SlideShare uma empresa Scribd logo
Unidade 7 – Evolução biológica
Mecanismos da Evolução: Lamarckismo e darwinismo
Lamarck
- Jean Baptiste Pierre Antoine de Monet (1744 – 1829), naturalista
francês, trabalhou para a Coroa francesa, ficando conhecido como
cavaleiro de Lamarck.
- Lamarck foi o verdadeiro fundador do evolucionismo.
- Em 1808, ao estudar moluscos em Paris, Lamarck verificou que as
espécies sofreram mudanças adaptativas, ao que chamou
de transmutação das espécies ao longo do tempo.
- Através dessa constatação e de outros estudos, desenvolveu a teoria
da evolução, que ficou conhecida como Lamarckismo.
Lamarckismo
Lamarckismo foi a primeira teoria explicativa
sobre os mecanismos da evolução, na qual o
seu autor afirmava que as espécies sofriam
alterações ao longo do tempo, o que
possibilitava a evolução.
• Em 1809, Lamarck publicou a sua teoria no seu livro: "Filosofia da
Zoologia“.
Lamarckismo (Cont.)
Lamarck:
• enunciou a lei da gradação onde expôs a ideia de uma evolução progressiva, do mais
simples para o mais complexo;
• admitiu a geração espontânea para as formas mais simples de vida a partir de matéria
inerte;
• apresentou a lei da transformação das espécies (em que a evolução ocorria por ação do
ambiente) e a lei da adaptação (a função que um órgão desempenha vai determinar a sua
estrutura).
Lamarckismo (Cont.)
- Lamarck propôs duas ideias básicas para explicar os mecanismos que causavam as
modificações adaptativas que permitiam a evolução das espécies:
Lei do uso e do desuso – o uso de um órgão desenvolve-se e o seu
desuso atrofia-o.
Lei da herança dos carateres adquiridos – as alterações que se produzem
nos indivíduos ao longo da sua vida, como consequência do uso e do
desuso dos órgãos, são hereditárias, passando de geração em geração,
originando modificações morfológicas no conjunto da população.
Lamarckismo (Cont.)
• Segundo Lamarck, a evolução seria causada pela resposta dos organismos às condições
ambientais:
• Lamarck foi o primeiro a perceber a importância da adaptação dos seres vivos ao
ambiente e sua relação com a evolução. Portanto, as mudanças ocorridas no meio trariam
a necessidade de adaptação e, para isso, os seres sofreriam alterações que levariam à
evolução.
Lamarckismo (Cont.)
Exemplos clássicos das suas leis
• Um dos exemplos clássicos das leis de Lamarckismo é o pescoço das
girafas.
• Segundo Lamarck, inicialmente as girafas tinham o pescoço curto e
comiam vegetação rasteira.
• Devido a uma alteração ambiental reduziu este tipo de vegetação,
obrigando as girafas a procurar alimento nas árvores. Para isso,
estas eram obrigadas a esticar mais o pescoço, provocando, assim, o
desenvolvimento da musculatura e o seu progressivo alongamento
(Lei do uso e do desuso).
• O aumento do pescoço foi transmitido, de geração em geração aos
descendentes (Lei da herança dos carateres adquiridos).
• Assim, com o passar do tempo, o pescoço foi ficando
progressivamente maior, até atingir seu comprimento atual.
Lamarckismo (Cont.)
Exemplos clássicos das suas leis
• As aves aquáticas tornaram-se pernaltas devido ao
esforço que faziam no sentido de esticar as pernas
para evitar molhar as penas durante a procura de
alimentos na água.
• O tamanduá usa a língua para capturar formigas,
introduzindo-a nas estreitas galerias dos
formigueiros. A língua comprida desse animal terá
se desenvolvido em resposta às suas necessidades
alimentares.
Resumo do Lamarckismo
Lamarckismo: Aspetos aceitáveis e criticáveis
• Aspetos aceitáveis: a lei do uso e do desuso em parte é aceitável, pois na prática verifica-se
que, para alguns órgãos, o uso desenvolve-os e o desuso atrofia-os.
• Aspetos criticáveis:
- a necessidade de adaptação ou a procura da perfeição não pode ser testada cientificamente;
- a lei da herança dos carateres adquiridos não é válida, pois as características adquiridas,
provenientes do uso e do desuso dos órgãos, são adaptações individuais somáticas, logo não
são transmitidas aos descendentes.
Weismann, em 1800, para provar que a lei da
herança dos carateres adquiridos não fazia
sentido, cortou a cauda a um grupo de ratos
brancos e fez vários cruzamentos obtendo
sempre os mesmos resultados: todos os
descendentes nasciam com cauda.
Darwin
Charles Robert Darwin (1809-1882):
• Nasceu e morreu em Inglaterra e foi naturalista, geólogo e biólogo;
• Inicialmente era fixista, contudo, as observações e os dados que
recolheu vieram a alterar as suas ideias, passando a ser
evolucionista.
• Formulou a teoria da evolução das espécies, previu os mecanismos
genéticos e fundou a Biologia Moderna.
• É considerado o pai da “Teoria da Evolução das Espécies”.
Darwin (Cont.)
• Darwin viajou cinco anos pelo mundo, a bordo do navio “Beagle”, recolhendo fósseis, animais
e plantas.
• Ficou célebre por seus avanços sobre evolução e, após vinte anos de estudo, publicou o livro:
“ A Origem das Espécies”, que serviu de base para comprovar sua teoria: “A Teoria da Seleção
Natural”. (Alfred Wallace chegou a uma teoria similar à de Darwin).
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram
Darwin
- Dados da Geologia
Darwin foi influenciado pelo geólogo Charles Lyell, que estabeleceu a
Teoria do Uniformitarismo, a qual assenta no seguinte:
• As leis naturais são constantes no espaço e no tempo;
• Princípio das causas atuais (o passado é explicado a partir dos dados
do presente);
• Princípio do gradualismo (os acontecimentos geológicos são o
resultado de lentos e graduais processos da Natureza).
- Assim, Darwin fez a transposição dos princípios de Lyell da Geologia
Charles Lyell (1797-1875) para a Biologia, ou seja, como acontecia com os fenómenos geológicos,
também as espécies teriam evoluído lenta e gradualmente,
modificando as características presentes em algumas espécies.
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram
Darwin (cont.)
Dados da Biogeografia
• Os locais da viagem que
mais marcaram Darwin
foram os arquipélagos de
Cabo Verde (costa africana)
e de Galápagos (costa sul-
americana).
• Ele verificou que as espécies
de Cabo Verde eram
semelhantes às da Costa
africana, mas diferentes das
espécies de Galápagos.
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que
influenciaram Darwin (Cont.)
Dados da Biogeografia (Cont.)
• Darwin, na observação da fauna das ilhas Galápagos, encontrou sete variedades diferentes de
tartarugas gigantes, ocupando cada variedade a sua ilha.
• Contudo, também tinham grandes semelhanças entre si, fazendo supor a existência de um
ancestral comum.
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que
influenciaram Darwin (Cont.)
Dados da Biogeografia (Cont.)
Darwin, nas Galápagos, encontrou
catorze espécies de tentilhões e
constatou que apesar de possuírem
algumas diferenças (forma do bico, cor,
tamanho em função da alimentação),
eram muito semelhantes entre si e
semelhantes aos do continente
americano. Então admitiu que terão
tido uma origem comum.
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que
influenciaram Darwin (Cont.)
Dados da Biogeografia (Cont.)
• Nas Galápagos, os tentilhões desenvolveram adaptações relativas ao tipo de alimento
disponível em cada uma das ilhas (insetos, sementes, catos e outras plantas…). Por exemplo,
numa ilha rica em nozes, sobreviviam os tentilhões que tinham o bico forte e numa ilha onde
existia alimentos menos resistentes sobreviviam os que tinham o bico fino.
• Então, Darwin concluiu que as ilhas foram povoadas, provavelmente, a partir do continente
americano e as características particulares de cada ilha condicionaram a evolução de cada
espécie, daí a sua diferenciação e foi a partir dos tentilhões que criou a teoria da evolução
pela seleção natural.
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que
influenciaram Darwin (cont.)
Dados demográficos (Malthusianismo)
• Segundo Thomas Malthus (1766-1834), a população humana tende
a crescer exponencialmente (progressão geométrica), enquanto que
os recursos alimentares crescem em progressão aritmética. Isto faz
com que o crescimento da população humana seja limitado pela
nossa capacidade de produzir alimentos.
• Darwin adaptou as leis de Malthus para os animais e verificou que o
número de indivíduos se mantém mais ou menos constante.
Concluiu que isso se deve à escassez de alimentos que leva a uma
luta pela sobrevivência e, como resultado dessa competição, a
mortalidade compensa a natalidade e o crescimento da população
estabiliza. Tempo
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que
influenciaram Darwin (Cont.)
Seleção Artificial e Seleção Natural (Cont.)
Seleção artificial é o processo de cruzamentos realizado pelo Homem, em
que este seleciona indivíduos (plantas ou animais) com características
desejáveis e cruza-os com outros, originando seres com características
diferentes dos seus ancestrais.
Seleção natural é o processo em que a natureza, através dos
fatores ambientais, seleciona os indivíduos com características
mais vantajosas.
Darwinismo: Dados e Acontecimentos que
influenciaram Darwin (Cont.)
Seleção Artificial e Seleção
Natural (Cont.)
• Darwin era columbófilo (criador de
pombos) e, através desta sua
atividade, percebeu que se pode
obter grande diversidade de seres por
seleção artificial e, de um modo
análogo, é possível que ocorra na
natureza uma seleção, realizada pelos
fatores ambientais, designada por
seleção natural.
• A seleção natural é o conceito que
marca a teoria evolucionista de
Darwin.
Princípios Fundamentais do Darwinismo
Os seres vivos, mesmo os da mesma espécie, apresentam diferenças entre si - variabilidade intraespecífica.
As populações têm tendência para crescer em progressão geométrica.
O número de indivíduos de uma espécie geralmente não se altera muito de geração em geração.
Em cada geração uma parte dos seres é eliminada, porque se estabelece entre eles uma “luta pela sobrevivência”, devido à
competição pelo: alimento, refúgio, território/habitat, à capacidade de fuga aos predadores, etc.
Ao longo das gerações, os indivíduos que estão melhor adaptados (os que têm mais características vantajosas) sobrevivem e
os restantes são eliminados - sobrevivência do mais apto.
O meio ambiente exerce uma seleção natural, isto é, o ambiente por, seleção natural, favorece os indivíduos mais aptos e
elimina, gradualmente, os menos aptos.
Os indivíduos mais aptos vivem mais tempo e reproduzem-se mais, transmitindo as suas características à descendência, ou
seja, verifica-se uma reprodução diferencial.
A acumulação das pequenas variações determina, a longo prazo, a transformação e o aparecimento de novas espécies, isto é,
a reprodução diferencial permite ao longo do tempo a transformação e o aparecimento de novas espécies.
críticas ao Darwinismo
A teoria de Darwin:
- não explica as causas da variabilidade entre os seres de uma população;
- não explica as causas que levam ao aparecimento de mudanças bruscas.
Confronto entre o lamarckismo e o darwinismo
• Tanto Lamarck como Darwin defenderam teorias evolucionistas e ambos valorizaram a
adaptação e o papel do ambiente, como fatores importantes no processo evolutivo. No
entanto, apresentaram explicações distintas para a origem das espécies.
Para Darwin, o ambiente é o
agente que promove a seleção
natural, favorecendo os
indivíduos que estão melhor
adaptados a esse ambiente e
eliminando os menos adaptados.
Portanto, o ambiente é o motor da
evolução, por realizar uma seleção
natural dos mais aptos.
Para Lamarck, o ambiente cria necessidades
nos indivíduos que levam a modificações, com
vista a uma melhor adaptação, ou seja,
ambiente é o agente causador das modificações
– uma alteração do meio provoca nos seres o
aparecimento de novas características que lhes
permitem a adaptação a esse ambiente.
Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.)
Lamarck Darwin
- Inicialmente numa população os seres vivos eram iguais. - Inicialmente numa população os seres vivos
apresentavam diferenças – variações.
- Os seres pela ação do meio (ambiente) adquiriram - As diferentes características não eram adquiridas pela
características (uso ou desuso de órgãos) – características ação do meio, os seres já as possuíam.
adquiridas.
- As adaptações eram somáticas. - As adaptações eram evolutivas.
- As características adquiridas eram transmitidas à
descendência.
- As características favoráveis permitiam que os seres que
as possuíam sobrevivessem e as pudessem transmitir aos
descendentes.
- Os seres tinham uma evolução progressiva num curto
espaço de tempo.
- Os seres tinham uma evolução progressiva num longo
espaço de tempo.
Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.)
Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.)
Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.)
Lamarckismo Darwinismo
Princípios
fundamentais
- Lei do uso e desuso.
- Lei da herança dos carateres adquiridos.
- Variabilidade intraespecífica.
- Luta pela sobrevivência.
- Seleção natural.
- Sobrevivência dos mais aptos.
- Reprodução diferencial e o tempo.
Principais mecanismos - O ambiente e as necessidades dos indivíduos.
de evolução
- O ambiente e a seleção natural.
Não tem. Segundo Lamarck, as novas espécies
Variabilidade genética aparecem, por evolução, devido à aquisição ou
perda de carateres.
Intraespecífica.
Transmissão de
características
Os progenitores transmitem aos descendentes as
características adquiridas.
As características que permitiram ao
progenitor sobreviver, ou ser o mais apto, são
herdadas pelos seus descendentes.
Principais fragilidades - A lei do uso e do desuso não se aplica a todas as - Não explica a variabilidade existente entre
situações. os seres vivos que pertencem à mesma
espécie.
- Não explica as causas que levam ao
aparecimento de mudanças bruscas.
- A lei da herança dos carateres adquiridos não é
válida, pois as caraterísticas somáticas não são
transmitidas à descendência.
Questões de aplicação
1. Alguns anfíbios e répteis estão adaptados à vida subterrânea. Nesta situação, apresentam algumas características
corporais como, por exemplo, ausência de patas, corpo anelado que facilita o deslocamento no subsolo e, em alguns
casos, ausência de olhos.
Se um biólogo tentasse explicar a origem das adaptações mencionadas no texto, utilizando conceitos da teoria
evolutiva de Lamarck, ele diria que
(A) as características citadas no texto foram originadas por seleção natural.
(B) a ausência de olhos teria sido causada pela falta do uso dos mesmos.
(C) o corpo anelado é uma característica fortemente adaptativa, mas seria transmitida apenas à primeira geração de
descendentes.
(D) as patas teriam sido perdidas pela falta do uso e, em seguida, essa característica foi incorporada ao património
genético e então transmitida aos descendentes.
2. Darwin apresentou, em 1859, no livro A origem das espécies, as suas ideias a respeito dos mecanismos de evolução
pelo processo da seleção natural. Ao elaborar a sua teoria não conseguiu obter algumas respostas.
Darwin não conseguiu demonstrar em sua teoria
(A) a sobrevivência do mais apto.
(B) a herança das características dos pais pelos filhos.
(C) o crescimento exponencial das populações.
(D) a origem das variações entre os indivíduos.
Questões de aplicação (cont.)
3. Considere as seguintes afirmações:
I. Devido à necessidade de respirar ar atmosférico, certo animal passou a apresentar pulmões e
transmitiu essa característica aos descendentes.
II. As toupeiras atuais têm olhos atrofiados, porque seus ancestrais, por viverem sob a terra, não
necessitavam da visão.
III. De tanto comer capim, o intestino dos herbívoros foi ficando cada vez mais longo.
O pensamento de Lamarck pode ser percebido em
(A) I e II, apenas.
(B) III, apenas.
(C) II e III, apenas.
(D) I, II e III.
4. Uma ideia comum às teorias da evolução propostas por Darwin e por Lamarck é que a adaptação
resulta
(A) do sucesso reprodutivo diferencial.
(B) de uso e desuso de estruturas anatómicas.
(C) da interação entre os organismos e seus ambientes.
(D) da manutenção das melhores combinações génicas.
Questões de aplicação (cont.)
5. Das afirmações seguintes refira as que se referem à teoria de Lamarck e as que estão de acordo com a teoria
de Darwin
(A) Por terem o intestino longo, os herbívoros podem comer vegetais.
(B) Em cada tipo de ambiente sobrevivem as espécies que possuem variações favoráveis a esse meio.
(C) Quando o ambiente se altera o organismo adapta-se a essa alteração.
(D) Num ambiente seco, os organismos com pele espessa, sobreviverão e tenderão a deixar maior
descendência.
(E) O meio é um importante fator na evolução dos organismos.
(F) Na água, as aves aquáticas que possuem membranas interdigitais têm maior possibilidade de sobreviver.
(G) Pela necessidade de voar, o morcego apresenta membrana alar.
(H) Por ter membrana alar, o morcego consegue voar.
(I) O meio ambiente induziu no morcego a formação da membrana alar.
(J) O uso contínuo da membrana alar levou o morcego a desenvolvê-la.
Questões de aplicação (cont.)
6. Em determinada região da Birmânia,
colocam cinco anéis de metal no pescoço
das meninas quando atingem cinco anos.
Ao longo dos anos vão acrescentando
novos anéis e quando chegam à idade
adulta, essas mulheres apresentam um
pescoço que possui o dobro do
comprimento normal.
Esta tradição fará com que, nas próximas
gerações, nasçam indivíduos de pescoço
mais longo?
Justifique.
Soluções das Questões de aplicação
1. Alguns anfíbios e répteis estão adaptados à vida subterrânea. Nesta situação, apresentam algumas características
corporais como, por exemplo, ausência de patas, corpo anelado que facilita o deslocamento no subsolo e, em alguns
casos, ausência de olhos.
Se um biólogo tentasse explicar a origem das adaptações mencionadas no texto, utilizando conceitos da teoria
evolutiva de Lamarck, ele diria que
(A) as características citadas no texto foram originadas por seleção natural.
(B) a ausência de olhos teria sido causada pela falta do uso dos mesmos.
(C) o corpo anelado é uma característica fortemente adaptativa, mas seria transmitida apenas à primeira geração de
descendentes.
(D) as patas teriam sido perdidas pela falta do uso e, em seguida, essa característica foi incorporada ao património
genético e então transmitida aos descendentes.
2. Darwin apresentou, em 1859, no livro A origem das espécies, as suas ideias a respeito dos mecanismos de evolução
pelo processo da seleção natural. Ao elaborar a sua teoria não conseguiu obter algumas respostas.
O que esse autor não conseguiu demonstrar em sua teoria?
(A) a sobrevivência do mais apto.
(B) a herança das características dos pais pelos filhos.
(C) o crescimento exponencial das populações.
(D) a origem das variações entre os indivíduos.
Soluções das Questões de aplicação
3. Considere as seguintes afirmações:
I. Devido à necessidade de respirar ar atmosférico, certo animal passou a apresentar pulmões e
transmitiu essa característica aos descendentes.
II. As toupeiras atuais têm olhos atrofiados, porque seus ancestrais, por viverem sob a terra, não
necessitavam da visão.
III. De tanto comer capim, o intestino dos herbívoros foi ficando cada vez mais longo.
O pensamento de Lamarck pode ser percebido em
(A) I e II, apenas.
(B) III, apenas.
(C) II e III, apenas.
(D) I, II e III.
4. Uma ideia comum às teorias da evolução propostas por Darwin e por Lamarck é que a adaptação
resulta
(A) do sucesso reprodutivo diferencial.
(B) de uso e desuso de estruturas anatómicas.
(C) da interação entre os organismos e seus ambientes.
(D) da manutenção das melhores combinações génicas.
Soluções das Questões de aplicação (cont.)
5. Das afirmações seguintes refira as que se referem à teoria de Lamarck e as que estão de acordo com a teoria
de Darwin.
(A) Por terem o intestino longo, os herbívoros podem comer vegetais. D
(B) Em cada tipo de ambiente sobrevivem as espécies que possuem variações favoráveis a esse meio. D
(C) Quando o ambiente se altera o organismo adapta-se a essa alteração. L
(D) Num ambiente seco, os organismos com pele espessa, sobreviverão e tenderão a deixar maior
descendência. D
(E) O meio é um importante fator na evolução dos organismos. L e D
(F) Na água, as aves aquáticas que possuem membranas interdigitais têm maior possibilidade de sobreviver. D
(G) Pela necessidade de voar, o morcego apresenta membrana alar. L
(H) Por ter membrana alar, o morcego consegue voar. D
(I) O meio ambiente induziu no morcego a formação da membrana alar. L
(J) O uso contínuo da membrana alar levou o morcego a desenvolvê-la. L
Soluções das Questões de aplicação (cont.)
6. Esta situação prova que a lei da herança dos carateres adquiridos
não é válida, pois apesar dessas mulheres ficarem com os pescoços
mais longos, por usarem anéis ao pescoço durante anos, não passam
essa característica aos seus descendentes, já que é uma característica
somática.
Então nas próximas gerações não nascerão indivíduos com o pescoço
mais longo.
Bibliografia / Webgrafia
• SILVA, Amparo, et al; (2008); Terra, Universo de Vida, 1ª Parte Biologia, Biologia e
Geologia - 11º Ano; Porto Editora, Porto
• https://pt.slideshare.net/Vanesiinhaah/biologia-lamarckismo-e-darwinismo
• https://www.youtube.com/watch?v=n4ob928dkB4
• https://pt.slideshare.net/michelrodrigoatz/darwin-35100702
• https://www.slideshare.net/prof_kyoshi/3em-07-o-evolucionismo-2017
• https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Evolucao/evolucao16.php
• file:///C:/Users/joana/Downloads/PP-08-U7-Fixismo%20e%20Evolucionismo.pdf
• https://colegiovascodagama.pt/ciencias3c/onze/biologiaunidade7darwin.html
• https://pontobiologia.com.br/as-teorias-de-lamarck-e-darwin/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosAula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Leonardo Kaplan
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
Hugo Martins
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
mainamgar
 
Capítulo 2 a adaptação dos seres vivos
Capítulo 2   a adaptação dos seres vivosCapítulo 2   a adaptação dos seres vivos
Capítulo 2 a adaptação dos seres vivos
Daniel de Oliveira
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
Kamila Joyce
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
Reprodução plantas
Reprodução plantasReprodução plantas
Reprodução plantas
Sofia Mendes
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
O mundo da FÍSICA
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Bio
 
Teorias de evolução
Teorias de evoluçãoTeorias de evolução
Teorias de evolução
Alpha Colégio e Vestibulares
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
Luiz Lázaro Leal de Albuquerque
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Orgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogosOrgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogos
Andrea Barreto
 
Exercícios de Hereditariedade e Genética
Exercícios de Hereditariedade e GenéticaExercícios de Hereditariedade e Genética
Exercícios de Hereditariedade e Genética
Luis Silva
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
Iuri Fretta Wiggers
 
As teorias de lamarck e darwin
As teorias de lamarck e darwinAs teorias de lamarck e darwin
As teorias de lamarck e darwin
Elaine Cristina Nunes
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Leonardo Kaplan
 
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
GernciadeProduodeMat
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
URCA
 
2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos
2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos
2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos
Giselle Marques Goes
 

Mais procurados (20)

Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solosAula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
Aula 6º ano - Estrutura do planeta Terra, rochas e solos
 
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade(5)   2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
(5) 2008-2009 - 9º ano - noções básicas de hereditariedade
 
A primeira lei de mendel
A primeira lei de mendelA primeira lei de mendel
A primeira lei de mendel
 
Capítulo 2 a adaptação dos seres vivos
Capítulo 2   a adaptação dos seres vivosCapítulo 2   a adaptação dos seres vivos
Capítulo 2 a adaptação dos seres vivos
 
Seleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptaçãoSeleção natural e adaptação
Seleção natural e adaptação
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Reprodução plantas
Reprodução plantasReprodução plantas
Reprodução plantas
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Teorias de evolução
Teorias de evoluçãoTeorias de evolução
Teorias de evolução
 
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano1   introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
1 introdução ao Estudo da Biologia 1º ano
 
Genética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de HereditariedadeGenética: Noções de Hereditariedade
Genética: Noções de Hereditariedade
 
Orgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogosOrgãos análogos e homólogos
Orgãos análogos e homólogos
 
Exercícios de Hereditariedade e Genética
Exercícios de Hereditariedade e GenéticaExercícios de Hereditariedade e Genética
Exercícios de Hereditariedade e Genética
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
As teorias de lamarck e darwin
As teorias de lamarck e darwinAs teorias de lamarck e darwin
As teorias de lamarck e darwin
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
 
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
BIOLOGIA - 2ª SÉRIE - HABILIDADE DA BNCC - (EM13CNT206) D3
 
Pirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicasPirâmides ecológicas
Pirâmides ecológicas
 
2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos
2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos
2 sem 6ano_2_níveis de organização dos seres vivos
 

Semelhante a Lamarckismo e Darwinismo

A variabilidade de características.ppt
A variabilidade de características.pptA variabilidade de características.ppt
A variabilidade de características.ppt
CrisnaiaraCndido
 
ae_bf11_ppt9 (1).pptx
ae_bf11_ppt9 (1).pptxae_bf11_ppt9 (1).pptx
ae_bf11_ppt9 (1).pptx
SusanaAlves460000
 
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdfResumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
MARCELARUBIAGAVA
 
Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)
Leonardo Kaplan
 
11 evolucionismo
11  evolucionismo11  evolucionismo
11 evolucionismo
margaridabt
 
9 evolucionismo
9  evolucionismo9  evolucionismo
9 evolucionismo
margaridabt
 
11 evolucionismo
11  evolucionismo11  evolucionismo
11 evolucionismo
margaridabt
 
9°anoResumo sobre evolução.docx
9°anoResumo sobre evolução.docx9°anoResumo sobre evolução.docx
9°anoResumo sobre evolução.docx
celenubialiradeolive
 
AULAS TEORIAS gerações das populaçoes.pptx
AULAS TEORIAS gerações das  populaçoes.pptxAULAS TEORIAS gerações das  populaçoes.pptx
AULAS TEORIAS gerações das populaçoes.pptx
FranciscaalineBrito
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
URCA
 
Evolucao
EvolucaoEvolucao
Aula evolução
Aula evoluçãoAula evolução
Aula evolução
Laila Andrade
 
Evolução - Teorias evolutivas- Lamarck e Darwin
Evolução - Teorias evolutivas- Lamarck e DarwinEvolução - Teorias evolutivas- Lamarck e Darwin
Evolução - Teorias evolutivas- Lamarck e Darwin
723589
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
01.03 ideias de lamarck e darwin
01.03 ideias de lamarck e darwin01.03 ideias de lamarck e darwin
01.03 ideias de lamarck e darwin
IngridPinto7
 
1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx
1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx
1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx
YuZoDynSAN
 
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivosBiologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Jézili Dias
 
Aula 2 zoo i
Aula 2 zoo iAula 2 zoo i
Aula 2 zoo i
AleNiv
 
Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação
3a-manha
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
Brenno Miranda
 

Semelhante a Lamarckismo e Darwinismo (20)

A variabilidade de características.ppt
A variabilidade de características.pptA variabilidade de características.ppt
A variabilidade de características.ppt
 
ae_bf11_ppt9 (1).pptx
ae_bf11_ppt9 (1).pptxae_bf11_ppt9 (1).pptx
ae_bf11_ppt9 (1).pptx
 
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdfResumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
Resumo Teorias Evolutivas Lamarck Darwin e Neodarwinismo.pdf
 
Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)Aula 7º ano - Evolução (completo)
Aula 7º ano - Evolução (completo)
 
11 evolucionismo
11  evolucionismo11  evolucionismo
11 evolucionismo
 
9 evolucionismo
9  evolucionismo9  evolucionismo
9 evolucionismo
 
11 evolucionismo
11  evolucionismo11  evolucionismo
11 evolucionismo
 
9°anoResumo sobre evolução.docx
9°anoResumo sobre evolução.docx9°anoResumo sobre evolução.docx
9°anoResumo sobre evolução.docx
 
AULAS TEORIAS gerações das populaçoes.pptx
AULAS TEORIAS gerações das  populaçoes.pptxAULAS TEORIAS gerações das  populaçoes.pptx
AULAS TEORIAS gerações das populaçoes.pptx
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Evolucao
EvolucaoEvolucao
Evolucao
 
Aula evolução
Aula evoluçãoAula evolução
Aula evolução
 
Evolução - Teorias evolutivas- Lamarck e Darwin
Evolução - Teorias evolutivas- Lamarck e DarwinEvolução - Teorias evolutivas- Lamarck e Darwin
Evolução - Teorias evolutivas- Lamarck e Darwin
 
Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
01.03 ideias de lamarck e darwin
01.03 ideias de lamarck e darwin01.03 ideias de lamarck e darwin
01.03 ideias de lamarck e darwin
 
1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx
1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx
1653482484527_PPT LAMARCKISMO E DARWINISMO.pptx
 
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivosBiologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
Biologia Evolutiva - a origem dos seres vivos
 
Aula 2 zoo i
Aula 2 zoo iAula 2 zoo i
Aula 2 zoo i
 
Evolução - Especiação
Evolução - EspeciaçãoEvolução - Especiação
Evolução - Especiação
 
Evolução das espécies.
Evolução das espécies.Evolução das espécies.
Evolução das espécies.
 

Mais de Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal

Fixismo / Evolucionismo
Fixismo / EvolucionismoFixismo / Evolucionismo
Filosofia - As Primeiras Verdades de Descartes
Filosofia - As Primeiras Verdades de DescartesFilosofia - As Primeiras Verdades de Descartes
Filosofia - As Primeiras Verdades de Descartes
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
The messenger the story os joan of arc (1)
The messenger   the story os joan of arc (1)The messenger   the story os joan of arc (1)
The messenger the story os joan of arc (1)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
The messenger The Story of Joan of Arc
The messenger   The Story of Joan of ArcThe messenger   The Story of Joan of Arc
The messenger The Story of Joan of Arc
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Cyberbullying -
Cyberbullying - Cyberbullying -
Future Career - (English)
Future Career - (English)Future Career - (English)
Rússia revolução 1
Rússia  revolução 1Rússia  revolução 1
Gandhi
GandhiGandhi
Description of Photos in English
Description of Photos in EnglishDescription of Photos in English
Brazil x Australia - Trabalho de Inglês
Brazil x Australia - Trabalho de InglêsBrazil x Australia - Trabalho de Inglês
Brazil x Australia - Trabalho de Inglês
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)
Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)
Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Cultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa Amorim
Cultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa AmorimCultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa Amorim
Cultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa Amorim
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Teatro - Criação de um Personagem
Teatro  - Criação de um PersonagemTeatro  - Criação de um Personagem
Teatro - Criação de um Personagem
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)
Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)
Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Premio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIA
Premio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIAPremio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIA
Premio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIA
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
Um Olhar Sobre a Mudança Climática na Terra
Um Olhar Sobre a Mudança Climática na TerraUm Olhar Sobre a Mudança Climática na Terra
Um Olhar Sobre a Mudança Climática na Terra
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 
When I Grow Up
When I Grow UpWhen I Grow Up
Kent e Hegel
Kent e HegelKent e Hegel
Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)
Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)
Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)
Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal
 

Mais de Escola Secundária Carlos Amarante - Braga - Portugal (20)

Fixismo / Evolucionismo
Fixismo / EvolucionismoFixismo / Evolucionismo
Fixismo / Evolucionismo
 
Filosofia - As Primeiras Verdades de Descartes
Filosofia - As Primeiras Verdades de DescartesFilosofia - As Primeiras Verdades de Descartes
Filosofia - As Primeiras Verdades de Descartes
 
The messenger the story os joan of arc (1)
The messenger   the story os joan of arc (1)The messenger   the story os joan of arc (1)
The messenger the story os joan of arc (1)
 
The messenger The Story of Joan of Arc
The messenger   The Story of Joan of ArcThe messenger   The Story of Joan of Arc
The messenger The Story of Joan of Arc
 
Cyberbullying -
Cyberbullying - Cyberbullying -
Cyberbullying -
 
Future Career - (English)
Future Career - (English)Future Career - (English)
Future Career - (English)
 
Rússia revolução 1
Rússia  revolução 1Rússia  revolução 1
Rússia revolução 1
 
Gandhi
GandhiGandhi
Gandhi
 
Description of Photos in English
Description of Photos in EnglishDescription of Photos in English
Description of Photos in English
 
Brazil x Australia - Trabalho de Inglês
Brazil x Australia - Trabalho de InglêsBrazil x Australia - Trabalho de Inglês
Brazil x Australia - Trabalho de Inglês
 
Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)
Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)
Igrejas de Engenhos em Pernambuco - Manuela Pessoa Amorim (EIA)
 
Cultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa Amorim
Cultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa AmorimCultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa Amorim
Cultura Afro-Brasileira - (EIA) - Manuela Pessoa Amorim
 
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
Química - Modelos Atômicos - (dupla Luíza Lira e Manuela Pessoa Amorim)
 
Teatro - Criação de um Personagem
Teatro  - Criação de um PersonagemTeatro  - Criação de um Personagem
Teatro - Criação de um Personagem
 
Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)
Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)
Lançamento do Martelo - Manuela Pessoa Amorim 7º ano A (EIA)
 
Premio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIA
Premio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIAPremio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIA
Premio Nobel - Química (Aluna Manuela Pessoa Amorim) Escola EIA
 
Um Olhar Sobre a Mudança Climática na Terra
Um Olhar Sobre a Mudança Climática na TerraUm Olhar Sobre a Mudança Climática na Terra
Um Olhar Sobre a Mudança Climática na Terra
 
When I Grow Up
When I Grow UpWhen I Grow Up
When I Grow Up
 
Kent e Hegel
Kent e HegelKent e Hegel
Kent e Hegel
 
Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)
Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)
Gandhi - O Filme (trabalho do grupo)
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Lamarckismo e Darwinismo

  • 1.
  • 2. Unidade 7 – Evolução biológica Mecanismos da Evolução: Lamarckismo e darwinismo
  • 3. Lamarck - Jean Baptiste Pierre Antoine de Monet (1744 – 1829), naturalista francês, trabalhou para a Coroa francesa, ficando conhecido como cavaleiro de Lamarck. - Lamarck foi o verdadeiro fundador do evolucionismo. - Em 1808, ao estudar moluscos em Paris, Lamarck verificou que as espécies sofreram mudanças adaptativas, ao que chamou de transmutação das espécies ao longo do tempo. - Através dessa constatação e de outros estudos, desenvolveu a teoria da evolução, que ficou conhecida como Lamarckismo.
  • 4. Lamarckismo Lamarckismo foi a primeira teoria explicativa sobre os mecanismos da evolução, na qual o seu autor afirmava que as espécies sofriam alterações ao longo do tempo, o que possibilitava a evolução. • Em 1809, Lamarck publicou a sua teoria no seu livro: "Filosofia da Zoologia“.
  • 5. Lamarckismo (Cont.) Lamarck: • enunciou a lei da gradação onde expôs a ideia de uma evolução progressiva, do mais simples para o mais complexo; • admitiu a geração espontânea para as formas mais simples de vida a partir de matéria inerte; • apresentou a lei da transformação das espécies (em que a evolução ocorria por ação do ambiente) e a lei da adaptação (a função que um órgão desempenha vai determinar a sua estrutura).
  • 6. Lamarckismo (Cont.) - Lamarck propôs duas ideias básicas para explicar os mecanismos que causavam as modificações adaptativas que permitiam a evolução das espécies: Lei do uso e do desuso – o uso de um órgão desenvolve-se e o seu desuso atrofia-o. Lei da herança dos carateres adquiridos – as alterações que se produzem nos indivíduos ao longo da sua vida, como consequência do uso e do desuso dos órgãos, são hereditárias, passando de geração em geração, originando modificações morfológicas no conjunto da população.
  • 7. Lamarckismo (Cont.) • Segundo Lamarck, a evolução seria causada pela resposta dos organismos às condições ambientais: • Lamarck foi o primeiro a perceber a importância da adaptação dos seres vivos ao ambiente e sua relação com a evolução. Portanto, as mudanças ocorridas no meio trariam a necessidade de adaptação e, para isso, os seres sofreriam alterações que levariam à evolução.
  • 8. Lamarckismo (Cont.) Exemplos clássicos das suas leis • Um dos exemplos clássicos das leis de Lamarckismo é o pescoço das girafas. • Segundo Lamarck, inicialmente as girafas tinham o pescoço curto e comiam vegetação rasteira. • Devido a uma alteração ambiental reduziu este tipo de vegetação, obrigando as girafas a procurar alimento nas árvores. Para isso, estas eram obrigadas a esticar mais o pescoço, provocando, assim, o desenvolvimento da musculatura e o seu progressivo alongamento (Lei do uso e do desuso). • O aumento do pescoço foi transmitido, de geração em geração aos descendentes (Lei da herança dos carateres adquiridos). • Assim, com o passar do tempo, o pescoço foi ficando progressivamente maior, até atingir seu comprimento atual.
  • 9. Lamarckismo (Cont.) Exemplos clássicos das suas leis • As aves aquáticas tornaram-se pernaltas devido ao esforço que faziam no sentido de esticar as pernas para evitar molhar as penas durante a procura de alimentos na água. • O tamanduá usa a língua para capturar formigas, introduzindo-a nas estreitas galerias dos formigueiros. A língua comprida desse animal terá se desenvolvido em resposta às suas necessidades alimentares.
  • 11. Lamarckismo: Aspetos aceitáveis e criticáveis • Aspetos aceitáveis: a lei do uso e do desuso em parte é aceitável, pois na prática verifica-se que, para alguns órgãos, o uso desenvolve-os e o desuso atrofia-os. • Aspetos criticáveis: - a necessidade de adaptação ou a procura da perfeição não pode ser testada cientificamente; - a lei da herança dos carateres adquiridos não é válida, pois as características adquiridas, provenientes do uso e do desuso dos órgãos, são adaptações individuais somáticas, logo não são transmitidas aos descendentes. Weismann, em 1800, para provar que a lei da herança dos carateres adquiridos não fazia sentido, cortou a cauda a um grupo de ratos brancos e fez vários cruzamentos obtendo sempre os mesmos resultados: todos os descendentes nasciam com cauda.
  • 12. Darwin Charles Robert Darwin (1809-1882): • Nasceu e morreu em Inglaterra e foi naturalista, geólogo e biólogo; • Inicialmente era fixista, contudo, as observações e os dados que recolheu vieram a alterar as suas ideias, passando a ser evolucionista. • Formulou a teoria da evolução das espécies, previu os mecanismos genéticos e fundou a Biologia Moderna. • É considerado o pai da “Teoria da Evolução das Espécies”.
  • 13. Darwin (Cont.) • Darwin viajou cinco anos pelo mundo, a bordo do navio “Beagle”, recolhendo fósseis, animais e plantas. • Ficou célebre por seus avanços sobre evolução e, após vinte anos de estudo, publicou o livro: “ A Origem das Espécies”, que serviu de base para comprovar sua teoria: “A Teoria da Seleção Natural”. (Alfred Wallace chegou a uma teoria similar à de Darwin).
  • 14. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin - Dados da Geologia Darwin foi influenciado pelo geólogo Charles Lyell, que estabeleceu a Teoria do Uniformitarismo, a qual assenta no seguinte: • As leis naturais são constantes no espaço e no tempo; • Princípio das causas atuais (o passado é explicado a partir dos dados do presente); • Princípio do gradualismo (os acontecimentos geológicos são o resultado de lentos e graduais processos da Natureza). - Assim, Darwin fez a transposição dos princípios de Lyell da Geologia Charles Lyell (1797-1875) para a Biologia, ou seja, como acontecia com os fenómenos geológicos, também as espécies teriam evoluído lenta e gradualmente, modificando as características presentes em algumas espécies.
  • 15. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (cont.) Dados da Biogeografia • Os locais da viagem que mais marcaram Darwin foram os arquipélagos de Cabo Verde (costa africana) e de Galápagos (costa sul- americana). • Ele verificou que as espécies de Cabo Verde eram semelhantes às da Costa africana, mas diferentes das espécies de Galápagos.
  • 16. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (Cont.) Dados da Biogeografia (Cont.) • Darwin, na observação da fauna das ilhas Galápagos, encontrou sete variedades diferentes de tartarugas gigantes, ocupando cada variedade a sua ilha. • Contudo, também tinham grandes semelhanças entre si, fazendo supor a existência de um ancestral comum.
  • 17. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (Cont.) Dados da Biogeografia (Cont.) Darwin, nas Galápagos, encontrou catorze espécies de tentilhões e constatou que apesar de possuírem algumas diferenças (forma do bico, cor, tamanho em função da alimentação), eram muito semelhantes entre si e semelhantes aos do continente americano. Então admitiu que terão tido uma origem comum.
  • 18. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (Cont.) Dados da Biogeografia (Cont.) • Nas Galápagos, os tentilhões desenvolveram adaptações relativas ao tipo de alimento disponível em cada uma das ilhas (insetos, sementes, catos e outras plantas…). Por exemplo, numa ilha rica em nozes, sobreviviam os tentilhões que tinham o bico forte e numa ilha onde existia alimentos menos resistentes sobreviviam os que tinham o bico fino. • Então, Darwin concluiu que as ilhas foram povoadas, provavelmente, a partir do continente americano e as características particulares de cada ilha condicionaram a evolução de cada espécie, daí a sua diferenciação e foi a partir dos tentilhões que criou a teoria da evolução pela seleção natural.
  • 19. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (cont.) Dados demográficos (Malthusianismo) • Segundo Thomas Malthus (1766-1834), a população humana tende a crescer exponencialmente (progressão geométrica), enquanto que os recursos alimentares crescem em progressão aritmética. Isto faz com que o crescimento da população humana seja limitado pela nossa capacidade de produzir alimentos. • Darwin adaptou as leis de Malthus para os animais e verificou que o número de indivíduos se mantém mais ou menos constante. Concluiu que isso se deve à escassez de alimentos que leva a uma luta pela sobrevivência e, como resultado dessa competição, a mortalidade compensa a natalidade e o crescimento da população estabiliza. Tempo
  • 20. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (Cont.) Seleção Artificial e Seleção Natural (Cont.) Seleção artificial é o processo de cruzamentos realizado pelo Homem, em que este seleciona indivíduos (plantas ou animais) com características desejáveis e cruza-os com outros, originando seres com características diferentes dos seus ancestrais. Seleção natural é o processo em que a natureza, através dos fatores ambientais, seleciona os indivíduos com características mais vantajosas.
  • 21. Darwinismo: Dados e Acontecimentos que influenciaram Darwin (Cont.) Seleção Artificial e Seleção Natural (Cont.) • Darwin era columbófilo (criador de pombos) e, através desta sua atividade, percebeu que se pode obter grande diversidade de seres por seleção artificial e, de um modo análogo, é possível que ocorra na natureza uma seleção, realizada pelos fatores ambientais, designada por seleção natural. • A seleção natural é o conceito que marca a teoria evolucionista de Darwin.
  • 22. Princípios Fundamentais do Darwinismo Os seres vivos, mesmo os da mesma espécie, apresentam diferenças entre si - variabilidade intraespecífica. As populações têm tendência para crescer em progressão geométrica. O número de indivíduos de uma espécie geralmente não se altera muito de geração em geração. Em cada geração uma parte dos seres é eliminada, porque se estabelece entre eles uma “luta pela sobrevivência”, devido à competição pelo: alimento, refúgio, território/habitat, à capacidade de fuga aos predadores, etc. Ao longo das gerações, os indivíduos que estão melhor adaptados (os que têm mais características vantajosas) sobrevivem e os restantes são eliminados - sobrevivência do mais apto. O meio ambiente exerce uma seleção natural, isto é, o ambiente por, seleção natural, favorece os indivíduos mais aptos e elimina, gradualmente, os menos aptos. Os indivíduos mais aptos vivem mais tempo e reproduzem-se mais, transmitindo as suas características à descendência, ou seja, verifica-se uma reprodução diferencial. A acumulação das pequenas variações determina, a longo prazo, a transformação e o aparecimento de novas espécies, isto é, a reprodução diferencial permite ao longo do tempo a transformação e o aparecimento de novas espécies.
  • 23. críticas ao Darwinismo A teoria de Darwin: - não explica as causas da variabilidade entre os seres de uma população; - não explica as causas que levam ao aparecimento de mudanças bruscas.
  • 24. Confronto entre o lamarckismo e o darwinismo • Tanto Lamarck como Darwin defenderam teorias evolucionistas e ambos valorizaram a adaptação e o papel do ambiente, como fatores importantes no processo evolutivo. No entanto, apresentaram explicações distintas para a origem das espécies. Para Darwin, o ambiente é o agente que promove a seleção natural, favorecendo os indivíduos que estão melhor adaptados a esse ambiente e eliminando os menos adaptados. Portanto, o ambiente é o motor da evolução, por realizar uma seleção natural dos mais aptos. Para Lamarck, o ambiente cria necessidades nos indivíduos que levam a modificações, com vista a uma melhor adaptação, ou seja, ambiente é o agente causador das modificações – uma alteração do meio provoca nos seres o aparecimento de novas características que lhes permitem a adaptação a esse ambiente.
  • 25. Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.) Lamarck Darwin - Inicialmente numa população os seres vivos eram iguais. - Inicialmente numa população os seres vivos apresentavam diferenças – variações. - Os seres pela ação do meio (ambiente) adquiriram - As diferentes características não eram adquiridas pela características (uso ou desuso de órgãos) – características ação do meio, os seres já as possuíam. adquiridas. - As adaptações eram somáticas. - As adaptações eram evolutivas. - As características adquiridas eram transmitidas à descendência. - As características favoráveis permitiam que os seres que as possuíam sobrevivessem e as pudessem transmitir aos descendentes. - Os seres tinham uma evolução progressiva num curto espaço de tempo. - Os seres tinham uma evolução progressiva num longo espaço de tempo.
  • 26. Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.)
  • 27. Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.)
  • 28. Confronto entre o lamarwismo e o darwinismo (Cont.) Lamarckismo Darwinismo Princípios fundamentais - Lei do uso e desuso. - Lei da herança dos carateres adquiridos. - Variabilidade intraespecífica. - Luta pela sobrevivência. - Seleção natural. - Sobrevivência dos mais aptos. - Reprodução diferencial e o tempo. Principais mecanismos - O ambiente e as necessidades dos indivíduos. de evolução - O ambiente e a seleção natural. Não tem. Segundo Lamarck, as novas espécies Variabilidade genética aparecem, por evolução, devido à aquisição ou perda de carateres. Intraespecífica. Transmissão de características Os progenitores transmitem aos descendentes as características adquiridas. As características que permitiram ao progenitor sobreviver, ou ser o mais apto, são herdadas pelos seus descendentes. Principais fragilidades - A lei do uso e do desuso não se aplica a todas as - Não explica a variabilidade existente entre situações. os seres vivos que pertencem à mesma espécie. - Não explica as causas que levam ao aparecimento de mudanças bruscas. - A lei da herança dos carateres adquiridos não é válida, pois as caraterísticas somáticas não são transmitidas à descendência.
  • 29. Questões de aplicação 1. Alguns anfíbios e répteis estão adaptados à vida subterrânea. Nesta situação, apresentam algumas características corporais como, por exemplo, ausência de patas, corpo anelado que facilita o deslocamento no subsolo e, em alguns casos, ausência de olhos. Se um biólogo tentasse explicar a origem das adaptações mencionadas no texto, utilizando conceitos da teoria evolutiva de Lamarck, ele diria que (A) as características citadas no texto foram originadas por seleção natural. (B) a ausência de olhos teria sido causada pela falta do uso dos mesmos. (C) o corpo anelado é uma característica fortemente adaptativa, mas seria transmitida apenas à primeira geração de descendentes. (D) as patas teriam sido perdidas pela falta do uso e, em seguida, essa característica foi incorporada ao património genético e então transmitida aos descendentes. 2. Darwin apresentou, em 1859, no livro A origem das espécies, as suas ideias a respeito dos mecanismos de evolução pelo processo da seleção natural. Ao elaborar a sua teoria não conseguiu obter algumas respostas. Darwin não conseguiu demonstrar em sua teoria (A) a sobrevivência do mais apto. (B) a herança das características dos pais pelos filhos. (C) o crescimento exponencial das populações. (D) a origem das variações entre os indivíduos.
  • 30. Questões de aplicação (cont.) 3. Considere as seguintes afirmações: I. Devido à necessidade de respirar ar atmosférico, certo animal passou a apresentar pulmões e transmitiu essa característica aos descendentes. II. As toupeiras atuais têm olhos atrofiados, porque seus ancestrais, por viverem sob a terra, não necessitavam da visão. III. De tanto comer capim, o intestino dos herbívoros foi ficando cada vez mais longo. O pensamento de Lamarck pode ser percebido em (A) I e II, apenas. (B) III, apenas. (C) II e III, apenas. (D) I, II e III. 4. Uma ideia comum às teorias da evolução propostas por Darwin e por Lamarck é que a adaptação resulta (A) do sucesso reprodutivo diferencial. (B) de uso e desuso de estruturas anatómicas. (C) da interação entre os organismos e seus ambientes. (D) da manutenção das melhores combinações génicas.
  • 31. Questões de aplicação (cont.) 5. Das afirmações seguintes refira as que se referem à teoria de Lamarck e as que estão de acordo com a teoria de Darwin (A) Por terem o intestino longo, os herbívoros podem comer vegetais. (B) Em cada tipo de ambiente sobrevivem as espécies que possuem variações favoráveis a esse meio. (C) Quando o ambiente se altera o organismo adapta-se a essa alteração. (D) Num ambiente seco, os organismos com pele espessa, sobreviverão e tenderão a deixar maior descendência. (E) O meio é um importante fator na evolução dos organismos. (F) Na água, as aves aquáticas que possuem membranas interdigitais têm maior possibilidade de sobreviver. (G) Pela necessidade de voar, o morcego apresenta membrana alar. (H) Por ter membrana alar, o morcego consegue voar. (I) O meio ambiente induziu no morcego a formação da membrana alar. (J) O uso contínuo da membrana alar levou o morcego a desenvolvê-la.
  • 32. Questões de aplicação (cont.) 6. Em determinada região da Birmânia, colocam cinco anéis de metal no pescoço das meninas quando atingem cinco anos. Ao longo dos anos vão acrescentando novos anéis e quando chegam à idade adulta, essas mulheres apresentam um pescoço que possui o dobro do comprimento normal. Esta tradição fará com que, nas próximas gerações, nasçam indivíduos de pescoço mais longo? Justifique.
  • 33. Soluções das Questões de aplicação 1. Alguns anfíbios e répteis estão adaptados à vida subterrânea. Nesta situação, apresentam algumas características corporais como, por exemplo, ausência de patas, corpo anelado que facilita o deslocamento no subsolo e, em alguns casos, ausência de olhos. Se um biólogo tentasse explicar a origem das adaptações mencionadas no texto, utilizando conceitos da teoria evolutiva de Lamarck, ele diria que (A) as características citadas no texto foram originadas por seleção natural. (B) a ausência de olhos teria sido causada pela falta do uso dos mesmos. (C) o corpo anelado é uma característica fortemente adaptativa, mas seria transmitida apenas à primeira geração de descendentes. (D) as patas teriam sido perdidas pela falta do uso e, em seguida, essa característica foi incorporada ao património genético e então transmitida aos descendentes. 2. Darwin apresentou, em 1859, no livro A origem das espécies, as suas ideias a respeito dos mecanismos de evolução pelo processo da seleção natural. Ao elaborar a sua teoria não conseguiu obter algumas respostas. O que esse autor não conseguiu demonstrar em sua teoria? (A) a sobrevivência do mais apto. (B) a herança das características dos pais pelos filhos. (C) o crescimento exponencial das populações. (D) a origem das variações entre os indivíduos.
  • 34. Soluções das Questões de aplicação 3. Considere as seguintes afirmações: I. Devido à necessidade de respirar ar atmosférico, certo animal passou a apresentar pulmões e transmitiu essa característica aos descendentes. II. As toupeiras atuais têm olhos atrofiados, porque seus ancestrais, por viverem sob a terra, não necessitavam da visão. III. De tanto comer capim, o intestino dos herbívoros foi ficando cada vez mais longo. O pensamento de Lamarck pode ser percebido em (A) I e II, apenas. (B) III, apenas. (C) II e III, apenas. (D) I, II e III. 4. Uma ideia comum às teorias da evolução propostas por Darwin e por Lamarck é que a adaptação resulta (A) do sucesso reprodutivo diferencial. (B) de uso e desuso de estruturas anatómicas. (C) da interação entre os organismos e seus ambientes. (D) da manutenção das melhores combinações génicas.
  • 35. Soluções das Questões de aplicação (cont.) 5. Das afirmações seguintes refira as que se referem à teoria de Lamarck e as que estão de acordo com a teoria de Darwin. (A) Por terem o intestino longo, os herbívoros podem comer vegetais. D (B) Em cada tipo de ambiente sobrevivem as espécies que possuem variações favoráveis a esse meio. D (C) Quando o ambiente se altera o organismo adapta-se a essa alteração. L (D) Num ambiente seco, os organismos com pele espessa, sobreviverão e tenderão a deixar maior descendência. D (E) O meio é um importante fator na evolução dos organismos. L e D (F) Na água, as aves aquáticas que possuem membranas interdigitais têm maior possibilidade de sobreviver. D (G) Pela necessidade de voar, o morcego apresenta membrana alar. L (H) Por ter membrana alar, o morcego consegue voar. D (I) O meio ambiente induziu no morcego a formação da membrana alar. L (J) O uso contínuo da membrana alar levou o morcego a desenvolvê-la. L
  • 36. Soluções das Questões de aplicação (cont.) 6. Esta situação prova que a lei da herança dos carateres adquiridos não é válida, pois apesar dessas mulheres ficarem com os pescoços mais longos, por usarem anéis ao pescoço durante anos, não passam essa característica aos seus descendentes, já que é uma característica somática. Então nas próximas gerações não nascerão indivíduos com o pescoço mais longo.
  • 37. Bibliografia / Webgrafia • SILVA, Amparo, et al; (2008); Terra, Universo de Vida, 1ª Parte Biologia, Biologia e Geologia - 11º Ano; Porto Editora, Porto • https://pt.slideshare.net/Vanesiinhaah/biologia-lamarckismo-e-darwinismo • https://www.youtube.com/watch?v=n4ob928dkB4 • https://pt.slideshare.net/michelrodrigoatz/darwin-35100702 • https://www.slideshare.net/prof_kyoshi/3em-07-o-evolucionismo-2017 • https://www.sobiologia.com.br/conteudos/Evolucao/evolucao16.php • file:///C:/Users/joana/Downloads/PP-08-U7-Fixismo%20e%20Evolucionismo.pdf • https://colegiovascodagama.pt/ciencias3c/onze/biologiaunidade7darwin.html • https://pontobiologia.com.br/as-teorias-de-lamarck-e-darwin/