SlideShare uma empresa Scribd logo
LEI DE CRIAÇÃO
O CAPÍTULO I - DA FINALIDADE BÁSICA DO

CONSELHO

O Art. 1º. A Comunidade Esportiva de Barra do

Corda/MA, tendo como órgão de assessoramento
e consultivo à Secretaria Municipal de Juventude,
Esporte e Lazer, solicita a criação do Conselho
Municipal de Esporte e Lazer (CMEL).

O Art. 2°. O Conselho Municipal de Esporte e Lazer é

órgão colegiado de caráter consultivo,
deliberativo, normativo, propositivo, fiscalizador,
controlador, orientador, gestor e formulador das
políticas públicas de esporte e lazer no Município
de Barra do Corda/MA.
O CAPÍTULO II - DAS COMPETÊNCIAS DO CONSELHO
O Art. 3º. São competências específicas do Conselho:
O I - desenvolver estudos, projetos, debates, pesquisas

relativas à situação do esporte e lazer no município;
O II - propor e acompanhar a realização de seminários,
cursos e congressos sobre assuntos relativos ao
esporte em geral, divulgando amplamente suas
conclusões à população e aos usuários dos serviços
abordados;
O III - contribuir com os demais órgãos da administração
municipal no planejamento de ações concernentes a
projetos esportivos e de lazer;
O IV - analisar propostas e sugestões manifestadas pela
sociedade e opinar sobre denúncias que digam
respeito a programas, projetos, competições e eventos
culturais da cidade;
O V - promover intercâmbio e convênios com instituições

O
O
O
O
O

públicas, nacionais e estrangeiras, com a finalidade de
implementar as medidas e ações que são objeto do
Conselho;
VI - acompanhar e fiscalizar a aplicação dos recursos
financeiros e materiais do município destinados às
atividades esportivas e de lazer;
VII - propor aos poderes públicos a instituição de
concursos para financiamento de projetos e a
concessão de prêmios como estímulo às atividades;
VIII - manifestar sobre matéria atinente ao esporte e
lazer no município;
IX - proceder ao exame, interpretação e aplicação da
legislação esportiva estadual e nacional;
X - elaborar instruções normativas sobre aplicação da
legislação esportiva em vigor e zelar pelo
cumprimento;
O XI - acompanhar a execução do calendário
O
O
O
O

municipal anual de atividades esportivas e de
lazer;
XII - promover a publicação de seus atos
normativos e resolutivos;
XIII - participar na elaboração do PPA (Plano
Plurianual) para a destinação orçamentária de
verbas para o esporte e o lazer;
XIV - realizar audiências públicas semestralmente
para a prestação de contas do orçamento
destinado ao esporte e lazer;
XV - incentivar a promoção, capacitação e
qualificação dos profissionais e agentes sociais de
esporte e lazer através de instituições de ensino
superior públicas, levando em conta as diferenças
regionais e culturais.
O Art. 4°. Cabe ao Conselho Municipal de

Esporte e Lazer sugerir as prioridades sobre o
orçamento destinado às políticas públicas de
esporte e lazer, bem como, a fiscalização da
sua aplicação.
O CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DO

FUNCIONAMENTO DO CONSELHO

O Art. 5º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer
O
O
O
O
O

terá a seguinte composição:
I - membros do Poder Público:
a) um representante da Secretaria Municipal de
Esporte e Lazer;
b) um representante da Secretaria Municipal de
Educação;
c) um representante da Secretaria de Assistência
Social;
d) um representante da Secretaria de Cultura.
O II - membros da Sociedade Civil:
O a) um representante da modalidade Voleibol;
O b) um representante da modalidade Natação;
O c) um representante da modalidade Atletismo;
O d) um representante da modalidade Futebol;
O e) um representante da Capoeira;
O f) um representante do Jiu-Jitsu;
O g) um representante das associações ou entidades

de portadores de necessidades especiais;
O h) um representante do Conselho dos
Profissionais de Educação Física (CREF);
O i) um representante dos Professores de Educação
Física;
O Art. 6º. Os representantes do Governo serão de
O

O
O
O
O
O
O

livre escolha do Prefeito.
Art. 7º. Caberá ao Conselho Municipal de Esporte
e Lazer eleger uma Comissão Executiva composta
de 05 (cinco) membros assim discriminados:
I – Presidente;
II - Vice-Presidente;
III - Secretário Geral;
IV - Tesoureiro;
V - Diretor de Eventos.
Art. 8º. O Secretário de Esporte e Lazer do
Município é membro nato do Conselho e será
para os efeitos legais, sempre o Presidente.
O Art. 9º. O mandato dos Conselheiros será de 2(dois) anos,
O
O
O

O

O

permitida a recondução após eleição.
Art. 10º. O Conselho reger-se-á no que se refere aos seus
membros, pelas seguintes disposições:
I - o exercício da função de Conselheiro não será
remunerado, sendo considerado como serviço público
relevante;
II - os membros poderão ser substituídos, a qualquer
tempo, mediante solicitação da entidade ou autoridade
responsável por sua indicação, apresentada ao Presidente
do Conselho;
III - ficará extinto o mandato do Conselheiro que deixar de
comparecer, sem justificativa, a três reuniões ordinárias
consecutivas ou a três reuniões extraordinárias,
convocadas pelo Presidente ou responsável para tal fim.
Parágrafo único. O prazo para justificar sua ausência é de
5 (cinco) dias úteis, a contar da data da reunião em que se
verificou o fato.
O CAPÍTULO IV - DAS ATRIBUIÇÕES DA COMISSÃO

EXECUTIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E
LAZER

O Art. 11º. Compete a Comissão Executiva do Conselho
O
O
O
O

Municipal de Esporte e Lazer:
I - convocar e presidir as sessões ordinárias e
extraordinárias do Conselho Municipal de Esporte e
Lazer;
II - cumprir e encaminhar as resoluções deliberadas
pelo Conselho Municipal de Esporte e Lazer;
III - deliberar, nos casos de urgência, "ad referendum"
do Conselho Municipal de Esporte e Lazer, mediante
posterior aprovação do colegiado;
IV - delegar tarefas e membros do Conselho, quando
julgar conveniente.
O Art. 12°. Ao Conselho Municipal de Esporte e

Lazer é facultado formar comissões
provisórias ou permanentes, objetivando
apresentar projetos e propor medidas que
contribuam para a concretização de suas
políticas.
O CAPÍTULO V- DA CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE

E LAZER

O Art. 13º. Institui na Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e

Lazer de Barra do Corda, o Fundo Municipal de Esportes e Lazer,
com a finalidade de apoiar e suportar financeiramente projetos
de natureza esportiva, de lazer e recreação.

O Art. 14º. Constituem recursos do Fundo Municipal de Esportes e
O
O
O
O
O
O

Lazer:
I – dotação orçamentária própria;
II – créditos especiais ou suplementares a ele destinados;
III – o retorno e resultados de suas aplicações;
IV – multas, correção monetária e juros, em decorrência de suas
operações;
V – contribuições ou doações de outras origens;
VI – os recursos de origem orçamentária da União e do Estado,
destinados a programas esportivos;
O VII – recursos advindos da exploração (aluguel)

O

O

O
O

regular de espaços esportivos pertencente ao
Poder Público;
VIII – as multas aplicadas por danos causados aos
próprios da Secretaria Municipal de Esportes,
Lazer e Recreação;
IX - os provenientes de acordos, contratos,
consórcios e convênios, destinados
especificamente ao Fundo
X – quaisquer outros recursos destinados
especificamente ao Fundo.
XI - recursos provenientes de preços públicos
devido ao uso de material esportivo e veículos da
municipalidade;
O Art. 15º. O Fundo Municipal de Esportes e

Lazer terá contabilidade própria, vinculada à
Comissão Executiva do Conselho Municipal de
Esporte e Lazer, que registrará todos os atos a
ele pertinentes, de modo que se possa
elaborar o respectivo balanço financeiro à
parte, devendo seus recursos ser depositados
em conta corrente especial vinculada
exclusivamente ao atendimento de suas
finalidades, a ser aberta em instituição
financeira designada pela Secretaria
Municipal de Finanças.
O Art. 16º. A gestão administrativa dos recursos do Fundo

Municipal de Esportes e Lazer caberá à Comissão Executiva do
Conselho Municipal de Esporte e Lazer, através de ato designado
pelo Presidente, podendo ficar sob sua responsabilidade a
referida gestão.
O Parágrafo único. Compete ao gestor do Fundo, designado pelo
titular da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer,
com o suporte técnico e administrativo da referida pasta:
I – promover sua execução orçamentária, que compreende:
a) ordenação de despesas do Fundo;
b) os atos de controle e liquidação dos seus recursos;
c) o repasse de verbas que onerem recursos do Fundo;
d) a transferência dos recursos que forem destinados entidades;
II – prestar contas sobre a movimentação dos recursos ao
Conselho Municipal de Esporte e Lazer;
O III – apresentar relatório semestral das despesas do Fundo ao
Conselho Municipal de Esporte e Lazer;
O
O
O
O
O
O
O Art. 17º. A gestão financeira dos recursos do

Fundo Municipal de Esportes e Lazer será
realizada pela Secretaria Municipal de Finanças,
que aplicará os seus recursos, eventualmente
disponíveis, revertendo ao próprio Fundo seus
rendimentos.
O Art. 18º. Os recursos do Fundo Municipal de
Esportes e Lazer serão aplicados, exclusivamente,
em projetos que visem a fomentar e estimular
atividades esportivas, de lazer e recreativas no
Município de Barra do Corda, bem como atender
a entidades privadas sem fins lucrativos nas
diversas modalidades esportivas.
O § 1º. Fica proibido à destinação de recursos do Fundo para

fins de suportar financeiramente entidades ou clubes que
mantenham em seu quadro atividades esportivas
profissionais, cujo atleta perceba qualquer tipo de
remuneração.
O § 2º. Fica facultado em até 10% (dez por cento) dos
recursos do Fundo poderão ser aplicados em eventos
esportivos de caráter internacional, nacional e estadual e
que contribuam para a melhoria da atividade econômica
do Município e para a melhoria da qualidade de vida dos
munícipes.
O § 3º. O Fundo Municipal de Esportes e Lazer poderá
receber doações condicionadas à utilização em projeto
específico, hipótese na qual 10% (dez por cento) do valor
doado deverá subsidiar outras propostas aprovadas pelo
Conselho Municipal de Esporte e Lazer, referentes a
projetos, programas e ações que visem ao fomento e ao
estímulo de atividades esportivas e recreativas no
Município.
O Art. 19º. A execução dos projetos fomentados

O

O
O
O
O

pelo Fundo Municipal de Esportes e Lazer será
acompanhada e fiscalizada pelo Conselho
Municipal de Esporte e Lazer.
§ 1º. O projeto deverá conter plano de trabalho e
respectivo cronograma físico-financeiro, nos
termos da legislação de licitação e contratos.
§ 2º. O Conselho levará em conta, na análise das
propostas, dentre outros, os seguintes aspectos:
I – a experiência do órgão ou da entidade
proponente na área do projeto;
II – a viabilidade do projeto quanto ao objeto e
cronograma;
III – a existência de interesse público;
O CAPITULO VI - DISPOSIÇÕES FINAIS E

TRANSITÓRIAS

O Art. 20º. O Conselho elaborará seu Regimento

Interno, a ser baixado por Decreto do Prefeito
Municipal, no prazo de noventa dias após a
promulgação e publicação oficial desta Lei.
O Art. 21º. Demais normas necessárias ao
funcionamento do Conselho e manutenção do
Fundo serão regulamentadas por ato próprio do
Poder Executivo Municipal.
O Art. 22º. Esta Lei entra em vigor na data de sua
publicação.
O Art. 23º. Revogam-se as disposições em contrário

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
INSTITUTO VOZ POPULAR
 
2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs
2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs
2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs
Jeferson Andrei
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS
PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS
PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS
cnisbrasil
 
Regimento Interno do COMOP
Regimento Interno do COMOPRegimento Interno do COMOP
Regimento Interno do COMOP
Marcos
 
Regulamento CSIFI
Regulamento CSIFIRegulamento CSIFI
Regulamento CSIFI
CSIFI
 
Palestra decretro 28.495
Palestra   decretro 28.495Palestra   decretro 28.495
Palestra decretro 28.495
conselhoconsg
 
DECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEG
DECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEGDECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEG
DECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEG
conselhoconsg
 
Decreto comitê gestor da copa
Decreto comitê gestor da copaDecreto comitê gestor da copa
Decreto comitê gestor da copa
Carlos França
 
Instituto José Bonifácio Andrada e Silva - Estatuto
Instituto José Bonifácio Andrada e Silva - EstatutoInstituto José Bonifácio Andrada e Silva - Estatuto
Instituto José Bonifácio Andrada e Silva - Estatuto
RDP0102
 
Estatuto da associação cultural clube dos dj´s de mg
Estatuto da associação cultural clube dos dj´s de mgEstatuto da associação cultural clube dos dj´s de mg
Estatuto da associação cultural clube dos dj´s de mg
Alan Valerio
 
Estatutos da associação das colectividades do concelho do barreiro
Estatutos da associação das colectividades do concelho do barreiroEstatutos da associação das colectividades do concelho do barreiro
Estatutos da associação das colectividades do concelho do barreiro
Associação das Colectividades do Concelho do Barreiro
 
Presidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesiaPresidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesia
Adelino Carlos & Vieira
 
Regimento interno do cmj
Regimento interno do cmjRegimento interno do cmj
Regimento interno do cmj
Antonio Carlos Mesquita de Souza
 
Modelo de estatuto de associação
Modelo de estatuto de associaçãoModelo de estatuto de associação
Modelo de estatuto de associação
Wellington Carlos Brito
 
Estatuto do CEAT
Estatuto do CEATEstatuto do CEAT
Estatuto do CEAT
Ceat Ecologia Aplicada
 
Fic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-leiFic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-lei
Projetocultural
 
Lei orgânica-de-jacaraú
Lei orgânica-de-jacaraúLei orgânica-de-jacaraú
Lei orgânica-de-jacaraú
tonyesther
 

Mais procurados (18)

DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
DECRETO Nº 7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010
 
2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs
2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs
2013 06 27_regimento-interno-atualizado-e-formatado_abs
 
Estatuto
EstatutoEstatuto
Estatuto
 
PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS
PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS
PROPOSTA PARA ALTERAÇÕES NOS ESTATUTOS
 
Regimento Interno do COMOP
Regimento Interno do COMOPRegimento Interno do COMOP
Regimento Interno do COMOP
 
Regulamento CSIFI
Regulamento CSIFIRegulamento CSIFI
Regulamento CSIFI
 
Palestra decretro 28.495
Palestra   decretro 28.495Palestra   decretro 28.495
Palestra decretro 28.495
 
DECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEG
DECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEGDECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEG
DECRETO DE CRIAÇÃO E FILOSOFIA DO CONSEG
 
Decreto comitê gestor da copa
Decreto comitê gestor da copaDecreto comitê gestor da copa
Decreto comitê gestor da copa
 
Instituto José Bonifácio Andrada e Silva - Estatuto
Instituto José Bonifácio Andrada e Silva - EstatutoInstituto José Bonifácio Andrada e Silva - Estatuto
Instituto José Bonifácio Andrada e Silva - Estatuto
 
Estatuto da associação cultural clube dos dj´s de mg
Estatuto da associação cultural clube dos dj´s de mgEstatuto da associação cultural clube dos dj´s de mg
Estatuto da associação cultural clube dos dj´s de mg
 
Estatutos da associação das colectividades do concelho do barreiro
Estatutos da associação das colectividades do concelho do barreiroEstatutos da associação das colectividades do concelho do barreiro
Estatutos da associação das colectividades do concelho do barreiro
 
Presidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesiaPresidente da junta de freguesia
Presidente da junta de freguesia
 
Regimento interno do cmj
Regimento interno do cmjRegimento interno do cmj
Regimento interno do cmj
 
Modelo de estatuto de associação
Modelo de estatuto de associaçãoModelo de estatuto de associação
Modelo de estatuto de associação
 
Estatuto do CEAT
Estatuto do CEATEstatuto do CEAT
Estatuto do CEAT
 
Fic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-leiFic Augusto-dos-anjos-lei
Fic Augusto-dos-anjos-lei
 
Lei orgânica-de-jacaraú
Lei orgânica-de-jacaraúLei orgânica-de-jacaraú
Lei orgânica-de-jacaraú
 

Destaque

INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...
INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...
INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...
Leonardo Delgado
 
Aula01 Introducao ao Estudo de Anatomia
Aula01 Introducao ao Estudo de AnatomiaAula01 Introducao ao Estudo de Anatomia
Aula01 Introducao ao Estudo de Anatomia
Leonardo Delgado
 
ESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e Inovações
ESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e InovaçõesESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e Inovações
ESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e Inovações
Leonardo Delgado
 
Aula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento Desportivo
Aula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento DesportivoAula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento Desportivo
Aula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento Desportivo
Leonardo Delgado
 
Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)
Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)
Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)
Leonardo Delgado
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Leonardo Delgado
 
Handebol
HandebolHandebol
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICAAula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Leonardo Delgado
 
Aula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIAAula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIA
Leonardo Delgado
 
Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
washington carlos vieira
 
Medidas Antropométricas
Medidas AntropométricasMedidas Antropométricas
Medidas Antropométricas
nAyblancO
 
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Mirelle Ferreira
 
Esporte é +
Esporte é +Esporte é +
Esporte é +
Matheus Oliveira
 
Esporte e lazer
Esporte e lazerEsporte e lazer
Esporte e lazer
TecaAdri
 
A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...
A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...
A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...
Silvia Marina Anaruma
 
APOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SP
APOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SPAPOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SP
APOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SP
Valdeci Correia
 
APOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃO
APOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃOAPOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃO
APOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃO
Valdeci Correia
 
PEB II - PORTUGUÊS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - PORTUGUÊS  -  SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - PORTUGUÊS  -  SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - PORTUGUÊS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Valdeci Correia
 
500 questões pedagógicos
500 questões pedagógicos500 questões pedagógicos
500 questões pedagógicos
Kelly De Albuquerque Boaventura
 
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
Valdeci Correia
 

Destaque (20)

INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...
INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...
INDICADORES PARA DETECÇÃO, FORMAÇÃO, SELEÇÃO E PROMOÇÃO DE TALENTOS ESPORTIV...
 
Aula01 Introducao ao Estudo de Anatomia
Aula01 Introducao ao Estudo de AnatomiaAula01 Introducao ao Estudo de Anatomia
Aula01 Introducao ao Estudo de Anatomia
 
ESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e Inovações
ESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e InovaçõesESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e Inovações
ESPORTE EM BARRA DO CORDA/MA Incentivo e Inovações
 
Aula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento Desportivo
Aula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento DesportivoAula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento Desportivo
Aula 01: Medidas e Avaliação Psicomotoras do Treinamento Desportivo
 
Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)
Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)
Aula01(colocações pedagógicas atuais no ensino dos esportes aquáticos)
 
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIAAula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
Aula01:INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE ANATOMIA
 
Handebol
HandebolHandebol
Handebol
 
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICAAula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
Aula01: INTRODUÇÃO À BIOLOGIA APLICADA A EDUCAÇÃO FÍSICA
 
Aula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIAAula02: OSTEOLOGIA
Aula02: OSTEOLOGIA
 
Medidas e avaliação
Medidas e avaliaçãoMedidas e avaliação
Medidas e avaliação
 
Medidas Antropométricas
Medidas AntropométricasMedidas Antropométricas
Medidas Antropométricas
 
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
Políticas públicas de esporte e lazer na cidade de Uruaçu.
 
Esporte é +
Esporte é +Esporte é +
Esporte é +
 
Esporte e lazer
Esporte e lazerEsporte e lazer
Esporte e lazer
 
A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...
A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...
A avaliação da Imagem Corporal dos alunos da Educação Física como meio de aux...
 
APOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SP
APOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SPAPOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SP
APOSTILA DIRETOR E DIRETOR ASSISTENTE DE UNIDADE ESCOLAR - SME/BARUERI/SP
 
APOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃO
APOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃOAPOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃO
APOSTILA TIANGUÁ/CE - PROFESSORES - DIDÁTICA E LEGISLAÇÃO
 
PEB II - PORTUGUÊS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - PORTUGUÊS  -  SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - PORTUGUÊS  -  SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - PORTUGUÊS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
 
500 questões pedagógicos
500 questões pedagógicos500 questões pedagógicos
500 questões pedagógicos
 
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOSPEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
PEB II - LITERATURA - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚBLICOS
 

Semelhante a Lei de criação do Conselho de Esporte e Lazer

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptx
ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptxESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptx
ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptx
TavaresJana
 
Regulamento JiRGS 2012
Regulamento JiRGS 2012Regulamento JiRGS 2012
Regulamento JiRGS 2012
voleibage
 
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
cmpcangradosreis
 
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
cmpcangradosreis
 
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
cmpcangradosreis
 
Relação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivasRelação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivas
José Carlos Araújo Santos
 
Lei nº 287
Lei nº 287Lei nº 287
Lei nº 287
Antonio Guimaraes
 
Estatuto Os Aventureiros MC
Estatuto Os Aventureiros MCEstatuto Os Aventureiros MC
Estatuto Os Aventureiros MC
lunga2008
 
Lei 2789 dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...
Lei 2789   dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...Lei 2789   dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...
Lei 2789 dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...
Conselho da Juventude Congonhas
 
6. substitutivo estatuto.15.01.2016
6. substitutivo estatuto.15.01.20166. substitutivo estatuto.15.01.2016
6. substitutivo estatuto.15.01.2016
Adalberto Gonçalves
 
Lei Pelé
Lei PeléLei Pelé
Lei Pelé
Fábio Fernandes
 
Revisão da Lei Pelé em 2011
Revisão da Lei Pelé em 2011Revisão da Lei Pelé em 2011
Revisão da Lei Pelé em 2011
cassiozirpoli
 
Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)
Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)
Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)
Marilia Coutinho
 
Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012
Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012
Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012
Marilia Coutinho
 
Novo regimento interno do concidadescabedelo
Novo regimento interno do concidadescabedeloNovo regimento interno do concidadescabedelo
Novo regimento interno do concidadescabedelo
Aguinaldo Silva
 
Legislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a culturaLegislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a cultura
Rozangela Silva
 
Volume ix conselho desenvimento urbano
Volume ix  conselho desenvimento urbanoVolume ix  conselho desenvimento urbano
Volume ix conselho desenvimento urbano
planodiretor2011
 
Lei n° 432
Lei n° 432Lei n° 432
Lei n° 432
Ceu Jr
 
Regulamento geral liga nacional - temporada 2017
Regulamento geral   liga nacional - temporada 2017Regulamento geral   liga nacional - temporada 2017
Regulamento geral liga nacional - temporada 2017
TopNode
 
Direito desportivo
Direito desportivoDireito desportivo
Direito desportivo
Mundus Esportivus
 

Semelhante a Lei de criação do Conselho de Esporte e Lazer (20)

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptx
ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptxESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptx
ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE ESPORTE NO BRASIL.pptx
 
Regulamento JiRGS 2012
Regulamento JiRGS 2012Regulamento JiRGS 2012
Regulamento JiRGS 2012
 
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
 
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
 
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...D e c r e t o n°  5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
D e c r e t o n° 5.588, de 26 de fevereiro de 2008 regulamenta a lei de ince...
 
Relação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivasRelação entre o estado e associações desportivas
Relação entre o estado e associações desportivas
 
Lei nº 287
Lei nº 287Lei nº 287
Lei nº 287
 
Estatuto Os Aventureiros MC
Estatuto Os Aventureiros MCEstatuto Os Aventureiros MC
Estatuto Os Aventureiros MC
 
Lei 2789 dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...
Lei 2789   dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...Lei 2789   dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...
Lei 2789 dispõe sobre a criação do conselho municipal da juventude de congo...
 
6. substitutivo estatuto.15.01.2016
6. substitutivo estatuto.15.01.20166. substitutivo estatuto.15.01.2016
6. substitutivo estatuto.15.01.2016
 
Lei Pelé
Lei PeléLei Pelé
Lei Pelé
 
Revisão da Lei Pelé em 2011
Revisão da Lei Pelé em 2011Revisão da Lei Pelé em 2011
Revisão da Lei Pelé em 2011
 
Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)
Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)
Estatuto da ALIANÇA NACIONAL DA FORÇA (ANF)
 
Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012
Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012
Estatudo da Aliança Nacional da Força (ANF) - alterações 2012
 
Novo regimento interno do concidadescabedelo
Novo regimento interno do concidadescabedeloNovo regimento interno do concidadescabedelo
Novo regimento interno do concidadescabedelo
 
Legislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a culturaLegislação de incentivo a cultura
Legislação de incentivo a cultura
 
Volume ix conselho desenvimento urbano
Volume ix  conselho desenvimento urbanoVolume ix  conselho desenvimento urbano
Volume ix conselho desenvimento urbano
 
Lei n° 432
Lei n° 432Lei n° 432
Lei n° 432
 
Regulamento geral liga nacional - temporada 2017
Regulamento geral   liga nacional - temporada 2017Regulamento geral   liga nacional - temporada 2017
Regulamento geral liga nacional - temporada 2017
 
Direito desportivo
Direito desportivoDireito desportivo
Direito desportivo
 

Mais de Leonardo Delgado

Conhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do corda
Conhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do cordaConhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do corda
Conhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do corda
Leonardo Delgado
 
Conhecimento Pedagógico: Tendências Pedagógicas
Conhecimento Pedagógico: Tendências PedagógicasConhecimento Pedagógico: Tendências Pedagógicas
Conhecimento Pedagógico: Tendências Pedagógicas
Leonardo Delgado
 
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do CordaConhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Leonardo Delgado
 
Meus estudos de capoeira em Barra do Corda
Meus estudos de capoeira em Barra do CordaMeus estudos de capoeira em Barra do Corda
Meus estudos de capoeira em Barra do Corda
Leonardo Delgado
 
Fundamentos metodologicos da ginastica
Fundamentos metodologicos da ginasticaFundamentos metodologicos da ginastica
Fundamentos metodologicos da ginastica
Leonardo Delgado
 
Aula01:
Aula01:Aula01:
Aula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTO
Aula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTOAula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTO
Aula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTO
Leonardo Delgado
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Leonardo Delgado
 
Aula04: ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS
Aula04: ORGANELASCITOPLASMÁTICASAula04: ORGANELASCITOPLASMÁTICAS
Aula04: ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS
Leonardo Delgado
 
Aula03: A SUPERFÍCIE CELULAR INTERCÂMBIO ENTRE A CÉLULA E O MEIO
Aula03: A SUPERFÍCIECELULAR INTERCÂMBIO ENTRE ACÉLULA E O MEIOAula03: A SUPERFÍCIECELULAR INTERCÂMBIO ENTRE ACÉLULA E O MEIO
Aula03: A SUPERFÍCIE CELULAR INTERCÂMBIO ENTRE A CÉLULA E O MEIO
Leonardo Delgado
 
Aula02
Aula02Aula02

Mais de Leonardo Delgado (11)

Conhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do corda
Conhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do cordaConhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do corda
Conhecimento históricos, geográficos e culturais de barra do corda
 
Conhecimento Pedagógico: Tendências Pedagógicas
Conhecimento Pedagógico: Tendências PedagógicasConhecimento Pedagógico: Tendências Pedagógicas
Conhecimento Pedagógico: Tendências Pedagógicas
 
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do CordaConhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
Conhecimentos Históricos, Geográficos e Culturais de Barra do Corda
 
Meus estudos de capoeira em Barra do Corda
Meus estudos de capoeira em Barra do CordaMeus estudos de capoeira em Barra do Corda
Meus estudos de capoeira em Barra do Corda
 
Fundamentos metodologicos da ginastica
Fundamentos metodologicos da ginasticaFundamentos metodologicos da ginastica
Fundamentos metodologicos da ginastica
 
Aula01:
Aula01:Aula01:
Aula01:
 
Aula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTO
Aula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTOAula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTO
Aula02: QUESTÕES ESSENCIAIS DO MOVIMENTO
 
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSOAula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
Aula01: FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO
 
Aula04: ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS
Aula04: ORGANELASCITOPLASMÁTICASAula04: ORGANELASCITOPLASMÁTICAS
Aula04: ORGANELAS CITOPLASMÁTICAS
 
Aula03: A SUPERFÍCIE CELULAR INTERCÂMBIO ENTRE A CÉLULA E O MEIO
Aula03: A SUPERFÍCIECELULAR INTERCÂMBIO ENTRE ACÉLULA E O MEIOAula03: A SUPERFÍCIECELULAR INTERCÂMBIO ENTRE ACÉLULA E O MEIO
Aula03: A SUPERFÍCIE CELULAR INTERCÂMBIO ENTRE A CÉLULA E O MEIO
 
Aula02
Aula02Aula02
Aula02
 

Lei de criação do Conselho de Esporte e Lazer

  • 2. O CAPÍTULO I - DA FINALIDADE BÁSICA DO CONSELHO O Art. 1º. A Comunidade Esportiva de Barra do Corda/MA, tendo como órgão de assessoramento e consultivo à Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer, solicita a criação do Conselho Municipal de Esporte e Lazer (CMEL). O Art. 2°. O Conselho Municipal de Esporte e Lazer é órgão colegiado de caráter consultivo, deliberativo, normativo, propositivo, fiscalizador, controlador, orientador, gestor e formulador das políticas públicas de esporte e lazer no Município de Barra do Corda/MA.
  • 3. O CAPÍTULO II - DAS COMPETÊNCIAS DO CONSELHO O Art. 3º. São competências específicas do Conselho: O I - desenvolver estudos, projetos, debates, pesquisas relativas à situação do esporte e lazer no município; O II - propor e acompanhar a realização de seminários, cursos e congressos sobre assuntos relativos ao esporte em geral, divulgando amplamente suas conclusões à população e aos usuários dos serviços abordados; O III - contribuir com os demais órgãos da administração municipal no planejamento de ações concernentes a projetos esportivos e de lazer; O IV - analisar propostas e sugestões manifestadas pela sociedade e opinar sobre denúncias que digam respeito a programas, projetos, competições e eventos culturais da cidade;
  • 4. O V - promover intercâmbio e convênios com instituições O O O O O públicas, nacionais e estrangeiras, com a finalidade de implementar as medidas e ações que são objeto do Conselho; VI - acompanhar e fiscalizar a aplicação dos recursos financeiros e materiais do município destinados às atividades esportivas e de lazer; VII - propor aos poderes públicos a instituição de concursos para financiamento de projetos e a concessão de prêmios como estímulo às atividades; VIII - manifestar sobre matéria atinente ao esporte e lazer no município; IX - proceder ao exame, interpretação e aplicação da legislação esportiva estadual e nacional; X - elaborar instruções normativas sobre aplicação da legislação esportiva em vigor e zelar pelo cumprimento;
  • 5. O XI - acompanhar a execução do calendário O O O O municipal anual de atividades esportivas e de lazer; XII - promover a publicação de seus atos normativos e resolutivos; XIII - participar na elaboração do PPA (Plano Plurianual) para a destinação orçamentária de verbas para o esporte e o lazer; XIV - realizar audiências públicas semestralmente para a prestação de contas do orçamento destinado ao esporte e lazer; XV - incentivar a promoção, capacitação e qualificação dos profissionais e agentes sociais de esporte e lazer através de instituições de ensino superior públicas, levando em conta as diferenças regionais e culturais.
  • 6. O Art. 4°. Cabe ao Conselho Municipal de Esporte e Lazer sugerir as prioridades sobre o orçamento destinado às políticas públicas de esporte e lazer, bem como, a fiscalização da sua aplicação.
  • 7. O CAPÍTULO III - DA COMPOSIÇÃO E DO FUNCIONAMENTO DO CONSELHO O Art. 5º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer O O O O O terá a seguinte composição: I - membros do Poder Público: a) um representante da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer; b) um representante da Secretaria Municipal de Educação; c) um representante da Secretaria de Assistência Social; d) um representante da Secretaria de Cultura.
  • 8. O II - membros da Sociedade Civil: O a) um representante da modalidade Voleibol; O b) um representante da modalidade Natação; O c) um representante da modalidade Atletismo; O d) um representante da modalidade Futebol; O e) um representante da Capoeira; O f) um representante do Jiu-Jitsu; O g) um representante das associações ou entidades de portadores de necessidades especiais; O h) um representante do Conselho dos Profissionais de Educação Física (CREF); O i) um representante dos Professores de Educação Física;
  • 9. O Art. 6º. Os representantes do Governo serão de O O O O O O O livre escolha do Prefeito. Art. 7º. Caberá ao Conselho Municipal de Esporte e Lazer eleger uma Comissão Executiva composta de 05 (cinco) membros assim discriminados: I – Presidente; II - Vice-Presidente; III - Secretário Geral; IV - Tesoureiro; V - Diretor de Eventos. Art. 8º. O Secretário de Esporte e Lazer do Município é membro nato do Conselho e será para os efeitos legais, sempre o Presidente.
  • 10. O Art. 9º. O mandato dos Conselheiros será de 2(dois) anos, O O O O O permitida a recondução após eleição. Art. 10º. O Conselho reger-se-á no que se refere aos seus membros, pelas seguintes disposições: I - o exercício da função de Conselheiro não será remunerado, sendo considerado como serviço público relevante; II - os membros poderão ser substituídos, a qualquer tempo, mediante solicitação da entidade ou autoridade responsável por sua indicação, apresentada ao Presidente do Conselho; III - ficará extinto o mandato do Conselheiro que deixar de comparecer, sem justificativa, a três reuniões ordinárias consecutivas ou a três reuniões extraordinárias, convocadas pelo Presidente ou responsável para tal fim. Parágrafo único. O prazo para justificar sua ausência é de 5 (cinco) dias úteis, a contar da data da reunião em que se verificou o fato.
  • 11. O CAPÍTULO IV - DAS ATRIBUIÇÕES DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER O Art. 11º. Compete a Comissão Executiva do Conselho O O O O Municipal de Esporte e Lazer: I - convocar e presidir as sessões ordinárias e extraordinárias do Conselho Municipal de Esporte e Lazer; II - cumprir e encaminhar as resoluções deliberadas pelo Conselho Municipal de Esporte e Lazer; III - deliberar, nos casos de urgência, "ad referendum" do Conselho Municipal de Esporte e Lazer, mediante posterior aprovação do colegiado; IV - delegar tarefas e membros do Conselho, quando julgar conveniente.
  • 12. O Art. 12°. Ao Conselho Municipal de Esporte e Lazer é facultado formar comissões provisórias ou permanentes, objetivando apresentar projetos e propor medidas que contribuam para a concretização de suas políticas.
  • 13. O CAPÍTULO V- DA CRIAÇÃO DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER O Art. 13º. Institui na Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer de Barra do Corda, o Fundo Municipal de Esportes e Lazer, com a finalidade de apoiar e suportar financeiramente projetos de natureza esportiva, de lazer e recreação. O Art. 14º. Constituem recursos do Fundo Municipal de Esportes e O O O O O O Lazer: I – dotação orçamentária própria; II – créditos especiais ou suplementares a ele destinados; III – o retorno e resultados de suas aplicações; IV – multas, correção monetária e juros, em decorrência de suas operações; V – contribuições ou doações de outras origens; VI – os recursos de origem orçamentária da União e do Estado, destinados a programas esportivos;
  • 14. O VII – recursos advindos da exploração (aluguel) O O O O regular de espaços esportivos pertencente ao Poder Público; VIII – as multas aplicadas por danos causados aos próprios da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação; IX - os provenientes de acordos, contratos, consórcios e convênios, destinados especificamente ao Fundo X – quaisquer outros recursos destinados especificamente ao Fundo. XI - recursos provenientes de preços públicos devido ao uso de material esportivo e veículos da municipalidade;
  • 15. O Art. 15º. O Fundo Municipal de Esportes e Lazer terá contabilidade própria, vinculada à Comissão Executiva do Conselho Municipal de Esporte e Lazer, que registrará todos os atos a ele pertinentes, de modo que se possa elaborar o respectivo balanço financeiro à parte, devendo seus recursos ser depositados em conta corrente especial vinculada exclusivamente ao atendimento de suas finalidades, a ser aberta em instituição financeira designada pela Secretaria Municipal de Finanças.
  • 16. O Art. 16º. A gestão administrativa dos recursos do Fundo Municipal de Esportes e Lazer caberá à Comissão Executiva do Conselho Municipal de Esporte e Lazer, através de ato designado pelo Presidente, podendo ficar sob sua responsabilidade a referida gestão. O Parágrafo único. Compete ao gestor do Fundo, designado pelo titular da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer, com o suporte técnico e administrativo da referida pasta: I – promover sua execução orçamentária, que compreende: a) ordenação de despesas do Fundo; b) os atos de controle e liquidação dos seus recursos; c) o repasse de verbas que onerem recursos do Fundo; d) a transferência dos recursos que forem destinados entidades; II – prestar contas sobre a movimentação dos recursos ao Conselho Municipal de Esporte e Lazer; O III – apresentar relatório semestral das despesas do Fundo ao Conselho Municipal de Esporte e Lazer; O O O O O O
  • 17. O Art. 17º. A gestão financeira dos recursos do Fundo Municipal de Esportes e Lazer será realizada pela Secretaria Municipal de Finanças, que aplicará os seus recursos, eventualmente disponíveis, revertendo ao próprio Fundo seus rendimentos. O Art. 18º. Os recursos do Fundo Municipal de Esportes e Lazer serão aplicados, exclusivamente, em projetos que visem a fomentar e estimular atividades esportivas, de lazer e recreativas no Município de Barra do Corda, bem como atender a entidades privadas sem fins lucrativos nas diversas modalidades esportivas.
  • 18. O § 1º. Fica proibido à destinação de recursos do Fundo para fins de suportar financeiramente entidades ou clubes que mantenham em seu quadro atividades esportivas profissionais, cujo atleta perceba qualquer tipo de remuneração. O § 2º. Fica facultado em até 10% (dez por cento) dos recursos do Fundo poderão ser aplicados em eventos esportivos de caráter internacional, nacional e estadual e que contribuam para a melhoria da atividade econômica do Município e para a melhoria da qualidade de vida dos munícipes. O § 3º. O Fundo Municipal de Esportes e Lazer poderá receber doações condicionadas à utilização em projeto específico, hipótese na qual 10% (dez por cento) do valor doado deverá subsidiar outras propostas aprovadas pelo Conselho Municipal de Esporte e Lazer, referentes a projetos, programas e ações que visem ao fomento e ao estímulo de atividades esportivas e recreativas no Município.
  • 19. O Art. 19º. A execução dos projetos fomentados O O O O O pelo Fundo Municipal de Esportes e Lazer será acompanhada e fiscalizada pelo Conselho Municipal de Esporte e Lazer. § 1º. O projeto deverá conter plano de trabalho e respectivo cronograma físico-financeiro, nos termos da legislação de licitação e contratos. § 2º. O Conselho levará em conta, na análise das propostas, dentre outros, os seguintes aspectos: I – a experiência do órgão ou da entidade proponente na área do projeto; II – a viabilidade do projeto quanto ao objeto e cronograma; III – a existência de interesse público;
  • 20. O CAPITULO VI - DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS O Art. 20º. O Conselho elaborará seu Regimento Interno, a ser baixado por Decreto do Prefeito Municipal, no prazo de noventa dias após a promulgação e publicação oficial desta Lei. O Art. 21º. Demais normas necessárias ao funcionamento do Conselho e manutenção do Fundo serão regulamentadas por ato próprio do Poder Executivo Municipal. O Art. 22º. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. O Art. 23º. Revogam-se as disposições em contrário