SlideShare uma empresa Scribd logo
Locação financeira
Locação financeira ou arrendamento mercantil também conhecido pelo termo em inglês
leasing, é um contrato através do qual a arrendadora ou locadora (a empresa que se dedica à
exploração de leasing) adquire um bem escolhido por seu cliente (o arrendatário, ou
locatário) para, em seguida, alugá-lo a este último, por um prazo determinado. Ao término
do contrato o arrendatário pode optar por renová-lo por mais um período, por devolver o
bem arrendado à arrendadora (que pode exigir do arrendatário, no contrato, a garantia de
um valor residual) ou dela adquirir o bem, pelo valor de mercado ou por um valor residual
previamente definido no contrato.
O cliente deste tipo de crédito, é tipicamente, uma empresa, podendo, no entanto, ser,
também, contratado por pessoa física.
O leasing é um contrato denominado na legislação inglesa como “arrendamento mercantil”.
As partes desse contrato são denominadas “arrendador” e “arrendatário”, conforme sejam,
de um lado, um banco ou sociedade de arrendamento mercantil e, de outro, o cliente. O
objecto do contrato é a aquisição, por parte do arrendador, de bem escolhido pelo
arrendatário para sua utilização. O arrendador é, portanto, o proprietário do bem, sendo que
a posse e o usufruto, durante a vigência do contrato, são do arrendatário. O contrato de
arrendamento mercantil pode prever ou não a opção de compra, pelo arrendatário, do bem
de propriedade do arrendador.
Formas de leasing
Existem 3 formas de leasing ou locação financeira:
 Financeiro;
 Operacional;
 Leasing back.
No leasing operacional, existe uma cláusula de prestação de serviços (assistência técnica,
treinamento especializado, etc.), ligada à locação dos bens. As despesas oriundas desta
prestação de serviços tanto podem ser de responsabilidade da arrendadora quanto da
arrendatária. O prazo mínimo para esse tipo de leasing é de 90 dias.
O leasing financeiro se diferencia do operacional por inexistência de cláusula de prestação
de serviços. É uma espécie de locação com a opção de devolução ou compra do bem, bem
como de renovação do contrato ao fim dele. Caso a arrendatária resolva comprar o bem,
pagará um valor residual preestabelecido no contrato.
O leasing back, ou leasing de retorno, é a modalidade na qual a arrendatária, sendo
proprietária de um bem, vende-o à arrendadora e esta o aluga àquela. Geralmente ocorre
quando uma empresa necessita de capital de giro. Ela vende seus bens a uma empresa que
aluga de volta os mesmos. Essa modalidade está disponível apenas para arrendatários
pessoas jurídicas.
CONTRATOS DE FINANCIAMENTO
Os contratos de financiamento: A locação financeira (Leasing)
A classificação destes novos contratos deve, ser cautelosa, sem deixar de os ligar ao seu
“território de origem”: o Direito Económico, entendido como tecido normativo inerente à
relação entre Estado e os agentes económicos, tanto numa perspectiva de exercício de
autoridade, como de eventuais atitudes na qualidade de agente económico.
De larga aplicabilidade na vida das empresas e em outros domínios da vida social, são
capazes de influenciar toda a estrutura económica, como exemplo, os contratos de locação
financeira, factoring e franchaising. Na sua forma moderna, a locação financeira ou leasing
surgiu nos Estados Unidos da América, como nova fórmula comercial e financeira.
No decurso da década de 80, as empresas, inseridas numa conjuntura económica restritiva,
suportando fortes dificuldades de acesso ao crédito e uma elevada carga fiscal, recorreram
aos empréstimos a médio e curto prazo junto das instituições monetárias, com
consequências em muitos casos desastrosas, mas como única forma de sobrevivência de um
sector empresarial constituído pelas PMEs, levando a um grande desenvolvimento do
leasing no nosso país, onde tinha sido regulamentado.
O leasing permite o aumento da capacidade de endividamento da empresa sem afectar a sua
capacidade de obtenção de empréstimos, proporcionando a cobertura total do investimento
e ainda a total dedutibilidade das prestações a pagar.
O contrato de locação financeira é recebido da ordem jurídica portuguesa como um
contrato de locação financeira, e o art. 1º DL 171/79 definia-o como o contrato pelo qual
uma das partes se obriga, contra a retribuição, a conceder à outra o gozo temporário de uma
coisa, adquirida ou construída por indicação desta, e que a mesma pode comprar, total ou
parcialmente, num prazo convencionado, mediante o pagamento de um preço determinado
ou determinável nos termos do próprio contrato.
Nestes termos, o modelo adoptado foi o do contrato de amortização total com opção de
compra no fim: trata-se de um contrato de locação com opção de compra, de quaisquer
bens, desde que realizado por um período inferior ao da vida útil do objecto do contrato;
nestes termos, a locação financeira é, um contrato de médio ou longo prazo, dirigido a
“financiar” alguém, não através da prestação de uma quantia em dinheiro, mas através do
uso de um bem. Hoje a locação financeira tem o seu regime jurídico no DL 149/95 de 24 de
Junho. A actual definição legal, diz, que “locação financeira é todo o contrato pelo qual
uma das partes se obriga, mediante retribuição, a ceder à outra o gozo temporário de uma
coisa, móvel ou imóvel, adquirida ou construída por indicação desta, e que o locatário
poderá comprar, decorrido o período acordado, por um preço nele determinado ou
determinável, mediante simples aplicação dos critérios nele fixados”.
Como traços essenciais, pode-se destacar os seguintes:
 O objecto do contrato pode ser quaisquer bens;
 Quanto à forma apenas é necessário documento particular, embora, no caso de
bens imóveis, se exija reconhecimento notarial presencial das assinaturas das
partes;
 Compete ao Banco estabelecer os limites mínimos e máximos do valor residual;
 A locação de coisas móveis pode ser celebrada por um prazo mínimo de 18
meses, e a de imóveis por um prazo mínimo de sete anos;
 O locador obriga-se a adquirir ou mandar construir o bem a locar, conceder o
gozo do bem para os fins a que se destina, e vender o bem ao locatário, se este
estiver interessado, findo o contrato;
 O locatário obriga-se a pagar as rendas, facultar ao locador o exame do bem
locado, não aplicar o bem diverso daquele a que se destina, assegurar a sua boa
conservação, efectuar o seguro do bem locado e a restitui-lo findo o contrato,
quando não opte pela sua aquisição, entre outras obrigações.
Por fim, referia-se que as sociedades de locação financeira, definidas como instituições
de crédito que têm por exclusivo o exercício daquela actividade, têm o seu regime jurídico
contido no DL 72/95 de 15 de Abril.
Factoring
É a actividade parabancária, que consiste na aquisição de créditos a curto prazo, derivados
da venda de produtos ou da prestação de serviços, no mercado interno e externo. Encontra-
se previsto no ordenamento jurídico português desde 1965, na qualidade de actividade
parabancária típica, e já em 1986, foram regulamentadas as sociedades de factoring (DL
171/95 de 18 de Julho):
a) A actividade de factoring é definida com uma cessão de financeira, consistindo na
aquisição de créditos de curto prazo, derivando da venda de bens ou da prestação de
serviços, tanto no mercado interno como no externo;
b) Aquela actividade só pode ser desenvolvida por sociedades de factoring e pelos
bancos;
c) O contrato de factoring tem sempre forma escrita e nele intervêm o factor ou
cessionário e o aderente ou cedente dos créditos;
d) O direito subsidiário aplicável às sociedades de factoring é o regime geral das
Instituições de Crédito e das Sociedades Financeiras.
As sociedades que tenham por objecto a actividade de factoring têm que constituir-se
sob a forma de Sociedade Anónima, não podendo desenvolver qualquer outra actividade.
Modalidades:
Serviço completo (Full Factoring): trata-se de um acordo consubstanciado através de um
contrato do qual o fornecedor se compromete a ceder sistematicamente a uma sociedade de
factoring todos os seus créditos provenientes da venda de mercadorias ou da prestação de
serviços e que esses créditos se encontram representados por facturas ou por outra
documentação equivalente.
Factoring com recurso: os aspectos da cobrança e antecipação dos fundos são
privilegiados, o factor não classifica os devedores, limitando-se a uma análise sumária da
sua credibilidade, não garante o risco de crédito e reserva o direito de regresso sobre o
aderente no caso de insucesso das cobranças; obriga o factor a uma análise mais complexa
e pormenorizada da aderente e do produto ou serviços fornecidos.
Matority factoring: a grande incidência nesta versão verifica-se na prestação de serviços,
não sendo praticamente contemplada a componente financeira.
Bulk factoring: o factor apenas procede à antecipação dos fundos e não efectua qualquer
prestação de serviços; consiste no desconto de facturas, com a diferença que os créditos são
efectivamente cedidos ao factor (na prática).
Factoring confidencial: destina-se a aderentes que necessitam da antecipação dos fundos
mas que têm o seu próprio serviço de cobranças pelo que não pretendem usar o factor.
Franchaising
Este não é propriamente um contrato de financiamento, embora esta operação esteja
presente, mas reflexamente, pelo que constitui uma das características do contrato.
Trata-se essencialmente de um contrato de expansão e desenvolvimento, para o
franquiador, e a possibilidade de iniciar uma nova etapa da sua vida empresarial, para o
franquiado. Dispondo de um mercado mais vasto, com um mínimo de investimento, ao
contrário das filiais, em que o investimento é integralmente suportado por uma única
estrutura empresarial, no franchaising o franquiador conta ainda com os pagamentos do
franquiado: prestações periódicas e preços de aquisição dos produtos, residindo aqui, o
elemento dinamizador de expansão e desenvolvimento. Juridicamente o franchaising é um
contrato atípico. Isto quer dizer que se trata dum contrato que não tem regime jurídico
próprio, ao contrário da locação financeira e do factoring, os quais são contratos tipificados
na lei. O contrato de franchaising, consiste num sistema de distribuição em que uma parte
(o franchisador) concede a uma outra parte (o franchisado) o direito de distribuir os
produtos ou prestar serviços e a explorar um negócio de acordo com um dado sistema de
marketing, com o mínimo de risco e de investimento. Atendendo a este facto, toda a sua
disciplina, no nosso ordenamento jurídico se reporta à parte geral dos contratos, onde
impera o princípio da liberdade contratual das partes (art. 405º e segs. CC). À luz deste
princípio (autonomia privada), cabe às partes fixarem, em termos vinculativos, a disciplina
que mais lhe aprouver, desde que conforme com a lei.
a) Contrato de franchaising de distribuição: é o contrato pelo qual o franquiado se
obriga a vender determinados produtos num estabelecimento seu, mas com o nome e
imagem do franquiador, ou seja, o contrato visa a comercialização de determinados
produtos do franquiador.
b) Contratos de franchaising de serviço: o franquiado oferece serviços sobre a
insígnia, o nome comercial ou a marca do franquiador, garantir a qualidade dos
serviços fornecidos por operadores independentes sob a imagem e indicação dos
franquiadores.
c) Contrato de franchaising de produção industrial: o franquiado fica autorizado,
mediante o fornecimento know-hout, por parte do franquiador, a produzir bens que
depois vende sob a marca deste, resumindo, o sistema franquiado tem por objecto o
fabrico e venda de um determinado produto.
Os direitos permanentes (do franchisador) são normalmente indicados como principal fonte
de rendimento do franchisador e constituem a maior contribuição para as suas despesas
centrais, podem ser pagos numa das três formas:
 Um royalty, uma percentagem fixa do volume de negócio, sobre o volume dos
negócios.
 Uma margem sobre o preço dos materiais adquiridos ao franchisador;
 Um montante regular fixo por estabelecimento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gestao de compras
Gestao de comprasGestao de compras
Gestao de compras
ISCAP
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
RichardSariaZacarias
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
Joana Pinto
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
Luís Bastos
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
Ilda Bicacro
 
Introducao seguros
Introducao segurosIntroducao seguros
Introducao seguros
Gil Gameiro
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
Anabelafernandes
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.
Susana Santos
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Apostila 10 orçamento de caixa
Apostila 10   orçamento de caixaApostila 10   orçamento de caixa
Apostila 10 orçamento de caixa
zeramento contabil
 
RECEITAS CREDITÍCIAS
RECEITAS CREDITÍCIASRECEITAS CREDITÍCIAS
RECEITAS CREDITÍCIAS
Universidade Pedagogica
 
Literacia financeira digital
Literacia financeira digitalLiteracia financeira digital
Literacia financeira digital
Biblioteca Emídio Garcia Becreemidiogarcia
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
simuladocontabil
 
Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
analuisacvieira
 
O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?
Catarina Simões
 
Rh processamento de vencimentos
Rh   processamento de vencimentosRh   processamento de vencimentos
Rh processamento de vencimentos
TeresaAlvesSousa
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
Universidade Pedagogica
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
manjosp
 

Mais procurados (20)

Gestao de compras
Gestao de comprasGestao de compras
Gestao de compras
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
Sistemas de custeio nas empresas.Pdf
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
Acréscimos e Diferimentos
Acréscimos e DiferimentosAcréscimos e Diferimentos
Acréscimos e Diferimentos
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
 
Introducao seguros
Introducao segurosIntroducao seguros
Introducao seguros
 
Disponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricasDisponibilidades hídricas
Disponibilidades hídricas
 
Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.Relações económicas com resto do mundo.
Relações económicas com resto do mundo.
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Apostila 10 orçamento de caixa
Apostila 10   orçamento de caixaApostila 10   orçamento de caixa
Apostila 10 orçamento de caixa
 
RECEITAS CREDITÍCIAS
RECEITAS CREDITÍCIASRECEITAS CREDITÍCIAS
RECEITAS CREDITÍCIAS
 
Literacia financeira digital
Literacia financeira digitalLiteracia financeira digital
Literacia financeira digital
 
Tesouraria
TesourariaTesouraria
Tesouraria
 
Clima Em Portugal
Clima Em PortugalClima Em Portugal
Clima Em Portugal
 
O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?O que é uma Sociedade por Quotas ?
O que é uma Sociedade por Quotas ?
 
Rh processamento de vencimentos
Rh   processamento de vencimentosRh   processamento de vencimentos
Rh processamento de vencimentos
 
Principais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidadePrincipais rácios da rendibilidade
Principais rácios da rendibilidade
 
Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 

Destaque

LOCACAO FINANCEIRA E FACTORING
LOCACAO FINANCEIRA E FACTORINGLOCACAO FINANCEIRA E FACTORING
LOCACAO FINANCEIRA E FACTORING
Universidade Pedagogica
 
Leasing
LeasingLeasing
Arrendamento mercantil ou leasing
Arrendamento mercantil ou leasingArrendamento mercantil ou leasing
Arrendamento mercantil ou leasing
Rosi Paixao
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Rafael Gonçalves
 
NBR 9077/2001
NBR 9077/2001NBR 9077/2001
NBR 9077/2001
UNIFIA
 
Factoring
Factoring Factoring
Factoring
Erne Taurai
 
Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)
Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)
Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)
A. Rui Teixeira Santos
 
Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...
Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...
Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...
A. Rui Teixeira Santos
 
Arrendamento Mercantil
Arrendamento MercantilArrendamento Mercantil
Arrendamento Mercantil
Maciel "Massa"
 
Mercado financeiro vs instituicoes financeiras
Mercado financeiro vs instituicoes financeirasMercado financeiro vs instituicoes financeiras
Mercado financeiro vs instituicoes financeiras
Universidade Pedagogica
 
Sistema financeiro Moçambicano
Sistema financeiro MoçambicanoSistema financeiro Moçambicano
Sistema financeiro Moçambicano
Universidade Pedagogica
 
Contrato factoring electronico proveedor
Contrato factoring electronico   proveedorContrato factoring electronico   proveedor
Contrato factoring electronico proveedor
pabloinga
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
Rafael Barros
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Sistema financeiro nacional
Sistema financeiro nacionalSistema financeiro nacional
Sistema financeiro nacional
Paula Querino
 
Exercicios contabilidade com operações com mercadorias
Exercicios contabilidade  com operações com mercadoriasExercicios contabilidade  com operações com mercadorias
Exercicios contabilidade com operações com mercadorias
capitulocontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
contacontabil
 
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2
Mauro
 
Livro de exercício - contabilidade introdutória
Livro de exercício   - contabilidade introdutóriaLivro de exercício   - contabilidade introdutória
Livro de exercício - contabilidade introdutória
Lylian Vieira
 
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
Exercicios resolvidos contabilidade   esafExercicios resolvidos contabilidade   esaf
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
contacontabil
 

Destaque (20)

LOCACAO FINANCEIRA E FACTORING
LOCACAO FINANCEIRA E FACTORINGLOCACAO FINANCEIRA E FACTORING
LOCACAO FINANCEIRA E FACTORING
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
 
Arrendamento mercantil ou leasing
Arrendamento mercantil ou leasingArrendamento mercantil ou leasing
Arrendamento mercantil ou leasing
 
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04Aula   Instituições e mercados financeiros 04.04
Aula Instituições e mercados financeiros 04.04
 
NBR 9077/2001
NBR 9077/2001NBR 9077/2001
NBR 9077/2001
 
Factoring
Factoring Factoring
Factoring
 
Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)
Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)
Regulação do Sistema Financeiro II, prof. doutor Rui Teixeira Santos (2014)
 
Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...
Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...
Regulação do Sistema Financeiro I, Instituições e Supervisão. União Bancária ...
 
Arrendamento Mercantil
Arrendamento MercantilArrendamento Mercantil
Arrendamento Mercantil
 
Mercado financeiro vs instituicoes financeiras
Mercado financeiro vs instituicoes financeirasMercado financeiro vs instituicoes financeiras
Mercado financeiro vs instituicoes financeiras
 
Sistema financeiro Moçambicano
Sistema financeiro MoçambicanoSistema financeiro Moçambicano
Sistema financeiro Moçambicano
 
Contrato factoring electronico proveedor
Contrato factoring electronico   proveedorContrato factoring electronico   proveedor
Contrato factoring electronico proveedor
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Sistema financeiro nacional
Sistema financeiro nacionalSistema financeiro nacional
Sistema financeiro nacional
 
Exercicios contabilidade com operações com mercadorias
Exercicios contabilidade  com operações com mercadoriasExercicios contabilidade  com operações com mercadorias
Exercicios contabilidade com operações com mercadorias
 
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rjExercicios resolvidos contabilidade   aula 04 cathedra icms-rj
Exercicios resolvidos contabilidade aula 04 cathedra icms-rj
 
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2
Apostila contabilidade-geral-200-exercicios-resolvidos-1205538849222541-2
 
Livro de exercício - contabilidade introdutória
Livro de exercício   - contabilidade introdutóriaLivro de exercício   - contabilidade introdutória
Livro de exercício - contabilidade introdutória
 
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
Exercicios resolvidos contabilidade   esafExercicios resolvidos contabilidade   esaf
Exercicios resolvidos contabilidade esaf
 

Semelhante a LEASING E FACTORING

Contratos de financiamento
Contratos de financiamentoContratos de financiamento
Contratos de financiamento
Universidade Pedagogica
 
FACTORING
FACTORINGFACTORING
Leasing e suas formas
Leasing e suas formasLeasing e suas formas
Leasing e suas formas
Universidade Pedagogica
 
Gago 8
Gago 8Gago 8
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
09108303
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
LeasingLeasing
Factoring e sua contabilizacao
Factoring e sua contabilizacaoFactoring e sua contabilizacao
Factoring e sua contabilizacao
Universidade Pedagogica
 
57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx
57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx
57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx
Alexandra Roldão
 
Imc
ImcImc
Factoring
Factoring Factoring
Factoring
Erne Taurai
 
Casa própria
Casa própriaCasa própria
Casa própria
Consórcio de Imóveis
 
Corretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissão
Corretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissãoCorretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissão
Corretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissão
Olinda Caetano
 
Cartilha da compra consciente
Cartilha da compra conscienteCartilha da compra consciente
Cartilha da compra consciente
Guilherme Souza Oliveira
 
Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo
Tuani Ayres Paulo
 
Apostila 08 administração financeira de longo prazo
Apostila 08   administração financeira de longo prazoApostila 08   administração financeira de longo prazo
Apostila 08 administração financeira de longo prazo
zeramento contabil
 
Conceito de factoring
Conceito de factoringConceito de factoring
Conceito de factoring
Universidade Pedagogica
 
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdfEbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
LucianoGomes666250
 
O built suit e a administração pública
O built suit e a administração pública O built suit e a administração pública
O built suit e a administração pública
André Nakamura
 
Contrato de corretagem e fiança
Contrato de corretagem e fiançaContrato de corretagem e fiança
Contrato de corretagem e fiança
stephany
 

Semelhante a LEASING E FACTORING (20)

Contratos de financiamento
Contratos de financiamentoContratos de financiamento
Contratos de financiamento
 
FACTORING
FACTORINGFACTORING
FACTORING
 
Leasing e suas formas
Leasing e suas formasLeasing e suas formas
Leasing e suas formas
 
Gago 8
Gago 8Gago 8
Gago 8
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
 
Leasing
LeasingLeasing
Leasing
 
Factoring e sua contabilizacao
Factoring e sua contabilizacaoFactoring e sua contabilizacao
Factoring e sua contabilizacao
 
57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx
57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx
57685220-CONTRATOS-COMERCIAIS franquia franchising.pptx
 
Imc
ImcImc
Imc
 
Factoring
Factoring Factoring
Factoring
 
Casa própria
Casa própriaCasa própria
Casa própria
 
Corretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissão
Corretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissãoCorretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissão
Corretor de imóveis e o direito ao recebimento da comissão
 
Cartilha da compra consciente
Cartilha da compra conscienteCartilha da compra consciente
Cartilha da compra consciente
 
Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo Contrato de Mútuo
Contrato de Mútuo
 
Apostila 08 administração financeira de longo prazo
Apostila 08   administração financeira de longo prazoApostila 08   administração financeira de longo prazo
Apostila 08 administração financeira de longo prazo
 
Conceito de factoring
Conceito de factoringConceito de factoring
Conceito de factoring
 
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdfEbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
EbaomMapas Mentais de estudos_resumo.pdf
 
O built suit e a administração pública
O built suit e a administração pública O built suit e a administração pública
O built suit e a administração pública
 
Contrato de corretagem e fiança
Contrato de corretagem e fiançaContrato de corretagem e fiança
Contrato de corretagem e fiança
 

Mais de Universidade Pedagogica

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Universidade Pedagogica
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
Universidade Pedagogica
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Universidade Pedagogica
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Universidade Pedagogica
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Universidade Pedagogica
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Universidade Pedagogica
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Universidade Pedagogica
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
Universidade Pedagogica
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
Universidade Pedagogica
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Universidade Pedagogica
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Universidade Pedagogica
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
Universidade Pedagogica
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Universidade Pedagogica
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Universidade Pedagogica
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
Universidade Pedagogica
 

Mais de Universidade Pedagogica (20)

Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
Gestão de Pessoas na Administração Pública Uma Análise das Práticas de Gestão...
 
Sistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docxSistema respiratório humano.docx
Sistema respiratório humano.docx
 
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
Importancia Da Gestao Participativa Como Pressuposto Para o Desenvolvimento D...
 
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
Importncia da gestao participativa como pressuposto para o desenvolvimento da...
 
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docxGestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
Gestao e Governacao Participativa Caso de Municipio Da Cidade de Pemba.docx
 
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docxPresenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
Presenca do estado nas autarquias Mocambicanas...docx
 
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docxPresenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
Presenca Do Estado Nas Autarquias Mocambicanas.docx
 
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
Autarquias Locais Em Mocambique Um Olhar Sobre Sua Autonomia e Tutela Adminis...
 
Gestao participativa.docx
Gestao participativa.docxGestao participativa.docx
Gestao participativa.docx
 
Individual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdfIndividual Evaluation Assessment.pdf
Individual Evaluation Assessment.pdf
 
Individual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docxIndividual Evaluation Assessment.docx
Individual Evaluation Assessment.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdfDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.pdf
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdfImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.pdf
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdfAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).pdf
 
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docxImportância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
Importância das Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação.docx
 
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docxDesafios da sociologia geral em tempos de  isolamento social em Moçambique.docx
Desafios da sociologia geral em tempos de isolamento social em Moçambique.docx
 
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docxAs Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
As Formas de tratamento no Português (Nominais, Pronominais e verbais).docx
 
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechadoHorticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
Horticultura de alface num ambiente controlado ou fechado
 
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
Tipos de relações nos projectos de desenvolvimento local (filantrópica, trans...
 
Teorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leituraTeorias de desenvolvimento da leitura
Teorias de desenvolvimento da leitura
 

LEASING E FACTORING

  • 1. Locação financeira Locação financeira ou arrendamento mercantil também conhecido pelo termo em inglês leasing, é um contrato através do qual a arrendadora ou locadora (a empresa que se dedica à exploração de leasing) adquire um bem escolhido por seu cliente (o arrendatário, ou locatário) para, em seguida, alugá-lo a este último, por um prazo determinado. Ao término do contrato o arrendatário pode optar por renová-lo por mais um período, por devolver o bem arrendado à arrendadora (que pode exigir do arrendatário, no contrato, a garantia de um valor residual) ou dela adquirir o bem, pelo valor de mercado ou por um valor residual previamente definido no contrato. O cliente deste tipo de crédito, é tipicamente, uma empresa, podendo, no entanto, ser, também, contratado por pessoa física. O leasing é um contrato denominado na legislação inglesa como “arrendamento mercantil”. As partes desse contrato são denominadas “arrendador” e “arrendatário”, conforme sejam, de um lado, um banco ou sociedade de arrendamento mercantil e, de outro, o cliente. O objecto do contrato é a aquisição, por parte do arrendador, de bem escolhido pelo arrendatário para sua utilização. O arrendador é, portanto, o proprietário do bem, sendo que a posse e o usufruto, durante a vigência do contrato, são do arrendatário. O contrato de arrendamento mercantil pode prever ou não a opção de compra, pelo arrendatário, do bem de propriedade do arrendador. Formas de leasing Existem 3 formas de leasing ou locação financeira:  Financeiro;  Operacional;  Leasing back. No leasing operacional, existe uma cláusula de prestação de serviços (assistência técnica, treinamento especializado, etc.), ligada à locação dos bens. As despesas oriundas desta
  • 2. prestação de serviços tanto podem ser de responsabilidade da arrendadora quanto da arrendatária. O prazo mínimo para esse tipo de leasing é de 90 dias. O leasing financeiro se diferencia do operacional por inexistência de cláusula de prestação de serviços. É uma espécie de locação com a opção de devolução ou compra do bem, bem como de renovação do contrato ao fim dele. Caso a arrendatária resolva comprar o bem, pagará um valor residual preestabelecido no contrato. O leasing back, ou leasing de retorno, é a modalidade na qual a arrendatária, sendo proprietária de um bem, vende-o à arrendadora e esta o aluga àquela. Geralmente ocorre quando uma empresa necessita de capital de giro. Ela vende seus bens a uma empresa que aluga de volta os mesmos. Essa modalidade está disponível apenas para arrendatários pessoas jurídicas. CONTRATOS DE FINANCIAMENTO Os contratos de financiamento: A locação financeira (Leasing) A classificação destes novos contratos deve, ser cautelosa, sem deixar de os ligar ao seu “território de origem”: o Direito Económico, entendido como tecido normativo inerente à relação entre Estado e os agentes económicos, tanto numa perspectiva de exercício de autoridade, como de eventuais atitudes na qualidade de agente económico. De larga aplicabilidade na vida das empresas e em outros domínios da vida social, são capazes de influenciar toda a estrutura económica, como exemplo, os contratos de locação financeira, factoring e franchaising. Na sua forma moderna, a locação financeira ou leasing surgiu nos Estados Unidos da América, como nova fórmula comercial e financeira. No decurso da década de 80, as empresas, inseridas numa conjuntura económica restritiva, suportando fortes dificuldades de acesso ao crédito e uma elevada carga fiscal, recorreram aos empréstimos a médio e curto prazo junto das instituições monetárias, com consequências em muitos casos desastrosas, mas como única forma de sobrevivência de um sector empresarial constituído pelas PMEs, levando a um grande desenvolvimento do leasing no nosso país, onde tinha sido regulamentado.
  • 3. O leasing permite o aumento da capacidade de endividamento da empresa sem afectar a sua capacidade de obtenção de empréstimos, proporcionando a cobertura total do investimento e ainda a total dedutibilidade das prestações a pagar. O contrato de locação financeira é recebido da ordem jurídica portuguesa como um contrato de locação financeira, e o art. 1º DL 171/79 definia-o como o contrato pelo qual uma das partes se obriga, contra a retribuição, a conceder à outra o gozo temporário de uma coisa, adquirida ou construída por indicação desta, e que a mesma pode comprar, total ou parcialmente, num prazo convencionado, mediante o pagamento de um preço determinado ou determinável nos termos do próprio contrato. Nestes termos, o modelo adoptado foi o do contrato de amortização total com opção de compra no fim: trata-se de um contrato de locação com opção de compra, de quaisquer bens, desde que realizado por um período inferior ao da vida útil do objecto do contrato; nestes termos, a locação financeira é, um contrato de médio ou longo prazo, dirigido a “financiar” alguém, não através da prestação de uma quantia em dinheiro, mas através do uso de um bem. Hoje a locação financeira tem o seu regime jurídico no DL 149/95 de 24 de Junho. A actual definição legal, diz, que “locação financeira é todo o contrato pelo qual uma das partes se obriga, mediante retribuição, a ceder à outra o gozo temporário de uma coisa, móvel ou imóvel, adquirida ou construída por indicação desta, e que o locatário poderá comprar, decorrido o período acordado, por um preço nele determinado ou determinável, mediante simples aplicação dos critérios nele fixados”. Como traços essenciais, pode-se destacar os seguintes:  O objecto do contrato pode ser quaisquer bens;  Quanto à forma apenas é necessário documento particular, embora, no caso de bens imóveis, se exija reconhecimento notarial presencial das assinaturas das partes;  Compete ao Banco estabelecer os limites mínimos e máximos do valor residual;  A locação de coisas móveis pode ser celebrada por um prazo mínimo de 18 meses, e a de imóveis por um prazo mínimo de sete anos;
  • 4.  O locador obriga-se a adquirir ou mandar construir o bem a locar, conceder o gozo do bem para os fins a que se destina, e vender o bem ao locatário, se este estiver interessado, findo o contrato;  O locatário obriga-se a pagar as rendas, facultar ao locador o exame do bem locado, não aplicar o bem diverso daquele a que se destina, assegurar a sua boa conservação, efectuar o seguro do bem locado e a restitui-lo findo o contrato, quando não opte pela sua aquisição, entre outras obrigações. Por fim, referia-se que as sociedades de locação financeira, definidas como instituições de crédito que têm por exclusivo o exercício daquela actividade, têm o seu regime jurídico contido no DL 72/95 de 15 de Abril. Factoring É a actividade parabancária, que consiste na aquisição de créditos a curto prazo, derivados da venda de produtos ou da prestação de serviços, no mercado interno e externo. Encontra- se previsto no ordenamento jurídico português desde 1965, na qualidade de actividade parabancária típica, e já em 1986, foram regulamentadas as sociedades de factoring (DL 171/95 de 18 de Julho): a) A actividade de factoring é definida com uma cessão de financeira, consistindo na aquisição de créditos de curto prazo, derivando da venda de bens ou da prestação de serviços, tanto no mercado interno como no externo; b) Aquela actividade só pode ser desenvolvida por sociedades de factoring e pelos bancos; c) O contrato de factoring tem sempre forma escrita e nele intervêm o factor ou cessionário e o aderente ou cedente dos créditos; d) O direito subsidiário aplicável às sociedades de factoring é o regime geral das Instituições de Crédito e das Sociedades Financeiras.
  • 5. As sociedades que tenham por objecto a actividade de factoring têm que constituir-se sob a forma de Sociedade Anónima, não podendo desenvolver qualquer outra actividade. Modalidades: Serviço completo (Full Factoring): trata-se de um acordo consubstanciado através de um contrato do qual o fornecedor se compromete a ceder sistematicamente a uma sociedade de factoring todos os seus créditos provenientes da venda de mercadorias ou da prestação de serviços e que esses créditos se encontram representados por facturas ou por outra documentação equivalente. Factoring com recurso: os aspectos da cobrança e antecipação dos fundos são privilegiados, o factor não classifica os devedores, limitando-se a uma análise sumária da sua credibilidade, não garante o risco de crédito e reserva o direito de regresso sobre o aderente no caso de insucesso das cobranças; obriga o factor a uma análise mais complexa e pormenorizada da aderente e do produto ou serviços fornecidos. Matority factoring: a grande incidência nesta versão verifica-se na prestação de serviços, não sendo praticamente contemplada a componente financeira. Bulk factoring: o factor apenas procede à antecipação dos fundos e não efectua qualquer prestação de serviços; consiste no desconto de facturas, com a diferença que os créditos são efectivamente cedidos ao factor (na prática). Factoring confidencial: destina-se a aderentes que necessitam da antecipação dos fundos mas que têm o seu próprio serviço de cobranças pelo que não pretendem usar o factor. Franchaising Este não é propriamente um contrato de financiamento, embora esta operação esteja presente, mas reflexamente, pelo que constitui uma das características do contrato. Trata-se essencialmente de um contrato de expansão e desenvolvimento, para o franquiador, e a possibilidade de iniciar uma nova etapa da sua vida empresarial, para o franquiado. Dispondo de um mercado mais vasto, com um mínimo de investimento, ao
  • 6. contrário das filiais, em que o investimento é integralmente suportado por uma única estrutura empresarial, no franchaising o franquiador conta ainda com os pagamentos do franquiado: prestações periódicas e preços de aquisição dos produtos, residindo aqui, o elemento dinamizador de expansão e desenvolvimento. Juridicamente o franchaising é um contrato atípico. Isto quer dizer que se trata dum contrato que não tem regime jurídico próprio, ao contrário da locação financeira e do factoring, os quais são contratos tipificados na lei. O contrato de franchaising, consiste num sistema de distribuição em que uma parte (o franchisador) concede a uma outra parte (o franchisado) o direito de distribuir os produtos ou prestar serviços e a explorar um negócio de acordo com um dado sistema de marketing, com o mínimo de risco e de investimento. Atendendo a este facto, toda a sua disciplina, no nosso ordenamento jurídico se reporta à parte geral dos contratos, onde impera o princípio da liberdade contratual das partes (art. 405º e segs. CC). À luz deste princípio (autonomia privada), cabe às partes fixarem, em termos vinculativos, a disciplina que mais lhe aprouver, desde que conforme com a lei. a) Contrato de franchaising de distribuição: é o contrato pelo qual o franquiado se obriga a vender determinados produtos num estabelecimento seu, mas com o nome e imagem do franquiador, ou seja, o contrato visa a comercialização de determinados produtos do franquiador. b) Contratos de franchaising de serviço: o franquiado oferece serviços sobre a insígnia, o nome comercial ou a marca do franquiador, garantir a qualidade dos serviços fornecidos por operadores independentes sob a imagem e indicação dos franquiadores. c) Contrato de franchaising de produção industrial: o franquiado fica autorizado, mediante o fornecimento know-hout, por parte do franquiador, a produzir bens que depois vende sob a marca deste, resumindo, o sistema franquiado tem por objecto o fabrico e venda de um determinado produto. Os direitos permanentes (do franchisador) são normalmente indicados como principal fonte de rendimento do franchisador e constituem a maior contribuição para as suas despesas centrais, podem ser pagos numa das três formas:
  • 7.  Um royalty, uma percentagem fixa do volume de negócio, sobre o volume dos negócios.  Uma margem sobre o preço dos materiais adquiridos ao franchisador;  Um montante regular fixo por estabelecimento.