SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
HISTÓRIA E EVOLUÇÃO  DO DINHEIRO NO BRASIL
(Padrão Real - 1833/1888)   IMPÉRIO BRASILEIRO
REPÚBLICA  - MIL-REIS - 1888/1942
O Cruzeiro foi criado dia 5 de Outubro de 1942, mas só passou a valer como unidade monetária a partir da meia-noite do dia 31 de Outubro de 1942. Ele substituiu o padrão Mil Réis, que causava problemas por ter divisão milesimal. Outro objetivo dessa mudança foi unificar o meio circulante, já que na época existiam 56 tipos diferentes de cédulas, sendo 35 do tesouro nacional, 14 do Banco do Brasil e 7 da extinta Caixa de Estabilização. Foram usadas aproximadamente 8 notas do padrão  Mil Réis, carimbadas para o novo valor.     1$000 = Cr$ 1,00
 
 
 
Cruzeiro Novo foi implantado no dia 13 de fevereiro de 1967. O Cruzeiro, padrão monetário desde 1942, perdia três zeros e se transformava em Cruzeiro Novo. O Cruzeiro Novo foi o único padrão monetário que não teve cédulas próprias. O Banco Central reaproveitou cédulas do Cruzeiro, carimbando-as para o Cruzeiro Novo. O carimbo utilizado era formado por 2 círculos concêntricos, com o valor expresso no centro e as palavras BANCO CENTRAL e CENTAVOS ou CRUZEIROS NOVOS no espaço entre os círculos. Cr$ 1.000  = NCr$ 1,00
 
O Cruzeiro substituiu o Cruzeiro Novo em 15 de Maio de 1970, sendo que um Cruzeiro valia um Cruzeiro Novo. Durou até 27 de fevereiro de 1986.  NCr$ 1,00 = Cr$ 1,00 .
 
 
 
 
O Cruzado foi implantado pelo governo Sarney (Plano Cruzado).  O Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de Fevereiro de 1986, mil cruzeiros  passaram a valer um cruzado.   Para implantar o Cruzado o governo aproveitou as cédulas de 10 mil, 50 mil e 100 mil cruzeiros,  carimbando-as para o novo padrão. O Carimbo era circular com as palavras "Banco Central do Brasil" e "Cruzado", com o valor no centro. Cr$ 1.000 = Cz$ 1,00
 
 
 
O Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro de 1989, na segunda reforma monetária do presidente José Sarney. A nova moeda substituía o Cruzado, sendo que um Cruzado Novo valia 1000  Cruzados.  Foram aproveitadas as cédulas de mil, 5 mil e 10 mil Cruzados, que receberam um carimbo para o novo padrão monetário. O carimbo adotado era um triangulo com as palavras "cruzado novo" em duas linhas próximas à base do triângulo.  Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
 
 
O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em substituição ao  “Cruzado Novo”, como parte do "Plano Collor", sem ocorrer a perda de três zeros.    NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
 
 
 
O Cruzeiro Real foi implantado no 1 o  de Agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros. Foram aproveitadas as notas de 50 mil, 100 mil e 500 mil Cruzeiros, devidamente carimbadas para o novo padrão. Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
 
 
O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de CR$2.750,00. CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
 
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Resumindo:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOguest3b0191
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROINSTITUTO VOZ POPULAR
 
Atividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8ºAtividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8ºflaviocosac
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!Mary Lopes
 
Saber e fazer 6º ano aluno
Saber e fazer 6º ano   alunoSaber e fazer 6º ano   aluno
Saber e fazer 6º ano alunoCaroline Barbosa
 
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisIsabel Aguiar
 
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoAtividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraAndrea Dressler
 
Cap 16 a herança cultural
Cap 16 a herança culturalCap 16 a herança cultural
Cap 16 a herança culturalJoao Balbi
 
História da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau
História da matemática e Introdução as Equações de Segundo GrauHistória da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau
História da matemática e Introdução as Equações de Segundo GrauMaria Garcia
 
HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4
HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4
HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4GernciadeProduodeMat
 
Interpretação de gráficos e tabelas
Interpretação de gráficos e tabelasInterpretação de gráficos e tabelas
Interpretação de gráficos e tabelasCarlos Priante
 
África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeTyrone Mello
 

Mais procurados (20)

ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãOApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
ApresentaçãO Sobre Sistemas De NumeraçãO
 
Matematica Basica
Matematica BasicaMatematica Basica
Matematica Basica
 
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIROAPRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
APRESENTAÇÃO - A ORIGEM DO DINHEIRO
 
Atividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8ºAtividade diagnóstica 8º
Atividade diagnóstica 8º
 
O que é arte?!
O que é arte?!O que é arte?!
O que é arte?!
 
Saber e fazer 6º ano aluno
Saber e fazer 6º ano   alunoSaber e fazer 6º ano   aluno
Saber e fazer 6º ano aluno
 
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe AssunçãoAtividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
Atividade do filme tempos modernos - Prof. Ms. Noe Assunção
 
Arte Indígena Brasileira
Arte Indígena BrasileiraArte Indígena Brasileira
Arte Indígena Brasileira
 
Regiões do Brasil
Regiões do BrasilRegiões do Brasil
Regiões do Brasil
 
Cap 16 a herança cultural
Cap 16 a herança culturalCap 16 a herança cultural
Cap 16 a herança cultural
 
A arte na Pré-História
A arte na Pré-HistóriaA arte na Pré-História
A arte na Pré-História
 
Porcentagem
PorcentagemPorcentagem
Porcentagem
 
Plano cartesiano animado
Plano cartesiano animadoPlano cartesiano animado
Plano cartesiano animado
 
História da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau
História da matemática e Introdução as Equações de Segundo GrauHistória da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau
História da matemática e Introdução as Equações de Segundo Grau
 
HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4
HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4
HISTÓRIA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13CHS104) D1/D4
 
Plano cartesiano
Plano cartesianoPlano cartesiano
Plano cartesiano
 
Interpretação de gráficos e tabelas
Interpretação de gráficos e tabelasInterpretação de gráficos e tabelas
Interpretação de gráficos e tabelas
 
África: o berço da humanidade
África: o berço da humanidadeÁfrica: o berço da humanidade
África: o berço da humanidade
 

Destaque

Comex e tecnologia
Comex e tecnologiaComex e tecnologia
Comex e tecnologiaHarutchy
 
Marketing Unidade I
Marketing Unidade IMarketing Unidade I
Marketing Unidade IHarutchy
 
Acórdão 22ª câmara cível
Acórdão   22ª câmara cívelAcórdão   22ª câmara cível
Acórdão 22ª câmara cívelConversa Afiada
 
Fundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade IIIFundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade IIIHarutchy
 
Fundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade VFundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade VHarutchy
 
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VIFundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VIHarutchy
 
Conceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade IIConceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade IIHarutchy
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IHarutchy
 

Destaque (11)

Comex e tecnologia
Comex e tecnologiaComex e tecnologia
Comex e tecnologia
 
Marketing Unidade I
Marketing Unidade IMarketing Unidade I
Marketing Unidade I
 
Acórdão 22ª câmara cível
Acórdão   22ª câmara cívelAcórdão   22ª câmara cível
Acórdão 22ª câmara cível
 
Fundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade IIIFundamentos de sociologia Unidade III
Fundamentos de sociologia Unidade III
 
Planejamento
PlanejamentoPlanejamento
Planejamento
 
Mapa de energia
Mapa de energiaMapa de energia
Mapa de energia
 
Fundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade VFundamentos de Sociologia Unidade V
Fundamentos de Sociologia Unidade V
 
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VIFundamentos de Sociologia Unidade VI
Fundamentos de Sociologia Unidade VI
 
Conceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade IIConceitos centrais de marketing Unidade II
Conceitos centrais de marketing Unidade II
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Fundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade IFundamentos de Sociologia Unidade I
Fundamentos de Sociologia Unidade I
 

Semelhante a história do Dinheiro no Brasil

Semelhante a história do Dinheiro no Brasil (20)

Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Cédulas brasileiras
Cédulas brasileirasCédulas brasileiras
Cédulas brasileiras
 
Moeda+Brasileira%28ce%29
Moeda+Brasileira%28ce%29Moeda+Brasileira%28ce%29
Moeda+Brasileira%28ce%29
 
Cedulas do Brasil
Cedulas do BrasilCedulas do Brasil
Cedulas do Brasil
 
HistóRia Da Moeda Brasileira
HistóRia Da Moeda BrasileiraHistóRia Da Moeda Brasileira
HistóRia Da Moeda Brasileira
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
Moedas Brasileiras 1192731476391595 2
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moedas Brasileiras!
Moedas Brasileiras!Moedas Brasileiras!
Moedas Brasileiras!
 
Moedabrasileira
MoedabrasileiraMoedabrasileira
Moedabrasileira
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Moeda Brasileira
Moeda BrasileiraMoeda Brasileira
Moeda Brasileira
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
 
MOEDA BRASILEIRA
MOEDA BRASILEIRAMOEDA BRASILEIRA
MOEDA BRASILEIRA
 
Cédulas do Brasil
Cédulas do BrasilCédulas do Brasil
Cédulas do Brasil
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 
Moeda brasileira
Moeda brasileiraMoeda brasileira
Moeda brasileira
 

Mais de Denise Rivera

Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016   DENISE RIVERACampanha vereadora 2016   DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERADenise Rivera
 
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgaçãoXXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgaçãoDenise Rivera
 
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015Denise Rivera
 
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de JaneiroAperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de JaneiroDenise Rivera
 
A situaçao pericia rj
A situaçao pericia rjA situaçao pericia rj
A situaçao pericia rjDenise Rivera
 
A vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damasA vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damasDenise Rivera
 
Superbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noelSuperbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noelDenise Rivera
 
Encante se e se emocione
Encante se e se emocioneEncante se e se emocione
Encante se e se emocioneDenise Rivera
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da períciaDenise Rivera
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da períciaDenise Rivera
 
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerjManifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerjDenise Rivera
 
Primeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos ColoridasPrimeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos ColoridasDenise Rivera
 
1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-ddDenise Rivera
 
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRELES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIREDenise Rivera
 
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_lLa france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_lDenise Rivera
 

Mais de Denise Rivera (20)

Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016   DENISE RIVERACampanha vereadora 2016   DENISE RIVERA
Campanha vereadora 2016 DENISE RIVERA
 
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgaçãoXXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
XXIII Congresso Nacional de Criminalística - divulgação
 
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
Diagnostico da pericia oficial do rio de janeiro 2015
 
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de JaneiroAperj  - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
Aperj - Associação de Peritos Oficiais do Rio de Janeiro
 
A situaçao pericia rj
A situaçao pericia rjA situaçao pericia rj
A situaçao pericia rj
 
A vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damasA vida como um jogo de damas
A vida como um jogo de damas
 
Winter Day
Winter DayWinter Day
Winter Day
 
Tour eiffel
Tour eiffelTour eiffel
Tour eiffel
 
Superbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noelSuperbe et joyeux noel
Superbe et joyeux noel
 
Encante se e se emocione
Encante se e se emocioneEncante se e se emocione
Encante se e se emocione
 
Amazing worldphotos
Amazing worldphotosAmazing worldphotos
Amazing worldphotos
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da perícia
 
Apresentação aperj - estrutura da perícia
Apresentação   aperj - estrutura da períciaApresentação   aperj - estrutura da perícia
Apresentação aperj - estrutura da perícia
 
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerjManifestacao durante audiencia publica na alerj
Manifestacao durante audiencia publica na alerj
 
Paris
ParisParis
Paris
 
Primeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos ColoridasPrimeiras Fotos Coloridas
Primeiras Fotos Coloridas
 
1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd1 3- premièresphotoscoul-dd
1 3- premièresphotoscoul-dd
 
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRELES CHATEAUX DE LA LOIRE
LES CHATEAUX DE LA LOIRE
 
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_lLa france au_patrimoine_mondial_pv_l
La france au_patrimoine_mondial_pv_l
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 

história do Dinheiro no Brasil

  • 1. HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DO DINHEIRO NO BRASIL
  • 2. (Padrão Real - 1833/1888) IMPÉRIO BRASILEIRO
  • 3. REPÚBLICA - MIL-REIS - 1888/1942
  • 4. O Cruzeiro foi criado dia 5 de Outubro de 1942, mas só passou a valer como unidade monetária a partir da meia-noite do dia 31 de Outubro de 1942. Ele substituiu o padrão Mil Réis, que causava problemas por ter divisão milesimal. Outro objetivo dessa mudança foi unificar o meio circulante, já que na época existiam 56 tipos diferentes de cédulas, sendo 35 do tesouro nacional, 14 do Banco do Brasil e 7 da extinta Caixa de Estabilização. Foram usadas aproximadamente 8 notas do padrão Mil Réis, carimbadas para o novo valor. 1$000 = Cr$ 1,00
  • 5.  
  • 6.  
  • 7.  
  • 8. Cruzeiro Novo foi implantado no dia 13 de fevereiro de 1967. O Cruzeiro, padrão monetário desde 1942, perdia três zeros e se transformava em Cruzeiro Novo. O Cruzeiro Novo foi o único padrão monetário que não teve cédulas próprias. O Banco Central reaproveitou cédulas do Cruzeiro, carimbando-as para o Cruzeiro Novo. O carimbo utilizado era formado por 2 círculos concêntricos, com o valor expresso no centro e as palavras BANCO CENTRAL e CENTAVOS ou CRUZEIROS NOVOS no espaço entre os círculos. Cr$ 1.000 = NCr$ 1,00
  • 9.  
  • 10. O Cruzeiro substituiu o Cruzeiro Novo em 15 de Maio de 1970, sendo que um Cruzeiro valia um Cruzeiro Novo. Durou até 27 de fevereiro de 1986. NCr$ 1,00 = Cr$ 1,00 .
  • 11.  
  • 12.  
  • 13.  
  • 14.  
  • 15. O Cruzado foi implantado pelo governo Sarney (Plano Cruzado). O Plano tinha como objetivo combater a inflação e aumentar o poder aquisitivo da população. A partir do dia 28 de Fevereiro de 1986, mil cruzeiros passaram a valer um cruzado. Para implantar o Cruzado o governo aproveitou as cédulas de 10 mil, 50 mil e 100 mil cruzeiros, carimbando-as para o novo padrão. O Carimbo era circular com as palavras "Banco Central do Brasil" e "Cruzado", com o valor no centro. Cr$ 1.000 = Cz$ 1,00
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19. O Cruzado Novo entrou em circulação no dia 15 de janeiro de 1989, na segunda reforma monetária do presidente José Sarney. A nova moeda substituía o Cruzado, sendo que um Cruzado Novo valia 1000 Cruzados. Foram aproveitadas as cédulas de mil, 5 mil e 10 mil Cruzados, que receberam um carimbo para o novo padrão monetário. O carimbo adotado era um triangulo com as palavras "cruzado novo" em duas linhas próximas à base do triângulo. Cz$ 1.000,00 = NCz$ 1,00
  • 20.  
  • 21.  
  • 22. O Cruzeiro foi reintroduzido como padrão monetário em substituição ao “Cruzado Novo”, como parte do "Plano Collor", sem ocorrer a perda de três zeros. NCz$ 1,00 = Cr$ 1,00
  • 23.  
  • 24.  
  • 25.  
  • 26. O Cruzeiro Real foi implantado no 1 o de Agosto de 1993, substituindo o Cruzeiro, por excesso de zeros. Foram aproveitadas as notas de 50 mil, 100 mil e 500 mil Cruzeiros, devidamente carimbadas para o novo padrão. Cr$ 1.000,00 = CR$ 1,00
  • 27.  
  • 28.  
  • 29. O Real foi lançado em 01/07/1994 pelo Plano Real no governo Itamar Franco, com o objetivo de criar uma moeda forte e acabar com a inflação. Primeiramente foi estabelecido um índice paralelo para efeito de transição, a Unidade Real de Valor (URV). A Conversão de Cruzeiros Reais para Reais foi feita mediante a divisão do valor em Cruzeiros Reais pelo valor da URV de CR$2.750,00. CR$ 2.750,00 = R$ 1,00
  • 30.  
  • 31.  
  • 32.