SlideShare uma empresa Scribd logo
E.E.B. JOÃO ROBERTO MOREIRA
ALUNOS: AMANDA DORST,ARIEL DONADELLO, GILNEI
BOLZAN,JOÃO SANCHES E MICHELI FONTANA
TURMA: 8°ANO 01
PROFESSORA: NELCI DE MATTOS
GRIPES E
RESFRIADOS
INDRODUÇÃO
 Gripe e resfriado são doenças distintas, causadas por
vírus diferentes, mas que partilham vários sintomas
em comum, motivo pelo qual muitas pessoas acham
que ambas são sinônimos. Não são. Apesar de serem
parecidos, gripe é gripe e resfriado é resfriado.
RESFRIADO
O que é Resfriado?
 Sinônimos: infecção viral do trato respiratório
superior
 O resfriado comum é uma infecção viral do trato
respiratório superior, que afeta principalmente o
nariz e a garganta.
 Essa é uma das doenças mais comuns que existem.
Eventualmente, todas as pessoas ficarão resfriadas
mais de uma vez na vida.
SINTOMAS DO RESFRIADO
- Congestão nasal
- Coriza
- Garganta irritada
- Espirro
- Febre de forma geral
- Tosse (leve)
- Diminuição do apetite
- Dor de garganta
Agravamento dos sintomas
 Normalmente, os sintomas do resfriado comum
desaparecem entre o 4º e o 10º dia após a infecção,
que acontece, especialmente, após exposição ao frio.
 No entanto, quando os sintomas do resfriado comum
demoram para passar, o indivíduo pode desenvolver
complicações como infecção bacteriana nos ouvido,
na traqueia ou nas vias respiratórias.
Tratamento para resfriado
 O tratamento para o resfriado comum consiste em
fortalecer as defesas do organismo e combater os
sintomas através de:
 Comer alimentos ricos em vitamina C, como acerola,
morango, laranja e limão;
 Além disso, é importante evitar as mudanças bruscas
de temperatura e evitar o consumo de alimentos
gelados.
Tipos de vírus
 Rinovírus na maioria dos casos, mas também pode
ser causado por Adenovirus, Vírus sincicial
respiratório, Coronavirus, Parainfluenza, entre
outros.
Prevenção
Uma boa higiene pode ajudar na prevenção e interrupção da
propagação de vírus do resfriado em casa.
 Cubra a sua boca e nariz com um lenço quando tossir ou
espirrar
 Jogue lenços usados em uma lata de lixo e lave as suas mãos
cuidadosamente após o descarte
 Se você não tiver acesso a sabonete e água, use um
higienizador de mãos
 Lave as mãos freqüentemente com sabonete e água ou use
um higienizador de mãos
 Lave e desinfete regularmente as superfícies tocadas
freqüentemente, especialmente maçanetas, corrimãos e
torneiras
 Evite contato próximo com pessoas com resfriado.
Mitos
"Tomar a vacina contra gripe durante a
gravidez vai afetar o meu bebê".
 Não, não vai. Se você pegar a gripe durante a sua
gravidez, você pode ficar muito debilitada, o que
pode ser prejudicial para o seu bebê. Alem disso,
tomar a vacina a qualquer momento da gravidez irá
ajudar a proteger o seu bebê da gripe durante os
primeiros meses após o nascimento.
"Sair com cabelo ou roupas molhadas causará
um resfriado".
 É algo que as nossas mães e avós sempre nos
disseram, você provavelmente só sentirá frio, mas
ficará perfeitamente saudável. Ao menos que você
entre em contato com alguém que tenha o resfriado
comum ou gripe, ou entre em contato com uma
superfície ou comida contaminada, assim acarretará
no contagio.”
GRIPE
O que é Gripe?
 Também conhecida como influenza, a gripe é uma
infecção do sistema respiratório cuja principal
complicação é a pneumonia, responsável por um
grande número de internações hospitalares no país.
Causa
 A gripe é causada pelo vírus influenza. Seus sintomas
geralmente aparecem de forma repentina, com febre,
vermelhidão no rosto, dores no corpo e cansaço.
Entre o segundo e o quarto dia, os sintomas do corpo
tendem a diminuir enquanto os sintomas
respiratórios aumentam, aparecendo com frequência
uma tosse seca.
Sintomas da gripe
 Febre elevada
 Arrepios repentinos
 Dor de cabeça
 Dor muscular
 Dor de garganta (ou garganta inflamada)
 Nariz entupindo (ou escorrendo)
 Tosse seca
Tratamento da gripe
 Ainda não existem medicamentos que tenham
demonstrado bons resultados no combate aos vírus
da gripe e do resfriado. Por isso, o tratamento é
direcionado ao alívio dos sintomas da gripe. Os
principais medicamentos sintomáticos utilizados são
os analgésicos e antitérmicos, que aliviam a dor e a
febre.
Alguns medicamentos
 Fluitoss
 Fluviral
 Ibupril (cápsula)
 Ibupril (gotas)
 Ibupril 400mg
 Ibuprofeno
 Leucogen
 Multigrip
 Naldecon Dia
 Naldecon Noite
 Paracetamol Bebê
 Paracetamol
 Trimedal
Prevenção
 A vacina da gripe é a melhor maneira de evitar a
gripe e suas complicações. Todos os anos, é
necessário receber uma nova dose, já que a sua
composição é alterada de acordo com o tipo de vírus
mais provável de se disseminar. A vacina da gripe
previne aproximadamente 70-90% dos casos de
gripe, mas não protege contra outras infecções
respiratórias, como o resfriado.
Vacina
O QUE É A VACINA DA GRIPE?
 No Brasil, a vacina contra a gripe é feita com vírus
morto. Ela contém apenas algumas proteínas
específicas do vírus Influenza, chamadas de
antígenos, que são capazes de estimular o sistema
imunológico a produzir anticorpos.
GRIPE H1N1
O que é Gripe H1N1?
 A gripe H1N1 consiste em uma doença causada por
uma mutação do vírus da gripe. Também conhecida
como gripe Influenza tipo A ou gripe suína, ela se
tornou conhecida quando afetou grande parte da
população mundial entre 2009 e 2010.
Sintomas
 Os sintomas da gripe H1N1 são bem parecidos com
os da gripe comum e a transmissão também ocorre
da mesma forma. O problema da gripe H1N1 é que
ela pode levar a complicações de saúde muito graves,
podendo levar os pacientes até mesmo à morte.
 Febre alta
 Tosse
 Dor de cabeça
 Dores musculares
 Falta de ar
 Espirros
 Dor na garganta
 Fraqueza
 Coriza
 Congestão nasal
 Náuseas e vômitos
 Diarreia
Surto
 Em 2016 a gripe H1N1 chegou mais cedo ao Brasil.
Em março de 2016 o número de casos só no estado
de São Paulo superou a quantidade de pessoas
doentes em 2015 em todo o país. São 260 casos no
Estado até março de 2016, contra 141 no Brasil no
ano anterior.
Fatores de risco
 A gripe H1N1, como qualquer gripe, pode afetar
pessoas de todas as idades, mas, no período em que
houve a pandemia, notou-se que o vírus infectou
mais pessoas entre os cinco e os 24 anos. Foram
poucos os casos de gripe H1N1 relatados em pessoas
acima dos 65 anos de idade.
 Gestantes, doentes crônicos (como diabéticos),
crianças pequenas, pessoas com obesidade e com
outros problemas respiratórios também estão entre
os grupos mais vulneráveis para gripe H1N1.
Tratamento
 A maioria dos casos de gripe H1N1 foi sanada
completamente sem a necessidade de internação
hospitalar ou do uso de antivirais. Em alguns casos,
no entanto, o uso de medicamentos e a observação
clínica são necessários para garantir a recuperação
do paciente.
Vacina (H1n1)
Devido ao aumento súbito de casos no início de 2016, a prefeitura de
São José do Rio Preto está fazendo uma campanha de vacinação
extra na cidade, usando o lote de vacinas de 2015, que contempla
também H1N1. No entanto, é muito importante ressaltar que em
2016 uma nova vacina da gripe será lançada na campanha nacional
de vacinação contra a gripe, e ela também contemplará a H1N1 e
deverá ser tomada.
 A vacinação normalmente é oferecida na rede pública para pessoas
dentro dos grupos de risco, ou seja:
 Crianças entre 6 meses e 5 anos
 Idosos acima de 60 anos
 Gestantes
 Portadores de doenças crônicas, como bronquite e asma.
 Quem não se encaixa nesses grupos, mas quer se prevenir, deve
buscar a vacina em clínicas particulares.
OBRIGADA
PELA ATENÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3.asma (27jan2015)
3.asma (27jan2015)3.asma (27jan2015)
3.asma (27jan2015)
Mônica Firmida
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Acidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentosAcidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentos
Nathy Oliveira
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
Danielle Climaco
 
Sarampo
SarampoSarampo
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Adriana Bonadia dos Santos
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
Tedson Murillo
 
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
Júlia Moreira
 
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Luciane Santana
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Manoela Correia
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
Marconi Borba Mondo
 
Gripe
GripeGripe
Catapora slide tarba
Catapora slide tarbaCatapora slide tarba
Catapora slide tarba
Ana Carolina Gomes
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
Fausto Barros
 
Febre chikungunya
Febre chikungunyaFebre chikungunya
Febre chikungunya
Karolina Peixoto
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
connect2009
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
Rui Silva
 
Microbiologia04
Microbiologia04Microbiologia04
Microbiologia04
Sheilla Sandes
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
Safia Naser
 
Meningite - Vacinas
Meningite - VacinasMeningite - Vacinas
Meningite - Vacinas
Fabricio Batistoni
 

Mais procurados (20)

3.asma (27jan2015)
3.asma (27jan2015)3.asma (27jan2015)
3.asma (27jan2015)
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Acidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentosAcidentes por animais peçonhentos
Acidentes por animais peçonhentos
 
Poliomielite
Poliomielite Poliomielite
Poliomielite
 
Sarampo
SarampoSarampo
Sarampo
 
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
Saúde coletiva - Difiteria (crupe)
 
parasitoses
parasitosesparasitoses
parasitoses
 
Vacinas
Vacinas Vacinas
Vacinas
 
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
Asma,bronquite,rinite e sinusite.Seus aspecto fisiológico
 
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumoniaCuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
Cuidados de enfermagem ao paciente com pneumonia
 
Poliomielite
PoliomielitePoliomielite
Poliomielite
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Catapora slide tarba
Catapora slide tarbaCatapora slide tarba
Catapora slide tarba
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Febre chikungunya
Febre chikungunyaFebre chikungunya
Febre chikungunya
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Microbiologia04
Microbiologia04Microbiologia04
Microbiologia04
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
 
Meningite - Vacinas
Meningite - VacinasMeningite - Vacinas
Meningite - Vacinas
 

Semelhante a Gripes e Resfriados

Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
carlasilvavellar
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
guestf07d899
 
Influenza humana
Influenza humanaInfluenza humana
Influenza humana
Jenivaldo Araujo Dias
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
ecsette
 
Gripe
GripeGripe
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
epjb
 
Gripe Suina
Gripe SuinaGripe Suina
Gripe Suina
josé Augusto Dias
 
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe AApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
Cristina Vitória
 
Gripe A Folheto Informativo
Gripe A Folheto InformativoGripe A Folheto Informativo
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
8Aap
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
Clodomir Araújo
 
Influenza Hc[1]
Influenza   Hc[1]Influenza   Hc[1]
Influenza Hc[1]
Sama De Freitas Juliani
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
Augusto Mello
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
Milene Cristina
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Padua Carobrez
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
izabelfonseca
 
influenza
influenzainfluenza
influenza
andreadc
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
whstutz
 
INFLUENZA HC
INFLUENZA HCINFLUENZA HC
INFLUENZA HC
GSP
 
H1 n1
H1 n1H1 n1

Semelhante a Gripes e Resfriados (20)

Influenza a
Influenza aInfluenza a
Influenza a
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Influenza humana
Influenza humanaInfluenza humana
Influenza humana
 
Gripe E Resfriado
Gripe E ResfriadoGripe E Resfriado
Gripe E Resfriado
 
Gripe
GripeGripe
Gripe
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Gripe Suina
Gripe SuinaGripe Suina
Gripe Suina
 
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe AApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
ApresentaçãO PopulaçãO Sobre Gripe A
 
Gripe A Folheto Informativo
Gripe A Folheto InformativoGripe A Folheto Informativo
Gripe A Folheto Informativo
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
Influenza Hc[1]
Influenza   Hc[1]Influenza   Hc[1]
Influenza Hc[1]
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
influenza
influenzainfluenza
influenza
 
Influenza
InfluenzaInfluenza
Influenza
 
INFLUENZA HC
INFLUENZA HCINFLUENZA HC
INFLUENZA HC
 
H1 n1
H1 n1H1 n1
H1 n1
 

Mais de João Pedro Sanches

Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
João Pedro Sanches
 
O Início da Republica no Brasil
O Início da Republica no BrasilO Início da Republica no Brasil
O Início da Republica no Brasil
João Pedro Sanches
 
Suriname
SurinameSuriname
Adam Smith
Adam SmithAdam Smith
Peru
PeruPeru
Paraguai
ParaguaiParaguai
Regras do tênis de mesa
Regras do tênis de mesaRegras do tênis de mesa
Regras do tênis de mesa
João Pedro Sanches
 
Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
João Pedro Sanches
 

Mais de João Pedro Sanches (8)

Oriente médio
Oriente médioOriente médio
Oriente médio
 
O Início da Republica no Brasil
O Início da Republica no BrasilO Início da Republica no Brasil
O Início da Republica no Brasil
 
Suriname
SurinameSuriname
Suriname
 
Adam Smith
Adam SmithAdam Smith
Adam Smith
 
Peru
PeruPeru
Peru
 
Paraguai
ParaguaiParaguai
Paraguai
 
Regras do tênis de mesa
Regras do tênis de mesaRegras do tênis de mesa
Regras do tênis de mesa
 
Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
 

Último

Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
FernandaCastro768379
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Camila Lorranna
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 

Último (12)

Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 

Gripes e Resfriados

  • 1. E.E.B. JOÃO ROBERTO MOREIRA ALUNOS: AMANDA DORST,ARIEL DONADELLO, GILNEI BOLZAN,JOÃO SANCHES E MICHELI FONTANA TURMA: 8°ANO 01 PROFESSORA: NELCI DE MATTOS GRIPES E RESFRIADOS
  • 2. INDRODUÇÃO  Gripe e resfriado são doenças distintas, causadas por vírus diferentes, mas que partilham vários sintomas em comum, motivo pelo qual muitas pessoas acham que ambas são sinônimos. Não são. Apesar de serem parecidos, gripe é gripe e resfriado é resfriado.
  • 3. RESFRIADO O que é Resfriado?  Sinônimos: infecção viral do trato respiratório superior  O resfriado comum é uma infecção viral do trato respiratório superior, que afeta principalmente o nariz e a garganta.  Essa é uma das doenças mais comuns que existem. Eventualmente, todas as pessoas ficarão resfriadas mais de uma vez na vida.
  • 4. SINTOMAS DO RESFRIADO - Congestão nasal - Coriza - Garganta irritada - Espirro - Febre de forma geral - Tosse (leve) - Diminuição do apetite - Dor de garganta
  • 5. Agravamento dos sintomas  Normalmente, os sintomas do resfriado comum desaparecem entre o 4º e o 10º dia após a infecção, que acontece, especialmente, após exposição ao frio.  No entanto, quando os sintomas do resfriado comum demoram para passar, o indivíduo pode desenvolver complicações como infecção bacteriana nos ouvido, na traqueia ou nas vias respiratórias.
  • 6. Tratamento para resfriado  O tratamento para o resfriado comum consiste em fortalecer as defesas do organismo e combater os sintomas através de:  Comer alimentos ricos em vitamina C, como acerola, morango, laranja e limão;  Além disso, é importante evitar as mudanças bruscas de temperatura e evitar o consumo de alimentos gelados.
  • 7. Tipos de vírus  Rinovírus na maioria dos casos, mas também pode ser causado por Adenovirus, Vírus sincicial respiratório, Coronavirus, Parainfluenza, entre outros.
  • 8. Prevenção Uma boa higiene pode ajudar na prevenção e interrupção da propagação de vírus do resfriado em casa.  Cubra a sua boca e nariz com um lenço quando tossir ou espirrar  Jogue lenços usados em uma lata de lixo e lave as suas mãos cuidadosamente após o descarte  Se você não tiver acesso a sabonete e água, use um higienizador de mãos  Lave as mãos freqüentemente com sabonete e água ou use um higienizador de mãos  Lave e desinfete regularmente as superfícies tocadas freqüentemente, especialmente maçanetas, corrimãos e torneiras  Evite contato próximo com pessoas com resfriado.
  • 9. Mitos "Tomar a vacina contra gripe durante a gravidez vai afetar o meu bebê".  Não, não vai. Se você pegar a gripe durante a sua gravidez, você pode ficar muito debilitada, o que pode ser prejudicial para o seu bebê. Alem disso, tomar a vacina a qualquer momento da gravidez irá ajudar a proteger o seu bebê da gripe durante os primeiros meses após o nascimento.
  • 10. "Sair com cabelo ou roupas molhadas causará um resfriado".  É algo que as nossas mães e avós sempre nos disseram, você provavelmente só sentirá frio, mas ficará perfeitamente saudável. Ao menos que você entre em contato com alguém que tenha o resfriado comum ou gripe, ou entre em contato com uma superfície ou comida contaminada, assim acarretará no contagio.”
  • 11. GRIPE O que é Gripe?  Também conhecida como influenza, a gripe é uma infecção do sistema respiratório cuja principal complicação é a pneumonia, responsável por um grande número de internações hospitalares no país.
  • 12. Causa  A gripe é causada pelo vírus influenza. Seus sintomas geralmente aparecem de forma repentina, com febre, vermelhidão no rosto, dores no corpo e cansaço. Entre o segundo e o quarto dia, os sintomas do corpo tendem a diminuir enquanto os sintomas respiratórios aumentam, aparecendo com frequência uma tosse seca.
  • 13. Sintomas da gripe  Febre elevada  Arrepios repentinos  Dor de cabeça  Dor muscular  Dor de garganta (ou garganta inflamada)  Nariz entupindo (ou escorrendo)  Tosse seca
  • 14. Tratamento da gripe  Ainda não existem medicamentos que tenham demonstrado bons resultados no combate aos vírus da gripe e do resfriado. Por isso, o tratamento é direcionado ao alívio dos sintomas da gripe. Os principais medicamentos sintomáticos utilizados são os analgésicos e antitérmicos, que aliviam a dor e a febre.
  • 15. Alguns medicamentos  Fluitoss  Fluviral  Ibupril (cápsula)  Ibupril (gotas)  Ibupril 400mg  Ibuprofeno  Leucogen  Multigrip  Naldecon Dia  Naldecon Noite  Paracetamol Bebê  Paracetamol  Trimedal
  • 16. Prevenção  A vacina da gripe é a melhor maneira de evitar a gripe e suas complicações. Todos os anos, é necessário receber uma nova dose, já que a sua composição é alterada de acordo com o tipo de vírus mais provável de se disseminar. A vacina da gripe previne aproximadamente 70-90% dos casos de gripe, mas não protege contra outras infecções respiratórias, como o resfriado.
  • 17. Vacina O QUE É A VACINA DA GRIPE?  No Brasil, a vacina contra a gripe é feita com vírus morto. Ela contém apenas algumas proteínas específicas do vírus Influenza, chamadas de antígenos, que são capazes de estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos.
  • 18. GRIPE H1N1 O que é Gripe H1N1?  A gripe H1N1 consiste em uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. Também conhecida como gripe Influenza tipo A ou gripe suína, ela se tornou conhecida quando afetou grande parte da população mundial entre 2009 e 2010.
  • 19. Sintomas  Os sintomas da gripe H1N1 são bem parecidos com os da gripe comum e a transmissão também ocorre da mesma forma. O problema da gripe H1N1 é que ela pode levar a complicações de saúde muito graves, podendo levar os pacientes até mesmo à morte.
  • 20.  Febre alta  Tosse  Dor de cabeça  Dores musculares  Falta de ar  Espirros  Dor na garganta  Fraqueza  Coriza  Congestão nasal  Náuseas e vômitos  Diarreia
  • 21. Surto  Em 2016 a gripe H1N1 chegou mais cedo ao Brasil. Em março de 2016 o número de casos só no estado de São Paulo superou a quantidade de pessoas doentes em 2015 em todo o país. São 260 casos no Estado até março de 2016, contra 141 no Brasil no ano anterior.
  • 22. Fatores de risco  A gripe H1N1, como qualquer gripe, pode afetar pessoas de todas as idades, mas, no período em que houve a pandemia, notou-se que o vírus infectou mais pessoas entre os cinco e os 24 anos. Foram poucos os casos de gripe H1N1 relatados em pessoas acima dos 65 anos de idade.  Gestantes, doentes crônicos (como diabéticos), crianças pequenas, pessoas com obesidade e com outros problemas respiratórios também estão entre os grupos mais vulneráveis para gripe H1N1.
  • 23. Tratamento  A maioria dos casos de gripe H1N1 foi sanada completamente sem a necessidade de internação hospitalar ou do uso de antivirais. Em alguns casos, no entanto, o uso de medicamentos e a observação clínica são necessários para garantir a recuperação do paciente.
  • 24. Vacina (H1n1) Devido ao aumento súbito de casos no início de 2016, a prefeitura de São José do Rio Preto está fazendo uma campanha de vacinação extra na cidade, usando o lote de vacinas de 2015, que contempla também H1N1. No entanto, é muito importante ressaltar que em 2016 uma nova vacina da gripe será lançada na campanha nacional de vacinação contra a gripe, e ela também contemplará a H1N1 e deverá ser tomada.  A vacinação normalmente é oferecida na rede pública para pessoas dentro dos grupos de risco, ou seja:  Crianças entre 6 meses e 5 anos  Idosos acima de 60 anos  Gestantes  Portadores de doenças crônicas, como bronquite e asma.  Quem não se encaixa nesses grupos, mas quer se prevenir, deve buscar a vacina em clínicas particulares.