lo.Mt 13:45,46A redeO arrastão final da rede para a praia representa o dia dojulgamento, quando todos aqueles que não obedeceram a palavraserão separados dos justos e lançados ―na fornalha acesa‖Mt 13:47-50A semente em crescimentoOs judeus em geral esperavam que o reino messiânico fosseinaugurado com uma demonstração de poder que abalaria omundo. Essa parábola significa que, pelo contrário, seria longede espetacular: um início bem pequeno, com crescimento lento edemorado, passando de modo silencioso e imperceptível, porémirresistível, para o dia da ceifa. Significa também que oevangelho possui um poder que lhe é inerente.Mc 4:26-29A viúva persistente Ensinar que Deus atende à oração persistente e perseverante. Lc 18:2-8
  2. 2. Deus tomará providências para recebermos justiça, e isso sem amínima demora. Devemos aprender a orar de modo eficiente.As dez virgensDevemos manter nossa atenção fixada no Senhor e estarpreparados quando ele vier.Mt 25:1-13As ervas daninhasDemonstram que embora o mundo venha a ser permeado peloevangelho, os maus persistirão ao lado dos bons até o fim domundo, quando haverá a separação final – os maus irão para odestino infeliz, e os justos, para o Reino de glória eterna.Mt 13:24-30,36-43As ovelhas e os bodesUm retrato de como o grau de nosso amor pelo povo de Deusafetará nossa situação no mundo eterno. Retrata a vinda doSenhor em glória para Seu povo terreno. Será o dia darecompensa ou do castigo para as pessoas dentre as nações queestarão vivendo aqui na terra. E o critério diferenciador será amaneira pela qual tiverem recebido os embaixadores do Rei(Seus irmãos - no caso aqui, os judeus - v. 40), quando lhes foranunciado o evangelho do reino.Mt 25:31-46O administrador astutoO que Jesus elogia aqui é a previdência desse homem, não suadesonestidade; a provisão que fez para o futuro, não o métodoimoral que usou para fazê-lo. Assim como o administrador fezamigos mediante o emprego desonesto dos bens de seu patrão,também nós devemos fazer amigos mediante o uso honesto dasdádivas que Deus nos tem dado.Lc 16:1-8O amigo necessitadoMesmo significado e lição da parábola da viúva persistente (Lc18:2-8). A parábola dos dois amigos nos ensina a expressar cadanecessidade de maneira simples e, sobretudo precisa: "Amigo,empresta-me três pães..."Lc 11:5-8O banquete de casamentoA nação eleita de Deus, o povo judeu, estava agora para serrepudiada pelo modo vergonhoso de tratar os mensageiros deDeus, e outras nações eram convidadas. Essa parábola tem duplamensagem: inclui também a advertência para que os recém-chegados tomem cuidado em não cair na mesma condenação.Mt 22:2-14O bom samaritanoUma das ilustrações mais sublimes de bondade humana. Lucasacabara de contar como Jesus havia sido rejeitado pelossamaritanos (9.552). Aqui temos a reação de Jesus: ele fez de umsamaritano o exemplo de amor que servirá para todas as erasLc 10:30-37
  3. 3. futuras.O construtor prudente e o insensatoDeclaração muito nítida de que inútil nos chamarmos cristãos, anão ser que pratiquemos as coisas que Jesus ensinou no Sermãodo Monte.Mt 7:24-27; Lc 6:47-49O credorNo contexto (uma mulher pecadora chorando, beija os pés deJesus, banha-os com um perfume caríssimo e enxuga-os comseus cabelos, as lágrimas que caiam) Jesus deixa claro que o―credor‖ é Deus, que tanto perdoou o que devia pouco como oque devia muito.Lc 7:41-43O custo do discipuladoA intenção de Jesus não era nos levar a odiar pais ou filhos. Adedicação fiel aos que são nossa própria carne e sangue é um dosensinos claros das Escrituras. Mas Jesus certamente quis dizerque, se for necessário fazer uma escolha entre ele e nossa família,não deve haver a mínima hesitação.Lc14:28-33O dono de uma casa―Muito do que Jesus pregou parecia ―novo‖ naquela época. Mas,era tão antigo quanto ―a lei e os profetas‖ no qual Jesusfundamentou todo seu ensino. Cada geração vai descobrirverdades no Evangelho que a geração anterior talvez tenhaesquecido ou perdeu de vista.‖ (Dennis Downing )[3]Mt 13:52O fariseu e o publicanoVisa demonstrar que o único fundamento para nos aproximarmosde Deus é reconhecer nossa pecaminosidade e nossa necessidadede sua misericórdiaLc 18:10-14O fermentoIlustram o humilde começo do Reino de Cristo, seu crescimentopaulatino e imperceptível, tanto no indivíduo quanto no mundoem geral, e sua majestosa presença final, que permeará todas asinstituições, filosofias e governos. (Ver também Mc 4:26-29)Mt 13:33; Lc 13:20,21O filho perdido (pródigo)É o retrato glorioso do Pai celestial e de seus anjos dando boas-vindas às almas que se voltam para ele. Essa verdade é ilustradapor três parábolas: A ovelha perdida, A dracma perdida e O filhopródigo.Lc 15:11-32O grande banqueteMuitos, desde os líderes religiosos, a própria nação de Cristo eaté os gentios mais distantes, rejeitariam a Jesus e a oferta deredenção eterna, e isso com as desculpas mais triviais;prefeririam ficar com as coisas que conseguiam ver (mas que nãoperduram) a optar pelos valores eternos.Lc 14:16-24
  4. 4. O joioMesmo significado e lições da parábola do fermento: Ilustram ohumilde começo do Reino de Cristo, seu crescimento paulatino eimperceptível, tanto no indivíduo quanto no mundo em geral, esua majestosa presença final, que permeará todas as instituições,filosofias e governos.Mt 13:31,32; Mc 4:30-32; Lc 13:18,19O lugar menos importante nobanqueteO caminho da humildade é melhor e leva à genuína promoção. Lc 14:7-14O remendo de pano novo em roupavelhaÉ possível que Jesus esteja sugerindo que os apóstolos, querepresentam o remendo novo, precisam romper com as antigaspráticas religiosas judaicas, que tinham se tornado tradiçõesreligiosas, servindo mais como propaganda da suposta santidadeda pessoa que adoração sincera a Deus.Mt 9:16; Mc 2:21; Lc 5:36O rico e LázaroCristo usou a crença dos fariseus, para lhes ensinar uma verdadefundamental que significa a oportunidade de vida que existeenquanto o homem vive. As Escrituras são inteiramentesuficientes para levar os homens ao arrependimento (v. 31). E ospadrões deste mundo não se aplicam ao céu: muitos dos que sãoos primeiros aqui serão os últimos lá.Lc 16:19-31O rico insensatoConsequências da cobiça. A lição dessa história oferecia aohomem riquezas eternas se ele permitisse que as palavras deJesus transformassem sua vida. O rico insensato ganhara dinheirode modo honesto. Nem por isso deixou de ser um tolo aos olhosde Deus, pois almejara as coisas desse mundo, e não as do porvir.Este mundo dura pouco tempo; o outro é eterno.Lc 12:16-21O semeador e os solosA semente é a Palavra de Deus. Almas nascem da Palavra deDeus. Essa parábola profetiza como o evangelho será recebido.Algumas pessoas nem sequer irão querer escutar. Algumas oaceitarão, mas não demorarão a se desviar. Outras se manterãofirmes por mais algum tempo, mas paulatinamente perderão ointeresse. E algumas perseverarão, em grau menor ou maior, atésuas vidas demonstrarem na prática o que significa o evangelho.Mt 13:3-8,18-23; Mc 4:3-8,14-20; Lc8:5-8,11-15O senhor e seu servoA indisposição de perdoar é a causa da perdição de muitas almas.Para perdoarmos precisamos de mais fé, por isso os discípulosexclamaram: ―Aumenta nossa fé!‖. Jesus fala do poder ilimitadoda fé e, mediante esta parábola demonstra-lhes que a humildade éLc 17:7-10
  5. 5. o alicerce da fé. À medida que buscamos ao Senhor, o nossodesejo de servi-lo e de realizar sua obra nos fornecerá o poder e afé de que necessitamos para crescer enquanto servimos aopróximo.O servo fiel e sensatoEssa parábola é dirigida a todos os cristãos. Mas os graus maisaltos de talentos e de posição acarretam graus maiores deresponsabilidade.Mt 4:45-51; Lc 12:42-48O servo impiedosoComparação que Jesus fez entre os nossos pecados contra Deus eos pecados que outros cometem contra nós. A declaração doMestre é de não haver esperança de perdão a não ser que nósmesmos perdoemos. (v.35)Mt 18:23-35O tesouro escondidoFaz parte da dupla ilustração de uma mesma coisa (ver versículos45 e 46): O valor incalculável de Cristo para a alma humana. Oque Cristo oferece vale tanto que se deve abrir mão de tudo – atémesmo da própria vida – para aceitá-lo.Mt 13:44O vinho novo em odres velhosRefere-se à Palavra de Deus que está sendo ensinada a crentesnovos, refere-se. O crente novo deve tornar-se uma nova criaturaem Cristo e deixar para trás as crenças do mundo, a fim depermitir que haja crescimento espiritual.Mt 9:17; Mc 2:22; Lc 5:37,38Os dois filhosEssa parábola é dirigida diretamente contra os líderes religiosos:os principais sacerdotes, os anciãos, os escribas e os fariseus.Eles rejeitavam a Jesus. O povo comum, entretanto, que oslíderes religiosos consideravam pecaminoso e indigno do favorde Deus, aceitava com alegria o perdão e a graça acolhedora deDeus.Mt 21:28-32Os lavradoresO significado é o mesmo da parábola dos dois filhos (Mt 21:28-32), mas dirigida à própria nação.Mt 21:33-44; Mc 12:1-11; Lc 20:9-18Os servos vigilantesJesus adverte que poderá voltar na calada da noite para ummundo adormecido. Bem-aventurados os fiéis que estão prontospara dar as boas-vindas ao seu Senhor no seu retorno.Mc13:35-37; Lc12:35-40Os talentos (minas)Teremos de prestar contas a Deus pela maneira como usamos onosso tempo e dinheiro; haverá recompensas e castigos, tanto navida terrena quanto no céu; estamos sendo treinados aqui para avida lá. Sugerem também a possibilidade de um longo intervaloentre o primeiro advento de Cristo e a sua Segunda Vinda.Mt 25:14-30; Lc 19:12-27
  6. 6. Os trabalhadores na vinhaEssa parábola não ensina que todos serão tratados de forma igualno céu, nem que não haverá recompensas. A parábola dostalentos parece ensinar que haverá recompensas, e Paulo ensinoua mesma coisa (1Co 3.14,15). Aqui Jesus quis ensinar uma sócoisa: que alguns que se consideram os primeiros neste mundovão se achar em último lugar no céu. Os padrões celestiais e ospadrões terrenos são de tal maneira diferentes entre si que muitosdos cristãos mais humildes da terra, os escravos e os servos,ocuparão as posições mais elevadas no céu, ao passo quepoderosos e grandes dignitários eclesiásticos, se conseguiremchegar até lá, estarão sujeitos àqueles que, na terra, eram seusservos.Mt 20:1-16
  7. 7. Os ensinos de JesusJesus é o mestre por excelência. Ninguém, além dele, foi tão competente na arte de ensinar.Os frutos de seus ensinos atravessaram séculos e nos provam a eficácia de suas lições. Oselementos que Jesus utilizou em sua didática perfeita eram humanos e divinos, ―alguns lheeram inerentes, e outros, ele os desenvolveu‖: A encarnação da verdade (Jo 14:6), O desejo deservir (Mt 20:29), A crença no ensino (Jo 13:13), O conhecimento das escrituras (Mt 4:1-11,etc), Compreensão da natureza humana (Jo 2:25), Domínio da arte de ensinar (―... Jesus foiconsumado mestre na arte de ensinar, quando vemos que ele praticamente empregouaqui e ali, pelo menos em embrião, os métodos usados hoje em dia — perguntas,preleções, histórias, conversas, discussões, dramatizações, lições objetivas, planejamentose demonstrações.‖).Em todos os seus ensinos Jesus tinha seus objetivos bem definidos. “Com Jesus, as coisascaminhavam de modo mui diferente. Ele nunca ensinava somente pelo fato de serchamado a ensinar. Ele sempre tinha um propósito e fins definidos a atingir. Sabia muitobem o que queria, e caminhava nesse sentido. Sabia para onde ia e de maneira firmecaminhava para a consecução do seu objetivo sem olhar para oposições ou derrotas. „Vimpara que tenham vida‟ (João 10:10). Buscou, assim, „transformar as vidas de seusdiscípulos, e, por meio deles, transformar outras vidas e regenerar a sociedade humana‟.Muitas coisas estão incluídas neste seu objetivo geral.”Seus ideais eram:Formar Ideais Justos (Mt 5:48)Firmar Convicções Fortes (Jo 8:32)Converter a Deus (Lu 15:18)Relacionar com os Outros (Mc 12:31)Resolver os Problemas da Vida (Lc 12:13-21)Formar Caracteres Maduros (Ef. 4:13)Preparar para o Serviço Cristão (Mt 28:19-20)―... o método mais usado pelo Mestre foi o de histórias ou parábolas. Ê o método quetoma o primeiro lugar em seus ensinos. Jesus o usou tanto que julgamos ser isso o quemais o caracterizou como Mestre; e as histórias que ele contou são sempre mais lembradasque outros ensinos dele. Inquestionavelmente Jesus foi o maior contador de histórias queo mundo já teve.‖[1]―Ao interpretarmos as parábolas, o problema é discernir quais elementos são relevantes para alição pretendida e quais deles são meros pormenores incluídos para tornar a história maisvívida e memorável. De modo geral, o propósito da parábola era ensinar uma só lição; nãodevemos tentar extrair outras lições paralelas de todos os detalhes da história.‖ [2].―O número de parábolas de Jesus é calculado de várias maneiras, variando de 27 a 50, issoporque algumas delas são definidas como parábolas por alguns e como metáforas por outros.A maioria das pessoas concorda que Jesus contou cerca de 30 parábolas. Algumas delasparecem semelhantes entre si. Jesus empregou histórias diferentes para ilustrar a mesma lição– e às vezes a mesma história para ilustrar várias lições.‖[2]
  8. 8. Fontes:[1] Price, J. M. A pedagogia de Jesus; o mestre por excelência. Tradução do Rev. WaldemarW. Wey – 3ª edição Rio de Janeiro – RJ – JUERP – 1980[2] Halley, Henry Hampton. Manual Bíblico de Halley: Nova Versão Internacional (NVI);tradução Gordon Chown. – São Paulo: Editora Vida, 2001.[3] Dennis Downing é o autor do devocional diário "Jesus disse...", Copyright © 2006-2008,Dennis Downing. Todos os direitos reservados. As citações bíblicas são da Nova VersãoInternacional (Nda Sociedade Bíblica Internacional (www.sbibrasil.org.br), salvo indicaçãoem contrário.Site: Conheça a Jesus

×