SlideShare uma empresa Scribd logo
HUMANIZA SUS
Ariana Gonçalves de Moura Fialho
Enfermeira
OBJETIVOS
A Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS
tem como propósitos:

- Contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS com os
princípios e as diretrizes da humanização;
- Fortalecer iniciativas de humanização existentes;
- Desenvolver tecnologias relacionais e de compartilhamento das
práticas de gestão e de atenção;
- Aprimorar, ofertar e divulgar estratégias e metodologias de apoio a
mudanças sustentáveis dos modelos de atenção e de gestão;
- Implementar processos de acompanhamento e avaliação,
ressaltando saberes gerados no SUS e experiências coletivas bem-
sucedidas.
Humaniza SUS trabalha com três macro-objetivos:
 - Ampliar as ofertas da Política Nacional de Humanização aos gestores
e aos conselhos de saúde, priorizando a atenção básica/fundamental
e hospitalar, com ênfase nos hospitais de urgência e universitários;
- Incentivar a inserção da valorização dos trabalhadores do SUS na
agenda dos gestores, dos conselhos de saúde e das organizações da
sociedade civil;
- Divulgar a Política Nacional de Humanização e ampliar os processos
de formação e produção de conhecimento em articulação com
movimentos sociais e instituições.
os resultados que a Política Nacional de
Humanização busca são:
 - Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso;
- Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco;
- Implantação de modelo de atenção com responsabilização e
vínculo;
- Garantia dos direitos dos usuários;
- Valorização do trabalho na saúde;
- Gestão participativa nos serviços.
Princípios:
Transversalidade
 A Política Nacional de Humanização deve se fazer presente e
estar inserida em todas as políticas e programas do SUS. A PNH
busca transformar as relações de trabalho a partir da ampliação
do grau de contato e da comunicação entre as pessoas e grupos,
tirando-os do isolamento e das relações de poder
hierarquizadas. Transversalizar é reconhecer que as diferentes
especialidades e práticas de saúde podem conversar com a
experiência daquele que é assistido. Juntos, esses saberes
podem produzir saúde de forma mais corresponsável.
Indissociabilidade entre atenção e gestão
 As decisões da gestão interferem diretamente na atenção à
saúde. Por isso, trabalhadores e usuários devem buscar
conhecer como funciona a gestão dos serviços e da rede de
saúde, assim como participar ativamente do processo de tomada
de decisão nas organizações de saúde e nas ações de saúde
coletiva. Ao mesmo tempo, o cuidado e a assistência em saúde
não se restringem às responsabilidades da equipe de saúde. O
usuário e sua rede sócio familiar devem também se
corresponsabilizar pelo cuidado de si nos tratamentos,
assumindo posição protagonista com relação a sua saúde e a
daqueles que lhes são caros.
Protagonismo, corresponsabilidade e
autonomia dos sujeitos e coletivos
 Qualquer mudança na gestão e atenção é mais concreta se
construída com a ampliação da autonomia e vontade das
pessoas envolvidas, que compartilham responsabilidades. Os
usuários não são só pacientes, os trabalhadores não só cumprem
ordens: as mudanças acontecem com o reconhecimento do
papel de cada um. Um SUS humanizado reconhece cada pessoa
como legítima cidadã de direitos e valoriza e incentiva sua
atuação na produção de saúde.
Métodos
 O Humaniza SUS, aposta na INCLUSÃO de trabalhadores,
usuários e gestores na produção e gestão do cuidado e dos
processos de trabalho. A comunicação entre esses três atores do
SUS provoca movimentos de perturbação e inquietação que a
PNH considera o “motor” de mudanças e que também precisam
ser incluídos como recursos para a produção de saúde.
 Humanizar se traduz, então, como inclusão das diferenças nos
processos de gestão e de cuidado. Tais mudanças são construídas
não por uma pessoa ou grupo isolado, mas de forma coletiva e
compartilhada. Incluir para estimular a produção de novos
modos de cuidar e novas formas de organizar o trabalho.
 Mas incluir como?
 As rodas de conversa, o incentivo às redes e movimentos sociais
e a gestão dos conflitos gerados pela inclusão das diferenças são
ferramentas experimentadas nos serviços de saúde a partir das
orientações da PNH. Incluir os trabalhadores na gestão é
fundamental para que eles, no dia a dia, reinventem seus
processos de trabalho e sejam agentes ativos das mudanças no
serviço de saúde. Incluir usuários e suas redes sócio-familiares
nos processos de cuidado é um poderoso recurso para a
ampliação da corresponsabilização no cuidado de si.
Diretrizes para a implementação do
Humaniza SUS
 A Política Nacional de Humanização atua a partir de orientações
clínicas, éticas e políticas, que se traduzem em determinados
arranjos de trabalho. Entenda melhor alguns conceitos que
norteiam o trabalho da PNH:
 Acolhimento
 O QUE É?
 Acolher é reconhecer o que o outro traz como legítima e singular
necessidade de saúde. O acolhimento deve comparecer e
sustentar a relação entre equipes/serviços e
usuários/populações. Como valor das práticas de saúde, o
acolhimento é construído de forma coletiva, a partir da análise
dos processos de trabalho e tem como objetivo a construção de
relações de confiança, compromisso e vínculo entre as
equipes/serviços, trabalhador/equipes e usuário com sua rede
sócio-afetiva.
 Gestão Participativa e cogestão
 O QUE É?
 Cogestão expressa tanto a inclusão de novos sujeitos nos
processos de análise e decisão quanto a ampliação das tarefas da
gestão - que se transforma também em espaço de realização de
análise dos contextos, da política em geral e da saúde em
particular, em lugar de formulação e de pactuação de tarefas e
de aprendizado coletivo.
 COMO FAZER?
 A organização e experimentação de rodas é uma importante
orientação da cogestão. Rodas para colocar as diferenças em
contato de modo a produzir movimentos de desestabilização que
favoreçam mudanças nas práticas de gestão e de atenção. A PNH
destaca dois grupos de dispositivos de cogestão: aqueles que
dizem respeito à organização de um espaço coletivo de gestão
que permita o acordo entre necessidades e interesses de
usuários, trabalhadores e gestores; e aqueles que se referem aos
mecanismos que garantem a participação ativa de usuários e familiares
no cotidiano das unidades de saúde. Colegiados gestores, Mesas de
negociação, Contratos Internos de Gestão, Câmara Técnica de
Humanização (CTH), Grupo de Trabalho de Humanização (GTH), Gerência
de Porta Aberta, entre outros, são arranjos de trabalho que permitem a
experimentação da cogestão no cotidiano da saúde.
 Ambiência
 O QUE É?
 Criar espaços saudáveis, acolhedores e confortáveis, que
respeitem a privacidade, propiciem mudanças no processo de
trabalho e sejam lugares de encontro entre as pessoas.
 COMO FAZER?
 A discussão compartilhada do projeto arquitetônico, das
reformas e do uso dos espaços de acordo com as necessidades de
usuários e trabalhadores de cada serviço é uma orientação que
pode melhorar o trabalho em saúde.
 Clínica ampliada e compartilhada
 O QUE É?
 A clínica ampliada é uma ferramenta teórica e prática cuja
finalidade é contribuir para uma abordagem clínica do
adoecimento e do sofrimento, que considere a singularidade do
sujeito e a complexidade do processo saúde/doença. Permite o
enfrentamento da fragmentação do conhecimento e das ações de
saúde e seus respectivos danos e ineficácia.
 COMO FAZER?
Utilizando recursos que permitam enriquecimento dos
diagnósticos (outras variáveis além do enfoque orgânico,
inclusive a percepção dos afetos produzidos nas relações clínicas)
e a qualificação do diálogo (tanto entre os profissionais de saúde
envolvidos no tratamento quanto destes com o usuário), de modo
a possibilitar decisões compartilhadas e compromissadas com a
autonomia e a saúde dos usuários do SUS.
 Valorização do Trabalhador
 O QUE É?
 É importante dar visibilidade à experiência dos trabalhadores e incluí-los na
tomada de decisão, apostando na sua capacidade de analisar, definir e qualificar
os processos de trabalho.
 COMO FAZER?
 O Programa de Formação em Saúde e Trabalho e a Comunidade Ampliada de
Pesquisa são possibilidades que tornam possível o diálogo, intervenção e análise
do que gera sofrimento e adoecimento, do que fortalece o grupo de
trabalhadores e do que propicia os acordos de como agir no serviço de saúde. É
importante também assegurar a participação dos trabalhadores nos espaços
coletivos de gestão.
 Defesa dos Direitos dos Usuários
O QUE É?
 Os usuários de saúde possuem direitos garantidos por lei e os serviços de saúde
devem incentivar o conhecimento desses direitos e assegurar que eles sejam
cumpridos em todas as fases do cuidado, desde a recepção até a alta.
 COMO FAZER?
 Todo cidadão tem direito a uma equipe que cuide dele, de ser informado sobre
sua saúde e também de decidir sobre compartilhar ou não sua dor e alegria com
sua rede social.
 Formação é intervenção
 ... e intervenção é mudança
 Através de cursos e oficinas de formação/intervenção e a partir
da discussão dos processos de trabalho, as diretrizes e
dispositivos da PNH são vivenciados e reinventados no cotidiano
dos serviços de saúde. Em todo o Brasil, os trabalhadores são
formados técnica e politicamente e reconhecidos como
multiplicadores e apoiadores da PNH, pois são os construtores de
novas realidades em saúde e poderão se tornar os futuros
formadores da PNH em suas localidades.
 A PNH investe em diversos materiais de formação, como
cartilhas, documento base e outras publicações disponíveis na
Biblioteca Virtual em Saúde.
OBRIGADA!
OBRIGADA!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Charles Lima
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
Fabiano Ladislau
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
Juliermeson Morais
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
Ylla Cohim
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
Estephane ingrid Souza Pessoa
 
1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude
1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude
1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude
Pelo Siro
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
jorge luiz dos santos de souza
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
ÊXITO Marketing
 
(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde
Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
Regina de Oliveira
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Jesiele Spindler
 
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Aroldo Gavioli
 
Humanização
 Humanização Humanização
Humanização
Isabella Meneses
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
RitaOliveira691334
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Cleiton Ribeiro Alves
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
Proqualis
 
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na HumanizaçãoA Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
Associação Viva e Deixe Viver
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
tuttitutti1
 

Mais procurados (20)

Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Palestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no AtendimentoPalestra de Humanização no Atendimento
Palestra de Humanização no Atendimento
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Humanização na saude
Humanização na saudeHumanização na saude
Humanização na saude
 
Humanização na Saúde
Humanização na SaúdeHumanização na Saúde
Humanização na Saúde
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Humanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagemHumanização na assistência de enfermagem
Humanização na assistência de enfermagem
 
1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude
1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude
1189894295 2805.humanizacao da_relacao_nos_servicos_de_saude
 
Assistencia domiciliar
Assistencia domiciliarAssistencia domiciliar
Assistencia domiciliar
 
Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde Comunicação na Saúde
Comunicação na Saúde
 
(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde(Re)Humanização na Saúde
(Re)Humanização na Saúde
 
Aula de sus
Aula de susAula de sus
Aula de sus
 
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de SaúdeAula 6 Políticas Públicas de Saúde
Aula 6 Políticas Públicas de Saúde
 
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanenteGerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
Gerenciamento de enfermagem: educação continuada/permanente
 
Humanização
 Humanização Humanização
Humanização
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na HumanizaçãoA Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
A Política Nacional de Humanização e a Mudança de Paradigma na Humanização
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
 

Destaque

Cadernos humanizasus atencao_basica
Cadernos humanizasus atencao_basicaCadernos humanizasus atencao_basica
Cadernos humanizasus atencao_basica
Lusimar Moreira
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Marcos Nery
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
Aprova Saúde
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
WM Treinamentos Cursos e Palestras Ltda
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
Felipe Cavalcanti
 
O que é o SUS?
O que é o SUS?O que é o SUS?
O que é o SUS?
MovSaúde Divinópolis
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
petsmufrn
 
A importância da monitorização minimamente invasiva
A importância da monitorização minimamente invasivaA importância da monitorização minimamente invasiva
A importância da monitorização minimamente invasiva
joao rodrigo
 
Saúde para o corpo, mente e coração
Saúde para o corpo, mente e coraçãoSaúde para o corpo, mente e coração
Saúde para o corpo, mente e coração
IHDI Instituto Humanização e Desenvolvimento Integral
 
Humanizao 131112142016-phpapp02
Humanizao 131112142016-phpapp02Humanizao 131112142016-phpapp02
Humanizao 131112142016-phpapp02
Silvinha Leite
 
Complementar humanizasus
Complementar   humanizasusComplementar   humanizasus
Complementar humanizasus
Roberto Saboia
 
Cadernos humaniza sus
Cadernos humaniza susCadernos humaniza sus
Cadernos humaniza sus
HÉRICO MACIEL DE AMORIM
 
SUS
SUSSUS
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
Juliana Azevedo
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)
CCIH - HSL
 
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTOCaderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Como organizar um Grupo de Trabalho de Humanização
Como organizar um Grupo de Trabalho de HumanizaçãoComo organizar um Grupo de Trabalho de Humanização
Como organizar um Grupo de Trabalho de Humanização
Associação Viva e Deixe Viver
 
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da SaúdeManual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
carlospolicarpo
 

Destaque (18)

Cadernos humanizasus atencao_basica
Cadernos humanizasus atencao_basicaCadernos humanizasus atencao_basica
Cadernos humanizasus atencao_basica
 
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimariaApresentacao politicanacional atencaoprimaria
Apresentacao politicanacional atencaoprimaria
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
 
Apresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimentoApresentação sobre acolhimento
Apresentação sobre acolhimento
 
O que é o SUS?
O que é o SUS?O que é o SUS?
O que é o SUS?
 
Pet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica AmpliadaPet e Clínica Ampliada
Pet e Clínica Ampliada
 
A importância da monitorização minimamente invasiva
A importância da monitorização minimamente invasivaA importância da monitorização minimamente invasiva
A importância da monitorização minimamente invasiva
 
Saúde para o corpo, mente e coração
Saúde para o corpo, mente e coraçãoSaúde para o corpo, mente e coração
Saúde para o corpo, mente e coração
 
Humanizao 131112142016-phpapp02
Humanizao 131112142016-phpapp02Humanizao 131112142016-phpapp02
Humanizao 131112142016-phpapp02
 
Complementar humanizasus
Complementar   humanizasusComplementar   humanizasus
Complementar humanizasus
 
Cadernos humaniza sus
Cadernos humaniza susCadernos humaniza sus
Cadernos humaniza sus
 
SUS
SUSSUS
SUS
 
Cartilha da pnh
Cartilha da pnhCartilha da pnh
Cartilha da pnh
 
Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)
Controle de infecção em endoscopia 2010 (1ª parte)
 
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTOCaderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
Caderno HumanizaSUS v4_HUMANIZAÇÃO do PARTO e NASCIMENTO
 
Como organizar um Grupo de Trabalho de Humanização
Como organizar um Grupo de Trabalho de HumanizaçãoComo organizar um Grupo de Trabalho de Humanização
Como organizar um Grupo de Trabalho de Humanização
 
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da SaúdeManual ESF/PSF - Ministério da Saúde
Manual ESF/PSF - Ministério da Saúde
 

Semelhante a 4ª aula 1º slid humaniza sus

Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
feraps
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
danilo rodrigues
 
Cartilha humanizasus
Cartilha humanizasusCartilha humanizasus
Cartilha humanizasus
Yasmin Mattos
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Oncoguia
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
EvertonMonteiro19
 
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_clienteGestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Márcia BEM
 
Prontuario
ProntuarioProntuario
Prontuario
Rita Rosa
 
O quadrilátero da formação para a saúde ensino, gestão, atenção e controle s...
O quadrilátero da formação para a saúde  ensino, gestão, atenção e controle s...O quadrilátero da formação para a saúde  ensino, gestão, atenção e controle s...
O quadrilátero da formação para a saúde ensino, gestão, atenção e controle s...
Rosane Domingues
 
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.pptintegracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
AndreiaDiasdeLima
 
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
DomingosMagnoMeloCma
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
CarolMendona13
 
Gestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalhoGestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalho
Juliana Sarieddine
 
Humanização do sistema unico de saúde
Humanização do sistema unico de saúdeHumanização do sistema unico de saúde
Humanização do sistema unico de saúde
albaniza sales
 
Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
jorge luiz dos santos de souza
 
Gestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdfGestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdf
Antônio Lino
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Jozy Anne Aguiar
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
Allan Vieira
 
[Cartilha] humaniza sus trabalho e redes de saúde
[Cartilha] humaniza sus   trabalho e redes de saúde[Cartilha] humaniza sus   trabalho e redes de saúde
[Cartilha] humaniza sus trabalho e redes de saúde
Aline Leite
 
Gastão e domitti word
Gastão e domitti wordGastão e domitti word
Gastão e domitti word
jorge luiz dos santos de souza
 
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
AULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdfAULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdf
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
adriellyrlima
 

Semelhante a 4ª aula 1º slid humaniza sus (20)

Humaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teoricoHumaniza SUS marco teorico
Humaniza SUS marco teorico
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
Cartilha humanizasus
Cartilha humanizasusCartilha humanizasus
Cartilha humanizasus
 
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal MarraciniTratamento Humanizado - Pascoal Marracini
Tratamento Humanizado - Pascoal Marracini
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
 
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_clienteGestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
Gestao qualidade saude_melhorando_assistencia_cliente
 
Prontuario
ProntuarioProntuario
Prontuario
 
O quadrilátero da formação para a saúde ensino, gestão, atenção e controle s...
O quadrilátero da formação para a saúde  ensino, gestão, atenção e controle s...O quadrilátero da formação para a saúde  ensino, gestão, atenção e controle s...
O quadrilátero da formação para a saúde ensino, gestão, atenção e controle s...
 
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.pptintegracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
integracao_ensino_servico_emilia_higino.ppt
 
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
16556895-politica-nacional-de-humanizacao-e1653079382 (1).pdf
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
 
Gestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalhoGestão dos processos de trabalho
Gestão dos processos de trabalho
 
Humanização do sistema unico de saúde
Humanização do sistema unico de saúdeHumanização do sistema unico de saúde
Humanização do sistema unico de saúde
 
Aula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saudeAula educacao permanente_em_saude
Aula educacao permanente_em_saude
 
Gestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdfGestão ILFG.pdf
Gestão ILFG.pdf
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 
[Cartilha] humaniza sus trabalho e redes de saúde
[Cartilha] humaniza sus   trabalho e redes de saúde[Cartilha] humaniza sus   trabalho e redes de saúde
[Cartilha] humaniza sus trabalho e redes de saúde
 
Gastão e domitti word
Gastão e domitti wordGastão e domitti word
Gastão e domitti word
 
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
AULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdfAULA  6 -  Planejamento  Estratégico.pdf
AULA 6 - Planejamento Estratégico.pdf
 

4ª aula 1º slid humaniza sus

  • 1. HUMANIZA SUS Ariana Gonçalves de Moura Fialho Enfermeira
  • 2. OBJETIVOS A Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS tem como propósitos:  - Contagiar trabalhadores, gestores e usuários do SUS com os princípios e as diretrizes da humanização; - Fortalecer iniciativas de humanização existentes; - Desenvolver tecnologias relacionais e de compartilhamento das práticas de gestão e de atenção; - Aprimorar, ofertar e divulgar estratégias e metodologias de apoio a mudanças sustentáveis dos modelos de atenção e de gestão; - Implementar processos de acompanhamento e avaliação, ressaltando saberes gerados no SUS e experiências coletivas bem- sucedidas.
  • 3. Humaniza SUS trabalha com três macro-objetivos:  - Ampliar as ofertas da Política Nacional de Humanização aos gestores e aos conselhos de saúde, priorizando a atenção básica/fundamental e hospitalar, com ênfase nos hospitais de urgência e universitários; - Incentivar a inserção da valorização dos trabalhadores do SUS na agenda dos gestores, dos conselhos de saúde e das organizações da sociedade civil; - Divulgar a Política Nacional de Humanização e ampliar os processos de formação e produção de conhecimento em articulação com movimentos sociais e instituições.
  • 4. os resultados que a Política Nacional de Humanização busca são:  - Redução de filas e do tempo de espera, com ampliação do acesso; - Atendimento acolhedor e resolutivo baseado em critérios de risco; - Implantação de modelo de atenção com responsabilização e vínculo; - Garantia dos direitos dos usuários; - Valorização do trabalho na saúde; - Gestão participativa nos serviços.
  • 5. Princípios: Transversalidade  A Política Nacional de Humanização deve se fazer presente e estar inserida em todas as políticas e programas do SUS. A PNH busca transformar as relações de trabalho a partir da ampliação do grau de contato e da comunicação entre as pessoas e grupos, tirando-os do isolamento e das relações de poder hierarquizadas. Transversalizar é reconhecer que as diferentes especialidades e práticas de saúde podem conversar com a experiência daquele que é assistido. Juntos, esses saberes podem produzir saúde de forma mais corresponsável.
  • 6. Indissociabilidade entre atenção e gestão  As decisões da gestão interferem diretamente na atenção à saúde. Por isso, trabalhadores e usuários devem buscar conhecer como funciona a gestão dos serviços e da rede de saúde, assim como participar ativamente do processo de tomada de decisão nas organizações de saúde e nas ações de saúde coletiva. Ao mesmo tempo, o cuidado e a assistência em saúde não se restringem às responsabilidades da equipe de saúde. O usuário e sua rede sócio familiar devem também se corresponsabilizar pelo cuidado de si nos tratamentos, assumindo posição protagonista com relação a sua saúde e a daqueles que lhes são caros.
  • 7. Protagonismo, corresponsabilidade e autonomia dos sujeitos e coletivos  Qualquer mudança na gestão e atenção é mais concreta se construída com a ampliação da autonomia e vontade das pessoas envolvidas, que compartilham responsabilidades. Os usuários não são só pacientes, os trabalhadores não só cumprem ordens: as mudanças acontecem com o reconhecimento do papel de cada um. Um SUS humanizado reconhece cada pessoa como legítima cidadã de direitos e valoriza e incentiva sua atuação na produção de saúde.
  • 8. Métodos  O Humaniza SUS, aposta na INCLUSÃO de trabalhadores, usuários e gestores na produção e gestão do cuidado e dos processos de trabalho. A comunicação entre esses três atores do SUS provoca movimentos de perturbação e inquietação que a PNH considera o “motor” de mudanças e que também precisam ser incluídos como recursos para a produção de saúde.  Humanizar se traduz, então, como inclusão das diferenças nos processos de gestão e de cuidado. Tais mudanças são construídas não por uma pessoa ou grupo isolado, mas de forma coletiva e compartilhada. Incluir para estimular a produção de novos modos de cuidar e novas formas de organizar o trabalho.
  • 9.  Mas incluir como?  As rodas de conversa, o incentivo às redes e movimentos sociais e a gestão dos conflitos gerados pela inclusão das diferenças são ferramentas experimentadas nos serviços de saúde a partir das orientações da PNH. Incluir os trabalhadores na gestão é fundamental para que eles, no dia a dia, reinventem seus processos de trabalho e sejam agentes ativos das mudanças no serviço de saúde. Incluir usuários e suas redes sócio-familiares nos processos de cuidado é um poderoso recurso para a ampliação da corresponsabilização no cuidado de si.
  • 10. Diretrizes para a implementação do Humaniza SUS  A Política Nacional de Humanização atua a partir de orientações clínicas, éticas e políticas, que se traduzem em determinados arranjos de trabalho. Entenda melhor alguns conceitos que norteiam o trabalho da PNH:  Acolhimento  O QUE É?  Acolher é reconhecer o que o outro traz como legítima e singular necessidade de saúde. O acolhimento deve comparecer e sustentar a relação entre equipes/serviços e usuários/populações. Como valor das práticas de saúde, o acolhimento é construído de forma coletiva, a partir da análise dos processos de trabalho e tem como objetivo a construção de relações de confiança, compromisso e vínculo entre as equipes/serviços, trabalhador/equipes e usuário com sua rede sócio-afetiva.
  • 11.  Gestão Participativa e cogestão  O QUE É?  Cogestão expressa tanto a inclusão de novos sujeitos nos processos de análise e decisão quanto a ampliação das tarefas da gestão - que se transforma também em espaço de realização de análise dos contextos, da política em geral e da saúde em particular, em lugar de formulação e de pactuação de tarefas e de aprendizado coletivo.  COMO FAZER?  A organização e experimentação de rodas é uma importante orientação da cogestão. Rodas para colocar as diferenças em contato de modo a produzir movimentos de desestabilização que favoreçam mudanças nas práticas de gestão e de atenção. A PNH destaca dois grupos de dispositivos de cogestão: aqueles que dizem respeito à organização de um espaço coletivo de gestão que permita o acordo entre necessidades e interesses de
  • 12. usuários, trabalhadores e gestores; e aqueles que se referem aos mecanismos que garantem a participação ativa de usuários e familiares no cotidiano das unidades de saúde. Colegiados gestores, Mesas de negociação, Contratos Internos de Gestão, Câmara Técnica de Humanização (CTH), Grupo de Trabalho de Humanização (GTH), Gerência de Porta Aberta, entre outros, são arranjos de trabalho que permitem a experimentação da cogestão no cotidiano da saúde.  Ambiência  O QUE É?  Criar espaços saudáveis, acolhedores e confortáveis, que respeitem a privacidade, propiciem mudanças no processo de trabalho e sejam lugares de encontro entre as pessoas.  COMO FAZER?  A discussão compartilhada do projeto arquitetônico, das reformas e do uso dos espaços de acordo com as necessidades de usuários e trabalhadores de cada serviço é uma orientação que pode melhorar o trabalho em saúde.
  • 13.  Clínica ampliada e compartilhada  O QUE É?  A clínica ampliada é uma ferramenta teórica e prática cuja finalidade é contribuir para uma abordagem clínica do adoecimento e do sofrimento, que considere a singularidade do sujeito e a complexidade do processo saúde/doença. Permite o enfrentamento da fragmentação do conhecimento e das ações de saúde e seus respectivos danos e ineficácia.  COMO FAZER? Utilizando recursos que permitam enriquecimento dos diagnósticos (outras variáveis além do enfoque orgânico, inclusive a percepção dos afetos produzidos nas relações clínicas) e a qualificação do diálogo (tanto entre os profissionais de saúde envolvidos no tratamento quanto destes com o usuário), de modo a possibilitar decisões compartilhadas e compromissadas com a autonomia e a saúde dos usuários do SUS.
  • 14.  Valorização do Trabalhador  O QUE É?  É importante dar visibilidade à experiência dos trabalhadores e incluí-los na tomada de decisão, apostando na sua capacidade de analisar, definir e qualificar os processos de trabalho.  COMO FAZER?  O Programa de Formação em Saúde e Trabalho e a Comunidade Ampliada de Pesquisa são possibilidades que tornam possível o diálogo, intervenção e análise do que gera sofrimento e adoecimento, do que fortalece o grupo de trabalhadores e do que propicia os acordos de como agir no serviço de saúde. É importante também assegurar a participação dos trabalhadores nos espaços coletivos de gestão.  Defesa dos Direitos dos Usuários O QUE É?  Os usuários de saúde possuem direitos garantidos por lei e os serviços de saúde devem incentivar o conhecimento desses direitos e assegurar que eles sejam cumpridos em todas as fases do cuidado, desde a recepção até a alta.  COMO FAZER?  Todo cidadão tem direito a uma equipe que cuide dele, de ser informado sobre sua saúde e também de decidir sobre compartilhar ou não sua dor e alegria com sua rede social.
  • 15.  Formação é intervenção  ... e intervenção é mudança  Através de cursos e oficinas de formação/intervenção e a partir da discussão dos processos de trabalho, as diretrizes e dispositivos da PNH são vivenciados e reinventados no cotidiano dos serviços de saúde. Em todo o Brasil, os trabalhadores são formados técnica e politicamente e reconhecidos como multiplicadores e apoiadores da PNH, pois são os construtores de novas realidades em saúde e poderão se tornar os futuros formadores da PNH em suas localidades.  A PNH investe em diversos materiais de formação, como cartilhas, documento base e outras publicações disponíveis na Biblioteca Virtual em Saúde.