SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS 
CURSO DE QUÍMICA 
DISCIPLINA DE QUÍMICA INORGÂNICA II A 
Síntese do trioxalatocromato (III) 
de potássio 
Discentes: Luciana Natália Cividatti 
Renato Cesar de Souza 
Docente: Prof. Dr. Bernard J L Gardes 
Londrina 
2006
INTRODUÇÃO 
O oxalato (C2O4)2- tem a propriedade de formar sais insolúveis com diversos cátions 
que possuam carga (2+), e apresenta também uma certa facilidade em formar 
complexos. Geralmente aparece formando 2 ligações com o mesmo cátion, como 
por exemplo no K3[Cr(C2O4)3] – trioxalatocromato(III) de potássio. 
O ânion oxalato, além de apresentar-se na forma bidentada, pode também 
se apresentar como ligante unidentado e possui ainda a possibilidade de atuar como 
ponte de ligação. 
No caso do trioxalatocromato, o Cr3+ possui uma configuração d3, e por 
estar ligado ao oxalato, que é um ligante de campo fraco, resulta numa configuração 
de spin baixo”. Sendo assim a um octaedro sem deformação e paramagnético com 
μs= 3,9μB. 
Vários íons metálicos trivalentes formam complexos, com o ligante bi dentado 
oxalato, de fórmula geral Alk3M(C2O4)3. Esses complexos são similares em várias 
propriedades. Eles são bastante solúveis em água, ionizam para dar álcalis 
complexos e íons oxalato, e apresentam formas cristalinas similares. Em 1912, 
Werner conseguiu isolar o isômero óptico do complexo trioxalatocormato (III) de 
potássio. Desde então, tem sido feitas várias tentativas para se obter isômeros 
ópticos de outros sais complexos de oxalato similares ao obtido por Werner, e na 
maioria das vezes, tem-se obtido sucesso. Foram encontrados isômeros ópticos dos 
seguintes íons metálicos ligado ao oxalato: Cromo, cobalto, ferro, alumínio, ródio, 
irídio e gálio. 
As propriedades térmicas de complexos de oxalato vêm sendo 
extensivamente estudadas. Tem-se descoberto que a natureza do íon metálico 
central influencia não apenas na desidratação, mas também na decomposição dos 
complexos anidros. Alem do mais, a estabilidade dos complexos anidros depende 
também do cátion central: a estabilidade térmica diminui assim que a afinidade 
eletrônica do íon metálico central aumenta. 
Complexos metálicos com o ligante oxalato têm chamado bastante atenção 
hoje em dia devido aos vários tipos de grupos moleculares que apresentam 
magnetização espontânea. Essas substâncias ferro magnética apresentam ligações
bi- ou tri- dimensional, as quais são agrupadas com íons de metais de transição 
ligados via ligante bi dentado oxalato. 
QUESTÕES 
Indicar o(s) elemento(s) oxidado(s) e reduzido(s) nesta síntese. 
O carbono é o elemento oxidado e o crômio é o elemento reduzido como segue 
abaixo: 
Semi-reação de oxidação: C2O4 
2+ 2 CO2 + 2 e- (C3+ é oxidado a C4+) 
Semi-reação de redução: Cr2O7 
2- + 14 H+ + 6 e- 2Cr3+ +7 H2O (Cr6+ é reduzido 
a Cr3+) 
Reação global: 
3 C2O4 
2- + Cr2O7 
2- + 14 H+ 6 CO2 + 2 Cr3+ + 7 H2O 
Escrever as equações químicas das reações desenvolvidas durante a preparação 
deste composto. 
2 K2C2O4·H2O 4 K+ + 2 C2O4 
2- + 7 H2O 
7 H2C2O4·2 H2O 14 H+ + 7 C2O4 
2- + 14 H2O 
K2Cr2O7 2K+ + Cr2O7 
2- 
3 C2O4 6 CO2 + 6 e- 
Cr2O7 
2- + 14 H+ + 6 e- 2 Cr3+ + 7 H20 
2 Cr3+ + 12 H2O 2 [Cr(H2O)6]3+ 
2 [Cr(H2O)6]3+ + 6 C2O4 
2- + 6 K+ 2 K3[Cr(C2O4)3]·3 H2O + 6H2O 
Reação global: 
2K2C2O4·H2O + 7H2C2O4·2H2O + K2Cr2O7 2K3[Cr(C2O4)3]·3H2O + 6CO2 + 17H2O
RENDIMENTO 
Inicialmente foram utilizou-se 3,0013 g (0,0163 mols) de oxalato de potássio 
(K2C2O4·H2O) para reagir com 7,0220 g (0,0557 mols) de ácido oxálico dihidratado 
(C2H2O4·2H2O) e 2,5100 g (0,0085 mols) de dicromato de potássio (K2Cr2O7). 
Seriam necessários 0,05705 mols de ácido oxálico para reagir com o oxalato de 
potássio, mas temos apenas 0,0557 mols de ácido oxálico, sendo assim, 
estequiometricamente, o ácido oxálico é o reagente limitante da reação. 
Sabendo-se que os pesos moleculares do K2C2O4·H2O, C2H2O4·2H2O e do 
K2Cr2O7 são respectivamente 184,24 g.mol-1, 126,07 e 294,18 g.mol-1 e que para 
cada sete mols de C2H2O4·2H2O consumido há a formação de um mol de 
K3[Cr(C2O4)3]·3H2O (487,402 g.mol-1), temos que: 
Massa inicial de C2H2O4·2H2O: 7,0220 g 
1 mol de C2H2O4·2H2O = 126,07 g de C2H2O4·2H2O 
7,0220 g x (1 mol / 126,07 g) = 0,0557 mols de C2H2O4·2H2O 
0,0557 mols de C2H2O4·2H2O  0,0159 mols de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O 
Rendimento esperado: 
1 mol de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O = 487,402 g de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O 
0,0159 mols x (487,402 g / 1 mol) = 7,7497 g de Na3 [Co(NO2)6] 
Rendimento obtido: 
Massa obtida pelo experimento de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O = 6,9235 g 
6,9235 g x (100% / 7,7497 g) = 89%
INTERPRETAÇÃO DO ESPECTRO DE INFRAVERMELHO 
FIGURA 1. Espectro de Infravermelho do trioxalatocromato (III) de potássio. 
A partir do espectro de infravermelho do complexo sintetizado fez-se uma 
análise das bandas apresentadas pelo mesmo para que se pudesse caracteriza-lo 
como segue: 
Banda Freqüência teórica Freqüência prática Banda característica 
1 1708 cm-1 1704 cm-1 
Vibração de alongamento 
assimétrica (CO) - na(CO). 
2 1684 cm-1 1681 cm-1 
Vibração de alongamento 
assimétrica (CO) - na(CO). 
3 1387 cm-1 1401 cm-1 
Vibração de alongamento 
simétrica (CO) e vibração de 
alongamento (CC) - ns(CO) + 
n(CC) 
4 1253 cm-1 1250 cm-1 
Vibração de alongamento 
simétrica (CO) e deformação 
dentro do plano (O-C=O) - ns(CO) 
+ d (O-C=O) 
5 893 cm-1 909 cm-1 Vibração de alongamento 
simétrica (CO) e deformação 
1 2 
3 
4 
5 
6 
7 
8 
9 
10
dentro do plano (O-C=O) - ns(CO) 
+ d (O-C=O) 
6 810 cm-1 818 cm-1 
Deformação dentro do plano (O-C= 
O) e vibração de alongamento 
(MO) - d(O-C=O) + n(MO) 
7 595 cm-1 598 cm-1 Água cristalizada 
8 543 cm-1 545 cm-1 
Vibração de alongamento (MO) e 
vibração de alongamento (CC) - 
n(MO) + n(CC) 
9 485 cm-1 492 cm-1 
Deformação do anel e deformação 
dentro do plano (O-C=O) – Def. do 
anel + d(O-C=O) 
10 415 cm-1 417 cm-1 
Vibração de alongamento (MO) e 
deformação do anel - n(MO) + Def. 
do anel 
INTERPRETAÇÃO DO ESPECTRO VISÍVEL 
0,05 
0,00 
-0,05 
-0,10 
-0,15 
-0,20 
-0,25 
-0,30 
1 
2 
350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 
Absorvância 
Comprimento de onda / nm 
FIGURA 2. Espectro vísivel do trioxalatocromato (III) de potássio. 
a) Atribuição de bandas: 
v1= 570 nm = 570 x 10-9 m = 570 x 10-7 cm = 17544 cm-1 
v2= 420 nm = 420 x 10-9 m = 420 x 10-7 cm = 23810 cm-1
Transições 
4T1 4A2 → 17544 cm-1 
4T2 4A2 → 23810 cm-1 
v2/v1 = 1,36 
b) Cálculo de B (utilizando o Diagrama de Tanabe Sugano) 
Cr3+ : d3 C2O4 
2- : Ligante de campo fraco 
L=3 2s+1=4 - termo 4F 
Δo/B = 29 
E/B1=29 B1= 605 cm-1 
E/B2=41 B2 = 581 cm-1 
B = 593 cm-1 
c) Cálculo de Δo 
Δo teórico: 
Conforme a tabela de valores representativos de Δo para vários íons metálicos e 
grupos ligantes deduzidos dos dados do espectro, Δo = 17000 cm-1; e conforme a 
tabela de parâmetros para estimulação empírica de Δo e B para várias combinações 
dos grupos ligantes e íons metálicos Δo = 16660 cm-1. Sendo assim temos que: 
16160 cm-1 < Δo < 17500 cm-1 
Como Δo /B = 29, e considerando-se B = 593 cm-1: 
Δo = 17197 cm-1 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
N. RAJIC.; D. STOJACOVIK. On the Termal Decompositions of the Trivalent 
Trioxalato Complexes of Al, Cr, Mn, Fe and Co. Journal of Thermal Analysis and 
Calorimetry, v. 63, p. 191-195, 2001. 
F. A. LONG. The Exchange of Oxalates of some Complex Trioxalate Ions of Trivalent 
Metals. p. 1353, 1941. 
BASOLO, F.; JOHNSON, R. Coordenation chemistry, the chemistry of metal 
complexs. Califórnia: W. A. Benjamim, 1964. 127p. 
NAKAMOTO, K. Infrared and ramam spectro of inorganic and coordenation 
compounds. 4.ed. USA: Wiley-Interscience Plubication, 1986. 
OHLWEILWER, O. A. Química inorgânica. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 
1971. 639-646p. 
SEMICHIN, V. Práticas de química geral inorgânica. São Paulo: Editora Mir 
Moscovo, 1979. 205-207 e 332-334p.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Erica Souza
 
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Cybele Sobrenome
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
Larissa Fernandes
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
José Nunes da Silva Jr.
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
José Nunes da Silva Jr.
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Fernanda Borges de Souza
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Gustavo Silveira
 
Ciclo de born haber
Ciclo de born haberCiclo de born haber
Ciclo de born haber
Luiz Fabiano
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
arceariane87
 
191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)
191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)
191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)
Wilson Xavier
 
simetria-molecular-2
 simetria-molecular-2 simetria-molecular-2
simetria-molecular-2
Marcelo de Souza
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Cybele Sobrenome
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
Railane Freitas
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
Adrianne Mendonça
 
Ciclo de born_haber
Ciclo de born_haberCiclo de born_haber
Ciclo de born_haber
Fernando Cunha
 
Exercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos QuimicaExercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos Quimica
Luiz Fabiano
 
Reações de Eliminação
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
Reações de Eliminação
José Nunes da Silva Jr.
 
Relatório sobre esteres
Relatório sobre esteres Relatório sobre esteres
Relatório sobre esteres
nataschabraga
 
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos OrgânicosReações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Luís Rita
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
LuaneGS
 

Mais procurados (20)

Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo IIRelatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
Relatorio de Química analítica Qualitativa cátions grupo II
 
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
Síntese e caracterização do cloreto de hexaamminníquel (ii)
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e DerivadosReações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
Reações de Ácidos Carboxílicos e Derivados
 
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de EliminaçãoReações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
Reações de Substituição Nucleofílica e de Eliminação
 
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometriaRelatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
Relatório - volumetria de óxido-redução permanganometria
 
Aula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílicaAula 16 19 substituição nucleofílica
Aula 16 19 substituição nucleofílica
 
Ciclo de born haber
Ciclo de born haberCiclo de born haber
Ciclo de born haber
 
Introdução
IntroduçãoIntrodução
Introdução
 
191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)
191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)
191634109 tabela-de-correlacao-de-infravermelho (2)
 
simetria-molecular-2
 simetria-molecular-2 simetria-molecular-2
simetria-molecular-2
 
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódioSíntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
Síntese e utilização do hexanitrocobaltato (iii) de sódio
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
Equilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitaçãoEquilibrio de precipitação
Equilibrio de precipitação
 
Ciclo de born_haber
Ciclo de born_haberCiclo de born_haber
Ciclo de born_haber
 
Exercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos QuimicaExercícios Resolvidos Quimica
Exercícios Resolvidos Quimica
 
Reações de Eliminação
Reações de EliminaçãoReações de Eliminação
Reações de Eliminação
 
Relatório sobre esteres
Relatório sobre esteres Relatório sobre esteres
Relatório sobre esteres
 
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos OrgânicosReações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
Reações Ácido-Base para Separação de Compostos Orgânicos
 
Relatório Potenciometria
Relatório PotenciometriaRelatório Potenciometria
Relatório Potenciometria
 

Destaque

Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...
Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...
Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...
Dharma Initiative
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Lucas Valente
 
Apostila inorganica Experimental
Apostila inorganica ExperimentalApostila inorganica Experimental
Apostila inorganica Experimental
Alex Junior
 
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Dharma Initiative
 
Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...
Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...
Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...
Evellyn Santos
 
Qet2006 1
Qet2006 1Qet2006 1
Polissacarídeos
PolissacarídeosPolissacarídeos
Polissacarídeos
Aline Costa
 
Química analítica qualitativa p1
Química analítica qualitativa   p1Química analítica qualitativa   p1
Química analítica qualitativa p1
Danielle Cruz
 
06. contrato social john locke
06. contrato social   john locke06. contrato social   john locke
06. contrato social john locke
Hernando Professor
 

Destaque (9)

Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...
Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...
Química dos Elementos de Transição Experimental - Experimento III - Tris(oxal...
 
Estudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobreEstudo do ferro, cobalto e cobre
Estudo do ferro, cobalto e cobre
 
Apostila inorganica Experimental
Apostila inorganica ExperimentalApostila inorganica Experimental
Apostila inorganica Experimental
 
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
Tabela de Valores de Absorção no Espectro de Infravermelho para Compostos Org...
 
Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...
Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...
Um guia para resolver problemas e interpretar espectros em espectrometria de ...
 
Qet2006 1
Qet2006 1Qet2006 1
Qet2006 1
 
Polissacarídeos
PolissacarídeosPolissacarídeos
Polissacarídeos
 
Química analítica qualitativa p1
Química analítica qualitativa   p1Química analítica qualitativa   p1
Química analítica qualitativa p1
 
06. contrato social john locke
06. contrato social   john locke06. contrato social   john locke
06. contrato social john locke
 

Semelhante a Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio

Aula Oxirredução (Regra do Nox).ppt
Aula Oxirredução (Regra do Nox).pptAula Oxirredução (Regra do Nox).ppt
Aula Oxirredução (Regra do Nox).ppt
DianeRgis
 
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).pptOxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
PedroHenrique159156
 
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdfOxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
HlioBuenagaSevilha
 
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
Concurseiro De Plantão
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
João Paulo Costa
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Lista de revisão2 ano
Lista de revisão2 anoLista de revisão2 ano
Lista de revisão2 ano
Alovargao Alquimista
 
Lista de revisão2 ano
Lista de revisão2 anoLista de revisão2 ano
Lista de revisão2 ano
Alovargao Alquimista
 
Lista de revisão2 ano
Lista de revisão2 anoLista de revisão2 ano
Lista de revisão2 ano
Alovargao Alquimista
 
Aula 20 05 - alcidenio
Aula 20 05 - alcidenioAula 20 05 - alcidenio
Aula 20 05 - alcidenio
alcidenio
 
Lista 25 cálculo estequiométrico
Lista 25   cálculo estequiométricoLista 25   cálculo estequiométrico
Lista 25 cálculo estequiométrico
Colegio CMC
 
Apoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabaritoApoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabarito
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Reações de oxidação backup
Reações de oxidação backupReações de oxidação backup
Reações de oxidação backup
Carlos Kramer
 
Nox e Reações de Óxido Redução
Nox e Reações de Óxido ReduçãoNox e Reações de Óxido Redução
Nox e Reações de Óxido Redução
Fábio Oisiovici
 
Eletroquímica
Eletroquímica Eletroquímica
Eletroquímica
Amanda Guimarães
 
Ita2013 4 dia
Ita2013 4 diaIta2013 4 dia
Ita2013 4 dia
cavip
 
Elite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimicaElite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimica
Ana Claudia Pires DA Rosa
 
Unidade9 2013 csa_v1_gabarito
Unidade9 2013 csa_v1_gabaritoUnidade9 2013 csa_v1_gabarito
Unidade9 2013 csa_v1_gabarito
ProCLAUDIA/LUCIANE MEIJON/SOARES
 
Exercícios eletrólise
Exercícios   eletróliseExercícios   eletrólise
Exercícios eletrólise
valdecirkelvin
 

Semelhante a Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio (20)

Aula Oxirredução (Regra do Nox).ppt
Aula Oxirredução (Regra do Nox).pptAula Oxirredução (Regra do Nox).ppt
Aula Oxirredução (Regra do Nox).ppt
 
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).pptOxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
Oxirredução (Regra do Nox) (1).ppt
 
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdfOxirredução (Regra do Nox).pdf
Oxirredução (Regra do Nox).pdf
 
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
56553431 1ª-aula-extra-quimica-2011-professor
 
Teoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalinoTeoria do campo cristalino
Teoria do campo cristalino
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
Apoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementarApoio 2ªsuplementar
Apoio 2ªsuplementar
 
Lista de revisão2 ano
Lista de revisão2 anoLista de revisão2 ano
Lista de revisão2 ano
 
Lista de revisão2 ano
Lista de revisão2 anoLista de revisão2 ano
Lista de revisão2 ano
 
Lista de revisão2 ano
Lista de revisão2 anoLista de revisão2 ano
Lista de revisão2 ano
 
Aula 20 05 - alcidenio
Aula 20 05 - alcidenioAula 20 05 - alcidenio
Aula 20 05 - alcidenio
 
Lista 25 cálculo estequiométrico
Lista 25   cálculo estequiométricoLista 25   cálculo estequiométrico
Lista 25 cálculo estequiométrico
 
Apoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabaritoApoio 2ªsuplementar gabarito
Apoio 2ªsuplementar gabarito
 
Reações de oxidação backup
Reações de oxidação backupReações de oxidação backup
Reações de oxidação backup
 
Nox e Reações de Óxido Redução
Nox e Reações de Óxido ReduçãoNox e Reações de Óxido Redução
Nox e Reações de Óxido Redução
 
Eletroquímica
Eletroquímica Eletroquímica
Eletroquímica
 
Ita2013 4 dia
Ita2013 4 diaIta2013 4 dia
Ita2013 4 dia
 
Elite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimicaElite resolve ita_2013-quimica
Elite resolve ita_2013-quimica
 
Unidade9 2013 csa_v1_gabarito
Unidade9 2013 csa_v1_gabaritoUnidade9 2013 csa_v1_gabarito
Unidade9 2013 csa_v1_gabarito
 
Exercícios eletrólise
Exercícios   eletróliseExercícios   eletrólise
Exercícios eletrólise
 

Último

2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 

Síntese do trioxalatocromato (iii) de potássio

  • 1. CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA DISCIPLINA DE QUÍMICA INORGÂNICA II A Síntese do trioxalatocromato (III) de potássio Discentes: Luciana Natália Cividatti Renato Cesar de Souza Docente: Prof. Dr. Bernard J L Gardes Londrina 2006
  • 2. INTRODUÇÃO O oxalato (C2O4)2- tem a propriedade de formar sais insolúveis com diversos cátions que possuam carga (2+), e apresenta também uma certa facilidade em formar complexos. Geralmente aparece formando 2 ligações com o mesmo cátion, como por exemplo no K3[Cr(C2O4)3] – trioxalatocromato(III) de potássio. O ânion oxalato, além de apresentar-se na forma bidentada, pode também se apresentar como ligante unidentado e possui ainda a possibilidade de atuar como ponte de ligação. No caso do trioxalatocromato, o Cr3+ possui uma configuração d3, e por estar ligado ao oxalato, que é um ligante de campo fraco, resulta numa configuração de spin baixo”. Sendo assim a um octaedro sem deformação e paramagnético com μs= 3,9μB. Vários íons metálicos trivalentes formam complexos, com o ligante bi dentado oxalato, de fórmula geral Alk3M(C2O4)3. Esses complexos são similares em várias propriedades. Eles são bastante solúveis em água, ionizam para dar álcalis complexos e íons oxalato, e apresentam formas cristalinas similares. Em 1912, Werner conseguiu isolar o isômero óptico do complexo trioxalatocormato (III) de potássio. Desde então, tem sido feitas várias tentativas para se obter isômeros ópticos de outros sais complexos de oxalato similares ao obtido por Werner, e na maioria das vezes, tem-se obtido sucesso. Foram encontrados isômeros ópticos dos seguintes íons metálicos ligado ao oxalato: Cromo, cobalto, ferro, alumínio, ródio, irídio e gálio. As propriedades térmicas de complexos de oxalato vêm sendo extensivamente estudadas. Tem-se descoberto que a natureza do íon metálico central influencia não apenas na desidratação, mas também na decomposição dos complexos anidros. Alem do mais, a estabilidade dos complexos anidros depende também do cátion central: a estabilidade térmica diminui assim que a afinidade eletrônica do íon metálico central aumenta. Complexos metálicos com o ligante oxalato têm chamado bastante atenção hoje em dia devido aos vários tipos de grupos moleculares que apresentam magnetização espontânea. Essas substâncias ferro magnética apresentam ligações
  • 3. bi- ou tri- dimensional, as quais são agrupadas com íons de metais de transição ligados via ligante bi dentado oxalato. QUESTÕES Indicar o(s) elemento(s) oxidado(s) e reduzido(s) nesta síntese. O carbono é o elemento oxidado e o crômio é o elemento reduzido como segue abaixo: Semi-reação de oxidação: C2O4 2+ 2 CO2 + 2 e- (C3+ é oxidado a C4+) Semi-reação de redução: Cr2O7 2- + 14 H+ + 6 e- 2Cr3+ +7 H2O (Cr6+ é reduzido a Cr3+) Reação global: 3 C2O4 2- + Cr2O7 2- + 14 H+ 6 CO2 + 2 Cr3+ + 7 H2O Escrever as equações químicas das reações desenvolvidas durante a preparação deste composto. 2 K2C2O4·H2O 4 K+ + 2 C2O4 2- + 7 H2O 7 H2C2O4·2 H2O 14 H+ + 7 C2O4 2- + 14 H2O K2Cr2O7 2K+ + Cr2O7 2- 3 C2O4 6 CO2 + 6 e- Cr2O7 2- + 14 H+ + 6 e- 2 Cr3+ + 7 H20 2 Cr3+ + 12 H2O 2 [Cr(H2O)6]3+ 2 [Cr(H2O)6]3+ + 6 C2O4 2- + 6 K+ 2 K3[Cr(C2O4)3]·3 H2O + 6H2O Reação global: 2K2C2O4·H2O + 7H2C2O4·2H2O + K2Cr2O7 2K3[Cr(C2O4)3]·3H2O + 6CO2 + 17H2O
  • 4. RENDIMENTO Inicialmente foram utilizou-se 3,0013 g (0,0163 mols) de oxalato de potássio (K2C2O4·H2O) para reagir com 7,0220 g (0,0557 mols) de ácido oxálico dihidratado (C2H2O4·2H2O) e 2,5100 g (0,0085 mols) de dicromato de potássio (K2Cr2O7). Seriam necessários 0,05705 mols de ácido oxálico para reagir com o oxalato de potássio, mas temos apenas 0,0557 mols de ácido oxálico, sendo assim, estequiometricamente, o ácido oxálico é o reagente limitante da reação. Sabendo-se que os pesos moleculares do K2C2O4·H2O, C2H2O4·2H2O e do K2Cr2O7 são respectivamente 184,24 g.mol-1, 126,07 e 294,18 g.mol-1 e que para cada sete mols de C2H2O4·2H2O consumido há a formação de um mol de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O (487,402 g.mol-1), temos que: Massa inicial de C2H2O4·2H2O: 7,0220 g 1 mol de C2H2O4·2H2O = 126,07 g de C2H2O4·2H2O 7,0220 g x (1 mol / 126,07 g) = 0,0557 mols de C2H2O4·2H2O 0,0557 mols de C2H2O4·2H2O  0,0159 mols de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O Rendimento esperado: 1 mol de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O = 487,402 g de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O 0,0159 mols x (487,402 g / 1 mol) = 7,7497 g de Na3 [Co(NO2)6] Rendimento obtido: Massa obtida pelo experimento de K3[Cr(C2O4)3]·3H2O = 6,9235 g 6,9235 g x (100% / 7,7497 g) = 89%
  • 5. INTERPRETAÇÃO DO ESPECTRO DE INFRAVERMELHO FIGURA 1. Espectro de Infravermelho do trioxalatocromato (III) de potássio. A partir do espectro de infravermelho do complexo sintetizado fez-se uma análise das bandas apresentadas pelo mesmo para que se pudesse caracteriza-lo como segue: Banda Freqüência teórica Freqüência prática Banda característica 1 1708 cm-1 1704 cm-1 Vibração de alongamento assimétrica (CO) - na(CO). 2 1684 cm-1 1681 cm-1 Vibração de alongamento assimétrica (CO) - na(CO). 3 1387 cm-1 1401 cm-1 Vibração de alongamento simétrica (CO) e vibração de alongamento (CC) - ns(CO) + n(CC) 4 1253 cm-1 1250 cm-1 Vibração de alongamento simétrica (CO) e deformação dentro do plano (O-C=O) - ns(CO) + d (O-C=O) 5 893 cm-1 909 cm-1 Vibração de alongamento simétrica (CO) e deformação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
  • 6. dentro do plano (O-C=O) - ns(CO) + d (O-C=O) 6 810 cm-1 818 cm-1 Deformação dentro do plano (O-C= O) e vibração de alongamento (MO) - d(O-C=O) + n(MO) 7 595 cm-1 598 cm-1 Água cristalizada 8 543 cm-1 545 cm-1 Vibração de alongamento (MO) e vibração de alongamento (CC) - n(MO) + n(CC) 9 485 cm-1 492 cm-1 Deformação do anel e deformação dentro do plano (O-C=O) – Def. do anel + d(O-C=O) 10 415 cm-1 417 cm-1 Vibração de alongamento (MO) e deformação do anel - n(MO) + Def. do anel INTERPRETAÇÃO DO ESPECTRO VISÍVEL 0,05 0,00 -0,05 -0,10 -0,15 -0,20 -0,25 -0,30 1 2 350 400 450 500 550 600 650 700 750 800 Absorvância Comprimento de onda / nm FIGURA 2. Espectro vísivel do trioxalatocromato (III) de potássio. a) Atribuição de bandas: v1= 570 nm = 570 x 10-9 m = 570 x 10-7 cm = 17544 cm-1 v2= 420 nm = 420 x 10-9 m = 420 x 10-7 cm = 23810 cm-1
  • 7. Transições 4T1 4A2 → 17544 cm-1 4T2 4A2 → 23810 cm-1 v2/v1 = 1,36 b) Cálculo de B (utilizando o Diagrama de Tanabe Sugano) Cr3+ : d3 C2O4 2- : Ligante de campo fraco L=3 2s+1=4 - termo 4F Δo/B = 29 E/B1=29 B1= 605 cm-1 E/B2=41 B2 = 581 cm-1 B = 593 cm-1 c) Cálculo de Δo Δo teórico: Conforme a tabela de valores representativos de Δo para vários íons metálicos e grupos ligantes deduzidos dos dados do espectro, Δo = 17000 cm-1; e conforme a tabela de parâmetros para estimulação empírica de Δo e B para várias combinações dos grupos ligantes e íons metálicos Δo = 16660 cm-1. Sendo assim temos que: 16160 cm-1 < Δo < 17500 cm-1 Como Δo /B = 29, e considerando-se B = 593 cm-1: Δo = 17197 cm-1 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • 8. N. RAJIC.; D. STOJACOVIK. On the Termal Decompositions of the Trivalent Trioxalato Complexes of Al, Cr, Mn, Fe and Co. Journal of Thermal Analysis and Calorimetry, v. 63, p. 191-195, 2001. F. A. LONG. The Exchange of Oxalates of some Complex Trioxalate Ions of Trivalent Metals. p. 1353, 1941. BASOLO, F.; JOHNSON, R. Coordenation chemistry, the chemistry of metal complexs. Califórnia: W. A. Benjamim, 1964. 127p. NAKAMOTO, K. Infrared and ramam spectro of inorganic and coordenation compounds. 4.ed. USA: Wiley-Interscience Plubication, 1986. OHLWEILWER, O. A. Química inorgânica. São Paulo: Editora Edgard Blucher Ltda, 1971. 639-646p. SEMICHIN, V. Práticas de química geral inorgânica. São Paulo: Editora Mir Moscovo, 1979. 205-207 e 332-334p.