SlideShare uma empresa Scribd logo
História
  de
Portugal
  Afonso Franco Ferreira 4º A
     Ano Lectivo 2010/2011
Os primeiros Povos
  Os primeiros povos a habitar a Península foram os Iberos e pelo seu nome deu-se o
nome à Península de Península Ibérica.
  Os segundos povos foram os Celtas, os terceiros os Fenícios, os quartos os Gregos,
os quintos os Cartagineses, os sextos os Romanos, os sétimos os Bárbaros e os oitavos
os Árabes.
  Os Celtas e os Iberos formaram os Celtiberos, que entre eles haviam os Lusitanos que
viviam nos altos dos montes em povoações fortificadas. Os Lusitanos tinham como
chefe Viriato e como viviam em povoações fortificadas quando os romanos tentaram
ataca-los não conseguiram vencê-los então mandaram matar Viriato à traição.
  Depois de dois séculos (200 anos)de combate, os Romanos dominaram a Península
Ibérica até á invasão dos Bárbaros. Os Romanos tiveram oito séculos de domínio que
lá construíram: pontes , aquedutos, templos , estradas … e desenvolveu-se a
agricultura, o comercio e a indústria.
  Os Romanos deixaram também muitas coisas tais como: a Língua (Latim),
os costumes, a religião ( Cristã), o direito e a moeda. A esse processo deu-se
o                   nome                     de                 Romanização.
Moeda Romana         →

 O domínio da Península deixou de pertencer aos Romanos no ano 404 com
a invasão dos povos Bárbaros.
 No ano de 711 os muçulmanos invadiram a Península toda com excepção de uma
pequena parte (as Astúrias).
  A religião dos habitantes da Península era o Cristianismo.
    Os Muçulmanos, vindos do Norte de África tinham como religião o Islamismo e
tinham costumes e maneiras de viver deferentes.
     Os Muçulmanos desenvolveram a agricultura, introduzido a lenha, o açude, o
chafariz e a nora. Eles trouxeram novos frutos tais como: o damasco, o limão e a
amêndoa, etc.
   Desenvolveram o artesanato, a geografia, a medicina, a astronomia, a matemática, o
astrolábio e a bússola.
    Na Península ainda se podem encontrar alguns vestígios da sua ocupação tais
como : palácios ,mesquitas e a cerca de 600 palavras como: Algarve ,algarismo,
azeitona, açúcar, algodão e muitas outras…

1
A Reconquista Cristã
  Os Cristãos que se refugiaram nas Astúrias organizaram-se e começaram a
recuperar as terras ocupadas pelos Muçulmanos formando reinos tais como os de:
Leão , Castela, Navarra e Aragão. A este processo deu-se o nome de Reconquista
Cristã.
  Para ajudar na Reconquista, vieram do Norte e do Centro da Europa os cruzados
(cavaleiros Cristãos).
  D. Afonso VI, rei de Leão e de Castela recebeu a ajuda de vários cruzados, entre
eles, D. Henrique e D. Raimundo. Como recompensa pela ajuda, ofereceu a D.
Henrique a mão da sua filha D. Teresa e o Condado Portucalence , e a D. Raimundo
a mão de outra sua filha D. Urraca.



                        Reconquista Cristã ↓




2
A Primeira Dinastia
  Com a ajuda dos cruzados D. Afonso Henriques continuou a reconquistar terrenos
aos Muçulmanos (reconquistar aos Muçulmanos ₌ tirar aos Muçulmanos).
  O filho de D. Afonso Henrique foi D. Sancho foi rei, e continuou a luta contra os
Muçulmanos, mas em 1249 no reinado de D. Afonso III conquistou-se o Algarve
definitivamente.
  As terras conquistadas/tiradas aos Muçulmanos com a ajuda dos cruzados, dos nobres
e das ordens religiosas , eram dadas pelo rei, para serem habitadas e cultivadas antes
que os Muçulmanos as reconquistassem.
  Os reis pelas cartas de foral concediam regalias a certos povos para essas terras serem
logo povoadas.
  Foi no Reinado de D. Dinis que se iniciou um tempo/período de grande riqueza. Ele
desenvolveu a agricultura e mandou plantar o pinhal de Leiria. Criou leis que
protegiam as terras de cultivo, o comércio, criou novos mercados, feiras e as
actividades no mar (marítima) e mandou vir de outros países marinheiros experientes.
  Nesse tempo foi feita/construída a primeira universidade que se chamou “Estudos
Gerais” e no mesmo reinado (ano de 1290), o Português foi conhecido como língua
oficial.
  Foi em 1297 que foi assinado o Tratado de Alcanises onde foram estabelecidos os
limites do território Português!

   Universidade “Estudos Gerais” →




                                                                                      3
O Milagre das Rosas
  D. Dinis (o Lavrador) era casado com D. Inês.
  Um dia um homem do paço viu D. Inês a entregar esmola e pão aos pobres e foi logo
avisar o rei. Quando sobe disso, o rei, tentou surpreendê-la indo ao seu encontro.
  Quando lá chegou (ao jardim) perguntou:
— O que levas aí no regaço?
— São rosas senhor – disse a rainha
  Ele insistiu em ver e quando ela baixou o regaço caiu um
monte de rosas brancas.
E assim aconteceu o Milagre das Rosas.




                                                                                  4
O romance de D. Pedro I
  D. Pedro I já era casado mas tinha uma grande paixão por D. Inês de Castro Filha de
D. Afonso VI. Surgiu um grande problema. D. Inês de Castro como era filha do rei de
Castela ( D. Afonso VI) não poderia continuar o relacionamento com D. Pedro I . Caso
contrário, seu pai juntaria Portugal a Castela (Espanha) e assim Portugal perderia a
Independência.
 O pai de D. Pedro I não gostava que Portugal perdesse a independência mandou
matar D. Inês de Castro, e conseguiram. D. Pedro I não gosto quando sobe que a
mataram, então vingou-se e matou todos os que mataram D. Inês de Castro incluindo
o seu pai.
  Então ele disse que quando morre-se queria ser enterrado ao pé de D. Inês de Castro.




4
A Segunda Dinastia
D. Fernando morreu, ele era o último rei da primeira dinastia, houve um problema de
                                                continuação no trono. Tinha uma filha
                                                única chamada Beatriz que estava
                                                casada com o rei de Castela e se ela
                                                tomasse o poder Portugal perderia a
                                                independência.
                                                  A nobreza e o clero estava do lado
                                                de D. Beatriz mas o povo, os nobres e
                                                a burguesia do lado de D. João
                                                Mestre de Avis. Assim deu-se início à
                                                crise de 1383-1385 e à Guerra da
                                                Independência entre Portugal e
                                                Espanha.
                                                  Nas cortes de Lisboa D. João foi
                                                aclamado rei de Portugal com o nome
                                                de D. João I .
                                                  D. João nomeou D. Nuno Álvares
                                                Pereira chefe do exército Português
                                                para defender-se das tropas
                                                castelhanas. O exército castelhano era
                                                mais numeroso do que o Português
                                                mas perdeu várias batalhas sendo a
                                                mais importante a de Aljubarrota .
                                                Foi construído o Mosteiro da Batalha
                                                para comemorar esta vitória.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
Hugo Ferreira
 
Reis de Portugal
Reis de PortugalReis de Portugal
Reis de Portugal
gavetadefichas
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
gigilu
 
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
apresentacao2008
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
HistN
 
Reis De Portugal
Reis De PortugalReis De Portugal
Reis De Portugal
Helena
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
JWM V.
 
A história de Portugal
A história de PortugalA história de Portugal
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
belinhas
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Álvaro Maurício
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Sandra Madeira
 
História de Portugal
História  de PortugalHistória  de Portugal
História de Portugal
Ministério da Educação
 
Formação de portugal 4º ano
Formação de portugal   4º anoFormação de portugal   4º ano
Formação de portugal 4º ano
telmascapelo
 
Histriadeportugal
Histriadeportugal Histriadeportugal
Histriadeportugal
Mafalda Cardoso
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Ana Pereira
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugal
telmascapelo
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
Hugo Ferreira
 
Cronologia dos reis de portugal
Cronologia dos reis de portugalCronologia dos reis de portugal
Cronologia dos reis de portugal
Antonio Fleming
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
Ministry of Education (Brazil)
 

Mais procurados (19)

Primeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugalPrimeiros povos e formação de portugal
Primeiros povos e formação de portugal
 
Reis de Portugal
Reis de PortugalReis de Portugal
Reis de Portugal
 
História De Portugal
História De PortugalHistória De Portugal
História De Portugal
 
HistóRia De Portugal
HistóRia De PortugalHistóRia De Portugal
HistóRia De Portugal
 
A Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de PortugalA Formação do Reino de Portugal
A Formação do Reino de Portugal
 
Reis De Portugal
Reis De PortugalReis De Portugal
Reis De Portugal
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
A história de Portugal
A história de PortugalA história de Portugal
A história de Portugal
 
A+história+de+portugal
A+história+de+portugalA+história+de+portugal
A+história+de+portugal
 
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.Reis portugal   1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
Reis portugal 1ª, 2ª, 3ª e 4ª dinastias.
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
 
História de Portugal
História  de PortugalHistória  de Portugal
História de Portugal
 
Formação de portugal 4º ano
Formação de portugal   4º anoFormação de portugal   4º ano
Formação de portugal 4º ano
 
Histriadeportugal
Histriadeportugal Histriadeportugal
Histriadeportugal
 
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográficoPortugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
Portugal no século xIII reformulado acordo ortográfico
 
A história de portugal
A história de portugalA história de portugal
A história de portugal
 
Formação de portugal
Formação de portugalFormação de portugal
Formação de portugal
 
Cronologia dos reis de portugal
Cronologia dos reis de portugalCronologia dos reis de portugal
Cronologia dos reis de portugal
 
Ppt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastiasPpt formação de portugal e dinastias
Ppt formação de portugal e dinastias
 

Destaque

J.O - Comunicação empresarial
J.O - Comunicação empresarialJ.O - Comunicação empresarial
J.O - Comunicação empresarial
Atitude Digital
 
Reflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoalReflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoal
Anaigreja
 
Lingua portuguesa 1
Lingua portuguesa 1Lingua portuguesa 1
Lingua portuguesa 1
Atitude Digital
 
96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina
Viva Ela
 
Ilha do mel
Ilha do melIlha do mel
Ilha do mel
Filippe Dalponte
 
Panorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminar
Panorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminarPanorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminar
Panorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminar
Central Exportaminas
 
Desafio National Geographic 2009 1ª fase
Desafio National Geographic  2009   1ª faseDesafio National Geographic  2009   1ª fase
Desafio National Geographic 2009 1ª fase
HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
A energia nuclear e o irã
A energia nuclear e o irãA energia nuclear e o irã
A energia nuclear e o irã
vitor moraes ribeiro
 
Html
HtmlHtml
Impactos ambientais devido aos curtumes
Impactos ambientais devido aos curtumesImpactos ambientais devido aos curtumes
Impactos ambientais devido aos curtumes
Rafael
 
01 introdução pitagoras
01 introdução   pitagoras01 introdução   pitagoras
01 introdução pitagoras
fernandao777
 
Programacao de poligonos
Programacao de poligonosProgramacao de poligonos
Programacao de poligonosCristina Barato
 
Lembrancinha - Chamado 12 Discípulos
Lembrancinha - Chamado 12 DiscípulosLembrancinha - Chamado 12 Discípulos
Lembrancinha - Chamado 12 Discípulos
andreaassis
 
América central e haiti
América  central e haitiAmérica  central e haiti
América central e haiti
vitor moraes ribeiro
 
Aula 3 recursos humanos cep
Aula 3  recursos humanos cepAula 3  recursos humanos cep
Aula 3 recursos humanos cep
aula123456
 
Lingua portuguesa ii
Lingua portuguesa iiLingua portuguesa ii
Lingua portuguesa ii
Atitude Digital
 
Apresentação paulo emilio
Apresentação paulo emilioApresentação paulo emilio
Apresentação paulo emilio
bruno bastos
 
Gastos com publicidade gdf
Gastos com publicidade gdfGastos com publicidade gdf
Gastos com publicidade gdf
Rede Democrática PMDF
 
Ruta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portugués
Ruta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portuguésRuta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portugués
Ruta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portugués
CEUNA
 
Minas Decide Estratégias
Minas Decide EstratégiasMinas Decide Estratégias
Minas Decide Estratégias
minasdecide
 

Destaque (20)

J.O - Comunicação empresarial
J.O - Comunicação empresarialJ.O - Comunicação empresarial
J.O - Comunicação empresarial
 
Reflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoalReflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoal
 
Lingua portuguesa 1
Lingua portuguesa 1Lingua portuguesa 1
Lingua portuguesa 1
 
96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina96 razões da existência Divina
96 razões da existência Divina
 
Ilha do mel
Ilha do melIlha do mel
Ilha do mel
 
Panorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminar
Panorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminarPanorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminar
Panorama comercio exterior_mg-julho2012_preliminar
 
Desafio National Geographic 2009 1ª fase
Desafio National Geographic  2009   1ª faseDesafio National Geographic  2009   1ª fase
Desafio National Geographic 2009 1ª fase
 
A energia nuclear e o irã
A energia nuclear e o irãA energia nuclear e o irã
A energia nuclear e o irã
 
Html
HtmlHtml
Html
 
Impactos ambientais devido aos curtumes
Impactos ambientais devido aos curtumesImpactos ambientais devido aos curtumes
Impactos ambientais devido aos curtumes
 
01 introdução pitagoras
01 introdução   pitagoras01 introdução   pitagoras
01 introdução pitagoras
 
Programacao de poligonos
Programacao de poligonosProgramacao de poligonos
Programacao de poligonos
 
Lembrancinha - Chamado 12 Discípulos
Lembrancinha - Chamado 12 DiscípulosLembrancinha - Chamado 12 Discípulos
Lembrancinha - Chamado 12 Discípulos
 
América central e haiti
América  central e haitiAmérica  central e haiti
América central e haiti
 
Aula 3 recursos humanos cep
Aula 3  recursos humanos cepAula 3  recursos humanos cep
Aula 3 recursos humanos cep
 
Lingua portuguesa ii
Lingua portuguesa iiLingua portuguesa ii
Lingua portuguesa ii
 
Apresentação paulo emilio
Apresentação paulo emilioApresentação paulo emilio
Apresentação paulo emilio
 
Gastos com publicidade gdf
Gastos com publicidade gdfGastos com publicidade gdf
Gastos com publicidade gdf
 
Ruta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portugués
Ruta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portuguésRuta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portugués
Ruta da resistência #11. capìtulo primeiro do brasil. versao portugués
 
Minas Decide Estratégias
Minas Decide EstratégiasMinas Decide Estratégias
Minas Decide Estratégias
 

Semelhante a Historia de Portugal

História de portugal1
História de portugal1História de portugal1
História de portugal1
EB Foros de Amora
 
História de Portugal
História de PortugalHistória de Portugal
História de Portugal
Vitor Matias
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
davidetavares
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
gracindacasais
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Annarrocha
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Cabiamar
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
lmmj
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
Sonia Valente
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
Cátia Botelho
 
Power P. Hist.Portugal até descobrim..ppt
Power P. Hist.Portugal até descobrim..pptPower P. Hist.Portugal até descobrim..ppt
Power P. Hist.Portugal até descobrim..ppt
PaulaAlexandraAlves1
 
Estudo meio 2_historiaportugal
Estudo meio 2_historiaportugalEstudo meio 2_historiaportugal
Estudo meio 2_historiaportugal
Sílvia Rocha
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
Sinziana Socol
 
Um Pouco de História de Portugal
Um Pouco de História de PortugalUm Pouco de História de Portugal
Um Pouco de História de Portugal
Ministério da Educação
 
2ª dinastia trabalho marco2012
2ª dinastia   trabalho marco20122ª dinastia   trabalho marco2012
2ª dinastia trabalho marco2012
Ministério da Educação
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Maria Ferreira
 
Da formação de Portugal ao Brasil colonial
Da formação de Portugal ao Brasil colonialDa formação de Portugal ao Brasil colonial
Da formação de Portugal ao Brasil colonial
Privada
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Carolina Magalhães
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
vanessasequeira
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Daniel Leitão
 

Semelhante a Historia de Portugal (20)

História de portugal1
História de portugal1História de portugal1
História de portugal1
 
História de Portugal
História de PortugalHistória de Portugal
História de Portugal
 
História de portugal
História de portugalHistória de portugal
História de portugal
 
A historia de portugal
A historia de portugalA historia de portugal
A historia de portugal
 
Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9Histria de-portugal-1222350041054449-9
Histria de-portugal-1222350041054449-9
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal Ahistriadeportugal
Ahistriadeportugal
 
Portugal no século xiv
Portugal no século xivPortugal no século xiv
Portugal no século xiv
 
Power P. Hist.Portugal até descobrim..ppt
Power P. Hist.Portugal até descobrim..pptPower P. Hist.Portugal até descobrim..ppt
Power P. Hist.Portugal até descobrim..ppt
 
Estudo meio 2_historiaportugal
Estudo meio 2_historiaportugalEstudo meio 2_historiaportugal
Estudo meio 2_historiaportugal
 
Historia de portugal
Historia de portugalHistoria de portugal
Historia de portugal
 
Um Pouco de História de Portugal
Um Pouco de História de PortugalUm Pouco de História de Portugal
Um Pouco de História de Portugal
 
2ª dinastia trabalho marco2012
2ª dinastia   trabalho marco20122ª dinastia   trabalho marco2012
2ª dinastia trabalho marco2012
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Da formação de Portugal ao Brasil colonial
Da formação de Portugal ao Brasil colonialDa formação de Portugal ao Brasil colonial
Da formação de Portugal ao Brasil colonial
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
Ahistriadeportugal 111228172656-phpapp01
 
Dinis courela 5.º a
Dinis courela   5.º aDinis courela   5.º a
Dinis courela 5.º a
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Mais de profigor

Números racionais não negativos com o cuisinaire
Números racionais não negativos com o cuisinaireNúmeros racionais não negativos com o cuisinaire
Números racionais não negativos com o cuisinaire
profigor
 
Iamagem luisa
Iamagem luisaIamagem luisa
Iamagem luisa
profigor
 
Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2
Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2
Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2
profigor
 
Trabalho de Texto - O Meu Natal
Trabalho de Texto - O Meu NatalTrabalho de Texto - O Meu Natal
Trabalho de Texto - O Meu Natal
profigor
 
Campo de Férias
Campo de FériasCampo de Férias
Campo de Férias
profigor
 
A flor vai ver o mar (digitalização)
A flor vai ver o mar (digitalização)A flor vai ver o mar (digitalização)
A flor vai ver o mar (digitalização)
profigor
 
A história do pedrito coelho (blogue)
A história do pedrito coelho  (blogue)A história do pedrito coelho  (blogue)
A história do pedrito coelho (blogue)
profigor
 
A história do pedrito coelho (blogue)
A história do pedrito coelho  (blogue)A história do pedrito coelho  (blogue)
A história do pedrito coelho (blogue)
profigor
 
Blocos lógicos - parte 3
Blocos lógicos - parte 3Blocos lógicos - parte 3
Blocos lógicos - parte 3
profigor
 
Antes ou depois
Antes ou depoisAntes ou depois
Antes ou depois
profigor
 
Blocos lógicos (alterado)
Blocos lógicos (alterado)Blocos lógicos (alterado)
Blocos lógicos (alterado)
profigor
 
Blocos lógicos
Blocos lógicosBlocos lógicos
Blocos lógicos
profigor
 
O gráfico das nossas alturas
O gráfico das nossas alturasO gráfico das nossas alturas
O gráfico das nossas alturas
profigor
 
Joaninhas, contagens
Joaninhas, contagensJoaninhas, contagens
Joaninhas, contagens
profigor
 
Corre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinhaCorre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinha
profigor
 
Mascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º AMascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º A
profigor
 
A abelha pica pica
A abelha pica picaA abelha pica pica
A abelha pica pica
profigor
 
Entrevista ao meu pai
Entrevista ao meu paiEntrevista ao meu pai
Entrevista ao meu pai
profigor
 
Humberto, Victor e Rodrigo a Europa
Humberto, Victor e Rodrigo a EuropaHumberto, Victor e Rodrigo a Europa
Humberto, Victor e Rodrigo a Europa
profigor
 

Mais de profigor (20)

Números racionais não negativos com o cuisinaire
Números racionais não negativos com o cuisinaireNúmeros racionais não negativos com o cuisinaire
Números racionais não negativos com o cuisinaire
 
Iamagem luisa
Iamagem luisaIamagem luisa
Iamagem luisa
 
Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2
Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2
Trabalho de Texto - O meu Natal parte 2
 
Trabalho de Texto - O Meu Natal
Trabalho de Texto - O Meu NatalTrabalho de Texto - O Meu Natal
Trabalho de Texto - O Meu Natal
 
Campo de Férias
Campo de FériasCampo de Férias
Campo de Férias
 
A flor vai ver o mar (digitalização)
A flor vai ver o mar (digitalização)A flor vai ver o mar (digitalização)
A flor vai ver o mar (digitalização)
 
A história do pedrito coelho (blogue)
A história do pedrito coelho  (blogue)A história do pedrito coelho  (blogue)
A história do pedrito coelho (blogue)
 
A história do pedrito coelho (blogue)
A história do pedrito coelho  (blogue)A história do pedrito coelho  (blogue)
A história do pedrito coelho (blogue)
 
carnaval
carnavalcarnaval
carnaval
 
Blocos lógicos - parte 3
Blocos lógicos - parte 3Blocos lógicos - parte 3
Blocos lógicos - parte 3
 
Antes ou depois
Antes ou depoisAntes ou depois
Antes ou depois
 
Blocos lógicos (alterado)
Blocos lógicos (alterado)Blocos lógicos (alterado)
Blocos lógicos (alterado)
 
Blocos lógicos
Blocos lógicosBlocos lógicos
Blocos lógicos
 
O gráfico das nossas alturas
O gráfico das nossas alturasO gráfico das nossas alturas
O gráfico das nossas alturas
 
Joaninhas, contagens
Joaninhas, contagensJoaninhas, contagens
Joaninhas, contagens
 
Corre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinhaCorre, corre, cabacinha
Corre, corre, cabacinha
 
Mascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º AMascotes da turma - 4.º A
Mascotes da turma - 4.º A
 
A abelha pica pica
A abelha pica picaA abelha pica pica
A abelha pica pica
 
Entrevista ao meu pai
Entrevista ao meu paiEntrevista ao meu pai
Entrevista ao meu pai
 
Humberto, Victor e Rodrigo a Europa
Humberto, Victor e Rodrigo a EuropaHumberto, Victor e Rodrigo a Europa
Humberto, Victor e Rodrigo a Europa
 

Último

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 

Historia de Portugal

  • 1. História de Portugal Afonso Franco Ferreira 4º A Ano Lectivo 2010/2011
  • 2. Os primeiros Povos Os primeiros povos a habitar a Península foram os Iberos e pelo seu nome deu-se o nome à Península de Península Ibérica. Os segundos povos foram os Celtas, os terceiros os Fenícios, os quartos os Gregos, os quintos os Cartagineses, os sextos os Romanos, os sétimos os Bárbaros e os oitavos os Árabes. Os Celtas e os Iberos formaram os Celtiberos, que entre eles haviam os Lusitanos que viviam nos altos dos montes em povoações fortificadas. Os Lusitanos tinham como chefe Viriato e como viviam em povoações fortificadas quando os romanos tentaram ataca-los não conseguiram vencê-los então mandaram matar Viriato à traição. Depois de dois séculos (200 anos)de combate, os Romanos dominaram a Península Ibérica até á invasão dos Bárbaros. Os Romanos tiveram oito séculos de domínio que lá construíram: pontes , aquedutos, templos , estradas … e desenvolveu-se a agricultura, o comercio e a indústria. Os Romanos deixaram também muitas coisas tais como: a Língua (Latim), os costumes, a religião ( Cristã), o direito e a moeda. A esse processo deu-se o nome de Romanização. Moeda Romana → O domínio da Península deixou de pertencer aos Romanos no ano 404 com a invasão dos povos Bárbaros. No ano de 711 os muçulmanos invadiram a Península toda com excepção de uma pequena parte (as Astúrias). A religião dos habitantes da Península era o Cristianismo. Os Muçulmanos, vindos do Norte de África tinham como religião o Islamismo e tinham costumes e maneiras de viver deferentes. Os Muçulmanos desenvolveram a agricultura, introduzido a lenha, o açude, o chafariz e a nora. Eles trouxeram novos frutos tais como: o damasco, o limão e a amêndoa, etc. Desenvolveram o artesanato, a geografia, a medicina, a astronomia, a matemática, o astrolábio e a bússola. Na Península ainda se podem encontrar alguns vestígios da sua ocupação tais como : palácios ,mesquitas e a cerca de 600 palavras como: Algarve ,algarismo, azeitona, açúcar, algodão e muitas outras… 1
  • 3. A Reconquista Cristã Os Cristãos que se refugiaram nas Astúrias organizaram-se e começaram a recuperar as terras ocupadas pelos Muçulmanos formando reinos tais como os de: Leão , Castela, Navarra e Aragão. A este processo deu-se o nome de Reconquista Cristã. Para ajudar na Reconquista, vieram do Norte e do Centro da Europa os cruzados (cavaleiros Cristãos). D. Afonso VI, rei de Leão e de Castela recebeu a ajuda de vários cruzados, entre eles, D. Henrique e D. Raimundo. Como recompensa pela ajuda, ofereceu a D. Henrique a mão da sua filha D. Teresa e o Condado Portucalence , e a D. Raimundo a mão de outra sua filha D. Urraca. Reconquista Cristã ↓ 2
  • 4. A Primeira Dinastia Com a ajuda dos cruzados D. Afonso Henriques continuou a reconquistar terrenos aos Muçulmanos (reconquistar aos Muçulmanos ₌ tirar aos Muçulmanos). O filho de D. Afonso Henrique foi D. Sancho foi rei, e continuou a luta contra os Muçulmanos, mas em 1249 no reinado de D. Afonso III conquistou-se o Algarve definitivamente. As terras conquistadas/tiradas aos Muçulmanos com a ajuda dos cruzados, dos nobres e das ordens religiosas , eram dadas pelo rei, para serem habitadas e cultivadas antes que os Muçulmanos as reconquistassem. Os reis pelas cartas de foral concediam regalias a certos povos para essas terras serem logo povoadas. Foi no Reinado de D. Dinis que se iniciou um tempo/período de grande riqueza. Ele desenvolveu a agricultura e mandou plantar o pinhal de Leiria. Criou leis que protegiam as terras de cultivo, o comércio, criou novos mercados, feiras e as actividades no mar (marítima) e mandou vir de outros países marinheiros experientes. Nesse tempo foi feita/construída a primeira universidade que se chamou “Estudos Gerais” e no mesmo reinado (ano de 1290), o Português foi conhecido como língua oficial. Foi em 1297 que foi assinado o Tratado de Alcanises onde foram estabelecidos os limites do território Português! Universidade “Estudos Gerais” → 3
  • 5. O Milagre das Rosas D. Dinis (o Lavrador) era casado com D. Inês. Um dia um homem do paço viu D. Inês a entregar esmola e pão aos pobres e foi logo avisar o rei. Quando sobe disso, o rei, tentou surpreendê-la indo ao seu encontro. Quando lá chegou (ao jardim) perguntou: — O que levas aí no regaço? — São rosas senhor – disse a rainha Ele insistiu em ver e quando ela baixou o regaço caiu um monte de rosas brancas. E assim aconteceu o Milagre das Rosas. 4
  • 6. O romance de D. Pedro I D. Pedro I já era casado mas tinha uma grande paixão por D. Inês de Castro Filha de D. Afonso VI. Surgiu um grande problema. D. Inês de Castro como era filha do rei de Castela ( D. Afonso VI) não poderia continuar o relacionamento com D. Pedro I . Caso contrário, seu pai juntaria Portugal a Castela (Espanha) e assim Portugal perderia a Independência. O pai de D. Pedro I não gostava que Portugal perdesse a independência mandou matar D. Inês de Castro, e conseguiram. D. Pedro I não gosto quando sobe que a mataram, então vingou-se e matou todos os que mataram D. Inês de Castro incluindo o seu pai. Então ele disse que quando morre-se queria ser enterrado ao pé de D. Inês de Castro. 4
  • 7. A Segunda Dinastia D. Fernando morreu, ele era o último rei da primeira dinastia, houve um problema de continuação no trono. Tinha uma filha única chamada Beatriz que estava casada com o rei de Castela e se ela tomasse o poder Portugal perderia a independência. A nobreza e o clero estava do lado de D. Beatriz mas o povo, os nobres e a burguesia do lado de D. João Mestre de Avis. Assim deu-se início à crise de 1383-1385 e à Guerra da Independência entre Portugal e Espanha. Nas cortes de Lisboa D. João foi aclamado rei de Portugal com o nome de D. João I . D. João nomeou D. Nuno Álvares Pereira chefe do exército Português para defender-se das tropas castelhanas. O exército castelhano era mais numeroso do que o Português mas perdeu várias batalhas sendo a mais importante a de Aljubarrota . Foi construído o Mosteiro da Batalha para comemorar esta vitória.