SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
Baixar para ler offline
1
 Formação: Administrador Especialista - F.G.V.
 Profº.: MAURÍCIO DE NASSAU – Graduação.
 Profº.: ESAMAZ - Pós-Graduação.
 Profº.: ESMAC – Graduação e Pós-Graduação.
 Consultor: Gestão Comercial
Gestão de Pessoas
Gestão de ME e EPP
Empreendedorismo
Responsabilidade Social
Projeto Empresarial
Planejamento Estratégico
Plano de Negócios
 Resp. Social: Dir. Adm. Financeiro Voluntário – Instituição Assistencial Lar de Maria.
Dir. Adm. Financeiro Voluntário – Grupo de Estudo e Apoio à Adoção Renascer.
 Disciplinas: Fundamentos do Empreendedorismo
Gestão Empreendedora
Empreendedorismo em Organizações
Gestão Estratégica de Pessoas
Gestão do Conhecimento e Competências
Planejamento Estratégico
Plano de Negócios
Técnicas de Negociação e Administração de Conflitos
Gestão da Inovação e Empreendedorismo
 E-mail: ramonjr@ig.com.br
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
2
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
“Ao longo da história da humanidade
os prenúncios da moderna
Administração foram aparecendo aos
poucos e com uma lentidão
impressionante. [...]”
(Chiavenato – 2011)
“Somente a partir do século XX é que
ela surgiu e explodiu em um
desenvolvimento de notável pujança e
inovação”
(Chiavenato – 2011)
3
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Antes do Sec. XIX
Como eram as organizações:
 Poucas e pequenas, oficinas e artesãos independentes
 Pequenas escolas,
 Profissionais autônomos (médicos, advogados, artistas),
 Processos pouco definidos,
 Direitos trabalhistas não definidos,
 Insalubridade no trabalho,
 Baixo nível de especialização,
4
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências Filosóficas
Sócrates 470 a.C. – 399 a.C - “[...] em sua discussão com Nicomaquides,
expõe seu ponto de vista sobre a Administração como uma habilidade
pessoal separada do conhecimento técnico e da experiência”
(Chiavenato – 2011)
Platão 429 aC. – 347 a.C - “[...] analisou os problemas políticos e sociais
[...], em sua obra ‘A República’, expõe a forma democrática de governo
como a preferida na administração dos negócios públicos
(Chiavenato – 2011)
Aristóteles 384 aC. – 322 a.C - “[...] No livro ‘Política’, que versa sobre a
organização do Estado, distingue as três formas de administração pública:
Monarquia (tirania) , Aristocracia (elite) e Democracia (povo)
(Chiavenato – 2011)
5
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos – Influências
Igreja Católica
Após a queda do Império Romano em 476 d.C:
 Crescimento extraordinário da Igreja,
 Transferência da gestão pública do Estado p/Igreja
e organizações militares,
 Igreja e militares com objetivos comuns,
 Hierarquia de autoridade (assessoria),
 Coordenação funcional p/assegurar integração,
 Simples e eficiente (todos governados pelo Papa),
 Serviu de modelo para as demais organizações.
6
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos – Influências
Organizações Militares
General Chinês Sun Tzu – 544 a.C. – 496 a.C.:
 Escreveu ‘A Arte da Guerra’ (planos de guerra),
 Influencia até hoje gestores e consultores,
 Na Idade Média já se utilizava da estrutura linear,
 Unidade de comando como princípio hierárquico,
 Graus de responsabilidade e autoridade,
Napoleão Bonaparte 1769 – 1821 - “[...] cada general ao chefiar seu
exército, cuidava da totalidade do campo de batalha. Com as guerras de
maior alcance e de âmbito continental, o comando exigiu novos princípios,
como planejamento e controle descentralizados [...]”
(Chiavenato – 2011)
7
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências das Ciências
Francis Bacon 1561 - 1626 - “Filósofo e estadista inglês, fundador da
Lógica Moderna, baseada no método experimental e indutivo [...] mostra
preocupação prática de se separar o que é experimentalmente comprovado
do que é acidental ou acessório” (Chiavenato – 2011)
René Descartes 1569 - 1650 – “Filósofo, matemático e físico francês,
considerado o fundador da Filosofia Moderna, criador das coordenadas
cartesianas e impulsionou a matemática e a geometria”
(Chiavenato – 2011)
Galileu Galilei 1564 - 1642 – Físico, matemático e astrônomo italiano,
considerado Pai da Ciência Moderna” (Chiavenato – 2011)
Isaac Newton 1643 - 1727 – Considerado o mais influente na
história da ciência, tendência ao determinismo matemático
e à exatidão na Administração [...] seu racionalismo tornou-se
fundamental no início da teoria administrativa
(Chiavenato – 2011)
8
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
As grandes invenções:
 Máquina a vapor – James Watt (1736 – 1819),
 Nova concepção de trabalho,
 Grandes mudanças comerciais e sociais,
 Consequências econômicas, políticas e sociais,
 Novas matrizes energéticas: vapor e eletricidade.
“É a Revolução Industrial, que se
iniciou na Inglaterra e que pode ser
dividida em duas épocas distintas”
(Chiavenato – 2011)
9
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
A duas épocas distintas da Revolução Industrial:
 1ª Ref. Industrial - 1780 a 1860
Revolução do carvão e do ferro
2ª Ver. Industrial – 1860 a 1914
Revolução do aço e da eletricidade.
“A Rev. Industrial surgiu como uma bola de
neve em aceleração crescente e alcançou
todo seu ímpeto a partir do século XIX, a 1ª
Rev. Ind. passou por 4 fases distintas”
(Chiavenato – 2011)
10
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
1ª Revolução Industrial - 1ª Fase
Mecanização da Ind. e Agricultura:
 Máquina de fiar (1767),
 Tear hidráulico (1769),
 Tear mecânico (1785),
 Descascador de algodão (Whitney - 1792)
“[...] essas máquinas substituíram o trabalho
do homem e a força muscular do homem, do
animal ou da roda de água [...]”
(Chiavenato – 2011)
“[...] O descaroçador de algodão trabalhava mil libras de algodão,
enquanto, no mesmo tempo, um escravo conseguia trabalhar
apena cinco libras[...]”
(Chiavenato – 2011)
11
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
1ª Rev. Industrial - 2ª Fase
Aplicação da força motriz à Indústria:
 Força elástica do vapor (sec XIV sem aplicação).
 Em 1776 Watt inventa a máquina a vapor,
 Consequências:
 Oficinas transformam-se em fábricas,
 Profundas transformações nos transportes,
 Idem, comunicações,
 Idem, agricultura.
12
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
1ª Rev. Industrial - 3ª Fase
Desenvolvimento do sistema fabril:
 Desaparecimento do artesão e sua oficina,
 Surgimento do operário e das fábricas, baseadas na divisão do trabalho,
 Novas indústrias em detrimento da atividade rural,
 Êxodo rural, com graves complicações sociais (urbanização),
13
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
1ª Rev. Industrial 4ª Fase:
Aceleramento dos transportes e comunicações:
 Surgimento da navegação a vapor – 1807 – Robert Fulton,
 Substituição das rodas propulsoras por hélices,
 Aperfeiçoamento da locomotiva a vapor – Stephenson,
 Primeira estrada de ferro na Inglaterra – 1825,
 Propagação mundial das estradas de ferro,
 Invenção do telégrafo elétrico – Morse – 1835
 Invenção do selo postal – Inglaterra 1840,
 Invenção do telefone – Graham Bell – 1876
14
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial
2ª Rev. Industrial, provocada por 03 fatores (1860):
1. Processo de fabricação do aço – 1856,
2. Aperfeiçoamento do dínamo – 1873,
3. Invenção do motor de combustão interna – Daimler - 1873,
 Características:
1. Substituição do ferro pelo aço como matéria prima básica,
2. Substituição do vapor pela eletricidade e derivados de petróleo,
3. Desenvolvimento de máquinas automáticas e especialização do trabalho,
4. Domínio da indústria pela ciência,
5. Transformações radicais nas comunicações e transportes
6. Novas formas de organizações capitalistas.
15
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Economistas Clássicos
Teorias econômica – Séc. XVII:
 Foco nos fenômenos empresariais microeconômicos,
 Foco no empirismo comercial,
 Liberalismo econômico,
 Aceitação pelos clássicos – Séc. XVIII,
 Influência da Revolução Francesa (ideias liberais),
 Características:
 Bens naturais, sociais e econômicos são eternos,
 Direitos humanos inalienáveis,
 Liberalismo econômico (Estado fora da economia),
 Livre concorrência,
“As ideias básicas dos economistas clássicos liberais constituem os
germes iniciais do pensamento administrativo de nossos dias”
(Chiavenato – 2011)
16
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Economistas Clássicos
“As ideias básicas dos economistas clássicos liberais constituem os
germes iniciais do pensamento administrativo de nossos dias [...]”
(Chiavenato – 2011)
 Adam Smith – 1723 a 1790,
 Fundador da economia clássica,
 Centrada na competição,
 Intervenção estatal para garantir a lei e a ordem,
 Reforça o planejamento das organizações,
 Princípio da especialização (fabricação do alfinete),
 A riqueza das nações está na divisão do trabalho,
“Seus princípios vão influenciar Taylor e
Gilbreth como a base fundamental
da Administração Científica”
17
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Economistas Clássicos
“Karl Marx (1818-1883) e Friendrich Engel (1820-1895), criadores do
socialismo científico e do materialismo histórico, publicaram em
1848 o Manifesto Comunista [...]”
(Chiavenato – 2011)
 Análise dos diversos regimes econômicos e sociais,
 A luta de classes é o motor da história,
 Capitalismo é modo de produção transitório,
 Capitalismo está sujeito à crises cíclicas,
 Capitalismo como etapa rumo ao socialismo,
“O Estado é um órgão a serviço da classe dominante, cabendo
à classe operária lutar por sua conquista e implementar
a ditadura do proletariado [...] Em 1867 publica
‘O Capital’ e suas teorias sobre a ‘mais-valia’”
18
“O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século
XXI mais do que a Revolução Industrial foi para o século XX”
(Jefry Timmons, 1990)
A Revolução do Empreendedorismo – Sec. XX
 Grandes invenções
 Estilo de vida das pessoas
 1930 – Racionalização do trabalho
 1940 – Relações humanas no trabalho
 1950 – Funcionalismo estrutural
 1960 – Sistemas abertos
 1970 – Contingências ambientais
 1980 – Informática e informação
 1990 – Processo de Globalização
“[...] O momento atual pode ser chamado de a era do empreendedorismo, pois são os empreendedores
que estão eliminando barreiras comerciais e culturais, encurtando distâncias, globalizando e
renovando conceitos econômicos [...] criando novas relações de trabalho e emprego”
(Dornelas 2005)
Antecedentes Históricos
Influências dos Pioneiros Empreendedores
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Profº Ramón Jr. 19
“[...] O termo ‘entrepreneur’ tem origem francesa e quer dizer aquele
que assume riscos e começa algo novo”
(Hisrish - 1986)
• Marco Polo: ........nova rota comercial para o oriente
• Idade Média: ......gestão de grandes projetos de produção com pequeno risco
• Século XVII: ...... acordos contratuais com o governo, prevendo prejuízos
• Século XVIII:...... Rev. Industrial e a diferença entre capitalista e empreendedor
• Thomas Edison e os investidores financeiros
• Sec. XIX e XX: ... Empreendedores confundidos com gerentes ou administradores
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Pioneiros Empreendedores
20
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Pioneiros Empreendedores
21
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Pioneiros Empreendedores
22
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Antecedentes Históricos
Influências dos Pioneiros Empreendedores
A virada do Sec. XIX:
 Quebra financeira de grandes corporações,
 Grande empirismo na gestão (habilidade pessoal),
 Condições para o surgimento da empresa moderna,
 Pioneiros empreendedores substituídos por organizadores,
Chega a era da competição e concorrência (fatores):
 Tecnologia e concorrência entre nações,
 Livre comércio,
 De mercado vendedor para comprador,
 Aumento da capacidade de investimento,
 Obsolescência tecnológica acelerada,
 Crescimento de negócios e empresas
23
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Pressupostos da Abordagem clássica:
 Países industrializados (1º mundo),
 Crescimento acelerado das fábricas,
 Wilson Taylor, engenheiro americano (Teoria Científica),
 Henry Fayol, engenheiro europeu (Teoria Clássica),
 Não se comunicaram, mas formaram a base da Abordagem Clássica.
Abordagem Clássica da Administração
“[...] A Escola Científica se preocupa em aumentar a eficiência da indústria
por meio da racionalização do trabalho [...] ”
(Chiavenato – 2011)
“[...] A Escola Clássica se preocupa em
aumentar a eficiência da empresa por meio de
sua organização e da aplicação de princípios
gerais da Administração [...] ”
(Chiavenato – 2011)
24
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
“A Abordagem Clássica é desdobrada em duas orientações diferentes e,
até certo ponto, opostas entre si, mas que se complementam
com relativa coerência[...] ”
(Chiavenato – 2011)
25
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Origens da Abordagem Clássica – Consequências da Rev. Industrial:
1 - Crescimento rápido e desorganizado das empresas,
 Grande utilização de processos empíricos e improvisados,
 Necessária intervenção científica nos métodos e processos,
 De teorias globais para as microindustriais,
 Surgem as condições de planejamento para substituir o improviso
2- Necessário aumento da competência e eficiência das organizações:
 Otimização da utilização dos recursos, visando a competitividade,
 Aumento da produção em massa e o número de assalariados,
 Necessidade de evitar o desperdício e economizar mão de obra
 Divisão: os que pensam (gerentes), os que executam (trabalhadores)
Abordagem Clássica da Administração
“[...] Nascem as condições econômicas e técnicas para o surgimento do
‘Taylorismo e Fordismo’ nos E.U.A. e do ‘Fayolismo na Europa’”
(Chiavenato – 2011)
26
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
“[...] o nome Administração Científica é devido à tentativa de aplicação dos
métodos da ciência aos problemas da Administração a fim de aumentar a
eficiência industrial” (Chiavenato – 2011)
Características:
 Iniciada por Frederick Winslow Taylor (1856-1915) – EUA.
 Ênfase na administração das tarefas,
 Foco na racionalização do trabalho, padronização e seus princípios.
“[...] Taylor é considerado o fundador da
moderna TGA, tendo como seguidores: Gantt,
Gilbreth, Emerson, Ford, Barth [...]”
(Chiavenato – 2011)
27
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Objetivos dos estudos iniciais de Taylor:
 Estudo profundo das rotinas dos operários – “chão de fábrica”,
 Estuda o processamento das tarefas para racionalizá-las,
 Observa desperdício te tempo e produção,
 Percebe diferença de produção entre os operários,
 Essa diferença é percebida pelo operários mais produtivos,
 Como todos ganham o mesmo salário, o mais produtivo se acomoda.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
“[...] Daí a necessidade de criar condições de pagar mais ao operário
que produz mais.
(Chiavenato – 2011)
28
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
1º Período – “Shop Management” - (1903):
 Pagar salários melhores diminuindo custos de produção,
 Aplicação de métodos científicos, pesquisas e experimentos,
 Seleção científica de operários conforme suas competências,
 Treinamento científico para aperfeiçoar suas competências,
 Íntima relação da Administração com operários
para garantir o ambiente psicológico.
29
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
2º Período – “The Principles of Scientific Management” - (1911):
 Princípio de planejamento – substituição do empirismo por ciência,
 Princípio de preparo – seleção de trabalhadores e disposição do ‘layout’,
 Princípio do controle – para verificar se o trabalho atende a eficácia,
 Princípio da execução – distribuição de responsabilidades.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
“A preocupação de racionalizar, padronizar e prescrever
normas de conduta ao administrador, levou os
engenheiros da Administração Científica a pensar que
tais princípios pudessem ser aplicados a todas as
situações possíveis”
(Chiavenato – 2011)
30
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
1) Princípio de planejamento:
 Substitui no trabalho o critério individual,
 Idem, a improvisação e ação empírico-prática,
 Aplicação de métodos científicos,
 Substituição da improvisação pela ciência através do planejamento,
31
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
2) Princípio de preparo:
 Seleção de operários pela aptidão, treinamento para produzir mais e melhor,
 Seleção e treinamento de acordo com o planejamento,
 Preparar máquinas e equipamentos com um ‘layout’ mais racional.
32
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
3) Princípio de controle:
 O trabalho executado está de acordo com o planejamento,
 Gerência e operários em franca cooperação.
Profº Ramón Jr. 33
Processo:
 Planejamento
 Projeção de resultado
 Realização do resultado
 Acompanhamento
Inovação, Empreendedorismo e Planejamento
Acompanhamento de Resultados
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
34
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Administração Científica – Taylor (EUA)
4) Princípio da execução:
 Distribuição de atribuições e responsabilidades,
 Busca a execução do trabalho de forma disciplinada
“Princípio baseado não no desempenho médio, mas na verificação das
exceções ou desvios dos padrões normais Chiavenato – 2011)
Profº. Ramón Jr 35
“[...] sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que,
conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuando
uma função”
(DJALMA REBOUÇAS, 2009)
Compõem o Sistema e o Planejamento Estratégico:
 Objetivos dos usuários e do sistema;
 As entradas (material, informação e energia para operacionalização ou processo);
 Processo de transformação (função que possibilita transformação dos insumos);
 Saídas do sistema (são as finalidades dos objetivos, quantificáveis e qualificáveis);
 Controle e avaliação (exige uma medida padrão);
 Retroalimentação, realimentação ou “feedback”;
 Retroalimentação Positiva (entrada aumenta desempenho do processo ou saída);
 Retroalimentação Negativa (entrada diminui desempenho do processo ou saída);
“[...] A realimentação é um processo de comunicação que reage a cada
entrada de informação, incorporando o resultado da ‘ação resposta’
desencadeada por meio de nova informação, a qual afetará seu
comportamento subsequente, e assim sucessivamente”
(DJALMA REBOUÇAS, 2009)
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
A Empresa Como Sistema
Profº. Ramón Jr 36
Processos de
Transformação
Entradas Saídas
Retroalimentação
Controles e Avaliações
Objetivos
“[...] a realimentação é um instrumento de regulação retroativa ou de controle, em
que as informações realimentadas são resultados das divergências verificadas
entre as respostas de um sistema e os parâmetros [padrão] previamente
estabelecidos”
“[...] Portanto o objetivo do controle é reduzir as discrepâncias ao mínimo, bem
como propiciar uma situação em que esse sistema se torna auto-regulador.”
(DJALMA REBOUÇAS, 2009)
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Elementos Componentes do Sistema
37
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Princípios de Harrington Emerson
Princípios de Harrington Emerson - (1853 – 1931) :
1. Definição de plano e objetivos,
2. Predomínio do bom-senso,
3. Orientação, instruções e supervisão competentes,
4. Manter disciplina,
5. Honestidade e justiça social nos acordos,
6. Registros precisos, imediatos e adequados,
7. Remuneração proporcional ao trabalho,
8. Normas padronizadas para condições de trabalho,
9. Normas padronizadas para o trabalho em sí,
10. Normas padronizadas para operações,
11. Estabelecer instruções precisas
12. Incentivos para aumento de rendimento e eficiência.
“Engenheiro, popularizou a Administração Científica e desenvolveu os
primeiros trabalhos sobre seleção e treinamento de empregados”
(Chiavenato – 2011)
38
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Clássica da Administração
Princípios de Básicos de Ford
Princípios de Ford (1863 – 1947) :
1. Princípio da intensificação: diminuição do tempo de execução, utilização
imediata de equipamentos, matéria-prima e rápida colocação do produto no
mercado.
2. Princípio de economicidade: reduzir ao mínimo o volume de estoque de matérias
primas [...], fazendo que o automóvel fosse pago à empresa antes do vencimento dos
salários.
3. Princípio de produtividade: aumentar a capacidade de produção do homem através da
especialização.
“Sua ideia: popularizar um produto antes artesanal e
destinado a milionários, ou seja, vender carros a
preços populares, com assistência técnica garantida,
revolucionando a estratégia comercial da época”
(Chiavenato – 2011)
39
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria das Relações Humanas
Elton Mayo e Colaboradores (EUA)
Origens da Teoria das Relações Humanas:
1. Necessidade de humanizar e democratizar a administração, libertando-a dos
conceitos rígidos e mecanicistas da Teoria Clássica. É um movimento americano.
2. O desenvolvimento das ciências humanas, principalmente a psicologia aplicada à
organização industrial. As ciências humanas vieram demonstrar a inadequação dos
princípios da Teoria Clássica.
3. Elton Mayo é o fundador da escola. As ideias da filosofia pragmática de John Dewey e
da Psicologia Dinâmica de Kurt Lewin, foram fundamentais para o humanismo na
administração.
4. A experiência de Hawthorne, em 1924 realizou
pesquisa para verificar a correlação entre
produtividade e iluminação do local de trabalho.
40
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Resultados da experiência de Hawthorne (1924):
1. O nível de produção é resultado da integração social,
2. O comportamento social dos empregados se apoia totalmente no grupo,
3. Recompensas e sanções sociais, pode influenciar no comportamento,
4. Grupos informais, preocupação contrária aos clássicos,
5. Relações humanas, as pessoas mantém-se em constante interação,
6. Importância do conteúdo do cargo, a especialização não é a maneira mais
eficiente da divisão do trabalho,
7. Ênfase nos aspectos emocionais, atenção aos aspectos emocionais não
planejados.
Teoria das Relações Humanas
Elton Mayo e Colaboradores (EUA)
41
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria das Relações Humanas
Elton Mayo e Colaboradores (EUA)
“Roethlisberger e Dickson, relatores da experiência de Hawthorne,
concebem a fábrica como um sistema social com duas funções principais,
uma econômica e uma social, devendo a organização industrial buscar
simultaneamente essas duas formas de equilíbrio”
(Chiavenato – 2011)
42
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria das Relações Humanas
Decorrências
Surgimento de uma nova concepção sobre a natureza do homem:
1. Trabalhadores são criaturas sociais complexas, dotadas de sentimentos,
desejos e temores,
2. As pessoas são motivadas por necessidades humanas e alcançam
satisfação por meio dos grupos sociais,
3. O comportamento dos grupos sociais é influenciado pelo estilo de
supervisão e liderança.
4. As normas sociais do grupo funcionam como mecanismos reguladores do
comportamento de seus membros.
43
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria das Relações Humanas
Decorrências – Kurt Lewin - Etapas do Ciclo
Motivacional
Teoria de campo de Kurt Lewin:
1. O comportamento humano é derivado da totalidade de fatos coexistentes,
2. Esses fatos coexistentes têm o caráter de um campo dinâmico [campo de
forças impulsivas e repulsivas], onde as partes dependem de uma inter-
relação com as demais partes.
3. O ciclo motivacional pode resultar em frustração ou compensação,
44
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria das Relações Humanas
Decorrências – Kurt Lewin - Etapas do Ciclo
Motivacional
“Toda necessidade não satisfeita é
motivadora de comportamento. Quando
uma necessidade não é satisfeita dentro
de um tempo razoável, ela passa a ser
um motivo de frustração, podendo
conduzir a reações comportamentais”
(Chiavenato – 2011)
45
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Comportamental
Behaviorista
Origens e aspectos gerais da abordagem comportamental:
 Nasce a partir dos trabalhos de dinâmica de grupo por Kurt Lewin,
 Também chamada de behaviorista (psicologia),
 Comportamento é a maneira de agir de um indivíduo ou organização,
 Contribuições das ciências comportamentais à Administração:
 O homem é um animal social dotado de necessidades,
 Idem, dotado de um sistema psíquico,
 Idem, capacidade de articular a linguagem e raciocínio abstrato,
 Idem, com aptidão para aprender,
 O comportamento humano é orientado para objetivos,
 Apresenta um comportamento dual
(cooperação ou competitividade)
46
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria Comportamental da Administração
Origens e aspectos gerais da Teoria Comportamental:
1. Oposição a Teoria das Relações Humanas (ênfase radical nas relações humanas),
2. Representa um desdobramento da Teoria das Relações Humanas,
3. Critica a Teoria Clássica,
4. Incorpora a Sociologia da Burocracia.
5. O Comportamento Administrativo de Herbert A. Simon (1947),
“[...] surge no final da década de 1940, com redefinição
total de conceitos administrativos: critica as teorias
anteriores, ampliando seu conteúdo e diversificando sua
natureza” (Chiavenato – 2011)
47Fonte: Maximiano -TGA
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria Comportamental da Administração
Hierarquia das Necessidades - Abraham Maslow - 1950
48
Administração de Recursos Humanos I
Fonte: A.J. DuBrin 2002
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria Comportamental da Administração
Hierarquia das Necessidades - Abraham Maslow - 1950
49
Base nos fatores higiênicos e motivacionais :
 Fatores Higiênicos:
 Localizados no ambiente do trabalho
 Extrínsecos às pessoas (salários, benefícios sociais, gestão, ambiente)
 Quando presentes não causam insatisfação, mas não causam satisfação
 Quando ausentes podem causar até “greve”
 Fatores Motivacionais:
 São intrínsecos (auto-realização e reconhecimento)
 Quando presentes causam satisfação
 Se ausentes deixam de causar satisfação, mas não chegam causar insatisfação
 Críticas a Herzberg:
 Satisfação relacionada ao seu próprio talento
 Insatisfação relacionado a “forças ocultas” ou externas
 Satisfação é uma questão de “ego”
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria Comportamental da Administração
Frederick Herzberg - 1960
50
Administração de Recursos Humanos I
Ambiente de Trabalho
Fatores Higiênicos
Fatores motivacionais:
Conteúdo do Trabalho
 Maslow - preocupação com as fontes de motivação no sentido da vida em geral
 Herzberg - focalizou as fontes de motivação que pareciam estar relacionadas ao trabalho.
Fonte: Maximiano -TGA
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria Comportamental da Administração
Teoria dos 2 fatores - Frederick Herzberg - 1960
51
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Teoria Comportamental da Administração
McGregor – Teoria X e Y
Teoria X:
 Concepção tradicional, baseada
em concepções errôneas sobre
o comportamento humano
Teoria Y:
 Concepção moderna, baseada
em concepções atuais e sem
preconceitos
52
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Sistêmica da Administração
Teoria Geral dos Sistemas (TGS) - Ludwig Von Bertalanffy - 1950
Origens e aspectos gerais da abordagem sistêmica:
 A partir da teoria interdisciplinar em princípios gerais p/todas as ciências,
 O sistema não pode ser compreendido isoladamente,
 Os diversos ramos do conhecimento são compartilhados em uma análise ampla,
 A TGS baseia-se na compreensão da dependência recíproca das disciplinas.
 A TGS fundamenta-se em três premissas básicas:
 Os sistemas existem dentro de sistemas,
 Os sistemas são abertos,
 As funções de um sistema dependem de suas estruturas.
“O conceito de sistemas proporciona uma visão
compreensiva, abrangente, hosística e gestáltica de um
conjunto de coisas complexas, dando-lhe a configuração
e identidade total” (Chiavenato – 2011)
53
Hierarquia de sistemas:
 “O ambiente é também chamado meio ambiente, meio externo, meio ou entorno.”
 Sistema (o que se estuda ou se considera ... É sempre a empresa como um“todo”);
 Subsistema (são as partes do sistema);
 Supersistema ou ecossistema (é o todo e o sistema é um subsistema dele).
 [...] Sistemas aberto, são as empresas que estão em permanente
intercâmbio com o ambiente, em um equilíbrio dinâmico, a partir de uma
adaptação da empresa em relação a seu ambiente.”
(Rebolças – 2009)
Supersistema ou Ecossistema
Sistema
Subsistema Subsistema
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Sistêmica da Administração
Teoria Geral dos Sistemas (TGS) - Ludwig Von Bertalanffy - 1950
54
Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
Abordagem Contingencial – Teoria da Contingência
Ações
Administrativas
Resultados
Organizacionais
Características
Situacionais
São contingentes
das Para obter
Origens e aspectos gerais da Teoria Contingencial:
 A partir de pesquisas para identificas as melhores estruturas organizacionais,
 As estruturas são dependentes da interface com o ambiente externo,
 Não há um único melhor jeito de organizar (the best way),
 Pesquisa de Chandler (Dupont, GM, Standard Oil) as empresas passaram por 4 fases:
 Acúmulo de recursos (após a Guerra da Sucessão 1865),
 Racionalização dos recursos,
 Continuação do crescimento,
 Racionalização do uso de recursos em expansão.
“A TC enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria
administrativa. Tudo é relativo. Tudo depende, existindo uma relação funcional entre
as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance
eficaz dos objetivos” (Chiavenato – 2011)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoEvolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômico
André Dal Bello
 
Paradigmas na teoria das organizações revista
Paradigmas na teoria das organizações revistaParadigmas na teoria das organizações revista
Paradigmas na teoria das organizações revista
CIRINEU COSTA
 
Slides - economia
Slides - economia Slides - economia
Slides - economia
Felipe Hiago
 
Breve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economicoBreve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economico
Vanessa Fenner
 
Aula2 evolucao pensamento_economico
Aula2 evolucao pensamento_economicoAula2 evolucao pensamento_economico
Aula2 evolucao pensamento_economico
Vanessa Alves
 
Fundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaFundamentos de econômia
Fundamentos de econômia
Dayane Dias
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
Daniele Rubim
 

Mais procurados (19)

Apostila gestao empresarial parte 1
Apostila gestao empresarial parte 1Apostila gestao empresarial parte 1
Apostila gestao empresarial parte 1
 
Evolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômicoEvolução do pensamento econômico
Evolução do pensamento econômico
 
Paradigmas na teoria das organizações revista
Paradigmas na teoria das organizações revistaParadigmas na teoria das organizações revista
Paradigmas na teoria das organizações revista
 
Historia Do Pensamento Economico
Historia Do Pensamento EconomicoHistoria Do Pensamento Economico
Historia Do Pensamento Economico
 
Slides - economia
Slides - economia Slides - economia
Slides - economia
 
Aula 3 E 4 Gestao E Adm De Pessoal 2010 1
Aula 3 E 4   Gestao E Adm De Pessoal 2010 1Aula 3 E 4   Gestao E Adm De Pessoal 2010 1
Aula 3 E 4 Gestao E Adm De Pessoal 2010 1
 
Breve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economicoBreve historia do_pensamento_economico
Breve historia do_pensamento_economico
 
Economia 1
Economia 1Economia 1
Economia 1
 
O combate às desigualdades sociais no capitalismo segundo marx e piketty
O combate às  desigualdades sociais no capitalismo segundo marx e pikettyO combate às  desigualdades sociais no capitalismo segundo marx e piketty
O combate às desigualdades sociais no capitalismo segundo marx e piketty
 
Aula2 evolucao pensamento_economico
Aula2 evolucao pensamento_economicoAula2 evolucao pensamento_economico
Aula2 evolucao pensamento_economico
 
A Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento EconômicoA Evolução do Pensamento Econômico
A Evolução do Pensamento Econômico
 
7ª aula 09 04-2010
7ª aula 09 04-20107ª aula 09 04-2010
7ª aula 09 04-2010
 
Antecedentes históricos da administração
Antecedentes históricos da administraçãoAntecedentes históricos da administração
Antecedentes históricos da administração
 
Capítulo 10 - Temas Contemporâneos da Sociologia
Capítulo 10 - Temas Contemporâneos da SociologiaCapítulo 10 - Temas Contemporâneos da Sociologia
Capítulo 10 - Temas Contemporâneos da Sociologia
 
02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico02 Economia - Pensamento Econômico
02 Economia - Pensamento Econômico
 
A ciência e os avanços do conhecimento em economia
A ciência e os avanços do conhecimento em economiaA ciência e os avanços do conhecimento em economia
A ciência e os avanços do conhecimento em economia
 
Fundamentos de econômia
Fundamentos de econômiaFundamentos de econômia
Fundamentos de econômia
 
Teoria da administração
Teoria da administraçãoTeoria da administração
Teoria da administração
 
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k huntHistória do pensamento econômico   cap 1 - introdução e k hunt
História do pensamento econômico cap 1 - introdução e k hunt
 

Semelhante a 2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.

Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Apostila adm tga
Apostila adm   tgaApostila adm   tga
Apostila adm tga
admcontabil
 
Teorias administrativas e a enfermagem
Teorias administrativas e a enfermagemTeorias administrativas e a enfermagem
Teorias administrativas e a enfermagem
Marianny Dantas
 
APOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIAAPOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIA
unirio2011
 
APOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIAAPOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIA
unirio2011
 

Semelhante a 2 estrategia de_gestão - Ramón Jr. (20)

antecedentes historicos da administração.ppt
antecedentes historicos da administração.pptantecedentes historicos da administração.ppt
antecedentes historicos da administração.ppt
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
2011 08-06 - aula 02 de 20 - fundamentos da administração e funções do admini...
2011 08-06 - aula 02 de 20 - fundamentos da administração e funções do admini...2011 08-06 - aula 02 de 20 - fundamentos da administração e funções do admini...
2011 08-06 - aula 02 de 20 - fundamentos da administração e funções do admini...
 
Tga
TgaTga
Tga
 
Apostila adm tga
Apostila adm   tgaApostila adm   tga
Apostila adm tga
 
Apostila adm tga
Apostila adm   tgaApostila adm   tga
Apostila adm tga
 
Taylor admcientifica
Taylor admcientificaTaylor admcientifica
Taylor admcientifica
 
Aula De Ta I Aula 2 InfluêNcias Para CiêNcia Da AdministraçãO
Aula De Ta I   Aula 2 InfluêNcias Para CiêNcia Da AdministraçãOAula De Ta I   Aula 2 InfluêNcias Para CiêNcia Da AdministraçãO
Aula De Ta I Aula 2 InfluêNcias Para CiêNcia Da AdministraçãO
 
Fundamentos Da Administração
Fundamentos Da AdministraçãoFundamentos Da Administração
Fundamentos Da Administração
 
1 introducao ao estudo da administracao
1   introducao ao estudo da administracao1   introducao ao estudo da administracao
1 introducao ao estudo da administracao
 
Teorias administrativas e a enfermagem
Teorias administrativas e a enfermagemTeorias administrativas e a enfermagem
Teorias administrativas e a enfermagem
 
491296.pptx
491296.pptx491296.pptx
491296.pptx
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
Complemento qqq
Complemento  qqqComplemento  qqq
Complemento qqq
 
APOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIAAPOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIA
 
Apostila economia
Apostila economiaApostila economia
Apostila economia
 
APOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIAAPOSTILA_ECONOMIA
APOSTILA_ECONOMIA
 

Mais de Alexandre Cavalcanti

Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos Souza
Alexandre Cavalcanti
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Alexandre Cavalcanti
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr
Alexandre Cavalcanti
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Alexandre Cavalcanti
 

Mais de Alexandre Cavalcanti (20)

Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.Atividade de apoio à prova da prof dalva.
Atividade de apoio à prova da prof dalva.
 
Trabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe RhTrabalho em equipe Rh
Trabalho em equipe Rh
 
Postura profissional
Postura profissionalPostura profissional
Postura profissional
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Histórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanosHistórico de recursos humanos
Histórico de recursos humanos
 
Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.Desafios para gestão de Rh.
Desafios para gestão de Rh.
 
Chefia e liderança
Chefia e liderançaChefia e liderança
Chefia e liderança
 
Trabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla RhTrabalho em equipe.Karla Rh
Trabalho em equipe.Karla Rh
 
Informática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos SouzaInformática hospitalar-Carlos Souza
Informática hospitalar-Carlos Souza
 
O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2O texto não verbal thais pompeu2
O texto não verbal thais pompeu2
 
Atividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais PompeuAtividade 1- Thais Pompeu
Atividade 1- Thais Pompeu
 
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais PompeuLinguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
Linguagem e teoria da comunicação gestão.-Thais Pompeu
 
1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr1 analise conjuntural Ramón Jr
1 analise conjuntural Ramón Jr
 
4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr4 teorias motivacionais Ramónjr
4 teorias motivacionais Ramónjr
 
5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr5 estrategias empresariais Ramón Jr
5 estrategias empresariais Ramón Jr
 
3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr3 taylor e_fayol Ramón jr
3 taylor e_fayol Ramón jr
 
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
Gestão financeira -Sílvio ronaldo doc8
 
Sistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélemSistema financeiro nacional fmn bélem
Sistema financeiro nacional fmn bélem
 
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldoHistoria do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
Historia do dinheiro_no_brasil-silvio ronaldo
 
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3Historia do dinheiro_banco_central doc 3
Historia do dinheiro_banco_central doc 3
 

Último

1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
azulassessoria9
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 

Último (20)

As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
ATIVIDADE 2 - GQ - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL E NEGOCIAÇÃO - 52_2024
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 

2 estrategia de_gestão - Ramón Jr.

  • 1. 1  Formação: Administrador Especialista - F.G.V.  Profº.: MAURÍCIO DE NASSAU – Graduação.  Profº.: ESAMAZ - Pós-Graduação.  Profº.: ESMAC – Graduação e Pós-Graduação.  Consultor: Gestão Comercial Gestão de Pessoas Gestão de ME e EPP Empreendedorismo Responsabilidade Social Projeto Empresarial Planejamento Estratégico Plano de Negócios  Resp. Social: Dir. Adm. Financeiro Voluntário – Instituição Assistencial Lar de Maria. Dir. Adm. Financeiro Voluntário – Grupo de Estudo e Apoio à Adoção Renascer.  Disciplinas: Fundamentos do Empreendedorismo Gestão Empreendedora Empreendedorismo em Organizações Gestão Estratégica de Pessoas Gestão do Conhecimento e Competências Planejamento Estratégico Plano de Negócios Técnicas de Negociação e Administração de Conflitos Gestão da Inovação e Empreendedorismo  E-mail: ramonjr@ig.com.br Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
  • 2. 2 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos “Ao longo da história da humanidade os prenúncios da moderna Administração foram aparecendo aos poucos e com uma lentidão impressionante. [...]” (Chiavenato – 2011) “Somente a partir do século XX é que ela surgiu e explodiu em um desenvolvimento de notável pujança e inovação” (Chiavenato – 2011)
  • 3. 3 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Antes do Sec. XIX Como eram as organizações:  Poucas e pequenas, oficinas e artesãos independentes  Pequenas escolas,  Profissionais autônomos (médicos, advogados, artistas),  Processos pouco definidos,  Direitos trabalhistas não definidos,  Insalubridade no trabalho,  Baixo nível de especialização,
  • 4. 4 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências Filosóficas Sócrates 470 a.C. – 399 a.C - “[...] em sua discussão com Nicomaquides, expõe seu ponto de vista sobre a Administração como uma habilidade pessoal separada do conhecimento técnico e da experiência” (Chiavenato – 2011) Platão 429 aC. – 347 a.C - “[...] analisou os problemas políticos e sociais [...], em sua obra ‘A República’, expõe a forma democrática de governo como a preferida na administração dos negócios públicos (Chiavenato – 2011) Aristóteles 384 aC. – 322 a.C - “[...] No livro ‘Política’, que versa sobre a organização do Estado, distingue as três formas de administração pública: Monarquia (tirania) , Aristocracia (elite) e Democracia (povo) (Chiavenato – 2011)
  • 5. 5 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos – Influências Igreja Católica Após a queda do Império Romano em 476 d.C:  Crescimento extraordinário da Igreja,  Transferência da gestão pública do Estado p/Igreja e organizações militares,  Igreja e militares com objetivos comuns,  Hierarquia de autoridade (assessoria),  Coordenação funcional p/assegurar integração,  Simples e eficiente (todos governados pelo Papa),  Serviu de modelo para as demais organizações.
  • 6. 6 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos – Influências Organizações Militares General Chinês Sun Tzu – 544 a.C. – 496 a.C.:  Escreveu ‘A Arte da Guerra’ (planos de guerra),  Influencia até hoje gestores e consultores,  Na Idade Média já se utilizava da estrutura linear,  Unidade de comando como princípio hierárquico,  Graus de responsabilidade e autoridade, Napoleão Bonaparte 1769 – 1821 - “[...] cada general ao chefiar seu exército, cuidava da totalidade do campo de batalha. Com as guerras de maior alcance e de âmbito continental, o comando exigiu novos princípios, como planejamento e controle descentralizados [...]” (Chiavenato – 2011)
  • 7. 7 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências das Ciências Francis Bacon 1561 - 1626 - “Filósofo e estadista inglês, fundador da Lógica Moderna, baseada no método experimental e indutivo [...] mostra preocupação prática de se separar o que é experimentalmente comprovado do que é acidental ou acessório” (Chiavenato – 2011) René Descartes 1569 - 1650 – “Filósofo, matemático e físico francês, considerado o fundador da Filosofia Moderna, criador das coordenadas cartesianas e impulsionou a matemática e a geometria” (Chiavenato – 2011) Galileu Galilei 1564 - 1642 – Físico, matemático e astrônomo italiano, considerado Pai da Ciência Moderna” (Chiavenato – 2011) Isaac Newton 1643 - 1727 – Considerado o mais influente na história da ciência, tendência ao determinismo matemático e à exatidão na Administração [...] seu racionalismo tornou-se fundamental no início da teoria administrativa (Chiavenato – 2011)
  • 8. 8 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial As grandes invenções:  Máquina a vapor – James Watt (1736 – 1819),  Nova concepção de trabalho,  Grandes mudanças comerciais e sociais,  Consequências econômicas, políticas e sociais,  Novas matrizes energéticas: vapor e eletricidade. “É a Revolução Industrial, que se iniciou na Inglaterra e que pode ser dividida em duas épocas distintas” (Chiavenato – 2011)
  • 9. 9 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial A duas épocas distintas da Revolução Industrial:  1ª Ref. Industrial - 1780 a 1860 Revolução do carvão e do ferro 2ª Ver. Industrial – 1860 a 1914 Revolução do aço e da eletricidade. “A Rev. Industrial surgiu como uma bola de neve em aceleração crescente e alcançou todo seu ímpeto a partir do século XIX, a 1ª Rev. Ind. passou por 4 fases distintas” (Chiavenato – 2011)
  • 10. 10 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial 1ª Revolução Industrial - 1ª Fase Mecanização da Ind. e Agricultura:  Máquina de fiar (1767),  Tear hidráulico (1769),  Tear mecânico (1785),  Descascador de algodão (Whitney - 1792) “[...] essas máquinas substituíram o trabalho do homem e a força muscular do homem, do animal ou da roda de água [...]” (Chiavenato – 2011) “[...] O descaroçador de algodão trabalhava mil libras de algodão, enquanto, no mesmo tempo, um escravo conseguia trabalhar apena cinco libras[...]” (Chiavenato – 2011)
  • 11. 11 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial 1ª Rev. Industrial - 2ª Fase Aplicação da força motriz à Indústria:  Força elástica do vapor (sec XIV sem aplicação).  Em 1776 Watt inventa a máquina a vapor,  Consequências:  Oficinas transformam-se em fábricas,  Profundas transformações nos transportes,  Idem, comunicações,  Idem, agricultura.
  • 12. 12 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial 1ª Rev. Industrial - 3ª Fase Desenvolvimento do sistema fabril:  Desaparecimento do artesão e sua oficina,  Surgimento do operário e das fábricas, baseadas na divisão do trabalho,  Novas indústrias em detrimento da atividade rural,  Êxodo rural, com graves complicações sociais (urbanização),
  • 13. 13 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial 1ª Rev. Industrial 4ª Fase: Aceleramento dos transportes e comunicações:  Surgimento da navegação a vapor – 1807 – Robert Fulton,  Substituição das rodas propulsoras por hélices,  Aperfeiçoamento da locomotiva a vapor – Stephenson,  Primeira estrada de ferro na Inglaterra – 1825,  Propagação mundial das estradas de ferro,  Invenção do telégrafo elétrico – Morse – 1835  Invenção do selo postal – Inglaterra 1840,  Invenção do telefone – Graham Bell – 1876
  • 14. 14 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos - Influências da Rev. Industrial 2ª Rev. Industrial, provocada por 03 fatores (1860): 1. Processo de fabricação do aço – 1856, 2. Aperfeiçoamento do dínamo – 1873, 3. Invenção do motor de combustão interna – Daimler - 1873,  Características: 1. Substituição do ferro pelo aço como matéria prima básica, 2. Substituição do vapor pela eletricidade e derivados de petróleo, 3. Desenvolvimento de máquinas automáticas e especialização do trabalho, 4. Domínio da indústria pela ciência, 5. Transformações radicais nas comunicações e transportes 6. Novas formas de organizações capitalistas.
  • 15. 15 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Economistas Clássicos Teorias econômica – Séc. XVII:  Foco nos fenômenos empresariais microeconômicos,  Foco no empirismo comercial,  Liberalismo econômico,  Aceitação pelos clássicos – Séc. XVIII,  Influência da Revolução Francesa (ideias liberais),  Características:  Bens naturais, sociais e econômicos são eternos,  Direitos humanos inalienáveis,  Liberalismo econômico (Estado fora da economia),  Livre concorrência, “As ideias básicas dos economistas clássicos liberais constituem os germes iniciais do pensamento administrativo de nossos dias” (Chiavenato – 2011)
  • 16. 16 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Economistas Clássicos “As ideias básicas dos economistas clássicos liberais constituem os germes iniciais do pensamento administrativo de nossos dias [...]” (Chiavenato – 2011)  Adam Smith – 1723 a 1790,  Fundador da economia clássica,  Centrada na competição,  Intervenção estatal para garantir a lei e a ordem,  Reforça o planejamento das organizações,  Princípio da especialização (fabricação do alfinete),  A riqueza das nações está na divisão do trabalho, “Seus princípios vão influenciar Taylor e Gilbreth como a base fundamental da Administração Científica”
  • 17. 17 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Economistas Clássicos “Karl Marx (1818-1883) e Friendrich Engel (1820-1895), criadores do socialismo científico e do materialismo histórico, publicaram em 1848 o Manifesto Comunista [...]” (Chiavenato – 2011)  Análise dos diversos regimes econômicos e sociais,  A luta de classes é o motor da história,  Capitalismo é modo de produção transitório,  Capitalismo está sujeito à crises cíclicas,  Capitalismo como etapa rumo ao socialismo, “O Estado é um órgão a serviço da classe dominante, cabendo à classe operária lutar por sua conquista e implementar a ditadura do proletariado [...] Em 1867 publica ‘O Capital’ e suas teorias sobre a ‘mais-valia’”
  • 18. 18 “O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século XXI mais do que a Revolução Industrial foi para o século XX” (Jefry Timmons, 1990) A Revolução do Empreendedorismo – Sec. XX  Grandes invenções  Estilo de vida das pessoas  1930 – Racionalização do trabalho  1940 – Relações humanas no trabalho  1950 – Funcionalismo estrutural  1960 – Sistemas abertos  1970 – Contingências ambientais  1980 – Informática e informação  1990 – Processo de Globalização “[...] O momento atual pode ser chamado de a era do empreendedorismo, pois são os empreendedores que estão eliminando barreiras comerciais e culturais, encurtando distâncias, globalizando e renovando conceitos econômicos [...] criando novas relações de trabalho e emprego” (Dornelas 2005) Antecedentes Históricos Influências dos Pioneiros Empreendedores Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
  • 19. Profº Ramón Jr. 19 “[...] O termo ‘entrepreneur’ tem origem francesa e quer dizer aquele que assume riscos e começa algo novo” (Hisrish - 1986) • Marco Polo: ........nova rota comercial para o oriente • Idade Média: ......gestão de grandes projetos de produção com pequeno risco • Século XVII: ...... acordos contratuais com o governo, prevendo prejuízos • Século XVIII:...... Rev. Industrial e a diferença entre capitalista e empreendedor • Thomas Edison e os investidores financeiros • Sec. XIX e XX: ... Empreendedores confundidos com gerentes ou administradores Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Pioneiros Empreendedores
  • 20. 20 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Pioneiros Empreendedores
  • 21. 21 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Pioneiros Empreendedores
  • 22. 22 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Antecedentes Históricos Influências dos Pioneiros Empreendedores A virada do Sec. XIX:  Quebra financeira de grandes corporações,  Grande empirismo na gestão (habilidade pessoal),  Condições para o surgimento da empresa moderna,  Pioneiros empreendedores substituídos por organizadores, Chega a era da competição e concorrência (fatores):  Tecnologia e concorrência entre nações,  Livre comércio,  De mercado vendedor para comprador,  Aumento da capacidade de investimento,  Obsolescência tecnológica acelerada,  Crescimento de negócios e empresas
  • 23. 23 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Pressupostos da Abordagem clássica:  Países industrializados (1º mundo),  Crescimento acelerado das fábricas,  Wilson Taylor, engenheiro americano (Teoria Científica),  Henry Fayol, engenheiro europeu (Teoria Clássica),  Não se comunicaram, mas formaram a base da Abordagem Clássica. Abordagem Clássica da Administração “[...] A Escola Científica se preocupa em aumentar a eficiência da indústria por meio da racionalização do trabalho [...] ” (Chiavenato – 2011) “[...] A Escola Clássica se preocupa em aumentar a eficiência da empresa por meio de sua organização e da aplicação de princípios gerais da Administração [...] ” (Chiavenato – 2011)
  • 24. 24 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração “A Abordagem Clássica é desdobrada em duas orientações diferentes e, até certo ponto, opostas entre si, mas que se complementam com relativa coerência[...] ” (Chiavenato – 2011)
  • 25. 25 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Origens da Abordagem Clássica – Consequências da Rev. Industrial: 1 - Crescimento rápido e desorganizado das empresas,  Grande utilização de processos empíricos e improvisados,  Necessária intervenção científica nos métodos e processos,  De teorias globais para as microindustriais,  Surgem as condições de planejamento para substituir o improviso 2- Necessário aumento da competência e eficiência das organizações:  Otimização da utilização dos recursos, visando a competitividade,  Aumento da produção em massa e o número de assalariados,  Necessidade de evitar o desperdício e economizar mão de obra  Divisão: os que pensam (gerentes), os que executam (trabalhadores) Abordagem Clássica da Administração “[...] Nascem as condições econômicas e técnicas para o surgimento do ‘Taylorismo e Fordismo’ nos E.U.A. e do ‘Fayolismo na Europa’” (Chiavenato – 2011)
  • 26. 26 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) “[...] o nome Administração Científica é devido à tentativa de aplicação dos métodos da ciência aos problemas da Administração a fim de aumentar a eficiência industrial” (Chiavenato – 2011) Características:  Iniciada por Frederick Winslow Taylor (1856-1915) – EUA.  Ênfase na administração das tarefas,  Foco na racionalização do trabalho, padronização e seus princípios. “[...] Taylor é considerado o fundador da moderna TGA, tendo como seguidores: Gantt, Gilbreth, Emerson, Ford, Barth [...]” (Chiavenato – 2011)
  • 27. 27 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Objetivos dos estudos iniciais de Taylor:  Estudo profundo das rotinas dos operários – “chão de fábrica”,  Estuda o processamento das tarefas para racionalizá-las,  Observa desperdício te tempo e produção,  Percebe diferença de produção entre os operários,  Essa diferença é percebida pelo operários mais produtivos,  Como todos ganham o mesmo salário, o mais produtivo se acomoda. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) “[...] Daí a necessidade de criar condições de pagar mais ao operário que produz mais. (Chiavenato – 2011)
  • 28. 28 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) 1º Período – “Shop Management” - (1903):  Pagar salários melhores diminuindo custos de produção,  Aplicação de métodos científicos, pesquisas e experimentos,  Seleção científica de operários conforme suas competências,  Treinamento científico para aperfeiçoar suas competências,  Íntima relação da Administração com operários para garantir o ambiente psicológico.
  • 29. 29 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. 2º Período – “The Principles of Scientific Management” - (1911):  Princípio de planejamento – substituição do empirismo por ciência,  Princípio de preparo – seleção de trabalhadores e disposição do ‘layout’,  Princípio do controle – para verificar se o trabalho atende a eficácia,  Princípio da execução – distribuição de responsabilidades. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) “A preocupação de racionalizar, padronizar e prescrever normas de conduta ao administrador, levou os engenheiros da Administração Científica a pensar que tais princípios pudessem ser aplicados a todas as situações possíveis” (Chiavenato – 2011)
  • 30. 30 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) 1) Princípio de planejamento:  Substitui no trabalho o critério individual,  Idem, a improvisação e ação empírico-prática,  Aplicação de métodos científicos,  Substituição da improvisação pela ciência através do planejamento,
  • 31. 31 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) 2) Princípio de preparo:  Seleção de operários pela aptidão, treinamento para produzir mais e melhor,  Seleção e treinamento de acordo com o planejamento,  Preparar máquinas e equipamentos com um ‘layout’ mais racional.
  • 32. 32 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) 3) Princípio de controle:  O trabalho executado está de acordo com o planejamento,  Gerência e operários em franca cooperação.
  • 33. Profº Ramón Jr. 33 Processo:  Planejamento  Projeção de resultado  Realização do resultado  Acompanhamento Inovação, Empreendedorismo e Planejamento Acompanhamento de Resultados Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr.
  • 34. 34 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Administração Científica – Taylor (EUA) 4) Princípio da execução:  Distribuição de atribuições e responsabilidades,  Busca a execução do trabalho de forma disciplinada “Princípio baseado não no desempenho médio, mas na verificação das exceções ou desvios dos padrões normais Chiavenato – 2011)
  • 35. Profº. Ramón Jr 35 “[...] sistema é um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, conjuntamente, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuando uma função” (DJALMA REBOUÇAS, 2009) Compõem o Sistema e o Planejamento Estratégico:  Objetivos dos usuários e do sistema;  As entradas (material, informação e energia para operacionalização ou processo);  Processo de transformação (função que possibilita transformação dos insumos);  Saídas do sistema (são as finalidades dos objetivos, quantificáveis e qualificáveis);  Controle e avaliação (exige uma medida padrão);  Retroalimentação, realimentação ou “feedback”;  Retroalimentação Positiva (entrada aumenta desempenho do processo ou saída);  Retroalimentação Negativa (entrada diminui desempenho do processo ou saída); “[...] A realimentação é um processo de comunicação que reage a cada entrada de informação, incorporando o resultado da ‘ação resposta’ desencadeada por meio de nova informação, a qual afetará seu comportamento subsequente, e assim sucessivamente” (DJALMA REBOUÇAS, 2009) Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração A Empresa Como Sistema
  • 36. Profº. Ramón Jr 36 Processos de Transformação Entradas Saídas Retroalimentação Controles e Avaliações Objetivos “[...] a realimentação é um instrumento de regulação retroativa ou de controle, em que as informações realimentadas são resultados das divergências verificadas entre as respostas de um sistema e os parâmetros [padrão] previamente estabelecidos” “[...] Portanto o objetivo do controle é reduzir as discrepâncias ao mínimo, bem como propiciar uma situação em que esse sistema se torna auto-regulador.” (DJALMA REBOUÇAS, 2009) Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Elementos Componentes do Sistema
  • 37. 37 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Princípios de Harrington Emerson Princípios de Harrington Emerson - (1853 – 1931) : 1. Definição de plano e objetivos, 2. Predomínio do bom-senso, 3. Orientação, instruções e supervisão competentes, 4. Manter disciplina, 5. Honestidade e justiça social nos acordos, 6. Registros precisos, imediatos e adequados, 7. Remuneração proporcional ao trabalho, 8. Normas padronizadas para condições de trabalho, 9. Normas padronizadas para o trabalho em sí, 10. Normas padronizadas para operações, 11. Estabelecer instruções precisas 12. Incentivos para aumento de rendimento e eficiência. “Engenheiro, popularizou a Administração Científica e desenvolveu os primeiros trabalhos sobre seleção e treinamento de empregados” (Chiavenato – 2011)
  • 38. 38 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Clássica da Administração Princípios de Básicos de Ford Princípios de Ford (1863 – 1947) : 1. Princípio da intensificação: diminuição do tempo de execução, utilização imediata de equipamentos, matéria-prima e rápida colocação do produto no mercado. 2. Princípio de economicidade: reduzir ao mínimo o volume de estoque de matérias primas [...], fazendo que o automóvel fosse pago à empresa antes do vencimento dos salários. 3. Princípio de produtividade: aumentar a capacidade de produção do homem através da especialização. “Sua ideia: popularizar um produto antes artesanal e destinado a milionários, ou seja, vender carros a preços populares, com assistência técnica garantida, revolucionando a estratégia comercial da época” (Chiavenato – 2011)
  • 39. 39 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria das Relações Humanas Elton Mayo e Colaboradores (EUA) Origens da Teoria das Relações Humanas: 1. Necessidade de humanizar e democratizar a administração, libertando-a dos conceitos rígidos e mecanicistas da Teoria Clássica. É um movimento americano. 2. O desenvolvimento das ciências humanas, principalmente a psicologia aplicada à organização industrial. As ciências humanas vieram demonstrar a inadequação dos princípios da Teoria Clássica. 3. Elton Mayo é o fundador da escola. As ideias da filosofia pragmática de John Dewey e da Psicologia Dinâmica de Kurt Lewin, foram fundamentais para o humanismo na administração. 4. A experiência de Hawthorne, em 1924 realizou pesquisa para verificar a correlação entre produtividade e iluminação do local de trabalho.
  • 40. 40 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Resultados da experiência de Hawthorne (1924): 1. O nível de produção é resultado da integração social, 2. O comportamento social dos empregados se apoia totalmente no grupo, 3. Recompensas e sanções sociais, pode influenciar no comportamento, 4. Grupos informais, preocupação contrária aos clássicos, 5. Relações humanas, as pessoas mantém-se em constante interação, 6. Importância do conteúdo do cargo, a especialização não é a maneira mais eficiente da divisão do trabalho, 7. Ênfase nos aspectos emocionais, atenção aos aspectos emocionais não planejados. Teoria das Relações Humanas Elton Mayo e Colaboradores (EUA)
  • 41. 41 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria das Relações Humanas Elton Mayo e Colaboradores (EUA) “Roethlisberger e Dickson, relatores da experiência de Hawthorne, concebem a fábrica como um sistema social com duas funções principais, uma econômica e uma social, devendo a organização industrial buscar simultaneamente essas duas formas de equilíbrio” (Chiavenato – 2011)
  • 42. 42 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria das Relações Humanas Decorrências Surgimento de uma nova concepção sobre a natureza do homem: 1. Trabalhadores são criaturas sociais complexas, dotadas de sentimentos, desejos e temores, 2. As pessoas são motivadas por necessidades humanas e alcançam satisfação por meio dos grupos sociais, 3. O comportamento dos grupos sociais é influenciado pelo estilo de supervisão e liderança. 4. As normas sociais do grupo funcionam como mecanismos reguladores do comportamento de seus membros.
  • 43. 43 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria das Relações Humanas Decorrências – Kurt Lewin - Etapas do Ciclo Motivacional Teoria de campo de Kurt Lewin: 1. O comportamento humano é derivado da totalidade de fatos coexistentes, 2. Esses fatos coexistentes têm o caráter de um campo dinâmico [campo de forças impulsivas e repulsivas], onde as partes dependem de uma inter- relação com as demais partes. 3. O ciclo motivacional pode resultar em frustração ou compensação,
  • 44. 44 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria das Relações Humanas Decorrências – Kurt Lewin - Etapas do Ciclo Motivacional “Toda necessidade não satisfeita é motivadora de comportamento. Quando uma necessidade não é satisfeita dentro de um tempo razoável, ela passa a ser um motivo de frustração, podendo conduzir a reações comportamentais” (Chiavenato – 2011)
  • 45. 45 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Comportamental Behaviorista Origens e aspectos gerais da abordagem comportamental:  Nasce a partir dos trabalhos de dinâmica de grupo por Kurt Lewin,  Também chamada de behaviorista (psicologia),  Comportamento é a maneira de agir de um indivíduo ou organização,  Contribuições das ciências comportamentais à Administração:  O homem é um animal social dotado de necessidades,  Idem, dotado de um sistema psíquico,  Idem, capacidade de articular a linguagem e raciocínio abstrato,  Idem, com aptidão para aprender,  O comportamento humano é orientado para objetivos,  Apresenta um comportamento dual (cooperação ou competitividade)
  • 46. 46 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria Comportamental da Administração Origens e aspectos gerais da Teoria Comportamental: 1. Oposição a Teoria das Relações Humanas (ênfase radical nas relações humanas), 2. Representa um desdobramento da Teoria das Relações Humanas, 3. Critica a Teoria Clássica, 4. Incorpora a Sociologia da Burocracia. 5. O Comportamento Administrativo de Herbert A. Simon (1947), “[...] surge no final da década de 1940, com redefinição total de conceitos administrativos: critica as teorias anteriores, ampliando seu conteúdo e diversificando sua natureza” (Chiavenato – 2011)
  • 47. 47Fonte: Maximiano -TGA Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria Comportamental da Administração Hierarquia das Necessidades - Abraham Maslow - 1950
  • 48. 48 Administração de Recursos Humanos I Fonte: A.J. DuBrin 2002 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria Comportamental da Administração Hierarquia das Necessidades - Abraham Maslow - 1950
  • 49. 49 Base nos fatores higiênicos e motivacionais :  Fatores Higiênicos:  Localizados no ambiente do trabalho  Extrínsecos às pessoas (salários, benefícios sociais, gestão, ambiente)  Quando presentes não causam insatisfação, mas não causam satisfação  Quando ausentes podem causar até “greve”  Fatores Motivacionais:  São intrínsecos (auto-realização e reconhecimento)  Quando presentes causam satisfação  Se ausentes deixam de causar satisfação, mas não chegam causar insatisfação  Críticas a Herzberg:  Satisfação relacionada ao seu próprio talento  Insatisfação relacionado a “forças ocultas” ou externas  Satisfação é uma questão de “ego” Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria Comportamental da Administração Frederick Herzberg - 1960
  • 50. 50 Administração de Recursos Humanos I Ambiente de Trabalho Fatores Higiênicos Fatores motivacionais: Conteúdo do Trabalho  Maslow - preocupação com as fontes de motivação no sentido da vida em geral  Herzberg - focalizou as fontes de motivação que pareciam estar relacionadas ao trabalho. Fonte: Maximiano -TGA Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria Comportamental da Administração Teoria dos 2 fatores - Frederick Herzberg - 1960
  • 51. 51 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Teoria Comportamental da Administração McGregor – Teoria X e Y Teoria X:  Concepção tradicional, baseada em concepções errôneas sobre o comportamento humano Teoria Y:  Concepção moderna, baseada em concepções atuais e sem preconceitos
  • 52. 52 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Sistêmica da Administração Teoria Geral dos Sistemas (TGS) - Ludwig Von Bertalanffy - 1950 Origens e aspectos gerais da abordagem sistêmica:  A partir da teoria interdisciplinar em princípios gerais p/todas as ciências,  O sistema não pode ser compreendido isoladamente,  Os diversos ramos do conhecimento são compartilhados em uma análise ampla,  A TGS baseia-se na compreensão da dependência recíproca das disciplinas.  A TGS fundamenta-se em três premissas básicas:  Os sistemas existem dentro de sistemas,  Os sistemas são abertos,  As funções de um sistema dependem de suas estruturas. “O conceito de sistemas proporciona uma visão compreensiva, abrangente, hosística e gestáltica de um conjunto de coisas complexas, dando-lhe a configuração e identidade total” (Chiavenato – 2011)
  • 53. 53 Hierarquia de sistemas:  “O ambiente é também chamado meio ambiente, meio externo, meio ou entorno.”  Sistema (o que se estuda ou se considera ... É sempre a empresa como um“todo”);  Subsistema (são as partes do sistema);  Supersistema ou ecossistema (é o todo e o sistema é um subsistema dele).  [...] Sistemas aberto, são as empresas que estão em permanente intercâmbio com o ambiente, em um equilíbrio dinâmico, a partir de uma adaptação da empresa em relação a seu ambiente.” (Rebolças – 2009) Supersistema ou Ecossistema Sistema Subsistema Subsistema Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Sistêmica da Administração Teoria Geral dos Sistemas (TGS) - Ludwig Von Bertalanffy - 1950
  • 54. 54 Estratégia de Gestão e Organização Empresarial – Profº Ramón Barros Jr. Abordagem Contingencial – Teoria da Contingência Ações Administrativas Resultados Organizacionais Características Situacionais São contingentes das Para obter Origens e aspectos gerais da Teoria Contingencial:  A partir de pesquisas para identificas as melhores estruturas organizacionais,  As estruturas são dependentes da interface com o ambiente externo,  Não há um único melhor jeito de organizar (the best way),  Pesquisa de Chandler (Dupont, GM, Standard Oil) as empresas passaram por 4 fases:  Acúmulo de recursos (após a Guerra da Sucessão 1865),  Racionalização dos recursos,  Continuação do crescimento,  Racionalização do uso de recursos em expansão. “A TC enfatiza que não há nada de absoluto nas organizações ou na teoria administrativa. Tudo é relativo. Tudo depende, existindo uma relação funcional entre as condições do ambiente e as técnicas administrativas apropriadas para o alcance eficaz dos objetivos” (Chiavenato – 2011)