SlideShare uma empresa Scribd logo
O HELENISMO E SUAS
PRINCIPAIS CORRENTES




     Aulas 04 e 05 – Filosofia –
       Prof. Carla G Meassi
              3º E.M.
O Período Helenístico
•   O período da história da Grécia entre a morte de Alexandre III (O Grande)
    da Macedônia em 323 a.C. e a anexação da península grega e ilhas por
    Roma em 147 a.C. Caracterizou-se pela difusão da civilização grega numa
    vasta área que se estendia do mar Mediterrâneo oriental à Ásia Central. De
    modo geral, o helenismo foi a concretização de um ideal de Alexandre: o de
    levar e difundir a cultura grega aos territórios que conquistava. Foi nesse
    período que as ciências tiveram seu primeiro e grande desenvolvimento. O
    helenismo marcou um período de transição para o domínio e apogeu de
    Roma.

•   O lugar: Alexandria – o Museum: biblioteca e centro de difusão da Filosofia
    e ciências
•   O ecletismo: não há uma única e predominante forma de pensar, ou escola
    de pensamento. Há várias interpretações e junções de diferentes
    pensadores e teorias
•   Tema central: a ética: a arte de viver
•   Para a filosofia, contudo, o helenismo marcou o surgimento de um novo
    período: a filosofia helenística (cujo início é tradicionalmente associado com
    a morte de Alexandre, em 323 a.C.).
•   As principais escolas filosóficas deste período são:
•   Estoicismo, Epicurismo e Ceticismo
A tradição platônica – A Academia
•   Cerca de um século depois da morte de Platão, em 348 a.C. a Escola
    enveredou para o ceticismo sob a direção de Arciselau (século III a.C.).
•    A Academia de Platão
•   A Academia platônica assemelhava-se a uma congregação religiosa,
    consagrada a Apolo e às musas. Platão afirmava a existência de uma
    verdade suprema : as Ideias das formas ideais, eternas, imutáveis e
    incorruptíveis, das quais se origina o mundo sensível, tal como o
    percebemos, e que é sujeito ao devir, à corrupção e à morte.
•   A Academia foi fundada por Platão em 387 a.C.. Seu nome é alusivo ao
    herói de guerra Academo, que havia doado aos atenienses um terreno, nos
    arredores de Atenas, onde se construiu um jardim aberto ao público.
•   De uma maneira geral, os elementos centrais do pensamento platônico são:
•   A doutrina das ideias, onde os objetos do conhecimento se distinguem das
    coisas naturais;
•   A superioridade da sabedoria sobre o saber, uma espécie de objetivo
    político para a filosofia;
•   A Dialética, enquanto procedimento científico.
• Períodos
• O platonismo é geralmente dividido em três períodos:
• Platonismo antigo propriamente dito;
• Médio platonismo, que remonta aos séculos I-II d.C.;
• Neoplatonismo, desenvolvido no final da Antiguidade no período
  helenístico: mais que um período do platonismo, é considerado por
  muitos como uma verdadeira corrente filosófica propriamente dita.
• Esta sudivisão foi operada por estudiosos dos tempos recentes.
  Todos, médio ou neoplatônicos, embora ampliando e modificando o
  significado originário da filosofia de Platão, pretendiam estar em
  linha de continuidade com a doutrina do mestre. Consideravam-se
  sobretudo como simples analistas, mais do que inovadores.
• Pode-se dizer, portanto, que o platonismo foi sempre entendido
  pelos platônicos como uma única corrente filosófica, que sempre
  permaneceu fiel a si mesma, ora como forma de interpretação e
  reelaboração do pensamento de Platão.
O Aristotelismo
A Escola peripatética foi um círculo filosófico da Grécia Antiga que
basicamente seguia os ensinamentos de Aristóteles, o fundador. Fundada em
c.336 a.C., quando Aristóteles abriu a primeira escola filosófica no Liceu em
Atenas, durou até o século IV.
"Peripatético" em grego é a palavra grega para 'ambulante' ou 'itinerante'.
Peripatéticos (ou 'os que passeiam') eram discípulos de Aristóteles, em razão
do hábito do filósofo de ensinar ao ar livre, caminhando enquanto lia e dava
preleções, por sob os portais cobertos do Liceu, conhecidos como perípatoi, ou
sob as árvores que o cercavam.
A escola sempre teve uma orientação empírica - em oposição à Academia
platônica, muito mais especulativa. Tal característica se acentua quando
Teofrasto assume a direção.
O mais famoso membro da Escola peripatética depois de Aristóteles foi
Estratão de Lampsaco, que incrementou os elementos naturais da filosofía
de Aristóteles e adotou uma forma de ateísmo.
A filosofia aristotélica é um sistema, ou seja, a relação e conexão entre as
várias áreas pensadas pelo filósofo. Seus escritos versam sobre praticamente
todos os ramos do conhecimento de sua época (menos as matemáticas).
Neopitagorismo
• Baseado nas ideias de Pitágoras (pré-
  socrático), este pensamento busca
  aproximar a teoria pitagórica do
  platonismo.
• Teve muita influência no desenvolvimento
  da matemática e da cosmologia
• Destaca-se por ser uma doutrina
  espiritualista: alma, imortalidade,
  reencarnação
Plotino e o Neoplatonismo
•   Iniciou-se com o filósofo Plotino, apesar de ele afirmar que recebeu os
    ensinamentos de Amônio Sacas, um estivador iletrado em Alexandria.
•   O neoplatonismo é uma forma de monismo idealista. Plotino ensinou a
    existência de um Uno indescritível do qual emanou uma sequência de seres
    menores
•   Os neoplatônicos não acreditavam no mal e negavam que este pudesse ter
    uma real existência no mundo. Isto era mais uma visão otimista do que
    dizer que tudo era, em última instância, bom. Era dizer apenas que algumas
    coisas eram menos perfeitas que outras. O que outros chamavam de mal,
    os neoplatônicos chamavam de imperfeição, de "ausência de bem".
•   Acreditavam que a perfeição humana e a felicidade poderiam ser obtidas
    neste mundo e que alguém não precisaria esperar uma pós-vida (como na
    doutrina cristã). Perfeição e felicidade (uma só e mesma coisa) poderiam
    ser adquiridas pela devoção à contemplação filosófica.
•   O neoplatonismo foi frequentemente usado como um fundamento filosófico
    do paganismo clássico, e como um meio de defender o paganismo do
    cristianismo. Mas muitos cristãos também foram influenciados pelo
    neoplatonismo. Em versões cristãs do neoplatonismo, o Uno é identificado
    como Deus. O mais importante destes foi Agostinho de Hipona (ou como é
    mais conhecido, por Santo Agostinho) se converteu ao Cristianismo por
    influência de Plotino, levando muitos estudiosos a rotular Agostinho o como
    um franco neoplatonista.
O Estoicismo
•   Doutrina filosófica fundada por Zenão de Cítio, que afirma que todo o
    universo é corpóreo e governado por um Logos divino (noção que os
    estóicos tomam de Heráclito e desenvolvem). A alma está identificada com
    este princípio divino, como parte de um todo ao qual pertence. Este lógos
    (ou razão universal) ordena todas as coisas: tudo surge a partir dele e de
    acordo com ele, graças a ele o mundo é um cosmos (termo que em grego
    significa "harmonia").
•   Propõe viver de acordo com a lei racional da natureza e aconselha a
    indiferença (apathea) em relação a tudo que é externo ao ser. O homem
    sábio obedece à lei natural reconhecendo-se como uma peça na grande
    ordem e propósito do universo, devendo assim manter a serenidade
    perante as tragédias e coisas boas.
•   A partir disso surgem consequências éticas: deve-se «viver conforme a
    natureza»: sendo a natureza essencialmente o logos, essa máxima é
    prescrição para se viver de acordo com a razão.
•   Sendo a razão aquilo por meio do que o homem torna-se livre e feliz, o
    homem sábio não apreende o seu verdadeiro bem nos objetos externos,
    mas bem usando estes objetos através de uma sabedoria pela qual não se
    deixa escravizar pelas paixões e pelas coisas externas.
•   A escola estóica foi bastante influenciada pelas doutrinas cínica e
    epicurista, além da clara influência de Sócrates.
O Epicurismo
•   Sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos, filósofo ateniense do
    século I a.C., e seguido depois por outros filósofos, chamados epicuristas.
•   Epicuro propunha uma vida de contínuo prazer como chave para a
    felicidade, esse era o objetivo de seus ensinamentos morais. Para Epicuro,
    a presença do prazer era sinônimo de ausência de dor, ou de qualquer tipo
    de aflição: a fome, a abstenção sexual, o aborrecimento, etc.
•   A finalidade da filosofia de Epicuro não era teórica, mas sim bastante
    prática. Buscava sobretudo encontrar o sossego necessário para uma vida
    feliz e aprazível, na qual os temores perante o destino, os deuses ou a
    morte estavam definitivamente eliminados. Para isso fundamentava-se em
    uma teoria do conhecimento empirista, em uma física atomista e em uma
    ética hedonista.
•   A filosofia epicurista conquistou grande número de seguidores. Foi uma
    escola de pensamento muito proeminente por um período de sete séculos
    depois da morte do fundador. Posteriormente, quase relegou-se ao
    esquecimento devido ao início da Idade Média, período em que se
    perderam a maioria dos escritos deste filósofo grego.
•   A ideia que Epicuro tinha era que para ser feliz o homem necessitava de
    três coisas: Liberdade, Amizade e Tempo para meditar. Na Grécia antiga
    existia uma cidade na qual, em um muro na frente de um mercado, tinha
    escrito toda a filosofia da felicidade de Epicuro, procurando conscientizar as
    pessoas que comprar não as tornaria mais felizes como elas acreditavam
O Ceticismo e a tradição cética
•   O ceticismo é a doutrina que afirma que não se pode obter nenhuma
    certeza a respeito da verdade, o que implica numa condição intelectual de
    dúvida permanente e na admissão da incapacidade de compreensão de
    fenômenos metafísicos, religiosos ou mesmo da realidade. O termo
    originou-se a partir do nome comumente dado a uma corrente filosófica
    originada na Grécia Antiga.
•   O ceticismo costuma ser dividido em duas correntes:
•   Ceticismo filosófico - uma postura filosófica em que pessoas escolhem
    examinar de forma crítica se o conhecimento e percepção que possuem
    são realmente verdadeiros, e se alguém pode ou não dizer se possui o
    conhecimento absolutamente verdadeiro;
•   Ceticismo científico - uma postura científica e prática, em que alguém
    questiona a veracidade de uma alegação, e procura prová-la ou desaprová-
    la usando o método científico.
•   O Ceticismo filosófico originou-se a partir da filosofia grega. Uma de suas
    primeiras propostas foi feita por Pirro de Élis (360-275 a.C.), que viajou até
    a Índia numa das campanhas de Alexandre, o Grande para aprofundar seus
    estudos, e propôs a adoção do ceticismo "prático"
•   Sexto Empírico (200 d.C.), a maior autoridade do ceticismo grego,
    desenvolveu ainda mais a corrente, incorporando aspectos do empirismo
    em sua base para afirmar o conhecimento.
•   Ou seja,o ceticismo filosófico é procurar saber, não se contentando com a
    ignorância fornecida atualmente pelos meios públicos, por meio da dúvida.
    Opõem-se ao dogmatismo, em que é possível conhecer a verdade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
José Ferreira Júnior
 
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
Tiago Kestering Pereira
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
Estácio Dourado
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Filosofia 6- ano
Filosofia  6- anoFilosofia  6- ano
Filosofia 6- ano
Jaicinha
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
Bruno Carrasco
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
Abraão Carvalho
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
DeaaSouza
 
A busca da verdade
A busca da verdadeA busca da verdade
A busca da verdade
hildenise
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
Daniele Rubim
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
Alison Nunes
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
Lu Rebordosa
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
Luiz Henrique Ferreira
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Leandro Nazareth Souto
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
José Aristides Silva Gamito
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
Portal do Vestibulando
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
Pedro Vieira
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Janimara
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
Paulo Alexandre
 

Mais procurados (20)

Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
2. sócrates, sofistas, platão e aristóteles
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Filosofia 6- ano
Filosofia  6- anoFilosofia  6- ano
Filosofia 6- ano
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - FilosofandoA Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
A Experiência Filosófica - Capítulo 1 - Filosofando
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
A busca da verdade
A busca da verdadeA busca da verdade
A busca da verdade
 
1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica1 introdução à reflexão filosofica
1 introdução à reflexão filosofica
 
O racionalismo
O racionalismoO racionalismo
O racionalismo
 
O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!O Que é Filosofia? 1º Ano!
O Que é Filosofia? 1º Ano!
 
Reforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra ReformaReforma Protestante e Contra Reforma
Reforma Protestante e Contra Reforma
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
John locke
John lockeJohn locke
John locke
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 

Semelhante a helenismo

Síntese helenismo
Síntese helenismoSíntese helenismo
Helenismo fácil
Helenismo fácilHelenismo fácil
2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+
Netosaimon Silva
 
Filosofia - Período Sistemático e Helenístico
Filosofia - Período Sistemático e Helenístico Filosofia - Período Sistemático e Helenístico
Filosofia - Período Sistemático e Helenístico
JOAO EMANUEL
 
Socio 23 mp
Socio 23 mpSocio 23 mp
Socio 23 mp
alemisturini
 
Filo 24
Filo 24Filo 24
Trabalho de filosofia paola 21 m
Trabalho de filosofia paola 21 mTrabalho de filosofia paola 21 m
Trabalho de filosofia paola 21 m
Alexandre Misturini
 
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Alexandre Misturini
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio  estadual visconde de bom retiro 21mpColégio  estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
Alexandre Misturini
 
Epicurismo 25
Epicurismo 25Epicurismo 25
Epicurismo 25
alemisturini
 
Antropologia Filosófica
Antropologia FilosóficaAntropologia Filosófica
Antropologia Filosófica
Lusilene Carvalho
 
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Dell Sales
 
Filosofi e sociology
Filosofi e sociologyFilosofi e sociology
Filosofi e sociology
Alexandre Misturini
 
filosofia helenica
filosofia helenicafilosofia helenica
filosofia helenica
Zelia Martins
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
josuelsilva19
 
Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2
Jorge Eduardo Brandán
 
A Filosofia no Período Clássico
A Filosofia no Período ClássicoA Filosofia no Período Clássico
A Filosofia no Período Clássico
poxalivs
 
o que é arché
o que é archéo que é arché
o que é arché
puenzo
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
Aida Cunha
 

Semelhante a helenismo (20)

Síntese helenismo
Síntese helenismoSíntese helenismo
Síntese helenismo
 
Helenismo fácil
Helenismo fácilHelenismo fácil
Helenismo fácil
 
2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+2017322 71528 helenismo+
2017322 71528 helenismo+
 
Filosofia - Período Sistemático e Helenístico
Filosofia - Período Sistemático e Helenístico Filosofia - Período Sistemático e Helenístico
Filosofia - Período Sistemático e Helenístico
 
Socio 23 mp
Socio 23 mpSocio 23 mp
Socio 23 mp
 
Filo 24
Filo 24Filo 24
Filo 24
 
Trabalho de filosofia paola 21 m
Trabalho de filosofia paola 21 mTrabalho de filosofia paola 21 m
Trabalho de filosofia paola 21 m
 
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
Trabalho de filosofia 25tp 25 25 25
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio  estadual visconde de bom retiro 21mpColégio  estadual visconde de bom retiro 21mp
Colégio estadual visconde de bom retiro 21mp
 
Epicurismo 25
Epicurismo 25Epicurismo 25
Epicurismo 25
 
Antropologia Filosófica
Antropologia FilosóficaAntropologia Filosófica
Antropologia Filosófica
 
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]
 
Filosofi e sociology
Filosofi e sociologyFilosofi e sociology
Filosofi e sociology
 
filosofia helenica
filosofia helenicafilosofia helenica
filosofia helenica
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
 
Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2Filosofia Unidade 2
Filosofia Unidade 2
 
A Filosofia no Período Clássico
A Filosofia no Período ClássicoA Filosofia no Período Clássico
A Filosofia no Período Clássico
 
o que é arché
o que é archéo que é arché
o que é arché
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
 

Mais de Miuria Goes

Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
Miuria Goes
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
Miuria Goes
 
Casa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo IIICasa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo III
Miuria Goes
 
poriferos e cnidarios
poriferos e cnidariosporiferos e cnidarios
poriferos e cnidarios
Miuria Goes
 
Região sudeste
Região sudesteRegião sudeste
Região sudeste
Miuria Goes
 
Energia dos rios e marés
Energia dos rios e marésEnergia dos rios e marés
Energia dos rios e marés
Miuria Goes
 
A favor do desmatamento
A favor do desmatamentoA favor do desmatamento
A favor do desmatamento
Miuria Goes
 
Trabalho de geografia corrupção
Trabalho de geografia   corrupçãoTrabalho de geografia   corrupção
Trabalho de geografia corrupção
Miuria Goes
 

Mais de Miuria Goes (8)

Pré modernismo walbea
Pré   modernismo walbeaPré   modernismo walbea
Pré modernismo walbea
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
Casa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo IIICasa grande e sensala Capitulo III
Casa grande e sensala Capitulo III
 
poriferos e cnidarios
poriferos e cnidariosporiferos e cnidarios
poriferos e cnidarios
 
Região sudeste
Região sudesteRegião sudeste
Região sudeste
 
Energia dos rios e marés
Energia dos rios e marésEnergia dos rios e marés
Energia dos rios e marés
 
A favor do desmatamento
A favor do desmatamentoA favor do desmatamento
A favor do desmatamento
 
Trabalho de geografia corrupção
Trabalho de geografia   corrupçãoTrabalho de geografia   corrupção
Trabalho de geografia corrupção
 

helenismo

  • 1. O HELENISMO E SUAS PRINCIPAIS CORRENTES Aulas 04 e 05 – Filosofia – Prof. Carla G Meassi 3º E.M.
  • 2. O Período Helenístico • O período da história da Grécia entre a morte de Alexandre III (O Grande) da Macedônia em 323 a.C. e a anexação da península grega e ilhas por Roma em 147 a.C. Caracterizou-se pela difusão da civilização grega numa vasta área que se estendia do mar Mediterrâneo oriental à Ásia Central. De modo geral, o helenismo foi a concretização de um ideal de Alexandre: o de levar e difundir a cultura grega aos territórios que conquistava. Foi nesse período que as ciências tiveram seu primeiro e grande desenvolvimento. O helenismo marcou um período de transição para o domínio e apogeu de Roma. • O lugar: Alexandria – o Museum: biblioteca e centro de difusão da Filosofia e ciências • O ecletismo: não há uma única e predominante forma de pensar, ou escola de pensamento. Há várias interpretações e junções de diferentes pensadores e teorias • Tema central: a ética: a arte de viver • Para a filosofia, contudo, o helenismo marcou o surgimento de um novo período: a filosofia helenística (cujo início é tradicionalmente associado com a morte de Alexandre, em 323 a.C.). • As principais escolas filosóficas deste período são: • Estoicismo, Epicurismo e Ceticismo
  • 3. A tradição platônica – A Academia • Cerca de um século depois da morte de Platão, em 348 a.C. a Escola enveredou para o ceticismo sob a direção de Arciselau (século III a.C.). • A Academia de Platão • A Academia platônica assemelhava-se a uma congregação religiosa, consagrada a Apolo e às musas. Platão afirmava a existência de uma verdade suprema : as Ideias das formas ideais, eternas, imutáveis e incorruptíveis, das quais se origina o mundo sensível, tal como o percebemos, e que é sujeito ao devir, à corrupção e à morte. • A Academia foi fundada por Platão em 387 a.C.. Seu nome é alusivo ao herói de guerra Academo, que havia doado aos atenienses um terreno, nos arredores de Atenas, onde se construiu um jardim aberto ao público. • De uma maneira geral, os elementos centrais do pensamento platônico são: • A doutrina das ideias, onde os objetos do conhecimento se distinguem das coisas naturais; • A superioridade da sabedoria sobre o saber, uma espécie de objetivo político para a filosofia; • A Dialética, enquanto procedimento científico.
  • 4. • Períodos • O platonismo é geralmente dividido em três períodos: • Platonismo antigo propriamente dito; • Médio platonismo, que remonta aos séculos I-II d.C.; • Neoplatonismo, desenvolvido no final da Antiguidade no período helenístico: mais que um período do platonismo, é considerado por muitos como uma verdadeira corrente filosófica propriamente dita. • Esta sudivisão foi operada por estudiosos dos tempos recentes. Todos, médio ou neoplatônicos, embora ampliando e modificando o significado originário da filosofia de Platão, pretendiam estar em linha de continuidade com a doutrina do mestre. Consideravam-se sobretudo como simples analistas, mais do que inovadores. • Pode-se dizer, portanto, que o platonismo foi sempre entendido pelos platônicos como uma única corrente filosófica, que sempre permaneceu fiel a si mesma, ora como forma de interpretação e reelaboração do pensamento de Platão.
  • 5. O Aristotelismo A Escola peripatética foi um círculo filosófico da Grécia Antiga que basicamente seguia os ensinamentos de Aristóteles, o fundador. Fundada em c.336 a.C., quando Aristóteles abriu a primeira escola filosófica no Liceu em Atenas, durou até o século IV. "Peripatético" em grego é a palavra grega para 'ambulante' ou 'itinerante'. Peripatéticos (ou 'os que passeiam') eram discípulos de Aristóteles, em razão do hábito do filósofo de ensinar ao ar livre, caminhando enquanto lia e dava preleções, por sob os portais cobertos do Liceu, conhecidos como perípatoi, ou sob as árvores que o cercavam. A escola sempre teve uma orientação empírica - em oposição à Academia platônica, muito mais especulativa. Tal característica se acentua quando Teofrasto assume a direção. O mais famoso membro da Escola peripatética depois de Aristóteles foi Estratão de Lampsaco, que incrementou os elementos naturais da filosofía de Aristóteles e adotou uma forma de ateísmo. A filosofia aristotélica é um sistema, ou seja, a relação e conexão entre as várias áreas pensadas pelo filósofo. Seus escritos versam sobre praticamente todos os ramos do conhecimento de sua época (menos as matemáticas).
  • 6. Neopitagorismo • Baseado nas ideias de Pitágoras (pré- socrático), este pensamento busca aproximar a teoria pitagórica do platonismo. • Teve muita influência no desenvolvimento da matemática e da cosmologia • Destaca-se por ser uma doutrina espiritualista: alma, imortalidade, reencarnação
  • 7. Plotino e o Neoplatonismo • Iniciou-se com o filósofo Plotino, apesar de ele afirmar que recebeu os ensinamentos de Amônio Sacas, um estivador iletrado em Alexandria. • O neoplatonismo é uma forma de monismo idealista. Plotino ensinou a existência de um Uno indescritível do qual emanou uma sequência de seres menores • Os neoplatônicos não acreditavam no mal e negavam que este pudesse ter uma real existência no mundo. Isto era mais uma visão otimista do que dizer que tudo era, em última instância, bom. Era dizer apenas que algumas coisas eram menos perfeitas que outras. O que outros chamavam de mal, os neoplatônicos chamavam de imperfeição, de "ausência de bem". • Acreditavam que a perfeição humana e a felicidade poderiam ser obtidas neste mundo e que alguém não precisaria esperar uma pós-vida (como na doutrina cristã). Perfeição e felicidade (uma só e mesma coisa) poderiam ser adquiridas pela devoção à contemplação filosófica. • O neoplatonismo foi frequentemente usado como um fundamento filosófico do paganismo clássico, e como um meio de defender o paganismo do cristianismo. Mas muitos cristãos também foram influenciados pelo neoplatonismo. Em versões cristãs do neoplatonismo, o Uno é identificado como Deus. O mais importante destes foi Agostinho de Hipona (ou como é mais conhecido, por Santo Agostinho) se converteu ao Cristianismo por influência de Plotino, levando muitos estudiosos a rotular Agostinho o como um franco neoplatonista.
  • 8. O Estoicismo • Doutrina filosófica fundada por Zenão de Cítio, que afirma que todo o universo é corpóreo e governado por um Logos divino (noção que os estóicos tomam de Heráclito e desenvolvem). A alma está identificada com este princípio divino, como parte de um todo ao qual pertence. Este lógos (ou razão universal) ordena todas as coisas: tudo surge a partir dele e de acordo com ele, graças a ele o mundo é um cosmos (termo que em grego significa "harmonia"). • Propõe viver de acordo com a lei racional da natureza e aconselha a indiferença (apathea) em relação a tudo que é externo ao ser. O homem sábio obedece à lei natural reconhecendo-se como uma peça na grande ordem e propósito do universo, devendo assim manter a serenidade perante as tragédias e coisas boas. • A partir disso surgem consequências éticas: deve-se «viver conforme a natureza»: sendo a natureza essencialmente o logos, essa máxima é prescrição para se viver de acordo com a razão. • Sendo a razão aquilo por meio do que o homem torna-se livre e feliz, o homem sábio não apreende o seu verdadeiro bem nos objetos externos, mas bem usando estes objetos através de uma sabedoria pela qual não se deixa escravizar pelas paixões e pelas coisas externas. • A escola estóica foi bastante influenciada pelas doutrinas cínica e epicurista, além da clara influência de Sócrates.
  • 9. O Epicurismo • Sistema filosófico ensinado por Epicuro de Samos, filósofo ateniense do século I a.C., e seguido depois por outros filósofos, chamados epicuristas. • Epicuro propunha uma vida de contínuo prazer como chave para a felicidade, esse era o objetivo de seus ensinamentos morais. Para Epicuro, a presença do prazer era sinônimo de ausência de dor, ou de qualquer tipo de aflição: a fome, a abstenção sexual, o aborrecimento, etc. • A finalidade da filosofia de Epicuro não era teórica, mas sim bastante prática. Buscava sobretudo encontrar o sossego necessário para uma vida feliz e aprazível, na qual os temores perante o destino, os deuses ou a morte estavam definitivamente eliminados. Para isso fundamentava-se em uma teoria do conhecimento empirista, em uma física atomista e em uma ética hedonista. • A filosofia epicurista conquistou grande número de seguidores. Foi uma escola de pensamento muito proeminente por um período de sete séculos depois da morte do fundador. Posteriormente, quase relegou-se ao esquecimento devido ao início da Idade Média, período em que se perderam a maioria dos escritos deste filósofo grego. • A ideia que Epicuro tinha era que para ser feliz o homem necessitava de três coisas: Liberdade, Amizade e Tempo para meditar. Na Grécia antiga existia uma cidade na qual, em um muro na frente de um mercado, tinha escrito toda a filosofia da felicidade de Epicuro, procurando conscientizar as pessoas que comprar não as tornaria mais felizes como elas acreditavam
  • 10. O Ceticismo e a tradição cética • O ceticismo é a doutrina que afirma que não se pode obter nenhuma certeza a respeito da verdade, o que implica numa condição intelectual de dúvida permanente e na admissão da incapacidade de compreensão de fenômenos metafísicos, religiosos ou mesmo da realidade. O termo originou-se a partir do nome comumente dado a uma corrente filosófica originada na Grécia Antiga. • O ceticismo costuma ser dividido em duas correntes: • Ceticismo filosófico - uma postura filosófica em que pessoas escolhem examinar de forma crítica se o conhecimento e percepção que possuem são realmente verdadeiros, e se alguém pode ou não dizer se possui o conhecimento absolutamente verdadeiro; • Ceticismo científico - uma postura científica e prática, em que alguém questiona a veracidade de uma alegação, e procura prová-la ou desaprová- la usando o método científico. • O Ceticismo filosófico originou-se a partir da filosofia grega. Uma de suas primeiras propostas foi feita por Pirro de Élis (360-275 a.C.), que viajou até a Índia numa das campanhas de Alexandre, o Grande para aprofundar seus estudos, e propôs a adoção do ceticismo "prático" • Sexto Empírico (200 d.C.), a maior autoridade do ceticismo grego, desenvolveu ainda mais a corrente, incorporando aspectos do empirismo em sua base para afirmar o conhecimento. • Ou seja,o ceticismo filosófico é procurar saber, não se contentando com a ignorância fornecida atualmente pelos meios públicos, por meio da dúvida. Opõem-se ao dogmatismo, em que é possível conhecer a verdade.