SlideShare uma empresa Scribd logo
O Nascimento da Filosofia Ocidental
Tales de Mileto (640 a.C.- 550 a.C.)
foi considerado o primeiro filósofo
e fundador da Escola Jônica (a
Jônia era uma região situada no
litoral da porção asiática das
colônias gregas). Foi geômetra e
astrônomo, ficou famoso por ter
previsto um eclipse solar no ano
de 585 a.C.
Sócrates (Pai da Filosofia) nasceu em
Atenas, provavelmente no ano de 470
a.C., e tornou-se um dos principais
pensadores da Grécia Antiga.
Podemos afirmar que Sócrates fundou
o que conhecemos hoje por filosofia
ocidental. Ele reformulou a filosofia
grega, fazendo com que a busca de
conhecimento, antes centrada no
estudo da natureza, passasse a
ocupar-se do homem e das suas
ações.
Para Platão a primeira virtude do filósofo é admirar-se
FILOSOFIA ANTIGA
(séc. VII-VI a. C. – II-III d. C.)
FILOSOFIA MEDIEVAL
(séc. II-III – XV d. C.)
FILOSOFIA MODERNA
(séc. XVI – XVIII)
FILOSOFIA
CONTEMPORÂNEA
(séc. XIX – Hoje)
Gregório de Nissa, Santo
Agostinho, São Tomás de
Aquino.
Hegel, Marx, Feuerbach,
Kierkegaard, Comte,
Nietzsche, Heidegger,
Sartre, Adorno.
René Descartes,
Francis Bacon,
Spinoza, Hobbes,
Locke, Rousseau,
Hume, Kant.
• Superação do Mito;
• Leitura racional;
• Valorização do homem
• Busca da conciliação entre
as verdades da fé e as
verdades da razão;
• Teocentrismo.
• Separação entre fé e razão;
• Rejeição do passado;
• Desenvolvimento da crítica
• Confiança na razão;
• Antropocentrismo.
• Pluralismo de idéias;
• Historicidade /Socialidade;
• Secularização da
consciência
• Antidogmatismo.
Tales, Heráclito,
Pitágoras, Sofistas,
Sócrates, Platão,
Aristóteles.
Período Principais Filósofos Tendências
Pré-Socráticos
Fins do séc. VII
a.C. – V a.C.
Tales de Mileto
Anaximandro de Mileto
Anaxímenes de Mileto
Heráclito de Éfeso
Parmênides de Eléia
Pitágoras
Demócrito de Abdera
Empédocles
•Questões relativas à natureza:
• Busca do princípio originário
(arché);
• Estudo das leis que regem o
universo;
• Estudo dos fenômenos
atmosféricos;
• O movimento (dýnamis);
Socráticos
Fins do séc. V
a.C. – IV a.C.
Sofistas: Protágoras,
Górgias, Hípias e outros.
Sócrates
Platão
Aristóteles
• Temática Antropológica;
• Sistematização da Filosofia;
FILOSOFIA ANTIGA
Período Principais Filósofos Tendências
Helenismo
300 a. C. – 150
a. C.
ESCOLAS MORAIS
• Epicurismo – Epicuro
• Ceticismo – Pirro
• Nova Academia
• Estoicismo – Zenom
• Procura de uma moral
adequada à felicidade Humana.
Filosofia
Greco-Romana
150 a.C. – 300
d. C.
NEOPALTONISMO
• Fílon de alexandria
• Plutarco de Roma
• Plotino de Licópolis
GNOSTICISMO
ROMANOS
• Cícero
• Sêneca
• Epíteto
• Marco Aurélio
• Retomada do sentimento de
religiosidade
• Hibridismo de ideias religiosas e
filosóficas;
• Adaptação da filosofia grega à
cultura romana.
Tales de Mileto – Considerado o primeiro filósofo Ocidental. É responsável
por formular questões sobre a origem do cosmos.
 O princípio de tudo é a Água (as coisas vivas são úmidas e vivem do
úmido).
 Denominou alma o princípio do movimento;
 Calculou a duração do movimento anual do sol em 365 dias;
Anaximandro de Mileto – Sustentava a idéia de que a causa ou princípio
de todas as coisas era algo sem forma nem figura, de onde saem os seres
e as coisas, que para lá voltam, para de lá tornarem a sair.
 O princípio de tudo é uma substância indeterminada que pode se
transformar em qualquer coisa.
Anaxímenes de Mileto – Considera que a alma é o princípio vital. Ela é
imprescindível ao homem, pois, ela é o princípio da vida e é responsável
pelo governo do homem.
 O princípio de tudo é Ar (A vida é apenas um sopro).
Heráclito de Éfeso – Sustentava a idéia de que tudo está sempre em
movimento (Nada é estável, tudo se move). Foi o filósofo do devir, da
mutabilidade perene de todas as coisas.
 O princípio de tudo é o fogo, ele é o elemento unificador de todas as
coisas.
Parmênides de Eléia – O primeiro filósofo a formular que duas coisas
contraditórias não podem ser afirmadas ao mesmo tempo. (o ser é e o
não-ser não é). Ele aponta as seguintes características do Ser: ele é eterno,
imóvel, pleno e indivisível.
 As mudanças e a multiplicidade das coisas no mundo material não
passam de ilusões dos sentidos.
Pitágoras – Ensinava que a única coisa que não muda, as verdadeiras
realidades, eram os números. O mundo é regido por combinações de
números, a virtude, a arte, a política, a educação, resultam de uma
combinação de números.
 O princípio de tudo é o Um (Tudo sai da realidade absoluta).
Demócrito de Abdera – Tudo a nossa volta chegou a ser o que é
mediante a algum processo. É necessário conhecer tal processo, afinal, se
conhecermos esses processos, conheceríamos a natureza do Universo.
 O princípio do Mundo são os conjuntos de átomos (deles fazem parte
todas as coisas da natureza, inclusive, o homem). Acreditava que os
átomos eram da mesma classe, idênticas.
Empédocles – É responsável pela Doutrina dos quatro elementos (O ar, a
água, o fogo e a terra), na verdade ele considerou que esses elementos
em igualdade de condições como sendo os elementos primários de tudo.
 O princípio de tudo são os quatro elementos;
 O mundo é movido por duas forças contrárias: Amor X Ódio – através
dessa luta, opera-se um movimento de organização, retardado pelo ódio
e favorecido pelo amor. E é desse movimento que foram saindo primeiro
os vegetais, depois os animais inferiores, os superiores e por último o
homem.
Sofistas: Protágoras, Hípias, Isócrates e Górgias – Eram um grupo de
filósofos nômades que chegaram a Atenas. Estudavam sobre a Política e a
teoria do conhecimento.
 Segundo os sofistas existem tantas verdades quantas forem as mentes
humanas. Esta tese era fundamentada no fato de que cada povo tem
crenças e costumes próprios.
• Ensinavam principalmente as estratégias de argumentação;
 Eles cobravam para ensinar a arte de fazer política, afinal o homem
desta época não estava preparado para assumir a vida política (deram
origem a Pedagogia).
"O homem é a medida de todas as coisas“ –
Tal máxima expressa o sentido de que não é o
ser humano quem tem de se moldar a
padrões externos a si, que sejam impostos
por qualquer coisa que não seja o próprio ser
humano, e sim o próprio ser humano deve
moldar-se segundo a sua liberdade.
Protágoras
SOFISTAS
 Ensinavam a falar em público;
 A usar argumentos para brilhar em
público durante os debates da elite grega;
 Era uma concepção pedagógica voltada
para as demandas da vida pratica
 A educação tem como objetivo é a
sabedoria, isto é, conhecer o mundo e a si
mesmo;
 A busca da verdade é o maior legado que
Sócrates deixou;
 Sócrates via os sofistas como profissionais
da conveniência, mas comprometidos com o
interesse da clientela do que com a verdade.
SÓCRATES
SÓCRATES
Sócrates nasceu em Atenas – foi condenado à morte sob a acusação de impiedade
aos deuses atenienses e de corrupção da juventude.
 Sócrates percorria as ruas de Atenas, acompanhado de jovens e brilhantes
intelectuais, que o ouviam assombrados e se deliciavam com as palavras do sábio.
“Há apenas uma coisa que sei”, dizia, “e é que não sei nada”.
“Minha mãe era parteira e procuro seguir suas pegadas, auxiliando os outros a dar
à luz as suas próprias idéias.” Assim, interrogando as pessoas percebiam a sua
própria ignorância.
 A filosofia socrática foi marcada pela inabalável certeza de que o homem é capaz
de atingir a verdade.
 O método utilizado é: introspecção estimulada (Método Dialógico), que se
articulava em três momentos:
1. Ironia (do grego eíron/ interrogante);
2. Maiêutica (do grego maieúo / partejar) dar à luz as idéias;
3. Conceito momento em que a verdade aflora na alma do sujeito. Conhecer é
recordar (conhece-ti a ti mesmo).
“Ao enterrar-me digam que estão enterrando apenas o corpo, e não minha alma.”
PLATÃO
• Platão nasceu em Atenas, provavelmente em 427 a.C. e morreu em 347 a.C
• Foi autor de diversos diálogos filosóficos e fundador da Academia em Atenas, a
primeira instituição de educação superior do mundo ocidental. Juntamente com
seu mentor, Sócrates, e seu pupilo, Aristóteles, Platão ajudou a construir os
alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia ocidental. Platão possuía
uma ampla capacidade intelectual de tratar de diferentes temas, entre eles a
ética, a política, a metafísica e a teoria do conhecimento.
• Por volta dos 20 anos, encontrou o filósofo Sócrates e tornou-se seu discípulo
até a morte deste.
• Em linhas gerais, Platão desenvolveu a noção de que o homem está em contato
permanente com dois tipos de realidade: a inteligível e a sensível. A primeira é a
realidade imutável, igual a si mesma. A segunda são todas as coisas que nos
afetam os sentidos, são realidades dependentes, mutáveis e são imagens das
realidades inteligíveis.
Tal concepção de Platão também é conhecida por Teoria das Ideias ou Teoria das
Formas.
ARISTÓTELES
Aristóteles nasceu em 384 a.C. em Estagira. Aos 17 anos foi enviado à Academia de
Platão. Na Academia, a finalidade da educação era alcançar a sabedoria. Em 343 a.C., foi
chamado por Felipe II, da Macedônia, para educar seu filho, Alexandre, e permaneceu
na função durante vários anos, até que o pupilo começou a conquistar um vasto
império. De volta a Atenas, Aristóteles fundou a própria escola, o Liceu, desenvolvendo
uma obra marcadamente antiplatônica. Depois da morte de Alexandre, Aristóteles
passou a ser perseguido por ter colaborado na educação do imperador macedônio.
Refugiou-se em Calcis, onde morreu em 322 a.C.
"A educação, para Aristóteles, é um caminho para a vida pública". Cabe à educação a
formação do caráter do aluno. Perseguir a virtude significaria, em todas as atitudes,
buscar o "justo meio". A prudência e a sensatez se encontrariam no meio-termo, ou
medida justa "o que não é demais nem muito pouco", nas palavras do filósofo.
Para ser praticada constantemente, a virtude precisa se tornar um hábito. É possível
concluir que o hábito da virtude deve ser adquirido na escola.
Uma das grandes inovações de Aristóteles em relação a Platão foi negar a existência de
um mundo supra-real, onde residiriam as idéias. Para Aristóteles, ao contrário, o
mundo que percebemos é suficiente, e nele a perfeição está ao alcance de todos os
homens. A oposição entre os dois filósofos gregos ou entre a supremacia das idéias
(idealismo) ou das coisas (realismo) marcaria para sempre o pensamento ocidental.
Os noeses são as personalidades em que Rafael se inspirou para pintar o rosto dos
diferentes filósofos gregos. Isso é claramente uma homenagem às pessoas de seu tempo:
1: Zenão de Eléia 2: Epicuro 3: Frederico II, 4: Anaximandro ou Empédocles 5: Averroes 6:
Pitágoras 7: Alexandre, o Grande 8: Xenofonte 9: Hipátia 10: Ésquines ou Xenofonte 11:
Parménides 12: Sócrates 13: Heráclito 14: Platão segurando o Timeu 15: Aristóteles
segurando Ética a Nicômaco 16: Diógenes de Sínope 17: Plotino 18: Euclides ou
Arquimedes acompanhado de estudantes (Bramante) 19: Zoroastro 20: Ptolomeu R:
Rafael 21: Protogenes .

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1 aula - fil. impressão.pptx

Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Iuri Guedes
 
Aula 1 fls em
Aula 1 fls emAula 1 fls em
Aula 1 fls em
Walney M.F
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
Misterios10
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
ProfMario De Mori
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
O Camaleão
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
19121992
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
Aniel Soares
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
Aniel Soares
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
Raquel Carvalheiro
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
Colégio Tiradentes III
 
Trabalho de história filosofia grega
Trabalho de história  filosofia gregaTrabalho de história  filosofia grega
Trabalho de história filosofia grega
Carolina Alves
 
Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
Psicoemfoco
 
Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
Psicoemfoco
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
FlavioCandido8
 
Filosofia i
Filosofia iFilosofia i
Filosofia i
Felipe Hiago
 
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Dell Sales
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
Ivison Kauê
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
Ivison Kauê
 
Principais períodos da história da filosofia
Principais períodos da história da filosofiaPrincipais períodos da história da filosofia
Principais períodos da história da filosofia
Aldenei Barros
 
Filosofia grega
Filosofia gregaFilosofia grega
Filosofia grega
Tuh Caldas
 

Semelhante a 1 aula - fil. impressão.pptx (20)

Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
 
Aula 1 fls em
Aula 1 fls emAula 1 fls em
Aula 1 fls em
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humanaEvolução histórica da reflexão sobre a condição humana
Evolução histórica da reflexão sobre a condição humana
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Evolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humanaEvolucao historica da reflexao humana
Evolucao historica da reflexao humana
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
 
Trabalho de história filosofia grega
Trabalho de história  filosofia gregaTrabalho de história  filosofia grega
Trabalho de história filosofia grega
 
Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
 
Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
 
2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx2º Aula em busca da verdade.pptx
2º Aula em busca da verdade.pptx
 
Filosofia i
Filosofia iFilosofia i
Filosofia i
 
Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]Antropologia (Slide)[1][1][1]
Antropologia (Slide)[1][1][1]
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
 
Slides de antropologia principal(1)
Slides de antropologia   principal(1)Slides de antropologia   principal(1)
Slides de antropologia principal(1)
 
Principais períodos da história da filosofia
Principais períodos da história da filosofiaPrincipais períodos da história da filosofia
Principais períodos da história da filosofia
 
Filosofia grega
Filosofia gregaFilosofia grega
Filosofia grega
 

Último

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 

Último (20)

Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 

1 aula - fil. impressão.pptx

  • 1. O Nascimento da Filosofia Ocidental Tales de Mileto (640 a.C.- 550 a.C.) foi considerado o primeiro filósofo e fundador da Escola Jônica (a Jônia era uma região situada no litoral da porção asiática das colônias gregas). Foi geômetra e astrônomo, ficou famoso por ter previsto um eclipse solar no ano de 585 a.C. Sócrates (Pai da Filosofia) nasceu em Atenas, provavelmente no ano de 470 a.C., e tornou-se um dos principais pensadores da Grécia Antiga. Podemos afirmar que Sócrates fundou o que conhecemos hoje por filosofia ocidental. Ele reformulou a filosofia grega, fazendo com que a busca de conhecimento, antes centrada no estudo da natureza, passasse a ocupar-se do homem e das suas ações. Para Platão a primeira virtude do filósofo é admirar-se
  • 2. FILOSOFIA ANTIGA (séc. VII-VI a. C. – II-III d. C.) FILOSOFIA MEDIEVAL (séc. II-III – XV d. C.) FILOSOFIA MODERNA (séc. XVI – XVIII) FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA (séc. XIX – Hoje) Gregório de Nissa, Santo Agostinho, São Tomás de Aquino. Hegel, Marx, Feuerbach, Kierkegaard, Comte, Nietzsche, Heidegger, Sartre, Adorno. René Descartes, Francis Bacon, Spinoza, Hobbes, Locke, Rousseau, Hume, Kant. • Superação do Mito; • Leitura racional; • Valorização do homem • Busca da conciliação entre as verdades da fé e as verdades da razão; • Teocentrismo. • Separação entre fé e razão; • Rejeição do passado; • Desenvolvimento da crítica • Confiança na razão; • Antropocentrismo. • Pluralismo de idéias; • Historicidade /Socialidade; • Secularização da consciência • Antidogmatismo. Tales, Heráclito, Pitágoras, Sofistas, Sócrates, Platão, Aristóteles.
  • 3. Período Principais Filósofos Tendências Pré-Socráticos Fins do séc. VII a.C. – V a.C. Tales de Mileto Anaximandro de Mileto Anaxímenes de Mileto Heráclito de Éfeso Parmênides de Eléia Pitágoras Demócrito de Abdera Empédocles •Questões relativas à natureza: • Busca do princípio originário (arché); • Estudo das leis que regem o universo; • Estudo dos fenômenos atmosféricos; • O movimento (dýnamis); Socráticos Fins do séc. V a.C. – IV a.C. Sofistas: Protágoras, Górgias, Hípias e outros. Sócrates Platão Aristóteles • Temática Antropológica; • Sistematização da Filosofia; FILOSOFIA ANTIGA
  • 4. Período Principais Filósofos Tendências Helenismo 300 a. C. – 150 a. C. ESCOLAS MORAIS • Epicurismo – Epicuro • Ceticismo – Pirro • Nova Academia • Estoicismo – Zenom • Procura de uma moral adequada à felicidade Humana. Filosofia Greco-Romana 150 a.C. – 300 d. C. NEOPALTONISMO • Fílon de alexandria • Plutarco de Roma • Plotino de Licópolis GNOSTICISMO ROMANOS • Cícero • Sêneca • Epíteto • Marco Aurélio • Retomada do sentimento de religiosidade • Hibridismo de ideias religiosas e filosóficas; • Adaptação da filosofia grega à cultura romana.
  • 5. Tales de Mileto – Considerado o primeiro filósofo Ocidental. É responsável por formular questões sobre a origem do cosmos.  O princípio de tudo é a Água (as coisas vivas são úmidas e vivem do úmido).  Denominou alma o princípio do movimento;  Calculou a duração do movimento anual do sol em 365 dias; Anaximandro de Mileto – Sustentava a idéia de que a causa ou princípio de todas as coisas era algo sem forma nem figura, de onde saem os seres e as coisas, que para lá voltam, para de lá tornarem a sair.  O princípio de tudo é uma substância indeterminada que pode se transformar em qualquer coisa. Anaxímenes de Mileto – Considera que a alma é o princípio vital. Ela é imprescindível ao homem, pois, ela é o princípio da vida e é responsável pelo governo do homem.  O princípio de tudo é Ar (A vida é apenas um sopro).
  • 6. Heráclito de Éfeso – Sustentava a idéia de que tudo está sempre em movimento (Nada é estável, tudo se move). Foi o filósofo do devir, da mutabilidade perene de todas as coisas.  O princípio de tudo é o fogo, ele é o elemento unificador de todas as coisas. Parmênides de Eléia – O primeiro filósofo a formular que duas coisas contraditórias não podem ser afirmadas ao mesmo tempo. (o ser é e o não-ser não é). Ele aponta as seguintes características do Ser: ele é eterno, imóvel, pleno e indivisível.  As mudanças e a multiplicidade das coisas no mundo material não passam de ilusões dos sentidos. Pitágoras – Ensinava que a única coisa que não muda, as verdadeiras realidades, eram os números. O mundo é regido por combinações de números, a virtude, a arte, a política, a educação, resultam de uma combinação de números.  O princípio de tudo é o Um (Tudo sai da realidade absoluta).
  • 7. Demócrito de Abdera – Tudo a nossa volta chegou a ser o que é mediante a algum processo. É necessário conhecer tal processo, afinal, se conhecermos esses processos, conheceríamos a natureza do Universo.  O princípio do Mundo são os conjuntos de átomos (deles fazem parte todas as coisas da natureza, inclusive, o homem). Acreditava que os átomos eram da mesma classe, idênticas. Empédocles – É responsável pela Doutrina dos quatro elementos (O ar, a água, o fogo e a terra), na verdade ele considerou que esses elementos em igualdade de condições como sendo os elementos primários de tudo.  O princípio de tudo são os quatro elementos;  O mundo é movido por duas forças contrárias: Amor X Ódio – através dessa luta, opera-se um movimento de organização, retardado pelo ódio e favorecido pelo amor. E é desse movimento que foram saindo primeiro os vegetais, depois os animais inferiores, os superiores e por último o homem.
  • 8. Sofistas: Protágoras, Hípias, Isócrates e Górgias – Eram um grupo de filósofos nômades que chegaram a Atenas. Estudavam sobre a Política e a teoria do conhecimento.  Segundo os sofistas existem tantas verdades quantas forem as mentes humanas. Esta tese era fundamentada no fato de que cada povo tem crenças e costumes próprios. • Ensinavam principalmente as estratégias de argumentação;  Eles cobravam para ensinar a arte de fazer política, afinal o homem desta época não estava preparado para assumir a vida política (deram origem a Pedagogia). "O homem é a medida de todas as coisas“ – Tal máxima expressa o sentido de que não é o ser humano quem tem de se moldar a padrões externos a si, que sejam impostos por qualquer coisa que não seja o próprio ser humano, e sim o próprio ser humano deve moldar-se segundo a sua liberdade. Protágoras
  • 9. SOFISTAS  Ensinavam a falar em público;  A usar argumentos para brilhar em público durante os debates da elite grega;  Era uma concepção pedagógica voltada para as demandas da vida pratica  A educação tem como objetivo é a sabedoria, isto é, conhecer o mundo e a si mesmo;  A busca da verdade é o maior legado que Sócrates deixou;  Sócrates via os sofistas como profissionais da conveniência, mas comprometidos com o interesse da clientela do que com a verdade. SÓCRATES
  • 10. SÓCRATES Sócrates nasceu em Atenas – foi condenado à morte sob a acusação de impiedade aos deuses atenienses e de corrupção da juventude.  Sócrates percorria as ruas de Atenas, acompanhado de jovens e brilhantes intelectuais, que o ouviam assombrados e se deliciavam com as palavras do sábio. “Há apenas uma coisa que sei”, dizia, “e é que não sei nada”. “Minha mãe era parteira e procuro seguir suas pegadas, auxiliando os outros a dar à luz as suas próprias idéias.” Assim, interrogando as pessoas percebiam a sua própria ignorância.  A filosofia socrática foi marcada pela inabalável certeza de que o homem é capaz de atingir a verdade.  O método utilizado é: introspecção estimulada (Método Dialógico), que se articulava em três momentos: 1. Ironia (do grego eíron/ interrogante); 2. Maiêutica (do grego maieúo / partejar) dar à luz as idéias; 3. Conceito momento em que a verdade aflora na alma do sujeito. Conhecer é recordar (conhece-ti a ti mesmo). “Ao enterrar-me digam que estão enterrando apenas o corpo, e não minha alma.”
  • 11. PLATÃO • Platão nasceu em Atenas, provavelmente em 427 a.C. e morreu em 347 a.C • Foi autor de diversos diálogos filosóficos e fundador da Academia em Atenas, a primeira instituição de educação superior do mundo ocidental. Juntamente com seu mentor, Sócrates, e seu pupilo, Aristóteles, Platão ajudou a construir os alicerces da filosofia natural, da ciência e da filosofia ocidental. Platão possuía uma ampla capacidade intelectual de tratar de diferentes temas, entre eles a ética, a política, a metafísica e a teoria do conhecimento. • Por volta dos 20 anos, encontrou o filósofo Sócrates e tornou-se seu discípulo até a morte deste. • Em linhas gerais, Platão desenvolveu a noção de que o homem está em contato permanente com dois tipos de realidade: a inteligível e a sensível. A primeira é a realidade imutável, igual a si mesma. A segunda são todas as coisas que nos afetam os sentidos, são realidades dependentes, mutáveis e são imagens das realidades inteligíveis. Tal concepção de Platão também é conhecida por Teoria das Ideias ou Teoria das Formas.
  • 12. ARISTÓTELES Aristóteles nasceu em 384 a.C. em Estagira. Aos 17 anos foi enviado à Academia de Platão. Na Academia, a finalidade da educação era alcançar a sabedoria. Em 343 a.C., foi chamado por Felipe II, da Macedônia, para educar seu filho, Alexandre, e permaneceu na função durante vários anos, até que o pupilo começou a conquistar um vasto império. De volta a Atenas, Aristóteles fundou a própria escola, o Liceu, desenvolvendo uma obra marcadamente antiplatônica. Depois da morte de Alexandre, Aristóteles passou a ser perseguido por ter colaborado na educação do imperador macedônio. Refugiou-se em Calcis, onde morreu em 322 a.C. "A educação, para Aristóteles, é um caminho para a vida pública". Cabe à educação a formação do caráter do aluno. Perseguir a virtude significaria, em todas as atitudes, buscar o "justo meio". A prudência e a sensatez se encontrariam no meio-termo, ou medida justa "o que não é demais nem muito pouco", nas palavras do filósofo. Para ser praticada constantemente, a virtude precisa se tornar um hábito. É possível concluir que o hábito da virtude deve ser adquirido na escola. Uma das grandes inovações de Aristóteles em relação a Platão foi negar a existência de um mundo supra-real, onde residiriam as idéias. Para Aristóteles, ao contrário, o mundo que percebemos é suficiente, e nele a perfeição está ao alcance de todos os homens. A oposição entre os dois filósofos gregos ou entre a supremacia das idéias (idealismo) ou das coisas (realismo) marcaria para sempre o pensamento ocidental.
  • 13. Os noeses são as personalidades em que Rafael se inspirou para pintar o rosto dos diferentes filósofos gregos. Isso é claramente uma homenagem às pessoas de seu tempo: 1: Zenão de Eléia 2: Epicuro 3: Frederico II, 4: Anaximandro ou Empédocles 5: Averroes 6: Pitágoras 7: Alexandre, o Grande 8: Xenofonte 9: Hipátia 10: Ésquines ou Xenofonte 11: Parménides 12: Sócrates 13: Heráclito 14: Platão segurando o Timeu 15: Aristóteles segurando Ética a Nicômaco 16: Diógenes de Sínope 17: Plotino 18: Euclides ou Arquimedes acompanhado de estudantes (Bramante) 19: Zoroastro 20: Ptolomeu R: Rafael 21: Protogenes .