SlideShare uma empresa Scribd logo
Lima Barreto
Lima Barreto foi um dos principais escritores do pré-modernismo brasileiro.
Além de escritor, ele foi jornalista e suas obras estão relacionadas com
temáticas sociais e nacionalistas.
Biografia
Lima Barreto (1881-1922) foi um escritor e jornalista brasileiro. Filho de pais
pobres e mestiços sofreu esse preconceito em toda sua vida. Logo cedo ficou
órfão de mãe. Estudou no Colégio Pedro II e ingressou na Escola Politécnica
no curso de Engenharia. Seu pai enlouqueceu e foi internado, obrigando Lima
Barreto a abandonar o curso de Engenharia. Para sustentar a família,
empregou-se na Secretaria de Guerra e ao mesmo tempo, escrevia para vários
jornais do Rio de Janeiro. Ao produzir uma literatura inteiramente desvinculada
dos padrões e do gosto vigente, recebe severas críticas dos letrados
tradicionais. Explora em suas obras as injustiças sociais e as dificuldades das
primeiras décadas da República.
Afonso Henrique de Lima Barreto (1881-1922) nasceu no Rio de Janeiro no dia
13 de maio de 1881. Filho de Joaquim Henriques de Lima Barreto e Amália
Augusta, ambos mestiços e pobres. Sofreu preconceito a vida toda. Seu pai era
tipógrafo e sua mãe professora primária. Logo cedo ficou órfão de mãe.
Lima Barreto estudou no Liceu Popular Niteroiense e concluiu o curso
secundário no Colégio Pedro II, local onde estudava a elite literária da época.
Sempre com a ajuda de seu padrinho, o Visconde de Ouro Preto, ingressou na
Escola Politécnica do Rio de Janeiro onde iniciou o curso de Engenharia. Em
1904, foi obrigado a abandonar o curso, pois seu pai havia enlouquecido e o
sustento dos três irmãos agora era responsabilidade dele.
Em 1904, prestou concurso para escriturário do Ministério da Guerra. Ao
mesmo tempo, colabora com quase todos os jornais do Rio de Janeiro. Ainda
estudante já colaborava para a Revista da Época e para a Quinzena Alegre.
Em 1905, passou a escrever no Correio da Manhã, jornal de grande prestígio.
Em 1909, Lima Barreto publicou o romance "Recordações do Escrivão Isaías
Caminha". O texto acompanha a trajetória de um jovem mulato que vindo do
interior sofre sérios preconceitos raciais. Em 1915, escreve "Triste Fim de
Policarpo Quaresma". Em 1919, escreve "Vida e Morte de M.J.Gonzaga de
Sá". Esses três romances apresentam nítidos traços autobiográficos.
Com uma linguagem descuidada, suas obras são impregnadas da justa
preocupação com os fatos históricos e com os costumes sociais. Lima Barreto
torna-se uma espécie de cronista e um caricaturista se vingando da hostilidade
dos escritores e do público burguês. Poucos aceitam aqueles contos e
romances que revelavam a vida cotidiana das classes populares, sem qualquer
idealização.
A obra prima de Lima Barreto, não perturbada pela caricatura, foi "Triste Fim de
Policarpo Quaresma", nela o autor conta o drama de um velho aposentado, O
Policarpo, em sua luta pela salvação do Brasil.
Afonso Henriques Lima Barreto com seu espírito inquieto e rebelde e com seu
inconformismo com a mediocridade reinante, se entrega ao álcool. Suas
constantes depressões o levam duas vezes para o hospício.
Lima Barreto faleceu no Rio de Janeiro, no dia 01 de novembro de 1922.
Principais Obras
Lima Barreto é dono de uma vasta obra. Escreveu romances, contos, poesias e
críticas. De suas obras destacam-se:
 Recordações do escrivão Isaías Caminha (1909)
 Triste fim de Policarpo Quaresma (1911)
 Numa e ninfa (1915)
 Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá (1919)
 Os bruzundangas (1923)
 Clara dos Anjos (1948)
 Diário Íntimo (1953)
 Cemitério dos Vivos (1956)
Características das Obras
As obras de Lima Barreto apresentam uma linguagem coloquial e fluida. Uma
das características é o teor satírico e humorístico presente em seus escritos.
Em grande parte, suas obras estão pautadas na temática social, expressando
muitas injustiças como preconceito e o racismo.
Além disso, criticou os modelos políticos da República Velha e do Positivismo.
Foi simpatizante do socialismo e do anarquismo, rompendo com o nacionalista
ufanista.
Triste Fim de Policarpo Quaresma
Sua obra que merece destaque é o “Triste Fim de Policarpo Quaresma”. Ela foi
escrita em 1911 nos folhetins e representa uma das mais importantes do
movimento pré-modernista.
Narrada em terceira pessoa, apresenta uma linguagem coloquial e trata-se de
uma crítica à sociedade urbana da época.
Ela foi adaptada para o cinema em 1998 intitulada: Policarpo Quaresma, Herói
do Brasil.
CURIOSIDADE:
No topo da ficha da primeira internação de Affonso de Henriques de Lima
Barreto no Hospício Nacional, o escritor é identificado como branco. O ano era
1914, o diagnóstico alcoolismo, a cidade Rio de Janeiro. Logo abaixo do
cabeçalho, contudo, uma foto em sépia desmente a informação sobre sua cor.
Assim como um sem número de intelectuais e homens públicos brasileiros, que
eram negros, mas foram repetidamente retratados como brancos, Lima, ainda
em vida, foi tomado pelo que não era. No seu caso, contudo, o
“branqueamento” é ainda mais absurdo, pois ser negro, no último país a abolir
a escravidão no mundo, foi questão central da vida e obra do escritor brasileiro.
“Nos personagens, nas tramas, em escritos pessoais, a atenção para
a questão racial e as descrições dos tipos físicos dos personagens estão
sempre em evidência”, diz a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz. Se no começo
do século XX, o determinismo racial – que dizia que populações mestiças e
negras eram biologicamente mais fracas – estava em voga, Lima aparecia
como uma voz dissonante, combativa e, muitas vezes, solitária. “A capacidade
mental do negro é medida a priori, a do branco a posteriori”, escreveu em
seu Diário, em 1904, oferecendo um retrato claro do teor de racismo que
vicejava no Brasil pós abolição da escravatura.
Frases de Lima Barreto
 “O Brasil não tem povo, tem público.”
 “Não é só a morte que iguala a gente. O crime, a doença e a loucura também
acabam com as diferenças que a gente inventa.”
 “E chegada no mundo - escrevia em 1948 - a hora de reformarmos a
sociedade, a humanidade, não politicamente, que nada adianta; mas
socialmente, que é tudo.”
 “O football é uma escola de violência e brutalidade e não merece nenhuma
proteção dos poderes públicos, a menos que estes nos queiram ensinar o
assassinato.”
 “Por esse intrincado labirinto de ruas e bibocas é que vive uma grande parte da
população da cidade, a cuja existência o governo fecha os olhos, embora lhe
cobre atrozes impostos, empregados em obras inúteis e suntuárias noutros
pontos do Rio de Janeiro.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os três poderes
Os três poderesOs três poderes
Os três poderes
Luís Ferreira
 
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisComparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Wesley Germano Otávio
 
Análise de os ratos, de dyonélio machado
Análise de os ratos, de dyonélio machadoAnálise de os ratos, de dyonélio machado
Análise de os ratos, de dyonélio machado
ma.no.el.ne.ves
 
Microsoft Power Point DiscriminaçãO
Microsoft Power Point   DiscriminaçãOMicrosoft Power Point   DiscriminaçãO
Microsoft Power Point DiscriminaçãO
Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes
 
RACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASILRACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASIL
Zilrene
 
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILINDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
Andrea Lemos
 
Balaiada
BalaiadaBalaiada
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Milena Silva
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
Rui Neto
 
Graciliano Ramos
Graciliano RamosGraciliano Ramos
Graciliano Ramos
Junior Rodrigues
 
1ª Republica Portuguesa
1ª Republica Portuguesa1ª Republica Portuguesa
1ª Republica Portuguesa
crie_historia9
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
Vania Marinho Nana
 
A republica da espada
A republica da espadaA republica da espada
A republica da espada
Gabriel Domingues
 
Juventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxiJuventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxi
Jonas Araújo
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo
Dom Pedro 1ª
Dom Pedro 1ªDom Pedro 1ª
Dom Pedro 1ª
Lucas Aguiar Ximenes
 
Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)
Érica Alegre
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
Jéssica Moresi
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
Instituto Consciência GO
 

Mais procurados (20)

Os três poderes
Os três poderesOs três poderes
Os três poderes
 
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuaisComparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
Comparação cantigas trovadorescas e musicas atuais
 
Análise de os ratos, de dyonélio machado
Análise de os ratos, de dyonélio machadoAnálise de os ratos, de dyonélio machado
Análise de os ratos, de dyonélio machado
 
Microsoft Power Point DiscriminaçãO
Microsoft Power Point   DiscriminaçãOMicrosoft Power Point   DiscriminaçãO
Microsoft Power Point DiscriminaçãO
 
RACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASILRACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASIL
 
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASILINDEPENDÊNCIA DO BRASIL
INDEPENDÊNCIA DO BRASIL
 
Balaiada
BalaiadaBalaiada
Balaiada
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Holocausto
HolocaustoHolocausto
Holocausto
 
Graciliano Ramos
Graciliano RamosGraciliano Ramos
Graciliano Ramos
 
1ª Republica Portuguesa
1ª Republica Portuguesa1ª Republica Portuguesa
1ª Republica Portuguesa
 
Cultura indígena
Cultura indígenaCultura indígena
Cultura indígena
 
A republica da espada
A republica da espadaA republica da espada
A republica da espada
 
Juventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxiJuventude e participação política no século xxi
Juventude e participação política no século xxi
 
Ultrarromantismo
UltrarromantismoUltrarromantismo
Ultrarromantismo
 
Dom Pedro 1ª
Dom Pedro 1ªDom Pedro 1ª
Dom Pedro 1ª
 
Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)Revolucao francesa (1)
Revolucao francesa (1)
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
A familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude PublicaA familia brasileira - Saude Publica
A familia brasileira - Saude Publica
 

Semelhante a Lima barreto

Trabalho hemerson 2014
Trabalho hemerson 2014Trabalho hemerson 2014
Trabalho hemerson 2014
Art's MARINALVA
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
João Marcos Professor Literatura
 
Muitos poetas simbolistas
Muitos poetas simbolistasMuitos poetas simbolistas
Muitos poetas simbolistas
Valkiria Marks
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Alef Santana
 
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Alexandre Cauchick Falleiros
 
A segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilA segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasil
Maria De Lourdes Ramos
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
Cláudia Heloísa
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
Luciene Assunção de Queiroz
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
VivianeSilva230677
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
Nádia França
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
valdeniDinamizador
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
William Marques
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
terceirob
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
ricardocarvalho992180
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
Isabella Ruas
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Marcílio Marinho
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
Luana Cristeinsen
 
A Geração de 1930
A Geração de 1930A Geração de 1930
A Geração de 1930
Thayna Santos
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
GANHADODINHEIRO
 

Semelhante a Lima barreto (20)

Trabalho hemerson 2014
Trabalho hemerson 2014Trabalho hemerson 2014
Trabalho hemerson 2014
 
Triste fim exercícios
Triste fim exercíciosTriste fim exercícios
Triste fim exercícios
 
Muitos poetas simbolistas
Muitos poetas simbolistasMuitos poetas simbolistas
Muitos poetas simbolistas
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
Asegundageraomodernistanobrasil 110114123126-phpapp01 (1)
 
A segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasilA segunda geração modernista no brasil
A segunda geração modernista no brasil
 
Lima Barreto
Lima BarretoLima Barreto
Lima Barreto
 
Modernismo ii fase
Modernismo ii faseModernismo ii fase
Modernismo ii fase
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptxmodernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
modernismo-2a-fase-30-a-45.pptx
 
Segunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismoSegunda fase-modernismo
Segunda fase-modernismo
 
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro AbertoBiografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
Biografias Monteiro Lobato e Machado De Assis - Projeto Livro Aberto
 
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
3373962 literatura-aula-19-pre modernismo-brasil
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barretoEuclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
Euclides da cunha, monteiro lobato, augusto dos anjos e lima barreto
 
Pre modernismo
Pre modernismoPre modernismo
Pre modernismo
 
A Geração de 1930
A Geração de 1930A Geração de 1930
A Geração de 1930
 
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdfromantismo-140720124010-phpapp01.pdf
romantismo-140720124010-phpapp01.pdf
 

Mais de moisaniel furtado

Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
moisaniel furtado
 
36
3636
Subordinadas subst3ano (1)
Subordinadas subst3ano (1)Subordinadas subst3ano (1)
Subordinadas subst3ano (1)
moisaniel furtado
 
2569188 simulado-portugues
2569188 simulado-portugues2569188 simulado-portugues
2569188 simulado-portugues
moisaniel furtado
 
Atividade 01-30-questoes (1)
Atividade 01-30-questoes (1)Atividade 01-30-questoes (1)
Atividade 01-30-questoes (1)
moisaniel furtado
 
Literatura 1º-ano
Literatura 1º-anoLiteratura 1º-ano
Literatura 1º-ano
moisaniel furtado
 
Exercícios sobre homônimos e parônimos
Exercícios sobre homônimos e parônimosExercícios sobre homônimos e parônimos
Exercícios sobre homônimos e parônimos
moisaniel furtado
 
13 encontros vocálicos
13 encontros vocálicos13 encontros vocálicos
13 encontros vocálicos
moisaniel furtado
 
18947899 quadro-das-desinencias
18947899 quadro-das-desinencias18947899 quadro-das-desinencias
18947899 quadro-das-desinencias
moisaniel furtado
 

Mais de moisaniel furtado (9)

Augusto dos anjos
Augusto dos anjosAugusto dos anjos
Augusto dos anjos
 
36
3636
36
 
Subordinadas subst3ano (1)
Subordinadas subst3ano (1)Subordinadas subst3ano (1)
Subordinadas subst3ano (1)
 
2569188 simulado-portugues
2569188 simulado-portugues2569188 simulado-portugues
2569188 simulado-portugues
 
Atividade 01-30-questoes (1)
Atividade 01-30-questoes (1)Atividade 01-30-questoes (1)
Atividade 01-30-questoes (1)
 
Literatura 1º-ano
Literatura 1º-anoLiteratura 1º-ano
Literatura 1º-ano
 
Exercícios sobre homônimos e parônimos
Exercícios sobre homônimos e parônimosExercícios sobre homônimos e parônimos
Exercícios sobre homônimos e parônimos
 
13 encontros vocálicos
13 encontros vocálicos13 encontros vocálicos
13 encontros vocálicos
 
18947899 quadro-das-desinencias
18947899 quadro-das-desinencias18947899 quadro-das-desinencias
18947899 quadro-das-desinencias
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 

Lima barreto

  • 1. Lima Barreto Lima Barreto foi um dos principais escritores do pré-modernismo brasileiro. Além de escritor, ele foi jornalista e suas obras estão relacionadas com temáticas sociais e nacionalistas. Biografia Lima Barreto (1881-1922) foi um escritor e jornalista brasileiro. Filho de pais pobres e mestiços sofreu esse preconceito em toda sua vida. Logo cedo ficou órfão de mãe. Estudou no Colégio Pedro II e ingressou na Escola Politécnica no curso de Engenharia. Seu pai enlouqueceu e foi internado, obrigando Lima Barreto a abandonar o curso de Engenharia. Para sustentar a família, empregou-se na Secretaria de Guerra e ao mesmo tempo, escrevia para vários jornais do Rio de Janeiro. Ao produzir uma literatura inteiramente desvinculada dos padrões e do gosto vigente, recebe severas críticas dos letrados tradicionais. Explora em suas obras as injustiças sociais e as dificuldades das primeiras décadas da República. Afonso Henrique de Lima Barreto (1881-1922) nasceu no Rio de Janeiro no dia 13 de maio de 1881. Filho de Joaquim Henriques de Lima Barreto e Amália Augusta, ambos mestiços e pobres. Sofreu preconceito a vida toda. Seu pai era tipógrafo e sua mãe professora primária. Logo cedo ficou órfão de mãe. Lima Barreto estudou no Liceu Popular Niteroiense e concluiu o curso secundário no Colégio Pedro II, local onde estudava a elite literária da época. Sempre com a ajuda de seu padrinho, o Visconde de Ouro Preto, ingressou na Escola Politécnica do Rio de Janeiro onde iniciou o curso de Engenharia. Em 1904, foi obrigado a abandonar o curso, pois seu pai havia enlouquecido e o sustento dos três irmãos agora era responsabilidade dele. Em 1904, prestou concurso para escriturário do Ministério da Guerra. Ao mesmo tempo, colabora com quase todos os jornais do Rio de Janeiro. Ainda estudante já colaborava para a Revista da Época e para a Quinzena Alegre. Em 1905, passou a escrever no Correio da Manhã, jornal de grande prestígio.
  • 2. Em 1909, Lima Barreto publicou o romance "Recordações do Escrivão Isaías Caminha". O texto acompanha a trajetória de um jovem mulato que vindo do interior sofre sérios preconceitos raciais. Em 1915, escreve "Triste Fim de Policarpo Quaresma". Em 1919, escreve "Vida e Morte de M.J.Gonzaga de Sá". Esses três romances apresentam nítidos traços autobiográficos. Com uma linguagem descuidada, suas obras são impregnadas da justa preocupação com os fatos históricos e com os costumes sociais. Lima Barreto torna-se uma espécie de cronista e um caricaturista se vingando da hostilidade dos escritores e do público burguês. Poucos aceitam aqueles contos e romances que revelavam a vida cotidiana das classes populares, sem qualquer idealização. A obra prima de Lima Barreto, não perturbada pela caricatura, foi "Triste Fim de Policarpo Quaresma", nela o autor conta o drama de um velho aposentado, O Policarpo, em sua luta pela salvação do Brasil. Afonso Henriques Lima Barreto com seu espírito inquieto e rebelde e com seu inconformismo com a mediocridade reinante, se entrega ao álcool. Suas constantes depressões o levam duas vezes para o hospício. Lima Barreto faleceu no Rio de Janeiro, no dia 01 de novembro de 1922. Principais Obras Lima Barreto é dono de uma vasta obra. Escreveu romances, contos, poesias e críticas. De suas obras destacam-se:  Recordações do escrivão Isaías Caminha (1909)  Triste fim de Policarpo Quaresma (1911)  Numa e ninfa (1915)  Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá (1919)  Os bruzundangas (1923)  Clara dos Anjos (1948)  Diário Íntimo (1953)  Cemitério dos Vivos (1956) Características das Obras As obras de Lima Barreto apresentam uma linguagem coloquial e fluida. Uma das características é o teor satírico e humorístico presente em seus escritos. Em grande parte, suas obras estão pautadas na temática social, expressando muitas injustiças como preconceito e o racismo. Além disso, criticou os modelos políticos da República Velha e do Positivismo. Foi simpatizante do socialismo e do anarquismo, rompendo com o nacionalista ufanista. Triste Fim de Policarpo Quaresma Sua obra que merece destaque é o “Triste Fim de Policarpo Quaresma”. Ela foi escrita em 1911 nos folhetins e representa uma das mais importantes do movimento pré-modernista. Narrada em terceira pessoa, apresenta uma linguagem coloquial e trata-se de uma crítica à sociedade urbana da época. Ela foi adaptada para o cinema em 1998 intitulada: Policarpo Quaresma, Herói do Brasil.
  • 3. CURIOSIDADE: No topo da ficha da primeira internação de Affonso de Henriques de Lima Barreto no Hospício Nacional, o escritor é identificado como branco. O ano era 1914, o diagnóstico alcoolismo, a cidade Rio de Janeiro. Logo abaixo do cabeçalho, contudo, uma foto em sépia desmente a informação sobre sua cor. Assim como um sem número de intelectuais e homens públicos brasileiros, que eram negros, mas foram repetidamente retratados como brancos, Lima, ainda em vida, foi tomado pelo que não era. No seu caso, contudo, o “branqueamento” é ainda mais absurdo, pois ser negro, no último país a abolir a escravidão no mundo, foi questão central da vida e obra do escritor brasileiro. “Nos personagens, nas tramas, em escritos pessoais, a atenção para a questão racial e as descrições dos tipos físicos dos personagens estão sempre em evidência”, diz a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz. Se no começo do século XX, o determinismo racial – que dizia que populações mestiças e negras eram biologicamente mais fracas – estava em voga, Lima aparecia como uma voz dissonante, combativa e, muitas vezes, solitária. “A capacidade mental do negro é medida a priori, a do branco a posteriori”, escreveu em seu Diário, em 1904, oferecendo um retrato claro do teor de racismo que vicejava no Brasil pós abolição da escravatura. Frases de Lima Barreto  “O Brasil não tem povo, tem público.”  “Não é só a morte que iguala a gente. O crime, a doença e a loucura também acabam com as diferenças que a gente inventa.”  “E chegada no mundo - escrevia em 1948 - a hora de reformarmos a sociedade, a humanidade, não politicamente, que nada adianta; mas socialmente, que é tudo.”  “O football é uma escola de violência e brutalidade e não merece nenhuma proteção dos poderes públicos, a menos que estes nos queiram ensinar o assassinato.”  “Por esse intrincado labirinto de ruas e bibocas é que vive uma grande parte da população da cidade, a cuja existência o governo fecha os olhos, embora lhe cobre atrozes impostos, empregados em obras inúteis e suntuárias noutros pontos do Rio de Janeiro.”