Reflexão final e pessoal

17.348 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.348
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
333
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Reflexão final e pessoal

  1. 1. Acção de Formação: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares 1 REFLEXÃO FINAL Formanda: Ana Paula Lima Rodrigues Dezembro 2010
  2. 2. Acção de Formação: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares 2 Neste momento de reflexão final e pessoal, considero que a realização desta oficina de Formação foi útil e pertinente. Pertinente, quanto à sua realização temporal, uma vez que ao decorrer no 1º período, possibilita ainda a integração dos conhecimentos adquiridos na planificação e execução do processo, no presente ano lectivo. Pertinente, quanto aos objectivos propostos e conteúdos abordados que vieram de encontro, em larga medida, às necessidades sentidas da sua implementação, sobretudo em Escolas do Primeiro Ciclo do Ensino Básico onde o modelo ainda não foi aplicado, sendo pouco conhecido pelos professores bibliotecários que aí exercem funções e totalmente desconhecido pelo restante corpo docente. Tendo em conta o ponto de partida e o ponto de chegada, sinto-me, agora, mais conhecedora do modelo e melhor preparada para o implementar, podendo assim concluir que os objectivos propostos para esta acção foram globalmente atingidos. Foi um momento de construção de mais e melhor conhecimento, que deu respostas às minhas necessidades de formação. Saliento como aspectos mais positivos da Formação, os seguintes:  A boa estrutura (alinhamento) das Sessões - A metodologia utilizada, partindo de aspectos mais gerais, atingindo, progressivamente aspectos mais concretos contribuiu para que a realização das tarefas propostas estivessem, devidamente enquadradas;  A qualidade dos recursos disponibilizados - A bibliografia proposta, os textos elaborados pelas formadoras foram bons pontos de referência para o desenvolvimento das actividades;  A pertinência das tarefas propostas - Na sua generalidade, proporcionaram aliciantes desafios para a reflexão sobre a temática da Auto- Avaliação das Bibliotecas Escolares e para a produção de trabalhos que serão
  3. 3. Acção de Formação: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares 3 bons recursos a ver e a rever ao longo da implementação do processo nas escolas onde exerço funções de professora bibliotecária. As tarefas foram também um incentivo ao rigor e à qualidade, estimulando-me a ultrapassar as dificuldades, que por vezes surgiam, nomeadamente a complexidade de algumas em função do tempo disponível para as realizar;  A Aprendizagem Colaborativa – A disponibilização em algumas sessões das actividades elaboradas por todos os formandos na Plataforma, foram contributos interessantes e de qualidade, que nos possibilitou o contacto com diferentes formas de fazer, que nos enriqueceram;  A Interacção entre os Formandos – Apesar de algumas queixas sobre o pouco tempo disponível e algumas vezes até passarmos esses “desabafos” para o fórum de discussão, considero que a atitude do grupo foi sempre construtiva com intervenções valorativas que nos incentivaram a continuar e nos acrescentaram conhecimento;  O aprofundamento das competências no âmbito da formação online – Apesar da formação online ter as suas desvantagens, considero que foi muito importante, porque me permitiu aprofundar os meus conhecimentos e competências e proceder a uma gestão do tempo disponível mais eficaz. A organização do portfólio foi uma experiência útil, pois proporcionou-me a experiência de trabalhar com o Blogger e o Slideshare e assim, poder nas bibliotecas que dinamizo construir blogues e saber como poderei importar informação em texto, de tabelas, quadros e gráficos, powerpoint e até registos visuais. A transposição de vídeos ocasionou uma oportunidade de “partir alguma pedra” e de evidenciar a minha teimosia (particularmente para os meus familiares, que achavam que estava a ter trabalho em demasia), ou a demonstrar a minha perseverança (segundo o meu ponto de vista).
  4. 4. Acção de Formação: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares 4 Como constrangimentos desta acção de formação saliento:  O ritmo intenso da formação – Como atrás já referi, as leituras foram sempre úteis e interessantes, bem como as actividades propostas. No entanto, o meu tempo disponível não era proporcional ao tempo necessário para a execução das mesmas. Tentei ultrapassar esta dificuldade gerindo melhor o tempo e trabalhar a um ritmo muito intenso, o qual não sei se aguentaria por muito mais tempo. Mas, agora, sinto-me satisfeita por ter conseguido vencer os obstáculos e ter chegado ao final. Este ritmo de formação, associado ao trabalho que já desenvolvemos nas escolas, dificultou, pelo menos para mim, uma maior interacção entre os restantes formandos e entre eu e as formadoras, porque numa das escolas ainda não se encontra instalada a rede de internet e em casa, muitas vezes à noite não tenho rede, suponho eu devido à sobrecarga da mesma. Em jeito de uma breve auto-avaliação...  Participei em todas as sessões de formação;  Realizei com empenho e seguindo as orientações dadas, todas as actividades propostas;  Tentei fazer uma exploração adequada dos recursos disponibilizados na plataforma, procedendo à leitura da Bibliografia obrigatória e efectuando pesquisas sobre os assuntos em análise;  Participei com regularidade nos fóruns e acedi à plataforma de forma continuada;  Cumpri todos os prazos definidos para as actividades a realizar;  Gostei de participar nesta acção e penso ter atingido os objectivos a que me propus.

×