SlideShare uma empresa Scribd logo
Faculdade Castro AlvesPsicologia – 1º Semestre - NoturnoANTROPOLOGIA FILOSÓFICAAline Lima
Aline  Silva
Andresa Silva
Débora Sales
Eliene Ferreira
Elisângela Caldas
Elisângela Machado
Luana Teixeira
Noeme LacerdaOrientador: Profº Fabiano Viana
        Há três mil anos, não havia explicações científicas para grande parte dos fenômenos da natureza ou para os acontecimentos históricos. Para buscar um significado, os gregos criaram uma série de histórias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, através da literatura oral.  Grande parte destas lendas e mitos chegou até os dias de hoje e são importantes fontes de informação para entendermos a história da civilização da Grécia Antiga. São histórias riquíssimas em dados psicológicos, econômicos, materiais, artísticos, políticos e culturais.       Mitologia Grega: É um conjunto de crenças e práticas ritualísticas dos antigos gregos. É composta basicamente de um conjunto de histórias e lendas sobre uma grande variedade de deuses. A mitologia grega enfatizava o contraste entre as fraquezas dos seres humanos e as grandes e aterradoras forças da natureza.Mitos/mitologia gregaMinotauro : figura da mitologia grega
Pré-socráticos
      Este período compreendeu os séculos IV e V a.C. e envolveu poucos, porém grandes intelectuais, pensadores e cientistas.      Os sofistas sistematizaram e transmitiram uma série de conhecimentos estudados até os dias de hoje. Eles não ensinavam em um determinado local, eram conferencistas itinerantes, viajando constantemente. Ensinavam por meio de uma designação geral de filosofia que compreendia uma série de conhecimentos não abordados pela escola regular, como: física, geometria, medicina, astronomia, retórica, artes e a filosofia em si.sofistasSofistasPara eles não interessava se o que estavam falando era verdadeiro, pois o essencial era conquistar a adesão do público ouvinte.      A retórica dos sofistas busca inculcar no ouvinte ideologias que sejam aproveitáveis para a manipulação do povo.       Os sofistas cobravam por suas lições preços bastante elevados, diferente de Sócrates que, lecionava mais por paixão que por uma compensação financeira.       A filosofia de vida dos sofistas adotava uma visão de mundo extremamente egoísta e utilitária diante dos problemas da atividade prática, por esse motivo Sócrates se levantou fortemente contra esta doutrina.
Sócrates Nascido em Atenas em 470 ou 469 a.C, admirado pelos jovens e criticado por outros, Sócrates dedicava-se ao que considerava sua missão: dialogar com as pessoas. Com base no diálogo, Sócrates buscava desconstruir a falsa idéia de sabedoria presente nos cidadãos da sua época através da ironia para depois incentivá-los a buscar respostas por si próprios, o que é chamado Maiêutica. Sócrates sempre dizia que sua sabedoria era limitada à sua própria ignorância (Só sei que nada sei).É a partir de Sócrates que surge a concepção de alma como sede da consciência normal e do caráter, a alma que no cotidiano de cada um é aquela realidade interior que se manifesta mediante palavras e ações, podendo ter conhecimento ou ignorância, bondade ou maldade. E que, por isso, deveria ser o objeto principal da preocupação e dos cuidados do homem.Considerado uma ameaça à estrutura política ateniense, Sócrates é. julgado e condenado à morte, sendo esta executada em 399 a.C.. O filósofo foi obrigado a beber cicuta,  um veneno muito utilizado na época.
PLATÃOPlatão nasceu em Atenas, veio de uma família aristocrática. Se interessou pela filosofia quando se encontrou com Sócrates, tornando-se um grande discípulo.  Quando Sócrates faleceu, o filósofo grego viajou durante muitos anos, por vários lugares até se fixar no Egito. Logo depois, Platão voltou para Atenas e em 387 a.C fundou uma escola denominada “A  Academia”. Essa escola tinha como objetivo mostrar os ensinamentos de Sócrates. A escola também estimulava o estudo e a pesquisa, principalmente nas áreas de ciência, matemática e retórica.   Quando o filósofo grego estava com cerca de oitenta anos serviu como exemplo para os outros filósofos. Haviam pessoas que aceitavam as suas teorias outros não, porém todos foram influenciados por Platão. Platão cria em reencarnação. Ele acreditava que pessoa que faziam maldade aqui na terra, não poderiam retornar novamente, pois essa era condenada.  As obras mais conhecidas são: Apologia de Sócrates, Banquete e A República. Platão morreu em 347 a.C. em Atenas.
ARISTÓTELESNasceu em Estagira, na Macedônia e mudou-se para Atenas, aos 17 anos, a fim de estudar na Academia de Platão. Em 343 a.C., tornou-se preceptor do principe Alexandre, da Macedônia, mas retornou à Atenas oito anos depois, onde fundou a sua própria escola: o Liceu.Em 323 a.C., após a morte de Alexandre, O grande, Aristóteles é obrigado a sair de Atenas, devido ao forte sentimento anti-macedônico, decorrente da grande expansão territorial alcançada pelos macedônios. Ele vai para Eubéia, onde falece em 322 a.C.Aristóteles iniciou o estudo sistematizado do que viria a ser conhecido como lógica e dialética, além de ter contribuído substancialmente para a evolução de diversas áreas de conhecimento, como: ética, política, física, metafísica, lógica, psicologia, poesia, retórica, zoologia, biologia, história natural.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalCap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia cultural
Joao Balbi
 
Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2
unieubra
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
Edenilson Morais
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
Fábio Nogueira, PhD
 
Escolas do pensamento antropologico
Escolas do pensamento antropologico Escolas do pensamento antropologico
Escolas do pensamento antropologico
belchio01
 
Documento sem título (61)
Documento sem título (61)Documento sem título (61)
Documento sem título (61)
Elieidw
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Suely Lima Lopes
 
Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10
mundissa
 
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
Carlos Vieira
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
lukinha10
 
Antropologia cultural
Antropologia culturalAntropologia cultural
Antropologia cultural
Genito Paulo Rui
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
Salomao Lucio Dos Santos
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
PriscillaTomazi2015
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Salomao Lucio Dos Santos
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
Salomao Lucio Dos Santos
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
PSIFCA
 
Ementa Antropologia Filosófica
Ementa Antropologia FilosóficaEmenta Antropologia Filosófica
Ementa Antropologia Filosófica
Victor Hugo de Oliveira Marques
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Andreia Mello
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
Joao Balbi
 

Mais procurados (20)

Cap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia culturalCap 4 antropologia cultural
Cap 4 antropologia cultural
 
Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2Aula antropologia da educação 2
Aula antropologia da educação 2
 
Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea Antropologia contemporânea
Antropologia contemporânea
 
Aula 1 o que é antropologia
Aula 1   o que é antropologiaAula 1   o que é antropologia
Aula 1 o que é antropologia
 
Escolas do pensamento antropologico
Escolas do pensamento antropologico Escolas do pensamento antropologico
Escolas do pensamento antropologico
 
Documento sem título (61)
Documento sem título (61)Documento sem título (61)
Documento sem título (61)
 
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologiaAula 4-sociologia-aula-4-antropologia
Aula 4-sociologia-aula-4-antropologia
 
Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3Antropologia da religião 3
Antropologia da religião 3
 
Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10Antropologia contemporânea cap 10
Antropologia contemporânea cap 10
 
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]Antropologia  -introdução_e_e_conceito[1]
Antropologia -introdução_e_e_conceito[1]
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
 
Antropologia cultural
Antropologia culturalAntropologia cultural
Antropologia cultural
 
Antropologia da religião
Antropologia da religiãoAntropologia da religião
Antropologia da religião
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
Atropologia e cultura   pricila farfan barrosoAtropologia e cultura   pricila farfan barroso
Atropologia e cultura pricila farfan barroso
 
Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,Antropologia da religião​​​​​​​,
Antropologia da religião​​​​​​​,
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
 
Ementa Antropologia Filosófica
Ementa Antropologia FilosóficaEmenta Antropologia Filosófica
Ementa Antropologia Filosófica
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
 

Destaque

Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
Douglas Gregorio
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
Flávia De Mattos Motta
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
Flávia De Mattos Motta
 
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Leonardo Santos
 
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico  Roque LaraiaCultura um conceito antropológico  Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Gisele Da Fonseca
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
Andreia Regina Moura Mendes
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
Aldenei Barros
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da   formaçãoO sentido da vida na dimensão antropológica da   formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
Liana Plentz
 
A era das revoluções
A era das  revoluçõesA era das  revoluções
A era das revoluções
Monique Rodrigues
 
Traabalho identidade cultural
Traabalho identidade culturalTraabalho identidade cultural
Traabalho identidade cultural
Cristiano William
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
Geani Pedrosa
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
Luciano Carvalho
 
Aprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineAprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François Laplantine
Jéssika Pereira
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
Ex Votos Do Brasil
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
Cristofer Castillo
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
Paulo Alexandre
 
Slide de antropologia
Slide de antropologiaSlide de antropologia
Slide de antropologia
joell07
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
Escola Estadual Alonso de Morais Andrade
 
Identidade surda
Identidade surdaIdentidade surda
Identidade surda
dilaina maria araujo maria
 

Destaque (20)

Antropologia.
Antropologia.Antropologia.
Antropologia.
 
Antropologia: conceitos basicos
 Antropologia: conceitos basicos Antropologia: conceitos basicos
Antropologia: conceitos basicos
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
 
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
Cultura: um conceito antropologico - Parte 1
 
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico  Roque LaraiaCultura um conceito antropológico  Roque Laraia
Cultura um conceito antropológico Roque Laraia
 
Cultura um conceito antropológico
Cultura  um conceito antropológicoCultura  um conceito antropológico
Cultura um conceito antropológico
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da   formaçãoO sentido da vida na dimensão antropológica da   formação
O sentido da vida na dimensão antropológica da formação
 
A era das revoluções
A era das  revoluçõesA era das  revoluções
A era das revoluções
 
Traabalho identidade cultural
Traabalho identidade culturalTraabalho identidade cultural
Traabalho identidade cultural
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
 
Aprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François LaplantineAprender Antropologia - François Laplantine
Aprender Antropologia - François Laplantine
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
 
Identidade cultural
Identidade culturalIdentidade cultural
Identidade cultural
 
A Era das Revoluções
A Era das RevoluçõesA Era das Revoluções
A Era das Revoluções
 
Slide de antropologia
Slide de antropologiaSlide de antropologia
Slide de antropologia
 
Identidade cultural no Mundo
Identidade cultural no MundoIdentidade cultural no Mundo
Identidade cultural no Mundo
 
Identidade surda
Identidade surdaIdentidade surda
Identidade surda
 

Semelhante a Antropologia (Slide)[1][1][1]

Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
Psicoemfoco
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
psicoonline2010
 
Filosofia clássica 1
Filosofia clássica 1Filosofia clássica 1
Filosofia clássica 1
Douglas Gregorio
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
Jorge Marcos Oliveira
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
Jorge Marcos Oliveira
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
Paulo Alexandre
 
Antropologia Filosófica
Antropologia FilosóficaAntropologia Filosófica
Antropologia Filosófica
Lusilene Carvalho
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
iranildespm
 
Origem da Filosofia
Origem da FilosofiaOrigem da Filosofia
Origem da Filosofia
Jéssica Santana
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
iranildespm
 
Trabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médioTrabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médio
WANDERSON JONER
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
Alan
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
Misterios10
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
Cleberson Alves
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
Cleberson Alves
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
Cleberson Alves
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
Atividades Diversas Cláudia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Claudia
 
2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia2a. apostila-de-filosofia
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
Jéssica Santana
 

Semelhante a Antropologia (Slide)[1][1][1] (20)

Slide antropologia filosofica
Slide antropologia filosoficaSlide antropologia filosofica
Slide antropologia filosofica
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Filosofia clássica 1
Filosofia clássica 1Filosofia clássica 1
Filosofia clássica 1
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
 
1ª série filosofia medieval-
1ª série   filosofia medieval-1ª série   filosofia medieval-
1ª série filosofia medieval-
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
Antropologia Filosófica
Antropologia FilosóficaAntropologia Filosófica
Antropologia Filosófica
 
Slide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofiaSlide a origem da filosofia
Slide a origem da filosofia
 
Origem da Filosofia
Origem da FilosofiaOrigem da Filosofia
Origem da Filosofia
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
 
Trabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médioTrabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médio
 
Revisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da FilosofiaRevisão Geral da História da Filosofia
Revisão Geral da História da Filosofia
 
Slides Antropologia
Slides AntropologiaSlides Antropologia
Slides Antropologia
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
 
Antropologia modificado
Antropologia modificadoAntropologia modificado
Antropologia modificado
 
Introdução a filosofia
Introdução a filosofiaIntrodução a filosofia
Introdução a filosofia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia2a. apostila-de-filosofia
2a. apostila-de-filosofia
 
Antropologia
Antropologia Antropologia
Antropologia
 

Antropologia (Slide)[1][1][1]

  • 1. Faculdade Castro AlvesPsicologia – 1º Semestre - NoturnoANTROPOLOGIA FILOSÓFICAAline Lima
  • 10. Há três mil anos, não havia explicações científicas para grande parte dos fenômenos da natureza ou para os acontecimentos históricos. Para buscar um significado, os gregos criaram uma série de histórias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, através da literatura oral. Grande parte destas lendas e mitos chegou até os dias de hoje e são importantes fontes de informação para entendermos a história da civilização da Grécia Antiga. São histórias riquíssimas em dados psicológicos, econômicos, materiais, artísticos, políticos e culturais. Mitologia Grega: É um conjunto de crenças e práticas ritualísticas dos antigos gregos. É composta basicamente de um conjunto de histórias e lendas sobre uma grande variedade de deuses. A mitologia grega enfatizava o contraste entre as fraquezas dos seres humanos e as grandes e aterradoras forças da natureza.Mitos/mitologia gregaMinotauro : figura da mitologia grega
  • 12. Este período compreendeu os séculos IV e V a.C. e envolveu poucos, porém grandes intelectuais, pensadores e cientistas. Os sofistas sistematizaram e transmitiram uma série de conhecimentos estudados até os dias de hoje. Eles não ensinavam em um determinado local, eram conferencistas itinerantes, viajando constantemente. Ensinavam por meio de uma designação geral de filosofia que compreendia uma série de conhecimentos não abordados pela escola regular, como: física, geometria, medicina, astronomia, retórica, artes e a filosofia em si.sofistasSofistasPara eles não interessava se o que estavam falando era verdadeiro, pois o essencial era conquistar a adesão do público ouvinte. A retórica dos sofistas busca inculcar no ouvinte ideologias que sejam aproveitáveis para a manipulação do povo. Os sofistas cobravam por suas lições preços bastante elevados, diferente de Sócrates que, lecionava mais por paixão que por uma compensação financeira. A filosofia de vida dos sofistas adotava uma visão de mundo extremamente egoísta e utilitária diante dos problemas da atividade prática, por esse motivo Sócrates se levantou fortemente contra esta doutrina.
  • 13. Sócrates Nascido em Atenas em 470 ou 469 a.C, admirado pelos jovens e criticado por outros, Sócrates dedicava-se ao que considerava sua missão: dialogar com as pessoas. Com base no diálogo, Sócrates buscava desconstruir a falsa idéia de sabedoria presente nos cidadãos da sua época através da ironia para depois incentivá-los a buscar respostas por si próprios, o que é chamado Maiêutica. Sócrates sempre dizia que sua sabedoria era limitada à sua própria ignorância (Só sei que nada sei).É a partir de Sócrates que surge a concepção de alma como sede da consciência normal e do caráter, a alma que no cotidiano de cada um é aquela realidade interior que se manifesta mediante palavras e ações, podendo ter conhecimento ou ignorância, bondade ou maldade. E que, por isso, deveria ser o objeto principal da preocupação e dos cuidados do homem.Considerado uma ameaça à estrutura política ateniense, Sócrates é. julgado e condenado à morte, sendo esta executada em 399 a.C.. O filósofo foi obrigado a beber cicuta, um veneno muito utilizado na época.
  • 14. PLATÃOPlatão nasceu em Atenas, veio de uma família aristocrática. Se interessou pela filosofia quando se encontrou com Sócrates, tornando-se um grande discípulo. Quando Sócrates faleceu, o filósofo grego viajou durante muitos anos, por vários lugares até se fixar no Egito. Logo depois, Platão voltou para Atenas e em 387 a.C fundou uma escola denominada “A Academia”. Essa escola tinha como objetivo mostrar os ensinamentos de Sócrates. A escola também estimulava o estudo e a pesquisa, principalmente nas áreas de ciência, matemática e retórica. Quando o filósofo grego estava com cerca de oitenta anos serviu como exemplo para os outros filósofos. Haviam pessoas que aceitavam as suas teorias outros não, porém todos foram influenciados por Platão. Platão cria em reencarnação. Ele acreditava que pessoa que faziam maldade aqui na terra, não poderiam retornar novamente, pois essa era condenada. As obras mais conhecidas são: Apologia de Sócrates, Banquete e A República. Platão morreu em 347 a.C. em Atenas.
  • 15. ARISTÓTELESNasceu em Estagira, na Macedônia e mudou-se para Atenas, aos 17 anos, a fim de estudar na Academia de Platão. Em 343 a.C., tornou-se preceptor do principe Alexandre, da Macedônia, mas retornou à Atenas oito anos depois, onde fundou a sua própria escola: o Liceu.Em 323 a.C., após a morte de Alexandre, O grande, Aristóteles é obrigado a sair de Atenas, devido ao forte sentimento anti-macedônico, decorrente da grande expansão territorial alcançada pelos macedônios. Ele vai para Eubéia, onde falece em 322 a.C.Aristóteles iniciou o estudo sistematizado do que viria a ser conhecido como lógica e dialética, além de ter contribuído substancialmente para a evolução de diversas áreas de conhecimento, como: ética, política, física, metafísica, lógica, psicologia, poesia, retórica, zoologia, biologia, história natural.
  • 16. Agostinho é considerado uma das figura mais importante no desenvolvimento do Cristianismo no ocidente, sendo influenciado fortemente pelo Maniqueísmo pelo Neoplatonismo de Platino. Agostinho foi importante para baptismo do pensamento grego e sua entrada na tradição cristã na orientação da visão do homem medieval sobre a relação entre a fé cristã e o estado da natureza. Ele reconhecia a importância do conhecimento fé em cristo que vinha restaurar a condição decaida da razão humana sendo portanto mais importante. Agostinho afirmava que a interpretação da bíblia deveria ser feita de acordo com os conhecimento de cada época sobre mundo natural. Ele desenvolveu a sua própria abordagem sobre a filosofia e teologia, Santo Agostinho ele não se preocupa em traçar fronteiras entre fé e a razão, para ele, o processo do conhecimento ajuda o homem alcançar a fé, de seguida a fé orientar e iluminar a razão que por sua vez contribuir para alcançar os conteúdos da fé. Em seu ponto de vista o homem é uma alma racional quer serve de um corpo mortal e terrestre, distingue, a alma em dois aspectos a razão inferior tem por objetivo o conhecimento da realidade sensível e mutável: é a ciência, conhecimento que permite cobrir as nossas necessidades. A razão superior tem por objetivo a sabedoria, isto é o conhecimento das idéias, do inteligível, para se elevar até Deus.Filosofia medieval (santo agostinho)
  • 17. São Tomas de Aquino foi chamado mais sábio dos Santos e mais sábio dos Santos. Seu maior mérito foi a síntese do Cristianismo com visão Aristotélica do mundo, descoberto na idade Média na Escolástica anterior, compaginou uma forma a obter uma sólida base filosófica para a teologia e retificando o materiasmo de Aristóteles.Explica que toda a criação é boa, tudo o que existe é bom, por participar do ser de Deus, o mal é a ausência de uma perfeição devida e a essência do mal é a privação ou ausência do bem. Ele faz uma simples demonstração a existência de Deus, propõe as cinco vias: 1º Motor imóvel, 2º Causa - e - efeito, 3º Ser, 4º Perfeito, 5º Inteligência.Tomas de Aquino conclui que a descoberta da verdade ai alem do que visível, acreditava que coisas todas são reais, visível ou invisível ele explica que uma coisas não deixar de ser real e verdade só porque não pode ser vista a verdade é meio pela qual se manifesta aquilo que é , a verdade estar nas coisas e no intelecto e o torna conhecida ou seja , isso é aprendido através da razão . Aquino conclui que só se pode conhecer a verdade se você conhece o que é o ser.Filosofia medieval (são tomaz de aquino)
  • 18. A Passagem da idade média à idade moderna trouxe-nos profundas mudanças,tão profundas que se caracterizaram tanto no campo político,econômico e cientifico.As forças econômicas e políticas com novo modo de produção,na passagem do feudalismo ao capitalismo,na derrubada nobreza e no clero,tendo assim uma nova forma de pensar e agir,se distanciando do controle teológico em tão pouco tempo que possibilitou um definitivo modelo de sociedade que perdura até nos dias de hoje.Trata-se de estabelecer bases ao pensamento moderno,o termo pensamento moderno é de difícil precisão ou seja composto por diretrizes fundamentadas em torno da postura relacional homem/natureza. A partir desta perspectiva que podemos compreender a realidade,pois percebe-se que as antigas concepções estão se desmoronando por causa dos avanços no campo da ciência e do surgimento de novas instâncias. Por exemplo: no período que há grande confiança no homem e no seu poder racional diferentemente das concepções antigas e medievais que se fundamentavam em Deus ou no ser. Pensamento moderno
  • 19. Período histórico que sucedeu a Idade Média, durante os séculos XV e XVI. Intensificou-se na Europa, a produção artística e científica.Foi na Península Itálica que o comércio mais se desenvolveu neste período. Por este motivo, a Itália passou a ser conhecida como o berço do Renascimento.Características PrincipaisValorização da cultura greco-romana.
  • 20. A inteligência, o conhecimento e o domínio artístico passaram a ser mais valorizados no ser humano.
  • 22. O Homem renascentista passou a utilizar métodos experimentais e de conservação da natureza e do universo.renascençaArte Renascentista - Teto da capela Sistina – Roma, Michelangelo ( 1475 – 1564)
  • 23. O Humanismo pode ser definido como um conjunto de ideais e princípios que valorizam as ações humanas e valores morais. Para os humanistas, os seres humanos são os responsáveis pela criação e desenvolvimento destes valores, idéia esta que se opõe ao pensamento religioso, que tem Deus como criador destes valores. O humanismo se desenvolveu e se manifestou em vários momentos da história e em vários campos do conhecimento e das artes. Na antiguidade clássica manifestou-se principalmente na filosofia e nas artes plásticas. Já no Renascimento, resgataram-se os valores humanistas da cultura greco-romana. O antropocentrismonorteou o desenvolvimento intelectual e artístico desta fase. humanismoArte Humanista – São Jorge, Donatello (1386? – 1466). Estátua em mármoreO artista renascentista italiano Leonardo Da Vinci pode ser reconhecido como um dos artistas mais destacados do período, que, além disso, fortemente expressa os ideais de humanismo em obras como o "Homem Vitruviano". O homem Vitruviano tornou-se o mais admirado de descrição da composição humana. Esta peça exprime os ideais de humanismo.
  • 24. O Empirismo no ponto de partida da reflexão filosófica não é mais o problema do “ser”, mas o do conhecer, no que nos conduz a desenvolver uma concepção racionalista do conhecimento entre a verdade e a realidade. Exemplo: Alguns Filósofos ingleses se encontravam em ambientes estranhamente diferentes em seu país, pois a ciência por sua vez encontrava-se em pleno desenvolvimento, no entanto é lógico que as preocupações sejam voltadas para pesquisa do conhecimento e que corresponda às exigências das ciências. Para o pensamento empírico nossos órgãos excitam sentidos, cores, sabores odores, são sensações que reúnem forma de percepção que se combinam e se associam formando todos nossos pensamentosempirismo
  • 25. O Racionalismo é uma corrente filosófica do século XVII, com pensamento moderno através de Descartes, partindo-se de pré-conceitos e pré-noções existentes. O preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente de uma atitude discriminatória perante as pessoas. De modo geral, o ponto de partida do preconceito é uma generalização superficial, ou seja, um erro que faz parte de uma crença e não do conhecimento, já as pré-noções é alimentado por preconceito, porque deixemos de mover nossas ações e pensamentos, premediante as idéias que diz respeito à realidade escondida em meio aos preconceitos.Racionalismo (rené descartes)
  • 26. Aristóteles. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Arist%C3%B3teles> Acesso em: 24/Mar/2010.MASUKO, Marcos Hideichi. PAE – Programa Atualizado de Ensino: fundamental, médio, profissionalizante. São Paulo, Editora Didática do Brasil, 2005.Sócrates. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%B3crates> Acesso em: 26/Mar/2010.Humanismo. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/o_que_e/humanismo.htm> Acesso em: 20/Mar/2010Mitos/Mitologia Grega. Disponível em: <http://www.mitosedeuses.hpg.ig.com.br/viagens/9/index_int_3.html> Acesso em: 31/Mar/2010Mitologia grega. Disponível em: <http://www.suapesquisa.com/mitologiagrega/> Acesso em: 31/Mar/2010Platão. Disponível em: <http://www.meuartigo.brasilescola.com/biografia/platao.htm> Acesso em 31/Mar/2010Renascença. Disponível em: <http://pt.shvoong.com/social-sciences/education/1100066-educa%C3%A7%C3%A3o-na-renascen%C3%A7a/> Acesso em: 31/Mar/2010Sofistas. Disponível em <http://www.infoescola.com/filosofia/sofistas/> Acesso em: 22/Mar/2010HESSEN, Johannes; CORREIA, Antonio (Trad. Portuguesa). Teoria do conhecimento. Portugal, Editora Coimbra, 1987. referências